Fisiologia do
sistema
digestório
Prof Claudio Novelli
Junho/2015
CREF 35.946-G/SP
novelli.claudio@gmail.com
O SISTEMA DIGESTÓRIO
O sistema digestório humano é formado por
um longo tubo musculoso, ao qual estão
associados órgãos e ...
Funções Secretoras do Trato Digestório
Em todo o trato gastrintestinal, as glândulas têm
duas funções básicas: secreção de...
Funções Secretoras do Trato Digestório
As células mucosas expelem seu muco
diretamente para a superfície epitelial,
atuand...
Digestão e Absorção
Os alimentos de que depende o organismo, com
exceção de vitaminas e minerais, podem ser
classificados ...
Digestão e Absorção
As três fontes principais de carboidratos na dieta
humana são a sacarose (do açúcar), a lactose (leite...
Digestão e Absorção
Quase toda a gordura da dieta consiste em
triglicerídeos, que são combinações de três
moléculas de áci...
Digestão e Absorção
A digestão dos triglicerídeos também é feita por
hidrólise enzimática.
Embora pequena quantidade de go...
Digestão e Absorção
As proteínas são formadas por aminoácidos unidos
através de ligações peptídicas, e decompostas em
amin...
Boca
É a abertura pela qual o alimento entra no tubo
digestório. Aí encontram-se os dentes e a língua,
que preparam o alim...
Características dos dentes
Os dentes são estruturas duras, calcificadas, presas
ao maxilar superior e mandíbula, cuja ativ...
Características dos dentes
Os incisivos têm a forma de cinzel
para facilitar o corte do alimento.
Atrás dele, há três peça...
Língua
Movimenta o alimento,
empurrando-o à garganta, para
que seja engolido.
Na superfície da língua existem
dezenas de p...
Glândulas salivares
A presença de alimento na boca, assim como sua visão e cheiro,
estimulam as glândulas salivares a secr...
Glândulas salivares
Três pares de glândulas salivares lançam sua
secreção na cavidade bucal: parótida,
submandibular e sub...
Na deglutição, o
alimento passa para a
faringe e desta para o
esôfago.
O palato mole é
empurrado para cima,
fechando a par...
O alimento (bolo alimentar)
é empurrado pela língua
para o fundo da faringe, e
encaminhado para o
esôfago, impulsionado pe...
Quando a
cárdia
(esfíncter) se
relaxa,
permite a
passagem do
alimento para
o interior do
estômago.
Faringe
A faringe, situada no
final da cavidade
bucal, é um canal
comum aos sistemas
digestório e
respiratório: por ela
pa...
Esôfago
As secreções esofágicas são de caráter
inteiramente mucóide e basicamente
proporcionam lubrificação para a degluti...
O estômago é área de
pouca absorção no
trato digestório.
A maior parte da
absorção ocorre no
intestino delgado, que
possui...
Estômago
Segmento superior: é o mais
volumoso, chamado "porção
vertical". Este compreende, por sua
vez, duas partes superp...
Estômago
O estômago é uma bolsa de parede musculosa,
localizada no lado esquerdo abaixo do abdome,
logo abaixo das últimas...
Estômago
Quando está cheio de alimento, o estômago
torna-se ovoide ou arredondado.
As túnicas do estômago são quatro: sero...
Estômago
Os sucos digestórios do estômago (suco gástrico)
são secretados pelas glândulas gástricas, que
recobrem quase tod...
Estômago
As túnicas do estômago são quatro: serosa (o
peritônio), muscular (muito desenvolvida),
submucosa (tecido conjunt...
Estômago
A pepsina, enzima mais potente do suco gástrico, é
secretada na forma de pepsinogênio.
Como esse estado é inativo...
Estômago
A pepsina, ao catalisar a hidrólise de
proteínas, promove o rompimento das
ligações peptídicas que unem os
aminoá...
Estômago
A mucosa gástrica é recoberta por uma camada de muco, que a
protege da agressão do suco gástrico, bastante corros...
Estômago
O bolo alimentar pode permanecer no
estômago por até quatro horas ou mais e, ao
se misturar ao suco gástrico, aux...
Estômago
No estômago, as glândulas oxínticas, compostas de
células mucosas, secretam ácido clorídrico,
pepsinogênio, fator...
Estômago
Quando as células gástricas produtoras de ácido
são destruídas, o que ocorre frequentemente
na gastrite crônica, ...
Estômago
Cerca de metade dos sinais nervosos que chegam
ao estômago e aí estimulam a secreção gástrica
nos núcleos motores...
Estômago
A maioria dos nervos secretores libera
acetilcolina em suas terminações nas células
glandulares, o que, por sua v...
Estômago
A gastrina lançada no sangue e transportada
para as glândulas oxínticas, onde estimula as
células parietais de ma...
Estômago
Quando a ação da histamina é bloqueada por uma
substância anti-histamínica apropriada, como a
cimetidina, nem a a...
Esvaziamento gástrico
É influenciado por:
Conteúdo calórico –[CHO], tipo de CHO, condições
ambientais.
Exercício físico – ...
Esvaziamento gástrico
Esvaziamento gástrico
Intestino
As células epiteliais na superfície das vilosidades são
caracterizadas por terem borda em escova, o que
caracter...
Intestino delgado - duodeno
A digestão do quimo ocorre predominantemente no
duodeno e nas primeiras porções do jejuno. No
...
Intestino delgado
Os nutrientes absorvidos pelos vasos sanguíneos do
intestino passam ao fígado para serem distribuídos
pe...
Intestino grosso
É o local de absorção de água, tanto a ingerida quanto
a das secreções digestórias. Uma pessoa bebe cerca...
Intestino grosso
Numerosas bactérias vivem em mutualismo no
intestino grosso a fim de dissolver os restos
alimentícios não...
Intestino grosso
O intestino grosso não possui vilosidades nem secreta
sucos digestórios, normalmente só absorve água, em
...
Intestino grosso
Sempre que um segmento do intestino grosso sofre
uma irritação intensa como ocorre quando a
infecção bact...
Pâncreas
O suco pancreático, produzido
pelo pâncreas, contém água,
enzimas e grandes quantidades
de bicarbonato de sódio. ...
Pâncreas
O pâncreas é uma glândula mista, de mais ou menos 15 cm
de comprimento e de formato triangular, localizada
transv...
Pâncreas
O pâncreas exócrino produz enzimas digestórias, em
estruturas reunidas denominadas ácinos.
Os ácinos pancreáticos...
Suco pancreático
Três estimulantes básicos são importantes para a
indução da secreção pancreática: a acetilcolina, a
colec...
Suco pancreático
A secretina estimula a secreção de grande quantidade
de bicarbonato que neutraliza a acidez do quimo.
O f...
Suco pancreático
O suco pancreático contém ainda o tripsinogênio e o
quimiotripsinogênio, formas inativas em que são
secre...
Suco pancreático
A tripsina e a quimiotripsina hidrolisam polipeptídios,
transformando-os em oligopeptídeos, rompendo liga...
Suco digestório Enzima pH ótimo Substrato Produtos
Saliva Ptialina neutro polissacarídeos maltose
Suco gástrico Pepsina ác...
Suco digestório Enzima pH ótimo Substrato Produtos
Suco intestinal ou
entérico
Carboxipeptidase
Aminopeptidase
Dipeptidase...
Intestino delgado
A absorção dos nutrientes ocorre através de mecanismos ativos
ou passivos, nas regiões do jejuno e do íl...
Fígado
É o maior órgão interno, um dos mais importantes,
e a mais volumosa de todas as vísceras.
Pesa cerca de 1,5 kg no h...
Fígado
O tecido hepático é constituído por formações
diminutas que recebem o nome de lobos,
compostos por colunas de célul...
Fígado
As células hepáticas ajudam o sangue a assimilar as
substâncias nutritivas e a excretar os materiais
residuais e as...
Funções primárias do fígado
Secretar a bile, líquido que atua no emulsionamento das gorduras
ingeridas, facilitando, assim...
Funções secundárias do fígado
No fígado, o sangue passa pelos milhões de finos sinusoides
hepáticos e por fim abandona o f...
Colesterol
Membro da família dos lipídios esteroides sintetizado pelo fígado na
sua forma endógena. Na sua forma pura, é u...
