SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
 Passaram-se cinco dias de navegação calma, quando de
repente, numa noite, uma nuvem escura nos aparece.
 A nuvem vinha tão carregada que ficámos cheios de
medo. Eu, Vasco da Gama , pedi ajuda a Deus.
Que perigo é esse
que vem aí? Essa
nuvem será uma
tempestade?
Deus, protege-nos!
 Surgiu então uma figura gigantesca e horrenda. Tinha
o rosto carregado, a barba esquálida, os olhos
encovados, a cor terrena e pálida; toda a postura era
medonha e má. Tinha os cabelos cheios de terra e
crespos; os dentes eram amarelos e a boca negra.
 Essa figura num tom de voz horrendo e grosso, que
pareceu saído do mar profundo, disse-nos:
Ó gente ousada, já que
ousas navegar nos
meus mares nunca
antes descobertos por
nenhum ser
humano, vem saber os
castigos que vos
reservo para o vosso
atrevimento!
A todas as naus
que fizerem esta
viagem e passarem
por aqui, eu farei
com que haja
naufrágios e
perdições de toda a
sorte, que o menor
mal de todos seja a
morte!
Quem és tu? Que
esse estupendo
corpo, certo me tem
maravilhado?
E então algo de estranho se passou. Dando um espantoso e
grande brado, respondeu a Vasco da Gama , com voz amarga,
como se a pergunta o tivesse magoado:
Eu sou o Cabo que vós
chamais das Tormentas.
Aqui termino a costa
Africana. Fui um dos
Gigantes que defrontaram
os Deuses do Olimpo, em
guerra sangrenta.
Apaixonei-me por Tétis, princesa das águas. Aconteceu um dia em que a
vi nua na praia. A partir daí senti-me irremediavelmente preso. Dado que
sou muito feio, fui pedir ajuda a Dóris, sua mãe, para convencer Tétis a
me amar.
A Deusa respondeu: Qual será o amor
bastante de ninfa, que
sustente o de um
Gigante? O amor de
ninfa é pequeno para um
Gigante. No entanto hei-
-de encontrar maneira
de evitar a guerra.
Numa noite, prometida por Dóris, aparece-me o rosto da
linda Tétis, despida. Corro como um louco para
ela, abraçando-a e beijando-lhe as faces e o cabelo.
Afinal, achei-me abraçado, não à
minha amada Tétis, mas a um
penedo e eu próprio transformado
num rochedo, tornando-me neste
cabo.
Assim contava o Gigante, e chorando, afastou-se de
nós. Eu então fiz uma prece a Deus, pedindo-lhe
que as profecias do Adamastor não se
concretizassem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os LusíadasEpisódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
Episódio "O Gigante Adamastor" d' Os Lusíadas
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
O adamastor
O adamastorO adamastor
O adamastor
 
Cantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumoCantigas de amor -resumo
Cantigas de amor -resumo
 
Ser poeta é
Ser poeta éSer poeta é
Ser poeta é
 
O fidalgo
O fidalgoO fidalgo
O fidalgo
 
Adamastor
AdamastorAdamastor
Adamastor
 
Teste lirica-camoniana
Teste lirica-camonianaTeste lirica-camoniana
Teste lirica-camoniana
 
A ilha dos amores canto ix, estâncias52 53; 66-70
A ilha dos amores canto ix, estâncias52 53; 66-70 A ilha dos amores canto ix, estâncias52 53; 66-70
A ilha dos amores canto ix, estâncias52 53; 66-70
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Ficha de trabalho episódio de inês de castro
Ficha de trabalho episódio de inês de castroFicha de trabalho episódio de inês de castro
Ficha de trabalho episódio de inês de castro
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Cantos i e ii lusíadas
Cantos i e ii   lusíadasCantos i e ii   lusíadas
Cantos i e ii lusíadas
 
Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97Canto vii est 78_97
Canto vii est 78_97
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 
"O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo""O Príncipe Nabo"
"O Príncipe Nabo"
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Oração subordinada adverbial temporal
Oração subordinada adverbial temporalOração subordinada adverbial temporal
Oração subordinada adverbial temporal
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 

Destaque

Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorRafaellinho40
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15luisprista
 
Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Maria Costa
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastorcristianavieitas
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoSusana Sobrenome
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPaulo Rodrigues
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Maria João Lima
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastordsa97
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaBruno Freitas
 
D dinis
D dinisD dinis
D dinis20014
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34luisprista
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 

Destaque (20)

D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do AdamastorIntertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
Intertextualidade de uma musica com a historia do Adamastor
 
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)O  Mostrengo ( Fernando  Pessoa)
O Mostrengo ( Fernando Pessoa)
 
Powerpoint mensagem
Powerpoint mensagemPowerpoint mensagem
Powerpoint mensagem
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
Apresentação para décimo segundo ano, aula 15
 
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas -  Canto V - O Gigante AdamastorOs Lusíadas -  Canto V - O Gigante Adamastor
Os Lusíadas - Canto V - O Gigante Adamastor
 
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. DinisA Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
 
Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"Análise do "Adamastor"
Análise do "Adamastor"
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
Apresentação d.dinis
Apresentação d.dinisApresentação d.dinis
Apresentação d.dinis
 
Lusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do AdamastorLusíadas - Episódio do Adamastor
Lusíadas - Episódio do Adamastor
 
Comparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e MostrengoComparação_Adamastor e Mostrengo
Comparação_Adamastor e Mostrengo
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
 
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]Os lusíadas   adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
Os lusíadas adamastor - resumo (por estrofe) e análise global[1]
 
Entrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastorEntrevista ao gigante adamastor
Entrevista ao gigante adamastor
 
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando PessoaO Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
O Mostrengo mensagem Fernando Pessoa
 
D dinis
D dinisD dinis
D dinis
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 

Semelhante a O encontro com o gigante Adamastor

ADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docxADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docxRitaMag2
 
Robinson crusoe
Robinson crusoeRobinson crusoe
Robinson crusoeMorganauca
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barrosmarianelsa
 
ARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAtedesign2011
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasBecre Forte da Casa
 
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das TrevasCapitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das TrevasLeonardo Gouvea Moreira
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)Lucas Grima
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)Lucas Grima
 
Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiroTalita Travassos
 
Brincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gostoBrincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gostoFer Nanda
 
ApresentaçãO Uniube
ApresentaçãO UniubeApresentaçãO Uniube
ApresentaçãO Uniubeavepalavra
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do marcruchinho
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiroLRede
 

Semelhante a O encontro com o gigante Adamastor (20)

ADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docxADAMASTOR - CANTO V.docx
ADAMASTOR - CANTO V.docx
 
Robinson crusoe
Robinson crusoeRobinson crusoe
Robinson crusoe
 
Versão joao de barros
Versão joao de barrosVersão joao de barros
Versão joao de barros
 
ARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRAARES DA MINHA SERRA
ARES DA MINHA SERRA
 
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os LusíadasEpisódio Adamastor - Os Lusíadas
Episódio Adamastor - Os Lusíadas
 
O seguidor
O seguidorO seguidor
O seguidor
 
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das TrevasCapitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
Capitulo 1: O Despertar da Luz e das Trevas
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
 
Intervenção 003 africa¹ (material)
Intervenção 003   africa¹ (material)Intervenção 003   africa¹ (material)
Intervenção 003 africa¹ (material)
 
Mós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia MedievalMós - Aldeia Medieval
Mós - Aldeia Medieval
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Castro alves navio negreiro
Castro alves   navio negreiroCastro alves   navio negreiro
Castro alves navio negreiro
 
Brincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gostoBrincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gosto
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Material de apoio 1º ano
Material de apoio 1º anoMaterial de apoio 1º ano
Material de apoio 1º ano
 
ApresentaçãO Uniube
ApresentaçãO UniubeApresentaçãO Uniube
ApresentaçãO Uniube
 
Brincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gostoBrincadeiras de mau gosto
Brincadeiras de mau gosto
 
Poemas do mar
Poemas do marPoemas do mar
Poemas do mar
 
O navio negreiro
O navio negreiroO navio negreiro
O navio negreiro
 

Mais de Claudia Lazarini (20)

