SlideShare uma empresa Scribd logo
MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 0
MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 1
MANUAL DOS 5S
João Paulo Pinto.
CLT VALUEBASED SYSTEMS Lda.
www.cltservices.net
Cidade do Porto, Maio de 2016.
Aos meus meninos lindos,
Tiago e Beatriz Pinto.
“As grandes conquistas resultam do pequeno contributo de
muitos e não do enorme esforço de apenas um”.
Provérbio Chinês.
Nota do autor: este texto está escrito em Português.
MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 2
Tabela de conteúdos
Apresentação 03
Introdução 03
O que são os 5S 05
S1. Seiri 06
S2. Seiton 08
S3. Seiso 10
S4. Seiketsu 12
S5. Shitsuke 13
S5+1. Segurança 14
A prática dos 5S 17
Roadmap de implementação 19
O que pode correr mal na implementação dos 5S 21
Requisitos importantes para ter sucesso nos 5S 21
Checklist para a implementação 5S 22
Os 5S no escritório 24
As auditorias 5S 26
O papel do auditor 5S 26
As red tags 27
The gemba walk 28
Prepare o seu gemba walk 29
Quando os 5S são pura cosmética 31
Conclusão 32
Referências e bibliografia 35
Anexos 36
I. Auditoria 5S (checklist de apoio) 37
II. Checklist 5S Office 38
III. O Jogo 5S 40
IV. O Kit 5S 43
V. O quadro kamishibai 45
MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 3
APRESENTAÇÃO
Se a sua empresa, como muitas outras hoje, procura ganhar vantagens competitivas, algo
que se reflecte na redução de custos, na maior participação dos colaboradores, no
aumento de vendas e em maior agilidade, então este Manual pode ser-lhe útil.
Nos últimos anos, são muitas as empresas que têm optado por seguir o caminho dos 5S,
adoptanto metodologias de organização do trabalho e o good housekeeping como parte
da sua estratégia de melhoria contínua. A prática dos 5S tem sido comumente usada
entre muitas Organizações com o objetivo de aumentar a capacidade e a produtividade
humana.
Desde que foram apresentados ao mundo ocidental por Takashi Osada no início dos anos
1980s, acredita-se que a aplicação da metodologia 5S poderá aumentar
consideravelmente o desempenho dos processos de trabalho incluindo melhorias ao
nível da limpeza, qualidade, saúde, segurança e muitas mais.
Posto de um modo simples, os 5S são uma abordagem sistemática para a organização
dos locais de trabalho. Mas na realidade é muito mais que isso. Os 5S são sinónimo de
eficiência, competitividade e sobrevivência. É uma metodologia enganadoramente
simples que cria locais de trabalho organizados e produtivos.
Ao contrário do que se pensa, os 5S não são apenas limpeza e eliminação de monos. Os
5S criam um ambiente de trabalho adaptável aos tempos turbulentos em que vivemos.
O caos e a baixa produtividade são os nossos inimigos – organização e eficiência são os
nossos aliados.
Vamos a isso!
INTRODUÇÃO
Os 5S são um exemplo daquilo que vulgarmente se chama de práticas de “good
housekeeping” (ie, arrumação e manutenção da casa), um sentido de limpeza e
organização profundas. Suponho que todos reconhecem que locais de trabalho
desarrumados e sujos são menos produtivos, mais perigosos e serão poucos aqueles que
se sentem bem em tais ambientes.
Os 5S criam o ambiente propício para o desenvolvimento da filosofia Lean Thinking nas
Organizações dado que é muito centrado nas pessoas e os seus resultados são
rapidamente alcançados (além disso, tornam-se visíveis). Por exemplo, o trabalho
padrão (work standard) depende da permanência de equipamentos, ferramentas e
MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 4
materiais sempre no mesmo local. A implementação de um programa TPM (total
productive maintenance) e a consequente AM (autonomous maintenance, manutenção
autónoma) dependem fortemente da adopção dos 5S por parte de operadores de
máquinas e técnicos de manutenção.
Uma das preocupações centrais da filosofia lean é eliminar os desperdícios (mudas) nas
Organizações. Desperdício é definido como tudo o que não acrescenta valor e resulta no
aumento de tempos e de custos, ou seja, tudo quanto o cliente não está disposto a pagar.
Taiichi Ohno (1912-90), um dos maiores impulsionadores do pensamento lean,
identificou sete mudas clássicos que a seguir se apresentam e se relacionam com o
contributo dado pelos 5S na sua eliminação:
Muda (desperdício) Contributo dos 5S para eliminar o muda:
Transportes
Localização dos itens (materiais, equipamentos e
ferramentas) nos pontos de uso.
Stocks
Redução de stocks devido a eliminação de itens não
necessários e a colocação de kanbans para o controlo
de níveis de stocks.
Movimento
A aplicação dos 5S eliminará uma boa parte de
movimentos no local de trabalho (ex. procura e
localização de itens).
Esperas
Os tempos de mudança de máquina são reduzidos
com os 5S.
Excessos de produção
A implementação de marcas no pavimento para a
limitação de stocks e a criação de sistemas visuais
evita os excessos de produção.
Excessos de
processamento
O status do produto ou serviço em cada estágio ou
torna-se evidente e as operações associadas a cada
apenas são realizadas uma vez.
Defeitos
As condições anormais quando acontecem são
rapidamente identificadas e eliminadas. Problemas
com equipamentos (ex. fugas) são facilmente
detectados nas rotinas 5S.
O alvo dos 5S é desenvolver nas pessoas o sentido de preocupação e responsabilidade
pela manutenção das condições normais de trabalho. Os 5S facilitam a comunicação
visual do status dos locais de trabalho, um modelo que encoraja as pessoas a pensarem
sobre o seu local de trabalho e as práticas operacionais que usam.
As empresas que implementam com sucesso os 5S sentem-se orgulhosas em mostrar a
quem os visita o seu gemba (ie, os locais de trabalho) e partilhar o progresso conseguido
com esta abordagem de melhoria contínua.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão de processos_-_completo
Gestão de processos_-_completoGestão de processos_-_completo
Gestão de processos_-_completo
Sérgio de Castro
 