Colesterol
Em um processo regulado por um sistema
compensatório, ocorre que quanto maior for a
ingestão de colesterol vind...
Colesterol
Entre as lipoproteínas, estão as "Low-Density
Lipoproteins", ou LDL, que transportam o colesterol
do sítio de s...
Colesterol
Em condições anormais, o colesterol pode precipitar
resultando na formação de cálculos biliares de
colesterol.
...
Lipoproteínas
Classificadas de acordo com a natureza e quantidade de lipídeos e proteínas
que as constituem. Destacam-se:
...
Colesterol
A maior parte do colesterol está ligada a lipoproteínas
de baixa densidade (LDL) e o restante, a proteínas
de a...
Colesterol
VALORES PARAADULTOS (mg/dL)
DESEJÁVEIS LIMÍTROFES AUMENTADOS
Colesterol total Abaixo de 200 200-240 Acima de 24...
O colesterol no sangue
1 - O colesterol forma um complexo
com os lipídeos e proteínas, chamado
lipoproteína. A forma que r...
O colesterol no sangue
3 - Esta oxidação aciona o mecanismo de
defesa, desencadeando um processo
inflamatório com infiltra...
O colesterol no sangue
5 - Isso pode interromper o fluxo
sanguíneo normal (aterosclerose) e vir a
provocar inúmeras doença...
O metabolismo do colesterol
Nos seres humanos, o colesterol pode ser sintetizado
a partir do acetil-CoA. O fígado, seguido...
O metabolismo do colesterol
O colesterol proveniente da dieta chega ao fígado a partir de
quilomícrons remanescentes e pro...
O metabolismo do colesterol
Após ligação com a LDL, a região da membrana
contendo o complexo receptor-lipoproteína,
invagi...
Regulação da síntese do colesterol
a- Inibição por “feedback”: o colesterol proveniente da
dieta inibe a síntese de colest...
Aterosclerose e receptores de ldl
Para algumas pessoas, exercícios e dieta não são suficientes
para diminuir o nível de co...
Tratamento da hipercolesterolemia
Inibidores competitivos da HMG-CoA redutase:
Agem inibindo uma das etapas na biossíntese...
Tratamento da hipercolesterolemia
Misturas de Fibras e Proteínas:
Conduzem ao aumento do catabolismo do colesterol com o
o...
Tratamento da hipercolesterolemia
Sequestradores de ácido biliar:
Administração de resinas que se ligam aos ácidos
biliare...
Tratamento da hipercolesterolemia
Ácido Nicotínico:
Também conhecido com vitamina B3, é capaz de
diminuir a concentração d...
Tratamento da hipercolesterolemia
O uso combinado de medicamentos e dieta poderá
resultar numa queda plasmática do coleste...
Motilidade, Controle Nervoso e Fluxo
Sanguíneo Gastrintestinal (GI)
O trato gastrintestinal possui um sistema nervoso próp...
Regulação neural gastrintestinal
As fibras simpáticas e parassimpáticas se conectam
tanto com o plexo mioentérico como com...
Regulação neural gastrintestinal
A acetilcolina, na maioria das vezes, excita a atividade
gastrintestinal.
A norepinefrina...
Motilidade GI
No trato GI ocorrem dois tipos básicos de
movimento: propulsivos e de mistura.
O movimento propulsivo é cara...
Fluxo (aporte) sanguíneo
Os vasos sanguíneos do sistema GI fazem parte de um sistema
amplo denominado circulação esplâncni...
Controle da atividade digestória
A presença de alimento na boca, a simples visão, pensamento
ou o cheiro do alimento, esti...
Controle da atividade digestória
Ao mesmo tempo, a mucosa duodenal produz
colecistocinina (ou CCK) (3), que é estimulada
p...
Imagem: AVANCINI & FAVARETTO. Biologia –
Uma abordagem evolutiva e ecológica. Vol. 2.
São Paulo, Ed. Moderna, 1997.
Hormônio Local de produção Órgão-alvo Função
Gastrina estômago estômago
Estimula a produção
de suco gástrico.
Secretina in...
Controle da gordura corporal
Quando o valor calórico dos alimentos ingeridos em um
determinado tempo supera o total da ene...
Distúrbios alimentares
Os distúrbios alimentares são responsáveis pelos
maiores índices de mortalidade entre todos os tipo...
Anorexia nervosa
Elas desenvolvem um tipo de rejeição à comida que as faz
perder o controle. Isso é a anorexia nervosa, um...
Anorexia nervosa
A rejeição à comida (anorexia, com incidência de 1%)
é classificada como um transtorno alimentar e suas
v...
Bulimia nervosa
Pessoas com bulimia nervosa
ingerem grandes quantidades de
alimentos e depois eliminam o
excesso de calori...
Bulimia nervosa
Assim como a anorexia, a bulimia caracteristicamente
se inicia na adolescência. A doença ocorre mais
frequ...
Comer-compulsivo
É um dos transtornos alimentares que se assemelha à
bulimia, pois caracteriza-se por episódios de
ingestã...
Comer-compulsivo
Geralmente apresentam dificuldades em emagrecer
ou manter o peso. Quase todas as pessoas com esse
transto...
Distúrbios GI - Gastrite
Inflamação da mucosa gástrica muito comum na população
como um todo, principalmente nos anos mais...
Distúrbios GI – Atrofia gástrica
Em muitas pessoas que apresentam gastrite crônica, a
mucosa gradualmente se atrofia até r...
Distúrbios GI – Anemia perniciosa na
atrofia gástrica
A anemia perniciosa frequentemente acompanha a
acloridria e a atrofi...
Distúrbios GI – Úlcera péptica
É uma área escoriada da mucosa, causada pela ação digestiva do suco gástrico.
O local mais ...
Disabsorção no Intestino Delgado – Espru
Ocasionalmente, as substâncias nutrientes não são
absorvidas de maneira adequada ...
Constipação
A constipação consiste no movimento vagaroso das
fezes ao longo do intestino grosso, geralmente
associada a gr...
Diarreia
É o inverso da constipação, resulta do rápido
deslocamento da matéria fecal ao longo do
intestino grosso, e sua p...
Vômito
É o meio pelo qual a porção superior do trato
digestivo se livra de seu conteúdo quando o tubo
digestivo sofre irri...
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli

715 visualizações

Publicada em

Aula com abordagem anátomo-funcional do sistema digestório, descrevendo órgão a órgão (estômago, boca, faringe, esôfago, fígado, intestino grosso, intestino delgado, duodeno, reto)... facilitando o entendimento da fisiologia digestória.
Referência ao metabolismo do colesterol, distúrbios alimentares, tratamento da hipercolesterolemia, e composição e ação do suco pancreático.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de fisiologia digestória pós graduação - Professor Claudio Novelli

  1. 1. Fisiologia do sistema digestório Prof Claudio Novelli Junho/2015 CREF 35.946-G/SP novelli.claudio@gmail.com
  2. 2. O SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. A parede do tubo digestório, do esôfago ao intestino, é formada por quatro camadas: mucosa, submucosa, muscular e adventícia. Apresenta as seguintes regiões: boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus.
  3. 3. Funções Secretoras do Trato Digestório Em todo o trato gastrintestinal, as glândulas têm duas funções básicas: secreção de enzimas digestórias e produção de muco para lubrificação e proteção de todas as partes do trato digestório. A maioria das secreções digestórias só é formada em resposta à presença de alimentos no trato digestório.
  4. 4. Funções Secretoras do Trato Digestório As células mucosas expelem seu muco diretamente para a superfície epitelial, atuando como lubrificante e protegendo as superfícies contra escoriações e autodigestão. No intestino delgado, as criptas de Lieberkühn contém células secretoras especializadas. Também estão associadas ao trato digestório as glândulas salivares, o pâncreas e o fígado, entre outras.
  5. 5. Digestão e Absorção Os alimentos de que depende o organismo, com exceção de vitaminas e minerais, podem ser classificados como carboidratos, gorduras e proteínas, e devem ser digeridos dando origem a substâncias suficientemente pequenas para serem absorvidas. Todas as enzimas digestórias são proteínas. Quase todos os carboidratos da dieta são polissacarídeos de grande porte ou dissacarídeos. Ambos são associações de monossacarídeos ligados entre si, e são digeridos (hidrolisados) até seus monossacarídeos constituintes básicos.
