SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Os Caminhos do Professor Coordenador
Claudio Roberto Ribeiro Junior
Votorantim, 2015
É preciso profissionalizar cada vez mais o papel deste importante ator nos proces-
sos educacionais para que ele atue de fato mobilizando o grupo para a melhoria
das práticas pedagógicas na escola. O que acontece em muitos casos é que o pro-
fessor coordenador não consegue organizar sua rotina de modo a focar nas ações
pedagógicas e prioritárias e acaba se perdendo no dia a dia da escola, envolvido
principalmente em problemas de indisciplina, como comenta a especialista em Edu-
cação Infantil e Séries Iniciais, Lidiane Cristina da Silva.
“Quase 90% dos profissionais que hoje assumem a função de Professor Coordenador
nas escolas vieram das salas de aula, mas não têm formação para uma coordenação
pedagógica, que exige mais do que conhecimentos didáticos e metodológicos.” É o
que argumenta Silvana Tamassia.
“As faculdades de Pedagogia precisam formar futuros professores, diretores e coor-
denadores, sendo necessário o desenvolvimento de um currículo que possa aten-
der todas as demandas desses futuros profissionais, porém a extensão dessa ne-
cessidade não cabe ou não está organizada de modo que seja possível ser detalha-
da e aprofundada nos anos do curso de Pedagogia e isto acaba dificultando um a-
profundamento nos estudos e, consequentemente, na formação deste profissional.”
Além disso, os professores coordenadores precisam desenvolver um papel de líder
para que possam atuar de forma eficiente com seu grupo. Precisam ainda conhecer
estratégias formativas para que possam desempenhar seu papel de formador do
grupo de professores que acompanha. Nesse ponto, ter passado pela sala de aula
ajuda os professores coordenadores a contribuírem com a prática pedagógica do-
cente.
O professor coordenador precisa parar de ser o profissional que somente “apaga
incêndios” nas escolas. O principal desafio do professor coordenador é conseguir
lidar com as dificuldades do dia a dia, mas também pensar em ações de longo prazo
que possam agir na raiz do problema da instituição.
Precisamos desenvolver alternativas para que a função pedagógica
tenha a função de prevenção, desenvolvendo projetos para este fim e
que estes estejam em consonância com as reais necessidades da
escola atual, pois só assim poderemos alcançar níveis educativos
cada vez melhores, visando uma educação básica de qualidade.
Para isso, pode formar sua equipe para lidar com situações emergen-
ciais e também na gestão de sala de aula, ajudando a criar dentro de
sala de aula um ambiente mais favorável para a aprendizagem dos
alunos “que, com o decorrer do tempo, certamente irá contribuir para a
diminuição dos casos de indisciplina”, conforme explica Tamassia.
“Neste ponto, destacamos também a importância da parceria entre coordenador e
diretor escolar. É importante que o diretor também veja no coordenador este agente
de formação na escola, organizando pequenas ações do dia a dia entre os compo-
nentes da equipe, de modo que este possa desenvolver o seu papel pedagógico e
formativo.”
Nesta coliderança, ambos assumem o papel de líderes da aprendizagem na escola
e o compromisso de colocar em prática o projeto político-pedagógico, sempre com
foco no aprendizado dos alunos.
O QUE É ATPC?O QUE É ATPC?
É uma Aula de Trabalho Pedagógico ColetivoAula de Trabalho Pedagógico Coletivo, a ser desenvolvida na unidade
escolar, pelos professores e o Professores Coordenadores Pedagógicos.
Qual é a sua finalidade das ATPC?Qual é a sua finalidade das ATPC?
Para estimular o desenvolvimento das atividades coletivas da unidade escolar.
Articular os diversos segmentos da escola para a construção e implementação do
seu trabalho pedagógico.
· Fortalecer a unidade escolar como instância privilegiada do aperfeiçoamento de seu
projeto pedagógico.
· (Re)planejar e avaliar as atividades de sala de aula, tendo em vista as diretrizes
comuns que a escola pretende imprimir ao processo ensino-aprendizagem.
Quais são os objetivos das ATPC?Quais são os objetivos das ATPC?
I. Construir e implementar o projeto pedagógico da escola;
