Ebook espaco atividades ergonomia

12.321 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Ebook espaco atividades ergonomia

  1. 1. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação Espaço de Atividades Jorge Boueri
  2. 2. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II 728 Boueri Filho, José Jorge B756a Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação Espaço de Atividades José Jorge Boueri Filho. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008. 48 p.; il.; 29,7 cm. – Livro II 1. Arquitetura: Projeto. 2. Habitação Projeto II. Título. III. Série. ISBN 978-85-60166-09-1 Autorizo a reprodução parcial ou total desta obra, para fins acadêmicos, desde que citada a fonte Sugestões e dúvidas enviar para: jjboueri@usp.brJorge Boueri | 2007 2
  3. 3. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Prefácio A trajetória da pesquisa e o alcance de resultados em determinadas áreas são difíceis, exigem dedicação continuada e, algumas vezes, são pouco reconhecidas. A Antropometria não é diferente: exige todos os atributos mencionados e muitos mais. Do Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci, passando pelo Modulor, de Le Corbusier, aos estudos de Henry Dreyfuss, observamos que a Antropometria requer alto investimento, um longo período para o levantamento de dados, a organização de tabelas e a análise das mesmas, assim como para sua aplicação, além de planejamento visando a um processo constante de atualização. No Brasil, ações isoladas têm contribuído para a formação de um banco de dados antropométricos confiáveis nas mais diversas faixas etárias. Tais iniciativas são necessárias e muito bem-vindas, pois a bibliografia na área é escassa. Freqüentemente os arquitetos, designers, engenheiros e outros profissionais recorrem aos dados da literatura internacional, os quais não correspondem às medidas do Homem e da Mulher brasileiros. A série ora apresentada pelo Professor Doutor Jorge Boueri, Livre-Docente pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, é a mais pura contribuição para todos os profissionais já mencionados. O Professor Boueri, ao longo de sua carreira acadêmica, vem pesquisando, estudando e divulgando dados significativos para a realização de projetos. É um dos pioneiros do país na área da Antropometria. A presente série, que teve início com ―Antropometria Aplicada à Arquitetura, Urbanismo e Desenho Industrial‖, continua, agora, com ―Espaço e Atividades‖ e seguirá com os títulos: ―Recomendações Dimensionais dos Manuais de Arquitetura‖; além de ―Layout dos Ambientes da Habitação‖; ―Qualidade do Dimensionamento da Habitação‖; encerrando-se com ―Medidas da Casa‖. Esta série de Antropometria Aplicada ao Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação apresenta uma contribuição significativa e proporciona o aprofundamento das questões e a ampliação dos estudos por parte de outros pesquisadores e apaixonados pelo tema. Recomendo a todos a leitura e a aplicação das informações contidas nesta série, e desejo que tais dados sejam utilizados para o bom desenvolvimento do objeto e do espaço. Prof. Dr. José Carlos Plácido da Silva Professor Titular do Departamento de Design. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação | UNESP | Bauru, SPJorge Boueri | 2007 3
  4. 4. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIJorge Boueri | 2007 4
  5. 5. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Sumário Aplicação da Ergonomia e da Antropometria no Projeto e Dimensionamento da Habitação Espaço de Atividades | Conceituação Espaço de Atividades | Metodologia de Dimensionamento Espaços de Atividades | DimensõesJorge Boueri | 2007 5