  6. 6. Digestão e Absorção As três fontes principais de carboidratos na dieta humana são a sacarose (do açúcar), a lactose (leite), e os amidos (principalmente grãos). Os carboidratos são hidrolisados até os monossacarídeos glicose, galactose e frutose. A hidrólise do amido começa na boca pela enzima ptialina, secretada principalmente na saliva, produzida pela glândula parótida. O ácido clorídrico do estômago provoca uma pequena quantidade adicional de hidrólise. Finalmente, a maior parte da hidrólise ocorre na porção superior do intestino delgado ∆ amilase pancreática.
  7. 7. Digestão e Absorção Quase toda a gordura da dieta consiste em triglicerídeos, que são combinações de três moléculas de ácidos graxos com uma única molécula de glicerol. A digestão dos triglicerídeos também é feita por enzimas num processo de hidrólise. As proteínas são formadas por aminoácidos unidos através de ligações peptídicas e são decompostas em aminoácidos por hidrólise. Todas as enzimas digestórias são proteínas.
  8. 8. Digestão e Absorção A digestão dos triglicerídeos também é feita por hidrólise enzimática. Embora pequena quantidade de gordura possa ser digerida no estômago ∆ lipase gástrica, quase toda a sua digestão ocorre no intestino delgado ∆ lipase pancreática. A primeira etapa na digestão das gorduras é a emulsificação pela ação dos sais biliares secretados na bile pelo fígado. Os sais biliares atuam como “detergente”, fragmentando as partículas de gordura (emulsificação). A lipase pancreática hidrolisa a maior parte da gordura em ácidos graxos e monoglicerídeos.
  9. 9. Digestão e Absorção As proteínas são formadas por aminoácidos unidos através de ligações peptídicas, e decompostas em aminoácidos por hidrólise. Na dieta, são quase totalmente provenientes das carnes e vegetais, e digeridas principalmente no estômago e na porção superior do intestino delgado. Uma pequena parte da digestão proteica ocorre no estômago (pepsina - que atua melhor em pH ácido). Logo, o HCl é essencial para esse processo de digestão. A seguir, são digeridas no trecho superior do intestino delgado ∆ enzimas pancreáticas (ie, tripsina).
  10. 10. Boca É a abertura pela qual o alimento entra no tubo digestório. Aí encontram-se os dentes e a língua, que preparam o alimento para a digestão, por meio da mastigação, principal forma de processamento do alimento, onde ele é cortado e triturado pelos dentes. A mastigação auxilia na digestão do alimento por uma simples razão: como as enzimas digestórias atuam apenas nas superfícies das partículas alimentares, a velocidade da digestão depende muito da área total da superfície exposta às enzimas.
  11. 11. Características dos dentes Os dentes são estruturas duras, calcificadas, presas ao maxilar superior e mandíbula, cuja atividade principal é a mastigação. Em sua primeira dentição, o ser humano tem 20 peças que recebem o nome de dentes de leite. À medida que os maxilares crescem, estes dentes são substituídos por outros 32 do tipo permanente. As coroas dos dentes permanentes são de três tipos: os incisivos, os caninos ou presas e os molares.
  12. 12. Características dos dentes Os incisivos têm a forma de cinzel para facilitar o corte do alimento. Atrás dele, há três peças dentais usadas para rasgar (caninos). A primeira tem uma única cúspide pontiaguda. Em seguida, há dois dentes chamados pré-molares, cada um com duas cúspides. Atrás ficam os molares, que têm uma superfície de mastigação relativamente plana, o que permite triturar e moer os alimentos.
  13. 13. Língua Movimenta o alimento, empurrando-o à garganta, para que seja engolido. Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários: amargo (A), azedo ou ácido (B), salgado (C) e doce (D). De suas combinações, resultam centenas de sabores distintos. A distribuição dos quatro tipos de receptores gustativos, na superfície da língua, não é homogênea.
  14. 14. Glândulas salivares A presença de alimento na boca, assim como sua visão e cheiro, estimulam as glândulas salivares a secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias. A amilase salivar digere o amido e outros polissacarídeos (como o glicogênio), reduzindo-os a moléculas de maltose (dissacarídeo). Os sais da saliva neutralizam substâncias ácidas e mantêm, na boca, um pH neutro (7,0) a levemente ácido (6,7), ideal para a ação da ptialina. As glândulas salivares são controladas principalmente por sinais nervosos parassimpáticos provenientes dos núcleos salivares no tronco encefálico, excitados pelo paladar e pela estimulação tátil da língua e de outras áreas da boca.
  15. 15. Glândulas salivares Três pares de glândulas salivares lançam sua secreção na cavidade bucal: parótida, submandibular e sublingual. Glândula parótida - Com massa variando entre 14g e 28 g, é a maior das três; situa-se na parte lateral da face, abaixo e adiante do pavilhão da orelha. Glândula submandibular - É arredondada, mais ou menos do tamanho de uma noz. Glândula sublingual - É a menor das três; fica abaixo da mucosa do assoalho da boca.
  16. 16. Na deglutição, o alimento passa para a faringe e desta para o esôfago. O palato mole é empurrado para cima, fechando a parte posterior das narinas. A epiglote movimenta-se para baixo fechando a laringe.
  17. 17. O alimento (bolo alimentar) é empurrado pela língua para o fundo da faringe, e encaminhado para o esôfago, impulsionado pelas ondas peristálticas, levando de 5s a 10s para percorrê-lo. Entra em ação um mecanismo para fechar a laringe, evitando que o alimento penetre nas vias respiratórias. O peristaltismo permite-nos ficar de cabeça para baixo e, mesmo assim, o alimento chegará ao intestino.
  18. 18. Quando a cárdia (esfíncter) se relaxa, permite a passagem do alimento para o interior do estômago.
  19. 19. Faringe A faringe, situada no final da cavidade bucal, é um canal comum aos sistemas digestório e respiratório: por ela passam o alimento, que se dirige ao esôfago, e o ar, que se dirige à laringe.
  20. 20. Esôfago As secreções esofágicas são de caráter inteiramente mucóide e basicamente proporcionam lubrificação para a deglutição. O esôfago é um canal que liga a faringe ao estômago. Localiza-se entre os pulmões, atrás do coração, e atravessa o músculo diafragma. O bolo alimentar leva de 5 a 10 segundos para percorrê-lo e chegar ao estômago.
  21. 21. O estômago é área de pouca absorção no trato digestório. A maior parte da absorção ocorre no intestino delgado, que possui vilosidades na mucosa.
  22. 22. Estômago Segmento superior: é o mais volumoso, chamado "porção vertical". Este compreende, por sua vez, duas partes superpostas; a grande tuberosidade, no alto, e o corpo do estômago, abaixo, que termina pela pequena tuberosidade. Segmento inferior: é denominado "porção horizontal", está separado do duodeno pelo piloro, que é um esfíncter. A borda direita, côncava, é chamada pequena curvatura; a borda esquerda, convexa, é dita grande curvatura. O orifício esofagiano do estômago é o cárdia.
  23. 23. Estômago O estômago é uma bolsa de parede musculosa, localizada no lado esquerdo abaixo do abdome, logo abaixo das últimas costelas. É um órgão muscular que liga o esôfago ao intestino delgado. Sua função principal é a digestão de alimentos proteicos. Um esfíncter inferior permite ao estômago guardar quase um litro e meio de volume interno, possibilitando que não se tenha que ingerir alimento de pouco em pouco tempo. Quando está vazio, tem a forma de uma letra "J" maiúscula (curiosidade: indução do vômito em socorrismo).
  24. 24. Estômago Quando está cheio de alimento, o estômago torna-se ovoide ou arredondado. As túnicas do estômago são quatro: serosa (o peritônio), muscular (muito desenvolvida), submucosa (tecido conjuntivo) e mucosa (que secreta o suco gástrico). O estômago tem movimentos peristálticos que asseguram a homogeneização do bolo digestório (alimento + suco gástrico).
  25. 25. Estômago Os sucos digestórios do estômago (suco gástrico) são secretados pelas glândulas gástricas, que recobrem quase toda a parede do corpo do estômago. Trata-se de um líquido claro, transparente, altamente ácido, que contêm ácido clorídrico, muco, enzimas e sais. O ácido clorídrico mantém o pH do interior do estômago entre 0,9 e 2,0 e também dissolve o cimento intercelular dos tecidos dos alimentos, auxiliando a fragmentação mecânica iniciada pela mastigação.
