SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
AULA 1 e 2 - TEÓRICA
Professor MSc Cloves Rocha
Jaboatão dos Guararapes, Agosto 2018.2
(PIE) - ENGENHARIA ELÉTRICA - SINAIS E SISTEMAS - ENGELET 6NA
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
SINAIS E SISTEMAS
• Sinais
O que são sinais?
Transformações lineares da variável independente
Reflexão em relação à origem; Mudança de escala; Translação no tempo.
Propriedades dos sinais
Paridades; Periodicidade.
Sinais contínuos básicos
Impulso unitário de Dirac; Escalão unitário; Exponencial complexa.
Sinais discretos básicos
Impulso unitário; Escalão unitário; Exponencial complexa.
• Sistemas
Sistema físico, modelo, representação matemática.
Propriedades dos sistemas
Sistemas com e sem memória; Invertibilidade e sistema inverso;
Causalidade; Estabilidade; Invariância temporal; Linearidade.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais e Sistemas
sinal de entrada: fala (pressão acústica)
sinal de saída: corrente eléctrica
sinal de entrada: posição do acelerador
sinal de saída: velocidade do veículo
circuito elétrico
sinais: tensões e correntes
sinal de entrada: luz
sinal de saída: fotografia
microfone
automóvel
máquina fotográfica
luz
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais e Sistemas
Fala
Sismologia
Sinal contínuo: domínio real
Electrocardiograma
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinal discreto: domínio inteiro
Sinais e Sistemas
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinal discreto: domínio inteiroSinais e Sistemas
Amostragem de sinal analógico
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
O sinal y relaciona-se com o sinal x através de uma
transformação linear da variável independente quando
- sinal contínuo
- sinal discreto
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
Inversão temporal (ou reflexão em relação à origem)
Exemplo: passagem de fita magnética em sentido inverso ao de gravação mas à mesma
velocidade.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
Mudança de escala Sinal contínuo:
Exemplo: passagem de fita magnética a uma velocidade diferente da original
➢ : fita tocada a velocidade superior compressão temporal
➢ : fita tocada a velocidade inferior expansão temporal
LEMBRE DO
MULTÍMETRO!
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
Mudança de escala Sinal discreto:
➢ No caso discreto só faz sentido falar em compressão temporal ;
➢ Na compressão temporal de um sinal discreto há sempre perda de informação.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
Translação no
tempo
: atraso
: avanço
Exemplo: propagação de um sinal entre dois pontos distantes no espaço
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
t
x(t)
1
--1
z(t)
t
--1
-2 -1
w(t)
t
--1
21
y(t)
t
--1
42
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Transformações lineares da variável
independente
t
y(t)
--1
31
x(t)
t-2
1
2
z(t)
t-1
1
1
1. Compressão temporal:
w(t)
t-1
1
1
2. Inversão temporal:
3. Translação no
tempo:
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sinais: Paridades
Um sinal diz-se par quando
Um sinal par é simétrico em relação à origem
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sinais: Paridades
Um sinal diz-se ímpar quando
Se um sinal ímpar estiver definido para o instante t=0 então x(0)=0
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sinais: Paridades
Qualquer sinal x pode ser decomposto na soma de um sinal par com um sinal ímpar
em que e
t
x(t)
--
--
--
1 2
1
2
--
t
xp
(t
)--
--
--
1 2
1
2
--
--
--
-1-2 t
xi
(t)
--
--
--
1 2
1
2
--
--
--
-1-2
-- -1
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sinais: Periodicidade
Sinal periódico sse
T, N - periodo
… …
✓ Um sinal periódico é um sinal bilateral;
✓ Se x(t) é periódico com periodo T, também é periódico com periodo 2T, 3T, 4T…
✓ Periodo fundamental T0
é o menor valor positivo do periodo.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: escalão unitário
contínuo discreto
… … … …
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: impulso unitário de Dirac
Função generalizada definida de forma explicita por
ou de forma implícita por
✓O impulso unitário de Dirac é nulo para ;
✓ Em o impulso unitário de Dirac tem amplitude infinita;
✓ O impulso unitário de Dirac é caracterizado por ter área unitária, i.e.,
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: impulso unitário de Dirac representação gráfica
área =1
aproximação
área=1
área=1
área=1
propriedades
x(t)
δ(t) δ(t-t0
)
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: impulso unitário discreto
… …
relação com o escalão unitário propriedades
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa contínua