  6. 6. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Aplicação da Ergonomia e da Antropometria no Projeto e Dimensionamento da Habitação. A aplicação da Ergonomia no projeto da habitação deve ocorrer desde sua concepção. Ela fundamenta o processo de decisão do projeto, principalmente quanto às questões dimensionais, e aprimora a qualidade da habitação. Cientes da relevância da Ergonomia, pesquisadores da área do projeto de arquitetura e do design passaram a incluir em seus estudos os conceitos e procedimentos da Análise da Tarefa1 e da Antropometria. Quanto à aplicação do dimensionamento nos projetos, ela se volta para a importância do conhecimento do corpo humano, suas medidas e limites físicos — fatores determinantes para que o projeto atenda aos requisitos de facilidade de uso, manutenção e segurança. Com este trabalho, pretende-se que o dimensionamento do espaço seja decorrente das atividades necessárias ao funcionamento da habitação. Por este motivo, os dados dimensionais deste estudo são apresentados pelo agrupamento das atividades que ocorrem na habitação. Recomenda-se ao projetista, para obter o dimensionamento mínimo e adequado de um espaço da habitação, que projete a partir da composição das atividades propostas pelo programa para aquele ambiente.Jorge Boueri | 2007 6
  7. 7. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Espaço de Atividades | Conceituação O Espaço de Atividades é a superfície necessária e suficiente para que uma pessoa possa desenvolver qualquer atividade sem interferência ou restrição provocada por mobiliário, equipamentos e/ou componentes do edifício. A área mínima de um ambiente pode ser obtida pelos Espaços de Atividades arranjados espacialmente, de modo que as condições de uso, acesso e articulação entre mobiliário, equipamentos e componentes do edifício sejam adequadas às funções que possam ser executadas naquele local. Para o projeto de arranjo do ambiente, a composição dos Espaços de Atividades é feita pela aplicação das técnicas de layout2. Dessa forma, podem ser obtidos resultados significativos na qualidade do projeto, quais sejam: 1. Menor área do ambiente para um mesmo número de funções. 2. Redução das circulações. 3. Aumento das condições de segurança das atividades. Para tanto, recomenda-se a aplicação das técnicas de layout relacionadas aos fatores de natureza dos equipamentos e às suas interações. A natureza dos equipamentos compreende a Freqüência de Uso e o seu Agrupamento Funcional. A primeira refere-se ao número de vezes que o mobiliário ou equipamento deve ser utilizado para a execução de uma atividade: quanto mais alta a freqüência de uso, maior deve ser a facilidade de acesso do local onde o equipamento será instalado. Já o agrupamento funcional deve arranjar os equipamentos e o mobiliário relacionados a atividades afins, de tal modo que eles fiquem próximos uns dos outros. As interações entre os equipamentos e o mobiliário compreendem a Seqüência de Uso e a Intensidade de Fluxo. Na seqüência de uso, a instalação dos equipamentos deve levar em conta a ordem normal de operação e uso dos mesmos. Quanto ao fluxo, é importante que os equipamentos sejam dispostos segundo critérios de proximidade e acessibilidade para que tenham, entre si, a melhor intensidade de fluxo. Dessa forma, ao determinar o arranjo mais adequado dos Espaços de Atividades num ambiente, é possível não apenas dimensioná-los, mas também avaliá-los, tanto em projetos como em edificações já existentes.Jorge Boueri | 2007 7
  8. 8. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIEspaço de Atividades | Metodologia de DimensionamentoO Espaço de Atividades, caracterizado pela necessidade espacial do usuário para a realização de qualquer tarefa ouatividade, pode ser obtido considerando-se os seguintes itens:1. Posturas e movimentos do corpo humano ao executar a atividade.2. Medidas do corpo humano.3. Biótipo do usuário e o Padrão Antropométrico.4. Dimensões dos equipamentos, mobiliário e componente da edificação utilizado na execução da atividade.5. Itens de segurança de uso e operação de equipamentos e mobiliário necessários à execução da atividade.A metodologia para determinação do Espaço de Atividades obedece a uma seqüência de etapas que nos permite delimitara área necessária para cada atividade executada. Essas etapas são as seguintes:1ª Etapa: Inventário das Atividades.O primeiro