O Velho do Restelo
O Velho do ResteloO Velho do Restelo
O Velho do Restelo
 
O velho do restelo
O velho do resteloO velho do restelo
O velho do restelo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Inês de castro e pedro
Inês de castro e pedroInês de castro e pedro
Inês de castro e pedro
 
O Gigante Adamastor
O Gigante AdamastorO Gigante Adamastor
O Gigante Adamastor
 
Inês de Castro e Pedro
Inês de Castro e PedroInês de Castro e Pedro
Inês de Castro e Pedro
 
Oslusiadas modificado
Oslusiadas modificadoOslusiadas modificado
Oslusiadas modificado
 
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenasAuto da-barca-do-inferno-analise-cenas
Auto da-barca-do-inferno-analise-cenas
 
Gil vicente ok
Gil vicente okGil vicente ok
Gil vicente ok
 
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - okMemorias postumas de_bras_cubas - ok
Memorias postumas de_bras_cubas - ok
 
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval  Poesia e a Prosa TrovadorescaLiteratura Medieval  Poesia e a Prosa Trovadoresca
Literatura Medieval Poesia e a Prosa Trovadoresca
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-QueirósJose Maria-de-Eça-de-Queirós
Jose Maria-de-Eça-de-Queirós
 
1890 O Cortiço
 1890 O Cortiço 1890 O Cortiço
1890 O Cortiço
 
Realismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisãoRealismo naturalismo revisão
Realismo naturalismo revisão
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Renascimento cultural2
Renascimento cultural2Renascimento cultural2
Renascimento cultural2
 
Renascimento
 Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 

O encontro com o gigante Adamastor

  • 1.
  • 2.  Passaram-se cinco dias de navegação calma, quando de repente, numa noite, uma nuvem escura nos aparece.
  • 3.  A nuvem vinha tão carregada que ficámos cheios de medo. Eu, Vasco da Gama , pedi ajuda a Deus. Que perigo é esse que vem aí? Essa nuvem será uma tempestade? Deus, protege-nos!
  • 4.  Surgiu então uma figura gigantesca e horrenda. Tinha o rosto carregado, a barba esquálida, os olhos encovados, a cor terrena e pálida; toda a postura era medonha e má. Tinha os cabelos cheios de terra e crespos; os dentes eram amarelos e a boca negra.
  • 5.  Essa figura num tom de voz horrendo e grosso, que pareceu saído do mar profundo, disse-nos: Ó gente ousada, já que ousas navegar nos meus mares nunca antes descobertos por nenhum ser humano, vem saber os castigos que vos reservo para o vosso atrevimento!
  • 6. A todas as naus que fizerem esta viagem e passarem por aqui, eu farei com que haja naufrágios e perdições de toda a sorte, que o menor mal de todos seja a morte!
  • 7. Quem és tu? Que esse estupendo corpo, certo me tem maravilhado?
  • 8. E então algo de estranho se passou. Dando um espantoso e grande brado, respondeu a Vasco da Gama , com voz amarga, como se a pergunta o tivesse magoado: Eu sou o Cabo que vós chamais das Tormentas. Aqui termino a costa Africana. Fui um dos Gigantes que defrontaram os Deuses do Olimpo, em guerra sangrenta.
  • 9. Apaixonei-me por Tétis, princesa das águas. Aconteceu um dia em que a vi nua na praia. A partir daí senti-me irremediavelmente preso. Dado que sou muito feio, fui pedir ajuda a Dóris, sua mãe, para convencer Tétis a me amar.
  • 10. A Deusa respondeu: Qual será o amor bastante de ninfa, que sustente o de um Gigante? O amor de ninfa é pequeno para um Gigante. No entanto hei- -de encontrar maneira de evitar a guerra.
  • 11. Numa noite, prometida por Dóris, aparece-me o rosto da linda Tétis, despida. Corro como um louco para ela, abraçando-a e beijando-lhe as faces e o cabelo.
  • 12. Afinal, achei-me abraçado, não à minha amada Tétis, mas a um penedo e eu próprio transformado num rochedo, tornando-me neste cabo.
  • 13. Assim contava o Gigante, e chorando, afastou-se de nós. Eu então fiz uma prece a Deus, pedindo-lhe que as profecias do Adamastor não se concretizassem.