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de CasoMichael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
EloGroup
 
Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
 Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
EloGroup
 
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De ProcessosAs Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
blogdaaula
 
Processos
ProcessosProcessos
Processos
Cesuca
 
Aula 3 final 2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
Aula 3 final   2014.1 ucam - g.contemp - reengenhariaAula 3 final   2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
Aula 3 final 2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
Angelo Peres
 
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
EloGroup
 

Mais procurados (20)

Indicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao leanIndicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao lean
 
Gestão de processos_-_completo
Gestão de processos_-_completoGestão de processos_-_completo
Gestão de processos_-_completo
 
Gestao de processos
Gestao de processosGestao de processos
Gestao de processos
 
Convergência de Modelos de Gestão | GUDAY 2013
Convergência de Modelos de Gestão | GUDAY 2013Convergência de Modelos de Gestão | GUDAY 2013
Convergência de Modelos de Gestão | GUDAY 2013
 
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de CasoMichael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
Michael Rosemann - Governança de BPM - Estudos de Caso
 
Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
 Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
Investigando o papel da gestão por processos nos sistemas verdes
 
Principais Entregas para estabelecer o Gerenciamento de Processos de Negócios...
Principais Entregas para estabelecer o Gerenciamento de Processos de Negócios...Principais Entregas para estabelecer o Gerenciamento de Processos de Negócios...
Principais Entregas para estabelecer o Gerenciamento de Processos de Negócios...
 