II. articular as ações educacionais desenvolvidas pelos diferentes segmentos da es-
cola, visando a melhoria do processo ensino-aprendizagem;
III. identificar as alternativas pedagógicas que concorrem para a redução dos índices
de evasão e repetência;
IV. possibilitar a reflexão sobre a prática docente;
V. favorecer o intercâmbio de experiências;
VI. promover o aperfeiçoamento individual e coletivo dos educadores;
VII. acompanhar e avaliar, de forma sistemática, o processo ensino-aprendizagem.
Como devem ser as ATPC na escola?
As ATPCs devem ser:
a) identificar o conjunto de características, necessidades e expectativas da comuni-
dade escolar;
b) apontar e priorizar os problemas educacionais a serem enfrentados;
c) levantar os recursos materiais e humanos disponíveis que possam subsidiar a dis-
cussão e a solução dos problemas;
d) propor alternativas de enfrentamento dos problemas levantados;
e) propor um cronograma para a implementação, acompanhamento e avaliação das
alternativas selecionadas.
II. sistematicamente registradas pela equipe de professores e coordenação, com o
objetivo de orientar o grupo quanto ao replanejamento e à continuidade do trabalho.
III. realizadas:
I.planejadas pelo conjunto dos professores, sob a orientação do diretor e do pro-
fessor coordenador de forma a:
•a) na própria unidade escolar, e preferencialmente, durante duas horas consecuti-
vas e;
•b) eventualmente, no Núcleo Pedagógico ou num outro espaço educacional, pre-
viamente definido, através da utilização de parte ou do total de horas previstas
para o mês em curso.
Como devem ser programadas as
atividades das ATPC?
Tendo em vista a organicidade do currículo do ensino fundamental e médio, as ativi-
dades devem ser programadas, através de reuniões:
I. entre professores de uma série, ciclo, área ou disciplina;
II. entre professores de todas as séries e/ou componentes curriculares.
Quantas ATPC eu, professor, devo participar semanalmente?
AULAS ATRIBUIDAS EM SALA QUANTIDADE DE ATPC A REALIZAR
Até 4 aulas 1 ATPC
de 5 a 27 aulas 2 ATPC
Acima de 28 aulas 3 ATPC
Quem faz o que na ATPC?Quem faz o que na ATPC?
Diretor
- Organizar o horário e o espaço para as reuniões;
- Criar uma pauta;
- Estabelecer junto aos professores coordenadores diretrizes e metas gerais de for-
mação;
- Delegar parte das tarefas administrativas a técnicos da secretaria para poder se de-
dicar mais às questões pedagógicas;
- Orientar os professores Coordenadores e discutir os resultados das reuniões de
ATPC.
Professores Coordenadores
- Manter cronograma e pauta estabelecidos;
- Oferecer apoio individual aos professores;
- Conduzir pessoalmente as reuniões;
- Colocar limites aos assuntos discutidos para não perder o foco;
- Avaliar materiais e cursos de apoio necessários ao trabalho pedagógico;
- Encaminhar uma síntese do trabalho desenvolvido na ATPC para debate junto ao
diretor.
As diretrizes da aula coletivaAs diretrizes da aula coletiva
- Debate exclusivamente pedagógico;
- Professores desenvolvem o trabalho com orientação do coordenador pedagógico;
- Duração de duas a três horas, dependendo da quantidade de aulas ministradas;
- Estimular a interdisciplinaridade e a troca de experiências;
- Espaço para docentes colocarem os problemas enfrentados e encontrar soluções a
partir do grupo;
- Discussão de competências e habilidades da prática docente;
- Horário para estudo e formação coletiva;
- Momento de planejamento e avaliação.
Compete ao professor coordenadorCompete ao professor coordenador
pedagógicopedagógico
•Oferecer apoio individual aos professores;
•Manter cronograma e pauta estabelecidos;
•Conduzir pessoalmente as reuniões;
•Colocar limites aos assuntos discutidos para não perder o foco;
•Avaliar materiais e cursos de apoio necessários ao trabalho pedagógico;
•Encaminhar uma síntese do trabalho desenvolvido no ATPC para debate junto
ao diretor.
O QUE FAVORECE A ATUAÇÃO DO
PROFESSOR COORDENADOR NO
CUMPRIMENTO DA SUA FUNÇÃO?
●Administrar o tempo sistematizando a agenda de trabalho;
●Estudar e conhecer os referenciais teóricos que sustentam a sua função e atua-
ção;
●Estabelecer rotinas, ocupando o seu espaço na escola (objeto de feedback / retro-
