Disciplina – Sistemas de Tutoria em Cursos a Distância           Turma: Grupo 13           Tutor(a): Ciléia Fioroti do Ama...
No fórum é comum alguns alunos se destacarem, enquanto outros, por dificuldade como conteúdo, a tecnologia, ou mesmo timid...
silenciando- se quando necessário, para que cada um possa traçar seu caminho, mas tambémsabendo intervir quando necessário...
NOTAS:1_ Sistemas de Tutoria em Cursos a Distância – p. 72– Ideias apresentadas no texto Afetividade e Cognição.3– Aprendi...
MEDEIROS, Leila; MACEDO, Margarete; AMARAL, Sérgio; RIBEIRO, Vera. Sistemas de tuto-ria em cursos a distância: Texto base....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tarefa etapa4 claudine-alvarenga-silva

1.217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tarefa etapa4 claudine-alvarenga-silva

  1. 1. Disciplina – Sistemas de Tutoria em Cursos a Distância Turma: Grupo 13 Tutor(a): Ciléia Fioroti do Amaral Tarefa Etapa 4 Aluno(a): Claudine Alvarenga Silva Painel de Ações do Tutor num Ambiente Interativo de Aprendizagem Nas últimas décadas a educação a distância (EAD) vem crescendo, ganhando adeptos epassando por processos de transformações. Dos antigos cursos profissionalizantes por corres-pondência, cursos supletivos através de rádio e televisão, aos cursos online do século XXImuita coisa mudou, principalmente no que se refere a concepção de educação, metodologia epersonagens envolvidos. Neste texto vamos abordar um elemento fundamental para o sucesso de um curso a dis-tância, a tutoria, suas funções, características de um bom tutor, a construção de relações inter-pessoais e o desenvolvimento da autonomia do aluno /cursista.I – O TUTOR NUM AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: A EAD possui diversas especificidades que exigem mudanças no papel de cada um dosagentes do processo educativo. Nesta modalidade de ensino encontramos uma equipe multi-disciplinar composta por diversos profissionais, dentre eles o professor e o tutor. O professor na EAD é o especialista no conteúdo, quem planeja o curso, a disciplina, se-leciona os temas, prepara o material didático antecipando as dúvidas e propondo alternativas eelabora atividades e avaliações. Como normalmente o professor é responsável por diversasturmas ou disciplinas, entra em cena o tutor, o professor virtual responsável por cada turma, Otutor tem o compromisso de incentivar a aprendizagem autônoma e interativa de seus alunos,ou simplesmente “o tutor não ensina, mas ajuda os alunos a construírem, eles mesmos, suasestratégias de aprendizagem” (1). O curso a distância construído em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), devevalorizar a interatividade. Entendemos a interatividade como a possibilidade do aluno proces-sar, reelaborar e reconstruir conceitos e conteúdos do seu curso, tornando- se co-autor. O tutoré o elemento promotor da interatividade. É papel do tutor gerenciar mídias, atividades, recursose avaliações que permitam ao aluno interagir com o conteúdo, com os recursos tecnológicos ecom a turma. São vários os recursos disponíveis no AVA que estimulam a interatividade, fórum, chat,construção de texto colaborativo ( wiki), são os que mais se destacam. Para que estes recursoscumprem com seu papel, é fundamental que o tutor tenha dinamismo, visão crítica e global,responsabilidade, capacidade de lidar com situações novas e inesperadas, que saiba trabalharem equipe e, sobretudo, uma boa dose de sensibilidade.
