R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Editorial 
duas décadas perdidas 
Valter Orsi 
Presid...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 3 
Sindimetal ajuda o Município a 
tornar Londrina mai...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
DESAFIO 
Sindimetal cria o CETEC para 
unir indústria...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Estímulo aos estudantes 
A criação do Centro de Trans...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Confraternização 
Festa comemora o 
Dia da Indústria ...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 7 
associativismo e das microempresas. “Orsi represent...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 9 
Osvaldo e Rosângela Sehnem 
– PERFILADOS LONDRINA 
...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Cristina e Victor Hugo Dantas 
COORD. ESTADUAL DA 
RE...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 11 
Marco Secco, Almir Gaspar, Ary Sudan e Milton Buen...
Maria Helena e 
Alberto Rapcham 
– INDREL 
Marco e Juliana Bomtempo 
– JUMBO 
Marian e Samir Elias Geha 
– POLÍCIA MILITAR...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 13 
Jurandir R. Oliveira, Alexandre Kireeff e Alexandr...
Luiz Kalinowski, Marco Bomtempo, 
Octávio Cesário e Wanderley da Silva 
– JUMBO E SOCIEDADE RURAL DO 
PR 
Mário Michelato,...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 15 
No último ano, milhares de novas empresas se torna...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
6º Prêmio Caixa 
Projeto vencedor produz 
energia sol...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Outros vencedores 
O projeto da Universidade Estadual...
Paraguai em ascensão, 
busca investidores 
Missão empresarial liderada pelo ministro paraguaio da Indústria e Comércio vem...
Ernesto Paredes, esse regime especial já intermediou 
a ida de 70 empresas para o Paraguai, sendo 75% 
delas brasileiras. ...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
paraguai: Boa opção para 
o setor metalmecânico 
“O s...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 21
Medidas disciplinares: Aplicação com 
Critério e Documentação adequada 
Advogada explica como proceder no caso de advertên...
Gestores de diversas empresas 
participaram do debate 
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 25 
Há cinco anos como 
referência no setor de 
rolame...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 
Luiz Alberto de Paula e 
Adelaide Nogueira 
Promax co...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 27 
informe publicitário 
Nilson Martins e 
exigências...
R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 28
Revista Sindimetal Londrina, edição número 37
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Sindimetal Londrina, edição número 37

1.001 visualizações

Publicada em

A revista traz informações da indústria metalmecânica do Paraná, em especial da região de Londrina.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.001
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Sindimetal Londrina, edição número 37

  1. 1. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Editorial duas décadas perdidas Valter Orsi Presidente SINDIMETAL Londrina Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecãnicas e de Material Elétrico de Londrina Rua Santa Catarina, 50 | 25º andar Fone/Fax (43) 3337.6565 www.sindimetallondrina.com.br www.facebook.com/sindimetal.londrina E X P E D I E N T E Diretoria / Efetivos Valter Luiz Orsi Ary Sudan Marcus Vinicius Gimenes Marco Antônio Bomtempo André Bearzi Edson de Angeli Alberto Rapcham Diretoria / Suplente Ricardo Cândido da Silva Conselho Fiscal Efetivos Luiz Moacyr Spagnuolo Carmine D’Olivo Junior Hamilton Iranaga Conselho Fiscal / Suplentes Maristela Lopes Silva Stephan Erich Gardemann Criação e Edição Edição Cláudio Osti - MTB 2217 Textos Cláudio Osti, Marcos Sanches Alves e Aurélio Albano Diagramação Fábio Osti Impressão Midiograf Tiragem 2.500 unidades Fechamento da Edição 26/08/2014 H á um humorista brasileiro, o José Simão, que diz sempre que quem fica parado é poste. Se a gente olhar para as últimas duas décadas, podemos dizer com segurança que faltou pouco para Londrina se tornar apenas um poste no cenário político e econômico do Paraná. Quatro governadores saíram daqui – José Hosken de Novaes, José Richa, Álvaro Dias e Beto Richa. A cidade, em vários momentos, foi o termômetro da política do Paraná. Mas, em algum momento, esta terra vermelha perdeu o bonde do desenvolvimento. E os números comprovam isso e são acachapantes. A previsão é de que este ano Curitiba arrecade R$ 730 milhões em ICMS; em segundo lugar vem São José dos Pinhais com R$ 387 milhões; depois Araucária, com R$ 331,6 milhões e, em quarto lugar, mas com menos do que a metade da arrecadação de Araucária, vem Londrina, com R$ 142 milhões. Há alguns anos, Londrina era a segunda da lista. Hoje estamos colhendo o quase nada que foi plantado ao longo das últimas duas décadas. A nossa região perdeu força econômica e política e isto reflete em todos os setores. Londrina precisa de uma agenda positiva para melhorar a autoestima da população e chacoalhar a nossa política e a nossa economia. Mas não aquela agenda política de muito barulho e pouca efetividade. É preciso que esta agenda seja realmente de fatos positivos que gerem mudanças perenes para nossa cidade. Temos conversado com várias entidades e com o prefeito Alexandre Kireeff que também tem o mesmo entendimento que o nosso. Temos levado a ele as demandas e ele tem demonstrado boa vontade em resolver. O melhor caminho para sair deste marasmo é juntar forças e propor e cobrar soluções. Acredito que estamos iniciando um novo momento. Não será fácil recuperar o tempo perdido, mas o primeiro passo foi dado.