alimentação na reunião semanal de gestores);
●Ser referência junto à equipe que coordena;
Boas pautas para as reuniões pedagógicas
Uma pauta estruturada ajuda a planejar o tempo e é uma aprendizagem para o
coordenador.
O segredo para fazer reuniões cada vez mais eficientes é planejá-las com cuidado,
prevendo todos os momentos - inclusive os de intervenção dos participantes. E a
melhor maneira de fazer isso é elaborando uma boa pauta, que nada mais é do que
um roteiro no qual devem constar os objetivos, os conteúdos que serão tratados, as
estratégias propostas e os materiais necessários.
A pauta evidencia a atuação do coordenador pedagógico na formação continuada
docente. O arquivo desses registros é imprescindível na construção da memória
coletiva da instituição e certamente vai servir de referência para os próximos for-
madores que ali vierem a atuar e também para outras escolas da rede. Dessa forma,
o trabalho dos profissionais mais experientes vai auxiliando na formação dos inici-
antes.
Como registrar as reuniões de ATPC?
No planejamento, na organização e na condução das HTPCs, é importante:
• considerar as demandas dos professores frente às metas e prioridades da escola;
• elaborar previamente a pauta de cada reunião, definida a partir das contribuições
dos participantes;
• dividir entre os participantes as tarefas inerentes às reuniões (registro, escolha de
textos, organização dos estudos;
• planejar formas de avaliação das reuniões pelo coletivo dos participantes;
• prever formas de registro (ata, caderno, diário de bordo, e outras) das discussões,
avanços, dificuldades detectadas, ações e intervenções propostas e decisões
tomadas;
• organizar as ações de formação continuada com conteúdos voltados às metas da
escola e à melhoria do desempenho dos alunos, com apoio da equipe de su-
pervisão e núcleo pedagógico da DE.
Enviar antecipadamente aos professores:
Da mesma forma que o PC estuda ao produzir a pauta, o professor também estuda de
forma prévia ao receber a pauta. É importante que o professor leia os textos recomen-
dados, veja os vídeos a serem analisados. Já mobilize seu cognitivo para as ações do
ATPC.
Escolha cuidadosa do conteúdo:
O conteúdo a ser estudado precisa ser contextualizado, ter significado ao meio esco-
lar e atender as necessidades da escola. Pode derivar de apontamentos feitos em sa-
la de aula, de reuniões anteriores, de indicadores previamente levantados como AAP.
- Clareza quanto ao objeto de ensino em questão:
O objeto de ensino precisa ser claro, precisa estar bem definido para não tornar a for-
mação muito abstrata. Não podem ser de difícil compreensão, precisa estar visível na
descrição da pauta.
- Antecipação das possíveis dúvidas e utilização de estraté-
gias adequadas.
É importante prever algumas possíveis dúvidas e questionamentos sobre o que será
apresentado, o estudo da pauta viabiliza esse preparo, em alguns momentos essas
dúvidas até podem fazer parte de provocações já previstas.
Quando nossa prática tornaQuando nossa prática torna--se obsoleta...se obsoleta...
Ser formador é oferecer a teoria e as condições para aprimorar a prática.
É reunir opiniões e concepções da equipe em torno de um projeto peda-
gógico. É fazer com que os professores consigam ver além dos hábitos e
conceitos adquiridos com a experiência e a formação inicial, por meio da
sistematização do que ocorre em sala de aula. "Ao se tornar um forma-
dor, dominando as estratégias e o conhecimento didático, o coordenador
assume sua responsabilidade e seu papel decisivo para a aprendizagem
dos alunos", finaliza Regina Scarpa.
Desafios do Professor Coordenador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Magda Marques
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolarAnanda Lima
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioShirley Lauria
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosLinda-maria12
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidademariaelidias
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaMARILENE RANGEL
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxEsterLeite4
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Anaí Peña
 
PIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptxPIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptxMárcia Moura
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricularKaren Araki
 
Sequencia didatica
Sequencia didaticaSequencia didatica
Sequencia didaticashs_oliveira
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxGabih Rocha
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasMarily Oliveira
 

Mais procurados (20)

Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
 
Educação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultosEducação de jovens e adultos
Educação de jovens e adultos
 
Direitos de aprendizagem oralidade
Direitos de aprendizagem   oralidadeDireitos de aprendizagem   oralidade
Direitos de aprendizagem oralidade
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
 
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
Trabalho coletivo - Trabalho de Equipe, Cooperação, Colaboração como elemento...
 
PIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptxPIAF FORMAÇÃO.pptx
PIAF FORMAÇÃO.pptx
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Planejamento Escolar
Planejamento EscolarPlanejamento Escolar
Planejamento Escolar
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
 
EJA
EJA EJA
EJA
 
Sequencia didatica
Sequencia didaticaSequencia didatica
Sequencia didatica
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
Acolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptxAcolhimento Escolar GABI.pptx
Acolhimento Escolar GABI.pptx
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 

Destaque

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaClaudia Elisabete Silva
 
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01Jhosyrene Oliveira
 
Formação De Professores Competências Quiz
Formação De Professores Competências QuizFormação De Professores Competências Quiz
Formação De Professores Competências Quizlouisacarla
 
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2Manual do Professor Formador - Profuncionário v2
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2Milton Azara
 
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014Wilson Barbieri
 
Safári fotográfico - Recursos Tecnológico
Safári fotográfico - Recursos TecnológicoSafári fotográfico - Recursos Tecnológico
Safári fotográfico - Recursos TecnológicoBruno Roots
 
É Possível Educar para e com a TV
É Possível Educar para e com a TVÉ Possível Educar para e com a TV
É Possível Educar para e com a TVrichard_romancini
 
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJARelação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJABruno Roots
 
Aprender e ensinar
Aprender e ensinarAprender e ensinar
Aprender e ensinarDeia Araujo
 
Educar e tudo
Educar e tudoEducar e tudo
Educar e tudodaiane
 
Atpc 13 de outubro de 2014 v2
Atpc 13 de outubro de 2014   v2Atpc 13 de outubro de 2014   v2
Atpc 13 de outubro de 2014 v2Wilson Barbieri
 
Palestra Educar para amar
 Palestra Educar para amar  Palestra Educar para amar
Palestra Educar para amar Victor Passos
 
Como Ser Um Estudante De Sucesso
Como Ser Um Estudante De SucessoComo Ser Um Estudante De Sucesso
Como Ser Um Estudante De Sucessodelanievov
 
Educar e cuidar
Educar e cuidarEducar e cuidar
Educar e cuidarnil1967
 

Destaque (20)

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01
Ot pautasdeatpc-130425123459-phpapp01
 
Projeto UCA: Formação Brasil
Projeto UCA: Formação BrasilProjeto UCA: Formação Brasil
Projeto UCA: Formação Brasil
 
Formação De Professores Competências Quiz
Formação De Professores Competências QuizFormação De Professores Competências Quiz
Formação De Professores Competências Quiz
 
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2Manual do Professor Formador - Profuncionário v2
Manual do Professor Formador - Profuncionário v2
 
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014
Reunião atpc - Realizada em 19 de maio de 2014
 
Safári fotográfico - Recursos Tecnológico
Safári fotográfico - Recursos TecnológicoSafári fotográfico - Recursos Tecnológico
Safári fotográfico - Recursos Tecnológico
 
É Possível Educar para e com a TV
É Possível Educar para e com a TVÉ Possível Educar para e com a TV
É Possível Educar para e com a TV
 
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJARelação professor-aluno no contexto escolar - EJA
Relação professor-aluno no contexto escolar - EJA
 
