SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
www.cltservices.net
TOC/CCPM
Porquê?
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
TOC/CCPM -Porquê?
Pedro Miguel Rodrigues da Costa
pcosta@tap.pt
Lisboa ,31 de Janeiro 2017
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Organização
TAP Group
(*) Controlled by an external independent entity in accordance with the
Competion Authority directives.
2016
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Organização
TAP Group
(*) Controlled by an external independent entity in accordance with the
Competion Authority directives.
Maintenance and Engineering
General Director
Aircraft
Maintenance
Engine
Maintenance
Components
Maintenance
Logistics
Marketing & Sales
Organisation and
Development
Quality and Safety Engineering
Manutenção & Engenharia
Sponsor
Continuous Iimprovement
Project
• Sales Portugal
• Sales Engines
• Communication & Brand
•Customer Service
•Continuous Improvement &
Processes
•HR Development
•Technical Training
•Social and Labour Relations
•Third Parties and Costing
•Invoicing
•Information Technologies
•Fleet and Projects
•Technical Publications
•DOA projects
• Quality Engineering
• Laboratories
•Engineering and Quality
•Planning and Control
•Logistics
•Base Maintenance
•Operational Maintenance
•Engineering and Quality
•Planning and Control
•Logistics
•Engine Shop
•Support Shops
•Engineering and Quality
•Planning and Control
•Logistics
•Avionics Shop
•MHP Shops
•Negotiation
•Technical Purchasing
•Materials Management
•Rotables Management
•Warehouse
•COMAT (EWR)
April 17 TAP M&E Presentation 6
Aircraft Maintenance
Director
Controller Logistics
Engineering &
Quality
Planning & Control
Base
Maintenance
Operational
Maintenance
Base
Maintence
Supervisor
H16
Hangar
Manager
H16
Avionics Team
Leader
H16
FC/H/LG
Team Leader
H16
Cabin Interior
Team Leader
H16
Engine
Team Leader
H16
Structures
Team Leader
H16
Structure
Shop
H16
Painting Shop
H16
……
Manutenção & Engenharia – Manutenção de Aviões
LIS-144038100517QS
Processo de Implementação na Manutenção & Engenharia
Timeline
Jul.
2009
Jan
2010
Fev.
2010
Abr.
2010
Mai.
2010
Diagnostico
realizado
na M&E
Inicio do
Processo
Decisão de criar
uma Area /equipa
para potenciar as
oportunidades
identificadas
Recrutamento
interno
Preparação
Inicio
1º Projectos
Pilotos
desenvolvidos
na Manutenção
de Motores
1º Projectos Pilotos
desenvolvidos na
Manutenção de
Aviões
Lean/ Melhoria Continua
Mar.
2009
Mai.
2014
TOC
Exemplos de Projetos realizados na M&E
Título do Projeto-(# Equipa)
FINALIZADOS
Área
Envolvidas
Sponsor
Via TAT-(17) MM
Expedição de Material- (15) MM
Visual Management-(12) MM
Antecipar Material -(16) MC
A-Check A340 em 24h-(32) MA
Materiais em Closed Loop-(11) MA
Planeamento Prioridades-(18) MC
Follow Up Compras-(5) LG
Prevenção de AT's na MM/MT-(6) ME
Utilização de PMA's na M&E -(10) LG
Reparação de Acessórios de Motores-(20) MM
Gestão de Equipamentos Críticos-(6) MA
Mangas de Salvamento-(6) MC
Processo de Faturação (Diagnóstico)-(10) MM
Oficina de Rodas-(5) MC
Diagnóstico TAT Motores-(2) MM
Diagnóstico TAT C-Checks -(4) MA
Recuperação material Consumo
Planeamento trabalhos em motores /thurst reverser
Distribuição de Carga por Controlador
TAT C-Checks- TOC
ME
MM
LG
MA
MM
MM/LG
MM
MC
MA
MA/LG
MC
LG
MM/RH/UCS
LG/MA/MM/MC/EG/TA
MM/MC/LG
MA/LG
MC/LG
FC/MM/MA/MC/MV/QS
MC/LG
MM
MA
ME/OD/MM/MA/MC
MM
LG
MA/MC/MM/MV/OD/LG
63.000,00 €
57.300,00 €
10.000,00 €
312.000,00 €
10.000,00 €
300.000,00 €
250.000,00 €
300 ,000,00 €
Impacto
Financeiro
TAT C-Checks-ME0017-Diagnóstico
- +
ImpactonaDisponibilidade
Esforço de Implementação
+
-
1 2 3 4
1
2
3
4
R O
P U
L
T
W
V
Q
H
E
F
D J
G
IB
C
M
Z N
K
Early Wins
Gestão da Produção
Processos de Suporte
Organização da Produção
Sugestões de Melhoria
Y
A
S
X
Gestão da Produção – A
ser considerado no
âmbito do projecto
Cargas e Disponibilidade
Objetivo: Aumentar a disponibilidade das aeronaves
10
Porquê Mudar?
• No ano de 2014 a M&E Lisboa teria de subcontratar 6 A/C a outras MROs por falta
de capacidade
• Se fosse possível realizar estas inspeções in-house poderíamos reduzir os custos da
M&E em mais de 2 000 000€
• O índice de pontualidade à saída do Hangar indica uma performance de 89.9%.
• Da analise do planeado versus realizado no que ás inspeções C checks diz respeito existe
um desfasamento de 10%
• Por cada dia que libertemos os aviões TAP das atividades de Manutenção potenciamos a
disponibilidade para o Transporte Aéreo, aumentando a flexibilidade para fazer mais
voos, outros voos, minimizar os cancelamentos de voos e eventuais fretamentos.
• Sustentando uma melhoria de TAT e havendo comunicação efetiva com o nosso principal
cliente, o plano de imobilização do Transporte Aéreo pode ser optimizado
PRECISAMOS DE MUDAR!!
Melhoria Continua 11
Realizar inspeções de aviões é um desafio …
C-Check
Material
Ferramentas
Cartas de Trabalho
Equipamentos
Grupo 1
Estruturas
Grupo 2
Interiors
Cabines
Grupo 4
Qualidade, Engenharia, AOG...
Grupo …
Manuals
Muitas dependências  Reparação estruturais (corrosão, fadiga, etc )
