1
“A Cor Púrpura” de Steven Spielberg, adaptação do livro
A Cor Púrpura de Alice Walker
I
Observe a imagem e mencione os e...
2
3.2. Explique como o filme aborda a importância da educação na vida
da jovem.
4. Refira os detalhes em que o filme mostr...
3
Proposta de correcção
I
Figura feminina, sentada a ler
Iluminação natural: luz do nascer do sol ou do entardecer
Concent...
4
aprender a ler e a escrever. Ensinou a irmã e esta passou a escrever cartas a Deus,
expondo e desabafando o seu sofrimen...
5
7. Podemos dizer que o filme nos fala da importância dos Direitos Humanos ou dos
direitos individuais, denominação dada ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A cor púrpura com soluções

378 visualizações

Publicada em

Ficha de trabalho sobre o filme "A Cor Púrpura", com soluções". Biblioteca da Escola Secundária de Santa Maria Maior.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
378
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
124
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A cor púrpura com soluções

  1. 1. 1 “A Cor Púrpura” de Steven Spielberg, adaptação do livro A Cor Púrpura de Alice Walker I Observe a imagem e mencione os elementos que podem indicar o assunto ou os assuntos abordados no filme. II 1. Indique o local e a época em que se desenvolvem os acontecimentos relatados nesta obra. 2. Refira a personagem principal do filme, indicando alguns traços de personalidade, ocupações. 2.1. Quando começaram os problemas de Celie? 3. Identifique as personagens que intervêm na ação e ordene-as de acordo com a sua relevância na história. 3.1. Nattie, Sofia e Shug são personagens diferentes da protagonista. Como se manifestam essas diferenças? Temas: - Discriminação - Racismo - Igualdade de género
  2. 2. 2 3.2. Explique como o filme aborda a importância da educação na vida da jovem. 4. Refira os detalhes em que o filme mostra a pobreza das personagens . 5. Exponha as razões obrigaram a protagonista abandonar a casa do seu pai/padrasto. 5.1. Como era a jovem tratada no seu novo lar? 6. Explique o motivo por que o marido de Celie não a podia amar. 6.1. Podemos considerar o companheiro de Celie vítima? 6.2. Que importância teve Shug na vida de Celie? 7. O que é que este filme nos conta sobre os Direitos Humanos?
  3. 3. 3 Proposta de correcção I Figura feminina, sentada a ler Iluminação natural: luz do nascer do sol ou do entardecer Concentração Cadeira de baloiço II 1. A história passa-se no sul dos Estados Unidos, mais precisamente na Georgia, durante o início do século XX. O filme mostra-nos vários aspetos da vida rural do sul dos Estados Unidos daquele tempo. 2. A personagem principal da ação é Celie, uma mulher negra, ingénua e bondosa, que além de ser vítima de racismo, também é discriminada seio da família, por ser mulher. Não é uma pessoa que reaja às injustiças que lhe são impostas, pois revela-se, quase sempre, pouco consciente dos seus direitos. Logo no início do filme, a jovem Celie mostra-se surpreendida, com os problemas que afetam a sua vida desde tão cedo e apesar de ter sido sempre “uma boa menina”. 2.1. Os problemas de Celie começaram no início da adolescência, quando foi violentada e obrigada a ser mãe de dois filhos. Celie não chegou a conhecer as crianças, pois foi obrigada a dá-las para adoção. 3. As restantes personagens que intervêm na ação são Nettie, o pai ou o padrasto, que a violentou, Albert, o “mister”, marido, que a maltratava física e psicologicamente, Nettie, a irmã mais nova, Shug, o grande amor de Albert, que ajudaram a protagonista, Harpo, o filho de Albert, Sofia, a primeira mulher de Harpo e Squac, a segunda mulher de Harpo. 3.1. A grande diferença entre Celie e as personagens femininas é a capacidade de reação. Celie não é combativa, conforma-se e resigna-se perante as adversidades, fazendo tudo para sobreviver. Sofia, pelo contrário, não admite agressões por parte de ninguém, confrontando o pai e marido. Acabou por abandonar a casa paterna e abandonou também o marido por não se sentir respeitada. Fora de casa, Sofia reage violentamente, quando uma senhora branca lhe propõe um trabalho contra a sua vontade, foi severamente castigada. Nettie, por sua vez, foge quando o pai a tenta violentar, é expulsa da casa da irmã, quando resiste às investidas do marido de Celie. Só no fim, já quase no fim da narrativa, Celie revela consciência de si própria, rejeita a forma como foi tratada e revolta-se com o marido e sai de casa, indo ao encontro da irmã e dos filhos. 3.2. Tanto para Celie como para Nettie, a educação era muito importante, pois naquele meio as meninas não iam à escola e, consequentemente, as mulheres eram analfabetas. No entanto, Nettie, apesar das dificuldades, conseguiu ir à escola e
