ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Capa

1

Livro de Cocal Certo.pmd

1

06/01/2014, 14:23
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

verso da capa

2

Livro de Cocal Certo.pmd

2

06/01/2014, 14:23

COCAL D
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Hylário Ernesto De Faveri
João Carlos De Pellegrin de Souza

COCAL...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

DEDICATÓRIA

Dedicamos essa obra, primeiramente a Deus, que nos presenteou com
...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

AGRADECIMENTOS

5

Livro de Cocal Certo.pmd

5

06/01/2014, 14:23
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

PREFÁCIO
Com avós e pais nascidos em Cocal, tendo residido 4 anos de
minha infâ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

tados enriquecendo o conhecimento de um passado de já mais de 100
...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

MENSAGEM DO PREFEITO
Num primeiro momento, recebi com muito entusiasmo a notici...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

comunitárias que ajudaram a edificar a história do nosso município...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

INTRODUÇÃO

A História da Humanidade é um somatório incrível de
avanços em toda...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

colonização e formação do Município de Cocal do Sul. A partir de
d...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

De Faveri. Os descendentes das famílias pioneiras, Cecchinel, Possamai
e Smania...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

INICIALMENTE...

Pesquisar o tema imigração é algo indescritível, ...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

fenômeno ocorrido em nosso território, que foram as imigrações de povos europeu...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O PANORAMA POLÍTICO E SÓCIO-ECONÔMICO
DOS PAÍSES EUROPEUS ATINGIDO...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

E por herança a Polônia é dividida
Em 1138, Boleslaw III, dividiu o país entre ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

os confederados de Bar, na Polônia, contribuíram, significativamen...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Quando Napoleão derrotou a Prússia em 1806 e declarou guerra à Rússia
em 1807, ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

A Alemanha do Século XIX

A exemplo dos demais países europeus, a ...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

que tornaram a vida dos alemães ainda mais dificil, como por exemplo a
escassez...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

ITÁLIA - SÉCULOS XVIII E XIX - OS FATORES QUE
INFLUENCIARAM O PROC...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

“A doutrina de Machiavelli pretendeu fornecer normas de ação ao
governante. Par...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

agora tem seu fluxo transferido para Lisboa.
A partir dessa nova r...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

que culminaria com a Unificação Italiana. Neste ano, Camillo Cavour,
homem liga...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Afim de evitar a radicalização do movimento, Camillo
Cavour, envia...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

po, a emigração ganha contorno de um êxodo de massas, isto porque
esse novo mod...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

COLONIZANDO O SUL DO BRASIL

Para mehor compreendermos os motivos ...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

1. Explorar economicamente as florestas da Região Sul,
2. Fortalecer as frontei...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

A ODISSÉIA DA IMIGRAÇÃO ITALIANA
A imigração italiana iniciada, em...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

ITALIANOS DO VÊNETO

Conta o Mons. Quinto Davide Baldessar em seu livro “Imigra...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

cassa. Os pomares ou vinhedos exigem muros de arrimo ou taipas, pa...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

AS COMPANHIAS DE IMIGRAÇÃO
Todas as pesquisas, e isto não importa, sob que ângu...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Brasileiro, experimentado homen de negócios, que possuia larga exp...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

RECRUTANDOS OS COLONOS ITALIANOS DO
VÊNETO

Com o intenso trabalho publicitário...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Colocavam à venda seus haveres, e vencido o natural receio de
atra...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

EM DIREÇÃO À AMÉRICA
A viagem dos imigrantes
Partir é sempre difícil. Mesmo par...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O tempo exato da viagem não se pode afirmar, todavia, pode
ser est...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Registro de Entranda de Imigrantes, datado de 14 de Abril de 1880. Na relação d...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Passaporte italiano do inicio do seculo XIX, expedido pelo governo...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO DE COCAL DO SUL

Foto de 1906. Ao fundo, à direita, per...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

e Cocal do Sul pertenciam, por força da Sesmaria de 05 de Abril de...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

do Lago, sob a responsabilidade do Engenheiro Joaquim Vieira Ferreira,
que os f...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Os primeiros colonizadores

Fato que merecere um melhor esclarecim...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

As famílias colonizadoras
FAMÍLIA CECCHINEL
Não existem dados concretos sobre a...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

teve mais quatro filhos: Angelina, Santina, Pascoal e Giacomo. Par...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Aqui chegando com sua família, instalou-se, inicialmente, na localidade de Rio ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Certidão de Batismo e de Casamento religioso de Francesco Andrea P...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

FAMÍLIA SMANIA
Após a chegada das famílias
Cecchinel e Possamai, chegou a Famíl...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O NÚCLEO COLONIALACCIOLY DE VASCONCELOS

O Engenheiro Francisco de...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

colonos haviam se etabelecido sem título, ou seja, documento que dava a
posse e...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

AS LINHAS COLONIAIS

Históricamente, o Núcleo Accioly de Vasconcel...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Possamai, um porco foi atacado por um tigre. Neste dia, vários serranos
descera...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

rintendente Municipal (Prefeito na época) em Tubarão.
Foi escritur...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

A COMUNIDADE DE RIO COMPRUDENTE

A colonização de Rio Comprudente teve início e...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

No Brasil Imperial, a Coroa pertencia à nobreza portuguêsa, logo,
...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

se mantém.
Família Facchin
A Família Facchin, proveniente do Município de
Sovra...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Atafona contruida por Valentino Fachin

Engenho construido por Val...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Nos idos de 1912, Valentino Facchin foi convidado pelo Governo
Federal, para tr...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

fuzilamento, aconteceu numa localidade conhecida como Campo das
Mo...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Certidão de Batismo de Valentino Facchin, expedida pela Paróquia Santa Maria As...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O primeiro professor
O primeiro educador da comunidade de Rio Comp...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

lhe confia esta mensagem, dizendo ainda que a levasse ao conhecimento dos gover...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

DE ACCIOLY DE VASCONCELOS A RIO COCAL

A origem do nome do Municíp...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

gação de coqueiros crescesse vertiginosamente, embelezando não só as
margens do...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Registro de Nascimento de Assunta Zandonardi, feito em 1892 no car...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

O INCREMENTO DA COLONIZAÇÃO

A seguir, relação das famílias que foram dirigidas...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Certidão de Batismo de Angelo Gabriele
Zanette, expedida pela Paró...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Certificado de Nascimento de Luigi
Sartor, expedido pelo cartório do município ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Após a chegada das famílias pioneiras e a criação do Núcleo Acciol...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Registros da Igreja Matriz de Urussanga, feitos pelo Padre
Francisco Chilinski,...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Poloneses

Kasimir Angulski, Josef Andruzkiecz, Samuel Alberk, Ant...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Italianos

Cesare Beneton, Luigi Bettilli, Denco Berezza, Gervasio
Bortoluzzi, ...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Bortolo Ronsani, Benedetto Ronsani, Lorenzo Ronsani, Angelo Rosso,...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Paulo Savi Mondo

Pietro De Faveri
Nasceu em Fregona - Provincia de Treviso - I...
ua história

COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Certidão de Batismo
de Ferdinando Savi,
expedida pela paróquia de ...
COCAL DO SUL: um mergulho em sua história

Relação dos componentes da Família De Pellegrin, que emigraram para o Brasil em...
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Cocal do Sul: Um mergulho em sua história
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cocal do Sul: Um mergulho em sua história

7.884 visualizações

Publicada em

Livro que conta a história de Cocal do Sul na visão dos escritores Hylário Ernesto De Fáveri e João Carlos De Pellegrin de Souza.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
748
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cocal do Sul: Um mergulho em sua história