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De ProcessosAs Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
As Empresas SãO Grandes ColeçõEs De Processos
 
Processos
ProcessosProcessos
Processos
 
Erp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao CustomizarErp Customizar Ou Nao Customizar
Erp Customizar Ou Nao Customizar
 
Workshop Gestão Integrada
Workshop   Gestão IntegradaWorkshop   Gestão Integrada
Workshop Gestão Integrada
 
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo GonçalvesBPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
BPM DAY Campinas - Palestra com Ricardo Gonçalves
 
Aula 3 final 2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
Aula 3 final   2014.1 ucam - g.contemp - reengenhariaAula 3 final   2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
Aula 3 final 2014.1 ucam - g.contemp - reengenharia
 
Roadmap implementaçãoTPM
Roadmap  implementaçãoTPMRoadmap  implementaçãoTPM
Roadmap implementaçãoTPM
 
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
Inovação - Parte 4 - Maturidade em Processos - De Boas Ideias para uma Gestão...
 
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
EloGroup BPT - Ebook Business Process Transformation
 
Aula 1 Modelagem De Processos
Aula 1   Modelagem De ProcessosAula 1   Modelagem De Processos
Aula 1 Modelagem De Processos
 
[BPM Day Porto Alegre] Suzete Araújo Leal (FIERGS) - Gerenciamento de Serviço...
[BPM Day Porto Alegre] Suzete Araújo Leal (FIERGS) - Gerenciamento de Serviço...[BPM Day Porto Alegre] Suzete Araújo Leal (FIERGS) - Gerenciamento de Serviço...
[BPM Day Porto Alegre] Suzete Araújo Leal (FIERGS) - Gerenciamento de Serviço...
 
Reengenharia de processos de negócios.
Reengenharia de processos de negócios.Reengenharia de processos de negócios.
Reengenharia de processos de negócios.
 
Qual o seu perfil: Gestor ou Empreendedor?
Qual o seu perfil: Gestor ou Empreendedor?Qual o seu perfil: Gestor ou Empreendedor?
Qual o seu perfil: Gestor ou Empreendedor?
 

Destaque (7)

Artigo Harada parte1
Artigo Harada parte1Artigo Harada parte1
Artigo Harada parte1
 
Scm win win relations
Scm win win relationsScm win win relations
Scm win win relations
 
Scrum master course 2016
Scrum master course 2016Scrum master course 2016
Scrum master course 2016
 
When murphy talks
When murphy talksWhen murphy talks
When murphy talks
 
Takt time and Cycle time
Takt time and Cycle timeTakt time and Cycle time
Takt time and Cycle time
 
Supply Chain Management o caso IKEA
Supply Chain Management  o caso IKEASupply Chain Management  o caso IKEA
Supply Chain Management o caso IKEA
 
Mudança Interior
Mudança InteriorMudança Interior
Mudança Interior
 

Semelhante a Manual dos 5S

Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Everson Santos
 

Semelhante a Manual dos 5S (20)

Kaisen e 5s
Kaisen e 5sKaisen e 5s
Kaisen e 5s
 
Senai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdfSenai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdf
 
5S.pptx
5S.pptx5S.pptx
5S.pptx
 
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
Atps de adm da produção e operações etapas 3 e 4
 
Da ca mais cinco
Da ca mais cincoDa ca mais cinco
Da ca mais cinco
 
5S tão fácil e também tão dificil
5S  tão fácil e também tão dificil5S  tão fácil e também tão dificil
5S tão fácil e também tão dificil
 
T04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdfT04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdf
 
T04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdfT04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdf
 
T04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdfT04BG04_Programa_5S.pdf
T04BG04_Programa_5S.pdf
 
Palestra sobre Design Sprint for Process no Agile Curitiba Conference 2018
Palestra sobre Design Sprint for Process no Agile Curitiba Conference 2018Palestra sobre Design Sprint for Process no Agile Curitiba Conference 2018
Palestra sobre Design Sprint for Process no Agile Curitiba Conference 2018
 
programa-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).pptprograma-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).ppt
 
programa-5-s1- Porque e como implementar 5S.ppt
programa-5-s1- Porque e como implementar 5S.pptprograma-5-s1- Porque e como implementar 5S.ppt
programa-5-s1- Porque e como implementar 5S.ppt
 
programa-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).pptprograma-5-s1 (1).ppt
programa-5-s1 (1).ppt
 
programa-5-s1.ppt
programa-5-s1.pptprograma-5-s1.ppt
programa-5-s1.ppt
 
Programa 5-s1
Programa 5-s1Programa 5-s1
Programa 5-s1
 
Sistema 5 s
Sistema 5 sSistema 5 s
Sistema 5 s
 
Just in time ok
Just in time okJust in time ok
Just in time ok
 
Palestra sobre Design Sprint for Process no BPM Day 2018
Palestra sobre Design Sprint for Process no BPM Day 2018Palestra sobre Design Sprint for Process no BPM Day 2018
Palestra sobre Design Sprint for Process no BPM Day 2018
 