  2. 2. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 3 Sindimetal ajuda o Município a tornar Londrina mais limpa Parceria resultou em lixeiras que poderão ser espalhadas nas ruas da cidade sem grandes custos As lixeiras estão instaladas em 60 pontos do Lago Igapó CIDADANIA A prefeitura de Londrina convidou o Sindimetal a participar da elaboração de um projeto inovador para a limpeza da cidade: a criação de uma lixeira que atendesse ao perfil do município. Valter Orsi, presidente do Sindimetal, explica que a iniciativa deste projeto partiu do Instituto de Pesquisas e Planejamento Urbano de Londrina (IPPUL), que convidou o Sindicato a desenvolver um protótipo que fosse resistente – principalmente contra o vandalismo –, basculante e que ao mesmo tempo fosse de simples fabricação. “A prefeitura tinha esse desafio e, por meio do IPPUL, nos apresentou a necessidade dessa lixeira. O problema é que eles não tinham definido um projeto de como ela seria”, revela. Sabendo das limitações do município e do alto custo que a licitação de um projeto como este acarretaria aos cofres públicos, o Sindimetal topou a parceria e convidou as empresas associadas para participarem deste projeto. “Solicitamos aos técnicos da empresa Indusfrio que desenvolvessem o projeto da lixeira, depois a Perfilados Londrina executou a construção do protótipo a preço de custo e o Sindimetal doou duas peças à prefeitura, para que, por meio da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), fossem realizados os testes”, conta Orsi. Segundo ele, foram praticamente 30 dias de pesquisa, estudos de processos, layout e elaborações de protótipos, até alcançarem um modelo que atendesse ao que tinha sido solicitado. “Chegamos a um protótipo com duas lixeiras resistentes, com proteção que não deixa que a água da chuva se acumule nos cestos e um sistema basculante que não permite que lixo caia no chão quando acionado. Mas o principal disso é que, se a prefeitura precisar comprar amanhã milhares dessas lixeiras, qualquer empresa tem condições de fabricá-las, pois ela foi desenvolvida dentro de um sistema simples de produção e com um projeto aberto”, explica Orsi. Para Humberto Carneiro Leal, diretor de Projetos do IPPUL, “contar com o apoio do Sindimetal foi muito importante. Acompanhamos o Sindicato na elaboração do projeto e depois de pronto o resultado foi excelente. Esse é um tipo de lixeira que pode ser adotado em qualquer área urbana do município, como praças e áreas de passeio”, explica Leal. Atualmente as lixeiras estão em testes no Lago Igapó, em 60 pontos diferentes da via. “O retorno da CMTU sobre as lixeiras em teste é bem positivo, tanto que o projeto que estamos desenvolvendo, de revitalização da Avenida Saul Elkind, conta com a utilização de aproximadamente 180 lixeiras como estas”, complementa Leal. Orsi comenta que o feedback da prefeitura tem sido positivo e que as lixeiras têm atendido a expectativa. “Essa parceria entre o Sindimetal e o IPPUL irá propiciar benefícios para toda a comunidade londrinense e é motivo de orgulho para nosso sindicato”, finaliza.
  3. 3. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 DESAFIO Sindimetal cria o CETEC para unir indústrias e universidades Centro de Transferência de Tecnologia do Sindimetal é uma iniciativa pioneira que já conta com universidades parceiras A proximar o setor produtivo das universidades com um modelo inovador, inédito no país, beneficiando os dois setores, essa é a proposta do CETTEC. A maioria das universidades e centros de pesquisas possui estruturas que têm a função de interagir com o mercado empresarial, mas com foco nas soluções para suas demandas. Já o CETTEC é um serviço inovador no país, pois busca a interação das empresas com as diversas universidades e centro de pesquisas parceiras, mas com foco na necessidade tecnológica das indústrias do setor metalmecânico. “Ambos têm benefícios com essa parceria, mas o foco do CETTEC está na empresa, o que torna o projeto diferente de tudo o que já vimos”, destaca Ricardo Magno, do Sebrae. Esse é o objetivo do Centro de Transferência de Tecnologia do Sindimetal (CETTEC), uma iniciativa que teve início recentemente com visitas às universidades. “O Sindimetal quer levar as necessidades das empresas em relação à inovação, às novas tecnologias, para os bancos das universidades, para que os dois setores possam interagir”, explica o empresário Valter Orsi, presidente do Sindimetal Londrina. “Esse é o grande desafio, nosso papel é fazer essa aproximação para que os dois lados saiam ganhando: a empresa obtém modernização de ponta e a universidade amplia seu campo de pesquisa e de desenvolvimento tecnológico, ou seja, resultados de êxito para ambos. Esse convênio que estamos criando pretende ser um facilitador nesse processo”, completa Orsi. Ele lembra que no Brasil há uma barreira invisível entre as universidades e empresários, uma cultura que dificulta parcerias benéficas a ambos. “Não existe essa ligação, ao contrário do que acontece em outros países. Nas principais economias do mundo, a união entre a universidade e as empresas tem papel preponderante no desenvolvimento e
  4. 4. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Estímulo aos estudantes A criação do Centro de Transferência de Tecnologia do Sindimetal (CETTEC) faz parte de um trabalho de aproximação com a pesquisa científica que o Sindimetal idealizou há alguns anos, em parceria com o Senai-Londrina e Caixa Econômica Federal. Trata-se do Prêmio Caixa de Projetos Inovadores com Aplicabilidade na Indústria, que teve a sua 6ª edição realizada este ano, em maio, durante a 10ª Feira EletroMetalCon. Alunos de todo o Brasil, de graduação e pós-graduação, podem todos os anos inscrever seus trabalhos no Prêmio Caixa. O objetivo do Sindimetal é justamente iniciar essa aproximação entre as empresas do segmento metalmecânico com a academia, incentivando também o empreendedorismo em projetos que contribuam com o desenvolvimento econômico, social e tecnológico do país. “Nossa ideia é estimular alunos e professores para que os trabalhos de conclusão de curso e as pesquisas desenvolvidas nas universidades tenham foco na indústria”, explica Valter Orsi, presidente do Sindimetal. Com o Prêmio Caixa, o objetivo é estimular os alunos e