resultante da fase da inspeção da imobilização do
avião
 Necessidades de materiais, ferramentas, produtos etc
 A mesma tarefa nem sempre origina o mesmo tipo de
anomalias por avião
 Operação do A/C poderá condicionar o inicio das
inspecções
 ….
TOC/CCPM-Porquê ?
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Teoria dos Constrangimentos - Conceptual
A Teoria dos Constrangimentos assenta num processo de melhoria contínua, que tem como objectivo aumentar a capacidade das organizações, permitindo
identificar os constrangimentos que a condicionam e determinam de forma a que possam melhorar o seu desempenho como organização. De uma forma muito
simples dizemos que os passos necessários a sua implementação são:
1. Identificar a (s) restrição (ões) do sistema,
2. Explorar a (s) restrição (ões) do sistema,
3. Subordinar o sistema à restrição,
4. Elevar a (s) restrição (ões) do sistema,
5. Se num passo anterior uma restrição não for ultrapassada, voltar a primeiro ponto
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Projecto Piloto – CS- TNS - C3+6Y+EO57+PTU
April 17
• Entrevistas individuais (30-45
minutos) com:
• Cada elemento da Equipa
Principal;
• Coordenadores de Produção;
• Chefes de Produção;
• Chefes de Grupo.
• Reunião com elementos do
Controlo de Produção
• Participação em reuniões de
Produção (diária às 8h30 e de
Planeamento, 3ªfeira às 14h30)
• Acções de familiarização sobre
alguns conceitos da TOC
(multitarefa, redução de WIP, “Full-
kitting”). Simulação de Multitarefa –
“Lançamento de dados”
• Acção de formação sobre a Teoria do
Caminho Crítico e sua aplicabilidade nas
C-Checks
• Acções de familiarização sobre a
determinação do Caminho Crítico e alguns
conceitos associados a TOC (gestão de
prioridades, “buffer”)
• Identificação de potenciais
constrangimentos (e preocupações da
Equipa) inerentes à implementação dos
princípios da TOC
• Desenho preliminar da solução do piloto
CS-TNS:
• Redução de multitarefa;
• Planeamento de rápida execução;
• Construção de grandes Blocos
• Objectivo: Redução de TAT em 30-50%
• Detalhe da solução para o CS-TNS:
• Determinação da sequência de
actividades; alocação de recursos
determinação do caminho crítico ;
• Definição de processo de FK1
• Formação/Consolidação dos conceitos
da TOC:
• A quem? Coordenadores superiores,
Chefes de Produção, Chefes de Grupo e
elementos do Planeamento
• Âmbito: Teoria da Constragimentos
/Integração e funcionalidades do
“Concerto” enquanto ferramenta de
definição/gestão de
prioridades/atribuição de buffers
• Formação prática aos utilizadores
“Concerto”:
• Actualização da informação /base de
dados;
• Explorar as funcionalidades do software
(como obter e interpretar resultados);
• Aprender a actualizar informação;
• Definir responsabilidades e
periodicidades de actualização da
informação.
• Apresentação sumária do “Concerto” a
ME/TI e a ME/MA – Formação
Simulações de Multitarefa: Quebra-
cabeças, Projecto Azul e Vermelho)
• Reuniões diárias com participação de
Coordenadores Superiores, Chefes de
Produção, Chefes de Grupo,
Planeamento e Equipa de “Full-kitting”
• Actualização de informação no
“Concerto”
• Planeamento dinâmico e a curto prazo
• Equipas de Produção alinhadas nas
prioridades estabelecidas (em função
do buffer consumido) e na respectiva
sequência de trabalhos
• Equipas de Produção focadas na
conclusão das tarefas
• Equipas de suporte (Planeamento e
Full-Kitting) alinhadas com as
prioridades e caminho crítico
• Análise preliminar de resultados
• Balanço “What went well” e “Areas for
Improvement”
• Definição de próximos passos na
Organização (Roll-out)
• Nova consolidação de conceitos da
TOC – Simulação de Gestão de
Recursos em Projectos
Rollout
Diagnóstico Desenho Consolidação Implementação
26.Jun25.Mai 11.Jun
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
14
Projecto piloto : CS-TNS -Determinação do objectivo
Trabalho
Tempo Atual
Multitarefa
30-50% de TAT
Elevado WIP
Dispersão de recursos
Poderá existir assimetrias na definição de prioridades,
A sequência de trabalhos pode não ser assegurada
…..
Trabalho
15 dias úteis
11.5 dias úteis
Multitarefa
-23%
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Inspection Phase
3 DIAS
Repair Phase
4 DIAS
Assembly Phase
3 DIAS
Operational
Tests and Release
1,5 DIAS
Projecto piloto : CS-TNS –Planeamento – CCPM
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Projecto piloto : CS-TNS -Conceito de Full-kitting
Contactos EF Contactos OF e HL Contactos
EF, Liliana e Pedro Henriques/Jorge 35573 OF, Rui e Pereira 34083, 34189, Silva 36751 Ch. Pr. H5 » 35327
Posto Ferr. H5 » 35321 Sr. Travis,
EQ, Henrique e Ricardo Nunes/ Paulino 35856 HL, Neves e Sónia 35325 , Silva 36332
FK 1 Insp. +/- 3,5 dias úteis FK 2 +/- 7 dias úteis (23-6-14) Observações
Remover do hangar tudo o que não faz parte do check liste - Ok ef Datas de necessidade para :
Empilhador + cesto- Ok ef Rot, NR, AOG, Iof's, Canib,
10 Zorras - Ok hl Controlo Diário do tracking
10 Pentes - Ok 8 unidades ef Manifold Canib 148 Consumo Inf. ME/LG/GM p/ adquirir
Kit estrados do chão - Ok ef AOG's - definir quais na reun. 17-6
