INTERPRETAÇÃO E
CONDUTA NOS RESULTADOS
CITOLÓGICOS
PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO
PARA COLETA CITOLÓGIA
SES - FCMMG
CLASSIFICAÇÃO BETHESDA
2001
Qualidade do esfregaço: - satisfatória
- insatisfatória
Diagnóstico geral : - dentro dos limit...
Nomenclaturas citopatológica e histopatológica utilizadas desde
o início da realização do exame citopatológico para o
diag...
Etapas do rastreamento câncer de colo
 aplicação do exame de rastreamento,
 identificação dos casos suspeitos de
lesão p...
Epidemiologia do HPV e do
Câncer do Colo Uterino
Stanley (2010) Gynecol Oncol 117 (S5–S10)
Periodicidade da citologia
 Intervalo: três anos, após 2 exames anuais negativos
 Início da coleta: 25 anos para mulhere...
Esfregaço satisfatório
 Identificação adequada do frasco e lâmina
 Informes clínicos relevantes:
idade, DUM, tratamentos...
Esfregaço insatisfatório
 Material acelular ou hipocelular
(menos de 10% do esfregaço)
 Leitura prejudicada (mais de 75%...
Situações especiais
 Gestantes
- pré-natal - oportunidade para o
rastreio
 Pós-menopausa
- realizar estrogenização prévi...
 Mulheres sem história de atividade sexual
- não há indicação para rastreamento
 Histerectomizadas
- por lesões benignas...
Resultado normal
Havendo queixa de leucorréia,
a paciente deverá ser encaminhada para exame
ginecológico
 Resultado indicando atrofia com
inflamação
Achado comum no climatério; se prejudicar a avaliação pelo
patologista, fazer...
RESULTADO DO EXAME CITOPATOLÓGICO
Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais.
Presença de moderado númer...
RESULTADO DE EXAME CITOPATOLÓGICO
Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais.
Observa-se pequeno número ...
RESULTADO DE EXAME CITOPATOLÓGICO
Esfregaço apresentando células intermediárias e
superficiais, poucas metaplásicas.
Obser...
Atipias em células
escamosas - ASC
 Alterações citológicas sugestivas de
lesão intraepitelial porém insuficientes
para um...
ASC
Células escamosas atípicas
ASC-US
Células escamosas atípicas
significado indeterminado
possivelmente não neoplásica
AS...
Atipias de significado indeterminado
em células glandulares - AGC
 Brasil- Prevalência 0,13% todos exames 2009
4,6% exame...
Lesão intraepitelial
de baixo grau - LSIL
 Brasil- Prevalência 0,8% todos exames 2009
31% exames alterados
(Segundo diagn...
Lesão intraepitelial
de alto grau - HSIL
 Brasil- Prevalência
0,25% todos exames 2009
9,7% exames alterados
(BRASIL/MS/SI...
Atenção secundária
Ninguém sabe tanto que não possa
aprender e nem sabe tão pouco
que não possa ensinar !!!
Coragem e vontade são o início
de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3 interpretação e conduta dos resultados citologicos

5.558 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.558
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3 interpretação e conduta dos resultados citologicos

  1. 1. INTERPRETAÇÃO E CONDUTA NOS RESULTADOS CITOLÓGICOS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA COLETA CITOLÓGIA SES - FCMMG
  2. 2. CLASSIFICAÇÃO BETHESDA 2001 Qualidade do esfregaço: - satisfatória - insatisfatória Diagnóstico geral : - dentro dos limites da normalidade - modificações celulares benignas - células epiteliais anormais Diagnóstico descritivo: Anormalidades células epiteliais – ASC-US / ASC- H Lesão intra-epitelial de baixo grau Lesão intra-epitelial de alto grau Carcinoma escamoso invasor Anormalidades células glandulares: AGC - tendência neoplásica Adenocarcinoma in situ-AIS Adenocarcinoma invasor
  3. 3. Nomenclaturas citopatológica e histopatológica utilizadas desde o início da realização do exame citopatológico para o diagnóstico das lesões cervicais escamosas e suas equivalências
  4. 4. Etapas do rastreamento câncer de colo  aplicação do exame de rastreamento,  identificação dos casos suspeitos de lesão precursora ou câncer,  confirmação diagnóstica,  tratamento.