professores a pensarem sempre no mercado, no que o mercado precisa. “Os resultados já estão aparecendo. Hoje o Prêmio é nacional e dele participam universidades de vários estados brasileiros. Muitos dos produtos e processos inovadores apresentados nas edições do Prêmio Caixa já estão sendo incorporados pelas indústrias”, comemora Valter Orsi. (Leia mais sobre o Prêmio Caixa na página 16). fortalecimento da economia. De forma pioneira, estamos começando a fazer isso em Londrina”, destaca o presidente do Sindimetal. “As universidades, com seus mestres e doutores, podem ajudar a melhorar os produtos existentes e criar novos produtos e processos que vão agregar valor às empresas, tornando- -as mais competitivas. Queremos que essas parcerias façam com que as pesquisas tenham aplicabilidade no dia a dia das empresas”, completa. Como é um processo inédito, o Sindimetal convidou o Sebrae para participar e criar um modelo inovador para que essa aproximação entre indústrias e universidades efetivamente funcione. “Já fizemos a seleção do profissional que vai fazer essa ligação. O papel dele será aproximar os dois lados. Os trabalhos já começaram”, destaca Valter Orsi. Esse é o caminho! Para o empresário Marcus Vinicius Gimenes, diretor da MGL – Mecânica de Precisão, a iniciativa do Sindimetal é um bom avanço. “Aqui na MGL já buscamos essa aproximação com a academia através de convênios com a UTFPR, e também com o Senai. É um caminho que todas as empresas devem fazer, de se integrar com os centros de pesquisa”, destaca. “Sempre foi uma política da MGL ajudar a formar universitários, através de visitas técnicas de grupos de alunos, por exemplo”, explica. Com o Senai, é feito um trabalho de desenvolvimento de softwares para a MGL; com a UFTPR, a empresa tem um trabalho conjunto com alunos de pós-graduação, que ajudam através de pesquisa aplicada para o desenvolvimento de novos materiais e de novos processos industriais. “Agora, o Sindimetal estimula essa aproximação dos seus associados com a pesquisa científica, e eles podem enxergar na academia ganhos de processos, inovação e também novos produtos”, completa o empresário. 5
  5. 5. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Confraternização Festa comemora o Dia da Indústria Evento realizado em Londrina reuniu 700 pessoas. Fiep homenageou empresários que se destacaram para o desenvolvimento da região M ais de 700 pessoas, entre empresários e lideranças do setor industrial, estiveram presentes na 7ª Festa em Comemoração ao Dia da Indústria, que é celebrado no dia 25 de maio. O evento foi promovido pelo Sindimetal Londrina, Sinduscon- -Norte, Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil) e Federação das Indústrias do Estado Paraná (Fiep), na noite de 23 de maio, no Buffet Planalto. Na festa foram divulgados os três primeiros colocados do Prêmio Caixa de Projetos Inovadores. Animação da Festa: Orquestra Vitor Gorni e Banda Madry in Concert. Durante o evento a Fiep, através do seu presidente Edson Campagnolo, homenageou três empresários que se destacaram na contribuição para o desenvolvimento econômico e social da região Norte: o presidente do O presidente do Sindimetal Londrina, Valter Orsi, entre a esposa Jane e o coordenador da Fiep Londrina Ary Sudan, homenageado pela Fiep com o Mérito Industrial Sindimetal Londrina, Valter Orsi, proprietário da Indusfrio – Indústria de Refrigeração Ltda., e João Sequeira Cardoso e Oliveira, da indústria Moval – setor moveleiro do Norte do Paraná, que foram condecorados com a medalha do Mérito Industrial da Fiep. Houve ainda uma homenagem especial in memoriam a Francisco Marcos Pennacchi, de Arapongas. Os homenageados Segundo a Fiep, a homenagem a Valter Orsi se deve ao destaque que ele tem como liderança do setor empresarial, por sempre buscar a defesa do
  6. 6. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 7 associativismo e das microempresas. “Orsi representou os legítimos interesses de sua classe, em cargos diretivos e de comando em entidades como Sindimetal Londrina, Acil e Fiep. Consciente de que o empresário, pela sua condição natural é também um líder na comunidade onde atua, Orsi engajou-se na defesa da educação. É mantenedor do projeto Bom Aluno, que incentiva alunos de baixa renda, e da Junior Achievement, que leva o empreendedorismo para dentro das escolas”, destacou a Fiep na homenagem. “Fico extremamente feliz por se tratar de uma homenagem feita pela Fiep, entidade respeitada em todo o Brasil e que busca melhorias para todos nós empresários”, disse Orsi. “Todos nós que aqui estamos nos dedicando na indústria em busca do bem comum para toda a sociedade”, acrescentou. Outro homenageado foi João Sequeira Cardoso e Oliveira, um dos principais líderes do setor moveleiro da região Norte. Diretor-presidente da Moval – Móveis Arapongas Ltda., foi um dos fundadores do Sima, Sindicato da Indústria Moveleira do município. “Em sua trajetória, não mediu esforços para fortalecer o setor em Arapongas. A construção do edifício Palácio da Indústria e Comércio e do pavilhão de exposições Expoara, que ajudam a atrair novos negócios para a cidade”, destacou a Fiep. “Divido esse momento de muita emoção com minha família, meus amigos e meus colaboradores”, afirmou Oliveira. Na região Norte, a Fiep fez ainda uma homenagem in memoriam ao empresário Francisco Marcos Pennacchi, falecido em novembro do ano passado. “Diretor do Grupo Pennacchi, de Arapongas, ficou conhecido na cidade pela tenacidade com que abraçava causas sociais e da indústria. Foi um grande incentivador da instalação do Sesi na região, para levar atendimento de saúde e atividades culturais e esportivas aos trabalhadores”, destacou a Fiep A 7ª Festa em Comemoração ao Dia da Indústria também encerrou a programação da Semana da Indústria 2014, promovida pela Fiep no interior do Paraná. Charme e alegria na Festa da Indústria A indústria do Norte Dados da Fiep indicam que a região Norte abriga 8,9 mil estabelecimentos industriais (17% do total do Estado), que empregam 143 mil trabalhadores (também 17% do total). Os setores que geram mais empregos na região são: Alimentos (24,1%), Construção Civil (14,6%), Vestuário & Acessórios (12,8%), Móveis (11,6%) e Produtos de Metal (4,7%). Os cinco setores respondem por quase 68% dos empregos industriais