Máq limpeza vacuo WC + gelo - Ok ef NR's - definir quais na reun. 17-6
Berbequins electricos, Mangueiras de ar, reforçar posto H5 IOF's - definir quais na reun. 17-6
Carro azoto com boster- Ok ef Rotáveis - definir quais na reun. 17-6
Teste RAT + gaiola - Ok ef - Não foi necessário
Teste ATC - Ok ef
Teste Ignição- Ok ef
Ensaio estáticas + adaptadores- Ok ef
Carro Produtos
Plataformas de asa e nariz nec. 2º dia avião - Ok ef
Gambiarras nec. 2º dia avião
6 Máq de lavar - Ok na cave do H5 ef, só é nece. p/ o 2º dia de avião Maq Dinitrol - Ok ef
TR não saem, 4 suportes + estropo + picanço Balança p/ elevatores ? Se necessá.Cave H5
Observações
Rear Spar EO 25R1101 Refrescamento cabina
Suportes Spoiler- Ok ef Confirmar existências material Neves
Plataformas de apoio- Ok ef Cadeiras fazem overol Neves
Confirmar casquilhos (Neves Nil) Bagageiras só saem tampas
Difuser do tecto n/faz parte da EO = aog 2 TNR Se nece, consumir os pedido em Aog no TNR
CS-TNS C3.1 IN 11-6 »» OUT 27-6
linhas Criticas
Preparar o A/C com duas datas de referência e capacidade dedicada
Definir os níveis suficientes de preparação e implementar um verdadeiro GO/NO-
GO
WIP Control das Oficinas
16
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Project 1
Project 2
Project Completion = 50%
Buffer Consumption = 40%
Priority Index = 0.4/0.5 = 80%
Project Completion = 33%
Buffer Consumption = 50%
Priority Index = 0.5/0.33 = 150%
1
2
555 5 5 5
15
5 5 5 555
15
Projecto piloto: CS-TNS -Ferramenta de Gestão –“Buffer”
17
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Inspection Phase
3 DIAS
Repair Phase
4 DIAS
Assembly Phase
3 DIAS
Operational
Tests and Release
1,5 DIAS
Inspection Phase
3 DIAS
Repair Phase
3 DIAS
Assembly Phase
3 DIAS
Operational
Tests and Release
1,5 DIAS
Projecto piloto : CS-TNS –Repair Phase /Reavaliação de recursos
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Projecto piloto : CS-TNS –Análise – Gestão de recursos
Ordem de prioridade
Nota: Para exemplificar a ordem de prioridades foi utilizado a inspecção de outro A/C
A gestão dos recursos deverá
ser realizada de acordo com as
prioridades definidas
As prioridades são conhecidas
por todos os intervenientes no
processo
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Pilot Project – CS- TNS C3+6Y+EO57+PTU
10,5
11,5
15
Achieved
Planned
After
Planned
Before
TAT
30%
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Solution Design Implementation Sustainment
Setembro Outubro Novembro
Wide Body
Network
Target Setting
Full-Kit Process: Define Go/No-Go
Oficinas WIP Control
TAT Planning
Single A/C Buffer
Mgt
Oficinas: Implement
Changes
MA-Level Buffer
Mgt
Narrow Body
Template
FK: Implement Go/No-
Go
Pipeline 2014 Pipeline 2015
Document & Train
Document & Train
Document & TrainMA-Level Buffer Mgt
Plano de implementação
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22
Estratégico
Antes CCPM Depois CCPM
1
2 3 4
5 6
7
9 108
12 3
45 6
7
9 108
$$$$$
11
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 23
Critical Chain Project Management
Operação
Priority Order
for OO_SFZ
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 24
Critical Chain Project Management
Priority Order
for
3 Aircrafts
Operação
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
21
24
17
16
16
35
80
19
33
40
0 20 40 60 80
CS-TNT
CS-TTQ
CS-TTN
CS-TNU
CS-TNV
CS-TOI
CS-TGV
OO-SFU
OO-SFY
OO-SFN
-33%
-17%
-6%
-13%
-25%
-20%
-55%
0%
-30%
-20%
-33%
-21%
-6%
-38%
-38%
-6%
-14%
5%
39%
20%
-60% -40% -20% 0% 20% 40% 60%
Before CCPM After CCPM Achieved
# Days-Out-of-Service
129
# Days-Out-of-Service
104
# Days-Out-of-Service
102 (27) ( - 21%)TAP
Fleet
# Days-Out-of-Service
301
# Days-Out-of-Service
241
# Days-Out-of-Service
285 (16) ( - 5%)System
(10 A/C)
Reduzimos o turnaround time em 21%,
N/B + 26 dias
W/B + 1 dia
Evitamos a subcontratação de uma inspecção de um avião
Tivemos mais um avião (N/B) para suportar a operação no
periodo que decorreu de 29 de Outubro a 5 Dezembro
………
Planeado versus Realizado- Setembro a Dezembro
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 26
Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 27
Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned
Right WingLeft Wing
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 28
1ª A/C 2ª A/C 3º A/C 4º A/C
TAT Performance
1ª A/C 2ª A/C 3º A/C 4º A/C
M&h Performance
-11.6%
-10.5%
-27%
-3.5%
-3,7%
-24%
Adoção e implementação do TOC/CCPM
como mais uma metodologia/ferramenta de
melhoria contínua contribuio para reduzir o
TAT em 42% e a mão de obra em 29%
Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Theory of Constrains
Critical Chain Project Management
Lisbon, 6 th , November 2015
Get
Together
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Questões ?
Pedro Miguel Rodrigues da Costa
pcosta@tap.pt
Lisboa ,31 de Janeiro 2017
TÍTULO
Subtítulo
Data da apresentação
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MS1 - Lean Six Sigma Green Belt
MS1 - Lean Six Sigma Green BeltMS1 - Lean Six Sigma Green Belt
MS1 - Lean Six Sigma Green BeltFrancisco Paulo
 