  26. 26. Estômago As túnicas do estômago são quatro: serosa (o peritônio), muscular (muito desenvolvida), submucosa (tecido conjuntivo) e mucosa (que secreta o suco gástrico). Quando está cheio de alimento, o estômago torna-se ovoide ou arredondado. O estômago tem movimentos peristálticos que asseguram a homogeneização do bolo digestório.
  27. 27. Estômago A pepsina, enzima mais potente do suco gástrico, é secretada na forma de pepsinogênio. Como esse estado é inativo, não digere as células que o produzem. Por ação do ácido clorídrico, o pepsinogênio, ao ser lançado na luz do estômago, transforma-se em pepsina, enzima que catalisa a digestão de proteínas.
  28. 28. Estômago A pepsina, ao catalisar a hidrólise de proteínas, promove o rompimento das ligações peptídicas que unem os aminoácidos. Como nem todas as ligações peptídicas são acessíveis à pepsina, muitas permanecem intactas. Portanto, o resultado do trabalho dessa enzima são oligopeptídeos e aminoácidos livres. A renina, que age sobre a caseína, uma das proteínas do leite, é produzida pela mucosa gástrica durante os primeiros meses de vida. Seu papel é o de flocular a caseína, facilitando a ação de outras enzimas proteolíticas.
  29. 29. Estômago A mucosa gástrica é recoberta por uma camada de muco, que a protege da agressão do suco gástrico, bastante corrosivo. Apesar de estarem protegidas por essa densa camada de muco, as células da mucosa estomacal são continuamente lesadas e mortas pela ação do suco gástrico. Por isso, a mucosa está sempre sendo regenerada. Estima-se que nossa superfície estomacal seja totalmente reconstituída a cada três dias. Eventualmente ocorre desequilíbrio entre o ataque e a proteção, o que resulta em inflamação difusa da mucosa (gastrite) ou mesmo no aparecimento de feridas dolorosas que sangram (úlceras gástricas). A mucosa gástrica produz também o fator intrínseco, necessário à absorção da vitamina B12.
  30. 30. Estômago O bolo alimentar pode permanecer no estômago por até quatro horas ou mais e, ao se misturar ao suco gástrico, auxiliado pelas contrações da musculatura estomacal, transforma-se em uma massa cremosa acidificada e semilíquida, o quimo. Passando por um esfíncter muscular (o piloro), o quimo vai sendo aos poucos liberado no intestino delgado, onde ocorre a maior parte da digestão.
  31. 31. Estômago No estômago, as glândulas oxínticas, compostas de células mucosas, secretam ácido clorídrico, pepsinogênio, fator intrínseco e principalmente o muco. As glândulas pilóricas, localizadas no antro, secretam o hormônio gastrina. Células pépticas ou principais secretam grandes quantidades de pepsinogênio, precursor da pepsina. Células parietais ou oxínticas secretam o ácido clorídrico e o fator intrínseco de Castle.
  32. 32. Estômago Quando as células gástricas produtoras de ácido são destruídas, o que ocorre frequentemente na gastrite crônica, a pessoa não apenas desenvolve acloridria, mas também desenvolve anemia perniciosa, devido à não maturação das hemácias na ausência de estimulação da medula óssea pela vitamina B12.
  33. 33. Estômago Cerca de metade dos sinais nervosos que chegam ao estômago e aí estimulam a secreção gástrica nos núcleos motores dorsais dos vagos, passa primeiro pelo sistema nervoso entérico da parede gástrica e, daí, para as glândulas gástricas. A outra metade dos sinais nervosos estimuladores da secreção é gerada por reflexos locais no estômago, envolvendo o sistema nervoso entérico.
  34. 34. Estômago A maioria dos nervos secretores libera acetilcolina em suas terminações nas células glandulares, o que, por sua vez, estimula a atividade dessas células. Os sinais provenientes dos nervos vagos e os oriundos dos reflexos entéricos locais, além de causarem estimulação direta da secreção glandular de sucos gástricos, fazem com que a mucosa do antro gástrico secrete o hormônio gastrina.
  35. 35. Estômago A gastrina lançada no sangue e transportada para as glândulas oxínticas, onde estimula as células parietais de maneira muito intensa. A histamina também estimula a secreção de HCl pela estimulação dos receptores H2 das células parietais. A histamina é um cofator necessário para estimular a produção de HCl.
  36. 36. Estômago Quando a ação da histamina é bloqueada por uma substância anti-histamínica apropriada, como a cimetidina, nem a acetilcolina nem a gastrina conseguem causar secreção de quantidades significativas de ácido. O pepsinogênio é produzido pela estimulação das células pépticas pela acetilcolina liberada pelos nervos vagos ou outros nervos entéricos ou pela estimulação em resposta à presença de ácido no estômago. O excesso de ácido causa inibição da secreção gástrica por mecanismo de feedback negativo.
  37. 37. Esvaziamento gástrico É influenciado por: Conteúdo calórico –[CHO], tipo de CHO, condições ambientais. Exercício físico – tipo, intensidade, duração, nível de condicionamento, estado psicológico. Desidratação Volume de líquido no estômago Osmolaridade Temperatura Gênero
  38. 38. Esvaziamento gástrico
  39. 39. Esvaziamento gástrico
  40. 40. Intestino As células epiteliais na superfície das vilosidades são caracterizadas por terem borda em escova, o que caracteriza as microvilosidades. A absorção através da mucosa gastrintestinal ocorre por transporte ativo e por difusão. O intestino grosso pode absorver água e íons, embora não possa absorver quase nenhum nutriente. Numerosas bactérias, principalmente os bacilos colônicos, estão presentes no cólon absortivo. No intestino delgado, as contrações rítmicas e os movimentos peristálticos das paredes musculares movimentam o quimo, ao mesmo tempo em que este é atacado pela bile, enzimas e outras secreções, sendo transformado em quilo.
  41. 41. Intestino delgado - duodeno A digestão do quimo ocorre predominantemente no duodeno e nas primeiras porções do jejuno. No duodeno atua também o suco pancreático, produzido pelo pâncreas, que contêm diversas enzimas digestórias. Outra secreção que atua no duodeno é a bile, produzida no fígado e armazenada na vesícula biliar. O pH da bile oscila entre 8,0 e 8,5. Os sais biliares têm ação detergente, emulsificando ou emulsionando as gorduras (fragmentando suas gotas em milhares de microgotículas).
  42. 42. Intestino delgado Os nutrientes absorvidos pelos vasos sanguíneos do intestino passam ao fígado para serem distribuídos pelo resto do organismo. Os produtos da digestão de gorduras (principalmente glicerol e ácidos graxos isolados) chegam ao sangue sem passar pelo fígado, como ocorre com outros nutrientes. Nas células da mucosa, essas substâncias são reagrupadas em triacilgliceróis e envelopadas por uma camada de proteínas, formando os quilomícrons, transferidos para os vasos linfáticos e, em seguida, para os vasos sanguíneos, onde alcançam as células gordurosas (adipócitos), sendo então armazenados.
  43. 43. Intestino grosso É o local de absorção de água, tanto a ingerida quanto a das secreções digestórias. Uma pessoa bebe cerca de 1,5 litros de líquidos por dia, que se une a 8 ou 9 litros de água das secreções. Glândulas da mucosa do intestino grosso secretam muco, que lubrifica as fezes, facilitando seu trânsito e eliminação pelo ânus. Mede cerca de 1,5 m de comprimento e divide-se em ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente, cólon sigmoide e reto. A saída do reto chama-se ânus e é fechada por um músculo que o rodeia, o esfíncter anal.
  44. 44. Intestino grosso Numerosas bactérias vivem em mutualismo no intestino grosso a fim de dissolver os restos alimentícios não assimiláveis, reforçar o movimento intestinal e proteger o organismo contra bactérias estranhas, geradoras de enfermidades. As fibras vegetais, principalmente a celulose, não são digeridas nem absorvidas, contribuindo com porcentagem significativa da massa fecal. Como retêm água, sua presença torna as fezes macias e fáceis de serem eliminadas.