  7. 7. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná, Edson Campagnolo, ao lado do presidente do Sindimetal Londrina, Valter Orsi, acompanhados de diretores e presidentes de entidades da Indústria do Paraná Bethânia Marconi, Thays Bárbara Pagnan e Mariana Vidotti – GRASSANO Jane e Valter Orsi, com o prêmio Mérito Industrial Charles Vezozzo, Clóvis Coelho e Heverson Feliciano – PUC, FIEP e SEBRAE Clóvis Baratta Júnior e Paula Gabarrom – ELECTROMAN Maria Aparecida Martins e Oliveira e João Cardoso Oliveira – MOVAL Vanessa e Wellington Ferreira – SICREDI
  8. 8. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 9 Osvaldo e Rosângela Sehnem – PERFILADOS LONDRINA Lara Real, Jusmara Renosto e Laís Paludetto – CASA DA INDÚSTRIA Wilson e Elisa Hirata – UNIPRIME Rose e Edson de Angeli – CROMADORA LONDRINENSE Célia e Erivelto Catussi – PLAENGE Sandra e Nivaldo Benvenho – MIDIOGRAF Albertino Pires e Donizete Ruba – RESILONDRI Dr. Dorival Arantes e Lígia Barroso – MINISTÉRIO DO TRABALHO Max e Valéria Beckert – MONTASA
  9. 9. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Cristina e Victor Hugo Dantas COORD. ESTADUAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE LONDRINA Ernani Lauriano Rodrigues e Neuza Zaia Rodrigues – METALSOMA Fernando Bizarro e Adir Hannouche – COPEL Guilherme Kaminagakura, Bruna Sorian e Cirilo Peralta – MQAPAR – ISAE Jane Orsi e Kátia Alves Susan Naime, Rosane Copobianco, Cláudia Pechin e Bárbara Della Libera – ACIL Ary e Carmen Sudan – RONDOPAR Ricardo Cândido da Silva e Solange Rosado Silva – PTE PERFILADOS Hélder e Marina Orsi – INDUSFRIO
  10. 10. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 11 Marco Secco, Almir Gaspar, Ary Sudan e Milton Bueno – SISTEMA FIEP Luiz Carlos Hauly e Luiz Renato Eronéia e Marcelo Ruths Ferreira – IGUAÇUMEC Patrícia Pedalino e Erci Vicente – ADVOCACIA GRASSANO Lucilene e Vanderlei Furlan – SESI LONDRINA Malu e Stephan Gardemann – PADO Maria Angelina Yano e Paulo Yano – METALSOMA
  11. 11. Maria Helena e Alberto Rapcham – INDREL Marco e Juliana Bomtempo – JUMBO Marian e Samir Elias Geha – POLÍCIA MILITAR Oziel e Lislie Oliveira – UNIMED R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Mariana Valério e Marcus Vinicius Gimenes – MGL-MULTIMETAL Kimiko e Atsushi Yoshii – A. YOSHI André e Milaine Bearzi – AESA Helen Orsi e Sérgio Pacheco – GOLDEN BLUE HOTEL
  12. 12. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 13 Jurandir R. Oliveira, Alexandre Kireeff e Alexandre Teixeira – FOMENTO PR E PREF. LONDRINA Ana Francisca, Shirley, Gabrielle, Antônio Ricardo Pacheco e Ricardo Yonamine – ALUMIPAC Rony Alves – Pres. Câmara DE Vereadores Equipe do Sindimetal: Jéssica Martins, Juliana Quini, Priscilla Filgueiras, Daiane Torres e Fernanda Delfino Associar uma linha completa de produtos e serviços a grandes valores da vida. O Sicoob é assim. Associado ao que há de melhor. Associado a você. Central de Atendimento: 0800 642 0000 Ouvidoria: 0800 725 0996 Decientes auditivos ou de fala: 0800 940 0458 Saiba mais: www.associadoavoce.com.br Campanha produzida com a participação de associados do Sicoob, pessoas que já usufruem o que existe de melhor em soluções nanceiras.
  13. 13. Luiz Kalinowski, Marco Bomtempo, Octávio Cesário e Wanderley da Silva – JUMBO E SOCIEDADE RURAL DO PR Mário Michelato, Aparecido Gobetti, Tom Nakamura e Milton Moraes – SICOOB José Carlos Rodrigo, Elcio Coelho de Lara e Rogério Molina – CAIXA R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Jane e Valter Orsi – INDUSFRIO Osmar e Kátia Alves – SINDUSCON Edson Luiz Campagnolo e Sueli Campagnolo – PRESIDENTE DA FIEP Rafael Lamastra e Flávio Balan – REDE MASSA – ACIL
  14. 14. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 15 No último ano, milhares de novas empresas se tornaram clientes CAIXA. Isso porque toda empresa pede um parceiro que entenda suas demandas e possa oferecer soluções financeiras para cada situação. Seja para capital de giro ou investimento, para folha de pagamento ou antecipação de recebíveis, conte sempre com o banco das melhores taxas. caixa.gov.br SAC CAIXA: 0800 726 0101 (informações, reclamações, sugestões e elogios) Para pessoas com defi ciência auditiva ou de fala: 0800 726 2492 Ouvidoria: 0800 725 7474 facebook.com/caixa twitter:@caixa PROGRAMAÇÃO DE TREINAMENTOS DATA CURSO INSTRUTOR(A) C.HR HORÁRIO DO CURSO 02 e 03 de Setembro PLANO DE MARKETING REGINA NAKAYAMA 8h 19h às 23h 08 a 11 de Setembro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGINA NAKAYAMA 16h 19h às 23h 06 e 07 de Outubro 2ª TURMA LÍDER COACH VALÉRIA WILEMANN 12h DIA 06/10: 08h às 18H DIA 07/10: 08h Às 12h 13 a 16 de Outubro COMO SELECIONAR, CONTRATAR, REMUNERAR E PREPARAR OS FUNCIONÁRIOS MARILUCIA RICIERI 15h 19h às 23h 10 a 12 de Novembro COMO GERENCIAR COMPRAS E CONTROLAR ESTOQUES CHARLES VEZOZZO 12h 19h às 23h 17 a 20 de Novembro 2ª TURMA: COMUNICAÇÃO ASSERTIVA – COMPETÊNCIA ESSENCIAL NA VIDA E NO TRABALHO CRISTINA MAIA MENDES 15h 19h às 23h 3 de Dezembro A COMUNICAÇÃO COMO FATOR DE ENCANTAMENTO E FIDELIZAÇÃO SILVANA DE OLIVEIRA 4h 19h às 23h 08 e 09 de Dezembro ORATÓRIA: COMO FALAR EM PÚBLICO MARIA CRISTINA CONSALTER 16h DIA 08/12: 08h às 18H DIA 09/12: 08h às 12h
  15. 15. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 6º Prêmio Caixa Projeto vencedor produz energia solar mais barata Sistema de captação desenvolvido por aluno de mestrado da PUC-Rio pode ser utilizado em espaços abertos, com custos bem menores R eduzir significativamente os custos da conta de luz a partir de um coletor solar inovador que produz energia elétrica mais barata e que pode ser instalado em espaços abertos de fábricas, galpões, terrenos vazios, pequenos sítios ou fazendas. É isso o que propõe o projeto “Coletor Solar Fotovoltaico com Resfriamento Passivo e Capacidade de Isoconcentração”, do estudante de mestrado Hugo Francisco Lisboa Santos, do curso de Engenharia Mecânica da PUC-Rio. Ele ficou em primeiro lugar no 6º Prêmio Caixa de Projetos Inovadores com Aplicabilidade na Indústria Metalúrgica, Mecânica, Eletrônica, Materiais Elétricos e Construção Civil. O projeto de Hugo Santos foi um dos selecionados durante a 10ª Feira EletroMetalCon, realizada entre 6 e 9 de maio em Londrina. O anúncio das