Figuras de linguagem - Aliteração[Editável]

1.143 visualizações

Publicada em

Figuras de Linguagem,
(Editavel)

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Figuras de linguagem - Aliteração[Editável]

  1. 1. Figuras de LinguagemColégio Estadual Antonio Motta BittencourtTema: Aliteração
  2. 2. AliteraçãoAliteração é uma figura de linguagem que consisteem repetir sons consonantais idênticos ousemelhantes em um verso ou em uma frase(especialmente as sílabas tônicas) de forma aobter um efeito expressivo. Quando usadasabiamente, a aliteração ajuda a criar umamusicalidade que valoriza o texto literário. Masnão se trata de simples sonoridades destituídas deconteúdo. Geralmente, a aliteração sublinha (ouintroduz) determinados valores expressivos.A aliteração é largamente utilizadaem poesias mas também pode ser empregadaem prosas, especialmente em frases curtas.
  3. 3. Versos que compõe a coletânea “Ou isto ou aquilo”, de Cecília Meireles:“Olha a bolha d’águano galho!Olha o orvalho!”Nesses versos, a repetição é do fonema constritivo palatal /lh/. Essa figura delinguagem é bastante utilizado por Cecília como recurso para alfabetização. Ospoemas, vistos como uma brincadeira, despertam, através do efeito lúdico da arte,o poder intelectual da criança.
  4. 4. (Fernando Pessoa)“Em horas inda louras, lindasClorindas e Belindas, brandasBrincam nos tempos das BerlindasAs vindas vendo das varandas.”Esta estrofe de Pessoa é um exemplo soberbo do uso expressivo da aliteração.aliteração do "l“ ; aliteração do "d“ ; aliteração do "b“ ; aliteração do "v"Neste caso, a acumulação aliterativa cria um efeito musical tão intenso que nos leva a colocarnum plano secundário o conteúdo. No entanto, em condições normais a aliteração põe emevidência as palavras afetadas e, portanto, sublinha o seu valor expressivo. Por vezes, permitemesmo estabelecer associações pouco evidentes entre palavras.Freqüentemente a aliteração aparece associada à assonância (neste exemplo, "i/in" e "a/an").
  5. 5. Tanta Tinta – Cecília Meireles“Ah! Menina tonta,toda suja de tintamal o céu desponta!(Sentou-se na ponte,muito desatenta…E agora se espanta:Quem é que a ponte pintacom tanta tinta?…)A ponte apontae se desaponta.A tontinha tentalimpar tinta,ponto por pontoe pinta por pinta…Ah! a menina tonta!Não viu a tinta da ponte!Neste caso, Cecília apropriou-se da consoante linguodental /t/ e da bilabial /p/para compor esse poema.
  6. 6. Componentes:CleissonJoyceBeatrizThamarques1° Ano A, MatutinoColegio Estadual Antonio Motta Bittencourt

×