  45. 45. Intestino grosso O intestino grosso não possui vilosidades nem secreta sucos digestórios, normalmente só absorve água, em quantidade bastante consideráveis até formar detritos inúteis, que são evacuados. O líquido aquoso produzido pelas células caliciformes das glândulas contidas nas criptas de Lieberkühn fornece um veículo para a absorção de substâncias do quimo à medida que este entra em contato com as vilosidades. A mucosa do intestino grosso também apresenta muitas criptas de Lieberkühn, mas as vilosidades estão ausentes. A secreção preponderante no intestino grosso é o muco.
  46. 46. Intestino grosso Sempre que um segmento do intestino grosso sofre uma irritação intensa como ocorre quando a infecção bacteriana se torna muita intensa durante uma enterite, a mucosa secreta grande quantidade de água e eletrólitos. O resultado habitual é a diarreia, que promove uma recuperação mais precoce da doença. • curiosidade: água de coco é laxante natural?
  47. 47. Pâncreas O suco pancreático, produzido pelo pâncreas, contém água, enzimas e grandes quantidades de bicarbonato de sódio. O pH do suco pancreático oscila entre 8,5 e 9. Sua secreção digestória é responsável pela hidrólise da maioria das moléculas de alimento, como carboidratos, proteínas e gorduras. A amilase pancreática fragmenta o amido em moléculas de maltose; a lipase pancreática hidrolisa as moléculas de um tipo de gordura – os triacilgliceróis, originando glicerol e álcool; as nucleases atuam sobre os ácidos nucléicos, separando seus nucleotídeos.
  48. 48. Pâncreas O pâncreas é uma glândula mista, de mais ou menos 15 cm de comprimento e de formato triangular, localizada transversalmente sobre a parede posterior do abdome, na alça formada pelo duodeno, sob o estômago. É formado por uma cabeça que se encaixa no quadro duodenal, de um corpo e de uma cauda afilada. A secreção externa dele é dirigida para o duodeno pelos canais de Wirsung e de Santorini. O canal de Wirsung desemboca ao lado do canal colédoco na ampola de Vater. O pâncreas comporta dois órgãos estreitamente imbricados: pâncreas exócrino e o endócrino.
  49. 49. Pâncreas O pâncreas exócrino produz enzimas digestórias, em estruturas reunidas denominadas ácinos. Os ácinos pancreáticos estão ligados através de finos condutos que levam sua a um condutor maior, que desemboca no duodeno durante a digestão. O pâncreas endócrino secreta os hormônios insulina e glucagon.
  50. 50. Suco pancreático Três estimulantes básicos são importantes para a indução da secreção pancreática: a acetilcolina, a colecistocinina e a secretina. O produto pancreático exócrino é transportado pelo ducto pancreático até a ampola de Vater onde é lançado no duodeno. A tripsina é proteolítica e a amilase pancreática hidrolisa o amido, o glicogênio e a maioria dos outros carboidratos. A lipase pancreática é capaz de hidrolisar as gorduras neutras em ácidos graxos. A secreção do inibidor da tripsina impede a digestão do pâncreas. Quando o efeito do inibidor da tripsina é superado ocorre pancreatite aguda.
  51. 51. Suco pancreático A secretina estimula a secreção de grande quantidade de bicarbonato que neutraliza a acidez do quimo. O fígado secreta a bile, que tem duas importantes funções: facilita a digestão e absorção de gorduras (emulsificação) e serve como meio de excreção de vários importantes produtos de degradação presentes no sangue como a bilirrubina, um produto final da destruição da hemoglobina. As células hepáticas também formam diariamente sais biliares, cujo precursor é o colesterol. Os sais biliares, com função emulsificadora, ajudam na absorção de ácidos graxos, de colesterol e de outros lipídios no tubo intestinal.
  52. 52. Suco pancreático O suco pancreático contém ainda o tripsinogênio e o quimiotripsinogênio, formas inativas em que são secretadas as enzimas proteolíticas tripsina e quimiotripsina. Sendo produzidas na forma inativa, as proteases não digerem suas células secretoras. Na luz do duodeno, o tripsinogênio entra em contato com a enteroquinase, enzima secretada pelas células da mucosa intestinal, convertendo-se me tripsina, que por sua vez contribui para a conversão do precursor inativo quimiotripsinogênio em quimiotripsina, enzima ativa.
  53. 53. Suco pancreático A tripsina e a quimiotripsina hidrolisam polipeptídios, transformando-os em oligopeptídeos, rompendo ligações peptídicas específicas ao longo das cadeias de aminoácidos. A mucosa do intestino delgado secreta o suco entérico, solução rica em enzimas e de pH aproximadamente neutro. Uma dessas enzimas é a enteroquinase. Outras enzimas são as dissacaridades, que hidrolisam dissacarídeos em monossacarídeos (sacarase, lactase, maltase). No suco entérico há enzimas que dão sequência à hidrólise das proteínas: os oligopeptídeos sofrem ação das peptidases, resultando em aminoácidos.
  54. 54. Suco digestório Enzima pH ótimo Substrato Produtos Saliva Ptialina neutro polissacarídeos maltose Suco gástrico Pepsina ácido Proteínas oligopeptídeos Suco pancreático Quimiotripsina Tripsina Amilopepsina Rnase Dnase Lipase alcalino alcalino alcalino alcalino alcalino alcalino proteínas proteínas polissacarídeos RNA DNA Lipídeos peptídeos peptídeos maltose ribonucleotídeos desoxirribonucleotídeos glicerol e ácidos graxos
  55. 55. Suco digestório Enzima pH ótimo Substrato Produtos Suco intestinal ou entérico Carboxipeptidase Aminopeptidase Dipeptidase Maltase Sacarase Lactase alcalino alcalino alcalino alcalino alcalino alcalino oligopeptídeos oligopeptídeos dipeptídeos maltose sacarose lactose aminoácidos aminoácidos aminoácidos glicose glicose e frutose glicose e galactose
  56. 56. Intestino delgado A absorção dos nutrientes ocorre através de mecanismos ativos ou passivos, nas regiões do jejuno e do íleo. A superfície interna, ou mucosa, dessas regiões, apresenta inúmeros dobramentos maiores e de 4 a 5 milhões de pequenas dobras chamadas de vilosidades; um traçado que aumenta a superfície de absorção intestinal. As membranas das próprias células do epitélio intestinal apresentam, por sua vez, dobrinhas microscópicas denominadas microvilosidades. O intestino delgado também absorve a água ingerida, os íons e as vitaminas.
  57. 57. Fígado É o maior órgão interno, um dos mais importantes, e a mais volumosa de todas as vísceras. Pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto. Na mulher adulta, entre 1,2 e 1,4 kg. Tem cor arroxeada, superfície lisa e recoberta por uma cápsula própria. Está situado no quadrante superior direito da cavidade abdominal.
  58. 58. Fígado O tecido hepático é constituído por formações diminutas que recebem o nome de lobos, compostos por colunas de células hepáticas ou hepatócitos, rodeadas por canais diminutos (canalículos) pelos quais passa a bile, secretada pelos hepatócitos. Esses canais se unem para formar o ducto hepático que, junto com o ducto procedente da vesícula biliar, forma o ducto comum da bile, que descarrega seu conteúdo no duodeno.
  59. 59. Fígado As células hepáticas ajudam o sangue a assimilar as substâncias nutritivas e a excretar os materiais residuais e as toxinas, bem como esteróides, estrógenos e outros hormônios. O fígado é um órgão muito versátil. Armazena glicogênio, ferro, cobre e vitaminas. Produz carboidratos a partir de lipídios ou de proteínas, e lipídios a partir de carboidratos ou de proteínas. Sintetiza também o colesterol e processa muitos fármacos e outras substâncias. O termo hepatite é usado para definir qualquer inflamação no fígado, como a cirrose.
  60. 60. Funções primárias do fígado Secretar a bile, líquido que atua no emulsionamento das gorduras ingeridas, facilitando, assim, a ação da lipase; Remover moléculas de glicose no sangue, reunindo-as quimicamente para formar glicogênio, que é armazenado; nos momentos de necessidade, o glicogênio é reconvertido em moléculas de glicose, que são relançadas na circulação; Armazenar ferro e certas vitaminas em suas células; Metabolizar lipídeos; Sintetizar diversas proteínas presentes no sangue, de fatores imunológicos e de coagulação e de substâncias transportadoras de oxigênio e gorduras; Degradar álcool e outras substâncias tóxicas, auxiliando na desintoxicação do organismo; Destruir hemácias (glóbulos vermelhos) velhas ou anormais, transformando sua hemoglobina em bilirrubina, o pigmento castanho-esverdeado presente na bile.