classificações foi no dia 23 de maio, durante a 7ª Festa da Indústria. O vencedor recebeu R$ 10 mil (veja os outros classificados abaixo). Segundo Santos, o projeto tem o objetivo de reduzir drasticamente – de 50% a 80% – o custo de geração de energia a partir de células fotovoltaicas. “Utilizamos Vencedores do Prêmio Caixa um aparato reflexivo para concentrar os raios solares em uma única célula. Ou seja, cada célula passa a receber os raios solares com maior intensidade e a produzir mais energia, de 5 a 20 vezes mais, dependendo do formato do refletor”, explica. “Esse refletor tem uma forma especial, desenvolvida nesse trabalho, denominada superfície isoconcentradora”, completa. Para diminuir o aquecimento das células, problema que reduz a eficiência dos coletores solares, o projeto prevê um sistema passivo de dissipação de calor. E um sistema de posicionamento garante o melhor alinhamento com os raios solares ao longo do ano. “Até o momento, já conseguimos resultados bastante positivos: fizemos com que uma placa de 150 Wp, que hoje custa R$ 800, possa custar menos de R$ 300. Em 3,5 anos o usuário paga o investimento. Mas nossa meta é reduzir ainda mais esse custo, fazendo com que caia para menos de R$ 160”, ressalta. Foi a primeira vez que Santos participou da Feira EletroMetalCon e do Prêmio Caixa, que ele classifica como uma experiência única. “Com o Prêmio, consegui dar visibilidade ao projeto e ainda ter alguma verba para continuar a pesquisa. Com a EletroMetalCon, entrei em contato com empresários dos mais diversos setores”, comemora. “Esse prêmio é um grande estímulo para continuar minhas pesquisas.” Ele ressalta a qualidade dos projetos apresentados, por isso não tinha a certeza de que seria o vencedor. “Os três trabalhos vencedores tinham um nível muito bom. Então, a meu ver, qualquer um deles poderia ter alcançado o primeiro lugar.” Ele destaca ainda que o Prêmio Caixa contribui para a integração entre a produção científica das universidades e o setor industrial. “Os trabalhos em desenvolvimento têm a possibilidade de contato com potenciais interessados ou investidores”, avalia.
  16. 16. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Outros vencedores O projeto da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná, ficou com a segunda colocação e recebeu R$ 5 mil. Os autores foram os estudantes de mestrado em Engenharia Urbana, Hugo Sefrian Peinado e Marco Sefrian Peinado. O assunto do projeto é “Sistema de Proteção Contra Queda de Colaboradores para Trabalhos em Altura na Execução de Estruturas em Concreto Armado Moldadas no Local”. Já a terceira colocação, que recebeu a premiação de R$ 3 mil, foi para o projeto “Sistema de Monitoramento de Atividades Domésticas (SMAD) – Uma Aplicação de Automação Residencial Voltada para Idosos”, do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT/SP), apresentado pelos estudantes do curso de Engenharia Elétrica e Engenharia de Automação, Pedro Henrique Paulesini Cella, Alberto Kenji Constantino Sato, Caio Valdevite Pinto e Raul Stefano Datoro. Resultados positivos O Prêmio CAIXA de Inovação bateu recorde de inscrições em 2014, com o triplo de projetos inscritos, se comparados a 2013. A comissão julgadora avaliou 35 projetos vindos de sete estados: São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Amazonas, Distrito Federal (GO) e Paraná. Todos os projetos inscritos são avaliados por mestres e doutores. Desta avaliação saem os três projetos vencedores. Estes são julgados por uma comissão de 30 empresários, durante a 10ª edição da Feira EletroMetalCon, para definição da colocação de 1º, 2º e 3º lugares. O Prêmio O Prêmio, de abrangência nacional, é promovido pelos realizadores da Feira EletroMetalCon – Feira Eletromecânica e Construção Civil –, que são o Sindimetal Londrina; Senai Londrina e Sinduscon-Norte/ PR, que contam com o patrocínio da CAIXA. Idealizado pelo Sindimetal, o Prêmio CAIXA é dirigido a graduandos e pós-graduandos de universidades, centros universitários, faculdades do Brasil, e tem o objetivo de aproximar as empresas com a academia e incentivar o empreendedorismo em projetos que venham a contribuir para o desenvolvimento econômico, social e tecnológico das indústrias de Londrina e região. Hugo Santos recebe o prêmio de primeiro lugar das mãos de Edson Campagnolo, Valter Orsi e Alexandre Kireeff O segundo lugar ficou com Hugo Sefrian Peinado e Marco Sefrian Peinado. Prêmio entregue pelo então presidente da Acil, Flávio Balan O terceiro lugar ficou com os estudantes Pedro Henrique Paulesini Cella, Alberto Kenji Constantino Sato, Caio Valdevite Pinto e Raul Stefano Datoro 17
  17. 17. Paraguai em ascensão, busca investidores Missão empresarial liderada pelo ministro paraguaio da Indústria e Comércio vem a Londrina para mostrar que país tem boas parcerias para oferecer aos empresários locais Empresários do Norte do Paraná participaram da palestra com o Ministro do Paraguai R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 NOVO MERCADO C ustos menores de produção, com energia elétrica barata, baixa carga tributária, leis trabalhistas mais flexíveis e incentivos fiscais são itens que fazem parte da lista de reivindicações de qualquer empresário brasileiro. É uma realidade que parece distante, mas está logo ali, no vizinho Paraguai. É isso que conferiu o grupo da Missão Empresarial do Paraguai ao Brasil, que visitou alguns estados brasileiros e esteve em Londrina no dia 30 de maio para falar do seu país a possíveis investidores. Aqui, quem recebeu a Missão foi um grupo de 120 empresários do Norte do Paraná – dos setores metalmecânico, alimentos e madeireiro, de Londrina, Arapongas, Apucarana, Bandeirantes e outras cidades da região – que participaram de encontro na coordenadoria da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em Londrina. A Missão do Paraguai ao Brasil, organizada pela Fiep e pelo Centro Internacional de Negócios do Paraná (CIN), foi liderada pelo ministro da Indústria e Comércio do país, Gustavo Leite. “Temos um futuro de sucesso para compartilhar com vocês”, conclamou. Segundo ele, o país vive uma situação bastante estável, com crescimento econômico, inflação sob controle, boa capacidade para tomar crédito no exterior, duas vezes mais reservas do que o montante de dívidas, e liberdade total para movimentar capitais. “O empresário brasileiro pode investir no Paraguai e ganhar dinheiro”, garante o ministro. O gerente de Relações Internacionais da Fiep, Reinaldo Tockus, destacou os resultados da Missão