  4. 4. 4 aprender a ler e a escrever. Ensinou a irmã e esta passou a escrever cartas a Deus, expondo e desabafando o seu sofrimento. Passava o pouco tempo livre que tinha a ler vivia na esperança que a irmã lhe escrevesse. Durante a sua vida como mulher casada, ocupava o seu pouco tempo livre a ler. 4. O filme retrata bem pobreza que se vivia, naquela época, no meio rural do sul dos Estados Unidos. A pobreza está bem patente na falta de higiene e de cuidados médicos, assim como, na quase total ausência de formação ou instrução. Como havia poucos recursos, as crianças e os jovens eram obrigados a trabalhar, as raparigas não iam à escola, os rapazes também tinham pouca instrução. Por falta de formação, tornavam-se homens violentos e pouco racionais. Assim, os abusos sobre os mais fracos, nomeadamente sobre as mulheres, eram habituais. Por isso, as mulheres eram vítimas de violência física ou psicológica, sendo vítimas de maus tratos, às vezes, eram violentadas sexualmente por membros da família (pais, tios, irmãos…), eram também obrigadas a dar os seus filhos para adoção e a casar contra a sua vontade. 5. O pai arranjou-lhe um companheiro, obrigando-a a sair de casa, porque Celie já tinha poucas hipóteses de casar e formar uma família. Naquele tempo, era muito difícil para uma rapariga casar quando deixava de ser virgem. Além disso, Celie tinha perdido a fertilidade, devido à falta de cuidados durante os partos. 5.1. Celie foi separada da irmã, a única pessoa que a amava, e passou a viver com o marido, um viúvo que já tinha três filhos. 5.2. Celie era maltratada no seu novo lar, pois era obrigada a trabalhar para o marido e os seus filhos. Albert violentava-a física e psicologicamente, os filhos faltavam-lhe ao respeito. 6. Albert não podia amar Celie, porque estava apaixonado por Shug, e não lhe foi permitido casar com ela. Portanto, casou com a jovem apenas por precisar de uma mulher para lhe cuidar da casa e dos filhos. 6.1. Podemos considerar Albert mais uma vítima de isolamento, de falta de formação ou de instrução e de pobreza. Não foi capaz de se libertar da autoridade paterna e de escolher, como esposa, a mulher que amava. Tal como os outros homens da região, o pai de Albert foi um pai impositivo, autoritário e exigente. Assim, Albert nunca teve coragem para o enfrentar e casou-se com Celie sem sentir qualquer tipo de sentimento por ela apenas lhe mostrava desprezo por ser mulher Assim, não só desiludiu a namorada (Shug), o grande amor da sua vida, como também foi um fraco pai e um mau marido. 6.2. Tal como Nettie, Shug foi uma grande aliada da protagonista, pois soube manifestar-lhe gratidão e carinho, conquistando a sua confiança. Fê-la tomar consciência de si própria, dos seus direitos e das injustiças de que era vítima. Foi o apoio se Shug que lhe permitiu revoltou-se com o marido e abandonar a casa, onde tinha sido extremamente infeliz. Sob a influência de Shug, Celie conseguiu voltar a ver a irmã e os dois filhos, que foi obrigada a abandonar.
  5. 5. 5 7. Podemos dizer que o filme nos fala da importância dos Direitos Humanos ou dos direitos individuais, denominação dada nas 10 primeiras emendas (1791) da Constituição Americana (1787). De facto, este filme descreve a vida da maior parte das pessoas que habitavam nas zonas rurais no sul dos Estados Unidos, ou seja, num local e numa época em não se respeitavam os Direitos Humanos, nem os direitos individuais. Assistimos, durante o filme, a grande sofrimento e a grandes injustiças das quais todos, ou quase todos, eram vítimas. Assim, as mulheres não tinham direito à educação, à liberdade de expressão nem à autodeterminação. Eram obrigadas a sujeitar-se à vontade do pai e do marido, sendo, muitas vezes, obrigadas a ser mães, a casar-se ou a afastar-se dos filhos. Os homens, por sua vez, embora dominassem as mulheres, também eram vítimas de abuso de autoridade paterna, como se vê no filme: a Albert, companheiro de Celie, também não lhe foi reconhecido o direito de escolher livremente a esposa, tendo que sujeitar-se à autoridade do pai. Inês Marta 2015

×