  1. 1. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Capa 1 Livro de Cocal Certo.pmd 1 06/01/2014, 14:23
  2. 2. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história verso da capa 2 Livro de Cocal Certo.pmd 2 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  3. 3. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Hylário Ernesto De Faveri João Carlos De Pellegrin de Souza COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Com a colaboração de Venicios Búrigo 3 Livro de Cocal Certo.pmd 3 06/01/2014, 14:23
  4. 4. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história DEDICATÓRIA Dedicamos essa obra, primeiramente a Deus, que nos presenteou com essa grande dádiva que é a vida. Aos nossos pais que foram os instrumentos operados pelo Criador para nos conceder a oportunidade e a graça da Vida. Às nossas familias que, sempre nos incentivaram, inobstante as dificuldades encontradas ao longo do caminho. A todos os pesquisadores que se ocupam ou se ocuparam em conhecer e entender a odisséia das peregrinações humanas, especialmente ao Padre Luigi Marzano, o percurssor de todos. Às Famílias De Pellegrin e De Faveri que ousaram “far l´America”. A todos quantos que, de forma construtiva, puderem tecer suas críticas para que, no futuro, possamos enriquecer ainda mais o presente trabalho. E àqueles que nos servem de motivo para contionuarmos nossa trajetória: de um lado, Teresinha, Juliano, Willian e Ezequie,e de outro, Camila e Laura. 4 Livro de Cocal Certo.pmd 4 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  5. 5. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história AGRADECIMENTOS 5 Livro de Cocal Certo.pmd 5 06/01/2014, 14:23
  6. 6. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história PREFÁCIO Com avós e pais nascidos em Cocal, tendo residido 4 anos de minha infância e freqüentado a casa do avô Gílio Búrigo e Ida Possamai Búrigo durante minha juventude, e Cocalense por adoção, ao iniciar a trabalhar na ELIANE a partir da década de 60, fiquei orgulhoso em ser convidado a escrever o prefácio do livro “Cocal do Sul, UM MERGULHO EM SUA HISTÓRIA”, pelos autores João Carlos De Pellegrin de Souza e Hilário Ernesto de Fáveri. Primeiro, pela surpresa da obra; segundo, pela iniciativa e coragem, e depois, por me permitir recordar parte de meu passado, mergulhando na história dos Cocalenses. Sabia da vontade de Hilário registrar parte da história de Cocal, principalmente daquela na qual foi um dedicado e corajoso líder, especialmente por ter liderado seu movimento emancipacionista, que culminaria na criação deste belo município que é Cocal do Sul. A partir desta idéia, e com a experiência política e comunitária em Cocal, foi buscando dados, certidões e relatos de um passado mais antigo de sua terra natal. Aliando-se à tenacidade de um jovem advogado, na pessoa de João Carlos De Pellegrin de Souza, pois filho de operários, conseguiu chegar ao curso superior, começaram a ordenar o que tinham, a escrever, a corrigir, enfim, a remontar e enriquecer a história de Cocal. Muitos dos Cocalenses vão se encontrar nesta história, por si ou por seus antepassados. Poderão encontrar falhas ou omissões, as quais, porém, não tiram o brilho da obra e a iniciativa de registrar o que sabiam, souberam e foram buscar, porque a história de uma comunidade não se esgota em uma só obra, mas serve para incrementar que outros temas sejam levan6 Livro de Cocal Certo.pmd 6 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  7. 7. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história tados enriquecendo o conhecimento de um passado de já mais de 100 anos. Às críticas, responde-se com a ousadia dos autores. Com enfoque nas origens, no desenvolvimento do comércio e da indústria, da educação e ensino, e principalmente, na documentação oficial conseguida e publicada, temos a certeza que será uma leitura aprazível e saudosa de todos os Cocalenses que aqui vivem. E, principalmente, é uma obra que marcará a todos os pesquisadores que gostariam, no futuro, de consultar e citar, para um complemento futuro de outras obras que seguirão esta, e um registro para estudo das gerações que nos sucederão. Edson Gaidzinski (in memorian) Presidente do Conselho de Administração Do Grupo Eliane 7 Livro de Cocal Certo.pmd 7 06/01/2014, 14:23
  8. 8. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história MENSAGEM DO PREFEITO Num primeiro momento, recebi com muito entusiasmo a noticia de que a História de nossa terra estava ganhando páginas na forma de um livro. Depois, com muito orgulho, tomei conhecimento do trabalho que os pesquisadores realizaram e de ter conhecido o livro propriamente dito. Então, pude perceber que se estava oferecendo a este jovem município e seu povo mais um belo presente. O primeiro desses presentes foi sua emancipação político-administrativa, que muito de progresso propiciou à nossa terra. O segundo desses presentes é o livro que traz insculpida toda a sua história, sua cultura , retratando de forma fiel o que é nossa gente, um povo calcado na fé, na coragem e no amor à vida. Um povo ao não conhecer sua história, suas origens não pode entender seu passado, nem compreender o seu presente, e assim sendo, não pode projetar o seu futuro. Mas graças ao trabalho de nossos pesquisadores, Cocal do Sul e sua comunidade poderão, cada vez mais, continuar sua trajetória de conquistas e de progresso, especialmente porque sabemos do que fomos capazes de realizar ao longo de nossa história e, dessa forma, temos a exata noção do muito que ainda resta por se fazer. Nossas gerações vindouras muito se orgulharão, ao ler sobre Cocal do Sul, dos caminhos percorridos por seus antepassados e de seus concidadãos. Perceberão que sua terra guarda um enorme potencial e a valorizarão cada vez mais como um lugar para cultivarem suas vidas. As páginas dessa obra mostram, de forma didática, a evolução gradativa impressa em nossa cidade, coroando todo um trabalho de crescimento e de desenvolvimento, baseado na ação incansável de sua gente laboriosa e ordeira, constituindo-se num merecido presente, que se oferta da forma mais louvável e possível, a todas as lideranças políticas e 8 Livro de Cocal Certo.pmd 8 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  9. 9. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história comunitárias que ajudaram a edificar a história do nosso município. E, independentemente de suas correntes ideológicas, essas lideranças, no seu ardoroso comprometimento social, ajudaram a imprimir nas páginas que ganham forma de livro a marca do povo sulcocalense. O conteúdo das páginas dessa obra, tenho certeza, será de grande valia para todos quantos necessitarem alimentar-se desse conhecimento, pois aquele que se detiver ao exame dessas páginas, perceberá sua grande utilidade, no que concerne especialmente à pesquisa. Por último, reconheço e louvo o trabalho desenvolvido pelos autores que, com muita dedicação e amor à terra, possibilitaram resgatar nossa história, fidedigna e imparcialmente, permitindo-nos mergulhar nas águas cristalinas da História de Cocal do Sul. Jarvis Gaidzisnki Filho Prefeito Municipal 9 Livro de Cocal Certo.pmd 9 06/01/2014, 14:23
  10. 10. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história INTRODUÇÃO A História da Humanidade é um somatório incrível de avanços em todas as áreas do conhecimento. Da era das cavernas aos atuais dias, muito se conquistou. Evoluimos na busca da superação dos problemas e dificuldades que afligem a humanidade. Conquistamos a lua, partimos para a investigação de outros planetas, estudamos mais e mais e chegamos à manipulação genética. Criamos o chip e os bits, nasceu o computador e agora com a internet, difunde-se o Conhecimento. Nessa busca constante pela superação, é claro, erramos muito, mas um detalhe não pode ser omitido: graças à curiosidade que tem aguçado o homem na busca de sua superação, de sua longividade e origem, é que pudemos resgatar toda a trajetória de nossos ancestrais, possibilitando com isso, caminharmos na direção do horizonte. E é certo que não prosperam as sociedades que não têm preocupação ou se orgulham de seu passado. Muitas, mesmo algumas que se auto proclamam desenvolvidas, oferecem as costas à sua História, deixando escapar, além de um importante legado sócio - cultural, sua própria identidade. A compreensão do passado, entendemos, é a chave que abre a porta do significado do Presente, possibilitando a consequente projeção do Futuro. Está implícito na condição humana a necessidade de conhecerse e de buscar suas origens, como forma de melhor compreender a realidade histórica, geográfica e econômica na qual está inserida. E pesquisar um fato, cuja historicidade se reveste de importância, é mergulhar profundo no oceano do conhecimento, é buscar os liames que possam comprovar sua veracidade, além de lançar-nos nas clareiras das descobertas fascinantes. Foi assim com este singelo trabalho de pesquisa referente à 10 Livro de Cocal Certo.pmd 10 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  11. 11. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história colonização e formação do Município de Cocal do Sul. A partir de dados esparsos, colhidos aqui e alí, iniciou-se uma caminhada rica em descobertas e, movidos pelo fascínio, em função da diversidade de fatos que se descortinavam à nossa frente, pudemos vislumbrar quão plena de riqueza histórica é nossa simpática cidade, o que nos permite de, sem qualquer espécie de temor, afirmar que Cocal do Sul guarda, em todos os seus aspectos, um enorme referencial histórico no contexto de nossa Região, bem como um importante potencial turìstico-cultural. E conhecer um pouco mais sobre a Cidade onde moramos e cultivamos nossas vidas, é tão importante quanto conhecermos mais sobre nós mesmos, pois, enquanto cidadãos, estamos interagindo na vida da nossa cidade e, dia a dia, corroborando para o enriquecimento de sua História e de seu desenvolvimento. Graças ao trabalho de pesquisa e às horas em que nos debruçamos sobre o material que conseguíamos, foi possível, primeiro constatar e depois, registrar o inestimável legado que muitos cocalenses deixaram para a História desta terra. Pessoas desprendidas, que mesmo na sua humildade e, às vezes anonimato, ajudaram a escrever a nossa História. Pessoas como Venícius Burigo, cuja curiosidade como investigador dos acontecimentos históricos de nossa cidade, mais o seu próprio testemunho, além de o transformarem num verdadeiro arquivo vivo, possibilitou com que formasse um acervo riquíssimo, sob o ponto de vista histórico, o que foi de suma importância para essa publicação. Os inúmeros depoimentos, colhidos também de pessoas que, pelo seu dia-a-dia, ajudaram a construir Cocal, foram de grande valia. Muitas dessas pessoas hoje não mais estão entre nós, mas com o seu testemunho, registraram, na história, sua passagem por este mundo. Personlidades marcantes como Antonio Fachin, Inês Savi Mondo Burigo, João Da Maria Rosso, Afonso Sartor, Zeferino Euclides Furlan e Ernesto 11 Livro de Cocal Certo.pmd 11 06/01/2014, 14:23
  12. 12. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história De Faveri. Os descendentes das famílias pioneiras, Cecchinel, Possamai e Smania também deram sua grande contribuição ao nosso trabalho, enriquecendo-o com a sua colaboração. Cocal do Sul, a exemplo da maioria dos municípios de nossa Região, nasceu da coragem de imigrantes, ou italianos ou poloneses ou portugueses, ou alemães, enfim imigrantes europeus que num dia, movidos pelo instinto de sobrevivência, lançaram sorte na América e, com muito trabalho, fé, coragem e amor à vida, ajudaram a construir o Brasil que hoje temos. Escrever a História de Cocal do Sul foi, para nós, não um trabalho, mas um prazer, prazer que queremos partilhar com todos aqueles que desejam conhecer esta cidade e a si próprios, pois como já afirmamos, conhecer sua origem é uma necessidade imperiosa para o ser humano, porque é a partir desse referencial que o Homem passa a entender a sua realidade, ganhando condições de melhor projetar o seu futuro. Não temos a pretensão de tornar esta compilação um tratado sobre a cidade de Cocal do Sul, esgotando seus aspectos destacados. Ao contrário, esperamos, que ao final , possamos ter tido a felicidade de provocar e aguçar no leitor a curiosidade de, também ele, pesquisar e completar o presente trabalho, que para nós, significa o iniciar de uma caminhada. Queremos, apenas, que o leitor possa compreender um pouco mais da História de nossa cidade e vislumbrado, como vislumbamos, a bela odisséia que se inicia em 1877, com a vinda de algumas famílias italianas para Azambuja e também para a Colônia Urussanga (1878), e ainda outras que Se radicaram às margens do Rio Cocal e que, encantadas pelos coqueirais que aqui existiam, fixaram suas raízes. E se assim se der, daremos por atingido o nosso objetivo, qual seja, o de levar ao conhecimento de todo aquele que tiver a curiosidade de deter-se nessas páginas, um referencial histórico desta simpática cidade que é Cocal do Sul. Os autores 12 Livro de Cocal Certo.pmd 12 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  13. 13. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história INICIALMENTE... Pesquisar o tema imigração é algo indescritível, sob todos os aspectos, não importando qual a etnia investigada. O deslocamento de povos, na busca incansável por melhores condições de vida, é uma constante ao longo da história humana. Faz parte da história das grandes nações, especialmente, se levarmos em conta aquelas que sofreram processos de colonização, aliás, foi este, sem dúvida, um dos principais fatores responsáveis pela formação de muitas nações, dentre elas o Brasil. O fenômeno das imigrações em massa, verificado no Brasil, a partir de 1878/1880, despertou estudos não só de pesquisadores brasileiros, mas estrangeiros também, pois provocou transformações de toda ordem, nos países envolvidos na questão. Santa Catarina tem guardada sua importância histórica neste contexto, porque foi palco deste fenômeno que mexe e aguça pesquisadores, estudantes, historiadores, bem como os próprios descendentes daqueles que aqui se estabeleceram, na busca por uma vida melhor. E muito especialmente, a Região Sul do nosso Estado Barriga Verde que sofreu a fortíssima influência da imigração, se levarmos em conta que essas terras, na verdade, sofreram um processo colonizatório. E neste cenário, nosso Município também tem seu espaço, porque seu solo serviu de chão para tantos quantos aqui quiseram semear seus frutos, lançando raízes profundas, ajudando a imprimir na história, marcas, impressões, desejos e aspirações capazes de erguer cidades e destruir obstáculos. Por isso, é importante, antes de iniciarmos a nossa história, propriamente dita, procurarmos compreender o porquê ou porquês deste 13 Livro de Cocal Certo.pmd 13 06/01/2014, 14:23