  2. 2. No fórum é comum alguns alunos se destacarem, enquanto outros, por dificuldade como conteúdo, a tecnologia, ou mesmo timidez, têm dificuldade em se expressar, neste caso otutor deve estimular a participação destes alunos. Deve se fazer presente nos debates, valori-zando as opiniões, sintetizando as falas e levando o aluno a refletir sobre seu posicionamento,alterando sua linha de raciocínio. Outra característica de um tutor bem preparado, é a capacidade de antecipar dúvidasque possam aparecer, apresentando materiais e/ou atividades alternativos. O tutor ainda éresponsável por prestar atendimento ao aluno, que pode acontecer de diversas formas, medi-ante fórum, e-mail, chat ou telefone. Com inúmeras tarefas o tutor possui um papel de destaque na educação a distância,é o elemento responsável em intermediar as diversas relações existentes, mas acima de tudo,desenvolver a autonomia, elemento fundamental na EAD, promover a interatividade através dogerenciamento de recursos, atividades e conteúdos e promover a construção do conhecimentode forma colaborativa.II – AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM Ao longo dos tempos uma das grandes questões de filósofos e pesquisadores é arelação entre razão e emoção. A emoção, muitas vezes vista como sinônimo de fraqueza, oucomo característica feminina era desvalorizada em detrimento da razão. Pensadores Platão,Descartes, e Immanuel Kant valorizavam a razão. No século XX este questionamento começou a mudar. Piaget, Vigotsky, Wallon e outrosteóricos perceberam que não existe conflito entre razão e emoção, mas que ambos se comple-tam e são importantes no desenvolvimento humano (2 ). Este questionamento é muito importante quando aplicado à educação a distância (EAD).Um curso a distância deve ser planejado e elaborado para estimular o aluno/cursista a traçarsua própria trajetória de aprendizagem. Neste aspecto Carl Rogers deu uma grande contribui-ção ao defender a aprendizagem centrada na pessoa, trazendo princípios da psicologia huma-nista para a educação (3). Em um ambiente de aprendizagem as emoções, os sentidos estimulam o intelecto.Quando falamos de um ambiente de aprendizagem virtual (AVA) a questão torna- se mais sé-ria, em um AVA, o tutor precisa estabelecer uma relação pessoal e afetiva com os alu-nos/cursistas e entre os cursistas No AVA são diversos os recursos interativos que estimulam o aluno e promovem a inte-gração entre alunos/ cursistas e com o tutor. Usarei como exemplo o fórum, um dos recursosmais utilizados. No fórum um tema é apresentado e os alunos/ cursistas debatem o assunto. Otutor deve estimular a participação dos alunos, valorizar o pensamento do aluno e, quandonecessário, apaziguar ânimos e retornar a discussão ao “fio da meada”. É comum um alu-no/cursista mais tímido e reservado, sentir- se constrangido ao expor seu pensamento numfórum, cabendo ao tutor “buscar” este aluno e introduzi-lo no debate. Em síntese,, o tutor não épersonagem principal, e sim o aluno/cursista, devendo o tutor assistir ao debate de um fórum,
  3. 3. silenciando- se quando necessário, para que cada um possa traçar seu caminho, mas tambémsabendo intervir quando necessário.III – CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA Na atualidade, autonomia pode ser entendida “ (...) como uma relação social dialéticaentre a auto-regulação do sujeito (autonomia) e sua dependência do meio externo ( heterono-mia ou regulação pelo outro). É deste meio que se alimenta o sujeito que vai alimentar o meio,sendo ele, portanto, produto e produtor dessa relação “(4) Partindo dessa concepção entendemos a autonomia como um processo a ser desenvol-vido e que se desenvolve num ambiente de construção da aprendizagem colaborativa. A intera-tividade é um aspecto importante para o desenvolvimento da autonomia, permite ao alu-no/cursista intervir no conteúdo, escolher o caminho a seguir. Ao interagir com outros alu-nos/cursistas, participar de atividades em grupo, ou de fóruns de discussões, ao ter acesso abibliografia diversificada, ao ser estimulado pelo tutor e pelo grupo a buscar novos conhecimen-tos, refletir, analisar e reformular seus conceitos, o aluno/cursista desenvolve sua autonomia,torna-se responsável pelo seu processo de aprendizagem. A ideia de autonomia na educação está, de certa forma, presente em vários pensadorescontemporâneos: em Piaget, ao defender que o conhecimento é construído, que “conhecer étransformar o objeto”(5); na educação centrada na pessoa de Carl Rogers, para quem “ o indi-víduo tem dentro de si amplos recursos para auto compreensão, para alterar seu autoconceito,suas atitudes e seu comportamento auto dirigido” (6) e na pedagogia da autonomia de PauloFreire, para quem o processo educativo é também um processo de conscientização política doindivíduo, que ao livrar- se da opressão, percebe- se enquanto sujeito histórico, capaz de anali-sar, refletir e reelaborar seus conceitos e conhecimentos. Um aluno/cursista verdadeiramente autônomo é alguém que busca novos conhecimen-tos, que pesquisa, analisa, que vai além da bibliografia básica, mas é, também, alguém queinterage com seus colegas, socializando o produto de sua pesquisa, é alguém que quer dividircom outros aquilo que aprendeu, sendo assim, a autonomia torna- se parceira da aprendiza-gem colaborativa. Após refletir sobre os elementos tutoria, interatividade, relações interpessoais e autono-mia, concluímos que são interligados. A autonomia é uma competência fundamental no alunoda EAD, e é desenvolvida ao longo de um curso ou uma disciplina. Neste processo, o tutor é um personagem fundamental. É a pessoa responsável porapresentar diversos caminhos para o aluno/cursista, por estimular a reflexão, a aprendizagemcolaborativa, a formação de relacionamentos afetivos entre os alunos/cursistas. É responsávelpor fazer o gerenciamento das diversas mídias, de forma promover a integração entre os alu-nos e dos alunos com a plataforma e os recursos disponíveis. Através desta interação é possí-vel promover a aprendizagem colaborativa, que é uma das características da autonomia,a a-prendizagem como fruto de uma construção coletiva.
