O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Identidade bunker em redes sociais

802 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada em 23 de junho de 2012, em Seminário sobre Subjetividade e Redes Sociais organizado por Cecília Noriko Saito (com apoio FAPESP) e realizado na FNAC Pinheiros.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Identidade bunker em redes sociais

  1. 1. IDENTIDADE-BUNKER EM REDES SOCIAIS: A PROBLEMÁTICA DOS HIKIKOMORIS Cíntia Dal Bello Mestra e doutoranda em Comunicação e Semiótica – PUC-SPCoordenadora do Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Nove de Julho Brasil
  2. 2. Brasil-Japão: como ultrapassar o abismo? • Como lançar um olhar sobre o fenômeno hikikomori? • Violar as diferenças? Mas as motivações que levam ao autoisolamento são diferentes! • Ficar com as semelhanças? Pseudos e quases! • Desafio encantador: olhar o estrangeiro, estranho, outro • Somente ele, o outro, confere oportunidade ímpar de reflexo (ou reflexão) acerca do que somos. TODAS AS ABISSAIS DIFERENÇAS PODEM SER SUPERFICIAIS Isolar-se e viver entre imagens pode ser o recurso extremotentado em face da agonia de viver... Aquela agonia que todos nós sentimos, a despeito do lado do globo que habitamos
  3. 3. Ecos mediáticos do fenômeno hikikomoriECO-LOGIA: lógica do eco - reprodutibilidadeirrefreada e tautológica de imagens – era da Estratégia metodológica:visibilidade (BAITELLO Jr., 2005). análise dos ecos mediáticos Otakus (abreviado do japonês 陰茎が短 い者) são pessoas gordas,babacas, rosadas, cheias de espinhas na cara (às vezes no corpo todo) e que vivem num mundo paralelo resumido em mangás, animes, traidores do movimento punk e outras japonices. Geralmente ficam imitando seres estranhos encontrados Definição irônica de otakus na em animes e mangás, como o famoso Desciclopedia Deus Mokona.
  4. 4. OTAKU – o lugar onde se vive(mundo de fantasias com referências visuais da cultura de massa) Consulta ao Google Imagens: 23.400.000 resultados para o termo OTAKU
  5. 5. HIKIKOMORI – isolado em casa(eremita moderno, em isolamento por meses, anos ou décadas) Consulta ao Google Imagens: 264.000 resultados para o termo HIKIKOMORI
  6. 6. HIKIKOMORI COMO IDENTIDADE: Eixo deorganização do discurso sobre si a partir da identificação com semelhantes O próprio hikikomori japonês é fruto de uma construção social própria da sociedade japonesa, com sua excessiva cobrança e valores próprios; o jovem se acha despreparado, com medo do mundo exterior, e não consegue romper o laço com a família, se tornando um Trecho do blog DIÁRIO DE UM kidult, um adulto(barra)adolescente-tardio ou um QUASE poderiamos até dizer um adultolescente. Este fenômeno é HIKIKOMORI notado em outras partes do mundo, e é erroneamente BRASILEIRO associado à exportação da cultura de massa japonesa (leia-se animes e mangás). [...] O hikikomori brasileiro nada mais é que um jovem Referência ao que é rejeitado pela sociedade; alienado, sem poder se protagonista reconhecer e se assumir enquanto indivíduo; e vítima de hikikomori do um sistema que propõe uma seleção natural, alimenta os anime WELCOME preconceitos e deles se nutre, formando uma geração TO THE N.H.K.! deprimida e doente. (Hikky, 8 ago 2009, grifo nosso).
  7. 7. BULLYING x IJIME Então aqui está o perfil do Pseudo-Hikikomori (Brasileiro): -Fóbico Social. -Sem namorada. -Sem amigos (quando ainda possuem são pouquíssimos) Resposta disponível no -Tímidos ao extremo. tópico O QUE É -Anti-social. HIKIKOMORI -Repugna a presença humana, por qualquer motivo que seja, (Fórum Uol Jogos) decepções amorosas, enfim, como já havia dito, são vários os motivos que levam alguém a se isolar. -Geralmente um Bullyiado. • LOST GENERATION: não trabalham, não estudam, vivem dependentes dos pais (alimentados como “animais domésticos”) – loosers. • Inaptidão para viver em ambientes altamente agônicos (competitivos) • Vergonha familiar e nacional – não correspondência com os símbolos diretores da cultura (disciplina, educação, honra, tradição, senso de coletividade).