passo é elaborar uma lista das atividades básicas que deverão ser estudadas. Deve-se considerar o tempo, afreqüência e a importância de cada atividade. Neste trabalho as atividades afins foram agrupadas e classificadas por umconjunto de funções que ocorrem na habitação, como são apresentadas na Tabela 1.2ª Etapa: Definição do Objeto de Estudo e suas Dimensões.Nesta etapa, define-se qual mobiliário, equipamento ou componente será objeto de estudo para realizar sua medição,cálculo de área e volume. As possíveis fontes de pesquisa podem ser:1. Indústria Moveleira, de Utensílios e Equipamentos Domésticos e da Construção Civil. Geralmente, a pesquisa éexecutada por meio de consulta a catálogos e medições in loco. Em alguns casos, é interessante investigar quais produtosestão disponíveis no mercado consumidor e elaborar uma planilha com suas dimensões básicas.2. Padrão de Consumo da População. Esta investigação pode ser realizada junto aos consumidores, distribuídos por faixade renda, ramo de atividade, faixa etária, tipologia da família ou por tipologia da unidade habitacional.3. Normas Técnicas. Utilizar as normas técnicas disponíveis para se obter as dimensões recomendadas para oequipamento ou mobiliário.3ª Etapa: Registro das Posturas e Movimentos do CorpoEsta técnica é fundamental para o processo de determinação do Espaço de Atividades, pois é por meio dessas análises quesão definidos os espaços ocupados pelo corpo humano quando da utilização de equipamentos ou mobiliário.Neste registro é possível verificar as posturas e os movimentos do corpo humano, permitindo a análise do espaço ocupadonos planos horizontal, frontal e sagital. As técnicas para o registro das atividades em uso atualmente são: 1. Técnica de Desenho. Os desenhos são elaborados de maneira seqüencial e representam as posturas adotadas pelo corpo humano desde o início até o fim da atividade ou tarefa. Podem ser representados de maneira artística ou esquemática; porém, devem conter informações essenciais para sua análise, como pontos de articulações e elementos de ligações do corpo humano. 2. Técnica Fotográfica. Similar à Técnica de Desenho, a representação fotográfica permite a análise das posturas corporais no desempenho dasIlustração 1. Registro dos movimentos e posturas do corpo. atividades de uso do mobiliário, equipamento ou componenteFonte: http://www.per.ualberta.ca/biomechanics/bwwframe.htm da habitação.Jorge Boueri | 2007 8
  9. 9. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II A fotografia é um recurso gráfico prático e eficiente, pois captura o movimento de maneira precisa e permite a sobreposição de imagens, revelando a dinâmica do movimento como um todo. A câmera é posicionada e fixada de maneira a enquadrar todo o conjunto nos planos horizontal, frontal e sagital, e as posturas são fotografadas uma a uma, compondo uma seqüência que registre todo o movimento da tarefa. Outro recurso utilizado pela Técnica Fotográfica é aIlustração 2. Registro dos movimentos e posturas do corpo. instalação, junto ao campo a ser fotografado, de elementosFonte: Kira. Alexander. op.cit. referenciais de escala gráfica, permitindo o cálculo proporcional das dimensões dos elementos que fazem parte do quadro. 3. Técnica de Captura de Movimentos. A captura de movimentos possibilita a representação e visualização da postura corporal tridimensionalmente. É o registro digital dos movimentos do corpo humano por meio de sensores térmicos, magnéticos, acústicos e ópticos. A Técnica de Captura de Movimentos permite a visualização dinâmica do movimento em todos os ângulos, colaborando na análise da ocupação do espaço pelo corpo humano e aprimorando o estudo das posturas corporais no desempenho das atividades de uso do mobiliário, equipamento ou componente da habitação.Ilustração 3. Registro dosmovimentos e posturas do corpo.Fonte: http://www.per. ualberta. 