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa contínua
I.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa contínua
II.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa contínua
é periódico?O sinal
é sempre periódico;✓O sinal
✓O período fundamental é ;
✓Quanto maior for , menor é e maior é a rapidez de oscilação.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
I.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
II.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
III.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
representam o mesmo sinal.
As exponenciais complexas e
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
Quando aumenta, a rapidez de oscilação de aumenta para
, e diminui para .
Exemplo:
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sinais básicos: exponencial complexa discreta
é periódico?O sinal
✓O período fundamental é o menor inteiro positivo tal que ;
✓O sinal é periódico sse é um número racional;
✓A frequência fundamental é , em que e não têm
factores comuns.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sistemas
sistema
sinal entrada sinal saída
sérieparalelo realimentação
Diagrama de blocos
S1
S2
+ S4
S3 + S5
S6
x y
✓ Sistema contínuo: transforma sinais de entrada contínuos em sinais de saída contínuos;
✓ Sistema discreto: transforma sinais de entrada discretos em sinais de saída discretos.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
sistema com memória
Propriedades dos sistemas
1. Memória
Um sistema diz-se sem memória quando a saída num dado instante de tempo
depende apenas da entrada nesse instante de tempo.
sistema sem memória
Exemplos:
sistema com memória
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
sistema causal
Propriedades dos sistemas
2. Causalidade
Um sistema diz-se causal quando a saída num dado instante de tempo depende
apenas da entrada nesse instante de tempo e/ou de instantes anteriores.
sistema causal
Exemplos:
sistema não causal
Todos os sistemas sem
memória
são causais.
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sistemas
3. Invertibilidade e sistema inverso
Um sistema diz-se invertível quando sinais de entrada distintos conduzem a
sinais de saída distintos.
sistema não invertível
sistema invertível
Exemplos:
sistema
inverso
sistema invertível
sistema
inverso
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
sistema
instável
Propriedades dos sistemas
4. Estabilidade
sistema
instável
Um sistema diz-se estável (de entrada limitada/saída limitada) quando qualquer
entrada limitada dá origem a uma saída limitada, i.e.,
sistema estável
Exemplos:
limitado não limitado
limitado não limitado
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Sistema invariante no tempo
Propriedades dos sistemas
5. Invariância temporal
Um sistema diz-se invariante no tempo quando uma translação temporal no sinal
de entrada conduz à mesma translação temporal no sinal de saída, i.e.,
Exemplo:
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
sistema variante no tempo
Propriedades dos sistemas
Um sistema diz-se invariante no tempo quando uma translação temporal no sinal
De entrada conduz à mesma translação temporal no sinal de saída, i.e.,
5. Invariância temporal
Exemplo:
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
sistema não linear
Propriedades dos sistemas
6. Linearidade
Um sistema linear é aquele que possui a propriedade da sobreposição, i.e.,
sistema linear
Exemplos:
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Propriedades dos sistemas
6. Linearidade
Um sistema linear é aquele que possui a propriedade da sobreposição, i.e.,
Propriedade:
Exemplo:
sistema não linear
sistema
linear
sistema incrementalmente linear
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
Obrigado! Thank you!
Dúvidas??? <?php
print("ACESSO AO MATERIAL");
<?php
print("http://slideshare.net/ClovesRocha");
DEEC/ IST Isabel Lourtie
Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas
BIBLIOGRAFIA BÁSICA
OPPENHEIM, Alan V.; WILLSKY, Alan S.; NAWAB, S. Ramid. Sinais e
sistemas. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall,
c2010.
Disponível em Biblioteca Virtual Universitária.
NILSSON, James William; RIEDEL, Susan A. Circuitos elétricos. 8. ed. São
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009. Disponível
em Biblioteca Virtual Universitária.
BURIAN JUNIOR, Yaro; LYRA, Ana Cristina C. Circuitos elétricos. São Paulo:
Prentice-Hall, 2006. Disponível em Biblioteca
Virtual Universitária.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e SistemasAula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e SistemasCloves da Rocha
 