Green Belts Six Sigma Programa 2010
Green Belts   Six Sigma Programa 2010Green Belts   Six Sigma Programa 2010
Green Belts Six Sigma Programa 2010Luis Fernandes
 
Fundação Vanzolini :: Lean Seis Sigma
Fundação Vanzolini :: Lean Seis SigmaFundação Vanzolini :: Lean Seis Sigma
Fundação Vanzolini :: Lean Seis SigmaFundação Vanzolini
 
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...Joao Galdino Mello de Souza
 
Introdução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigmaIntrodução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigmaPaulo Bandeira
 
ELO Group IQPC 2009
ELO Group IQPC 2009ELO Group IQPC 2009
ELO Group IQPC 2009EloGroup
 
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantesApostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para inicianteseadsigma1
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoAnderson Pontes
 
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaGerisval Pessoa
 
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3Valor Agregado Consulting
 
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguer
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguerSeis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguer
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguerdionilson lemos
 

Mais procurados (20)

MS1 - Lean Six Sigma Green Belt
MS1 - Lean Six Sigma Green BeltMS1 - Lean Six Sigma Green Belt
MS1 - Lean Six Sigma Green Belt
 
Relação entre Seis Sigma e Pmbok
Relação entre Seis Sigma e PmbokRelação entre Seis Sigma e Pmbok
Relação entre Seis Sigma e Pmbok
 
Green Belts Six Sigma Programa 2010
Green Belts   Six Sigma Programa 2010Green Belts   Six Sigma Programa 2010
Green Belts Six Sigma Programa 2010
 
Six sigma
Six sigmaSix sigma
Six sigma
 
Fundação Vanzolini :: Lean Seis Sigma
Fundação Vanzolini :: Lean Seis SigmaFundação Vanzolini :: Lean Seis Sigma
Fundação Vanzolini :: Lean Seis Sigma
 
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...
Metodologia de Controle da Produção Industrial aplicada em Controle de Capaci...
 
Introdução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigmaIntrodução Executiva ao Lean six sigma
Introdução Executiva ao Lean six sigma
 
Seis sigma
Seis sigma  Seis sigma
Seis sigma
 
Pdca X Six Sigma Substitutos Ou Complementares
Pdca X Six Sigma Substitutos Ou ComplementaresPdca X Six Sigma Substitutos Ou Complementares
Pdca X Six Sigma Substitutos Ou Complementares
 
ELO Group IQPC 2009
ELO Group IQPC 2009ELO Group IQPC 2009
ELO Group IQPC 2009
 
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantesApostila Lean Six Sigma para iniciantes
Apostila Lean Six Sigma para iniciantes
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Gerencia de projetos
Gerencia de projetosGerencia de projetos
Gerencia de projetos
 
Noções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigmaNoções básicas de seis sigma
Noções básicas de seis sigma
 
Slideshare green belt
Slideshare green beltSlideshare green belt
Slideshare green belt
 
Introdução a 6sigma
Introdução a  6sigmaIntrodução a  6sigma
Introdução a 6sigma
 
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
Noções Básicas Seis Sigma, Lean e Qualidade v3
 
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguer
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguerSeis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguer
Seis Sigma Seminario quem comeu meu hamburguer
 
Seis sigma
Seis sigmaSeis sigma
Seis sigma
 
Aula Lean
Aula LeanAula Lean
Aula Lean
 

Semelhante a CCPM (ToC - Critical Chain Project Management) aplicado ao Dep. Manutenção e Engenharia TAP

METRÔ CURITIBANO
METRÔ CURITIBANOMETRÔ CURITIBANO
METRÔ CURITIBANOMarco Coghi
 
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550Tiago Bockholt
 
Analise estrutural para implantar a tpm
Analise estrutural para implantar a tpmAnalise estrutural para implantar a tpm
Analise estrutural para implantar a tpmjuliocavallari
 
