SlideShare uma empresa Scribd logo

Joana

1 de 11
Baixar para ler offline
Ética para um Jovem
Ficha Técnica do Livro:
  •   Titulo: Ética para um Jovem
  •   Autor: Fernando Savater
  •   Editora: Dom Quixote
  •   Ano de Edição: Janeiro de 1991
  •   Ano de Publicação: [s.d.]
  •   Local de Publicação: [s.l.]
Sobre o Autor:
• Fernando Savater nasceu em San
  Sebastián em 1947. Catedrático de Ética
  na Universidade Complutense de Madrid,
  é autor de uma vasta obra que inclui
  ensaios, narrativas e teatro. Entre outros
  galardões, recebeu o Prémio Francisco
  Cerecedo da Associação de Jornalistas
  Europeus e o Prémio Sakharov dos
  Direitos Humanos. Fernando Savater é
  um dos pensadores mais destacados de
  Espanha e tem vindo a ganhar grande
  popularidade no mundo inteiro.
Resumo em Geral do Livro:



• Ética para um Jovem explica numa linguagem clara, profunda e ao mesmo
  tempo divertida, o que é a Ética e a forma como a podemos aplicar na nossa
  vida para tentarmos viver da melhor maneira possível connosco e com os
  outros.
• Este livro faz qualquer leitor refletir sobre a liberdade de escolha, a
  responsabilidade, o valor da amizade, o amor, o respeito, a posse e o poder.
  Segundo o autor é um livro indispensável tanto para jovens como para pais e
  professores. Fernando Savater escreveu-o para o seu filho de 15 anos, como
  forma de lhe explicar o que é a ética e a moral e qual a sua importância na
  sociedade            e           nas           relações            humanas.
Resumo de dois capítulos do livro:
Capitulo 2 – Ordens, Costumes e
Caprichos
• Neste capitulo depois de muitos exemplos o autor dá-nos a definição de
  motivo. Para ele, motivo é a razão que se tem para fazer alguma coisa, o
  que nos leva a fazer algo e, por isso, a explicação mais lógica para que o
  fizemos (o ato). Explica-nos a diferença entre três tipos de motivos: as
  ordens, os costumes e os caprichos.
• Ordens são o que somos levados a fazer .
• Costumes são repetições de atos que fazemos quase sem pensar, são
  hábitos, coisas que fazemos repetidamente e não nos questionamos
  sobre elas. Quando acordamos não nos questionamos por que nos
  vestimos de certa maneira ou porque não fazemos a cama de manha, são
  hábitos, costumes, repetições de atos.

Recomendados

Trabalho sobre a obra de Fernando Savater "Ética para um jovem". Realizado pe...
Trabalho sobre a obra de Fernando Savater "Ética para um jovem". Realizado pe...Trabalho sobre a obra de Fernando Savater "Ética para um jovem". Realizado pe...
Trabalho sobre a obra de Fernando Savater "Ética para um jovem". Realizado pe...Helena Serrão
 
Etica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloEtica para um jovem 1-4 Capitulo
Etica para um jovem 1-4 CapituloAna Santos Menoita
 
Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"Síntese da obra "Ética para um jovem"
Síntese da obra "Ética para um jovem"Helena Serrão
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaLeonidia Afm
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantesLuis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderadoIsabel Moura
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoDeterminismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoPedro Francisco
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radicalIsabel Moura
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioFilazambuja
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valoresPaulo Gomes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillHelena Serrão
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - FilosofiaIsaque Tomé
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoLuis De Sousa Rodrigues
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularAMLDRP
 
A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1Leonidia Afm
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosacnlx
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillOtávio Augusto Padilha
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 

Mais procurados (20)

Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoDeterminismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valores
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
A definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimentoA definição tradicional de conhecimento
A definição tradicional de conhecimento
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
Crítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológicoCrítica ao argumento ontológico
Crítica ao argumento ontológico
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celularRelatório biologia 10ºano - membrana celular
Relatório biologia 10ºano - membrana celular
 
A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Analise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosaAnalise leda serenidade deleitosa
Analise leda serenidade deleitosa
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 

Semelhante a Joana

A Vida na Escola: Uma Questão de Gestão
A Vida na Escola: Uma Questão de GestãoA Vida na Escola: Uma Questão de Gestão
A Vida na Escola: Uma Questão de GestãoGrasiela Dourado
 
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNciasAbdul Jussub
 
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdfJiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdfHubertoRohden2
 
A arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecerA arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecerNaiane Miguel
 
Liberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidadeLiberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidadeBruno Carrasco
 
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdfDinaGonalves13
 
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdf
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdfEscute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdf
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdfgrazielly9
 
Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1becresforte
 
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFComo-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFFernandoFrancoSerpa
 