  61. 61. Funções secundárias do fígado No fígado, o sangue passa pelos milhões de finos sinusoides hepáticos e por fim abandona o fígado através das veias hepáticas, que deságuam na veia cava inferior. Esse fluxo sanguíneo secundário permite que as células reticuloendoteliais que revestem os sinusóides hepáticos removam bactérias e outras partículas que possam ter entrado no sangue provenientes do trato gastrintestinal, evitando que agentes potencialmente prejudiciais tenham acesso direto ao restante do corpo. Nos sinusóides hepáticos, as células parenquimatosas principais do fígado, os hepatócitos absorvem do sangue e armazenam temporariamente de metade a três quartos de todas as substâncias nutrientes absorvidas. Boa parte do processamento intermediário dessas substâncias ocorre também no fígado.
  62. 62. Colesterol Membro da família dos lipídios esteroides sintetizado pelo fígado na sua forma endógena. Na sua forma pura, é um sólido cristalino, branco, insípido e inodoro. É um composto essencial para a vida, presente nos tecidos de todos os animais. Faz parte da estrutura das membranas celulares (camada bilipídica) e é também um reagente de partida para a biossíntese de vários hormônios (cortisol, aldosterona, testosterona, progesterona, estradiol), dos sais biliares e da vitamina D. É obtido por meio de síntese celular (colesterol endógeno -70%) e da dieta (colesterol exógeno- 30%). Exceto em pessoas com alterações genéticas do metabolismo do colesterol, o excesso dele no sangue resulta dos péssimos hábitos alimentares que possuímos (que são adquiridos desde a infância) e que nos levam a grande ingestão de colesterol e gorduras saturadas (geralmente de origem animal).
  63. 63. Colesterol Em um processo regulado por um sistema compensatório, ocorre que quanto maior for a ingestão de colesterol vindo dos alimentos, menor é a quantidade sintetizada pelo fígado. Como é insolúvel em água e, consequentemente, no sangue, para ser transportado na corrente sanguínea, liga-se a algumas proteínas e outros lipídeos através de ligações não-covalentes em um complexo chamado lipoproteína.
  64. 64. Colesterol Entre as lipoproteínas, estão as "Low-Density Lipoproteins", ou LDL, que transportam o colesterol do sítio de síntese - o fígado - até as células de vários outros tecidos. Uma outra classe de lipoproteínas, as "High Density Lipoproteins", ou HDL transportam o excesso de colesterol dos tecidos de volta para o fígado, onde é utilizado para a síntese dos sais biliares.
  65. 65. Colesterol Em condições anormais, o colesterol pode precipitar resultando na formação de cálculos biliares de colesterol. Os cálculos podem bloquear os ductos biliares e impedir a entrada das secreções hepáticas no intestino, além de causar dor intensa na região da vesícula biliar.
  66. 66. Lipoproteínas Classificadas de acordo com a natureza e quantidade de lipídeos e proteínas que as constituem. Destacam-se: Quilomicrons: grandes partículas que transportam as gorduras alimentares e o colesterol para os músculos e outros tecidos. Very-Low Density Lipoproteins (VLDL) e Intermediate Density Lipoprotein (IDL): transportam triglicerídeos e colesterol endógenos do fígado para os tecidos. A medida em que perdem triglicerídeos, podem coletar mais colesterol e tornarem-se LDL. Low-Density Lipoproteins (LDL): transportam do fígado para os tecidos, cerca de 70% de todo o colesterol que circula no sangue. São pequenas e densas o suficiente para se ligarem às membranas do endotélio (revestimento interno dos vasos sanguíneos. Por esta razão, as LDL são as lipoproteínas responsáveis pela aterosclerose – deposição de placas lipídicas (ateromas) nas paredes das artérias. Níveis elevados de LDL estão associados com os altos índices de doenças cardiovasculares. • High-Density Lipoproteins (HDL): responsável pelo transporte reverso do colesterol - transporta o colesterol endógeno de volta para o fígado. O nível elevado de HDL está associado com baixos índices de doenças cardiovasculares.
  67. 67. Colesterol A maior parte do colesterol está ligada a lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e o restante, a proteínas de alta densidade (HDL). O colesterol ligado à LDL é o que se deposita nas paredes das artérias, quando em excesso. Por isso é denominado “mau colesterol”. Por outro lado, o HDL pode ser considerado o "bom colesterol", pois ele retira o LDL colesterol da parede das artérias e o transporta para ser metabolizado no fígado, desempenhando papel de proteção contra a aterosclerose.
  68. 68. Colesterol VALORES PARAADULTOS (mg/dL) DESEJÁVEIS LIMÍTROFES AUMENTADOS Colesterol total Abaixo de 200 200-240 Acima de 240 LDL* colesterol Abaixo de 130 130-160 Acima de 160 HDL colesterol Acima de 40 35-40 Abaixo de 35 Triglicerídeos Abaixo de150 150-200 Acima de 200
  69. 69. O colesterol no sangue 1 - O colesterol forma um complexo com os lipídeos e proteínas, chamado lipoproteína. A forma que realmente apresenta malefício, quando em excesso, é a LDL. 2 - A LDL pode acabar sendo oxidada por radicais livres presentes na célula.
  70. 70. O colesterol no sangue 3 - Esta oxidação aciona o mecanismo de defesa, desencadeando um processo inflamatório com infiltração de leucócitos. Moléculas inflamatórias acabam por promover a formação de uma capa de coágulos sobre o núcleo lipídico. 4 - Após algum tempo cria-se uma placa (ateroma) no vaso sanguíneo; sobre esta placa, pode ocorrer uma lenta deposição de cálcio, numa tentativa de isolar a área afetada.
  71. 71. O colesterol no sangue 5 - Isso pode interromper o fluxo sanguíneo normal (aterosclerose) e vir a provocar inúmeras doenças cardíacas. De fato, a concentração elevada de LDL no sangue é a principal causa de cardiopatias.
  72. 72. O metabolismo do colesterol Nos seres humanos, o colesterol pode ser sintetizado a partir do acetil-CoA. O fígado, seguido do intestino, são os principais locais da síntese, podendo produzi-lo em grandes quantidades. Pode também ser produzido nos testículos, ovários e córtex adrenal. Acetil CoA  3hidroxi,3metil glutaril CoA (HMG CoA) ∆ HMGredutase  Mevalonato  Esqualeno  Colesterol
  73. 73. O metabolismo do colesterol O colesterol proveniente da dieta chega ao fígado a partir de quilomícrons remanescentes e provoca a inibição da síntese da HMG-CoA redutase, diminuindo a síntese endógena. Antes de deixar os hepatócitos, o colesterol incorpora-se nas lipoproteínas VLDL , que na corrente sanguínea recebem as apoproteínas E e C2 das HDL. Ao passar pelos capilares dos tecidos periféricos, são transformadas em IDL e depois em LDL. Em indivíduos normais, aproximadamente metade das IDL retornam ao fígado pelos receptores LDL, por endocitose – aproximadamente 1.500 receptores por célula – e os remanescentes IDL são convertidos em LDL.
  74. 74. O metabolismo do colesterol Após ligação com a LDL, a região da membrana contendo o complexo receptor-lipoproteína, invagina-se, migra através do citoplasma celular e funde-se lisossomos. A LDL é degradada nestas organelas e os ésteres de colesterol, hidrolisados pela enzima colesterol- esterase lisossômica. O colesterol liberado é ressintetizado a éster dentro da célula e pode inibir a produção da redutase dentro de poucas horas, diminuindo com isto, a síntese do colesterol intracelular.
  75. 75. Regulação da síntese do colesterol a- Inibição por “feedback”: o colesterol proveniente da dieta inibe a síntese de colesterol no fígado, mas não no intestino, através da inibição da síntese da HMGCoA redutase. b- Ritmo circadiano: a síntese de colesterol atinge o pico 6 horas após ter escurecido e o mínimo aproximadamente 6 horas após a reexposição à luz. A atividade é regulada ao nível da enzima HMGCoA redutase. c- Regulação hormonal: insulina aumenta a atividade de HMGCoA redutase enquanto glucagon e cortisol inibem a atividade da enzima.