5 s s_segredos
5 s s_segredos5 s s_segredos
5 s s_segredos
 
5 s v20091004
5 s v200910045 s v20091004
5 s v20091004
 

Mais de CLT Valuebased Services

Mais de CLT Valuebased Services (20)

Estudo de um Caso
Estudo de um CasoEstudo de um Caso
Estudo de um Caso
 
Caso testo lean
Caso testo leanCaso testo lean
Caso testo lean
 
CPFR lean SCM
CPFR lean SCMCPFR lean SCM
CPFR lean SCM
 
Case study Parfois
Case study  ParfoisCase study  Parfois
Case study Parfois
 
Ikea case study
Ikea  case studyIkea  case study
Ikea case study
 
Case study Walmart
Case study WalmartCase study Walmart
Case study Walmart
 
Logistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e MizuLogistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e Mizu
 
Last Mile Logistics
Last Mile LogisticsLast Mile Logistics
Last Mile Logistics
 
Industry 4.0
Industry 4.0Industry 4.0
Industry 4.0
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
 
Tabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPCTabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPC
 
Bordo de linha
Bordo de linhaBordo de linha
Bordo de linha
 
Scrum Book
Scrum BookScrum Book
Scrum Book
 
Booklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho finalBooklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho final
 
Domotica
DomoticaDomotica
Domotica
 
Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
 
Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019
 
Fut global-edition
Fut  global-editionFut  global-edition
Fut global-edition
 
Tabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPCTabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPC
 
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do MizuExercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
 

