La arquitectura de información del Portal BVS

503 visualizações

Publicada em

Presentación del Workshop de Actualización de la Plataforma Tecnológica de la BVS.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

La arquitectura de información del Portal BVS

  1. 1. Taller de Actualización de la Plataforma Tecnológica de la BVS 3 a 6 de Noviembre de 2014 Portal BVS y su Interfaz Introducción a la Arquitectura de Información Julio Takayama | takayama@paho.org Diseño Gráfico e Interfaces - DGI | MTI
  2. 2. Plantilla Básica Header Auxiliar top (opcional) Columna 1 Columna 2 Columna 3 Auxiliar footer (opcional) Footer
  3. 3. Plantilla Básica Header Auxiliar top (opcional) Columna 1 Columna 2 Columna 3 Auxiliar footer (opcional) Footer
  4. 4. Plantilla Básica
  5. 5. Miles de plugins
  6. 6. Tienen todos los usuários las mismas necesidades?
  7. 7. Rediseño PORTAL BVS RIPSA
  8. 8. Projeto BVS RIPSA – Fase III BVS-­‐Site 4.0.1 WordPress 3.8.3 Instalação do Aplicativo Instalação de plugins / temas Migração de dados
  9. 9. Os Elementos da Experiência do Usuário Jesse James Garrett jjg@jjg.net Uma duplicidade básica: A Web foi originalmente concebida como um espaço de troca de informações hipertextuais, porém, o desenvolvimento crescente de sofisticadas tecnologias encorajou seu uso como uma interface de software remoto. Esta natureza dúbia resulta em muita confusão conforme, profissionais da experiência do usuário tentam adaptar suas terminologias para casos que estão além do escopo da aplicação original. O objetivo deste documento é definir alguns destes termos dentro de seus contextos apropriados e de esclarecer as relações subjacentes entre estes vários elementos. Concreto Maturidade 30 de março de 2000 Tradução para o Português por Livia Labate a Web como interface de software a Web como sistema de hipertexto Arquitetura da Informação: Design estrutural do espaço da informação para facilitar o acesso intuitivo ao conteúdo Design Visual: tratamento gráfico dos elementos da interface (a “cara” do site) Design de Interação: desenvolvimento de fluxos de aplicação para facilitar as tarefas do usuário, definindo como o este interage com as funcionalidades do site Design da Navegação: design dos elementos da interface para facilitar a movimentação do usuário meio a arquitetura da informação Design da Informação: No sentido Tufteano: design da apresentação da informação para facilitar a compreensão Especificações Funcionais: ‘conjunto de funcionalidades’: descrições detalhadas de funcionalidades que o site deve incluir para ir ao encontro das necessidades do usuário Requisitos de Conteúdo: Definição dos elementos do conteúdo necessários ao site para ir ao encontro das necessidades do usuário Design da Interface: como na IHC tradicional: design dos elementos da interface para facilitar a interação do usuário com as funcionalidades Design da Informação: No sentido Tufteano: design da apresentação da informação para facilitar a compreensão Design Visual: tratamento visual do texto, elementos gráficos da página e componentes de navegação tempo Design Visual Design da Interface Design da Navegação Design da Informação Design de Interação Informação Especificações Funcionais Arquitetura da Requisitos de Conteúdo Necessidades do usuário Objetivos do site Abstrato Concepção Necessidades do usuário: Objetivos do site de origem externa, identificados por meio de pesquisa com o usuário, pesquisas etno/tecno/psicográficas, etc. Objetivos do site: Metas de negócio, criativas ou outras metas de origem interna para o site Necessidades do usuário: Objetivos do site de origem externa, identificados por meio de pesquisa com o usuário, pesquisas etno/tecno/psicográficas, etc. Objetivos do site: Metas de negócio, criativas ou outras metas de origem interna para o site orientado à tarefa orientado à informação Este esquema está incompleto: O modelo aqui delineado não aborda considerações secundárias (como aquelas que surgem durante o desenvolvimento técnico e de conteúdo) que podem influenciar as decisões durante o desenvolvimento da experiência do usuário. Além disto, este modelo não descreve um processo de desenvolvimento nem define os papéis dentro de um time de projeto. O que procura definir, são as considerações-chave que fazem parte do desenvolvimento da experiência do usuário na Web atualmente. © 2000-03 Jesse James Garrett http://www.jjg.net/ia/
  10. 10. Definición de la AI Card Sorting Es una técnica simples para diseño de experiencia de usuario en la cual un grupo de expertos en el tema (o representantes de usuarios) es orientado para generar un árbol de categorias. Es un enfoque útil para el diseño de la arquitectura de información, diseño de Interacción, definición de la estructura de menús y etiquetas
  11. 11. Card Sorting
  12. 12. Blueprint
  13. 13. Muchas Gracias! Julio Takayama takayama@paho.org Diseño Gráfico e Interfaces - DGI|MTI BIREME | OPS | OMS

×