  14. 14. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história fenômeno ocorrido em nosso território, que foram as imigrações de povos europeus. Não falamos dos descobridores portugueses, mas dos colonos da Alemanha, Polônia, Rússia e, muito especialmente, os da Itália. Que motivos tão fortes foram esses, que fizeram milhares de pessoas deixarem seus países de origem, para buscar em terras distantes e desconhecidas melhor sorte? Como estavam esses países, sob os mais importantes aspectos, que, não oferecendo condições dignas para os seus, abria suas portas para que seu povo emigrasse? Tudo isso, enfim, analisaremos a seguir, como forma de mostrar ao leitor, que o fenômeno da imigração guarda detalhes, que, à primeira vista nos parecem ínfimos, mas que são suficientes para explicarem o êxodo que esvaziou cidades e vilas européias, notadamente da Itália. Não nos preocupamos em apresentar um tratado sobre o assunto, porque não é este o objetivo do presente estudo, mas tão somente o resgate daquilo que não foi escrito sobre o nosso belo Município, Cocal do Sul. Todavia, os aspectos mais relevantes fazemos questão de imprimir, porque só deste modo, poderá o leitor captar e melhor compreender porque cidades foram erguidas no meio do nada por colonos imigrantes, vindos da Alemanha, Polônia, Rússia e Itália. 14 Livro de Cocal Certo.pmd 14 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  15. 15. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O PANORAMA POLÍTICO E SÓCIO-ECONÔMICO DOS PAÍSES EUROPEUS ATINGIDOS PELO FENÔMENO EMIGRATÓRIO DO SÉCULO XIX Polônia Os estudos de Otília Arns nos revelam dados preciosos acerca da história da Polônia, os quais são facilmente compreendidos ante a forma didática adotada, o que nos permite uma melhor análise da conjuntura histórica deste país. A história escrita da Polônia data de 963, sendo que Miesko I era o príncipe – mais tarde Mieczslaw, que foi o nome dado a três príncipes poloneses da dinastia Piast poloniana e vem daí o termo “polaco”. Essa dinastia congregava diversas tribos: Polânios, Vistulanos, Cassubianos, Silesianos e Mazovianos. Miesko I (930-992) governou as regiões baixas da Polônia. Antes do fim de sua vida, pactuando com a Santa Sé, coloca a Polônia sob a proteção da Igreja. Seu sucessor, Boleslaw I (966-1025), o primeiro rei da Polônia, foi o responsável por transformar o país em uma das maiores potências da Europa, à época. Foi ele quem organizou a administração da Igreja em bispados, com o centro metropolitano em Gwiezno. È com o Bispo Otto de Bamberg que há a conversão dos pomerianos ao Cristianismo, podendo ser essa época considerada como a primeira fase da conscientização política e religiosa da Polônia. 15 Livro de Cocal Certo.pmd 15 06/01/2014, 14:23
  16. 16. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história E por herança a Polônia é dividida Em 1138, Boleslaw III, dividiu o país entre seus filhos. Essa divisão não foi boa para a nação, enfraquecendo-a, favoreceu a invasão estrangeira, ocorrendo, em 1226, migrações germânicas, vindas do poderoso Estado da Germania, que ocupou a Silésia baixa. Também nesta mesma época, os judeus migraram para a região, tendo sido agraciados com a liberdade de religião e de escola e, a exemplo dos alemães, não se integraram com os poloneses. Mas a Polônia reencontra em Cassimiro III (1330-70), um longo reinando de paz e de progresso. O Soberano reunifica as duas Polônias, estimulando a imigração germânica e Armênica. Procirou na Itália e na França a promoção da cultura em seu país, como forma de contrabalançar as interferências das vizinhas potências, Rússia e Prússia. A Lituânia foi anexada à Polônia, através da celebração do casamento entre Jadwiga, aceita como rainha da Polônia (1384-99) e Jagiello, grão-príncipe da Lituânia, tornando-se rei da Polônia como Wladislaw II (1386-1434). Wladislau II se tornou católico romano juntamente com o seu povo lituano, completando a última conversão de um povo pagão em terras européias. O país progrediu, tornando-se uma das grandes potências da Europa. Mas a partir da morte de Wladislau II, a Lituânia começa a conhecer intranqüilidade, o que se refletiu sobre toda a Polônia. Diante desse quadro, Cassemiro IV (1447/92), neto de Wladislau II, transfere residência para a Lituânia, mas tal atitude foi vista com desconfiança pelos poloneses, e o quadro permanece assim até a morte deste, quando então, Lituânia e Polônia são separadas, temporariamente, e unificadas pelo rei Alexandre (1501/06), sucedido pelo irmão Sigismundo I (1506/48). E nessa época, acentuam-se as diferenças entre Lituânia e polônia. Além disso, 16 Livro de Cocal Certo.pmd 16 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  17. 17. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história os confederados de Bar, na Polônia, contribuíram, significativamente, para a guerra entre Rússia e a Turquia (1768/74). A divisão política do país No texto de Otília Arns, tem-se que, “as constantes guerras com os países vizinhos, levaram ao enfraquecimento do Estado da Polônia, sendo que Rússia, Prússia e Áustria, disputavam os territórios do país, politicamente enfraquecidos. E pelo tratado assinado em Petersburg, no dia 17 de Fevereiro de 1772, a Polônia sofre sua primeira divisão política, entre a Rússia e a Prússia. Em 05 de Agosto do mesmo ano, a Áustria foi incluída na partilha da Polônia, sendo apresentada ao país uma constituição formulada pelas três grandes potências européias da época: Rússia, Prússia e Áustria. Em Setembro de 1793, a Polônia sofre nova divisão, ampliando os territórios russose prussianos, o que reduziu o território polonês, a apenas, um terço do que era. Após um movimento nacionalista frustrado, a ganância dos poderes vitoriosos, quase leva à ruptura da aliança entre Áustria e Prússia, mas, aparadas as arestas, a terceira divisão da Polônia foi efetivada pelos tratados de 1795 e 1796, sendo o nome da Polônia riscado do mapa europeu. A partir desse quadro, as partes divididas da Polônia, foram obrigadas a viver sob três regimes políticos, econômicos e constitucionais diferentes e, então, viu-se a decadência econômica. Somente a Áustria se preocupou com reformas, implementadas para proteger os camponeses contra a exploração abusiva dos proprietários de terras. O Século XIX marca um período de emigração. A América significava a “terra prometida”. Os camponeses emigravam, mas os soldados e oficiais, entretanto, seguiam para a Itália com a esperança de retornar à Polônia com o exército revolucionário francês. Combateram ao lado de Napoleão. 17 Livro de Cocal Certo.pmd 17 06/01/2014, 14:23
  18. 18. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Quando Napoleão derrotou a Prússia em 1806 e declarou guerra à Rússia em 1807, o recém criado ducado de Varsóvia lutou ao lado dele, pensando em reaver a liberdade política da Polônia. Mas Napoleão e os poloneses foram derrotados pelos russos em 1812, e o Ducado de Varsóvia caiu, novamente, nas mãos da Rússia. Os levantes de 1830 e 1863 frustraram-se e a Polônia tornou-se, definitivamente, uma província russa. Os camponeses sofriam nas zonas rurais. As escolas e universidades se tornaram russas. Imagens distorcidas sobre o passado da Polônia eram incutidas nas crianças e nos jovens. Uma educação patriótica secreta, no entanto, procurava, na cidade e no campo, manter viva a tradição cultural da Nação. A Polônia Prussiana não teve melhor sorte. A Prússia procurou germanizar a administração e o sistema escolar. Depois de um fracassado levante, em 1848, medidas de repressão contra organizações foram desencadeadas, ganhando forma de uma política, claramente, antipolonesa e anticatólica romana em grande escala. Esse processo, que teve início com Otto Von Bismark, se estendeu até 1871. Inicia-se, então, a luta contra a germanização. Cracóvia, república diminuta, criada pelo Congresso de Viena, floresceu durante 30 anos. Foi ocupada, no entanto, pela Áustria em 1846 e incorporada à Galícia. A Áustria, sob o velho regime autocrático, oprimiu a província polonesa, politicamente e explorou sua economia de forma cruel”. E desta Polônia sofrida e espoliada foi que, centenas de milhares de camponeses, partiram, buscando em terras brasileiras maior sorte que aquela deixada para trás, tal qual os italianos do Vêneto e da Lombardia. 18 Livro de Cocal Certo.pmd 18 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  19. 19. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história A Alemanha do Século XIX A exemplo dos demais países europeus, a Alemanha também mergulhara em várias ordens de problemas. Eram problemas sócio econômicos e também políticos, fatores que deram grande impulso à emigração de sua gente. A Alemanha inicia, em 1807, seu processo de substituição do sistema feudal, concedendo aos camponeses certa liberdade, tanto econômica quanto jurídica, cujo objetivo era dotar os camponeses de condições que lhes fosse possível adquirir terras, tornando-se proprietários. Esse ideário, apesar de bem intencionado, provocou consequências danosas para a Alemanha, haja vista o próprio sistema feudal e suas regras em relação ao senhor da terra: “Até então, os camponeses tinha sido arrendatários; viviam numa economia de subsistência, tendo que pagar uma parte da colheita aos senhores das terras. Estes, por sua vez, haviam assumido certos deveres em relação aos camponeses. Os deveres dos senhores garantiam uma certa segurança aos camponeses arrendatários. A libertação dos camponeses significava, para os mesmos, uma mudança brusca de estrutura sócio-econômica para a qual não estavam preparados. Se o sistema feudal os obrigava a entregar parte de suas colheitas ao senhor da terra, agora, como autônomos, tinham obrigação de pagar impostos ao Estado em forma de dinheiro. Esses impostos eram muito altos em consequência das guerras napoleônicas”. Somado ao novo problema surgido com a “liberdade” proprcionada pelo novo sistema sócio-econômico, seguem –se outros , 19 Livro de Cocal Certo.pmd 19 06/01/2014, 14:23
  20. 20. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história que tornaram a vida dos alemães ainda mais dificil, como por exemplo a escassez de capital de giro, necessário não para pagar os altos impostos, como também para comprar sementes e insumos para o plantio das culturas. A relação inexperiente com um mercado guiado pela lei da oferta e procura, mais as constantes perdas nas colheitas, os preços baixos pagos pelos produtos agrícolas e as guerras, tudo isso, mergulhou o povo numa profunda crise social. E com a explosão demográfica que experimentava a Europa, não havia terra para todos, o que jogou o preço delas para uma realidade muito distante do povo. Adquirir terra em solo alemão, a exemplo dos demais países europeus, era uma verdadeira utopia, possível somente além-mar. A partir dessa premissa , milhares de camponeses germânicos impuseram-se à emigração, buscando no extrangeiro de além mar, melhores oportunidades de vida. 20 Livro de Cocal Certo.pmd 20 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  21. 21. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história ITÁLIA - SÉCULOS XVIII E XIX - OS FATORES QUE INFLUENCIARAM O PROCESSO EMIGRATÓRIO Fatores histórico-políticos Afim de compreendermos os motivos que fizeram centenas de milhares de italianos deixar a península nos idos do Século XIX, é mister que se remonte aos fatores histórico-políticos, verificados à época. Os estudos de Otília Arns esboçam, o panorama dessa época e, com o intuito de homenageá-la, assim lemos seu trabalho: A Itália como hoje conhecemos é fruto de uma contexto histórico que culminou com a unificação de cidades-estados, após vários conflitos armados. Até o Século XIX a Itália não existia como nação, não tendo unidade política e nem independência. É com a Confederação de 1455, aliança formada entre Milão, Florença, Veneza e, mais tarde, Nápoles, que surge o “senso de nacionalidade”, baseada na unidade da língua e na cultura comuns, cujo objetivo era equilibrar esses Estados contra o Poder Estrangeiro. Inobstante a aparente fragilidade política, é na Península Itálica que surgem os grandes movimentos culturais e políticos da História Humana, servindo de nascedouro dos movimentos do Humanismo e Renascentismo, tornando a Penísula referência econômico-cultural no cenário europeu. É bem verdade que isso se fez notar, mais especificamente nos cinco grandes estados erigidos: Milão, Florença, Veneza, Nápoles e Santa Sé. As instituições políticas ganham notoriedade com Niccollo Machiavelli, político e escritor florentino, que para o qual, os fins justitificavam os meios, ou no dizer de Otília Arns: 21 Livro de Cocal Certo.pmd 21 06/01/2014, 14:23