Análise de sinais e sistemas
Análise de sinais e sistemasAnálise de sinais e sistemas
Análise de sinais e sistemasReggae Strong
 
ficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STCficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STCmariajoao500
 
1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg'sMickael Gomes
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidentalcecilianoclaro
 
Evolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação HumanaEvolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação Humanaefa1
 
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento - Thiarle...
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento -  Thiarle...Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento -  Thiarle...
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento - Thiarle...Thiarlei Macedo
 
Aula 01-Conceitos de Qualidade
Aula 01-Conceitos de QualidadeAula 01-Conceitos de Qualidade
Aula 01-Conceitos de QualidadeCris Fidelix
 
Processamento digital de sinais
Processamento digital de sinaisProcessamento digital de sinais
Processamento digital de sinaisLuiz Henrique
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequênciaCarlos Melo
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)Faculdade Mater Christi
 
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicas
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicasEntradas E Saídas Digitais AnalóGicas
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicasJÚLIO PEIXOTO
 
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.Filipo Mór
 

Mais procurados (20)

Estudos de Controle - Aula 5: Espaço de Estados
Estudos de Controle - Aula 5: Espaço de EstadosEstudos de Controle - Aula 5: Espaço de Estados
Estudos de Controle - Aula 5: Espaço de Estados
 
RC - Módulo 1
RC - Módulo 1RC - Módulo 1
RC - Módulo 1
 
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e SistemasAula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
 
Amplificadores operacionais
Amplificadores operacionaisAmplificadores operacionais
Amplificadores operacionais
 
Análise de sinais e sistemas
Análise de sinais e sistemasAnálise de sinais e sistemas
Análise de sinais e sistemas
 
ficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STCficha elaborada na disciplina de STC
ficha elaborada na disciplina de STC
 
1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's
 
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetroAula 2 lab_fisica_b_multimetro
Aula 2 lab_fisica_b_multimetro
 
Períodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música OcidentalPeríodos Da Música Ocidental
Períodos Da Música Ocidental
 
Evolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação HumanaEvolução da Comunicação Humana
Evolução da Comunicação Humana
 
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento - Thiarle...
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento -  Thiarle...Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento -  Thiarle...
Atendimento de suporte, SLA e softwares de controle de atendimento - Thiarle...
 
2 metodos de discretizacao
2   metodos de discretizacao2   metodos de discretizacao
2 metodos de discretizacao
 
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
3. Eletrônica Digital: Lógica Combinacional e Seqüencial
 
Aula 01-Conceitos de Qualidade
Aula 01-Conceitos de QualidadeAula 01-Conceitos de Qualidade
Aula 01-Conceitos de Qualidade
 
Processamento digital de sinais
Processamento digital de sinaisProcessamento digital de sinais
Processamento digital de sinais
 
fundamentos de radio frequência
 fundamentos de radio frequência fundamentos de radio frequência
fundamentos de radio frequência
 
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)Capítulo 3   dados e sinais (1º unidade)
Capítulo 3 dados e sinais (1º unidade)
 
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicas
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicasEntradas E Saídas Digitais AnalóGicas
Entradas E Saídas Digitais AnalóGicas
 
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
Aula 1 - Redes de Computadores A - Conceitos Básicos.
 
