Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais

458 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais

  1. 1. Bases sobre a teoria da cor aplicada aos sistemas digitais Modelos aditivo e subtrativo, modelo CMYK e modelo HSV
  2. 2. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo Quando se fala de obtenção de cor, podemos distinguir dois modelos: um modelo em que a cor é obtida aditivamente (cor luz) e outro em que a cor é obtida subtrativamente (cor pigmento). Ao modelo utilizado para descrever as cores emitidas ou projetadas chama-se modelo aditivo e ao modelo utilizado para descrever as cores impressas dá-se o nome de modelo subtrativo.
  3. 3. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo MODELO ADITIVO: O modelo aditivo explica a mistura dos comprimentos de onda de qualquer luz emitida, ou seja, quando duas luzes (cores) chegam simultaneamente (ou alternando-se rapidamente) ao olho, é provocada uma impressão cromática. Diz-se que ocorre uma mistura aditiva de cores. Verifica-se, portanto, que a ausência de luz ou de cor corresponde à cor preta, enquanto que a mistura dos comprimentos de onda ou das cores vermelha, verde e azul indicam a presença da luz ou a cor branca.
  4. 4. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo LEIS DA MISTURA ADITIVA – LEIS DE GRASSMANN: 1. Do resultado de uma mistura aditiva de cores, percebe-se o estímulo visual cromático mas não a sua composição espectral; 2. Todo o estímulo cromático pode ser obtido aditivamente pela variação das intensidades de três cores fundamentais quaisquer; 3. Todos os estímulos coloridos são constantes.
  5. 5. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo MODELO SUBTRATIVO: O modelo subtractivo explica a mistura de pinturas e tintas para criarem cores que absorvem alguns comprimentos de onda da luz e reflectem outros. Assim, a cor de um objecto corresponde à luz reflectida por ele e que os olhos recebem. Ao contrário do modelo aditivo, a mistura de cores cria uma cor mais escura, porque são absorvidos mais comprimentos de onda, subtraindo-os à luz. A ausência de cor corresponde ao branco (e não ao preto, como no modelo aditivo) e significa que nenhum comprimento de onda é absorvido, mas sim todos reflectidos.
  6. 6. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo RESUMINDO… MODELO ADITIVO MODELO SUBTRATIVO Luz emitida e projetada num ecrã Luz refletida Mistura de cores emitidas por fontes de luz Mistura de cores de pintura ou impressão
  7. 7. Modelo aditivo vs. Modelo subtrativo RESUMINDO… Modelo aditivo Modelo subtrativo
  8. 8. Modelo CMYK CARACTERIZAÇÃO: CMYK é a abreviatura do sistema de cores subtractivas formado por Ciano (Cyan), Amarelo (Yellow), Magenta (Magenta) e Preto (Black). É baseado no modelo CMY, ao qual foi acrescentada a cor preta, por ser mais fácil a sua obtenção quando impressa em papel do que recorrendo à mistura de cores. Este modelo baseia-se na forma como a Natureza cria as suas cores quando reflecte parte do espectro de luz e absorve outras.
  9. 9. Modelo CMYK APLICAÇÕES: - Impressoras; Fotocopiadoras; Pintura; Fotografia. A impressão assenta na sobreposição de camadas de tintas de ciano, magenta, amarelo e preto. Desta forma, as áreas em branco indicam inexistência de tinta ou pigmentos e as áreas escuras indicam uma concentração de tinta.
  10. 10. Modelo HSV CARACTERIZAÇÃO: O modelo HSV é definido pelo uso das grandezas: tonalidade (Hue), saturação (Saturation) e valor (Value). A tonalidade ou matiz (Hue) é a cor pura com saturação e luminosidade máximas, permitindo fazer a distinção das várias cores puras. Exprime-se num valor angular entre 0 e 360 graus.
  11. 11. Modelo HSV CARACTERIZAÇÃO: A saturação (Saturation) indica a maior ou menor intensidade da tonalidade, isto é, se a cor é pura ou esbatida (cinzenta). Uma cor saturada ou pura não contém a cor preta nem a branca. Desta forma a saturação é utilizada para descrever quão viva ou pura é a cor, descrevendo em termos técnicos a quantidade de cinzas numa cor. Exprime-se num valor percentual entre 0 e 100%. O valor 0% indica a inexistência de cor ou a aproximação aos cinzentos e o valor 100% indica uma cor saturada ou pura.
  12. 12. Modelo HSV CARACTERIZAÇÃO: O valor (Value) traduz a luminosidade ou o brilho de uma cor, isto é, se uma cor é mais clara ou mais escura, indicando a quantidade de luz que a mesma contém. O termo luminosidade está relacionado com a luz reflectida, enquanto que o termo brilho está relacionado com a luz emitida. Em termos técnicos, esta grandeza indica a quantidade de preto associado à cor. Exprime-se num valor percentual entre 0 e 100%. O valor 0% indica que a cor é muito escura ou preta e o valor 100% indica que é saturada ou pura.
  13. 13. Modelo HSV CARACTERIZAÇÃO: Pode concluir-se que a tonalidade e a saturação são elementos de crominância pois fornecem a informação relativa à cor. Por outro lado, a percepção da luminosidade (luz reflectida) e do brilho (luz emitida) são elementos de luminância.
  14. 14. Modelo HSV APLICAÇÕES: O modelo HSV baseia-se na percepção humana da cor do ponto de vista dos artistas plásticos, ou seja, estes para obterem as várias cores das suas pinturas combinam a tonalidade com elementos de brilho e saturação. Assim é mais fácil manusear as cores em função de tons e sombras do que apenas combinações de vermelho, verde e azul.
  15. 15. Trabalho realizado por: - Catarina Custódio, nº 8 - Inês Neves, nº 13 12ºE

×