SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Os LusíadasOs Lusíadas
Autor: Luís Vaz de CamõesAutor: Luís Vaz de Camões
O tema escolhido porO tema escolhido por
Camões para o seuCamões para o seu
poema foi toda a históriapoema foi toda a história
de Portugal, como se vêde Portugal, como se vê
pelo próprio título:pelo próprio título: OsOs
LusíadasLusíadas. (Lusíadas é. (Lusíadas é
um neologismo queum neologismo que
designa os Portugueses)designa os Portugueses)
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
•Nasceu provavelmente em Lisboa no ano deNasceu provavelmente em Lisboa no ano de 15241524 ouou 15251525..
•Filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-seFilho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-se
que pertencia à pequena nobreza.que pertencia à pequena nobreza.
•Conviveu com pessoas importantes da Corte, tinha uma vidaConviveu com pessoas importantes da Corte, tinha uma vida
atribulada, envolvendo-se em amores e aventuras várias.atribulada, envolvendo-se em amores e aventuras várias.
•Esteve preso várias vezes, devido a desordens.Esteve preso várias vezes, devido a desordens.
 Entre 1549 e 1551, esteve emEntre 1549 e 1551, esteve em
Ceuta, como soldado (foi aqui,Ceuta, como soldado (foi aqui,
em combate, que perdeu oem combate, que perdeu o
olho direito).olho direito).
 Viajou para as Índias paraViajou para as Índias para
servir ao Rei D. João III.servir ao Rei D. João III.
Durante a viagem, sofreuDurante a viagem, sofreu
grande tempestade no Cabogrande tempestade no Cabo
da boa Esperança.da boa Esperança.
 No ano de 1571, obteve licença da Inquisição paraNo ano de 1571, obteve licença da Inquisição para
publicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, empublicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, em
15721572. Meses antes, lera a obra ao Rei D. Sebastião.. Meses antes, lera a obra ao Rei D. Sebastião.
 Em 28 de Junho de 1572, o Rei D. Sebastião concedeuEm 28 de Junho de 1572, o Rei D. Sebastião concedeu
ao poeta uma pensão anual no valor de 15 mil réis.ao poeta uma pensão anual no valor de 15 mil réis.
 Camões morreu no diaCamões morreu no dia 10 de Junho de 158010 de Junho de 1580..
Dia de Portugal
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Em sua lápide consta: “Aqui jaz Luís Vaz de Camões,
príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e
miseravelmente e assim morreu.”
LuísLuís VazVaz de Camõesde Camões
……diz-se que Camões terá encontrado em Macau umadiz-se que Camões terá encontrado em Macau uma
gruta onde se refugiou para escrever parte d’Osgruta onde se refugiou para escrever parte d’Os
Lusíadas…Lusíadas…
……diz-se que, quando regressou a Goa depois de terdiz-se que, quando regressou a Goa depois de ter
estado em Macau, Camões naufragou e, a nado,estado em Macau, Camões naufragou e, a nado,
conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas…conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas…
História X LendasHistória X Lendas
Camões na Gruta de Macau
Pintura do século XIX, da autoria de
Francisco Augusto de Metrass.
Museu de Arte Contemporânea.
Gruta de Camões (Macau)
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Cantando espalharei por toda a parte…Cantando espalharei por toda a parte…
O que é uma epopeia?O que é uma epopeia?
Podemos dizer que a epopeia é umaPodemos dizer que a epopeia é uma narrativanarrativa emem
versoverso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a, isto é, uma história que alguém conta e que tem a
forma de um poema.forma de um poema.
De que falam as epopeias?De que falam as epopeias?
As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis,As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis,
sejam eles lendários ou personagens históricas.sejam eles lendários ou personagens históricas.
A EpopeiaA Epopeia
Epopeias FamosasEpopeias Famosas
Vasco da Gama (e o povo Português) –
Os Lusíadas (sec. XVI)
Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.)
Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.)
Eneias – Eneida (séc. I a.C.)
Aquiles e o seu amigo Pátrocolo, personagens da
Ilíada
(representação de um vaso grego do século VI A.C.)
Ulisses e as sereias. Episódio da
Odisseia.
Pintura de Herbert Draper
Eneias salvando o pai. Um dos mais belos episódios da
Eneida.
Pintura de António Manuel da Fonseca.
A EpopeiaA Epopeia
 São elementos da estrutura clássica da epopeia:São elementos da estrutura clássica da epopeia:
aa ProposiçãoProposição;;
aa InvocaçãoInvocação;;
aa DedicatóriaDedicatória (elemento facultativo);(elemento facultativo);
aa NarraçãoNarração
Quando osQuando os
acontecimentos jáacontecimentos já
decorrem, sendodecorrem, sendo
depois retomados pordepois retomados por
analepse.analepse.
Onde o poeta apresenta o
assunto da sua epopeia.
Onde o poeta pede o
auxílio de entidades
superiores.
O homem do Renascimento, o Humanista,O homem do Renascimento, o Humanista,
valoriza a observação e a experimentação.valoriza a observação e a experimentação.
É uma época em que se valoriza “É uma época em que se valoriza “…um…um
saber só de experiências feito…”saber só de experiências feito…”
Escreverá Camões, no canto IV deEscreverá Camões, no canto IV de OsOs
LusíadasLusíadas, no episódio do Velho do Restelo., no episódio do Velho do Restelo.
Os LusíadasOs Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Camões copia a estrutura narrativa daCamões copia a estrutura narrativa da
Odisséia de Homero, assim como versosOdisséia de Homero, assim como versos
de Eneida de Virgílio.de Eneida de Virgílio.
Cada estrofe apresenta oito versos. AsCada estrofe apresenta oito versos. As
rimas são sempre da mesma forma:rimas são sempre da mesma forma:
abababcc.abababcc.
A epopéia compõe-se de 1102 estrofes,A epopéia compõe-se de 1102 estrofes,
no total de 8816 versos, todosno total de 8816 versos, todos
decassílabos, divididos em 10 cantos.decassílabos, divididos em 10 cantos.
Inês de CastroInês de Castro
“O caso triste e digno da memória
Que do sepulcro os homens desterra
Aconteceu da mísera e mesquinha
Que depois de morta foi rainha.”
Luís Vaz de Camões
Inês de Castro
Segundo a lenda, D.
Pedro, inconformado,
manda vestir a noiva
com roupas nupciais,
senta o cadáver no
trono e faz os nobres
lhe beijarem a mão.
Detalhe do túmulo de
D. Inês no mosteiro de
Alcobaça.
Episódio do Velho do ResteloEpisódio do Velho do Restelo
(Canto IV, estrofes 90 a 104)(Canto IV, estrofes 90 a 104)
A frota de Vasco da Gama deixou o cais do Restelo com
170 homens, dos quais apenas 55 retornariam vivos a
Portugal.
Cabo das Tormentas: O GiganteCabo das Tormentas: O Gigante
AdamastorAdamastor
O Gigante Adamastor diz que as naus portuguesas terão sempre “inimigo a
esta paragem” através de “naufrágios, perdições de toda a sorte, que o
menor mal de todos seja a morte”, a fazer lembrar as palavras proféticas do
Velho do Restelo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Biografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de CamõesBiografia de Luís de Camões
Biografia de Luís de Camões
 
Autobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de CamõesAutobiografia de Luís de Camões
Autobiografia de Luís de Camões
 
Vida e obra de Wuanhenga Xitu
Vida e obra de Wuanhenga XituVida e obra de Wuanhenga Xitu
Vida e obra de Wuanhenga Xitu
 
Ubu rei
Ubu  reiUbu  rei
Ubu rei
 
Eça de queirós
Eça de queirósEça de queirós
Eça de queirós
 
Pedro Peixoto
Pedro PeixotoPedro Peixoto
Pedro Peixoto
 
Obras de Camões
Obras de CamõesObras de Camões
Obras de Camões
 
Biografia de luis vaz de camões
Biografia de luis vaz de camões Biografia de luis vaz de camões
Biografia de luis vaz de camões
 
Luis de Camões
Luis de CamõesLuis de Camões
Luis de Camões
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Ubu rei
Ubu reiUbu rei
Ubu rei
 
Luís de Camões
Luís de CamõesLuís de Camões
Luís de Camões
 
Eça de Queirós
Eça de QueirósEça de Queirós
Eça de Queirós
 
Obras propostas para o projeto de leitura biblioteca
Obras propostas para o projeto de leitura bibliotecaObras propostas para o projeto de leitura biblioteca
Obras propostas para o projeto de leitura biblioteca
 
Navio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro AlvesNavio Negreiro - Castro Alves
Navio Negreiro - Castro Alves
 
Trabalho de pesquisa
Trabalho de pesquisaTrabalho de pesquisa
Trabalho de pesquisa
 
O baile da biblioteca2
O baile da biblioteca2O baile da biblioteca2
O baile da biblioteca2
 
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
BIOGRAFIAS GIL VICENTE TIAGO REBELO LESLEY PERASE DITA VON TEESE FERNÃO LOPES...
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 

Destaque

Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasClaudia Lazarini
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoClaudia Lazarini
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okClaudia Lazarini
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa TrovadorescaClaudia Lazarini
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especialAna Batista
 
Os lusíadas apresentação
Os lusíadas apresentaçãoOs lusíadas apresentação
Os lusíadas apresentaçãoRomão Inácio
 