  22. 22. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história “A doutrina de Machiavelli pretendeu fornecer normas de ação ao governante. Para ele, o governante deve preocupar-se unicamente com a conservação do poder, e, para tanto, são lícitos todos os meios. A pessoa humana, inclusive, deixou de ser o objeto final da política, transformando-se num instrumento para a efetivação da grandeza do governante. A esse último aspecto da obra de Machiavelli é que se denomina maquiavelismo”. As instituições políticas tornaram-se, assim, machiavélicas, produzindo líderes déspotas, autoritários, guiados apenas e tão somente pelos interesses próprios, enfraquecendo a unidade política conseguida, favorecendo as invasões estrangeiras, notadamente por parte da França, Espanha e Áustria. Em 1549, acontece a primeira invasão estrangeira, quando Carlos VIII da França, apodera-se de Nápoles, transformando o país em um cenário de muitos conflitos armados entre a França e a Espanha. Os espanhois saêm vitoriosos, apoderando-se de Milão, Nápoles, Sicília, Sardenha, impondo sua hegemonia à Península. No período em que Felipe II, filho de Carlos V, ocupava o Ducado de Milão, os direitos imperiais foram transferidos para a Espanha. Após a Guerra de sucessão espanhola (1701 – 1714), a Áustria tomou o lugar da Espanha, impondo também sua hegemonia. É interessante considerar que a Península Itálica tinha, nesta época, um dos pontos maritimos-comerciais mais movimentados do mundo, centrado na Cidade de Veneza, especialmente porque não se conhecia outra rota que ligasse o Ocidente ao Oriente, o que despertava o interesse das potências européias da época, incentivando as invasões. O declínio econômico da Península, inicia-se, quando uma nova rota marítima para as índias é descoberto. Tem-se, então a quebra do monopólio do tráfego de especiárias, antes dominado por Veneza, 22 Livro de Cocal Certo.pmd 22 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  23. 23. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história agora tem seu fluxo transferido para Lisboa. A partir dessa nova realidade, a Península começa a sentir com mais intesidade os problemas que atingiam outros países do Continente Europeu, como o caso da França, por exemplo, o que obrigou a implantação de reformas, afim de combater as consequências maiores advindas: violência, concentração exacerbada de renda nas mãos de poucos e a taxação elevada sobre as pequenas propriedades. Essas reformas, quando implementadas, procuraram dar garantias cada vez maiores aos que já eram favorecidos pelo sistema vigente. A crise estava, então, instalada de forma crônica na Península. Inicia-se, legitimada pela forte crise, um movimento revolucionário liderado pelos literatos, historiadores, economistas, folósofos e cientístas, os quais denunciavam os problemas e procuravam estimular ideais nacionalistas, visando a Unificação, que só bem mais tarde, 1868/ 71, iria tornar-se uma realidade. Alguns anos mais tarde, mais especificamente, em 26 de Maio de 1805, Napoleão Bonaparte, Imperador Francês, recebe em Milão, a coroa dos reis lombardos, que depositavam muita esperança de que o título “Rei da Itália”, persuadisse o Imperador a dar à Península status de independência em relação à França, o que não aconteceu, pois as coisas permaneceram exatamente como antes. Com a derrota de Napoleão, as grandes potências européias da época, Rússia, Inglaterra, Áustria e Prússia redistribuem a Europa e a Península Itálica, fica submetida ao julgo Austriaco, que faz eclodir um forte movimento em pról da independência, liderado pelos aristocratas, burgueses cultos e funcionários. Num período que vai de 1815 a 1830, destaca-se a forte atuação dos carbonários, facção secreta que havia sido organizada para lutar contra a dominação napoleônica. É a partir de 1830 que inicia-se, propriamente, o movimento 23 Livro de Cocal Certo.pmd 23 06/01/2014, 14:23
  24. 24. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história que culminaria com a Unificação Italiana. Neste ano, Camillo Cavour, homem ligado à política, lança um jornal batizado de Risorgimento, afim de difundir suas idéias revolucionárias. Esses ideais acabam por conquistar todas as camadas sociais, e com o auxílio de Giuseppe Mazzini, que concebe a unificação da Península dentro de um regime republicano. Organiza, então, uma sociedade secreta chamada “Jovem Itália”, afim de lutar pela liberdade e unificação da Península. Com a revolta da Lombardia, o movimento pró-unificação ganha um novo impulso. O Rei do Piemonte, Carlos Alberto, pensando já na Coroa Italiana, declara guerra à Áustria. Derrotado, abdica em favor de seu filho, Vittorio Emanuele. Termina desta forma a fase revolucionária do “Risorgimento”, tendo sequência uma fase onde prevaleceu a diplomacia, com importante atuação do Ministro Camillo Cavour. Em 1853 eclode a “Guerra da Criméia”, uma península ao sul da Ucrânia. Rússia de um lado, que queria estender seus domínios, anexando o Mar Negro e a da Turquia ao seu vasto território, lutava contra Turquia, Inglaterra, França, Sardenha e Piemonte. A Rússia foi derrotada pela Turquia, que assinou o tratado de paz em Paris, reconhecendo a neutralidade do Mar Negro e a integridade da Turquia. Vittorio Emanuele, por apoiar os países que lutaram contra a Rússia, ganha a simpatia da Inglaterra e da França, o que provocaria a ira da Prússia, que declara guerra a estes. Novamente a Europa se via em conflitos armados. Na Península, após várias lutas internas e a decretação de um plebiscito, chega-se ao primeiro Parlamento, que se reuniu em Turim em 1860. É neste ano que Giuseppe Garibaldi, homem que dedicou sua vida às causas revolucionárias, tendo lutado inclusive na Guerra dos Farrapos no Rio Grande do Sul, intensifica sua atuação em pról da Unificação Italiana. Conseguindo recrutar mil homens, invade a Ilha da Sicília e, ocupando Nápoles, põe fim ao “Reino das duas Sicílias” . 24 Livro de Cocal Certo.pmd 24 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  25. 25. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Afim de evitar a radicalização do movimento, Camillo Cavour, envia tropas Piemontesas ao Sul da Península, anexando ao Piemonte toda a Itália Central, a execeção de Roma. Em 17 de Março de 1861, finalmente, Vittorio Emanuele é proclamado Rei da Itália, Roma é elevada à Capital da Itália e o Estado Pontificio é encampado. Nasce o Reino Italiano. Fatores sócio-econômicos Analisando os aspectos sócio-econômicos que levaram centenas de milhares de italianos a deixar a Península Itálica, a Professora e Pesquisadora Nelma Baldin nos mostra, de forma didática, uma leitura clara e destacada desses aspectos por demais importantes, cuja leitura que fazemos é a seguinte. O sistema de organização feudal se fazia ainda bastante resistente até 1861, época da unificação italiana, e por esse motivo a agricultura era descurada e de caráter subsistente, tendo nas cultura do trigo, milho, vinho e produção de queijo, a alimentação básica para as populações. Pesava também o fato de que os animais de criação e as plantações eram atacados constantemente por pragas, o que empobrecia mais e mais as famílias rurais italianas. Essa situação de penúria começa, então, a transformar-se, após a unificação política da Península, quando então, o modo de produção capitalista inicia, na Itália, a sua revolução industrial. O resultado imediato desse processo de industrialização foi, sem dúvida, o aumento considerável do processo emigratório, que já começara de forma incipiente, antes das lutas pela unificação italiana. Com o advento das transformações ocorridas, principalmente no cam25 Livro de Cocal Certo.pmd 25 06/01/2014, 14:23
  26. 26. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história po, a emigração ganha contorno de um êxodo de massas, isto porque esse novo modelo de produzir bens, implantado pela indústria, ao abalar a estrutura agrária até então reinante, acaba por provocar desequilibrios econômicos, privilegiando uma minoria, detentora de poder econômico, em detrimento de uma maioria, formada por camponeses, que ficaram à margem desse processo. E no dizer da Professora Nelma Baldin, tem-se uma visão clara da realidade em que viviam nossos antepassados na Itália, especialmente os Vênetos: “A par dessa situação, acumulava-se toda sorte de desgraças. E aos poucos, criou-se, no Vêneto, uma multidão de camponeses sucessores hereditários e endividados, que não mais conseguia manter-se no cultivo da terra, nem mesmo com uma mínima garantia de sobrevivência. A essas populações não restava outra alternativa a não ser a emigração”. E foi o que fizeram nossos antepassados. (Grifo nosso) 26 Livro de Cocal Certo.pmd 26 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  27. 27. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história COLONIZANDO O SUL DO BRASIL Para mehor compreendermos os motivos que levaram o Governo Imperial Brasileiro a abrir suas fronteiras às massas de colonos europeus, precisamos remontar à epoca em que as fronteiras localizadas ao Sul do país foram definidas entre Portugal e Espanha, as duas potências européias que, a partir de 1500 dividiram as terras brasileiras. O primeiro acordo, envolvendo Portugal e Espanha e terras brasileiras operou-se em 1494, quando o Papa Alexandre VI sancionou o “ Tratado de Tordesilhas”, definindo os limites geográficos e políticos do nosso país. Com o advento do movimento das “Entradas e Bandeiras”, iniciado a partir de São Paulo, há, ná prática, uma completa anulação desse tratado, o que provocou a celebração de um novo acordo entre Portugal e Espanha, ao qual deram o nome de “Tratado de Madri”, celebrado em 1750, definindo os novos limites geográficos. Mas os problemas ainda persistiam, passados 27 anos da última convenção, o que obrigou essas potências a assinarem novo acordo, desta vez batizado de “Tratado de Santo Idelfonso”. E foi exatamente devido às grandes fronteiras que fizeram com que o Governo Imperial Brasileiro permitisse a entrada de colonos europeus, pois a necessidade de se colonizar o Sul do país, vinha diretamente de sua grande extensão de terras despovoadas, o que era muito dispendioso para o Governo. Os constantes conflitos com a Espanha, em função dessas terras, exigiam gastos enormes com a guarnição das fronteiras. A solução mais urgente e barata era incentivar a colonização e, dessa forma, a Coroa do Brasil, com a ajuda laboriosa dos imigrantes europeus, sobretudo alemães e italianos, e pelo sistema de minifundios, conseguiriam mais facilmente: 27 Livro de Cocal Certo.pmd 27 06/01/2014, 14:23
  28. 28. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história 1. Explorar economicamente as florestas da Região Sul, 2. Fortalecer as fronteiras, 3. Criar uma classe média, urgentemente necessária ao desenvolvimento econômico e social do país, bem como absorver os produtos produzidos pelas primeiras indústrias que se instalavam no Sudeste. É claro que, além desses objetivos, a Monarquia Brasileira pretendia, com a inserção dos imigrantes, suprir a mão de obra nas fazendas de café de São Paulo, até porque a abolição da escravatura já era tida como certa, pois o Brasil era ainda a única nação no Mundo Ocidental a permitir essa “vergonha”, o que produziu forte pressão internacional, sobretudo da Coroa Inglêsa. Estavam, então, traçados os objetivos, restando ao Governo implementar normas que regulamentassem a entrada desses imigrantes. Várias medidas, neste sentido, foram tomadas pelo Governo: 1. Assinatura da Lei de 25 de Março de 1808, que permitia a concessão de terras a estrangeiros; 2. Em 1814, um decreto convidava imigrantes estrangeiros, prometendo-lhes a propriedade de terras; 3. Em 1818, foi criado um fundo de assistência ao imigrante europeu; 4. Em 1820, foi elaborada a regulamentação de imigração, sendo prometido aos imigrantes terras gratuítas, isenção de impostos por dez anos e a cidadania brasileira, havendo como condição que os colonos fossem católicos, imposição revogada pela Carta Constitucional de 1824, que trouxe a liberdade de culto, o que começou a impulsionar a entrada de estrangeiros no Brasil; 5. Em 1890, o Decreto N° 528 de 28 de Junho, conhecido como a “Lei Glicério”, aprimora a regulamentação da entrada de imigrantes no Brasil, dando novo impulso à colocação de colonos europeus no país. 28 Livro de Cocal Certo.pmd 28 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  29. 29. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história A ODISSÉIA DA IMIGRAÇÃO ITALIANA A imigração italiana iniciada, em terras catarinenses, ainda nos idos de 1836 (Colônia Nova Itália – São Miguel), revestiu-se de uma importância histórica sem precedentes na história catarinense, sobretudo porque, a partir de 1878, foi um fenômeno de massas. Com o seu advento, cidades ergueram-se no meio do nada. As matas virgens foram desbravadas, as margens dos rios ocupadas e o homem passou a ocupar o espaço físico disponível e propício à sua fixação e sobrevivência, transformando-se em agente colonizador. Essa deve ser a leitura correta da odisséia do imigrante italiano para a Região Sul de Santa Catarina, posto que as levas de imigrantes italianos que se radicaram em São Paulo, por sexmplo, não tiveram a índole colonizadora daquele que veio para o Sul do nosso Estado, pois foram recrutados para o trabalho nas lavouras de café, em substituição à mão de obra escrava, liberta pela Lei Áurea. Sabe-se que o fluxo imigratório para o Sul de Santa Catarina iniciou-se com com a criação da Colônia Azambuja em 1877, tendo sequência com a Colônia Urussanga, o Núcleo Accioly de Vasconcelos e Creciuma, Rio Jordão, Nova Belluno (Siderópolis) e a Colônia Nova Veneza, já nos idos de 1892/95. Os italianos foram, sem dúvida, o grande contingente, responsável pela ocupação do espaço geográfico em nossa Região, sobretudo os italianos do Norte, Vênetos em sua grande maioria. E a pergunta que se faz é, por que foram recrutados com maior intensidade os colonos do Vêneto? Que particularidades tinha essa gente, capaz de atrair os agentes colonizadores a serviço das companhias de imigração? É o que veremos a seguir. 29 Livro de Cocal Certo.pmd 29 06/01/2014, 14:23