  8. 8. Viver entre imagens A redenção por meio de narrativas fantásticas e personagens heróicos, onde os símbolos diretores ainda vivem. • Mediosfera: apropriação e recontextualização dos elementos constituintes do imaginário cultural (seres da Noosfera); proposição de novos mitos e arquétipos. (CONTRERA, 2010). • Imaginário cibermediático: local em que otakus e hikikomoris passam a depositar sua energia vital, emprestando o corpo à descida das imagens. • Iconofagia (BAITELLO Jr., 2005).
  9. 9. OUTRO MUNDO: particular, alternativo, calcado dereferências da cultura de massa e da cibercultura – NOVAS VIAS DE PROJEÇÃO IDENTITÁRIA e experimentação “SEGURA” DE SOCIABILIDADE. • Imagem como escudo, armadura, bunker • Não protege nem aumenta a sensação de segurança • Imagens são PRESENÇAS de AUSÊNCIAS • São FANTASMAGORIAS • Evocam aquilo que pretendem exorcizar
  10. 10. Entretanto, às vezes essa é a única via de acesso inicial àquele que se autoisolou, embora o tratamento o afaste, depois, do universo das imagens para reintroduzi-lo no mundo “de carne e osso” das pessoas.
  11. 11. Inclusive para reaprender a olhar o rosto do outro (eye-to-eye contact).
  12. 12. Quarto-bunker
  13. 13. VIVER ENTRE IMAGENS é ter TEMPO e ESPAÇO COLONIZADOS por elas. • Bunker (Virilio, Trivinho): conceito ligado ao contexto de guerra, reduto de defesa, abrigo, esconderijo. • Comunicação a distância: sentidos de distância (instinto de defesa).
  14. 14. • A falácia do discurso sobre redes de “relacionamento”: tecnologias de conexão ou desconexão? (Bauman, 2008). Paradoxo presença-ausência (Trivinho, 2007).
  15. 15. A questão da identidade nas redes sociais Jogos de (IN)VISIBILIDADEVisibilidade e vigilância são as duas facesda mesma moeda. Por isso, o desejo deapareSer não ocorre sem despertar omedo de ser vigiado. Nas redes sociais, sãotravados interessantes jogos de(in)visibilidade: por um lado, busca por ApareSerindicadores que demonstremsociabilidade, visibilidade e influência, Trata-se do sentimento ou da percepçãomesmo que destruam a reputação; por generalizada de que só é possível seroutro, dificuldade em ocultar rastros alguém quando se alcança algum statusdigitais (cf. Bruno) ou mover-se incógnito, mediático – ou seja: para ser, é precisoanônimo (ética e política do fake). A aparecer. As redes sociais, e antes delas,fórmula geral, entretanto, preconiza que homepages e blogs, tornaram o acesso àhá uma crise de visibilidade por excesso de visibilidade mediática mais ordinário, razãovisibilidade (obesidade e obscenidade pela qual tornaram-se tão populares.informacionais, para Baudrillard). Articulam o imaginário da fama e do sucesso colonizado pela cultura de massa.
  16. 16. Bunker como identidade e ethosVÁRIAS CAMADAS DE ISOLAMENTO:• Paredes, portas, janelas.• Recusa ao sol.• Muralha física de produtos e imagens objetificadas (posteres, cards, revistas).• Cinturão tecnológico.• Muralha de projeção – imaginário cibercultural (isolamento subjetivo, imersão no mundo das imagens – games, mangás, animes, internet – como distração e passatempo).• Relacionamento via tecnologias de “conexão”: identidade- bunker (resguardo da subjetividade em perfis ou avatares que são simulacros no sentido conferido por Baudrillard).
  17. 17. Grata pela atenção!Cíntia Dal BelloDoutoranda em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, coordenadora do Curso de Publicidade e Propaganda da Uninove. www.cintiadalbello.blogspot.com. pubcintia@yahoo.com.br

×