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadas
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadasPequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadas
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadasRenata Sofia
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Nuno Correia
 

Destaque (20)

Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
o-gigante-adamastor
 o-gigante-adamastor o-gigante-adamastor
o-gigante-adamastor
 
O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
O Ateneu especial
O Ateneu especialO Ateneu especial
O Ateneu especial
 
Os lusíadas apresentação
Os lusíadas apresentaçãoOs lusíadas apresentação
Os lusíadas apresentação
 
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadas
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadasPequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadas
Pequenos resumos de dois dos episódios de os lusíadas
 
OS Lusíadas
OS LusíadasOS Lusíadas
OS Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)Geo 8   FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
Geo 8 FormaçãO De Rochas Sedimentares (Transporte, SedimentaçãO E DiagéNese)
 

Semelhante a Os Lusíadas

Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesCrisBiagio
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoElsa Maximiano
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Alvaro Gomes
 
literatura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de histórialiteratura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de históriaanammjorge
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoLuana D'Luna
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoesutario
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoesutario
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadasJonatas Carlos
 

Semelhante a Os Lusíadas (20)

Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de Camões
 
Os lusiadas introdução
Os lusiadas introduçãoOs lusiadas introdução
Os lusiadas introdução
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Vida de camões epopeia
Vida de camões epopeiaVida de camões epopeia
Vida de camões epopeia
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras Luís Vaz de Camões Vida e Obras
Luís Vaz de Camões Vida e Obras
 
literatura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de histórialiteratura portuguesa - 800 anos de história
literatura portuguesa - 800 anos de história
 
Português - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou ClassicismoPortuguês - Renascimento ou Classicismo
Português - Renascimento ou Classicismo
 
Vida de camões
Vida de camõesVida de camões
Vida de camões
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Luis vaz de_camoes
Luis vaz de_camoesLuis vaz de_camoes
Luis vaz de_camoes
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 

Mais de Claudia Lazarini

Mais de Claudia Lazarini (6)