  30. 30. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história ITALIANOS DO VÊNETO Conta o Mons. Quinto Davide Baldessar em seu livro “Imigrantes, sua história, costumes e tradições” que, “para o Governo Imperial era urgente implementar a mão de obra para a produção dos bens de consumo doméstico e para a exportação. Com a extinção do tráfico de escravos em 1850, a imigração foi incentivada pelo Governo. Feito estudos e pesquisas sobre o potencial humano e as condições de vida dos colonos no além mar, chegou-se à conclusão que o melhor arsenal, como fonte de procura bem sucedida, seriam certamente os italianos do Norte da Itália, por diversas razões: 1) Tratava-se de um país com 302.000 km2, com uma população que já nessa época superava 30 milhões de habitantes. 2) Os habitantes do Norte da Itália seriam os mais indicados, por serem fáceis de abordar e convencer para enfrentar a odisséia do emigrante. E a região mais indicada seria o Vêneto: Essa região, de longa data, vinha sendo massacrada pelas idas e vindas de guerras intermináveis, pela unificação do país. Além disso, era passagem obrigatória das convulsões bélicas. Excluindo uma região litorânea no entorno de Veneza, a região é muito montanhosa. Ao longo do Rio Piave, as montanhas escarpadas se elevam até as geleiras eternas. Mais ao Norte, nas imediações de Belluno, há mais rochedo do que terra cultivável. As encostas são muito íngrimes e saturadas de penhascos, paredões e cânios. Os invernos são extremamente frios, pelas nevascas prolongadas no começo de cada ano. Grossas camadas de neve cobrem completamente o solo por longos períodos. A vegetação nessas encostas é es30 Livro de Cocal Certo.pmd 30 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  31. 31. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história cassa. Os pomares ou vinhedos exigem muros de arrimo ou taipas, para evitar a erosão e manter aquele pouco de terra cultivável, que uma vez levado pela erosão, não havia onde se buscar. O sonho da casa própria, de ser dono de suas próprias terras...”, tudo isso contribuiu, significativamente, como indicativos para se buscar os colonos do Vêneto Italiano. (Grifo nosso) Mapa da Itália. No destaque a região do Tri-Vêneto. Fonte: Bortolotto, Zulmar H. História de Nova Veneza, p. 9. 31 Livro de Cocal Certo.pmd 31 06/01/2014, 14:23
  32. 32. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história AS COMPANHIAS DE IMIGRAÇÃO Todas as pesquisas, e isto não importa, sob que ângulo são vistas, todos os documentos e relatos, oficiais ou não, dão conta de que o fenômeno emigratório/imigratório foi, sem dúvida, um grande negócio para os países envolvidos no processo e para os intermediários que fizeram o “trabalho” de coptação. Analisado sob o enfoque Brasil/Itália, percebe-se, facilmente, que os dois países tinham problemas que ensejavam urgente providência. Do lado italiano, havia toda a problemática em torno da falta de oferta de trabalho para um contingente de mão de obra, oriunda da substituição do modo artesanal para o industrial, além, é claro, da grande densidade populacional italiana, já nesta época, mais de 30 milhões de habitantes que, aliado à falta de terras férteis no Norte do país, sobretudo no Vêneto, fazia com que houvesse essa carência de serviço. Do lado brasileiro, havia o problema da necessidade de suprir a mão de obra escrava nas lavouras de café, a criação de um mercado consumidor interno e, especialmente, no Sul do país, a questão dos grandes espeços geográficos vazios, que demandavam altos custos ao Governo Imperial, em relação à guarnição das fronteiras. Conjugando esses fatores, firmaram-se contratos entre a iniciativa privada e o Governo Imperial do Brasil, tendo o objetivo de trazer imigrantes europeus, especialmente da Alemanha e da Itália. Desta forma, surgiram as companhias de imigração, que se responsbilizavam pela contratação e colocação dos colonos em solo brasileiro. A mais influente e, por consequência, a mais importante dessas companhias foi a de Joaquim Caetano Pinto Júnior, Comendador 32 Livro de Cocal Certo.pmd 32 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  33. 33. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Brasileiro, experimentado homen de negócios, que possuia larga experiência nos contatos com a Europa. “O contrato Caetano Pinto” O Comendador Joaquim Caetano Pinto Junior, celebrou no dia 30 de Julho de 1874, aprovado pelo Decreto n° 5.663, do mesmo ano, um contrato com o Governo Imperial do Brasil, responsabilizando-se a “num prazo de 10 anos”, introduzir no Brasil cem mil imigrantes europeus “agricultores, sadios, laboriosos e moralizados”. Sabe-se que a execução desse contrato foi eivada de muitos problemas, tanto para Caetano Pinto quanto para os colonos trazidos, pois é certo que o Governo Brasileiro não cumpriu as condições pactuadas no contrato, como o não pagamento ou ressarcimento das despesas havidas com o transporte e a colocação dos imigrantes em terras brasileiras, e, é claro, os desentendimentos entre os contratantes refletiam nos colonos. O Governo Imperial do Brasil, através de seus entes diplomáticos, não tinha credibilidade para agenciar os colonos e já se fazia sentir alguns movimentos contrários à imigração para o país. Não havia outra alternativa mais viável que contratar com as companhias de imigração e foi o que fez o Governo, quando recorreu a Joaquim Caetano Pinto. Afim de agenciar tamanho contigente de colonos, Caetano Pinto, é claro, subcontratou, movimentando uma grande engrenagem e isso provocou alguns problemas em relação à propaganda enganosa que se produziu na Europa, especialmente no Norte Italiano, pintando em cores de ouro as terras brasileiras. 33 Livro de Cocal Certo.pmd 33 06/01/2014, 14:23
  34. 34. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história RECRUTANDOS OS COLONOS ITALIANOS DO VÊNETO Com o intenso trabalho publicitário, realizado em meio aos colonos italianos, desenvolvido pelos agenciadores a serviço das companhias de imigração, os camponeses sentiam-se não somente atraídos, mas seduzidos pelas facilidades oferecidas na América, pois lhes era apresentado uma oportunidade única de saírem da condição de camponeses para a de proprietários de terras. No seu livro “Colonos e missionários italianos nas florestas do Brasil”, o Padre Italiano Luigi Marzano, conta com detalhes como era feita a propaganda, realizada pelas companhias de imigração junto às vilas e aldeias do Norte Italiano, que seduziam legiões de camponenes. Nos relata o Padre Marzano que “nos anos de 1876,1877 e 1878, circulares, jornais e conferencistas giravam pela Europa, especialmente na Itália, desenhando em cores de ouro apontando como terra prometida a América e em modo particular, o Brasil. Naqueles tempos, a Itália nossa, passava uma crise dolorosa. Os partidos revolucionários perturbavam a Península, impostos e taxas atingiam sem remissão, a agricultura era descurada ou mantida por feudários espoliadores. O pobre lavrador flagelado pela subnutrição (pelagra), era incapaz de sustentar e alimentar sua família. De um lado, pois, atribulação, e por outro, a esperança de uma vida melhor. Muitos animaram-se a expatriar. E enquanto do Piemonte partiram aos milhares para cultivar os Pampas Argentinos, os Vênetos, que até então não sabiam o que fosse emigrar, desciam das altas montanhas do Cadore e unidos aos das Províncias de Belluno, Treviso, Vicenza, Údine, Pádua, Mântua e Verona, dispunham-se a partir para o Brasil. 34 Livro de Cocal Certo.pmd 34 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  35. 35. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Colocavam à venda seus haveres, e vencido o natural receio de atravessar os mares, estavam prontos para a partida. Fonte: Bortolotto, Zulmar H. História de Nova Veneza, p.14. 35 Livro de Cocal Certo.pmd 35 06/01/2014, 14:23
  36. 36. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história EM DIREÇÃO À AMÉRICA A viagem dos imigrantes Partir é sempre difícil. Mesmo para onde conhecemos. E fazendo um exercício de imaginação, quando nos volvemos para o momento em que os imigrantes, neste caso, italianos, deixaram suas casas, amigos e parentes, para buscar no além mar melhor sorte, quando, ao ver suas as montanhas vênetas ou lombardas, as ruelas, as vilas que os viram nascer, certamente, este momento ficou aceso e vivo na memória, tanto dos que partiram quanto dos que ficaram. Quase todos os relatos sobre a travessia do oceano e os aspectos relacionados à viagem empreendida pelos colonos imigrantes, basearam-se no livro do Padre Luigi Marzano, especialmente porque o próprio padre experimentou-a, quando partiu de Turim para a Colônia Urussanga nos idos de 1899. Seus relatos nos dão a exata dimensão do que foram as sucessivas partidas de centenas de milhares de colonos vênetos e lombardos com destino ao Brasil. Nos dias de partida, era comum encontrar-se aglomerados de famílias em frente às estações de trem, nas cidades onde os agenciadores marcavam para a partida. Num relato do Padre Marzano, certamente com base em depoimentos de colonos já estabelecidos na Colônia Urussanga, assim descreveu o sacerdote: “E quem se encontrasse nos dias 24, 25 e 26 de Março de 1878 na Prefeitura de Coneliano, na Província de Treviso, teria visto aglomerarem-se gente de Belluno, Longarone, Cadore, Friuli, Treviso, reunidos em famílias, em grupos, em aldeias inteiras, circundada por caixões contendo os poucos objetos de uso, e todos aguardando o trem do dia 27, no qual partiram para Milão”. Pelo relato do padre italiano e mais o relato de tantos outros pesquisadores, chega-se à conclusão de que a viagem para o Brasil obedecia a dois roteiros, ou seja, um com embarque nos transatlânticos no porto francês da cidade de Le Havre, e um outro com embarque no porto de Gênova, na própria Itália. 36 Livro de Cocal Certo.pmd 36 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  37. 37. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O tempo exato da viagem não se pode afirmar, todavia, pode ser estimado entre 30 e 36 dias (daí o trecho da música “...trentasei giorni di macchina e vapore...”. Mas partindo de Gênova ou de Le Havre, o destino era um só: o Brasil. Em linhas gerais, era assim que se desenvolvia a viagem até o destino: A partida poderia ser de Gênova ou Le Havre; Parada de reabastecimento (carvão) em Lisboa ou Pernambuco; O desembarque já em porto brasileiro, poderia ser no Rio de Janeiro ou em Santos, no litoral de São Paulo, mas a partir desses dois destinos, a sequência da viagem era a mesma, ou seja, até Desterro (atual Florianópolis), em barcos a velas, e em barcos menores até Tubarão (localidade de Morrinhos), de onde seguiam, à pé, até as colônias de destino, ou Azambuja, ou Urussanga, ou Accioly de Vasconcelos (Cocal), ou Criciúma, Rio Jordão, Nova Veneza, Treviso, Belluno (Siderópolis). A partir de 1880 com a inauguração da Estrada de Ferro Dona Tereza Cristina, os imigrantes vindos nesta época, passaram a contar com esse transporte, saindo de Laguna até a Cidade de Pedras Grandes, sendo que o restante do percurso era feito ainda à pé. Esse é, em síntese, o roteiro seguido por nossos antepassados que deixaram a Itália em direção à “terra della cucagna”, como costumavam chamar os agenciadores à serviço da companhias de imigração, quando referiam-se ao Brasil. Trajeto desenvolvido pelos imigrantes Italianos em um dos possíveis roteiros utilizados. Neste caso, com partida do Porto de Gênova e chegada no Porto do Rio de Janeiro 37 Livro de Cocal Certo.pmd 37 06/01/2014, 14:23
  38. 38. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Registro de Entranda de Imigrantes, datado de 14 de Abril de 1880. Na relação desta página aparecem as famílias De Pellegrin e Búrigo. O navio era o Vapor Koln, que partiu do porto de Genova com destino ao Porto do Rio de Janeiro. 38 Livro de Cocal Certo.pmd 38 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  39. 39. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Passaporte italiano do inicio do seculo XIX, expedido pelo governo italiano, quando a Itália era ainda uma monarquia e o Rei era Umberto I. 39 Livro de Cocal Certo.pmd 39 06/01/2014, 14:23
  40. 40. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO DE COCAL DO SUL Foto de 1906. Ao fundo, à direita, percebe-se o “palazzo Búrigo” já inaugurado. Os primeiros passos da colonização de Cocal do Sul A colocação de imigrantes italianos em Santa Catarina já havia sido tentada em 1836 (Colônia Nova Itália – Vila de São Miguel – margens do Rio Tijucas, através de uma empresa colonizadora, criada por Enrique Ambauer Schutel e Carlo Demaria, a “Demaria & Schutel”, Sociedade Particular de Colonização. Em 1876, a Inspetoria de Terras e Colonização, órgão do Governo Imperial, responsável pela operacionalização do serviço de imigração e a consequente colocação de imigrantes em terras da Província de Santa Catarina, empreendeu com mais vigor a colocação de imigrantes europeus no Estado, caracterizando-a, como um fenômeno de massas. A região onde estão localizados os Municípios de Urussanga 40 Livro de Cocal Certo.pmd 40 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  41. 41. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história e Cocal do Sul pertenciam, por força da Sesmaria de 05 de Abril de 1773, do Governo Imperial, ao Capitão de Ordenanças Manuel de Souza Porto. No dizer de Jacinto Antonio de Mattos, numa das visitas que o Presidente da Província de Santa Catarina, Dr. Alfredo Escragnole Taunay, fez ao Vale do Tubarão, em Setembro de 1876, convenceu-se de que esta seria uma região de grandes potencialidades para a colocação de imigrantes europeus. A partir desta constatação, sugeriu ao Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas do Governo Imperial, Conselheiro Thomaz José Coelho de Almeida, a realização de estudos para estender a colonização para o Sul da Província. Atendendo de imediato ao pedido formulado pelo Presidente da Província de Santa Catarina, o Governo Imperial, que também tinha grande interesse em colonizar o Sul do Brasil, já que era muito dispendioso guarnecer suas fronteiras, nomeou uma Comissão Imperial em 21 de Novembro de 1876 e, sob a chefia do engenheiro maranhense Joaquim Vieira Ferreira, auxiliado pelo agrimensor Augusto Barrandon e o Tenente Braz Nogueira Pinto, iniciaram esses estudos, que consistiam na discriminação e medição das terrras públicas. Os trabalhos de levantamento e medição dos lotes coloniais, começaram no ano seguinte, em 1877, a partir do Vale das Pedras Grandes, afluente do Rio Tubarão, culminando com a criação do Núcleo Colonial de Azambuja neste mesmo ano. E para compreendermos a colonização do nosso Município, não podemos nos furtar de retrocedermos à época em que ocorreu a colonização de Azambuja, que foi o lugar de onde iniciou-se, inclusive, os estudos de assentamento dos primeiros colonos italianos, chegados em 16 de Abril de 1877 e colocados pelo Major Antonio Florencio Pereira 41 Livro de Cocal Certo.pmd 41 06/01/2014, 14:23
