ABORDAGEM CIRÚRGICA DAS LESÕES PRÉ-NEOPLÁSICAS                EDO CÂNCER DO COLO UTERINO       CLAUDIO SERGIO BATISTA     ...
... O CÂNCER DE COLO DO ÚTERO         É DOENÇA PREVENÍVEL...                              2
Lesões pré-malignas    Displasia Leve -SIL Baixo Grau – NIC I    Expectante / Cauterização / Exérese da Lesão          Con...
Displasia Moderada – NIC II  Paciente com prole                               Paciente com prole não       definida       ...
Displasia Acentuada – Ca “IN SITU” (NIC III – SIL Alto Grau)                         Paciente com prole definida          ...
Displasia Acentuada – Ca “IN SITU” (NIC III – SIL Alto Grau)                             Paciente sem prole definida      ...
Diagnóstico do Câncerde Colo Uterino       Citologia       Colposcopia       Biópsia       Conização                      ...
Estadiamento ClínicoFIGO – Montreal, 1994                        8
Estadiamento   Exame clínico completo:          Exame Pélvico;          Exame Retal;            Se necessário sob anestes...
ESTÁDIO I - Limitado ao colo uterino.Estádio Ia: Carcinoma micro- invasor do colo uterino,diagnosticado somente pela micro...
ESTÁDIO Ia2 – Lesões detectadas microscopicamente quepodem ser medidas. O limite superior da medida não podemostrar invasã...
Estádio I b – Lesões maiores que as dimensões do estádio Ia2                                                        12
ESTÁDIO II - Carcinoma invade além do colo, mas nãoinvade 1/3 inferior da vagina nem parede pélvica.Estádio II a – Envolvi...
Estádio II b – Extensão ao paramétrio junto ao útero                                                                      ...
ESTÁDIO III - Carcinoma estende-se até 1/3 inferior davagina e / ou parede pélvica e / ou causa hidronefrose ou rimnão fun...
Estádio III b – extensão parametrial até parede pélvica ouobstrução ureteral na urografia excretora.                      ...
Estádio IV - Tumor invade mucosa de reto e /ou bexiga e /ou estende-se além da pelve verdadeira.Estádio IV a – o tumor est...
Estádio IV b – extensão a órgãos distantes – metátases                                                         18
19
Tratamento             20
????+      21
Tratamento Cirúgico        Guideline da FIGO – 2000                                    22
Guideline da FIGO – 2000   Estádio IA1     Conização ou...     Histerectomia simples (sem invasão do      espaço linfov...
Guideline da FIGO – 2000Estádio IIB, III e IVA        Radioterapia externa e intracavitária.        Quimiorradiação     ...
25
26
Prognóstico              27
Sobrevida em 5 anos                          ESTADIAMENTO12010080604020 0      IA1   IA2   IB     IB1   IB2   IIA   IIB   ...
“Preventionis better than         cure...    ...Nothing Truer.”              Prof. Surendra Nath Panda,2002               ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Abordagem das lesões pré malignas e do câncer de colo do útero

17.203 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • It had been anticipated that widespread implementation of screening programs and treatment of cervical precancers would lead to the virtual elimination of invasive cervical cancer. Large segments of the population who do not undergo regular screening account for most of the patients with invasive cancers worldwide. However, invasive squamous cervical cancers develop even in screened populations, and adenocarcinoma of the cervix, is on the rise. Thus, given present methodology, it is unlikely that invasive cervical cancer is an entirely preventable disease. The screening-prevention system for cervical neoplasia is prone to several sources of error: the false-negative rate of the Pap smear; precancers and cancers arising high in the endocervical canal that may escape sampling; a rapid transit from a preinvasive to an invasive lesion in some cases; and de novo development of invasive cancers without a preliminary preinvasive state. It is within our grasp to make cervical cancer a largely preventable disease. Future directions in cervical cancer screening should include efforts at inclusion of the entire population at risk and improvements in screening methodology. Incorporating the unscreened population into screening programs will involve resource allocation and education. Methods that will reduce the false-negative and false-positive rates to more acceptable levels are needed to improve the effectiveness of screening. Biochemical changes in the cervix develop prior to the development of the earliest histopathologic change, but so far, a test based on biochemical indicators such as pentose shunt enzymes has eluded us.
  • The extent of reduction in cervical cancer mortality is in proportion to the number of women being screened, with no decrease in incidence or mortality in unscreened populations. The reasons for the reduction in cervical cancer mortality in screened populations are not clear. Although identification of invasive cancer at an earlier and more curable stage certainly contributes to the lower rate, most of the benefit is thought to be the result of identification and treatment of precancerous cervical lesions, thereby preventing invasive disease.
  • Abordagem das lesões pré malignas e do câncer de colo do útero

