Marco Cepik - Desafios da Profissionalização no Setor Público na Era Digital

158 visualizações

Publicada em

Apresentação do professor Marco Cepik (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) na mesa-redonda "Os desafios da profissionalização na era das redes e das novas tecnologias", integrante do evento "Desafios no Campo da Administração Pública: Ensino, Profissionalização e Pesquisa".

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Marco Cepik - Desafios da Profissionalização no Setor Público na Era Digital

  1. 1. Desafios  da  Profissionalização  no   Setor  Público  na  Era  Digital   50  Anos  RAP   Encontro  Rede  Escolas  de  Governo  2017     Marco  Cepik   hFp://laFes.cnpq.br/3923697331385475      
  2. 2.   INTRODUÇÃO   Agradecimentos   Cooperação   CEGOV   Vídeos:  goo.gl/3Cjz9n   Informações:  hFps://www.ufrgs.br/cegov/   1   2   3  
  3. 3.   ROTEIRO   O  que  é  a  Era  Digital?     Qual  é  o  Desafio  do  Setor  Público?   Como  Profissionalizar?   1   2   3  
  4. 4.   ERA  DIGITAL   1  
  5. 5.   População  global  por  idade,  1950-­‐2050   Fonte:  United  Na*ons,  World  Popula*on  Prospects:  2012  (Revisão,  Junho  2013).  
  6. 6.   Transição  Demográfica   Transição   de   altas   taxas   de   fecundidade   e   mortalidade   para   taxas   próximas  ou  abaixo  do  nível  de  reposição  da  população  (2,1  filhos  por   mulher).  Previsão  ONU:  de  7  bilhões  em  2011  para  9  bilhões  em  2040.   Crescimento   está   desacelerando,   a   maior   parte   se   dará   na   África   e   Ásia,   com   envelhecimento   rela*vo   (média   acima   de   45   anos)   nos   países  mais  ricos.  60%  da  população  mundial  será  urbana  em  2030.     Incertezas  e  riscos:  Como  os  países  em  desenvolvimento  conseguirão   lidar  com  o  bônus  demográfico  e/ou  com  a  pressão  da  urbanização   acelerada?   Como   os   países   capitalistas   centrais   vão   lidar   com   o   aumento   da   escala   de   migrações?   Quais   os   efeitos   do   crescimento   populacional  sobre  recursos,  miséria,  desigualdades  e  conflitos  intra  e   interestatais?  
  7. 7.   Mudança  de  temperatura  da  supergcie  global     Fonte:  climate.nasa.gov   Anomalia  térmica  (C)   ANO   Em  relação  às  temperaturas  médias  entre  1951-­‐1980      
  8. 8.   Transição  Climákca   Mudança  na  distribuição  esta_s*ca  dos  padrões  de  clima  e  tempo  em   diferentes  escalas  temporais  e  espaciais.  Causas  variam  desde  fatores   ecológicos   e   geológicos   até   variações   na   radiação   solar.   Fatores   humanos   incluem   desmatamento,   poluição,   degradação   e   aquecimento   global.   Aumento   da   temperatura   média   devido   aos   índices  crescentes  de  gases  de  efeito  estufa  (e.g.  metano  e  dióxido  de   carbono)  na  atmosfera.     Incertezas  e  riscos:  Efeitos  e  escala  do  aumento  do  nível  do  mar  em   função  do  derre*mento  das  calotas  polares;  acidificação  dos  oceanos,   diminuição  das  faunas  marinha  e  terrestre;  temperaturas  extremas  e   tempestades  e  outros  desastres  naturais  ao  redor  do  globo;  escassez   de   água   e   reduções   na   produção   agrícola   mundial   (Climate   Council,   2015).  
  9. 9.   Consumo  energia  per  capita  2013  