Eletronica de potencia
Eletronica de potenciaEletronica de potencia
Eletronica de potencia
 

Semelhante a Aula 1 e 2 Prof. MSc Cloves Rocha - PIE - (2018.2) - ENG. ELÉTRICA

Semelhante a Aula 1 e 2 Prof. MSc Cloves Rocha - PIE - (2018.2) - ENG. ELÉTRICA (9)

analise_aula03.pdf
analise_aula03.pdfanalise_aula03.pdf
analise_aula03.pdf
 
Comunicacao de dados
Comunicacao de dadosComunicacao de dados
Comunicacao de dados
 
Aula 3
Aula   3Aula   3
Aula 3
 
Sistemas 2009 1
Sistemas 2009 1Sistemas 2009 1
Sistemas 2009 1
 
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dadosAula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
Aula 1 conceitos_iniciais_comunicação_de_dados
 
Aula 4
Aula   4Aula   4
Aula 4
 
Fundamentos sobre ruídos
Fundamentos sobre ruídosFundamentos sobre ruídos
Fundamentos sobre ruídos
 
Fundamentos sobre ruídos
Fundamentos sobre ruídosFundamentos sobre ruídos
Fundamentos sobre ruídos
 
Sinais 2
Sinais 2Sinais 2
Sinais 2
 

Mais de Cloves da Rocha

Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfMineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfCloves da Rocha
 
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasLive: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasCloves da Rocha
 
Introdução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaIntrodução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaCloves da Rocha
 
II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS Cloves da Rocha
 
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...Cloves da Rocha
 
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareCloves da Rocha
 
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosObservatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosCloves da Rocha
 
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosGestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosCloves da Rocha
 
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Cloves da Rocha
 
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoAula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoCloves da Rocha
 
Café com André Menelau
Café com André MenelauCafé com André Menelau
Café com André MenelauCloves da Rocha
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves RochaAPRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves RochaCloves da Rocha
 
Principais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILPrincipais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILCloves da Rocha
 
Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Cloves da Rocha
 
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21Cloves da Rocha
 
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreXII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreCloves da Rocha
 
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosPadrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosCloves da Rocha
 
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreXI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreCloves da Rocha
 

Mais de Cloves da Rocha (20)

Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdfMineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
Mineração de Dados Um Estudo de Caso Real.pdf
 
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresasLive: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
Live: Inteligência Artificial (IA) para pequenas e médias empresas
 
Introdução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na PráticaIntrodução a Machine Learning na Prática
Introdução a Machine Learning na Prática
 
II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS II JEDI 2019 - OUP e OPS
II JEDI 2019 - OUP e OPS
 
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS)  com ênfase em da...
Café.COM - OUP | Observatório de Projetos de Software (OPS) com ênfase em da...
 
Introdução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de SoftwareIntrodução à Engenharia de Testes de Software
Introdução à Engenharia de Testes de Software
 
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertosObservatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
Observatório de Projetos de Software com ênfase em dados abertos
 
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de NegóciosGestão de Riscos em Processos de Negócios
Gestão de Riscos em Processos de Negócios
 
Palestra GEOMARKETING
Palestra GEOMARKETINGPalestra GEOMARKETING
Palestra GEOMARKETING
 
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
Utilização de Ferramenta Para Monitoração de Desempenho Baseada em Métodos Ág...
 
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso AtacadãoAula 04 - Estudo de Caso Atacadão
Aula 04 - Estudo de Caso Atacadão
 
Café com André Menelau
Café com André MenelauCafé com André Menelau
Café com André Menelau
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves RochaAPRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha
APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR - By Prof. Cloves Rocha
 
Principais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITILPrincipais Certificações em TIC - ITIL
Principais Certificações em TIC - ITIL
 
Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC Principais Certificações em TIC
Principais Certificações em TIC
 
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
I Café ETE PORTO DIGITAL | EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO 21
 
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do MestreXII Café e CODE - Provocações do Mestre
XII Café e CODE - Provocações do Mestre
 
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a ObjetosPadrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
Padrões de Projeto de Software Orientado a Objetos
 
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do MestreXI Café e CODE - Provocações do Mestre
XI Café e CODE - Provocações do Mestre
 