  5. 5. Epidemiologia do HPV e do Câncer do Colo Uterino Stanley (2010) Gynecol Oncol 117 (S5–S10)
  6. 6. Periodicidade da citologia  Intervalo: três anos, após 2 exames anuais negativos  Início da coleta: 25 anos para mulheres sexualmente ativas  Término da coleta: 64 anos (mulheres com 2 exames negativos consecutivos nos últimos cinco anos) Mulheres > 64 anos que nunca colheram citologia, realizar dois exames em 1 a 3 anos; ambos negativos, interrompe o seguimento
  7. 7. Esfregaço satisfatório  Identificação adequada do frasco e lâmina  Informes clínicos relevantes: idade, DUM, tratamentos anteriores, resultados exames anteriores, ciclo menstrual.  N° adequado de células escamosas (10%)  N° adequado de células endocervicais e JEC Recomendação: esfregaços normais somente com
  8. 8. Esfregaço insatisfatório  Material acelular ou hipocelular (menos de 10% do esfregaço)  Leitura prejudicada (mais de 75% do esfregaço) por presença de: sangue, piócitos, artefatos de dessecamento, contaminantes externos ou intensa superposição celular Recomendação: repetir o exame entre seis e 12 semanas com correção, quando possível, do problema que motivou o resultado insatisfatório
  9. 9. Situações especiais  Gestantes - pré-natal - oportunidade para o rastreio  Pós-menopausa - realizar estrogenização prévia à coleta se necessário
  10. 10.  Mulheres sem história de atividade sexual - não há indicação para rastreamento  Histerectomizadas - por lesões benignas, sem história de NIC 2/3, podem ser excluídas do rastreamento -por NIC ou câncer cervical, acompanhar de acordo com a lesão tratada  Imunossuprimidas -iniciar após o início da atividade sexual, (semestral no 1º ano/depois anual) - Mulheres HIV positivas com CD4 < 200 cels/mm³ : rastreamento citológico semestral
  11. 11. Resultado normal
  12. 12. Havendo queixa de leucorréia, a paciente deverá ser encaminhada para exame ginecológico
  13. 13.  Resultado indicando atrofia com inflamação Achado comum no climatério; se prejudicar a avaliação pelo patologista, fazer o preparo estrogênico prévio a nova coleta.  Achados microbiológicos Lactobacillus sp, Cocos, outros bacilos são achados normais. RESULTADO DE EXAME CITOPATOLÓGICO: Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais, algumas metaplásicas Presença de moderado número de células endocervicais. Notam-se poucos histiócitos, hemácias e moderado número de neutrófilos. A flora é abundante do tipo Doederlein (Lactobacillus sp) Não foram observados fungos, protozoários ou inclusões virais no material enviado a exame. CONCLUSÃO:Ausência de atipias dignas de registro. Metaplasia escamosa. SISTEMA BETHESDA:Dentro dos limites da normalidade. SUGESTÃO:Controle a critério clínico.
  14. 14. RESULTADO DO EXAME CITOPATOLÓGICO Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais. Presença de moderado número de células endocervicais. Notam-se poucos histiócitos, hemácias e grande número de neutrófilos. A flora é abundante do tipo não Doederlein. Não foram observados fungos, protozoários ou inclusões virais no material enviado a exame. CONCLUSÃO:Achados de processo inflamatório inespecífico. SISTEMA BETHESDA:Alterações celulares benignas. Alterações celulares reacionais associadas a inflamação. SUGESTÃO:Controle a critério clínico.