  42. 42. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história do Lago, sob a responsabilidade do Engenheiro Joaquim Vieira Ferreira, que os fez conduzir para a sede do núcleo colonial de Azambuja. A colonização do Núcleo Azambuja teve início em 28 de Abril de 1877, mais precisamente no Vale do Rio das Pedras Grandes, afluente do Rio Tubarão. Joaquim Vieira Ferreira teve um papel de destaque no processo de colonização não só do Núcleo Azambuja, como também nos demais núcleos surgidos a partir daí. No ano de 1878, chegaram os primeiros colonos, em número de 76 famílias, destinadas a Urussanga. “Desembarcaram no Porto do Passo do Gado a 16 de Maio e no de Morrinhos a 19 do mesmo mês. Foram recolhidos nos ranchos de hospedagem de Urussanga a 28 de Maio e localizados nos seus lotes a 12 de Junho”. O ano de 1880, se revestiu de grande importância para a vinda das primeiras famílias que se radicaram, pois foi neste ano, de Janeiro a Julho, que ficou concluído o trecho da estrada de urussanga até Cocal, na extensão de 12.130 metros, sendo que sua continuidade prolongou-se até Criciúma. O projeto inicial desta estrada, previa sua extensão, a partir de Urussanga, até o centro de Cocal, mais três quilômetros, o que daria para se chegar até as proximidades do acesso à Linha Tigre. Um dado curioso é que o preço, à época, de uma braça de terras em Cocal, consideradas boas, era de 6 Réis. A Colônia Azambuja estava dividida, inicialmente, para sua melhor administração, em três distritos coloniais: Pedras Grandes, Urussanga e Cocal/Cresciúma. Durante o processo de colonização de Azambuja, Urussanga e Cocal foram formadas três comissões. Para nós, pela sua importância histórica, a Comissão chefiada pelo Engenheiro Francisco Ferreira Pontes, é que merece o nosso destaque, pois a partir do ano de 1885, iniciou os trabalhos de demarcação das nossas terras, que culminaria na criação 42 do Núcleo Colonial Accioly de Vasconcelos. Livro de Cocal Certo.pmd 42 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  43. 43. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Os primeiros colonizadores Fato que merecere um melhor esclarecimento, afim de buscar-se dados concretos e lógicos sobre a colonização de Cocal, é estebelecer duas épocas distintas, mas igualmente importantes para a nossa história: primeiro, a época que, propriamente, aconteceu a colonização, com a chegada das famílias pioneiras: Família Cecchinel (conhecida como Pauli), Família Possamai - conhecida como Mura e Família Smania. Segundo, a época que ocorreu a formação oficial do Núcleo Accioly de Vasconcelos, em 1885. Feito isso, há que se relatar que já no ano de 1880, quando ficou concluída a “estrada” entre Urussanga e o futuro Núcleo Accioly de Vasconcelos, sob a chefia do Engenheiro Joaquim Vieira Ferreira e mais tarde sob a reponsabilidade do Engenheiro Francisco Ferreira Pontes, algumas famílias se estabeleceram ao longo da estrada, de forma que nos permite concluir que a COLONIZAÇÃO deu-se anteriormente ao ano de 1885, entre 1880 e 1883, pois todos os relatos datados remontam à essa época. 43 Livro de Cocal Certo.pmd 43 06/01/2014, 14:23
  44. 44. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história As famílias colonizadoras FAMÍLIA CECCHINEL Não existem dados concretos sobre a data exata da chegada desta família, mas conforme depoimentos, teria ocorrido em Agosto de 1883, sendo a primeira família que aqui se estabeleceu, o que também confirma o exposto no tópico anterior, a respeito do início da colonização de nossa cidade. Paolo Cecchinel era o “capo” da família. Nascido na localidade de Tovena (Município de Cison di Valmarino - Província de Treviso, no Vêneto Italiano), casou em Vittorio Veneto, também município da mesma província, com Catterina Carpenè, nascida na Cidade de Revine Lago, onde foram morar antes de partirem para a América. Na Itália, Paolo e Catterina tiveram quatro filhos: Lorenzo, Celeste, Luigi e Cristina, sendo que Luigi, de dois anos de idade, faleceu durante a viagem para o Brasil. E aqui o casal ainda Paolo Cechinel e Catarina Carpenè - Colonizadores de Cocal do Sul - SC 44 Livro de Cocal Certo.pmd 44 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  45. 45. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história teve mais quatro filhos: Angelina, Santina, Pascoal e Giacomo. Partiram do Porto de Gênova a bordo do Vapor Brosmero. Dos contatos havido na Itália, descobrimos que não há registro algum do nascimento ou batismo de Paolo Cecchinel. Localizamos somente sua certidão de casamento. Isso se deve ao fato de que, quando nasceu, não haviam, ainda, cartórios de registro civil, sendo que os registros existentes são aqueles da Igreja – neste caso o batismo. Ocorre, que a Igreja onde Paolo Cecchinel fora batizado, foi destruída na época da Segunda Grande Guerra, sendo destruídos, também, os registros paroquiais A vinda para esta região deu-se pelo fato da existência do Rio Cocal, pois o projeto de Paolo Cecchinel era a instalação de uma pequena indústria (uma atafona movida a água), para a moagem de milho. Foi esta a primeira indústria que se instalou em nosso município e atendia as necessidades de toda a região. Esta atafona foi instalada onde hoje é a propriedade da Família Scarpato. FAMÍLIA POSSAMAI Esta foi a segunda família a chegar. Composta pelo casal Francesco Possamai e Maria Casagrande e suas duas filhas, Paola nascida na França e Vergínia, que nasceu no navio durante a viagem para a América. Aqui no Brasil o casal teve nove filhos: Paulina, Augusta Giullia, Ida, Esther, Clementina, Giovanni, Pietro, Antonio e Beniamino. Antes de vir com a família, Francesco, ainda solteiro, em 1880, já havia estado no Brasil, acompanhado de seu irmão Antonio que aqui ficou aguardando a sua volta da Itália com a família, o que se deu uns três anos após. Voltou à Itália, onde havia deixado sua noiva Maria, afim de casar-se e a seguir foram para a França e Alemanha e daí vindo para o Brasil. Essa viagem para os dois países europeus foi a forma 45 Livro de Cocal Certo.pmd 45 06/01/2014, 14:23
  46. 46. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Aqui chegando com sua família, instalou-se, inicialmente, na localidade de Rio Galo, na casa de seu irmão Antonio. Mais tarde, construiu sua casa onde existe hoje o entroncamento da Linha Braço Cocal com a Linha Ferreira Pontes. Nessa época, Francesco ia para o Rio Galo todos os dias, afim de construir barracos de ripas, feitos em dois andares, servindo como prevenção contra os ataques dos tigres, animais, ferozes e índios, pois eram comuns na região. Embora analfabeto, se deslocava até Pedras Grandes, onde trabalhava como instrutor na construção da estrada de ferro Dona Thereza Christina, pois era prático por haver exercido a atividade em ferrovias na Europa. Francesco Possamai era natural de uma pequena localidade (Cenere) Município de Cison di Valmarino, na Província de Treviso, também no Vêneto Italiano. Era filho de Baptista Possamai e Maria Zunchette. Faleceu em 06.03.1916 com 71 anos de idade e foi sepultado no Cemitério de nosso Município. Maria Casagrande Possamai e Francesco Andrea Possamai Colonizadores de Cocal do Sul - SC 46 Livro de Cocal Certo.pmd 46 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  47. 47. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Certidão de Batismo e de Casamento religioso de Francesco Andrea Possamai e Maria Casagrande, expedido pela Paróquia Santa Maria Assunta de Cison di Valmarino Província de Treviso - Itália 47 Livro de Cocal Certo.pmd 47 06/01/2014, 14:23
  48. 48. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história FAMÍLIA SMANIA Após a chegada das famílias Cecchinel e Possamai, chegou a Família Smania. Eleodhoro Smania e sua esposa Catarina vieram da Província de Padova na Itália com três filhos: Maria, Antonia e Ida.Catarina chegou aqui grávida de nove meses, dando a luz em 21.02.1885 a um menino ao qual foi dado o nome de Pietro. Além de Pietro, nasceram aqui mais três filhos: Teresa, Giovanni e Eleodhoro. Pietro Smania casou com Matilde Peruchi e tiveram quatro filhos: Venâncio, Ivo, Artur e Aurora Smania. Faleceu em 11.02.1984, faltando dez dias para completar 99 anos de idade. Pietro Smania, filho do colonizador Eleodhoro Smania. Foto de 1929 - De pé da esquerda para direita: Venâncio Smania, Antonio Perucki, Jorge Cechinel, Paulino Búrigo, Pedro Bettiol e José Brigido Faraco. Sentadas da esquerda para a direita: Uma das irmãs gêmeas Mayer, Sara Costa, Carmena prates Amante, Esther Costa, a outra irmã gêmea Mayer e Laura Prates Amantes. 48 Livro de Cocal Certo.pmd 48 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  49. 49. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O NÚCLEO COLONIALACCIOLY DE VASCONCELOS O Engenheiro Francisco de Barros Accioly de Vasconcelos foi o Inspetor de Terras e de Colonização que fiscalizou os trabalhos das comissões encarregadas da demarcação e do assentamento dos colonos imigrantes. No ano de 1885, a Comissão que atuava era a chefiada pelo engenheiro Francisco Ferreira Pontes, que levantou as plantas das estradas de Pedras Grandes a urussanga, de urussanga Baixa ao Lageado, e de trechos dos Rios Urussanga, Cocal e Araranguá. O ano de 1885 marca a CRIAÇÃO OFICIAL do Núcleo Accioly de Vasconcelos.O núcleo colonial ganhou esse nome em homenagem ao Inspetor de Terras e de Colonização, que contava nessa época com uma população de 150 famílias, esparsas numa área de 998 hectares. É interessante registrar que este Núcleo Colonial estava dividido em secções coloniais, compreendendo Cocal e, à época, o povoado de Criciúma, e quando nos referimos ao Núcleo Accioly de Vasconcelos, não estamos fazendo menção somente ao atual Município de Cocal do Sul, porque este núcleo, como já afirmamos, ia além de suas terras, chegando até Criciúma. Um fato que marcou o ano de 1885, foi , no dizer de Jacinto Antonio de Mattos, que também era Inspetor de Terras, a correria de selvagens no Núcleo Accioly de Vasconcelos, e entre vários prejuízos, o da morte do trabalhador Balduíno Floriano, o que reforça a tese de que haviam muitos índios e animais ferozes nessas terras, dificultando a formação do Núcleo e o assentamento das famílias colonizadoras. Durante um determinado tempo, foi comum nos núcleos coloniais, a implantação de estatísticas, pois ficou comprovado que muitos 49 Livro de Cocal Certo.pmd 49 06/01/2014, 14:23
  50. 50. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história colonos haviam se etabelecido sem título, ou seja, documento que dava a posse e a propriedade provisória do lote colonial. A propriedade era provisória, porque o colono dispunha de um prazo de cinco anos para integralizar o pagamento do seu lote. O que evidenciava a irregularidade era o fato de haverem pessoas que, nada tendo ver com o Serviço de Terras e Colonização, distribuiam os lotes a pessoas estranhas (não cadastradas), simplesmente por indicação, o que gerou muito tumulto para o próprio trabalho de colonização. Nessa época, a população do Núcleo Accioly de Vasconcelos era de 150 famílias, totalizando 422 habitantes. Em 1888, o Núcleo Accioly de Vasconcelos perde a parte que correspondia ao povoado de Criciúma, formando este um quinto núcleo, enquanto que o primeiro compreendia toda a zona do Rio Cocal. Neste ano, em 9 de Julho, entra em cena o Engenheiro Polydoro Olavo Santiago, que deu continuidade aos trabalho de demarcação de lotes e colocação de imigrantes no núcleo. Segundo o Inspetor de Terras e Colonização Jacinto Antonio de Mattos, de Outubro de 1890 a Abril de 1891, entraram para os cinco núcleos que constituiam a ex-colônia Azambuja, 1307 russos, totalizando 312 famílias, que se distribuíram nos Núcleos de Accioly de Vasconcelos e Criciúma. Percebe-se que, já nessa época, a política adotada pelo Governo Brasileiro para o assentamento de colonos, e neste caso imigrantes, se constítuia em uma questão envolvendo o problema da terra. Muitas foram as dificuldades encontradas pelos colonos para obterem, definitivamente, a propriedade irresolúvel de seus lotes. 50 Livro de Cocal Certo.pmd 50 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  51. 51. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história AS LINHAS COLONIAIS Históricamente, o Núcleo Accioly de Vasconcelos foi dividido em quatro colônias. Essas eram divididas em lotes coloniais de 30 hectares, aproximadamente, o que, inclusive, favorecia o assentamento dos imigrantes e a melhor fiscalização dos agentes de governo e das companhias de imigração, as quais lucravam com a vinda dos imigrantes. Quando da divisão das colônias, a “estrada” que separava as propriedades, seja ao fundo ou na frente, conforme o caso, era conhecida por linha, que nada mais era do que uma “picada” no meio do mato e que, servindo essas propriedades, funcionavam como meio de acesso. A seguir, relataremos os motivos pelos quais as linhas ainda hoje conhecidas ganharam seus apelidos. Salientamos, entretanto, que nenhum testemunho ou registro escrito foi encontrado que localizasse, no tempo, esses acontecimentos, razão pela qual não se pode precisar as épocas desses eventos. Tem-se notícia, de que o primeiro medidor de terras, não oficial, surgido em Cocal foi um russo conhecido por “Sarin”, cujo nome aportuguesado era João, existindo ainda alguns títulos de propriedade da época, assinados por ele e guardados por famílias de nossa região, como exemplo podemos citar um mapa guardado por Egídio Fontanela, cuja assinatura do levantamento topográfico é de “João Sarin”, datado de 25 de Outubro de 1901. São conhecidas quatro importantes linhas coloniais: Linha Tigre Ficou assim conhecida porque, em terras de Francisco 51 Livro de Cocal Certo.pmd 51 06/01/2014, 14:23