Aprender e ensinar
Aprender e ensinarAprender e ensinar
Aprender e ensinar
 
Educar Rubem Alves
Educar Rubem AlvesEducar Rubem Alves
Educar Rubem Alves
 
Educar e tudo
Educar e tudoEducar e tudo
Educar e tudo
 
Ser aluno é
Ser aluno é Ser aluno é
Ser aluno é
 
Atpc 13 de outubro de 2014 v2
Atpc 13 de outubro de 2014   v2Atpc 13 de outubro de 2014   v2
Atpc 13 de outubro de 2014 v2
 
Palestra Educar para amar
 Palestra Educar para amar  Palestra Educar para amar
Palestra Educar para amar
 
Educação
EducaçãoEducação
Educação
 
Como Ser Um Estudante De Sucesso
Como Ser Um Estudante De SucessoComo Ser Um Estudante De Sucesso
Como Ser Um Estudante De Sucesso
 
Educar e cuidar
Educar e cuidarEducar e cuidar
Educar e cuidar
 
Educação
EducaçãoEducação
Educação
 
Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016Plano de gestão escolar 2016
Plano de gestão escolar 2016
 

Semelhante a Desafios do Professor Coordenador

Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarfrancinethmedeiros
 
Orientações Suporte pedagógico
Orientações Suporte pedagógicoOrientações Suporte pedagógico
Orientações Suporte pedagógicofafc17
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptTati Borlote Varanda
 
Caderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretoresCaderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretores842203966
 
05 pcagp documento orientador
05 pcagp   documento orientador05 pcagp   documento orientador
05 pcagp documento orientadorWilson Barbieri
 
apresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptxapresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptxantonioemanuelsm
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...Portal QEdu
 
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01juceli fatima ramos de goés
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Sme Otacílio Costa
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Sme Otacílio Costa
 
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAICOrganização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAICRosilane
 
Gestão escolar i papel do pcp
Gestão escolar i   papel do pcpGestão escolar i   papel do pcp
Gestão escolar i papel do pcpValdir Almeida
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoLuciene Chagas
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoLuciene Chagas
 
Tutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúTutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúGigi Sergio
 

Semelhante a Desafios do Professor Coordenador (20)

Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolarSupervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
Supervisao escolar-o-papel-do-supervisor-escolar
 
Rotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador PedagógicoRotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador Pedagógico
 
Formação
FormaçãoFormação
Formação
 
Orientações Suporte pedagógico
Orientações Suporte pedagógicoOrientações Suporte pedagógico
Orientações Suporte pedagógico
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
 
Caderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretoresCaderno de boas práticas diretores
Caderno de boas práticas diretores
 
05 pcagp documento orientador
05 pcagp   documento orientador05 pcagp   documento orientador
05 pcagp documento orientador
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
apresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptxapresentação projeto diretor de turma.pptx
apresentação projeto diretor de turma.pptx
 
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
O papel do Coordenador Pedagógico na formação continuada dos professores em s...
 
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01
Artigoeloscoordenadorpedagogico 150430161033-conversion-gate01
 
Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
 
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
Material para capacitação suportes pedagógicos 2011
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAICOrganização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
 
Gestão escolar i papel do pcp
Gestão escolar i   papel do pcpGestão escolar i   papel do pcp
Gestão escolar i papel do pcp
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
 
Tutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaúTutoria caderno itaú
Tutoria caderno itaú
 

Mais de Claudio Ribeiro

Enem 2015 resolução da prova de matemática
Enem 2015 resolução da prova de matemáticaEnem 2015 resolução da prova de matemática
Enem 2015 resolução da prova de matemáticaClaudio Ribeiro
 
Enem 2015 resolução da prova
Enem 2015 resolução da provaEnem 2015 resolução da prova
Enem 2015 resolução da provaClaudio Ribeiro
 
Observação de sala de aula
Observação de sala de aulaObservação de sala de aula
Observação de sala de aulaClaudio Ribeiro
 
Desafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivoDesafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivoClaudio Ribeiro
 

Mais de Claudio Ribeiro (7)

Curriculo oficial
Curriculo oficialCurriculo oficial
Curriculo oficial
 
Ensino hibrido
Ensino hibridoEnsino hibrido
Ensino hibrido
 
Enem 2015 resolução da prova de matemática
Enem 2015 resolução da prova de matemáticaEnem 2015 resolução da prova de matemática
Enem 2015 resolução da prova de matemática
 