  18. 18. Ernesto Paredes, esse regime especial já intermediou a ida de 70 empresas para o Paraguai, sendo 75% delas brasileiras. Antes de Londrina, a Missão do Paraguai passou por São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em Londrina, contou ainda com a participação do Diretor Nacional da Rede de Investimentos e Exportações (REDIEX), Raul Florentin e do Presidente da Câmara das Empresas de Maquila no Paraguai, Andrés Gwyn, além de diretores a Fiep. O ministro da Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, fala a empresários da região: “Vamos trabalhar juntos” R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Empresarial Brasil-Paraguai, realizada em março de 2014, que contou com a participação de 188 empresários de 10 estados brasileiros, entre eles o Paraná. “A intenção da Fiep é que o Paraguai se integre ao Brasil através do Paraná. Existe uma série de vantagens em investir no Paraguai. É um país interessante para as empresas que usam muita mão de obra e muita energia, que é 65% mais barata no país vizinho. O Paraguai se transformou em boa opção de internacionalização para as empresas brasileiras”, afirma Tockus. O coordenador de Londrina da Fiep, Ary Sudan, concorda que o Paraguai tem condições bastante vantajosas. “A tributação é um terço da carga brasileira, ficando em torno de 13 ou 14%. O país tem mão de obra jovem, sem vícios, e que se for treinada pode ser muito boa. A legislação trabalhista também é uma vantagem, é voltada ao estímulo da produção, bem parecida com a dos Estados Unidos”, destaca. Para atrair os investidores, o Paraguai oferece uma série de incentivos. Um deles é o chamado Regime de Maquila, que prevê incentivos para a instalação de empresas visando à exportação, como isenções fiscais e apenas 1% de imposto para a indústria de transformação. A lei permite que o empresário envie matéria-prima para que sua fábrica produza no Paraguai e exporte para o Brasil ou outros países. Segundo o Diretor Executivo do Conselho Nacional das Indústrias de Maquila de Exportação (CNIME), “Somos um país sério”, diz ministro paraguaio É fato que existe um preconceito contra o Paraguai no Brasil e no mundo e o governo paraguaio sabe disso. Por isso, o empenho para mostrar a imagem de um “novo Paraguai”. Números recentes da economia paraguaia mostram essa nova realidade: o país conquistou o terceiro maior crescimento econômico do mundo em 2013, de 14,1%. Para este ano, o Banco Mundial projeta crescimento em níveis mais “normais”: 4,8% – bem acima do que vai crescer o Brasil, por exemplo. A base da economia paraguaia ainda é a agropecuária, mas o setor industrial ganha espaço por causa da abertura econômica e dos incentivos, principalmente os impostos baixos, que têm atraído empresários estrangeiros, grande parte brasileiros. “Não somos a Suíça, não somos a Suécia, somos o Paraguai, um país pequeno que pode ser uma boa oportunidade para investimentos. Somos um país sério, onde todo mundo cumpre a lei. Queremos ser a nova Cingapura da América do Sul. Estamos caminhando para um novo Paraguai. Venham nos visitar, esperamos vocês lá. Vamos trabalhar juntos para conquistar o mundo”, enfatiza o ministro paraguaio da Indústria e Comércio, Gustavo Leite. 19
  19. 19. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 paraguai: Boa opção para o setor metalmecânico “O setor metalmecânico é um dos que pode se beneficiar com as vantagens oferecidas pelo Paraguai, porque essas indústrias empregam muita gente e gastam bastante energia na produção”, destaca o coordenador da Fiep em Londrina, Ary Sudan. Algumas empresas já estão com o processo de investimento no país vizinho bastante avançado. Moacir Gimenes, diretor da Multimetal, indústria automotiva de Cambé, conta que já fez três incursões ao Paraguai, levado pela Fiep. “Há um ano mantemos contatos. Ainda não investi, mas vamos entrar no país com um novo negócio, de metalurgia em alumínio”, conta Gimenes. Segundo ele, as vantagens oferecidas compensam. “A questão é que o Brasil está me expulsando com tantos impostos e com os problemas com o sindicato da categoria profissional. O Paraguai é uma opção, sem dúvida, pois as novas leis permitem mais competitividade. Ter uma fábrica aqui ou no Paraguai é a mesma coisa, uma distância de 300 ou 400 quilômetros a mais não faz diferença.” Luis Carlos André, da Rondopar e Tamarana Metais: “Oportunidade impressiona” Para o empresário Luiz Carlos André, diretor da Rondopar e da Tamarana Metais, as condições oferecidas pelos paraguaios são tentadoras. “É preciso ter a garantia de que o que eles estão prometendo vai se realizar”, ressalva. “Mas para nós, empresários brasileiros, que temos tantos impostos, essa oportunidade impressiona. Estou fazendo estudos para investir lá. Já fui duas vezes, recentemente, e percebemos muitas mudanças, principalmente na capital, nas estradas. Então, o Paraguai hoje é uma boa opção, principalmente porque a carga tributária no Brasil vai contra a competitividade. É normal que procuremos o melhor para nosso empreendimento.” “O Paraguai veio buscar investidores, e estamos recebendo propostas. Nessa economia globalizada, é uma oportunidade para o empresário brasileiro se internacionalizar”, ressalta Ary Sudan, da Fiep. “Somos familiarizados com a cultura paraguaia. Hoje eles têm um governo com visão de futuro. Quem conhece o Paraguai, e não apenas a fronteira com o Paraguai, sabe que é um país sério”, completa. Moacir Gimenes, da Multimetal: “Vamos entrar no Paraguai com um novo empreendimento”
  20. 20. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 21