  4. 4. NOTAS:1_ Sistemas de Tutoria em Cursos a Distância – p. 72– Ideias apresentadas no texto Afetividade e Cognição.3– Aprendizagem Centrada na Pessoa – Fernanda de Mendonça Capelo4 – Construção da Autonomia na Educação Online. Adriana Conde Rocha, p.25- O que é Construtivismo, Fernando Becker, p.26 - Citado por Fernanda de Mendonça Capelo em Aprendizagem Centrada na Pessoa, p. 2BIBLIOGRAFIA::ARANTES, Valéria Amorim. Afetividade e cognição: rompendo a dicotomia na educação. Publi-cado originalmente em OLIVEIRA, M. K ; TRENTO, D.; REGO, T. (org). Psicologia, Educação eas temáticas da vida contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002. Disponível em:<http://www.hottopos.com/videtur23/valeria.htm>. Acesso em: 19 out. 2010.CAPELO, Fernanda de Mendonça. Aprendizagem centrada na pessoa. Disponível em:<http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=13&texto=817>. Acesso em: 19out. 2010.CARVALHO, Maria Alice Pessanha de; STRUCHINER, Miriam. Um ambiente construtivista deaprendizagem a distãncia: Estudo da interatividade, da cooperação e da autonomia em umcurso de gestão descentralizada de recursos humanos em saúde. Disponível em:<http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=87>. Acesso em: 19 out.2010.GONÇALVES, Maria Ilse Rodrigues. Reflexões sobre "silêncio virtual" no contexto do grupo dediscussão na aprendizagem via rede. Disponível em:<http://www.gestaouniversitaria.com/edicoes/28-28/133-reflexoes-sobre-%5C>. Acesso em: 19out. 2010.JAEGER, Fernanda Pires; ACCORSSI, Aline. Tutoria em Educação a Distância. Disponível em<http://www2.abed.org.br/visualizaDocumento.asp?Documento_ID=86>. Acesso em: 19 out.2010.KENSKI, Vani Moreira. Gestão e uso das mídias em projetos de educação a distância. RevistaE-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 1, dez. - jul. 2005-2006. Disponível em:<http://www.pucsp.br/ecurriculum>. Acesso em: 19 out. 2010.LEAL, Regina Barros. A importância do tutor no processo de aprendizagem a distância. RevistaIberoamericana de Educación (ISSN: 1681-5653). 2007. Brasil. Disponível em:<http://www.rieoei.org/deloslectores/947Barros.PDF>. Acesso em: 19 out. 2010.
  5. 5. MEDEIROS, Leila; MACEDO, Margarete; AMARAL, Sérgio; RIBEIRO, Vera. Sistemas de tuto-ria em cursos a distância: Texto base. Material da disciplina Sistemas de tutoria em cursos adistância, do curso Planejamento, Implementação e Gestão da EAD, 2010, UFF, Rio de Janei-ro. Ministério da Educação - MEC, Secretaria de Educação a Distância - SEED. Sistema Uni-versidade Aberta do Brasil - UAB. Programa Interinstitucional de Capacitação em EAD para aUAB. Rio de Janeiro: 2010. 26p.MORAN, José Manuel. As muitas formas de comunicar-nos. Trecho do segundo capítulo dolivro do mesmo autor, Desafios na comunicação pessoal, 3ª ed, Paulinas, 2007, p.43-50. Dis-ponível em: <http://www.eca.usp.br/prof/moran/muitas.htm>. Acesso em: 19 out.2010.PRADO, Maria Elisabette Brisola Brito. EaD: Integrar saberes e tecer redes. Disponível em:<http://atuar.multiply.com/journal/item/5/5>. Acesso em: 19 out. 2010.ROCHA, Adriana Conde e VILARINHO, Lúcia Regina Goulart. Construção da Autonomia naEducação Online: uma visão de alunos e tutores. Disponível em:http://etic2008.files.wordpress.com/2008/11/unesaadrinacrocha.pdf, acessado em 10 de Nov.de 2010.SALDANHA, Luis Cláudio D. – Concepções e desafios na Educação a Distância. Disponívelem: < http://www.abed.org.br/congresso2008/tc/511200810841PM.pdf> acessado em 10 deNov de 2010.SILVA, Marco. Pedagogia do parangolé - novo paradigma em educação presencial e online.Disponível em: <http://www.ensino.eb.br/artigos/parangole.pdf>. Acesso em: 19 out. 2010.

×