Indicadores de Resultados e Medição de Desempenho

1.261 visualizações

Publicada em

Do Planejamento ao Resultado – Uma Ferramenta de Transparência da Administração Pública Brasileira. Esse foi o tema do 16º Seminário Técnico-Gerencial promovido pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap). A atividade foi realizada no auditório da instituição, nesta terça-feira (17), e contou com a presença de servidores públicos de diversos órgãos e entidades. Durante o evento, foram apresentados conceitos e estudos de caso sobre a elaboração de planejamento e a escolha adequada de indicadores de resultados.

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.261
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Indicadores de Resultados e Medição de Desempenho

  1. 1. Do planejamento ao resultado: uma ferramenta de transparência na administração pública brasileira Indicadores de Resultado e Medição de Desempenho
  2. 2. Objetivos • Instigar à reflexão sobre como pode ser construído um sistema de medição do desempenho organizacional • Refletir sobre técnicas de identificação e de construção de indicadores de desempenho • Propor uma metodologia de desenvolvimento de um sistema de medição do desempenho organizacional • Ilustrar como a metodologia proposta foi aplicada no Ministério da Defesa
  3. 3. Roteiro Parte 1 - Metodologia • Conceitos • Passos para o estabelecimento de indicadores • Gestão do desempenho: – limites à quantidade de indicadores – frequência de alteração de indicadores – verificação da pertinência – descrição – análise do sistema de medição / resultados dos indicadores Parte 2 - Aplicação • A política de saúde do Ministério da Defesa • Roteiro de construção do sistema de medição • Resultados
  4. 4. Ciclo de Construção de Indicadores I – O que mensurar 1- Identificar objeto de mensuração II- Como mensurar 2- Estabelecer indicadores 3- Validar com as partes interessadas 4- Construir fórmulas e estabelecer metas III- Coleta de Informações 5- Definir responsáveis 6- Gerar sistema de coleta 7- Realizar validação final IV – Mensuração 8- Medir o desempenho V – Análise 9- Analisar e interpretar os resultados VI – Comunicação 10- Comunicar o desempenho Fonte: Ministério do Planejamento. Guia Referencial para Medição de Desempenho e Manual para Construção de Indicadores, 2009.
  5. 5. Conceitos Gerais A quantidade de participantes desse nosso evento é... • um dado? • uma informação? • um indicador?
  6. 6. Conceitos Gerais • Dado é uma informação disponível, mas ainda não organizada ou manipulada; não possui foco na gestão. Pode ser um número, um texto, uma imagem, um som, um vídeo ou alguma outra mídia. • Informação é um dado que já passou por um primeiro nível de organização, de acordo com um interesse específico. • Indicador é uma variável crítica, que precisa ser controlada, mantida em determinados patamares.
  7. 7. Classificação de Indicadores de Desempenho Posicionamento no Fluxo de Entregas Clientes / Usuários / Cidadãos Indicador de insumos Indicador de eficácia Indicador de execução Indicador de eficiência Indicador de efetividade OrganizaçãoFornecedores Indicador de excelência
  8. 8. Classificação de Indicadores de Desempenho Indicadores direcionadores (de esforço) Indicadores de resultado • insumos • execução • excelência • eficiência • eficácia • efetividade
  9. 9. Esforço Resultado O efeito desejado foi obtido?Que causas podemos presumir? Classificação de Indicadores de Desempenho Institucional
  10. 10. Gestão do Desempenho • Mas não vai haver excesso de indicadores? Filtrar o que é realmente estratégico • Frequência de Mudança Estabelecer periodicidade de revisão Mudança evolutiva de 10% ao ano
  11. 11. CONSTRUÇÃO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO
  12. 12. Objetivo O que realmente se deseja alcançar? Que valor é percebido pelo cliente ou pelas partes interessadas? Indicador de Resultado Sugestão para a construção de indicadores de resultado
  13. 13. • 1) Ler o objetivo e responder: - que resultado se deseja realmente alcançar? - que valor é percebido pelos clientes e demais partes interessadas? • 2) Lançar ou ouvir uma ideia • 3) Raciocinar: como tornar possível a coleta do indicador sugerido? • 4) Lançar novas ideias • 5) Selecionar a melhor proposta • 6) Lapidar a proposta Sugestões para a construção de indicadores de resultado
  14. 14. Sugestões para a construção de indicadores de resultado
  15. 15. Verificação da Pertinência Atributo Explicação Verificação Utilidade O indicador comunica a intenção do objetivo, demonstra o que a organização espera de sua força de trabalho e, ainda, é útil aos tomadores de decisão? Representatividade O indicador representam fielmente o que se deseja medir? Confiabilidade metodológica Os métodos de coleta e processamento do indicador são confiáveis? Confiabilidade da fonte A fonte de dados fornece o indicador com precisão e exatidão? Disponibilidade É possível e fácil coletar os dados necessários para calcular o indicador? Economicidade Quanto custa obter o indicador? A relação entre benefício e custo é favorável? Simplicidade de comunicação O público que irá ver e utilizar o indicador o entenderá facilmente? Tempestividade O indicador obtido é decorrente de informações atuais? E mais: o indicador pode ser obtido em tempo para seu uso? Sensibilidade Variações no processo (decorrentes ou não de intervenções intencionais) refletem-se no resultado do indicador?