  10. 10.   Transição  Energékca   Transformações   nas   polí*cas   públicas,   matérias   primas   e   tecnologias   u*lizadas  para  a  geração,  distribuição,  armazenamento  e  consumo  de   energia.   Matriz   baseada   em   combus_veis   fósseis   para   matriz   sustentável.   Incertezas  e  riscos:  conflito  distribu*vo  em  escala  nacional,  regional  e   global   sobre   padrões   de   consumo   energé*co,     acesso   a   fontes   e   tecnologia,  estratégias  rela*vas  às  reservas  mundiais  de  combus_veis   fósseis  e  perfil  da  matriz  energé*ca.  
  11. 11.   OCDE  megatrends  tecnológicos  2016  
  12. 12.   Transição  Tecnológica   Fluxos   de   inovações   que   revolucionam   produção   e   consumo,   capacidade   de   interação   (comunicação   e   transporte),   formas   organizacionais   e   relações   sociais,   inclusive   polí*co-­‐militares.   Convergência  entre  tecnologias  digitais,  biológicas,  energé*cas  e  de   materiais.  Tráfego  anual  global  de  IP  aumenta  de  um  zejabyte  em   2016   para   2,3   ZB   em   2020,   quando   haverá   3,4   objetos   conectados   para  cada  habitante  do  planeta  (CISCO  VNI,  2015).     Incertezas  e  riscos:  Transição  tecnológica  mi*ga  efeitos  da  transição   demográfica  e  climá*ca?  Crescimento  exponencial  de  desigualdades   ou   horizontalização   de   capacidades?   Efeitos   da   robo*zação,   impressão   3D,   inteligência   ar*ficial,   biotecnologia   e   nanotecnologia   sobre  a  guerra  e  a  economia.  
  13. 13.   SETOR  PÚBLICO   2  
  14. 14.   CIVITAS  NO  SISTEMA  INTERNACIONAL   1   0   1  0   CAPACIDADE   ESTATAL   DEMOCRACIA Zonas  de  Autoritarismo   Zona de cidadania Zona  de  krania   fragmentada   Fonte:  TILLY  (2003).  
  15. 15.   SEMIPERIFERIA  NO  CAPITALISMO   Núcleo  Orgânico   Inovação  /  Conhecimento   Periferia   Consumo  /  Primário   Semiperiferia   Produção  /  Secundário  
  16. 16.   CAPACIDADE  ESTATAL   BEM-­‐ESTAR   SEGURANÇA   Exação  Recursos  
  17. 17.   DEMOCRACIA   PARTICIPAÇÃO   OPOSIÇÃO   Accountability  
  18. 18.   VALORES   IGUALDADE   LIBERDADE   Fraternidade  
  19. 19.   O  QUE  AVALIAR  NAS  POLÍTICAS  ?   EFETIVIDADE   LEGITIMIDADE   Eficiência  
  20. 20.   cidadãos   problemas  e  temas   office-­‐seeking   policy-­‐seeking   governo   +    burocracia   formação   de   polí*cas   resultados  polí*cas     representação   parkdos   grupos  de  interesse   competem   sistema  eleitoral  mídia   par*cipam  governo   sistema   par*dário   estrutura   mediação   de  interesses     Informação   implementação  polí*cas    
  21. 21.   PROFISSIONALIZAÇÃO   3  
  22. 22.  
  23. 23.  
  24. 24.  
  25. 25.  
  26. 26.  
  27. 27.  
  28. 28.  
  29. 29.  
  30. 30.  
  31. 31.  
  32. 32.  
  33. 33.  
  34. 34.   Conclusão     Não  há  na  Cons*tuição  Federal,  na  Lei  8112/1990,  ou  no  Código  de   É*ca   do   Servidor   Público,   diferença   radical   de   direitos   e   deveres,   muito  menos  diferenciação  ékca,  entre  servidores  e  os  demais  *pos   de   agentes   públicos   (agentes   polí*cos,   militares,   ou   cidadãos   colaborando  com  o  Poder  Público).   Julgamento   da   ADIn   2.135/DF   pelo   STF,   em   2007,   suspendeu   a   vigência   da   redação   dada   pela   Emenda   Cons*tucional   19/1998   ao   ar*go  39,  caput,  da  Cons*tuição  Federal.     Contraintui*va:  o  termo  "carreiras  _picas  de  Estado"  sinte*za  alguns   dos   principais   desafios   técnicos,   legais   e   é*cos   que   a   comunidade   epistêmica   do   Campo   de   Públicas   enfrenta   para   avançarmos   na   profissionalização  dos  servidores  públicos  no  Brasil.        
  35. 35. Muito  Obrigado         cegov.ufrgs.br      

×