Enem 2015 resolução da prova
Enem 2015 resolução da provaEnem 2015 resolução da prova
Enem 2015 resolução da prova
 
Observação de sala de aula
Observação de sala de aulaObservação de sala de aula
Observação de sala de aula
 
Desafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivoDesafios para um professor reflexivo
Desafios para um professor reflexivo
 
Graphmatica tutorial
Graphmatica tutorialGraphmatica tutorial
Graphmatica tutorial
 

Último

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 

Último (20)

William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 

Desafios do Professor Coordenador

  • 1. Os Caminhos do Professor Coordenador Claudio Roberto Ribeiro Junior Votorantim, 2015
  • 2. É preciso profissionalizar cada vez mais o papel deste importante ator nos proces- sos educacionais para que ele atue de fato mobilizando o grupo para a melhoria das práticas pedagógicas na escola. O que acontece em muitos casos é que o pro- fessor coordenador não consegue organizar sua rotina de modo a focar nas ações pedagógicas e prioritárias e acaba se perdendo no dia a dia da escola, envolvido principalmente em problemas de indisciplina, como comenta a especialista em Edu- cação Infantil e Séries Iniciais, Lidiane Cristina da Silva.
  • 3.
  • 4. “Quase 90% dos profissionais que hoje assumem a função de Professor Coordenador nas escolas vieram das salas de aula, mas não têm formação para uma coordenação pedagógica, que exige mais do que conhecimentos didáticos e metodológicos.” É o que argumenta Silvana Tamassia. “As faculdades de Pedagogia precisam formar futuros professores, diretores e coor- denadores, sendo necessário o desenvolvimento de um currículo que possa aten- der todas as demandas desses futuros profissionais, porém a extensão dessa ne- cessidade não cabe ou não está organizada de modo que seja possível ser detalha- da e aprofundada nos anos do curso de Pedagogia e isto acaba dificultando um a- profundamento nos estudos e, consequentemente, na formação deste profissional.” Além disso, os professores coordenadores precisam desenvolver um papel de líder para que possam atuar de forma eficiente com seu grupo. Precisam ainda conhecer estratégias formativas para que possam desempenhar seu papel de formador do grupo de professores que acompanha. Nesse ponto, ter passado pela sala de aula ajuda os professores coordenadores a contribuírem com a prática pedagógica do- cente.
  • 5. O professor coordenador precisa parar de ser o profissional que somente “apaga incêndios” nas escolas. O principal desafio do professor coordenador é conseguir lidar com as dificuldades do dia a dia, mas também pensar em ações de longo prazo que possam agir na raiz do problema da instituição. Precisamos desenvolver alternativas para que a função pedagógica tenha a função de prevenção, desenvolvendo projetos para este fim e que estes estejam em consonância com as reais necessidades da escola atual, pois só assim poderemos alcançar níveis educativos cada vez melhores, visando uma educação básica de qualidade. Para isso, pode formar sua equipe para lidar com situações emergen- ciais e também na gestão de sala de aula, ajudando a criar dentro de sala de aula um ambiente mais favorável para a aprendizagem dos alunos “que, com o decorrer do tempo, certamente irá contribuir para a diminuição dos casos de indisciplina”, conforme explica Tamassia. “Neste ponto, destacamos também a importância da parceria entre coordenador e diretor escolar. É importante que o diretor também veja no coordenador este agente de formação na escola, organizando pequenas ações do dia a dia entre os compo- nentes da equipe, de modo que este possa desenvolver o seu papel pedagógico e formativo.” Nesta coliderança, ambos assumem o papel de líderes da aprendizagem na escola e o compromisso de colocar em prática o projeto político-pedagógico, sempre com foco no aprendizado dos alunos.