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...EXCELLENCE CONSULTING
 
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. Mecânica
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. MecânicaApresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. Mecânica
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. MecânicaCarlos Alberto
 
Apresentação MBA Toc Teoria das Restrições
Apresentação MBA Toc Teoria das RestriçõesApresentação MBA Toc Teoria das Restrições
Apresentação MBA Toc Teoria das RestriçõesCLT Valuebased Services
 
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...Fatto Consultoria e Sistemas
 
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada TecnicaWM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada TecnicaDenesio Carvalho
 
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docxPP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docxCarlosJunior481127
 
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)CompanyWeb
 
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...Rodrigo M. Gandra, MSc, PMP, PMI-RMP
 
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black Belt
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black BeltTemplate de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black Belt
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black BeltAndrCarvalho807919
 
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...Erikson Costa
 
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...Joao Galdino Mello de Souza
 

Semelhante a CCPM (ToC - Critical Chain Project Management) aplicado ao Dep. Manutenção e Engenharia TAP (20)

METRÔ CURITIBANO
METRÔ CURITIBANOMETRÔ CURITIBANO
METRÔ CURITIBANO
 
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550Exercícios de governanca de ti   walter cunha[1] 20100504183550
Exercícios de governanca de ti walter cunha[1] 20100504183550
 
Worshop TLS
Worshop TLSWorshop TLS
Worshop TLS
 
Analise estrutural para implantar a tpm
Analise estrutural para implantar a tpmAnalise estrutural para implantar a tpm
Analise estrutural para implantar a tpm
 
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...
WCM-WORLD CLASS MAINTENANCE-BEST PRACTICES-MANUTENÇÃO CLASSE MUNDIAL - MELHOR...
 
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. Mecânica
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. MecânicaApresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. Mecânica
Apresentação do meu Trabalho de Conclusão do Curso de Eng. Ind. Mecânica
 
Apresentação MBA Toc Teoria das Restrições
Apresentação MBA Toc Teoria das RestriçõesApresentação MBA Toc Teoria das Restrições
Apresentação MBA Toc Teoria das Restrições
 
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...
APF - Fundamentos, aplicação como base para medição em contratos de software ...
 
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada TecnicaWM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
 
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docxPP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
 
Apresentação Implantação PCM
Apresentação Implantação PCMApresentação Implantação PCM
Apresentação Implantação PCM
 
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)
Resumo do Planejamento para fazer Plano de Continuidade de Negócio (PCN)
 
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...
Comissionamento como Ferramenta do Processo de Controle de Qualidade em Contr...
 
Projeto de Melhoria
Projeto de MelhoriaProjeto de Melhoria
Projeto de Melhoria
 
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black Belt
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black BeltTemplate de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black Belt
Template de Apresentação Certificação Lean Seis Sigma Black Belt
 
Gerência de Projetos
Gerência de ProjetosGerência de Projetos
Gerência de Projetos
 
Gerenciamento de projetos de TI
Gerenciamento de projetos de TIGerenciamento de projetos de TI
Gerenciamento de projetos de TI
 
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...
Reestruturação dos métodos de gestão da manutenção através da aplicação dos c...
 
Apresentação comissionamento
Apresentação comissionamentoApresentação comissionamento
Apresentação comissionamento
 
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...
A Automação dos Processos na Gestão de Performance das Aplicações por Gilbert...
 

Mais de CLT Valuebased Services (20)

Estudo de um Caso
Estudo de um CasoEstudo de um Caso
Estudo de um Caso
 
Caso testo lean
Caso testo leanCaso testo lean
Caso testo lean
 
Indicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao leanIndicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao lean
 
CPFR lean SCM
CPFR lean SCMCPFR lean SCM
CPFR lean SCM
 
Case study Parfois
Case study  ParfoisCase study  Parfois
Case study Parfois
 
Ikea case study
Ikea  case studyIkea  case study
Ikea case study
 
Case study Walmart
Case study WalmartCase study Walmart
Case study Walmart
 
Logistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e MizuLogistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e Mizu
 
Last Mile Logistics
Last Mile LogisticsLast Mile Logistics
Last Mile Logistics
 
Industry 4.0
Industry 4.0Industry 4.0
Industry 4.0
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
 
Tabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPCTabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPC
 
Bordo de linha
Bordo de linhaBordo de linha
Bordo de linha
 
Scrum Book
Scrum BookScrum Book
Scrum Book
 
Booklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho finalBooklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho final
 
Domotica
DomoticaDomotica
Domotica
 
Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
 
Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019
 
Fut global-edition
Fut  global-editionFut  global-edition
Fut global-edition
 
Tabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPCTabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPC
 

Último

Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (9)

Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

CCPM (ToC - Critical Chain Project Management) aplicado ao Dep. Manutenção e Engenharia TAP