Último

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 

Aula 1 e 2 Prof. MSc Cloves Rocha - PIE - (2018.2) - ENG. ELÉTRICA

  • 1. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas AULA 1 e 2 - TEÓRICA Professor MSc Cloves Rocha Jaboatão dos Guararapes, Agosto 2018.2 (PIE) - ENGENHARIA ELÉTRICA - SINAIS E SISTEMAS - ENGELET 6NA
  • 2. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas SINAIS E SISTEMAS • Sinais O que são sinais? Transformações lineares da variável independente Reflexão em relação à origem; Mudança de escala; Translação no tempo. Propriedades dos sinais Paridades; Periodicidade. Sinais contínuos básicos Impulso unitário de Dirac; Escalão unitário; Exponencial complexa. Sinais discretos básicos Impulso unitário; Escalão unitário; Exponencial complexa. • Sistemas Sistema físico, modelo, representação matemática. Propriedades dos sistemas Sistemas com e sem memória; Invertibilidade e sistema inverso; Causalidade; Estabilidade; Invariância temporal; Linearidade.
  • 3. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas sinal de entrada: fala (pressão acústica) sinal de saída: corrente eléctrica sinal de entrada: posição do acelerador sinal de saída: velocidade do veículo circuito elétrico sinais: tensões e correntes sinal de entrada: luz sinal de saída: fotografia microfone automóvel máquina fotográfica luz
  • 4. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas Fala Sismologia Sinal contínuo: domínio real Electrocardiograma
  • 5. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinal discreto: domínio inteiro Sinais e Sistemas
  • 6. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinal discreto: domínio inteiroSinais e Sistemas Amostragem de sinal analógico
  • 7. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente O sinal y relaciona-se com o sinal x através de uma transformação linear da variável independente quando - sinal contínuo - sinal discreto
  • 8. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente Inversão temporal (ou reflexão em relação à origem) Exemplo: passagem de fita magnética em sentido inverso ao de gravação mas à mesma velocidade.
  • 9. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente Mudança de escala Sinal contínuo: Exemplo: passagem de fita magnética a uma velocidade diferente da original ➢ : fita tocada a velocidade superior compressão temporal ➢ : fita tocada a velocidade inferior expansão temporal LEMBRE DO MULTÍMETRO!
  • 10. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente Mudança de escala Sinal discreto: ➢ No caso discreto só faz sentido falar em compressão temporal ; ➢ Na compressão temporal de um sinal discreto há sempre perda de informação.
  • 11. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente Translação no tempo : atraso : avanço Exemplo: propagação de um sinal entre dois pontos distantes no espaço
  • 12. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente t x(t) 1 --1 z(t) t --1 -2 -1 w(t) t --1 21 y(t) t --1 42
  • 13. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Transformações lineares da variável independente t y(t) --1 31 x(t) t-2 1 2 z(t) t-1 1 1 1. Compressão temporal: w(t) t-1 1 1 2. Inversão temporal: 3. Translação no tempo:
  • 14. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sinais: Paridades Um sinal diz-se par quando Um sinal par é simétrico em relação à origem
  • 15. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sinais: Paridades Um sinal diz-se ímpar quando Se um sinal ímpar estiver definido para o instante t=0 então x(0)=0
  • 16. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sinais: Paridades Qualquer sinal x pode ser decomposto na soma de um sinal par com um sinal ímpar em que e t x(t) -- -- -- 1 2 1 2 -- t xp (t )-- -- -- 1 2 1 2 -- -- -- -1-2 t xi (t) -- -- -- 1 2 1 2 -- -- -- -1-2 -- -1
  • 17. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sinais: Periodicidade Sinal periódico sse T, N - periodo … … ✓ Um sinal periódico é um sinal bilateral; ✓ Se x(t) é periódico com periodo T, também é periódico com periodo 2T, 3T, 4T… ✓ Periodo fundamental T0 é o menor valor positivo do periodo.
  • 18. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: escalão unitário contínuo discreto … … … …
  • 19. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: impulso unitário de Dirac Função generalizada definida de forma explicita por ou de forma implícita por ✓O impulso unitário de Dirac é nulo para ; ✓ Em o impulso unitário de Dirac tem amplitude infinita; ✓ O impulso unitário de Dirac é caracterizado por ter área unitária, i.e.,
  • 20. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: impulso unitário de Dirac representação gráfica área =1 aproximação área=1 área=1 área=1 propriedades x(t) δ(t) δ(t-t0 )