  76. 76. Aterosclerose e receptores de ldl Para algumas pessoas, exercícios e dieta não são suficientes para diminuir o nível de colesterol. Elas sofrem de uma doença genética denominada hipercolesterolemia familiar. Pare haver um defeito na capacidade das LDL ligarem-se aos receptores, e não há inibição por “feedback” da síntese de colesterol. Sabe-se que na forma grave da doença, os níveis sanguíneos de colesterol frequentemente excedem 700mg/dL, o que provoca deposição excessiva de colesterol na parede das artérias. As manifestações clínicas incluem nível elevado de LDL sérico, depósitos nos tendões, pele (xantomas), artérias, e, dependendo do caso, podem ocorrer na infância, o que é geralmente fatal.
  77. 77. Tratamento da hipercolesterolemia Inibidores competitivos da HMG-CoA redutase: Agem inibindo uma das etapas na biossíntese do colesterol; também aumentam o número de sítios receptores de LDL no fígado. Inibidores como a mevinolina (Iovastatina) podem reduzir em 50% os níveis de colesterol.
  78. 78. Tratamento da hipercolesterolemia Misturas de Fibras e Proteínas: Conduzem ao aumento do catabolismo do colesterol com o objetivo de repor a perda de sais biliares. O consequente decréscimo do nível sérico de LDL induz à síntese de receptores LDL (exceto na hipercolesterolemia familiar). Porém, a queda do colesterol plasmático também induz a síntese da enzima HMG-CoA redutase, a qual eleva a biossíntese do colesterol, resultando numa queda de apenas 15 a 20% do nível sérico do lipídeo
  79. 79. Tratamento da hipercolesterolemia Sequestradores de ácido biliar: Administração de resinas que se ligam aos ácidos biliares. Reduzem a reabsorção dos ácidos biliares e assim mais colesterol do fígado e das LDL é desviado para produzir os ácidos biliares. Dessa maneira, diminuem a concentração de colesterol em 15-20%, por promoverem a conversão de parte do colesterol plasmático em ácidos biliares.
  80. 80. Tratamento da hipercolesterolemia Ácido Nicotínico: Também conhecido com vitamina B3, é capaz de diminuir a concentração de VLDL, o que acaba por reduzir a concentração de LDL e aumentar a concentração de HDL. O QUE FAZER NA DIETA: Substituição de ácidos graxos saturados por ácidos graxos poliinsaturados (ex.: ácido linoleico): são mais rapidamente metabolizados no fígado, diminuindo a concentração de colesterol plasmático.
  81. 81. Tratamento da hipercolesterolemia O uso combinado de medicamentos e dieta poderá resultar numa queda plasmática do colesterol de 50 a 60%, de um histórico familiar de hipercolesterolemia. Necessário instituir o tratamento desde a infância do indivíduo como conduta preventiva indispensável.
  82. 82. Motilidade, Controle Nervoso e Fluxo Sanguíneo Gastrintestinal (GI) O trato gastrintestinal possui um sistema nervoso próprio, o sistema nervoso entérico, que se inicia no esôfago e estende-se até o ânus, com cerca de cem milhões de neurônios, quase o mesmo número que em toda a medula espinhal  isso indica a importância do sistema entérico para o controle da função GI. O sistema entérico é composto principalmente de dois plexos: um plexo externo, denominado mioentérico ou de Auerbach, e um plexo interno, denominado submucoso ou de Meissner. O plexo mioentérico controla principalmente os movimentos GI, e o plexo mucoso controla a secreção epitelial GI e o fluxo sanguíneo local.
  83. 83. Regulação neural gastrintestinal As fibras simpáticas e parassimpáticas se conectam tanto com o plexo mioentérico como com o plexo submucoso. Embora o sistema nervoso entérico (SNE) possa funcionar sozinho, a estimulação dos sistemas parassimpático (SNAparassimpático) e simpático (SNAsimpático) pode causar ativação ou inibição adicional das funções GI.
  84. 84. Regulação neural gastrintestinal A acetilcolina, na maioria das vezes, excita a atividade gastrintestinal. A norepinefrina, por outro lado, quase sempre inibe a atividade gastrintestinal. Quase todas as fibras parassimpáticas que se dirigem ao trato GI fazem parte dos nervos vagos. Quando estimuladas, aumentam a atividade de todo o SNE, o que significa aumento da atividade da maioria das funções GI. As fibras simpáticas que inervam o trato GI originam-se na medula espinhal entre os segmentos T5 e L2. Em geral, a estimulação do SNAsimpático inibe a atividade do trato GI, causando efeitos essencialmente opostos aos do SNAparassimpático.
  85. 85. Motilidade GI No trato GI ocorrem dois tipos básicos de movimento: propulsivos e de mistura. O movimento propulsivo é caracterizado pelo peristaltismo, no qual um anel contrátil surge ao redor do trato e, depois, move-se para adiante. Os movimentos de mistura são diferentes nas diversas partes do tubo alimentar.
  86. 86. Fluxo (aporte) sanguíneo Os vasos sanguíneos do sistema GI fazem parte de um sistema amplo denominado circulação esplâncnica, disposto de tal modo que todo o sangue que passa pelo intestino, pelo baço e pelo pâncreas flui imediatamente em seguida para o fígado, através da veia porta. Em condições normais, o fluxo sanguíneo em cada área do trato GI está diretamente relacionado ao nível da atividade local. Por exemplo, após uma refeição, há aumento da atividade motora, da atividade secretora e da atividade de absorção. A estimulação dos nervos parassimpáticos que se dirigem ao estômago e à porção inferior do cólon aumenta o fluxo sanguíneo local ao mesmo tempo em que aumenta a secreção glandular.
  87. 87. Controle da atividade digestória A presença de alimento na boca, a simples visão, pensamento ou o cheiro do alimento, estimulam a produção de saliva. Enquanto o alimento ainda está na boca, o sistema nervoso, por meio do nervo vago, envia estímulos ao estômago, iniciando a liberação de suco gástrico. Quando o alimento chega ao estômago, este começa a secretar gastrina (1), hormônio produzido pela própria mucosa gástrica e que estimula a produção do suco gástrico. Aproximadamente 30% da produção do suco gástrico é mediada pelo sistema nervoso, enquanto os 70% restantes dependem do estímulo da gastrina. Com a passagem do alimento para o duodeno, a mucosa duodenal secreta outro hormônio, a secretina (2), que estimula o pâncreas a produzir suco pancreático e liberar bicarbonato.
  88. 88. Controle da atividade digestória Ao mesmo tempo, a mucosa duodenal produz colecistocinina (ou CCK) (3), que é estimulada principalmente pela presença de gorduras no quimo e provoca a secreção do suco pancreático e contração da vesícula biliar (4), que lança a bile no duodeno. Em resposta ainda ao quimo rico em gordura, o duodeno secreta enterogastrona (5), que inibe os movimentos de esvaziamento do estômago, a produção de gastrina e, indiretamente, de suco gástrico.
  89. 89. Imagem: AVANCINI & FAVARETTO. Biologia – Uma abordagem evolutiva e ecológica. Vol. 2. São Paulo, Ed. Moderna, 1997.
  90. 90. Hormônio Local de produção Órgão-alvo Função Gastrina estômago estômago Estimula a produção de suco gástrico. Secretina intestino delgado pâncreas Estimula a liberação de bicarbonato. Colecistocinina intestino delgado pâncreas e vesícula biliar Estimula a liberação da bile pela vesícula biliar e a liberação de enzimas pancreáticas. Enterogastrona intestino delgado estômago Inibe o peristaltismo estomacal e a produção de gastrina.
  91. 91. Controle da gordura corporal Quando o valor calórico dos alimentos ingeridos em um determinado tempo supera o total da energia consumida no mesmo período, os alimentos excedentes são convertidos em gorduras corporais. Essa conversão acontece mais facilmente quando ingerimos gorduras do que quando ingerimos proteínas ou carboidratos. Enquanto houver glicose disponível, ela será usada, e o metabolismo das gorduras será interrompido. O estoque de glicose é representado pelo glicogênio, armazenado no fígado e nos músculos. Em um adulto em jejum, o estoque de glicogênio esgota-se dentro de 12 a 24 horas. A seguir, são consumidas as reservas de gordura e, se necessário, as de proteína, posteriormente. As células podem usar até 50% de suas proteínas como fonte de energia, antes que ocorra morte celular.