4ª Etapa: Análise dos Registros das Posturas do Corpo Humano.ca/biomechanics/bwwframe.htm A partir dos registros gráficos, é elaborada uma sobreposição das imagens — nos planos horizontal, frontal e sagital —, com o objetivo de determinar quais são os pontos máximos do espaço tocados pelo corpo humano no desempenho da atividade. Com essa sobreposição em três planos, é possível determinar a área que deverá ser reservada para o desempenho da atividade, por meio da indicação das posturas e medidas do corpo humano relevantes para a determinação do espaço ocupado. 5ª Etapa: Padrão Antropométrico. Nesta etapa são indicados quais as medidas do corpo humano e o padrão antropométrico que influenciam na definição do Espaço de Atividades. Para dimensionamento do volume do espaço, recomenda-se o uso dos valores do Limite Superior do sexo masculino; e para a localização de equipamentos no plano vertical, recomenda-se utilizar os do Limite Inferior do sexo feminino. 6ª Etapa: Determinação do Espaço de Atividade.Ilustração 4. Sobreposição dasposturas e movimentos no uso Analisando-se a área ocupada pelas posturas do corpo humano em suas posiçõesde um box. extremas e aplicando-se os valores das medidas do corpo definidas pelo PadrãoFonte: Kira, Alexander. op.cit. Antropométrico, determina-se o espaço necessário para que o usuário desempenhe suas atividades ou tarefas.Outra recomendação que deve ser considerada pelo projetista é o Padrão de Qualidade de Dimensionamento do Espaço deAtividade. Três níveis ergonômicos de qualidade espacial são sugeridos3:1. Nível Mínimo | Espaço de Atividade Restrita: Permite que o corpo humano desempenhe as atividades com restriçõesfísicas de movimentos, sem prejuízo de segurança.2. Nível Recomendado | Espaço de Atividade Irrestrita: Permite que o corpo humano desempenhe as atividades semrestrições físicas de movimentos.3. Nível Ideal | Espaço de Atividade para Idosos: Permite que o corpo humano desempenhe as atividades sem restriçõesfísicas de movimentos e que sejam facilmente desempenhadas tarefas compatíveis com a capacidade física de idosos.Jorge Boueri | 2007 9
  10. 10. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIDefinido o Padrão de Qualidade de Dimensionamento do Espaço de Atividades, suas dimensões podem ser obtidasgraficamente nos planos vertical e horizontal, ao mesmo tempo.Ilustração 4. Delimitação dos Espaço de Ilustração 5. Sobreposição das posturas e movimentos Ilustração 6: Espaço de Atividades doAtividades no uso de um lavatório. Lavatório.Desenho: Stefano Mega Desenho: Stefano Mega Desenho: Jorge BoueriJorge Boueri | 2007 10
  11. 11. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Espaços de Atividades | Dimensões Nesta etapa são apresentados os dados dimensionais dos Espaços de Atividades da Habitação, agrupados segundo as atividades usuais realizadas na habitação brasileira. Os desenhos indicam as dimensões dos Espaços de Atividades com os três níveis ergonômicos de qualidade espacial e estão disponíveis nas vistas superiores e laterais. Os desenhos no plano horizontal indicam, basicamente, a amplitude da área ocupada, enquanto os desenhos no plano vertical indicam os pontos de alcance das instalações. A combinação de ambos representa o volume espacial necessário para o desenvolvimento das atividades na habitação. As informações descritas permitem um dimensionamento com qualidade para qualquer espaço doméstico e tipologia habitacional. Os desenhos não registram as dimensões de mobiliário, equipamentos e componentes da habitação, nem oferecem exemplos de arranjos dos Espaços de Atividades, uma vez que tais assuntos serão objeto do Livro ―Layout dos Ambientes da Habitação‖ desta coleção. Ao final deste trabalho, contudo, há uma listagem dimensional do mobiliário encontrado na cidade de São Paulo e sua classificação pelo tipo de varejo.Jorge Boueri | 2007 11