  • 21. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: impulso unitário discreto … … relação com o escalão unitário propriedades
  • 22. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa contínua
  • 23. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa contínua I.
  • 24. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa contínua II.
  • 25. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa contínua é periódico?O sinal é sempre periódico;✓O sinal ✓O período fundamental é ; ✓Quanto maior for , menor é e maior é a rapidez de oscilação.
  • 26. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta
  • 27. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta I.
  • 28. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta II.
  • 29. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta III.
  • 30. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta representam o mesmo sinal. As exponenciais complexas e
  • 31. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta Quando aumenta, a rapidez de oscilação de aumenta para , e diminui para . Exemplo:
  • 32. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sinais básicos: exponencial complexa discreta é periódico?O sinal ✓O período fundamental é o menor inteiro positivo tal que ; ✓O sinal é periódico sse é um número racional; ✓A frequência fundamental é , em que e não têm factores comuns.
  • 33. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sistemas sistema sinal entrada sinal saída sérieparalelo realimentação Diagrama de blocos S1 S2 + S4 S3 + S5 S6 x y ✓ Sistema contínuo: transforma sinais de entrada contínuos em sinais de saída contínuos; ✓ Sistema discreto: transforma sinais de entrada discretos em sinais de saída discretos.
  • 34. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas sistema com memória Propriedades dos sistemas 1. Memória Um sistema diz-se sem memória quando a saída num dado instante de tempo depende apenas da entrada nesse instante de tempo. sistema sem memória Exemplos: sistema com memória
  • 35. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas sistema causal Propriedades dos sistemas 2. Causalidade Um sistema diz-se causal quando a saída num dado instante de tempo depende apenas da entrada nesse instante de tempo e/ou de instantes anteriores. sistema causal Exemplos: sistema não causal Todos os sistemas sem memória são causais.
  • 36. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sistemas 3. Invertibilidade e sistema inverso Um sistema diz-se invertível quando sinais de entrada distintos conduzem a sinais de saída distintos. sistema não invertível sistema invertível Exemplos: sistema inverso sistema invertível sistema inverso
  • 37. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas sistema instável Propriedades dos sistemas 4. Estabilidade sistema instável Um sistema diz-se estável (de entrada limitada/saída limitada) quando qualquer entrada limitada dá origem a uma saída limitada, i.e., sistema estável Exemplos: limitado não limitado limitado não limitado
  • 38. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Sistema invariante no tempo Propriedades dos sistemas 5. Invariância temporal Um sistema diz-se invariante no tempo quando uma translação temporal no sinal de entrada conduz à mesma translação temporal no sinal de saída, i.e., Exemplo:
  • 39. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas sistema variante no tempo Propriedades dos sistemas Um sistema diz-se invariante no tempo quando uma translação temporal no sinal De entrada conduz à mesma translação temporal no sinal de saída, i.e., 5. Invariância temporal Exemplo:
  • 40. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas sistema não linear Propriedades dos sistemas 6. Linearidade Um sistema linear é aquele que possui a propriedade da sobreposição, i.e., sistema linear Exemplos:
  • 41. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Propriedades dos sistemas 6. Linearidade Um sistema linear é aquele que possui a propriedade da sobreposição, i.e., Propriedade: Exemplo: sistema não linear sistema linear sistema incrementalmente linear
  • 42. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas Obrigado! Thank you! Dúvidas??? <?php print("ACESSO AO MATERIAL"); <?php print("http://slideshare.net/ClovesRocha");
  • 43. DEEC/ IST Isabel Lourtie Sistemas e Sinais Sinais e Sistemas BIBLIOGRAFIA BÁSICA OPPENHEIM, Alan V.; WILLSKY, Alan S.; NAWAB, S. Ramid. Sinais e sistemas. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice-Hall, c2010. Disponível em Biblioteca Virtual Universitária. NILSSON, James William; RIEDEL, Susan A. Circuitos elétricos. 8. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009. Disponível em Biblioteca Virtual Universitária. BURIAN JUNIOR, Yaro; LYRA, Ana Cristina C. Circuitos elétricos. São Paulo: Prentice-Hall, 2006. Disponível em Biblioteca Virtual Universitária.