  21. 21. Medidas disciplinares: Aplicação com Critério e Documentação adequada Advogada explica como proceder no caso de advertências, suspensões e demissão por justa causa para evitar passivos em ações trabalhistas e muita dor de cabeça para o empresário A advogada Bethânia Marconi explica como devem ser os procedimentos em caso de punição R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 do funcionário, até com testemunha do ato gerador. Sugiro que advertências e suspensões sejam sempre documentadas por escrito”, observa a Dra. Bethânia. Antes de adotar uma política de punições, as empresas têm que fazer todo um trabalho de orientação e de treinamento sobre as regras, que devem ser claras, disponíveis e projetadas para os funcionários de forma reiterada, para evitar que se alegue desconhecimento. “Se o funcionário alegar que não sabia sobre a regra interna, a empresa deve lembrar a participação em treinamentos, fazer uso das listas de presença. Enfim, é preciso que a empresa aja preventivamente para punir com segurança”, orienta. As consequências de uma punição aplicada incorretamente vão desde uma ação trabalhista com pedido de reversão, denúncia no Ministério do Trabalho por excesso de poder punitivo. “A Artigo Jurídico A punição de funcionários que cometem faltas no trabalho é uma ferramenta eficaz que os empresários devem usar para manter a sua empresa sob controle, e até para evitar prejuízos que podem até inviabilizar seu negócio. Mas essas punições devem ser feitas com critério e farta documentação, sob pena de gerar riscos de ações trabalhistas e, consequentemente, demandas ainda mais sérias que as faltas cometidas. A orientação é da advogada Bethânia Marconi, assessora jurídica do Sindimetal Londrina, integrante do escritório Grassano Associados de Londrina. Especialista em Direito Tributário e Trabalhista Empresarial, a advogada coordenou o debate jurídico “Saiba quando e como aplicar advertências, suspensões e justa causa”, realizado nos dia 5 e 26 de junho na sede do Sindicato das Indústrias Metal Mecânicas de Londrina (Sindimetal). Os eventos atraíram a atenção de mais de duas dezenas de empresas do setor, que participaram enviando representantes. “Sou uma defensora da aplicação das punições, porque os instrumentos estão previstos em lei. Às vezes a empresa fica com receio de adotar, por desconhecer seu direito, mas desde que a punição seja factualmente respaldada e formalizada, são muito grandes as chances de êxito”, defende a advogada. Ela alerta, entretanto, que punir “dá trabalho” e as empresas têm que ficar atentas sobre os procedimentos corretos. “É necessário que a empresa gere um dossiê dos fatos que provocaram a punição
  22. 22. Gestores de diversas empresas participaram do debate R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 É preciso documentar tudo, explicou a advogada Bethânia Marconi De indisciplina até desvios financeiros dentro da empresa Com base na sua experiência profissional, Dra. Bethânia Marconi destaca as faltas mais comuns que geram punições para funcionários: indisciplina, desídia e insubordinação, que se referem a atrasos recorrentes, falta injustificada, descumprimento de normas comuns de segurança e saúde do trabalhador, e outras regras que o empresário impõe no ambiente de trabalho. Mas há casos mais graves, e que podem gerar grandes prejuízos. A advogada afirma que vem percebendo, nos últimos tempos, um aumento muito grande nas demissões por justa causa pela chamada negociação habitual, por violação de segredo de negócio, e por ato de improbidade, ou seja, o funcionário causa prejuízos financeiros à empresa de forma maliciosa, deliberada. “No nosso escritório nunca havíamos registrado tantos procedimentos de justa causa motivados por formação de “quadrilhas”, que desviam desde matéria-prima até alterações nos procedimentos em departamentos financeiros. Às vezes, o problema começa no departamento de logística, passa pelo financeiro e pela produção. Um grupo de funcionários une-se com objetivo de desviar produtos acabados, matéria-prima, valores etc. Essas situações têm crescido de forma bem intensa”, relata. Por isso ela insiste em dizer que a punição é necessária. “Também insisto na adoção intensa de medidas preventivas, mas quando não são suficientes, a punição tem que ser aplicada. Faz parte da gestão do risco do negócio. O empresário precisa ter o controle do cumprimento das regras nas mãos, sob pena de prejuízo do negócio. A atuação de um grupo de empregados mal-intencionados pode inviabilizar um departamento inteiro da empresa, comprometendo o faturamento por meses. Há formas de agir e o empresário precisa saber como fazer”, completa. exposição humilhante e degradante dos funcionários punidos pode gerar ação civil pública com pedido de indenização por dano moral coletivo. Algumas empresas grandes já foram processadas pelo Ministério Público do Trabalho e condenadas judicialmente por adotar práticas punitivas excessivas que infringem a dignidade, a imagem e a honra dos funcionários dentro do ambiente de trabalho, em todo o setor ou até em toda a empresa”, explica. A advogada lembra que as formas de punição são advertência, suspensão disciplinar e as hipóteses de demissão por justa causa, que estão no artigo 482 da CLT. “Não é preciso seguir, obrigatoriamente, essa sequência. Algumas regras descumpridas podem ensejar demissão por justa causa sem passar pelas outras formas de punição, bastando um único ato. Outras precisam ser cometidas de forma reiterada, como ausência injustificada no trabalho e baixa produção.” Se não houver a documentação, o registro por escrito da punição, a defesa da empresa em um processo trabalhista fica mais complexa, exigindo prova testemunhal. “O ônus de provar as circunstâncias da punição ou da demissão justificada é do empregador. Por isso a importância de documentar todas as punições. Caberá à empresa provar o que ensejou a demissão por justa causa”, reitera a Dra. Bethânia. 23
  23. 23. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4