  12. 12. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Tabela 1 Função e Atividades Função Atividades 1. Repouso Pessoal Dormir | descanso de casal Dormir | descanso individual/duplo Dormir | descanso de crianças Convalescer Permanência em reservado 2. Preparo de Refeições Preparação de alimentos Arrumação de louças e utensílios Tratamento de resíduos 3. Refeições Refeições correntes Refeições formais Estar à mesa 4. Estar | Lazer Estar passivo Receber visitas Recreio de crianças Diversão de jovens e adultos Lazer em família Eventos sociais em grupo Estar em ambiente externo privado Receber em ambiente externo privado Lazer em ambiente externo privado 5. Estudo | Trabalho Estudo de jovens Estudo de adultos Trabalho de adultos 6. Higiene Pessoal Lavagens corporais Funções vitais Cuidados pessoais 7. Manutenção e Arrumação da Habitação Limpeza geral Arrumação geral Manutenção geral Controle ambiental Vigilância e segurança Tratamento de resíduos domésticos Cuidado de animais domésticos Tratamento de Roupa Lavar roupa Secar roupa Passar roupa Costurar roupa Cuidar de calçados 8. Circulação e Estacionamento Entrada | Saída Circulação Interior | Exterior Uso do veículo Manutenção do veículoAdaptado de: Boueri, Jorge e Pedro, João Branco. As Funções e Atividades na Habitação de São Paulo. Pesquisa CPG FAU USP, 2006.Jorge Boueri | 2007 12
  13. 13. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIHigiene Pessoal | 1 Lavatório Lavatório Pequeno Lavatório com Bancada Lavatório de Canto Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 13
  14. 14. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIHigiene Pessoal | 2 Tanque Tábua de Passar Roupas Bancada de Trabalho Prateleira Área de Serviço|Alta Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 14
  15. 15. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIHigiene Pessoal | 3 Chuveiro | Box Hidromassagem 2 Pessoas Banheira com Chuveiro Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 15
  16. 16. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIPreparo de Refeições | 1 Fogão|Forno Baixo Forno Alto Lava-Louças Microondas Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 16
  17. 17. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIPreparo de Refeições | 2 Frigobar Geladeira Freezer Horizontal Freezer Vertical Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 17
  18. 18. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIPreparo de Refeições | 3 Coifa Bancada de Cozinha Armário Inferior de Bancada Prateleira de Cozinha|Baixa Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 18
  19. 19. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIPreparo de Refeições | 4 Banco Alto Pia de Cozinha Prateleira de Cozinha Alta com Acesso Obstruido Cadeira Bancada e Prateleiras Bancada Central Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 19
  20. 20. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 1 Mesa de Refeições | Detalhe 1 Mesa de Refeições | Detalhe 2 Mesa Quadrada 2 Lugares Mesa Quadrada 4 Lugares Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 20
  21. 21. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 2 Mesa Quadrada 8 Lugares Mesa Quadrada 12 Lugares Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 21
  22. 22. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 3 Mesa Redonda 2 Lugares Mesa Redonda 4 Lugares Mesa Redonda 6 Lugares Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 22
  23. 23. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 4 Mesa Redonda 10 Lugares 1.90a 1.90a .75c .60c .60c .75c .80b .60c .75c .75 c. 60 c .8 b 0b .80 5c .7 .75c 0c .60c .6 .80b .80b .75c .60c c .75 c .60 .60c .80b .80b .75c c 60 c. .75 .60 c. .75c .60c 75 .80 b c b .80 .80b Aplicações Dimensionais a. Espaço para a cabeça junto à borda da mesa b. Largura para sentar e levantar Largura sentado .75 m Largura mínima .65 m c. Profundidade para sentar e levantar Profundidade sentado .55 m Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 23
  24. 24. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 5 Mesa Redonda 8 Lugares 1.90a 1.90a .75c .60c .60c .75c .80b .60c .75c .7 5c .6 0c .8 0b 0b .8 5c .7 0c .75c .60c .6 .80b .80b .60c .75c 0c .6 5c .7 .6 0c .75c .60c .7 5c .8 0b 0b .8 .80b Aplicações Dimensionais a. Espaço para a cabeça junto à borda da mesa b. Largura para sentar e levantar Largura sentado .75 m Largura mínima .65 m c. Profundidade para sentar e levantar Profundidade sentado .55 m Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 24