  • 2. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação TOC/CCPM -Porquê? Pedro Miguel Rodrigues da Costa pcosta@tap.pt Lisboa ,31 de Janeiro 2017
  • 3. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Organização TAP Group (*) Controlled by an external independent entity in accordance with the Competion Authority directives. 2016
  • 4. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Organização TAP Group (*) Controlled by an external independent entity in accordance with the Competion Authority directives.
  • 5. Maintenance and Engineering General Director Aircraft Maintenance Engine Maintenance Components Maintenance Logistics Marketing & Sales Organisation and Development Quality and Safety Engineering Manutenção & Engenharia Sponsor Continuous Iimprovement Project • Sales Portugal • Sales Engines • Communication & Brand •Customer Service •Continuous Improvement & Processes •HR Development •Technical Training •Social and Labour Relations •Third Parties and Costing •Invoicing •Information Technologies •Fleet and Projects •Technical Publications •DOA projects • Quality Engineering • Laboratories •Engineering and Quality •Planning and Control •Logistics •Base Maintenance •Operational Maintenance •Engineering and Quality •Planning and Control •Logistics •Engine Shop •Support Shops •Engineering and Quality •Planning and Control •Logistics •Avionics Shop •MHP Shops •Negotiation •Technical Purchasing •Materials Management •Rotables Management •Warehouse •COMAT (EWR)
  • 6. April 17 TAP M&E Presentation 6 Aircraft Maintenance Director Controller Logistics Engineering & Quality Planning & Control Base Maintenance Operational Maintenance Base Maintence Supervisor H16 Hangar Manager H16 Avionics Team Leader H16 FC/H/LG Team Leader H16 Cabin Interior Team Leader H16 Engine Team Leader H16 Structures Team Leader H16 Structure Shop H16 Painting Shop H16 …… Manutenção & Engenharia – Manutenção de Aviões
  • 7. LIS-144038100517QS Processo de Implementação na Manutenção & Engenharia Timeline Jul. 2009 Jan 2010 Fev. 2010 Abr. 2010 Mai. 2010 Diagnostico realizado na M&E Inicio do Processo Decisão de criar uma Area /equipa para potenciar as oportunidades identificadas Recrutamento interno Preparação Inicio 1º Projectos Pilotos desenvolvidos na Manutenção de Motores 1º Projectos Pilotos desenvolvidos na Manutenção de Aviões Lean/ Melhoria Continua Mar. 2009 Mai. 2014 TOC
  • 8. Exemplos de Projetos realizados na M&E Título do Projeto-(# Equipa) FINALIZADOS Área Envolvidas Sponsor Via TAT-(17) MM Expedição de Material- (15) MM Visual Management-(12) MM Antecipar Material -(16) MC A-Check A340 em 24h-(32) MA Materiais em Closed Loop-(11) MA Planeamento Prioridades-(18) MC Follow Up Compras-(5) LG Prevenção de AT's na MM/MT-(6) ME Utilização de PMA's na M&E -(10) LG Reparação de Acessórios de Motores-(20) MM Gestão de Equipamentos Críticos-(6) MA Mangas de Salvamento-(6) MC Processo de Faturação (Diagnóstico)-(10) MM Oficina de Rodas-(5) MC Diagnóstico TAT Motores-(2) MM Diagnóstico TAT C-Checks -(4) MA Recuperação material Consumo Planeamento trabalhos em motores /thurst reverser Distribuição de Carga por Controlador TAT C-Checks- TOC ME MM LG MA MM MM/LG MM MC MA MA/LG MC LG MM/RH/UCS LG/MA/MM/MC/EG/TA MM/MC/LG MA/LG MC/LG FC/MM/MA/MC/MV/QS MC/LG MM MA ME/OD/MM/MA/MC MM LG MA/MC/MM/MV/OD/LG 63.000,00 € 57.300,00 € 10.000,00 € 312.000,00 € 10.000,00 € 300.000,00 € 250.000,00 € 300 ,000,00 € Impacto Financeiro
  • 9. TAT C-Checks-ME0017-Diagnóstico - + ImpactonaDisponibilidade Esforço de Implementação + - 1 2 3 4 1 2 3 4 R O P U L T W V Q H E F D J G IB C M Z N K Early Wins Gestão da Produção Processos de Suporte Organização da Produção Sugestões de Melhoria Y A S X Gestão da Produção – A ser considerado no âmbito do projecto Cargas e Disponibilidade Objetivo: Aumentar a disponibilidade das aeronaves
  • 10. 10 Porquê Mudar? • No ano de 2014 a M&E Lisboa teria de subcontratar 6 A/C a outras MROs por falta de capacidade • Se fosse possível realizar estas inspeções in-house poderíamos reduzir os custos da M&E em mais de 2 000 000€ • O índice de pontualidade à saída do Hangar indica uma performance de 89.9%. • Da analise do planeado versus realizado no que ás inspeções C checks diz respeito existe um desfasamento de 10% • Por cada dia que libertemos os aviões TAP das atividades de Manutenção potenciamos a disponibilidade para o Transporte Aéreo, aumentando a flexibilidade para fazer mais voos, outros voos, minimizar os cancelamentos de voos e eventuais fretamentos. • Sustentando uma melhoria de TAT e havendo comunicação efetiva com o nosso principal cliente, o plano de imobilização do Transporte Aéreo pode ser optimizado PRECISAMOS DE MUDAR!!
  • 11. Melhoria Continua 11 Realizar inspeções de aviões é um desafio … C-Check Material Ferramentas Cartas de Trabalho Equipamentos Grupo 1 Estruturas Grupo 2 Interiors Cabines Grupo 4 Qualidade, Engenharia, AOG... Grupo … Manuals Muitas dependências  Reparação estruturais (corrosão, fadiga, etc ) resultante da fase da inspeção da imobilização do avião  Necessidades de materiais, ferramentas, produtos etc  A mesma tarefa nem sempre origina o mesmo tipo de anomalias por avião  Operação do A/C poderá condicionar o inicio das inspecções  …. TOC/CCPM-Porquê ?