  92. 92. Distúrbios alimentares Os distúrbios alimentares são responsáveis pelos maiores índices de mortalidade entre todos os tipos de transtornos mentais, ocasionando a morte em mais de 10% dos pacientes. A grande maioria - mais de 90% - daqueles que sofrem de transtornos alimentares são mulheres adolescentes e jovens. Uma das razões pelas quais mulheres dessa faixa etária são mais vulneráveis a esses transtornos é a tendência de fazerem regimes rigorosos para obterem a silhueta "ideal".
  93. 93. Anorexia nervosa Elas desenvolvem um tipo de rejeição à comida que as faz perder o controle. Isso é a anorexia nervosa, uma disfunção que pode aparecer sozinha ou em parceria com a bulimia (compulsão pela comida, seguida de culpa que faz a pessoa utilizar métodos de expulsão do que comeu, de seu corpo). O problema é que essas pessoas não ficam só na vontade de emagrecer.
  94. 94. Anorexia nervosa A rejeição à comida (anorexia, com incidência de 1%) é classificada como um transtorno alimentar e suas vítimas são quase sempre (95% dos casos) mulheres jovens, de 15 a 20 anos, excessivamente preocupadas com a aparência e mais sensíveis às influências dos padrões de beleza em vigor para firmar sua personalidade. A doença também ataca mulheres na faixa dos 30 e raramente as acima dos 40. Porém não quer dizer que a adolescente que adora estar na moda esteja sujeita a manifestar o problema.
  95. 95. Bulimia nervosa Pessoas com bulimia nervosa ingerem grandes quantidades de alimentos e depois eliminam o excesso de calorias através de jejuns prolongados, vômitos auto- induzidos, laxantes, diuréticos ou na prática exagerada e obsessiva de exercícios físicos. Devido ao "comer compulsivo seguido de eliminação" em segredo, e ao fato de manterem seu peso normal ou com pouca variação deste, essas pessoas conseguem muitas vezes esconder seu problema das outras pessoas por anos.
  96. 96. Bulimia nervosa Assim como a anorexia, a bulimia caracteristicamente se inicia na adolescência. A doença ocorre mais frequentemente em mulheres, mas também atinge os homens. Indivíduos com bulimia nervosa, mesmo aqueles com peso normal, podem prejudicar gravemente seu organismo com o hábito frequente de comerem compulsivamente e se "desintoxicarem" em seguida.
  97. 97. Comer-compulsivo É um dos transtornos alimentares que se assemelha à bulimia, pois caracteriza-se por episódios de ingestão exagerada e compulsiva de alimentos e, no entanto, difere da bulimia, pois as pessoas afetadas não produzem a eliminação forçada dos alimentos ingeridos (tomar laxantes e/ou provocar vômitos). Pessoas com esse transtorno sentem que perdem o controle quando comem. Ingerem grandes quantidades de alimentos e não páram enquanto não se sentem "empanturradas".
  98. 98. Comer-compulsivo Geralmente apresentam dificuldades em emagrecer ou manter o peso. Quase todas as pessoas com esse transtorno são obesas e apresentam história de variação de peso. São propensas a vários problemas médicos graves associados à obesidade, como o aumento do colesterol, hipertensão arterial e diabetes. É um transtorno mais frequente em mulheres.
  99. 99. Distúrbios GI - Gastrite Inflamação da mucosa gástrica muito comum na população como um todo, principalmente nos anos mais tardios da vida adulta. Em alguns casos, pode ser muito aguda e grave, com escoriação ulcerativa da mucosa gástrica pelas secreções pépticas do próprio estômago. Boa parte dos casos de gastrite parece ser causada por uma infecção bacteriana crônica - Helicobacter pylori na mucosa gástrica. Tal infecção pode ser tratada com sucesso pela administração de um esquema intensivo de medicamentos antibacterianos como o metronidazol e o bismuto. Algumas substâncias têm efeito irritativo sobre a mucosa gástrica causando gastrite aguda ou crônica, sendo as mais comuns o álcool e a aspirina.
  100. 100. Distúrbios GI – Atrofia gástrica Em muitas pessoas que apresentam gastrite crônica, a mucosa gradualmente se atrofia até restar pouca ou nenhuma atividade das glândulas gástricas. A perda das secreções gástricas na atrofia do estômago causa acloridria e, ocasionalmente, anemia perniciosa. Em geral, quando o ácido não é secretado, a pepsina também não é secretada, e, ainda que o seja, a ausência de ácido impede seu funcionamento porque a pepsina exige meio ácido para sua atividade. Assim, quando há acloridria, obviamente ocorre perda de quase toda a função digestiva do estômago.
  101. 101. Distúrbios GI – Anemia perniciosa na atrofia gástrica A anemia perniciosa frequentemente acompanha a acloridria e a atrofia gástrica. A deficiência do fator intrínseco de Castle e a incapacidade de utilizar a vitamina B12 provoca insuficiência na maturação das hemácias na medula óssea, resultando em anemia perniciosa.
  102. 102. Distúrbios GI – Úlcera péptica É uma área escoriada da mucosa, causada pela ação digestiva do suco gástrico. O local mais afetado é a primeira porção do duodeno, além da pequena curvatura na extremidade antral do estômago. A causa habitual é a secreção excessiva de suco gástrico em relação ao grau de proteção da mucosa do estômago e do duodeno e à neutralização do ácido gástrico pelos sucos duodenais. Além da proteção da mucosa pelo muco, o duodeno também é protegido pela alcalinidade da secreção pancreática, pela bile e pelas secreções provenientes das grandes glândulas de Brunner situadas na primeira porção do duodeno. Todas essas contém grande quantidade de bicarbonato de sódio que neutraliza o ácido clorídrico do suco gástrico, inativando assim a pepsina e impedindo a digestão da mucosa. As principais causas específicas de úlcera péptica no ser humano são a infecção crônica pelo Helicobacter pylori e o aumento da secreção dos sucos ácido- pépticos. O tratamento da úlcera péptica inclui o uso de antibióticos como a tetraciclina, medicamentos supressores da produção de ácido, particularmente a ranitidina, e drogas anti-histamínicas que bloqueiam o efeito estimulante da histamina sobre os receptores H2 das glândulas gástricas
  103. 103. Disabsorção no Intestino Delgado – Espru Ocasionalmente, as substâncias nutrientes não são absorvidas de maneira adequada pelo intestino delgado, embora o alimento seja bem digerido. Diversas doenças podem causar redução da capacidade de absorção da mucosa; reunidas frequentemente sob o nome genérico de espru. A gordura aparece nas fezes quase inteiramente sob a forma de sabões, e não como gordura neutra não digerida. Nessa fase do espru, a afecção é muitas vezes denominada esteatorreia idiopática, o que significa simplesmente excesso de gordura nas fezes. Nos casos mais graves de espru, ocorre grande redução na absorção de proteínas, carboidratos, cálcio, vitamina K, ácido fólico, vitamina B12 e outras substâncias.
  104. 104. Constipação A constipação consiste no movimento vagaroso das fezes ao longo do intestino grosso, geralmente associada a grandes quantidades de fezes secas e endurecidas no cólon ascendente, que aí se acumulam em razão do longo tempo disponível para a absorção de líquido (fecaloma). Uma causa frequente de constipação são os hábitos intestinais irregulares.
  105. 105. Diarreia É o inverso da constipação, resulta do rápido deslocamento da matéria fecal ao longo do intestino grosso, e sua principal são infecções do trato Gi, as enterites. Evidentemente, é um mecanismo importante para livrar o tubo intestinal da infecção debilitante. O elemento mais importante do tratamento é simplesmente a reposição de líquido e eletrólitos na mesma velocidade com que são perdidos.
  106. 106. Vômito É o meio pelo qual a porção superior do trato digestivo se livra de seu conteúdo quando o tubo digestivo sofre irritação, distensão ou mesmo excitação excessiva. Sinais nervosos são transmitidos por vias aferentes vagais e simpáticas até o centro do vômito do bulbo, localizado próximo ao trato solitário, aproximadamente no mesmo nível do núcleo dorsal do vago. São então produzidas reações motoras automáticas que causam o vômito.

×