  16. 16. Fator Crítico de Sucesso (FCS): Um fator crítico de sucesso é um desafio, um obstáculo ou restrição que, se não for superado, impedirá o alcance do objetivo. Sugestão para a construção de indicadores direcionadores (de esforço)
  17. 17. Painel de Bordo Objetivo O que realmente se deseja alcançar? Que valor é percebido pelo cliente ou pelas partes interessadas? Indicador de resultado Fator Crítico de Sucesso Indicador de esforço Melhorar a qualidade dos hospitais Desenvolver a comunicação interna Reduzir filas Reduzir infecções Elevar a taxa de sucesso em tratamentos Reduzir falhas decorrentes de falta ou desencontro de comunicação entre médicos e enfermeiros Ampliar a quantidade de médicos Criar um fluxo permanente de comunicação entre médicos e enfermeiros Porcentual de execução do plano de ampliação da quantidade de médicos Porcentual de execução de plano de melhoria de comunicação
  18. 18. Descrição de Indicadores Objetivo Aprimorar Ações de Atenção Básica Indicador Aprimoramento do grau de resolutividade do ambulatório geral Meta 2016: reduzir os encaminhamentos indevidos em 10%; 2017: reduzir os encaminhamentos indevidos em 10% (base 2015) Periodicidade de apuração Anual Prazo máximo para apuração Março Responsabilidade pela apuração Divisão de Medicina Fonte de dados Seções / Setores Especializados Como calcular o indicador Cada seção ou setor especializado deverá apurar o nº de encaminhamentos indevidos e o nº de encaminhamentos totais (provenientes dos ambulatórios). Encaminhar esses números para a Divisão de Medicina X ano= Nº encaminhamentos indevidos ano Nº encaminhamentos totais ano Ind = X ano anterior – X ano X ano anterior
  19. 19. A Política de Saúde do Ministério da Defesa
  20. 20. Eixos Estratégicos PericialOperacional Ensino e Pesquisa Assistencial Aprimorar a gestão em saúde no âmbito das Organizações Militares de Saúde (OMS) I- Prevenção e promoção de saúde Objetivos Melhorar a qualidade da prestação de serviço integral à saúde aos beneficiários dos Sistemas de Saúde das Forças Armadas Promover a interoperabilidade entre as Forças Armadas Promover mecanismos de incentivo para a captação e permanência dos profissionais de saúde do Ministério da Defesa e das Forças Armadas II- Atenção Básica III- Atenção Especializada – média e alta complexidade II- Segurança e agilidade do fluxo da informação I- Análise de Processos Periciais III- Padronização da aquisição de materiais de saúde IV- Capacitação de profissionais de saúde II- Revisão periódica de doutrina de pronto emprego das Forças Armadas I- Normas comuns às Forças Armadas V-Priorização de gestões conjuntas para emprego de Hospital de Campanha em situações de crise, emergência e catástrofe IV- Capacitação dos profissionais que atuam na área médico-pericial III- Infraestrutura médico-pericial adequada I- Educação Continuada / Programas de pós-graduação em saúde POLÍTICA DE SAÚDE – MINISTÉRIO DA DEFESA II- Programas de pesquisa e desenvolvimento tecnológico
  21. 21. Roteiro de Aplicação 1- Nivelamento conceitual / apresentação da metodologia / definição do roteiro de trabalho 2- Grupos de trabalho => resultado: painéis de bordo e indicadores descritos 3- Consolidação de proposta pela equipe gestora 4- Decisão pelos níveis estratégicos 5- Publicação de Portaria
  22. 22. - Média de conformidades das OMS em relação ao Manual de Acreditação Hospitalar Objetivos Estratégicos - Percentual de OMS em processo de acreditação - Média de não- conformidades por OMS em auditoria de acreditação (nas áreas de prestação de serviço) POLÍTICA DE SAÚDE – MINISTÉRIO DA DEFESA Aprimorar a gestão em saúde no âmbito das Organizações Militares de Saúde (OMS) Melhorar a qualidade da prestação de serviço integral à saúde aos beneficiários dos Sistemas de Saúde das Forças Armadas Indicadores
  23. 23. Indicadores Eixo Assistencial Percentual de programas de prevenção de doenças e de promoção de saúde do Ministério da Saúde implantados POLÍTICA DE SAÚDE – MINISTÉRIO DA DEFESA IIIa- Aprimorar ações de Atenção Especializada Média Complexidade II- Aprimorar ações de Atenção Básica IIIb- Aprimorar ações de Atenção Especializada Alta Complexidade I - Prevenir Doenças e Promover Saúde Aumento da adesão do público assistido aos programas de prevenção de doenças e de promoção de saúde Redução do porcentual de casos identificados com estadiamento avançado encontrados nas FA em relação aos identificados na população em geral Taxa de aprimoramento da resolutividade dos ambulatórios gerais Percentual de OMS com pessoal especializado Percentual de especialidades com quantitativo adequado de médicos Percentual implementado de protocolos e diretrizes de atendimentos para a alta complexidade Objetivos
  24. 24. Muito obrigado!!! carlos.uchoa@defesa.gov.br

×