Manual dos 5S

  • 1. MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 0
  • 2. MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 1 MANUAL DOS 5S João Paulo Pinto. CLT VALUEBASED SYSTEMS Lda. www.cltservices.net Cidade do Porto, Maio de 2016. Aos meus meninos lindos, Tiago e Beatriz Pinto. “As grandes conquistas resultam do pequeno contributo de muitos e não do enorme esforço de apenas um”. Provérbio Chinês. Nota do autor: este texto está escrito em Português.
  • 3. MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 2 Tabela de conteúdos Apresentação 03 Introdução 03 O que são os 5S 05 S1. Seiri 06 S2. Seiton 08 S3. Seiso 10 S4. Seiketsu 12 S5. Shitsuke 13 S5+1. Segurança 14 A prática dos 5S 17 Roadmap de implementação 19 O que pode correr mal na implementação dos 5S 21 Requisitos importantes para ter sucesso nos 5S 21 Checklist para a implementação 5S 22 Os 5S no escritório 24 As auditorias 5S 26 O papel do auditor 5S 26 As red tags 27 The gemba walk 28 Prepare o seu gemba walk 29 Quando os 5S são pura cosmética 31 Conclusão 32 Referências e bibliografia 35 Anexos 36 I. Auditoria 5S (checklist de apoio) 37 II. Checklist 5S Office 38 III. O Jogo 5S 40 IV. O Kit 5S 43 V. O quadro kamishibai 45
  • 4. MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 3 APRESENTAÇÃO Se a sua empresa, como muitas outras hoje, procura ganhar vantagens competitivas, algo que se reflecte na redução de custos, na maior participação dos colaboradores, no aumento de vendas e em maior agilidade, então este Manual pode ser-lhe útil. Nos últimos anos, são muitas as empresas que têm optado por seguir o caminho dos 5S, adoptanto metodologias de organização do trabalho e o good housekeeping como parte da sua estratégia de melhoria contínua. A prática dos 5S tem sido comumente usada entre muitas Organizações com o objetivo de aumentar a capacidade e a produtividade humana. Desde que foram apresentados ao mundo ocidental por Takashi Osada no início dos anos 1980s, acredita-se que a aplicação da metodologia 5S poderá aumentar consideravelmente o desempenho dos processos de trabalho incluindo melhorias ao nível da limpeza, qualidade, saúde, segurança e muitas mais. Posto de um modo simples, os 5S são uma abordagem sistemática para a organização dos locais de trabalho. Mas na realidade é muito mais que isso. Os 5S são sinónimo de eficiência, competitividade e sobrevivência. É uma metodologia enganadoramente simples que cria locais de trabalho organizados e produtivos. Ao contrário do que se pensa, os 5S não são apenas limpeza e eliminação de monos. Os 5S criam um ambiente de trabalho adaptável aos tempos turbulentos em que vivemos. O caos e a baixa produtividade são os nossos inimigos – organização e eficiência são os nossos aliados. Vamos a isso! INTRODUÇÃO Os 5S são um exemplo daquilo que vulgarmente se chama de práticas de “good housekeeping” (ie, arrumação e manutenção da casa), um sentido de limpeza e organização profundas. Suponho que todos reconhecem que locais de trabalho desarrumados e sujos são menos produtivos, mais perigosos e serão poucos aqueles que se sentem bem em tais ambientes. Os 5S criam o ambiente propício para o desenvolvimento da filosofia Lean Thinking nas Organizações dado que é muito centrado nas pessoas e os seus resultados são rapidamente alcançados (além disso, tornam-se visíveis). Por exemplo, o trabalho padrão (work standard) depende da permanência de equipamentos, ferramentas e
  • 5. MANUAL DOS 5S [CLT Valuebased Services © 2016] Página 4 materiais sempre no mesmo local. A implementação de um programa TPM (total productive maintenance) e a consequente AM (autonomous maintenance, manutenção autónoma) dependem fortemente da adopção dos 5S por parte de operadores de máquinas e técnicos de manutenção. Uma das preocupações centrais da filosofia lean é eliminar os desperdícios (mudas) nas Organizações. Desperdício é definido como tudo o que não acrescenta valor e resulta no aumento de tempos e de custos, ou seja, tudo quanto o cliente não está disposto a pagar. Taiichi Ohno (1912-90), um dos maiores impulsionadores do pensamento lean, identificou sete mudas clássicos que a seguir se apresentam e se relacionam com o contributo dado pelos 5S na sua eliminação: Muda (desperdício) Contributo dos 5S para eliminar o muda: Transportes Localização dos itens (materiais, equipamentos e ferramentas) nos pontos de uso. Stocks Redução de stocks devido a eliminação de itens não necessários e a colocação de kanbans para o controlo de níveis de stocks. Movimento A aplicação dos 5S eliminará uma boa parte de movimentos no local de trabalho (ex. procura e localização de itens). Esperas Os tempos de mudança de máquina são reduzidos com os 5S. Excessos de produção A implementação de marcas no pavimento para a limitação de stocks e a criação de sistemas visuais evita os excessos de produção. Excessos de processamento O status do produto ou serviço em cada estágio ou torna-se evidente e as operações associadas a cada apenas são realizadas uma vez. Defeitos As condições anormais quando acontecem são rapidamente identificadas e eliminadas. Problemas com equipamentos (ex. fugas) são facilmente detectados nas rotinas 5S. O alvo dos 5S é desenvolver nas pessoas o sentido de preocupação e responsabilidade pela manutenção das condições normais de trabalho. Os 5S facilitam a comunicação visual do status dos locais de trabalho, um modelo que encoraja as pessoas a pensarem sobre o seu local de trabalho e as práticas operacionais que usam. As empresas que implementam com sucesso os 5S sentem-se orgulhosas em mostrar a quem os visita o seu gemba (ie, os locais de trabalho) e partilhar o progresso conseguido com esta abordagem de melhoria contínua.