  25. 25. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 6 Mesa Retangular 4Lugares Mesa Retangular 6 Lugares 1.90a 1.90a 1.90a 1.90a .75c .60c .60c .75c .75c .60c .60c .75c .80b .60c .75c .80b .60c .75c .80b .80b .75c .60c .60c .75c .80b .75c .60c .75c .60c .80b Mesa Retangular Oito Lugares .80b 1.90a 1.90a .60c .75c .80b .80b .75c .60c .60c .75c .75c .60c .60c .75c .80b .80b .75c .60c .60c .75c Aplicações Dimensionais .75c .60c a. Espaço para a cabeça junto à borda da mesa b. Largura para sentar e levantar Largura sentado .75 m .80b Largura mínima .65 m c. Profundidade para sentar e levantar Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 25
  26. 26. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRefeições | 7 Mesa Retangular 10 Lugares Mesa Retangular 10 Lugares Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 26
  27. 27. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIManutenção | 1 Tanque Tábua de Passar Roupas Bancada de Trabalho Prateleira Área de Serviço|Alta Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 27
  28. 28. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIManutenção | 2 Máquina de Secar Roupa|Alta Máquina de Lavar Roupa Varal Suspenso Secadora | Abertura Fromtal Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 28
  29. 29. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIManutenção | 3 Lixeira Cesto de Roupas Máquina de Costura Cabideiro Prateleira Área de Serviço|Baixa Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 29
  30. 30. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIManutenção | Limpeza Vassoura Vassoura com Balde Rodo Aspirador Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 30
  31. 31. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRepouso | 1 Guarda-Roupas Guarda-Roupas | Gavetas Cômoda Berço Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 31
  32. 32. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRepouso | 2 Cama de Casal Redonda Mesa de Cabeceira Mancebo Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 32
  33. 33. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRepouso | 3 Penteadeira Cama de Casal Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 33
  34. 34. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRepouso | 4 Cama de Solteiro Sofá-Cama Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 34
  35. 35. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIRepouso | 5 Bicama Beliche Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 35
  36. 36. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IICirculação | 1 Circulação Entre Cadeiras, Aparadores e Paredes Circulação Entre Poltronas, Sofás, Aparadores e Paredes Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 36
  37. 37. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IICirculação | 2 Escada | Uso Privativo Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 37
  38. 38. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IICirculação | 3 Porta Escada | Uso Privativo Circulação | Cozinha Corredor | Uso Privativo Corredor | Uso Privativo 2 pessoas Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 38
  39. 39. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IICirculação | Estacionamento Automóveis Bicicleta Carrinho de Bebê Motocicleta Carrinho de Feira | Supermercado Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 39
  40. 40. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IIEstudo e Trabalho Mesa de Trabalho ou Estudo Mesa Escritório | Computador Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 40
  41. 41. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer | 1 Sofá de 3 Lugares Sofá de 2 Lugares Poltrona Sofá de 3 Lugares | Sem Braços Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 41
