O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Minha resenha claudia targa1

281 visualizações

Publicada em

Resenha Crítica
Culturas jovens e cultura escolar (Fanfani, Emilio Tenti)

Publicada em: Educação
  • Entre para ver os comentários

Minha resenha claudia targa1

  1. 1. CURSO: Especialização para Docentes em Língua Inglesa Redefor/UNESP TUTOR: Maria do Rosário Gomes Lima da Silva (temporariamente) CURSISTA: Cláudia Regina Targa Miranda TURMA: 20 MÓDULO: 1 – Reflexões sobre a teoria e prática no ensino e aprendizagem de LI. DISCIPLINA: D1 – Abordagens, métodos e perspectivas sociointeracionistas no ensino de Língua Estrangeira. ATIVIDADE 2: Resenha Crítica Culturas jovens e cultura escolar (Fanfani, Emilio Tenti), o professor de sociologia argentino põe em pauta a condição da educação escolar oferecida a jovens e adolescentes da América Latina. Documento apresentado no seminário “Escola Jovem: um novo olhar sobre o ensino médio”. Organizado pelo Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Coordenação-Geral de Ensino Médio. Brasília. de 7 a 9 de junho de 2000. Nele o autor traz a tona dois fenômenos, a massificação e falta de recursos públicos, e a escolarização como fonte de construção de novos sujeitos sociais. Cinco tópicos são abordados nas linhas do documento que, construídas pelo autor de maneira profícua e com uma linguagem acessível, fazem o leitor entender, as transformações significativas geradas pela massificação nas instituições escolares e na vida social dos alunos. Fanfani explica as mudanças na estrutura social e familiar, bem como nos modos de produção. A incoerência entre o que se ensina e para quem, e a falta de perspectiva dos jovens mais pobres que não veem relação entre escolaridade (diploma) e resultados materiais (posto de trabalho). O sociólogo argumenta que, se antes o ensino médio era voltado para os estudos universitários, nas condições atuais pode-se dizer que é o final do processo de formação dos aprendizes, a última etapa da escolaridade obrigatória. Tais argumentações refletem a problemática dos grupos sociais excluídos que sentem que as instituições não estão conforme seus projetos de vida. Contrapondo duas culturas: a dos jovens e a da escola. Toda essa fundamentação mostra que hoje, compelidos pela lei, professores, famílias e alunos, já não compartilham os mesmos ideais do projeto original dos sistemas educativos de outrora, ao contrário nos revela que tal obrigatoriedade determina a permanência dos adolescentes na escola, entretanto tais mudanças oferecidas estão em desacordo com a demanda da sociedade. Ou cumprimento da obrigatoriedade, não garante educabilidade. Em linhas de reflexão, o autor discute e problematiza a relação entre as condições socioculturais da população, da escolarização e das instituições escolares. A luz destes problemas faz uma analogia da realidade de jovens excluídos socialmente, pela desigualdade de oportunidades quaisquer que sejam os motivos como pobreza extrema, classe de idade, enfim para ele a experiência escolar contribui para a construção social, e faz relações entre saber e poder que se e se reproduzem dentro de uma escola que não vai ao encontro com os projetos de vida dos educandos.

×