    1. 1. ABORDAGEM CIRÚRGICA DAS LESÕES PRÉ-NEOPLÁSICAS EDO CÂNCER DO COLO UTERINO CLAUDIO SERGIO BATISTA 1 MAIO – 2006
    2. 2. ... O CÂNCER DE COLO DO ÚTERO É DOENÇA PREVENÍVEL... 2
    3. 3. Lesões pré-malignas Displasia Leve -SIL Baixo Grau – NIC I Expectante / Cauterização / Exérese da Lesão Controle Citológico – 3 / 6 meses 3 http://www.ufes.br/~dgo/protoc.htm - 21-04-06
    4. 4. Displasia Moderada – NIC II Paciente com prole Paciente com prole não definida definida Cauterização Conização CAF Controle citológico 3 / 6 meses Citologia Classe III Citologia Classe II Nova propedêutica Controle 3 / 6 meses NIC II ou NIC IIIReconização ou Histerectomia Total 4 http://www.ufes.br/~dgo/protoc.htm - 21-04-06
    5. 5. Displasia Acentuada – Ca “IN SITU” (NIC III – SIL Alto Grau) Paciente com prole definida Conização NIC II NIC III Ca Microinvasor Ca InvasorMargens Margens Livres Comprometidas HTA com Werthein Meigs Manguito Vaginal Radioterapia Controle HTA3 / 6 meses Reconização 5 http://www.ufes.br/~dgo/protoc.htm - 21-04-06
    6. 6. Displasia Acentuada – Ca “IN SITU” (NIC III – SIL Alto Grau) Paciente sem prole definida Exérese da lesão com CAF Cauterização profunda sob visão colposcópica Controle 3 / 6 meses Classe II Classe III Controle conização 3 / 6 meses NIC II NICIII Ca Microinvasor Ca Invasor Margens Livres Margens Comprometidas Controle HTA com Werthein Meigs3 / 6 meses HTA Manguito Vaginal Radioterapia 6 Reconização
    7. 7. Diagnóstico do Câncerde Colo Uterino Citologia Colposcopia Biópsia Conização 7
    8. 8. Estadiamento ClínicoFIGO – Montreal, 1994 8
    9. 9. Estadiamento Exame clínico completo: Exame Pélvico; Exame Retal; Se necessário sob anestesia Ultra-sonografia pélvica; Raio-X de tórax; Cistoscopia; Reto-sigmoidoscopia. 9
    10. 10. ESTÁDIO I - Limitado ao colo uterino.Estádio Ia: Carcinoma micro- invasor do colo uterino,diagnosticado somente pela microscopia.Ia1 - Invasão estromal mínima, confirmada pela microscopia. 10
    11. 11. ESTÁDIO Ia2 – Lesões detectadas microscopicamente quepodem ser medidas. O limite superior da medida não podemostrar invasão maior que 5 mm tomada da base do epitélioglandular, escamoso ou metaplásico, de onde é originado, e asegunda dimensão, a horizontal, não pode exceder a 7 mm 11
    12. 12. Estádio I b – Lesões maiores que as dimensões do estádio Ia2 12
    13. 13. ESTÁDIO II - Carcinoma invade além do colo, mas nãoinvade 1/3 inferior da vagina nem parede pélvica.Estádio II a – Envolvimento não evidente de paramétrio.Extensão aos 2/3 superiores da vagina                                                    13
    14. 14. Estádio II b – Extensão ao paramétrio junto ao útero           14
    15. 15. ESTÁDIO III - Carcinoma estende-se até 1/3 inferior davagina e / ou parede pélvica e / ou causa hidronefrose ou rimnão funcionante.Estádio III a - não há extensão à parede pélvica. Extensãoaté 1/3 inferior da vagina. 15
    16. 16. Estádio III b – extensão parametrial até parede pélvica ouobstrução ureteral na urografia excretora. 16
    17. 17. Estádio IV - Tumor invade mucosa de reto e /ou bexiga e /ou estende-se além da pelve verdadeira.Estádio IV a – o tumor estende-se aos órgãos adjacentes,envolvendo reto e/ou bexiga.                                                    17
    18. 18. Estádio IV b – extensão a órgãos distantes – metátases 18
    19. 19. 19
    20. 20. Tratamento 20
    21. 21. ????+ 21
    22. 22. Tratamento Cirúgico  Guideline da FIGO – 2000 22
    23. 23. Guideline da FIGO – 2000 Estádio IA1  Conização ou...  Histerectomia simples (sem invasão do espaço linfovascular). Estádio IA 2, IB, IIA  Histerectomia radical, com linfadenectomia pélvica bilateral ou...  Radioterapia externa e intracavitária. Traquelectomia radical com parametrectomia e linfadenectomia pélvica  alternativa para mulheres com tumores pequenos e que desejam preservar a fertilidade. 23
    24. 24. Guideline da FIGO – 2000Estádio IIB, III e IVA  Radioterapia externa e intracavitária.  Quimiorradiação  com cisplatina mostrou resultados melhores que os da radioterapia isolada em tumores localmente avançados. Estádio IVB  Radioterapia pélvica e quimioterapia paliativas. 24
    25. 25. 25
    26. 26. 26
    27. 27. Prognóstico 27
    28. 28. Sobrevida em 5 anos ESTADIAMENTO12010080604020 0 IA1 IA2 IB IB1 IB2 IIA IIB IIIA IIIB IVA IVB 28 Figo - Annual Report - 2003
    29. 29. “Preventionis better than cure... ...Nothing Truer.” Prof. Surendra Nath Panda,2002 29

    ×