Mídia primária, secundária e terciária                     Cíntia Dal Bello    www.cintiadalbello.blogspot.com
   “Na mídia primária juntam-se conhecimentos especiais em uma    pessoa. O orador deve dominar gestualidade e mímica. (....
Expressão facial e linguagem corporal
Pintura corporal, tatuagem                             Extreme body modification
Extreme body modificationCabelos
   “A mídia primária é presencial, exige a presença de emissores e    receptores em um mesmo espaço físico e num mesmo te...
   Emissor e receptor devem compartilhar:    ◦ o mesmo tempo    ◦ o mesmo espaço    ◦ o mesmo código   É o mundo da oral...
   Constituída por “aqueles meios de comunicação que transportam a    mensagem ao receptor, sem que este necessite um apa...
   Com a mídia secundária inauguram-se a permanência e a    sobrevida simbólicas após a presença do corpo. Com a escrita ...
   A mensagem desgarra-se do emissor e fixa-se em um suporte    ◦ VESTÍGIOS: pedra, cerâmica, parede, papiro, pergaminho,...
Pictogramas: abstração de um animalDo pictograma ao ideograma (China - séc. XIX aC. até ao ano 88 dC.)                    ...
   A mensagem elétrica, é móvel, veloz, espectral    ◦ Rádio, Televisão, Internet   Pode ser gravada em suportes de arma...
   São “aqueles meios de comunicação que não podem funcionar    sem aparelhos tanto do lado do emissor quanto do lado do ...
   Aceleramento do tempo e das sincronizações sociais: “Os ritmos,    ditados pela espera na mídia secundária, se aquecem...
   “Ver é permanecer na superfície. A profundeza do    mundo não é atingível pelo olho. E quando o olho    se intromete, ...
   “O advento da mídia secundária não suprime nem anula a mídia    primária que continua existindo enquanto núcleo inicia...
Mídia Primária                          Mídia Secundária                    Mídia TerciáriaTempo e espaço da comunicação: ...
   “O advento da mídia secundária não suprime nem anula a mídia    primária que continua existindo enquanto núcleo inicia...
   BAITELLO Jr., Norval. O Tempo Lento e o Espaço Nulo: mídia    primária, secundária e terciária. In: FAUSTO Neto, Antôn...
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Teoria das mídias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teoria das mídias

8.459 visualizações

Publicada em

Material preparado para aula de Comunicação e Contexto Social (8º semestre de Publicidade e Propaganda - Uninove), com base em texto do Prof. Dr. Norval Baitello Jr (ver ref.bibliográfica ao término da apresentação).

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
168
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria das mídias