O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

Os Lusíadas

  • 1. Os LusíadasOs Lusíadas Autor: Luís Vaz de CamõesAutor: Luís Vaz de Camões O tema escolhido porO tema escolhido por Camões para o seuCamões para o seu poema foi toda a históriapoema foi toda a história de Portugal, como se vêde Portugal, como se vê pelo próprio título:pelo próprio título: OsOs LusíadasLusíadas. (Lusíadas é. (Lusíadas é um neologismo queum neologismo que designa os Portugueses)designa os Portugueses)
  • 2. Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões •Nasceu provavelmente em Lisboa no ano deNasceu provavelmente em Lisboa no ano de 15241524 ouou 15251525.. •Filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-seFilho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá, acredita-se que pertencia à pequena nobreza.que pertencia à pequena nobreza. •Conviveu com pessoas importantes da Corte, tinha uma vidaConviveu com pessoas importantes da Corte, tinha uma vida atribulada, envolvendo-se em amores e aventuras várias.atribulada, envolvendo-se em amores e aventuras várias. •Esteve preso várias vezes, devido a desordens.Esteve preso várias vezes, devido a desordens.
  • 3.  Entre 1549 e 1551, esteve emEntre 1549 e 1551, esteve em Ceuta, como soldado (foi aqui,Ceuta, como soldado (foi aqui, em combate, que perdeu oem combate, que perdeu o olho direito).olho direito).  Viajou para as Índias paraViajou para as Índias para servir ao Rei D. João III.servir ao Rei D. João III. Durante a viagem, sofreuDurante a viagem, sofreu grande tempestade no Cabogrande tempestade no Cabo da boa Esperança.da boa Esperança.
  • 4.  No ano de 1571, obteve licença da Inquisição paraNo ano de 1571, obteve licença da Inquisição para publicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, empublicar a obra, o que aconteceu no ano seguinte, em 15721572. Meses antes, lera a obra ao Rei D. Sebastião.. Meses antes, lera a obra ao Rei D. Sebastião.  Em 28 de Junho de 1572, o Rei D. Sebastião concedeuEm 28 de Junho de 1572, o Rei D. Sebastião concedeu ao poeta uma pensão anual no valor de 15 mil réis.ao poeta uma pensão anual no valor de 15 mil réis.  Camões morreu no diaCamões morreu no dia 10 de Junho de 158010 de Junho de 1580.. Dia de Portugal Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
  • 5. Em sua lápide consta: “Aqui jaz Luís Vaz de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.” LuísLuís VazVaz de Camõesde Camões
  • 6. ……diz-se que Camões terá encontrado em Macau umadiz-se que Camões terá encontrado em Macau uma gruta onde se refugiou para escrever parte d’Osgruta onde se refugiou para escrever parte d’Os Lusíadas…Lusíadas… ……diz-se que, quando regressou a Goa depois de terdiz-se que, quando regressou a Goa depois de ter estado em Macau, Camões naufragou e, a nado,estado em Macau, Camões naufragou e, a nado, conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas…conseguiu salvar o manuscrito d’Os Lusíadas… História X LendasHistória X Lendas
  • 7. Camões na Gruta de Macau Pintura do século XIX, da autoria de Francisco Augusto de Metrass. Museu de Arte Contemporânea. Gruta de Camões (Macau) Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
  • 8. Cantando espalharei por toda a parte…Cantando espalharei por toda a parte… O que é uma epopeia?O que é uma epopeia? Podemos dizer que a epopeia é umaPodemos dizer que a epopeia é uma narrativanarrativa emem versoverso, isto é, uma história que alguém conta e que tem a, isto é, uma história que alguém conta e que tem a forma de um poema.forma de um poema. De que falam as epopeias?De que falam as epopeias? As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis,As epopeias celebram os feitos grandiosos de heróis, sejam eles lendários ou personagens históricas.sejam eles lendários ou personagens históricas. A EpopeiaA Epopeia
  • 9. Epopeias FamosasEpopeias Famosas Vasco da Gama (e o povo Português) – Os Lusíadas (sec. XVI) Aquiles – Ilíada (sec. IX-VII a.C.) Ulisses – Odisseia (sec. IX-VII a.C.) Eneias – Eneida (séc. I a.C.)
  • 10. Aquiles e o seu amigo Pátrocolo, personagens da Ilíada (representação de um vaso grego do século VI A.C.)
  • 11. Ulisses e as sereias. Episódio da Odisseia. Pintura de Herbert Draper
  • 12. Eneias salvando o pai. Um dos mais belos episódios da Eneida. Pintura de António Manuel da Fonseca.
  • 13. A EpopeiaA Epopeia  São elementos da estrutura clássica da epopeia:São elementos da estrutura clássica da epopeia: aa ProposiçãoProposição;; aa InvocaçãoInvocação;; aa DedicatóriaDedicatória (elemento facultativo);(elemento facultativo); aa NarraçãoNarração Quando osQuando os acontecimentos jáacontecimentos já decorrem, sendodecorrem, sendo depois retomados pordepois retomados por analepse.analepse. Onde o poeta apresenta o assunto da sua epopeia. Onde o poeta pede o auxílio de entidades superiores.
  • 14. O homem do Renascimento, o Humanista,O homem do Renascimento, o Humanista, valoriza a observação e a experimentação.valoriza a observação e a experimentação. É uma época em que se valoriza “É uma época em que se valoriza “…um…um saber só de experiências feito…”saber só de experiências feito…” Escreverá Camões, no canto IV deEscreverá Camões, no canto IV de OsOs LusíadasLusíadas, no episódio do Velho do Restelo., no episódio do Velho do Restelo. Os LusíadasOs Lusíadas
  • 15. Os LusíadasOs Lusíadas Camões copia a estrutura narrativa daCamões copia a estrutura narrativa da Odisséia de Homero, assim como versosOdisséia de Homero, assim como versos de Eneida de Virgílio.de Eneida de Virgílio. Cada estrofe apresenta oito versos. AsCada estrofe apresenta oito versos. As rimas são sempre da mesma forma:rimas são sempre da mesma forma: abababcc.abababcc. A epopéia compõe-se de 1102 estrofes,A epopéia compõe-se de 1102 estrofes, no total de 8816 versos, todosno total de 8816 versos, todos decassílabos, divididos em 10 cantos.decassílabos, divididos em 10 cantos.
  • 16. Inês de CastroInês de Castro “O caso triste e digno da memória Que do sepulcro os homens desterra Aconteceu da mísera e mesquinha Que depois de morta foi rainha.” Luís Vaz de Camões
  • 17. Inês de Castro Segundo a lenda, D. Pedro, inconformado, manda vestir a noiva com roupas nupciais, senta o cadáver no trono e faz os nobres lhe beijarem a mão. Detalhe do túmulo de D. Inês no mosteiro de Alcobaça.
  • 18. Episódio do Velho do ResteloEpisódio do Velho do Restelo (Canto IV, estrofes 90 a 104)(Canto IV, estrofes 90 a 104) A frota de Vasco da Gama deixou o cais do Restelo com 170 homens, dos quais apenas 55 retornariam vivos a Portugal.
  • 19. Cabo das Tormentas: O GiganteCabo das Tormentas: O Gigante AdamastorAdamastor O Gigante Adamastor diz que as naus portuguesas terão sempre “inimigo a esta paragem” através de “naufrágios, perdições de toda a sorte, que o menor mal de todos seja a morte”, a fazer lembrar as palavras proféticas do Velho do Restelo.