Intervenções SilenciosasPequenas ações de interferência no espaço urbano                                      Cinthya Marq...
Introdução         A presente pesquisa teve início durante o anode 2009 através de experimentações com intervençõesurbanas...
Artur Barrio.Trouxa Ensanguentada (TE) 1969.Tecido, barbante e tinta industrial1969:Situações: trabalhos feitos comdejetos...
Artur Barrio. Trouxa Ensanguentada (TE) Rio de Janeiro.1969.
Cildo MeirelesInserções em Circuitos Ideológicos2. Projeto Coca Cola, 1971.Inscrições em garrafas de vidro.Fonte: Itaú Cul...
Cildo MeirelesInserções em CircuitosIdeológicos - 3. ProjetoCédula, 1970 - 1976.Fotografia p&b.Fonte: Itaú Cultural
As Intervenções Silenciosas são ações queestão presentes em nosso dia a dia e que passamdesapercebidas pela maioria da pop...
Intervenções SilenciosasAções feitas dentro de espaço acadêmico. Biblioteca da UFPA. 2009.
Intervenções SilenciosasIntervenção durante abertura do II Salão SESC Universitário. 2009.
Intervenções SilenciosasAção feita em espaço público – Série Plastic Soda. Serigrafia. 2009.
Segundo Benjamin no livro Obras escolhidas III, ondeencontramos o capítulo que ele fala sobre o hábito da flânerie nasruas...
“A rua se torna moradia para o flâneur que, entreas fachadas dos prédios, sente-se em casa tanto quantoo burguês entre sua...
Intervenções SilenciosasAção feita durante aniversário de Belém, 2010.
Intervenções SilenciosasSignos visuais distribuídos pela cidade.      Ordep (Pedro Rodrigues). 2010.
Segundo o livro A desumanização da Arte, José Ortega y Gasset discute a questão de que “o homem comum se sente humilhado p...
Intervenções SilenciosasAções feitas na universidade federal. “Por aqui” Crispin, 2009.
Intervenções SilenciosasAções feitas em espaços públicos por autores desconhecidos. 2011
Intervenções Silenciosas                                                2011   A pesquisa Intervenções Silenciosas ampliou...
Apinagés         Durante a mudança do nome daavenida “Apinagés” uma intervenção silenciosafoi produzida pelo professor, hi...
Apinagés         Em 5 de outubro de 2011 uma lei aprovada em Belém pela câmera devereadores rebatizou o nome da rua Apinag...
“Fotografia como linguagem em      Intervenção Urbana”      Ocorreu durante os dias 05, 06 e 12 denovembro e foi ministrad...
Nailana Thiely         Jornalista e desenvolve trabalhos de pesquisa sobre intervenção urbana edesign visual percorrendo s...
A oficina             Ministrada por Nailana Thiely “Fotografia comolinguagem em Intervenção Urbana” durante os dias 05, 0...
Que deselegante!           2011
Não me ignore.         2011
ÁgoraAgora.      2011
ÁgoraAgora.      2011
Intervenção Silenciosa - Autor desconhecido
Intervenção Silenciosa - Autor desconhecido
Conclusão        Participar e atuar com essas intervenções não àstorna silenciosas. Porém para uma pesquisa em constantemu...
Bibliografia•   BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas III. São Paulo. 1ª edição. Editora    Brasiliense. 2000.•   CAUQUELIN, ...
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Intervenções Silenciosas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Intervenções Silenciosas

1.089 visualizações

Publicada em

Intervenções Silenciosas é um projeto de pesquisa desenvolvido por Cinthya Marques