  • 6. O QUE É ATPC?O QUE É ATPC? É uma Aula de Trabalho Pedagógico ColetivoAula de Trabalho Pedagógico Coletivo, a ser desenvolvida na unidade escolar, pelos professores e o Professores Coordenadores Pedagógicos. Qual é a sua finalidade das ATPC?Qual é a sua finalidade das ATPC? Para estimular o desenvolvimento das atividades coletivas da unidade escolar. Articular os diversos segmentos da escola para a construção e implementação do seu trabalho pedagógico. · Fortalecer a unidade escolar como instância privilegiada do aperfeiçoamento de seu projeto pedagógico. · (Re)planejar e avaliar as atividades de sala de aula, tendo em vista as diretrizes comuns que a escola pretende imprimir ao processo ensino-aprendizagem.
  • 7. Quais são os objetivos das ATPC?Quais são os objetivos das ATPC? I. Construir e implementar o projeto pedagógico da escola; II. articular as ações educacionais desenvolvidas pelos diferentes segmentos da es- cola, visando a melhoria do processo ensino-aprendizagem; III. identificar as alternativas pedagógicas que concorrem para a redução dos índices de evasão e repetência; IV. possibilitar a reflexão sobre a prática docente; V. favorecer o intercâmbio de experiências; VI. promover o aperfeiçoamento individual e coletivo dos educadores; VII. acompanhar e avaliar, de forma sistemática, o processo ensino-aprendizagem. Como devem ser as ATPC na escola? As ATPCs devem ser: a) identificar o conjunto de características, necessidades e expectativas da comuni- dade escolar; b) apontar e priorizar os problemas educacionais a serem enfrentados; c) levantar os recursos materiais e humanos disponíveis que possam subsidiar a dis- cussão e a solução dos problemas; d) propor alternativas de enfrentamento dos problemas levantados; e) propor um cronograma para a implementação, acompanhamento e avaliação das alternativas selecionadas. II. sistematicamente registradas pela equipe de professores e coordenação, com o objetivo de orientar o grupo quanto ao replanejamento e à continuidade do trabalho. III. realizadas: I.planejadas pelo conjunto dos professores, sob a orientação do diretor e do pro- fessor coordenador de forma a: •a) na própria unidade escolar, e preferencialmente, durante duas horas consecuti- vas e; •b) eventualmente, no Núcleo Pedagógico ou num outro espaço educacional, pre- viamente definido, através da utilização de parte ou do total de horas previstas para o mês em curso.
  • 8. Como devem ser programadas as atividades das ATPC? Tendo em vista a organicidade do currículo do ensino fundamental e médio, as ativi- dades devem ser programadas, através de reuniões: I. entre professores de uma série, ciclo, área ou disciplina; II. entre professores de todas as séries e/ou componentes curriculares. Quantas ATPC eu, professor, devo participar semanalmente? AULAS ATRIBUIDAS EM SALA QUANTIDADE DE ATPC A REALIZAR Até 4 aulas 1 ATPC de 5 a 27 aulas 2 ATPC Acima de 28 aulas 3 ATPC Quem faz o que na ATPC?Quem faz o que na ATPC? Diretor - Organizar o horário e o espaço para as reuniões; - Criar uma pauta; - Estabelecer junto aos professores coordenadores diretrizes e metas gerais de for- mação; - Delegar parte das tarefas administrativas a técnicos da secretaria para poder se de- dicar mais às questões pedagógicas; - Orientar os professores Coordenadores e discutir os resultados das reuniões de ATPC. Professores Coordenadores - Manter cronograma e pauta estabelecidos; - Oferecer apoio individual aos professores; - Conduzir pessoalmente as reuniões; - Colocar limites aos assuntos discutidos para não perder o foco; - Avaliar materiais e cursos de apoio necessários ao trabalho pedagógico; - Encaminhar uma síntese do trabalho desenvolvido na ATPC para debate junto ao diretor.
  • 9. As diretrizes da aula coletivaAs diretrizes da aula coletiva - Debate exclusivamente pedagógico; - Professores desenvolvem o trabalho com orientação do coordenador pedagógico; - Duração de duas a três horas, dependendo da quantidade de aulas ministradas; - Estimular a interdisciplinaridade e a troca de experiências; - Espaço para docentes colocarem os problemas enfrentados e encontrar soluções a partir do grupo; - Discussão de competências e habilidades da prática docente; - Horário para estudo e formação coletiva; - Momento de planejamento e avaliação. Compete ao professor coordenadorCompete ao professor coordenador pedagógicopedagógico •Oferecer apoio individual aos professores; •Manter cronograma e pauta estabelecidos; •Conduzir pessoalmente as reuniões; •Colocar limites aos assuntos discutidos para não perder o foco; •Avaliar materiais e cursos de apoio necessários ao trabalho pedagógico; •Encaminhar uma síntese do trabalho desenvolvido no ATPC para debate junto ao diretor.