  15. 15. RESULTADO DE EXAME CITOPATOLÓGICO Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais. Observa-se pequeno número de células displásicas com relação nucleocitoplasmática discretamente elevada. Há ainda células com halo perinuclear (coilócitos) das vistas em infecção pelo vírus HPV. Presença de alguns grupos de células endocervicais. Notam-se alguns histiócitos e moderado número de neutrófilos. A flora é moderada do tipo não Doederlein. CONCLUSÃO: Achados de displasia leve (NIC I , LSIL) associada à infecção por HPV. SISTEMA BETHESDA: Anormalidades em células epiteliais : Células escamosas. Lesão intraepitelial escamosa de baixo grau (LSIL) SUGESTÃO: Conduta a critério clínico.
  16. 16. RESULTADO DE EXAME CITOPATOLÓGICO Esfregaço apresentando células intermediárias e superficiais, poucas metaplásicas. Observa-se pequeno número de células displásicas com relação nucleocitoplasmática moderadamente elevada Presença de moderado número de células endocervicais. Notam-se alguns histiócitos e moderado número de neutrófilos. A flora é moderada do tipo não Doederlein. Não foram observados fungos, protozoários ou inclusões virais no material enviado a exame. CONCLUSÃO: Achados de displasia moderada (NICII) Lesão Intraepitelial Escamosa de Alto Grau (HSIL). SISTEMA BETHESDA: Anormalidades em células epiteliais : Células escamosas Lesão intraepitelial escamosa de alto grau (HSIL) SUGESTÃO: Biópsia e exame histopatológico.
  17. 17. Atipias em células escamosas - ASC  Alterações citológicas sugestivas de lesão intraepitelial porém insuficientes para uma interpretação definitiva (Sherman et al., 2004)  ASC - 1,4 % exames realizados Brasil 53,5% exames alterados SISCOLO 2009 (BRASIL/MS/SISCOLO,2010)
  18. 18. ASC Células escamosas atípicas ASC-US Células escamosas atípicas significado indeterminado possivelmente não neoplásica ASC-H Células escamosas atípicas não se pode excluir lesão de alto grau Bethesda 2001; Solomon 2002; INCA 2006
  19. 19. Atipias de significado indeterminado em células glandulares - AGC  Brasil- Prevalência 0,13% todos exames 2009 4,6% exames alterados (BRASIL/MS/SISCOLO, 2010)  Mais frequente acima de 35 anos (0,08 – 2,1%) (Cangiarella et al., 2003)  Frequente associação NIC AIS Adenocarcinoma invasor do colo e endométrio Neoplasias extrauterinas (KUMAR et al, 2009)  Mulheres com AGC apresentam NIC 2/3 - 9-54% AIS - 8% Adenocarcinoma invasor – 1-9% (Mathers et al., 2002; Scheiden et al., 2004; Gurbuz et al., 2005; Irvin et al., 2005; Mood et al., 2006; Diaz Montes et al., 2006)
  20. 20. Lesão intraepitelial de baixo grau - LSIL  Brasil- Prevalência 0,8% todos exames 2009 31% exames alterados (Segundo diagnóstico citopatológico mais frequente) (BRASIL/MS/SISCOLO, 2010)  Prevalência de NIC 2/3 – 11,8 a 23,3% (CUZICK et al, 2008)  A maioria regride de forma espontânea  Manifestação morfológica da infecção aguda e transitória pelo HPV (IARC 2007)
  21. 21. Lesão intraepitelial de alto grau - HSIL  Brasil- Prevalência 0,25% todos exames 2009 9,7% exames alterados (BRASIL/MS/SISCOLO, 2010)  70-75 % confirmação histopatológica ; 1-2 % carcinoma invasor (KINNEY et al, 1998; MASSAD;COLLINS; MEYER, 2001)  Pacientes devem ser tratadas com métodos excisionais
  22. 22. Atenção secundária
  23. 23. Ninguém sabe tanto que não possa aprender e nem sabe tão pouco que não possa ensinar !!! Coragem e vontade são o início de tudo!!!

×