  24. 24. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 25 Há cinco anos como referência no setor de rolamentos Roberto Ávila: sistemas inovadores para atender melhor o cliente Homenagem O Sindimetal homenageia nesta edição, pelos seus cinco anos de fundação, a empresa Rolemais. Criada em 2010, ela incorporou a Rolemax, empresa onde o empresário Roberto Ávila iniciou suas atividades no ramo de rolamentos. Após a dissolução da sociedade, Roberto continuou o negócio ao lado de sua esposa, Débora Ávila. Ávila conta que a Rolemais dispõe de grande variedade de rolamentos. “Somos importadores e distribuidores das principais marcas de rolamentos. Recebemos materiais da China, Alemanha, Suíça, Japão, e de outros países”, explicou. O trabalho corpo a corpo realizado por Ávila no início do negócio foi essencial para identificar as demandas do mercado e conseguir parceria com os principais fornecedores de insumos do mundo. “Representamos as marcas Nachi, Koyo, SKF, Correias Continental, Dagross, tudo que há de melhor neste segmento, para atender desde uma pequena empresa até grandes indústrias.” Além da distribuição, outro diferencial da empresa são os cursos que a empresa oferece. “Temos um sistema de treinamento in company, dentro da própria instituição ou no nosso centro de treinamentos, onde ministramos cursos sem custo algum, visando melhorias e economia na manutenção do maquinário das empresas”, lembra. Hoje, a Rolemais conta com 10 colaboradores para atender ao mercado nacional e todo o Mercosul. De Paula Parts comemora 10 anos de inovação A empresa De Paula Parts é uma das homenageadas desta edição pelos seus 10 anos de fundação e empreendedorismo na cidade. Criada pelo empresário Luiz Alberto De Paula, hoje a empresa é uma referência no setor de barras axiais dentro do mercado de autopeças. De Paula conta que desde muito jovem aprendeu com um tio o ofício da tornearia mecânica e em pouco tempo já tinha sua própria empresa de torno e solda. Mas com o passar dos anos, viu a necessidade de evoluir com o mercado, vendeu sua primeira empresa e embarcou no ramo de recuperação de peças, onde mais tarde descobriu uma oportunidade no mercado e decidiu investir. Foi neste momento que surgiu a De Paula Parts. Com um sistema próprio de fabricação, a empresa
  25. 25. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 Luiz Alberto de Paula e Adelaide Nogueira Promax comemora cinco anos de atividades e recebe homenagem do Sindimetal O utra homenageada nesta edição foi a empresa Promax Usinagem, fundada há cinco anos pelo empresário Nilson Martins. Martins conta que a empresa nasceu pequena e que foi ganhando volume com o passar dos anos. “Trabalho neste ramo de usinagem há pelo menos 15 anos, é uma área que sempre gostei e por isso decidi montar minha própria empresa. Em 2009, nasceu a Promax em forma de microempresa, onde prestava serviços para os setores de construção civil”, comentou. O bom atendimento e a qualidade dos serviços prestados fizeram com que a empresa logo adquirisse uma boa qualificação no mercado e colaborou para que a Promax se desenvolvesse neste curto período de tempo. A Promax está permanentemente antenada com as trouxe para o mercado uma linha de barras axiais que, segundo os revendedores, “são melhores que as originais de fábrica”. Outro segredo de De Paula, foi o aprendizado que teve ainda quando jovem, além do perfil autodidata, que o ajudou a desenvolver o processo de usinagem a frio, que dá maior resistência ao produto sem comprometer a maleabilidade da matéria-prima. O aprendizado e a persistência serviram de subsídio para que ele inclusive criasse seu próprio maquinário. A De Paula Parts, além de barras axiais, também fabrica bieletas e buchas, para todas as linhas de automóveis. “Se sai um veículo novo no mercado, nós logo vamos atrás destas peças para iniciar a produção e não deixar o mercado na mão”, conta De Paula. Outra novidade que irá agregar ainda mais know how aos produtos é a certificação ISO 9001 e o certificado INMETRO que a De Paula espera adquirir até o final de 2014. “Estamos trabalhando para isso. Os nossos produtos já têm a confiabilidade do mercado, esses certificados servirão para comprovar o que estamos falando”, explica De Paula. A empresa conta com 36 funcionários e está mudando para um novo endereço para ampliar ainda mais sua produção que atende todo o mercado nacional. “Temos que nos adaptar para as exigências do mercado e a De Paula sempre primou pela qualidade em primeiro lugar”, finalizou.
  26. 26. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 27 informe publicitário Nilson Martins e exigências de mercado e está sempre ampliando a Sandi Souza oferta de novos serviços. “Continuamos a prestar serviço, mas hoje atendemos uma gama maior de setores, temos clientes do setor automobilístico, construção civil, equipamentos hospitalares, elevadores, setor agrícola, entre outros. Fazemos isso, pois temos a visão de que não podemos parar e que o mercado cresce na velocidade da luz”, revelou Martins. Segundo o empresário, a qualidade na prestação de seus serviços é tratada como obrigação dentro da filosofia da empresa. “Tratamos nossos clientes como parceiros e buscamos sempre a sua satisfação”, explicou. Após cinco anos de existência, a Promax deixou de ser uma empresa exclusivamente familiar e hoje emprega 9 funcionários. “A nossa vitória vem 1º de Deus, que nos coloca no caminho certo”, finalizou Martins. Parcerias alavancam Sicredi Em cinco anos, cooperativa triplica de tamanho em Londrina Paulo Ozelame: Cooperativa ajuda a fomentar a economia D esde 2010, quando passou a atuar fortemente na cidade, a Sicredi União PR/SP cresce, em média, 30% em Londrina. Nesse período, a cooperativa triplicou de tamanho, em ativos e passivos, com um volume crescente de operações de crédito e captação de recursos. Em número de associados, pulou de 8 mil para 30 mil. O que, afinal, pode ter alavancado crescimento tão expressivo em uma época em que as instituições financeiras, de modo geral, registram índices de apenas um dígito? Na opinião do diretor de negócios da Regional Londrina, Paulo Ozelame, é resultado, sobretudo, das parcerias firmadas pela Sicredi com sindicatos e associações. “A partir da nossa primeira grande parceria, com a ACIL, que nos deu grande visibilidade, vieram outras muito importantes”, afirma Ozelame. “São parcerias extremamente importantes, responsáveis pelo tamanho da cooperativa, hoje, na cidade de Londrina”, ele avalia. “E tenham certeza: outras vão surgir.” A Sicredi União oferece às empresas filiadas às entidades parceiras produtos e serviços dentro do pilar cooperativista, ou seja, em condições competitivas. “Ao firmar essas parcerias”, diz Paulo Ozelame, “a cooperativa faz o papel dela, de fomentar a economia local, de modo que todo recurso gerado por esses negócios fique na comunidade”.
  27. 27. R E V I S T A S I N D I M E T A L • J u l h o / A g o s t o 2 0 1 4 28

×