  52. 52. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Possamai, um porco foi atacado por um tigre. Neste dia, vários serranos desceram a serra para caçar o animal feroz. Logo após a caça do tigre, comemoraram o feito, comendo o porco que certamente só foi ferido pelo felino. Linha Ferreira Pontes Esta linha recebeu este nome como forma de se homenagear o Engenheiro Francisco Ferreira Pontes, que era Diretor da 2ª Comissão da Colônia Azambuja, encarregado de medir as terras que formariam o Núcleo Accioly de Vasconcelos ou Rio Cocal como mais tarde ficou conhecido. Linha Espanhola Neste local moravam muitos imigrantes poloneses, os quais foram atingidos por uma forte epidemia de gripe (gripe espanhola) que dizimou centenas de pessoas em toda a região, mas que produziu óbitos em escala alarmante entre os poloneses que habitavam essa localidade, ficando conhecida, então, em razão desse surto epidêmico, como Linha Espanhola. Na verdade, essa gripe era a gripe que os italianos chamavam de “influenza”, cujo ano da ocorrência desse surto em meio aos poloneses foi em 1918. Há notícia, de que antes desse surto de gripe, já residia uma família de origem espanhola, cujo sobrenome era Spagnol (daí o apelido espanhol), família conceituada e bemquista, o que reforçou a prática do apelido da localidade. Linha Cabral Nome originado do cidadão “João Cabral de Mello” (18501910), que exerceu diversos cargos públicos, dentre os quais o de Supe52 Livro de Cocal Certo.pmd 52 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  53. 53. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história rintendente Municipal (Prefeito na época) em Tubarão. Foi escriturário da Inspetoria de Terras e Colonização, sendo por isso homenageado com o nome dessa localidade. Rio Galo Foi atribuído este apelido à Comunidade de Rio Galo, porque o local serviu de acampamento dos funcionários do DR - Departamento de Estradas de Santa Catarina, que acampados à mergem do rio que serve de divisa natural entre Urussanga e Cocal, eram acordados pelo canto de um galo que chamava a atenção de todos, principalmente dos funcionários que trabalhavam na abertura da estrada e também dos moradores do local. Assim, em homenagem ao galo de canto forte e pontual, o apelido caiu nas graças dos moradores locais e até hoje a localidade é assim conhecida. Infelizmente, não se tem notícias a que família pertencia a ave que acordava o acampamento todas as manhãs. 53 Livro de Cocal Certo.pmd 53 06/01/2014, 14:23
  54. 54. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história A COMUNIDADE DE RIO COMPRUDENTE A colonização de Rio Comprudente teve início em 1883 com a chegada de várias famílias vindas da Itália, especialmente da Província de Treviso, Região do Vêneto. Os colonizadores desta comunidade estão elencados no monumento eregido em frente à Igreja Nossa Senhora do Caravággio, por ocasião de seu centenário de colonização, comemorado em 26 de Maio de 1993. Famílias colonizadoras do Rio Comprudente Antonio Mufatto Giovanni De Brida Antonio Redieri Giovanni Battiol Antonio Saviato Giovanni Polla Antonio Serafin Giuseppe Bertam Anselmo Vitoretti Giuseppe Durante Candido Brinna Giuseppe Sasso Cesar Salvan Isidoro Machado Eugenio Amboni Luigi Mufatto Francesco Serafinn Luigi Gabriel Felippe Feltrim Moisés Saccon Giovanni Bortolatto Santos Pagnan Giovanni Bataim Valentin Fachin 54 Livro de Cocal Certo.pmd 54 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  55. 55. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história No Brasil Imperial, a Coroa pertencia à nobreza portuguêsa, logo, todas as pessoas envolvidas na Administração do Império e também nas províncias, como o caso de Santa Catarina, tinham origem portuguêsa. Foi assim, por exemplo, com quase todas as comissões encarregadas pela medição e demarcação dos lotes coloniais, destinados ao assentamento dos imigrantes, trazidos da Europa. Uma das influências vindas de Portugal e que acha-se registrada na história da Comunidade de Rio Comprudente, é justamente a que se relaciona à origem do nome desta comunidade. Certamente não foram os colonizadores italianos que escolheram a denominação do lugar. Os indícios nos fazem crer que o nome de Rio Comprudente, foi a forma encontrada pelos encarregados do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas do Governo Imperial, pela demarcação dos lotes, para homenagear um rio português. É que em Portugal há um rio com as mesmas características, cujo nome era Rio Comprudente, pois que o rio daqui, a exemplo do rio português, serve de marco natural, percorrendo toda a extensão entre a Colônia Urussanga e o Núcleo Colonial Accyoli de Vasconcelos, hoje Cocal do Sul. Rio Comprudente, dá a idéia de comprimento, ou seja, um rio bastante extenso, permitindo, inclusive, que seja utilizado como divisa natural entre duas comunidades. Eis a razão do nome atribuído à Comunidade de Rio Comprudente. As famílias colonizadoras de Rio Comprudente viviam, basicamente, da agricultura. A Família Fachin, por exemplo, aproveitando uma queda d’água, montou uma “atafona”, onde moía o milho e o trigo, como também a mandioca. Outras famílias especializaram-se na produção de aguardente, cuja tradição ainda hoje 55 Livro de Cocal Certo.pmd 55 06/01/2014, 14:23
  56. 56. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história se mantém. Família Facchin A Família Facchin, proveniente do Município de Sovramonte (Provícia de Belluno), estabeleceu-se, inicialmente, em Urussanga, onde hoje está localizado o Hospital Nossa Senhora da Conceição. Valentino Facchin chegou ao Brasil quando tinha 10 anos de idade, na companhia de seus pais, Domenico Facchin e Maria Zanin. Viveu sua juventude em Urussanga, trabalhando no ramo da construção civil, ofício herdado de seu pai, que seguia a forte tradição desta família, especialmente em construções onde a matéria-prima básica era a pedra. Em Urussanga, as principais obras públicas, realizadas pela administração local, teve a participação de Velentino Facchin. Também realizou inúmeras outras obras, de iniciativa privada, pois foi um excelente construtor. Ao casar-se com Rachele Rosso, moça nascida na Cidade de Sedico, também localizada na Província de Belluno, mudou-se para a Comunidade de Rio Comprudente. Empreendedor dinâmico, associou-se a Eugenio Amboni, afim de construir, na localidade, a primeira indústria do lugar. Ergueram uma atafona, aproveitando um represamento do rio, que oferecia todas as condições para o empreendimento. Os serviços dessa atafona foram muito requisitados por toda a região. Ainda hoje, é possível identificar sua localização, especialmente porque restaram suas ruínas. 56 Livro de Cocal Certo.pmd 56 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  57. 57. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Atafona contruida por Valentino Fachin Engenho construido por Valentino Fachin 57 Livro de Cocal Certo.pmd 57 06/01/2014, 14:23
  58. 58. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Nos idos de 1912, Valentino Facchin foi convidado pelo Governo Federal, para trabalhar na construção da estrada de ferro. Foi enviado ao Norte do Estado de Santa Catarina, mais especificamente na região de Mafra, afim de ajudar na ligação férrea entre esta cidade e a de São Francisco do Sul. Nesta época, a região para onde fora Valentino Facchin estava envolvida numa acirrada disputa de interesses, envolvendo os Estados do Paraná e de Santa Catarina, resultando numa verdadeira guerra civil, que ficou conhecida como a “Guerra do Contestado”. Embora advertido pelos amigos, Valentino Facchin, homem destemido e corajoso, não hesitou, indo para a região conturbada. Trabalhou na construção da estrada de ferro, no trecho próximo à Cidade de Canoinhas durante um bom tempo. Num certo dia, Valentino e mais 18 companheiros seus, estavam trabalhando na construção, quando foram aprisionados por uma tropa federal, comandada pelo General Setembrino, que fora encarregado de pôr fim ao conflito armado que envolvia revoltosos dos dois Estados. A repressão adotada por essas tropas do Governo, extrapolava de tal forma o comando, que em muitos casos, não procuravam distinguir os “jagunços revoltosos”, das pessoas que estavam na região, trabalhando na construção da estrada de ferro. No dia 21 de Novembro de 1914, numa manhã chuvosa de Primavera, enquanto na Europa, desencadeavam-se as operações bélicas que deram início à Primeira Grande Guerra Mundial, Valentino Facchin e seus 18 companheiros de trabalho foram impiedosamente fuzilados pelas tropas federais, sob a acusação de estarem colaborando com os revoltosos. De nada adiantaram os argumentos de inocência, levantados pelos prisioneiros. Segundo um sobrevivente do massacre, o 58 Livro de Cocal Certo.pmd 58 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  59. 59. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história fuzilamento, aconteceu numa localidade conhecida como Campo das Moças, próximo à Cidade de Canoinhas. Nesta Localidade tombou Valentino Facchin, sendo vítima de uma grande e injustificada carnificina, promovida por tropas do Governo Federal. Em 1925, com a forte importante atuação do Consulado Italiano, o Governo Federal, reconhecendo a injustiça cometida em relação ao fuzilamento de inocentes trabalhadores italianos, procurou indenizar as famílias das vítimas. Nesta época, a viúva de Valentino, Rachelle Rosso, recebeu a importância 25 Contos de Réis. O corpo de Valentino nunca fora encontrado, nem mesmo o registro do óbito foi feito. Quando esse destemido imigrante italiano partiu de Rio Comprudente para ajudar o Brasil a expandir sua malha ferroviária, foi para nunca mais voltar para os seus. Deixou Valentino Facchin sua esposa e filhos. Abaixo, fotografia da Família Facchin. Da esquerda para direita: Maria Aurora, Marcolina Salute, Ana Gracia, Rachele Rosso (mãe), Antonio Victor, Valentino (pai), Santa Ignês e Libera Esperança. A foto é de 1907, por isso não aperece nela Ambrozio (no detalhe), que ainda não tinha nascido. 59 Livro de Cocal Certo.pmd 59 06/01/2014, 14:23
  60. 60. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Certidão de Batismo de Valentino Facchin, expedida pela Paróquia Santa Maria Assunta, da localidade de Servo, município de Sovramonte - Província de Belluno - Itália 60 Livro de Cocal Certo.pmd 60 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  61. 61. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O primeiro professor O primeiro educador da comunidade de Rio Comprudente foi o italiano Giovanni Bataim, que lecionou muitos anos nas línguas italiana e portuguesa. Em sua homenagem, a escola da comunidade leva o seu nome: “Escola de Educação Básica Giovanni Bataim”. Religiosidade A Comunidade de Rio Comprudente, por ter sido colonizada por imigrantes italianos, que trouxeram em sua bagagem cultural a forte influência da Igreja Católica Apostólica Romana, trouxeram e mantiveram, também, a tradição de fé e devoção à Nossa Senhora do Caravaggio, sua padroeira. Caravaggio é uma pequena vila italiana. À época da aparição de Nossa Senhora, era uma terra muito batida por bandidos e corroída por heresias e agitada por muitos crimes. Foi nesta terra tão violenta e após uma sangrenta guerra entre a República de Veneza e o Ducado de Milão, que Nossa Senhora escolheu para fazer sua aparição e deixar sua mensagem. No dia 26 de Maio de 1432 nesta vila chamada Caravaggio, Giovanetta, uma camponesa muito maltratada pelo marido, colhia pastagem em meio a prantos e súplicas à “mãe do céu”, por tudo o que sofria com o seu marido. Então, subtamente, aparece em sua frente uma linda senhora que mais parecia uma rainha plena de bondade. A senhora ordena à Giovanetta que não tivesse medo e que se ajoelhasse, afim de receber uma grande mensagem. Revelalhe o seu nome e lhe diz que, tendo conseguido afastar do povo cristão os merecidos castigos da divina justiça, vem anunciar a paz. E 61 Livro de Cocal Certo.pmd 61 06/01/2014, 14:23