  1. 1. Mídia primária, secundária e terciária Cíntia Dal Bello www.cintiadalbello.blogspot.com
  2. 2.  “Na mídia primária juntam-se conhecimentos especiais em uma pessoa. O orador deve dominar gestualidade e mímica. (...) o mensageiro deve saber correr, cavalgar ou dirigir e garantir assim a transmissão de sua mensagem” (Pross, 1971, apud BAITELLO Jr., 2001, p. 231). “Toda comunicação humana começa na mídia primária, na qual os participantes individuais se encontram cara a cara e imediatamente presentes com seu corpo; toda comunicação humana retornará a este ponto” (Pross, 1971, apud BAITELLO Jr., 2001, p. 231). Aparência expressiva dos gestos ◦ (mapeamento lexical da gestualidade)
  3. 3. Expressão facial e linguagem corporal
  4. 4. Pintura corporal, tatuagem Extreme body modification
  5. 5. Extreme body modificationCabelos
  6. 6.  “A mídia primária é presencial, exige a presença de emissores e receptores em um mesmo espaço físico e num mesmo tempo – é portanto a mídia do tempo presente e suas tensões e surpresas, de sua sensorialidade múltipla e de sua sensualidade potencial (quem negaria a proximidade da fala com o beijo? E do beijo com o ato primordial da evolução ontogenética da comunicação humana, a amamentação?)” (BAITELLO Jr., 2001, p. 235).
  7. 7.  Emissor e receptor devem compartilhar: ◦ o mesmo tempo ◦ o mesmo espaço ◦ o mesmo código É o mundo da oralidade por excelência Canais múltiplos de recepção (multissensorialidade) ◦ visual VISÃO ◦ auditivo PALADAR ◦ tátil ◦ olfativo (odores) OLFATO AUDIÇÃO ◦ gustativo (sabores) TATO
  8. 8.  Constituída por “aqueles meios de comunicação que transportam a mensagem ao receptor, sem que este necessite um aparato para captar seu significado, portanto são mídia secundária a imagem, a escrita, o impresso, a gravura, a fotografia, também em seus desdobramentos enquanto carta, panfleto, livro, revista, jornal (...)” (Pross, 1971, apud BAITELLO Jr., 2001, p. 232-233). “Apenas o emissor se utiliza de prolongamentos para aumentar ou seu tempo de emissão, ou seu espaço de alcance, ou seu impacto sobre o receptor, valendo-se de aparatos, objetos ou suportes materiais que transportam sua mensagem” (BAITELLO Jr., 2001, p. 233). Sistemas de vestimenta e moda, máscaras, pinturas, adereços corporais, sinais de fogo, fumaça, luminosos, bandeiras, brasões, logotipos, pinturas, bilhete, cartaz, calendário.
  9. 9.  Com a mídia secundária inauguram-se a permanência e a sobrevida simbólicas após a presença do corpo. Com a escrita e seus precursores (as imagens gravadas sobre suportes duráveis) impõe-se o homem sobre a morte e seu tempo irreversível, vencendo simbolicamente seu maior e mais poderoso adversário. O grande trunfo da escrita não é, portanto, a velocidade, mas a lentidão que permite cifrar e decifrar enigmas. O tempo lento da escrita e da leitura permite alongar a percepção do tempo de vida” (BAITELLO Jr., 2001, p. 235).
  10. 10.  A mensagem desgarra-se do emissor e fixa-se em um suporte ◦ VESTÍGIOS: pedra, cerâmica, parede, papiro, pergaminho, papel, carta, diário ◦ INDÚSTRIA CULTURAL: livro, revista, fotografia, poster Suporte: transporte, armazenamento, longevidade Emissor e receptor não precisam mais compartilhar o mesmo tempo e o mesmo espaço A inscrição no suporte exige técnica/tecnologia por parte do emissor A mensagem sobrevive (eterniza) ao emissor “O tempo lento da leitura e da contemplação”: a decodificação (recepção) torna-se mais complexa, exige tempo e atenção (receptor). É também o tempo da retrospecção – o tempo da escrita da História.
  11. 11. Pictogramas: abstração de um animalDo pictograma ao ideograma (China - séc. XIX aC. até ao ano 88 dC.) Pedra de Roseta: peça chave na decifração dos hieroglifos egípcios (encontrada em 1802; decifrada em 1821) Pictograma contemporâneo
  12. 12.  A mensagem elétrica, é móvel, veloz, espectral ◦ Rádio, Televisão, Internet Pode ser gravada em suportes de armazenamento ◦ LP, K7, CD; VHS, DVD, Blueray; disquete, HD, ZIPdrive, pendrive, CD, DVD Emissor e receptor podem compartilhar o mesmo tempo, mas não o mesmo espaço (ao vivo, em tempo real) A produção e transmissão exigem técnica/tecnologia (emissor) A recepção e decodificação exigem técnica/tecnologia (receptor) Velocidade (Dromocracia): atualização, presentidade, conexão Não sobra tempo para “parar e pensar” (reatividade, interatividade) O aguçamento dos SENTIDOS DE DISTÂNCIA aumenta o MEDO do outro