Email: cinthyamnascimento@gmail.com
Flickr: www.flickr.com/cinthyam

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intervenções Silenciosas

  1. 1. Intervenções SilenciosasPequenas ações de interferência no espaço urbano Cinthya Marques cinthyamnascimento@gmail.com 2012
  2. 2. Introdução A presente pesquisa teve início durante o anode 2009 através de experimentações com intervençõesurbanas a partir das pesquisas e referências das obrasde Artur Barrio e Cildo Meirelles, artistas de umageração que tinham como referência em sua produçãouma arte política e ao mesmo tempo de cunho estéticocuja efemeridade dialogava diretamente com as açõesque eram propostas. Não pretendiam figurar em museusou galerias, pois muitas ações causavam grande choquequando eram percebidas como arte.
  3. 3. Artur Barrio.Trouxa Ensanguentada (TE) 1969.Tecido, barbante e tinta industrial1969:Situações: trabalhos feitos comdejetos, materiais orgânicos e objetos nadaconvencionais.São atos efêmeros e provocativos, umainterferência artística no ambiente.Joga 14 trouxas com carne, ossos e sangueno rio, em Belo Horizonte, durante a coletivaDo Corpo à Terra, em 1970.A ação tem apelo político, e é associada aosassassinatos do regime militar e dos gruposde extermínio. Muitas vezes, ele realiza assituações longe dos olhos do público .Fonte: Itaú Cultural
  4. 4. Artur Barrio. Trouxa Ensanguentada (TE) Rio de Janeiro.1969.
  5. 5. Cildo MeirelesInserções em Circuitos Ideológicos2. Projeto Coca Cola, 1971.Inscrições em garrafas de vidro.Fonte: Itaú Cultural Gravar nas garrafas derefrigerantes (embalagens de retorno)informações e opiniões críticas, edevolvê-las à circulação. Utiliza-se oprocesso de decalque (silk-screen) comtinta branca vitrificada, que não aparecequando a garrafa está vazia e simquando cheia, pois então fica visível ainscrição contra o fundo escuro doliquido Coca-Cola.Fonte: Itaú Cultural
  6. 6. Cildo MeirelesInserções em CircuitosIdeológicos - 3. ProjetoCédula, 1970 - 1976.Fotografia p&b.Fonte: Itaú Cultural
  7. 7. As Intervenções Silenciosas são ações queestão presentes em nosso dia a dia e que passamdesapercebidas pela maioria da população que não estáeducada visualmente para perceber arte emgrafites, stencils, objetos inseridos no campotridimensional e performances que acontecem semaviso prévio. São ações que remetem à obra dos artistascitados devido seu forte poder de contestação einclusão na cidade em que são realizadas.
  8. 8. Intervenções SilenciosasAções feitas dentro de espaço acadêmico. Biblioteca da UFPA. 2009.
  9. 9. Intervenções SilenciosasIntervenção durante abertura do II Salão SESC Universitário. 2009.
  10. 10. Intervenções SilenciosasAção feita em espaço público – Série Plastic Soda. Serigrafia. 2009.
  11. 11. Segundo Benjamin no livro Obras escolhidas III, ondeencontramos o capítulo que ele fala sobre o hábito da flânerie nasruas de Paris no início do século XIX, as primeiras ruas em que sealimentava o hábito de passeio eram chamadas de galerias, e osseus passantes eram os flâneurs. Eis uma relação importante para entender a questão dossignos visuais aos quais nosso olhar do dia a dia já estáacostumado, o qual nos impede de perceber as IntervençõesSilenciosas. Durante este período retratado por Benjamin, “a flâneriedificilmente poderia ter-se desenvolvido em toda a plenitude sem asgalerias.” (pg. 34) pois “as galerias são uma nova descoberta do luxoindustrial, são caminhos cobertos de vidro e revestidos demármore, através de blocos de casas, cujos proprietários se unirampara tais especulações.” (pg. 34 - 35). “Nesse mundo o flâneur está em casa”. (pg. 35)
  12. 12. “A rua se torna moradia para o flâneur que, entreas fachadas dos prédios, sente-se em casa tanto quantoo burguês entre suas quatro paredes. Para ele, osletreiros esmaltados e brilhantes das firmas são umadorno de parede tão bom ou melhor que a pintura aóleo no salão do burguês; muros são a escrivaninhaonde apóia o bloco de apontamentos; bancas de jornaissão suas bibliotecas, e os terraços dos cafés, assacadas de onde, após o trabalho, observa o ambiente.”(pg. 35)
  13. 13. Intervenções SilenciosasAção feita durante aniversário de Belém, 2010.
  14. 14. Intervenções SilenciosasSignos visuais distribuídos pela cidade. Ordep (Pedro Rodrigues). 2010.
  15. 15. Segundo o livro A desumanização da Arte, José Ortega y Gasset discute a questão de que “o homem comum se sente humilhado perante uma arte que não compreende. Pois a arte é feita para satisfazer o artista e só”. A obra distingue a arte do ponto de vista sociológico. Obra de ArteHomens que entendem x Homens que não entendem
  16. 16. Intervenções SilenciosasAções feitas na universidade federal. “Por aqui” Crispin, 2009.
  17. 17. Intervenções SilenciosasAções feitas em espaços públicos por autores desconhecidos. 2011