  • 12. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Teoria dos Constrangimentos - Conceptual A Teoria dos Constrangimentos assenta num processo de melhoria contínua, que tem como objectivo aumentar a capacidade das organizações, permitindo identificar os constrangimentos que a condicionam e determinam de forma a que possam melhorar o seu desempenho como organização. De uma forma muito simples dizemos que os passos necessários a sua implementação são: 1. Identificar a (s) restrição (ões) do sistema, 2. Explorar a (s) restrição (ões) do sistema, 3. Subordinar o sistema à restrição, 4. Elevar a (s) restrição (ões) do sistema, 5. Se num passo anterior uma restrição não for ultrapassada, voltar a primeiro ponto
  • 13. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Projecto Piloto – CS- TNS - C3+6Y+EO57+PTU April 17 • Entrevistas individuais (30-45 minutos) com: • Cada elemento da Equipa Principal; • Coordenadores de Produção; • Chefes de Produção; • Chefes de Grupo. • Reunião com elementos do Controlo de Produção • Participação em reuniões de Produção (diária às 8h30 e de Planeamento, 3ªfeira às 14h30) • Acções de familiarização sobre alguns conceitos da TOC (multitarefa, redução de WIP, “Full- kitting”). Simulação de Multitarefa – “Lançamento de dados” • Acção de formação sobre a Teoria do Caminho Crítico e sua aplicabilidade nas C-Checks • Acções de familiarização sobre a determinação do Caminho Crítico e alguns conceitos associados a TOC (gestão de prioridades, “buffer”) • Identificação de potenciais constrangimentos (e preocupações da Equipa) inerentes à implementação dos princípios da TOC • Desenho preliminar da solução do piloto CS-TNS: • Redução de multitarefa; • Planeamento de rápida execução; • Construção de grandes Blocos • Objectivo: Redução de TAT em 30-50% • Detalhe da solução para o CS-TNS: • Determinação da sequência de actividades; alocação de recursos determinação do caminho crítico ; • Definição de processo de FK1 • Formação/Consolidação dos conceitos da TOC: • A quem? Coordenadores superiores, Chefes de Produção, Chefes de Grupo e elementos do Planeamento • Âmbito: Teoria da Constragimentos /Integração e funcionalidades do “Concerto” enquanto ferramenta de definição/gestão de prioridades/atribuição de buffers • Formação prática aos utilizadores “Concerto”: • Actualização da informação /base de dados; • Explorar as funcionalidades do software (como obter e interpretar resultados); • Aprender a actualizar informação; • Definir responsabilidades e periodicidades de actualização da informação. • Apresentação sumária do “Concerto” a ME/TI e a ME/MA – Formação Simulações de Multitarefa: Quebra- cabeças, Projecto Azul e Vermelho) • Reuniões diárias com participação de Coordenadores Superiores, Chefes de Produção, Chefes de Grupo, Planeamento e Equipa de “Full-kitting” • Actualização de informação no “Concerto” • Planeamento dinâmico e a curto prazo • Equipas de Produção alinhadas nas prioridades estabelecidas (em função do buffer consumido) e na respectiva sequência de trabalhos • Equipas de Produção focadas na conclusão das tarefas • Equipas de suporte (Planeamento e Full-Kitting) alinhadas com as prioridades e caminho crítico • Análise preliminar de resultados • Balanço “What went well” e “Areas for Improvement” • Definição de próximos passos na Organização (Roll-out) • Nova consolidação de conceitos da TOC – Simulação de Gestão de Recursos em Projectos Rollout Diagnóstico Desenho Consolidação Implementação 26.Jun25.Mai 11.Jun
  • 14. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 14 Projecto piloto : CS-TNS -Determinação do objectivo Trabalho Tempo Atual Multitarefa 30-50% de TAT Elevado WIP Dispersão de recursos Poderá existir assimetrias na definição de prioridades, A sequência de trabalhos pode não ser assegurada ….. Trabalho 15 dias úteis 11.5 dias úteis Multitarefa -23%
  • 15. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Inspection Phase 3 DIAS Repair Phase 4 DIAS Assembly Phase 3 DIAS Operational Tests and Release 1,5 DIAS Projecto piloto : CS-TNS –Planeamento – CCPM
  • 16. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Projecto piloto : CS-TNS -Conceito de Full-kitting Contactos EF Contactos OF e HL Contactos EF, Liliana e Pedro Henriques/Jorge 35573 OF, Rui e Pereira 34083, 34189, Silva 36751 Ch. Pr. H5 » 35327 Posto Ferr. H5 » 35321 Sr. Travis, EQ, Henrique e Ricardo Nunes/ Paulino 35856 HL, Neves e Sónia 35325 , Silva 36332 FK 1 Insp. +/- 3,5 dias úteis FK 2 +/- 7 dias úteis (23-6-14) Observações Remover do hangar tudo o que não faz parte do check liste - Ok ef Datas de necessidade para : Empilhador + cesto- Ok ef Rot, NR, AOG, Iof's, Canib, 10 Zorras - Ok hl Controlo Diário do tracking 10 Pentes - Ok 8 unidades ef Manifold Canib 148 Consumo Inf. ME/LG/GM p/ adquirir Kit estrados do chão - Ok ef AOG's - definir quais na reun. 