  13. 13.  São “aqueles meios de comunicação que não podem funcionar sem aparelhos tanto do lado do emissor quanto do lado do receptor”” (Pross, 1971, apud BAITELLO Jr., 2001, p. 233). Crescente transferência de atribuições e responsabilidades tecnológicas para a esfera da recepção “Na verdade a grande mídia terciária do nosso tempo é a eletricidade, o mediador de todas as outras possibilidades de geração, transmissão e conservação de mensagens” (BAITELLO Jr., 2001, p. 236). Natureza lúdica vertiginosa cf. Callois, 1990) Redução crescente (ou anulação) do espaço graças ao sistema de eletrificação: telegrafia, telefonia, cinema, radiofonia, televisão, indústria fonovideográfica (discos, fitas, cds, dvds)
  14. 14.  Aceleramento do tempo e das sincronizações sociais: “Os ritmos, ditados pela espera na mídia secundária, se aquecem na terciária, trazendo alterações comportamentais importantes. Resgata-se a oralidade, mais célere que a escrita. Instala-se a sua conservação em suportes legíveis por aparelhos elétricos. Torna-se possível a escolha entre a oralidade imediata, a distância e sem a presença física do interlocutor, ou mediatizada, conservada para posterior audição. Inaugura-se assim a conservação da presença, por meio de imagens e de som. A presença conservada é a criação de um eterno presente que, no entanto, é apenas memória e indício de um sujeito emissor” (BAITELLO Jr., 2001, p. 236-237). Hipertrofia da visão e da visibilidade (transferência da tridimensionalidade presente na mídia primária – com seus sentidos táteis – para as superfícies bidimensionais)
  15. 15.  “Ver é permanecer na superfície. A profundeza do mundo não é atingível pelo olho. E quando o olho se intromete, aumentam apenas os planos, as superfícies e as superficialidades. A era ótica o provou ex negativo. Seu lema „tornar visível tudo o que é invisível‟ era duplamente falacioso. Não atingiu o antigo invisível e produziu uma nova invisibilidade... Está preso à visão um ofuscamento específico: quanto mais visibilidade, tanto mais invisibilidade” (Kamper, 1995, apud BAITELLO Jr., 2001, p. 237).
  16. 16.  “O advento da mídia secundária não suprime nem anula a mídia primária que continua existindo enquanto núcleo inicial e germinador. Assim também, a mídia terciária não elimina a primária nem a secundária, mas apenas acrescenta uma etapa à anterior” (BAITELLO Jr., 2001, p. 234). Quais seriam as consequências da hipertrofia dos sistemas de mediação (mais complexos), à custa de uma atrofia dos sistemas primários simples?
  17. 17. Mídia Primária Mídia Secundária Mídia TerciáriaTempo e espaço da comunicação: Comunicação independente do Supressão do espaço pelaobrigatoriamente compartilhados tempo (longevidade) e do espaço comunicação do tempo real (transporte) (comunicação ao vivo)A mensagem existe na medida em A mensagem sobrevive ao Emissor e Complexização dos processos deque o Emissor a enuncia e deixa de desgarra-se dele (desloca-se no produção, transmissão eexistir ao término da emissão espaço e permanece no tempo) decodificação das mensagensA oralidade não se fixa (exercício de Fixação em suportes físicos Suportes de alta tecnologia nas duasmemória e transmissão oral) (imagem, escrita); reprodução pontas (emissão – recepção)A compreensão deve ocorrer no ato Exige tempo maior para O excesso de informaçõescomunicativo (presente); não há decodificação (recuperação de fragmenta a atenção (reatividade,como verificar as informações contexto; verificação de interatividade); dificuldade em informações) “colecionar” e “arquivar” documentosSuporte básico: Suportes físicos: pedra, parede, Suportes elétricos, eletrônicos eo corpo (multissensorial) papel, livro, fotografia, jornal, digitais: rádio, tv, cinema, revista (BIBLIOTECAS) computador, celularO ato comunicativo cria vínculos Preponderância do visual sobre o Preponderância dos sentidos de(sentidos de proximidade articulam- auditivo (oral) e os sentidos de distânciase com sentidos de distância) distância 1º - Retorno da oralidade (mediada) conjugada com o visual: audiovisual 2º - Retorno da escrita conjugada com o audiovisual: hipermediático
  18. 18.  “O advento da mídia secundária não suprime nem anula a mídia primária que continua existindo enquanto núcleo inicial e germinador. Assim também, a mídia terciária não elimina a primária nem a secundária, mas apenas acrescenta uma etapa à anterior” (BAITELLO Jr., 2001, p. 234). Quais seriam as consequências da hipertrofia dos sistemas de mediação (mais complexos), à custa de uma atrofia dos sistemas primários simples?
  19. 19.  BAITELLO Jr., Norval. O Tempo Lento e o Espaço Nulo: mídia primária, secundária e terciária. In: FAUSTO Neto, Antônio et al. (Org.). Interação e sentidos no ciberespaço e na sociedade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.

×