  62. 62. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história lhe confia esta mensagem, dizendo ainda que a levasse ao conhecimento dos governantes e do povo. Nesta mesma aparição, Nossa Senhora, pede a Giovanetta que peça ao povo que volte a rezar e fazer penitência e como marco de sua aparição, que fosse erguida uma capela. Quando as famílias colonizadoras chegaram ao Rio Comprudente, em seguida, também, ergueram uma igreja de madeira a exemplo do ocorrido na Itália e, no pedestal, colocaram uma pequena imagem de Nossa Senhora do Caravaggio, trazida por eles da Itália. É por esse motivo que ainda hoje perpetua-se em Rio Comprudente a forte devoção à nossa Senhora do Caravaggio, sua padroeira, e sua festa que se realiza todos os anos, no dia 26 de Maio, é conhecida em toda a região pelos romeiros e devotos. Nossa Senhora do Caravaggio Padroeira de Rio Comprudente 62 Livro de Cocal Certo.pmd 62 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  63. 63. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história DE ACCIOLY DE VASCONCELOS A RIO COCAL A origem do nome do Município Precisar a data em que houve a mudança do nome do Núcleo Accioly de Vasconcelos para Rio Cocal, é tarefa das mais dificeis, até porque não existem dados escritos sobre o assunto, o que nos permite afirmar que não há uma data específica sobre a mudança do nome. Mas, pelos inúmeros acontecimentos pesquisados que mencionam datas, foi possível estabelecer, não a data precisa, mas a época provável em que essa mudança na denominação começou a ser operada. Seguramente, o nome oficial do Núcleo Colonial, isto é, Accioly de Vasconcelos, não foi simpático à população nele residente, pois a prática adotada foi a de estabelecer uma correlação entre o nome da localidade com o nome do principal rio existente, Rio Cocal. Comprovadamente, ainda no ano de 1891, o nome conhecido era Accioly de Vasconcelos, pois todos os fatos históricos escritos, retratando fatos dessa época não mencionam Rio Cocal, o que só acontece algum tempo depois. O nome Rio Cocal não é, seguramente, fruto de Lei. Não há nenhum registro legal autorizando a mudança, daí a conclusão lógica que essa designação partiu do próprio costume dos colonos, que se estabeleceram em nossa região, aliado ao fato inconteste de que o principal rio que banha o núcleo é o Rio Cocal, em cujas margens era abundante os coqueiros nativos que, inclusive, se espalhavam em toda a sede do núcleo. Sobre essa abundância de coqueiros, há que se relatar que a proliferação dessas árvores deu-se pela ação direta dos animais que, ao se alimentar dos frutos, espalhavam as sementes, fazendo com que a propa63 Livro de Cocal Certo.pmd 63 06/01/2014, 14:23
  64. 64. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história gação de coqueiros crescesse vertiginosamente, embelezando não só as margens do Rio, mas quase todo o núcleo colonial. Até 1885, não tinham se estabelecido ainda um número muito grande de colonos no Núcleo Accioly de Vasconcelos, fato que à época não exercia nenhuma ou quase nenhuma influência sobre o nome Rio Cocal. Mas a partir do ano de 1890, com a chamada “Lei Glicério”, que concedia, teoricamente, muitos incentivos à vinda de colonos imigrantes para o Sul do Brasil, aqui se estabeleceu uma leva considerável não só de imigrantes italianos, mas de poloneses, russos e uma pequena quantidade de alemães. Ainda em 1892 o nome Accioly de Vasconcelos era lembrado, pois como bem demonstra o Registro de Nascimento de Assunta Zandonardi, lavrado no Cartório de Urussanga Livro A-01, Fls. 01, sob o termo 01, nome Rio Cocal não fora mencionado. Cremos que, graças ao aumento do número de habitantes, mais o fato da existência de um Rio, ladeado de coqueiros, passou a ser praticado pela própria população o apelido do Rio, que era RIO COCAL, o que se irradiou não somente dentro do núcleo, mas igualmente em toda a região, de modo que não mais se falava em Accioly de Vasconcelos. E da mesma forma que o nome Accioly de Vasconcelos foi esquecido, com o passar do tempo, isso após 1892, as pessoas, quando se referindo ao Rio Cocal, não mais pronunciavam o Rio, apenas o nome COCAL, fazendo referência aos coqueirais que aqui existiam, pois Cocal é sinônimo de “coqueiral”. Deste modo, concluímos que o nome Cocal foi fruto da prática reiterada da relação entre o nome do rio com os abundantes coqueirais que aqui existiam. 64 Livro de Cocal Certo.pmd 64 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  65. 65. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Registro de Nascimento de Assunta Zandonardi, feito em 1892 no cartório de Urussanga, mencionando o local Accioli de Vasconcellos 65 Livro de Cocal Certo.pmd 65 06/01/2014, 14:23
  66. 66. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história O INCREMENTO DA COLONIZAÇÃO A seguir, relação das famílias que foram dirigidas diretamente para o núcleo colonial “Accioly de Vasconcelos”, objetivando dar impulso ao pequeno povoado. Barro Dalló Possamai Basso Darós Possamai Della Benedet De Faveri Rocco Possi Beneton De Villa Pozza Biz Fabro Prá Bortolin Ferrarro Raspini Boteon Fontana Rós Burigo (Gol) Giusti Rosso Candiotto Gobbo Rosso Fermo CasagrandePacagnan Magagnin Sartor Cecchinel Pavei Mariot Smani Costa Martignago Soligo D’ Agostin Peruchi Martinello Valmago Da Rolt Mative Vuello Da Soller Naspolini Zanatta Dal Pont Osellame Zanette Dal Toé Pelegrini Zilli 66 Livro de Cocal Certo.pmd 66 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  67. 67. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Certidão de Batismo de Angelo Gabriele Zanette, expedida pela Paróquia San Giacómo Apóstolo, da localidadee de San Giacómo di Vellia, do município de Vittorio Veneto Provincia de Treviso - Itália Certidão de Nascimento de Angelo Rosso, expedida pelo cartório do município de Sedico - Provincia de Belluno - Itália Certidão de Nascimento de Celeste Silvestro Angelo C a n d i o t o , expedida pela cartório do município de Campodarsego - Provincia de Padova - Itália 67 Livro de Cocal Certo.pmd 67 06/01/2014, 14:23
  68. 68. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Certificado de Nascimento de Luigi Sartor, expedido pelo cartório do município de Montebelluna - Provincia de Treviso - Itália Certificado de Nascimento de Fortunato Sartor, expedido pelo cartório do município de Montebelluna - Provincia de Treviso - Itália Certidão de Batismo de Carlo Osellame, expedida pela Paróquia de S. Andrea Apostolo, da localidade de Venegazzu, Munícipio de Volpago Del Montello - Província de Treviso - Itália 68 Livro de Cocal Certo.pmd 68 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  69. 69. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Após a chegada das famílias pioneiras e a criação do Núcleo Accioly de Vasconcelos, mais o “incentivo” dado à colonização, através da Lei Glicério de 1890, chegaram outras famílias da Polônia e do Norte/Nordeste Italiano. Italianos Burigo (Sindaco/Spizier), Bettiol, Bortolatto, Cirimbelli, Castelan, Crestani, Cecchinel (Sabionaro), Cecchinel (Bót), , Da Jori, De Pellegrin, Feltrin, Frasson, Furlan, Ferro, Galato, Galli, Guglielmi, Guollo, Meneghel, Menegon, Munaretto, Motta, Possa, Peraro, Peruck, Ronssoni (Bépi Moro), Scarpatto, Scandolera, Trate e Zunchetti. O italiano Ferdinando Furlan, natural de Montebelluna - Provincia de Treviso - Italia, e sua esposa Maria Zamprogno. 69 Livro de Cocal Certo.pmd 69 06/01/2014, 14:23
  70. 70. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Registros da Igreja Matriz de Urussanga, feitos pelo Padre Francisco Chilinski, demonstram a presença de muitas famílias polonesas no Núcleo Accioly de Vasconcelos. A seguir, pela ordem alfabética, a relação dessas famílias: Angulski, Andruskiewicz, Antikiewski, Buedne, Bank, Bajak, Bartoziak, Bilinoski, Bocianowski, Butowski, Bajinski, Bialewski, Cizeski, Chosjniak, Christiewicz, Demboski, Formanski, Gotebinski, Gulzlinski, Iznaski, Hosniak, Kaminski, Kanarek, Kaurowski, Kislarek, Krajenski, Krosnak, Kubowski, Kubaski, Kunianski, Kuviatronwski, Kurozenski, Levandowski, Matuschak, Maciewski, Machinski, Martincoski, Milak, Novak, Nicoski, Pascowiscz, Patonwski, Pavolski, Piechatowski, Puzinski, Rajenski, Riczkowicz, Rozanski, Schenski, Schivronski, Slachta, Slowinski, Smielewski, Sobolesnki, Sorbezak, Stacowski, Stawinski, Studinski, Szercpaniak, Szarwak, Szulenski, Tiscoski, Tibincoski, Wachinski, Walsek, Walzak, Wasniewski, Wasilewski, Wizinski, Wisovaty, Wiszbinski, Woicicowski, Wronski, Wrosnik, Zakzenski. Outras famílias ainda se radicaram no Núcleo e podemos destacar dentre essas, a Família Gaidzinski, que exerceu grande influência no desenvolvimento do Distrito de Cocal. Registros dos fregueses da Firma Ferdinando Burigo, extraídos do Livro Caixa de 1899, demonstram claramente o predomínio dos italianos e dos poloneses sobre os alemães e brasileiros no núcleo colonial. 70 Livro de Cocal Certo.pmd 70 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  71. 71. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Poloneses Kasimir Angulski, Josef Andruzkiecz, Samuel Alberk, Antonio Achervicz, Mattia Batz, Peter Biela, Serafim Biela, Adão Bergim, Ignacio Boles, Andrea belinski, Estanislau Cafka, Peter Cafka, Ignacio Cafler, Josef Barchinski, Josef Chulseski, Francisco Ciseski, Miguel Siseski, Francisco Clima, Constante Danhaeski, Josef estoricks, Teofil Formanski, Felicz Estoricks, Vadislau Folz, Antonio Gabloenski, Silvestre Gabloenski, Josef Getner, Francisco Golombieski, Vincenti Guslinski, Martin Kanarek, Miguel Kantovicz, Estanislau Kislarek, Kasemir Kislarek, Vasvergine Kasimirski, João Vadislau Koinaski, João Kopinski, Francisco Kraeski, Tomaz Krischevicz, João Kubowski, Francisco Krischevicz, Kasemir Kugnarski, Vavzincz Kasimirzchak, Michel Levandowski, Rocco machinski, João Milak, Romeu Mistachevicz, João Mizaeski, João Morotoski, Miguel Nedvisnki, Miguel Novak, Adam Novacoski, Voicek Nicoski, Antonio Pavolski, Leon Peichatowski, João Poscka, Francisco Plaschevicz, Alexandre Putrikus, Joann Putrikus, Antonio Puzinski, Francisco Puzinski, Leonard Puzinski, Ipólito Radvaisnki, Josef Ranchiseski, Zigmundo Raiciki, Josef Riczkovicz, Nicolas Rutcowski, Joann Rubeski, Stefano Slachta, Vitor Slachta, Ghillerme Schlemper, Adam Sesme, Giacob Slowvisnki, Joann Slowvinski, Paulo Socainski, Eduardo Stacowski, Tomaz Staviaski, Francisco Tchiosek, Simeão Tibincoski, Pedro Tizen, Kasimir Tafolet, Johan Tafolet, Antonio Tachinski, Macci Wasniewski, Johan Wasniewski, Lucca Wasniewski, Josef Wasniewski, Alessandro Kisovaty, Josef Visolski, João Viusts, João Vitcoski, Johan Woicicowski, Martin Woicicowski, Estanislau Zakzenski, Francisco Zakzenski, Francisco Zandroski, Johan Zamsewski, Ignacio Zatki, Frederico Zelingher, Peter Zelingher, Miguel Zelingher, Vilielmi Zelingher. 71 Livro de Cocal Certo.pmd 71 06/01/2014, 14:23
  72. 72. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Italianos Cesare Beneton, Luigi Bettilli, Denco Berezza, Gervasio Bortoluzzi, Oswaldo Bortoluzzi, Giovanni Burghetto, Giuseppe Burigo, Pietro Burigo, Pietro Benedet, Carlo Bristot, Celeste Bardi, Alessandro Casagrande, Giacomo Casagrande, Antonio Casagrande, Giuseppe Casagrande, Pietro Casagrande, Francisco Castelan, Giovanni Battista Castagna, Giuseppe Cecchinel, Antonio Cecchinel, Giacomo Candiotto, Pietro Candiotto, Giusoé Collodel, Pietro Crestani, Giovanni da Costa, Giuseppe da Costa, Pietro Dagostin, Giovanni Dajori, Francesco Dalló, Giovanni Dal Pont, Joaquim Dal Pont, Vincenzo Dal Pont, Domenico Daniel, Arcangelo Da Rolt (Da Rold), Bernardo Da Rolt (Da Rold), Constante Da Rolt (Da Rold), Felice Da Rolt (Da Rold), Pietro Da Rolt (Da Rold), Pietro Da Soller, Giuseppe Dal Toé, Francesco De Bona, Giovanni De Faveri, Pietro De Faveri, Giovanni Pavan, Giovanni De Pinna, Gaetano De Prá, Santo De Prá, Vicente De Villa, Giacomo Dincá, Giacomo Da Soller, Francesco Rossi Fermo, Luigi Rossi Fermo, Francesco Feltrin, Angelo Ferro, Giovanni Fontana, Giuseppe Fontana, Angelo De Favaro, Battista Frello, Giovanni Batista Frello, Antonio Gabriel, Luigi Gabriel, Vicenti Gislon, Giovanni Guollo, Antonio Martignago, Giovanni Maria Martgnago, Biol Martignago, Giordano Menegon, Giacomo Munaretto, Giuseppe Nart, Stefano Nespollini, Giovanni Martinello, Carlo Osellame, Lorenzo Pacagnan, Antonio Pavei, Luigi De Pellegrin, Domenico Peraro, Antonio Peraro, Antonio Peruck, Luigi Perucki, Banto Pescador, Domenico Possa (Pozza), Angelo Possamai(fu Giovanni), Angelo Possamai (da Cresciuma), Lorenzo Possamai (Della), Luigi Possamai (Della), Pedro Possamai (Mura), Davide Raspini, Alessio Ronsani, 72 Livro de Cocal Certo.pmd 72 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  73. 73. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Bortolo Ronsani, Benedetto Ronsani, Lorenzo Ronsani, Angelo Rosso, Carlo II Rosso, Ellias Rosso, Frederico Rosso, Fioravante Rosso, Giovanni Rosso, Giuseppe Rosso, Luigi Rosso, Zandonadi Rosso, Batista Ronsani, João Sarin, Carlo Sbeghen, Domenico Savi, Giuseppe Sartor, Luigi Sartor, Giuseppe Sasso, Domenico Zanatta, Giovanni Zilli, Valentino Zilli, Fortunato Sartor. Alemães Matia Effting, Gorlip Hain, Johann Hain, Giacob Mayer, August Otto, Wilheim Otto, Carlos Ordowig, August Preiss, Giorg Schneider, Josef Smithz, Rainol Sperling, Johann Taufenbah, Antonio Trapp, Frederico Wolf. Brasileiros Augusto Consensio, Domingos Rocha, Francisco Machado, Manoel Cesario da Silva, Maria Cesario, Serafim Cesario, Simeão Machado. Índio Feliciano - Viveu em Cocal e gozava de grande prestígio entre os colonos. 73 Livro de Cocal Certo.pmd 73 06/01/2014, 14:23
  74. 74. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Paulo Savi Mondo Pietro De Faveri Nasceu em Fregona - Provincia de Treviso - Italia 74 Livro de Cocal Certo.pmd 74 06/01/2014, 14:23 COCAL D
  75. 75. ua história COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Certidão de Batismo de Ferdinando Savi, expedida pela paróquia de San Lorenzo, do município de Soverzene - Provincia de Belluno - Itália Certidão de Batismo de Santo Zaccaron, expedida pela paróquia de Valmareno, do município de Follina Provincia de Treviso Itália 75 Livro de Cocal Certo.pmd 75 06/01/2014, 14:23
  76. 76. COCAL DO SUL: um mergulho em sua história Relação dos componentes da Família De Pellegrin, que emigraram para o Brasil em 14-04-1880. Documento expedido pelo cartório do Município de Belluno - Provincia de Belluno - Itália Componentes da Família Da Soler. Documento expedido pelo cartório do Município de Cison de Valmarino - Provincia de Treviso - Itália 76 Livro de Cocal Certo.pmd 76 06/01/2014, 14:23 COCAL D

×