  18. 18. Intervenções Silenciosas 2011 A pesquisa Intervenções Silenciosas ampliou-se em2011. Citarei uma ação política e o grupo da oficina que participei sobre intervenções urbanas.
  19. 19. Apinagés Durante a mudança do nome daavenida “Apinagés” uma intervenção silenciosafoi produzida pelo professor, historiador efotógrafo Michel Pinho. A ação de colar adesivosnas placas da rua reafirmando o antigo nome esua importância histórica para a cidade foramproduzidas sem a autoria divulgada, de cunhosilencioso para o grande público queacompanhou a notícia pela rede.
  20. 20. Apinagés Em 5 de outubro de 2011 uma lei aprovada em Belém pela câmera devereadores rebatizou o nome da rua Apinagés. Em protesto, uma comissão decidadãos paraenses iniciou um movimento denominado Sempre Apinagés. Ogrupo argumenta que embora a maioria dos vereadores tenha votado a favor damudança, o movimento, antes de acionar o judiciário, criará oportunidade para queseja reparado o referido ato, que nasceu viciado, contaminado por ilegalidades. Fonte: Diário do Pará Uma intervenção silenciosa foi identificada no local através dedivulgação virtual de quem a identificava. O interventor só foi identificado dias apóso ocorrido. A intervenção trata-se de uma ação do historiador e fotógrafo MichelPinho e ocorreu de um ato político na cidade foi a manifestação da classe artísticaque ocorreu com a mudança do nome da rua Apinagés para o nome de um criadorde uma rede de supermercados na cidade.
  21. 21. “Fotografia como linguagem em Intervenção Urbana” Ocorreu durante os dias 05, 06 e 12 denovembro e foi ministrada pela jornalista efotógrafa Nailana Thiely . A oficina foi umaproposta da Mostra Outubro promovida duranteo 2º semestre de 2011. As intervençõespropostas foram ações que dialogavam com acidade através de símbolos e ícones do designreafirmados nas linguagens visuais da cidade.
  22. 22. Nailana Thiely Jornalista e desenvolve trabalhos de pesquisa sobre intervenção urbana edesign visual percorrendo símbolos na cidade. Nasceu em Belém, Pará. É bacharel emComunicação Social e especialista em Design Gráfico. Já participou de salões e coletivasnacionais e internacionais, com exposições e conferências em países como França,Inglaterra e Canadá. Entre suas atividades recentes destacam-se a bolsa para o exteriorde pesquisa em Artes Visuais, com residência artística em Québec City, Canadá, e oprêmio Secult de Artes Visuais, ambos em 2009. Sua primeira individual foi realizada em 2005, quando procurou resgatar amemória de moradores de bairros da periferia de Belém, através de seus retratos defamília. Atualmente conclui especialização em produção editorial e desenvolve pesquisasem artes visuais com ênfase em retratos e manipulação fotográfica. Fonte: Cultura Pará A oficina contou com a participação de 12 pessoas, conversamos a respeito dasquestões que definem a prática da intervenção urbana contemporânea e assistimos aovídeo Exit through the gift shop.
  23. 23. A oficina Ministrada por Nailana Thiely “Fotografia comolinguagem em Intervenção Urbana” durante os dias 05, 06 e12 de novembro e fez parte do projeto “Outubro” daAssociação Fotoativa. Ao participar da oficina, desenvolvemos trabalhosde intervenção divididos em três grupos. Os participantes emgeral era composto por pessoas interessadas e curiosas pelalinguagem artística. A intervenções desenvolvidas foram:“ÁgoraAgora”, “Que deselegante” e “ Não me ignore”.
  24. 24. Que deselegante! 2011
  25. 25. Não me ignore. 2011
  26. 26. ÁgoraAgora. 2011
  27. 27. ÁgoraAgora. 2011
  28. 28. Intervenção Silenciosa - Autor desconhecido
  29. 29. Intervenção Silenciosa - Autor desconhecido
  30. 30. Conclusão Participar e atuar com essas intervenções não àstorna silenciosas. Porém para uma pesquisa em constantemutação, ressaltamos que as intervenções são silenciosaspelo que elas são, e não por quem as faz intervenções, afinalas ações urbanas estão em todos os pontos estratégicos dacidade ou até aonde o nosso olhar pode alcançar.
  31. 31. Bibliografia• BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas III. São Paulo. 1ª edição. Editora Brasiliense. 2000.• CAUQUELIN, Anne. Teorias da Arte. São Paulo: Martins Fontes. 2005.• FREIRE, Cristina. Arte Conceitual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.• FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo. 8ª edição. Martins Fontes. 2002.• GASSET, José Ortega. A desumanização da arte. 6ª edição. São Paulo. Cortez Editora, 2008.• GERHEIN, Fernando. Linguagens Inventadas. Palavra Imagem Objeto: formas de contágio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.• MELIN, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor. 2008.• NUNES, Benedito. Heidegger & ser e tempo. Rio de Janeiro. 2ª edição. Jorge Zahar Editor. 2002.• SMITH, Edward Lucie. Os movimentos artísticos a partir de 1945. São Paulo. Martins Fontes. 2006.Bibliografia virtual• http://www.itaucultural.org.br/efemera

×