17-6 Máq limpeza vacuo WC + gelo - Ok ef NR's - definir quais na reun. 17-6 Berbequins electricos, Mangueiras de ar, reforçar posto H5 IOF's - definir quais na reun. 17-6 Carro azoto com boster- Ok ef Rotáveis - definir quais na reun. 17-6 Teste RAT + gaiola - Ok ef - Não foi necessário Teste ATC - Ok ef Teste Ignição- Ok ef Ensaio estáticas + adaptadores- Ok ef Carro Produtos Plataformas de asa e nariz nec. 2º dia avião - Ok ef Gambiarras nec. 2º dia avião 6 Máq de lavar - Ok na cave do H5 ef, só é nece. p/ o 2º dia de avião Maq Dinitrol - Ok ef TR não saem, 4 suportes + estropo + picanço Balança p/ elevatores ? Se necessá.Cave H5 Observações Rear Spar EO 25R1101 Refrescamento cabina Suportes Spoiler- Ok ef Confirmar existências material Neves Plataformas de apoio- Ok ef Cadeiras fazem overol Neves Confirmar casquilhos (Neves Nil) Bagageiras só saem tampas Difuser do tecto n/faz parte da EO = aog 2 TNR Se nece, consumir os pedido em Aog no TNR CS-TNS C3.1 IN 11-6 »» OUT 27-6 linhas Criticas Preparar o A/C com duas datas de referência e capacidade dedicada Definir os níveis suficientes de preparação e implementar um verdadeiro GO/NO- GO WIP Control das Oficinas 16
  • 17. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Project 1 Project 2 Project Completion = 50% Buffer Consumption = 40% Priority Index = 0.4/0.5 = 80% Project Completion = 33% Buffer Consumption = 50% Priority Index = 0.5/0.33 = 150% 1 2 555 5 5 5 15 5 5 5 555 15 Projecto piloto: CS-TNS -Ferramenta de Gestão –“Buffer” 17
  • 18. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Inspection Phase 3 DIAS Repair Phase 4 DIAS Assembly Phase 3 DIAS Operational Tests and Release 1,5 DIAS Inspection Phase 3 DIAS Repair Phase 3 DIAS Assembly Phase 3 DIAS Operational Tests and Release 1,5 DIAS Projecto piloto : CS-TNS –Repair Phase /Reavaliação de recursos
  • 19. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Projecto piloto : CS-TNS –Análise – Gestão de recursos Ordem de prioridade Nota: Para exemplificar a ordem de prioridades foi utilizado a inspecção de outro A/C A gestão dos recursos deverá ser realizada de acordo com as prioridades definidas As prioridades são conhecidas por todos os intervenientes no processo
  • 20. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Pilot Project – CS- TNS C3+6Y+EO57+PTU 10,5 11,5 15 Achieved Planned After Planned Before TAT 30%
  • 21. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Solution Design Implementation Sustainment Setembro Outubro Novembro Wide Body Network Target Setting Full-Kit Process: Define Go/No-Go Oficinas WIP Control TAT Planning Single A/C Buffer Mgt Oficinas: Implement Changes MA-Level Buffer Mgt Narrow Body Template FK: Implement Go/No- Go Pipeline 2014 Pipeline 2015 Document & Train Document & Train Document & TrainMA-Level Buffer Mgt Plano de implementação
  • 22. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22 Estratégico Antes CCPM Depois CCPM 1 2 3 4 5 6 7 9 108 12 3 45 6 7 9 108 $$$$$ 11
  • 23. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 23 Critical Chain Project Management Operação Priority Order for OO_SFZ
  • 24. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 24 Critical Chain Project Management Priority Order for 3 Aircrafts Operação
  • 25. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 21 24 17 16 16 35 80 19 33 40 0 20 40 60 80 CS-TNT CS-TTQ CS-TTN CS-TNU CS-TNV CS-TOI CS-TGV OO-SFU OO-SFY OO-SFN -33% -17% -6% -13% -25% -20% -55% 0% -30% -20% -33% -21% -6% -38% -38% -6% -14% 5% 39% 20% -60% -40% -20% 0% 20% 40% 60% Before CCPM After CCPM Achieved # Days-Out-of-Service 129 # Days-Out-of-Service 104 # Days-Out-of-Service 102 (27) ( - 21%)TAP Fleet # Days-Out-of-Service 301 # Days-Out-of-Service 241 # Days-Out-of-Service 285 (16) ( - 5%)System (10 A/C) Reduzimos o turnaround time em 21%, N/B + 26 dias W/B + 1 dia Evitamos a subcontratação de uma inspecção de um avião Tivemos mais um avião (N/B) para suportar a operação no periodo que decorreu de 29 de Outubro a 5 Dezembro ……… Planeado versus Realizado- Setembro a Dezembro
  • 26. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 26 Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned
  • 27. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 27 Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned Right WingLeft Wing
  • 28. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação 22nd April 17 TAP M&E Presentation- TOC- CCPM -Airplane Availability 28 1ª A/C 2ª A/C 3º A/C 4º A/C TAT Performance 1ª A/C 2ª A/C 3º A/C 4º A/C M&h Performance -11.6% -10.5% -27% -3.5% -3,7% -24% Adoção e implementação do TOC/CCPM como mais uma metodologia/ferramenta de melhoria contínua contribuio para reduzir o TAT em 42% e a mão de obra em 29% Sharklets Retrofit Modification-Lessons Learned
  • 29. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Theory of Constrains Critical Chain Project Management Lisbon, 6 th , November 2015 Get Together
  • 30. TÍTULO Subtítulo Data da apresentação Questões ? Pedro Miguel Rodrigues da Costa pcosta@tap.pt Lisboa ,31 de Janeiro 2017