  42. 42. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 2 Sofá de 2 Lugares | Sem Braços Poltrona Sem Braços Espreguiçadeira Cadeira Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 42
  43. 43. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 3 Piano Piano de Cauda Bar Mesa de Centro | Café Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 43
  44. 44. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 4 Carrinho de Chá | Dafé Mesinha Lateral Balcão e Bancos Balcão e Cadeiras Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 44
  45. 45. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 5 Lareira TV Rack | Estante de TV Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 45
  46. 46. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 6 Chapeleira Aparador Mesa de Jogos Estante | Prateleira Estante de Livros e Som Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 46
  47. 47. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro IILazer 7 Suporte de Peso Bicicleta Ergométrica Esteira Remo Step Padrão de Dimensionamento Nível Mínimo Nível Recomendado Nível Ótimo Escala 1:50 Unidade: MetroJorge Boueri | 2007 47
  48. 48. Projeto e Dimensionamento dos Espaços da Habitação | Espaço de Atividades | Livro II Tabela 2 Resumo | Dimensões de Mobiliário | São Paulo Unidade: Metros Função | Mobiliário | Equipamento CEF Rede de Varejo 1 Rede de Varejo 2 Rede de Varejo 3 Dimensões Maior Menor Maior Menor Maior Menor L P L P L P L P L P L P L P Lazer Sofá de 3 lugares com braço 1.70 0.70 2.14 1.10 1.75 0.75 2.10 0.94 1.80 0.80 2.49 0.83 1.96 0.92 Sofá de 2 lugares com braço 1.20 0.70 1.60 1.10 1.45 0.75 1.60 1.10 1.30 0.80 1.79 0.83 1.45 0.92 Poltrona com braço 0.80 0.70 0.86 0.75 0.82 0.90 0.80 0.76 1.09 0.83 0.80 0.72 Sofá de 3 lugares sem braço 1.50 0.70 2.25 0.80 1.90 0.90 Sofá de 2 lugares sem braço 1.00 0.70 1.50 0.80 1.27 1.00 Poltrona sem braço 0.50 0.70 0.95 0.88 0.52 0.63 Estante/Armário para TV 0.80 0.50 1.86 0.37 0.90 0.37 1.57 0.48 1.20 0.40 1.76 0.38 1.70 0.53 Mesinha centro ou cadeira apoio 0.90 0.40 0.40 0.25 0.90 0.65 0.93 0.48 1.10 0.60 0.60 0.40 Refeição Mesa redonda para 4 pessoas 1.00 1.00 0.90 1.00 0.80 1.10 1.00 Mesa redonda para 6 pessoas 1.20 1.20 1.20 Mesa quadrada para 4 pessoas 1.00 1.00 1.10 0.83 0.90 0.90 1.10 0.83 0.80 0.80 0.80 0.80 0.75 0.75 Mesa quadrada para 6 pessoas 1.20 1.20 1.40 1.40 1.50 1.50 1.40 1.40 Mesa retangular para 4 pessoas 1.20 0.80 1.20 0.82 1.10 0.80 1.40 0.82 1.10 0.72 1.40 0.80 1.20 0.85 Mesa retangular para 6 pessoas 1.50 0.80 1.60 0.90 1.40 0.90 1.50 0.85 1.37 0.84 1.60 0.75 1.53 0.80 Preparo de Refeição Pia 1.20 0.60 1.20 0.55 1.20 0.50 1.20 0.55 1.20 0.50 1.20 0.55 1.20 0.50 Fogão 0.60 0.60 0.50 0.55 0.50 0.50 0.50 0.55 0.50 0.50 0.50 0.55 0.50 0.50 Geladeira 0.70 0.70 0.60 0.70 0.55 0.63 0.60 0.70 0.55 0.63 0.60 0.70 0.55 0.63 Armário sobre a pia 1.20 0.33 1.20 0.33 1.45 0.33 1.20 0.40 1.20 0.33 Gabinete 1.20 0.59 1.20 0.59 1.20 0.55 1.20 0.45 1.20 0.60 Apoio para refeição 2 pessoas 0.90 0.90 0.70 0.55 0.80 0.60 0.70 0.55 1.40 0.30 1.30 0.28 Repouso Pessoal, Trabalho e Estudo Cama de casal 1.40 2.00 2.20 2.45 1.40 1.90 1.40 2.20 1.40 2.00 1.56 2.14 1.47 1.96 Criado-mudo 0.50 0.50 0.60 0.40 0.36 0.27 0.56 0.45 0.50 0.48 0.51 0.51 0.40 0.40 Guarda-roupa 1.60 0.55 2.74 0.59 1.82 0.48 2.80 0.62 2.66 0.60 1.80 0.60 1.75 0.67 Cama de solteiro 0.80 2.00 0.90 1.90 0.90 1.90 1.00 2.00 0.88 1.88 0.90 1.90 0.90 1.90 Mesa de estudo 0.80 0.60 1.40 0.55 1.12 0.55 1.22 0.60 0.90 0.45 1.40 0.55 1.12 0.55Referência Bibliográfica1 Drury, Colin; et ali. Task Analysis. in Handbook of Human Factors. New York: John Wiley & Sons, 1987.2 Boueri, Jorge. Critérios de Arranjo Físico para Equipamentos e Ambientes Construídos, Apostila. São Paulo, FAU USP, 1999.3 Boueri, Jorge. Antropometria Fator de Dimensionamento da Habitação. Tese de Doutorado, 4ª Ed.FAU USP, 1999.Capa João Plácido | Revisão Marcelo CuzziolDiagramação Jorge Boueri | Revisão Desenhos Alexandre Kenchian, Jorge Boueri, Stefano Mega, Valéria LopesJorge Boueri | 2007 48

×