  • 10. O QUE FAVORECE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR COORDENADOR NO CUMPRIMENTO DA SUA FUNÇÃO? ●Administrar o tempo sistematizando a agenda de trabalho; ●Estudar e conhecer os referenciais teóricos que sustentam a sua função e atua- ção; ●Estabelecer rotinas, ocupando o seu espaço na escola (objeto de feedback / retro- alimentação na reunião semanal de gestores); ●Ser referência junto à equipe que coordena; Boas pautas para as reuniões pedagógicas Uma pauta estruturada ajuda a planejar o tempo e é uma aprendizagem para o coordenador. O segredo para fazer reuniões cada vez mais eficientes é planejá-las com cuidado, prevendo todos os momentos - inclusive os de intervenção dos participantes. E a melhor maneira de fazer isso é elaborando uma boa pauta, que nada mais é do que um roteiro no qual devem constar os objetivos, os conteúdos que serão tratados, as estratégias propostas e os materiais necessários. A pauta evidencia a atuação do coordenador pedagógico na formação continuada docente. O arquivo desses registros é imprescindível na construção da memória coletiva da instituição e certamente vai servir de referência para os próximos for- madores que ali vierem a atuar e também para outras escolas da rede. Dessa forma, o trabalho dos profissionais mais experientes vai auxiliando na formação dos inici- antes.
  • 11. Como registrar as reuniões de ATPC? No planejamento, na organização e na condução das HTPCs, é importante: • considerar as demandas dos professores frente às metas e prioridades da escola; • elaborar previamente a pauta de cada reunião, definida a partir das contribuições dos participantes; • dividir entre os participantes as tarefas inerentes às reuniões (registro, escolha de textos, organização dos estudos; • planejar formas de avaliação das reuniões pelo coletivo dos participantes; • prever formas de registro (ata, caderno, diário de bordo, e outras) das discussões, avanços, dificuldades detectadas, ações e intervenções propostas e decisões tomadas; • organizar as ações de formação continuada com conteúdos voltados às metas da escola e à melhoria do desempenho dos alunos, com apoio da equipe de su- pervisão e núcleo pedagógico da DE.
  • 12. Enviar antecipadamente aos professores: Da mesma forma que o PC estuda ao produzir a pauta, o professor também estuda de forma prévia ao receber a pauta. É importante que o professor leia os textos recomen- dados, veja os vídeos a serem analisados. Já mobilize seu cognitivo para as ações do ATPC. Escolha cuidadosa do conteúdo: O conteúdo a ser estudado precisa ser contextualizado, ter significado ao meio esco- lar e atender as necessidades da escola. Pode derivar de apontamentos feitos em sa- la de aula, de reuniões anteriores, de indicadores previamente levantados como AAP. - Clareza quanto ao objeto de ensino em questão: O objeto de ensino precisa ser claro, precisa estar bem definido para não tornar a for- mação muito abstrata. Não podem ser de difícil compreensão, precisa estar visível na descrição da pauta. - Antecipação das possíveis dúvidas e utilização de estraté- gias adequadas. É importante prever algumas possíveis dúvidas e questionamentos sobre o que será apresentado, o estudo da pauta viabiliza esse preparo, em alguns momentos essas dúvidas até podem fazer parte de provocações já previstas.
  • 13. Quando nossa prática tornaQuando nossa prática torna--se obsoleta...se obsoleta... Ser formador é oferecer a teoria e as condições para aprimorar a prática. É reunir opiniões e concepções da equipe em torno de um projeto peda- gógico. É fazer com que os professores consigam ver além dos hábitos e conceitos adquiridos com a experiência e a formação inicial, por meio da sistematização do que ocorre em sala de aula. "Ao se tornar um forma- dor, dominando as estratégias e o conhecimento didático, o coordenador assume sua responsabilidade e seu papel decisivo para a aprendizagem dos alunos", finaliza Regina Scarpa.