A arte da nao conformidade chris guillebeau
A arte da nao conformidade   chris guillebeauA arte da nao conformidade   chris guillebeau
A arte da nao conformidade chris guillebeauValber Teixeira
 
7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimentoCelia Niza
 
Como quebrar hábitos e sair da zona de conforto
Como quebrar hábitos e sair da zona de confortoComo quebrar hábitos e sair da zona de conforto
Como quebrar hábitos e sair da zona de confortoFilipe Vieira
 
O poder dos inquietos chris guillebeau
O poder dos inquietos   chris guillebeauO poder dos inquietos   chris guillebeau
O poder dos inquietos chris guillebeauSoraya1965
 
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfNacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfVIEIRA RESENDE
 
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfNacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfVIEIRA RESENDE
 

Semelhante a Joana (20)

O Auto Conhecimento
O Auto ConhecimentoO Auto Conhecimento
O Auto Conhecimento
 
A Vida na Escola: Uma Questão de Gestão
A Vida na Escola: Uma Questão de GestãoA Vida na Escola: Uma Questão de Gestão
A Vida na Escola: Uma Questão de Gestão
 
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias1   Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
1 Abrir Se Ao PróPrio Valor E àS CoincidêNcias
 
Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites Aula Liberdade e Limites
Aula Liberdade e Limites
 
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdfJiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdf
Jiddu Krishnamurti - A Arte de Aprender.pdf
 
A arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecerA arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecer
 
A arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecerA arte-de-se-auto-conhecer
A arte-de-se-auto-conhecer
 
Liberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidadeLiberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidade
 
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf
#Você pode Curar a Sua Vida - Louise L Hay.pdf
 
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdf
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdfEscute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdf
Escute o Seu Corpo - Lise Bourbeau.pdf
 
Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1Pub jornal 2012_c1
Pub jornal 2012_c1
 
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDFComo-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
Como-Educar-a-Imaginacao-Matheus-Araujo-PDF
 
A arte da nao conformidade chris guillebeau
A arte da nao conformidade   chris guillebeauA arte da nao conformidade   chris guillebeau
A arte da nao conformidade chris guillebeau
 
7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento7 passos para o autoconhecimento
7 passos para o autoconhecimento
 
Como quebrar hábitos e sair da zona de conforto
Como quebrar hábitos e sair da zona de confortoComo quebrar hábitos e sair da zona de conforto
Como quebrar hábitos e sair da zona de conforto
 
Como Descobrir Sua Paixão
Como Descobrir Sua PaixãoComo Descobrir Sua Paixão
Como Descobrir Sua Paixão
 
O poder dos inquietos chris guillebeau
O poder dos inquietos   chris guillebeauO poder dos inquietos   chris guillebeau
O poder dos inquietos chris guillebeau
 
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfNacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
 
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdfNacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
Nacao-Dopamina-Anna-Lembke.pdf
 
Como ouvir pessoas
Como ouvir pessoasComo ouvir pessoas
Como ouvir pessoas
 

Mais de Catarina Batista (20)

Ricardo
RicardoRicardo
Ricardo
 
Nuno
NunoNuno
Nuno
 
Beatriz
BeatrizBeatriz
Beatriz
 
Andreia
AndreiaAndreia
Andreia
 
Ana
AnaAna
Ana
 
Poesia
PoesiaPoesia
Poesia
 
Capuchinho vermelho
Capuchinho vermelhoCapuchinho vermelho
Capuchinho vermelho
 
Projeto 3º período ji
Projeto 3º período   jiProjeto 3º período   ji
Projeto 3º período ji
 
Sessão 3
Sessão 3Sessão 3
Sessão 3
 
Sessão 2
Sessão 2Sessão 2
Sessão 2
 
O terceiro homem
O terceiro homemO terceiro homem
O terceiro homem
 
O cavaleiro da armadura enferrujada
O cavaleiro da armadura enferrujadaO cavaleiro da armadura enferrujada
O cavaleiro da armadura enferrujada
 
O dia do autor português
O dia do autor portuguêsO dia do autor português
O dia do autor português
 
O estranho caso de benjamin button filipa rodrigues
O estranho caso de benjamin button  filipa rodriguesO estranho caso de benjamin button  filipa rodrigues
O estranho caso de benjamin button filipa rodrigues
 
Marley&eu
Marley&euMarley&eu
Marley&eu
 
Lua de joana
Lua de joanaLua de joana
Lua de joana
 
Recuar no tempo
Recuar no tempoRecuar no tempo
Recuar no tempo
 
Ricardo fagulha
Ricardo fagulhaRicardo fagulha
Ricardo fagulha
 
Beatriz romão
Beatriz romãoBeatriz romão
Beatriz romão
 
Ricardo fagulha
Ricardo fagulhaRicardo fagulha
Ricardo fagulha
 

Joana

  • 2. Ficha Técnica do Livro: • Titulo: Ética para um Jovem • Autor: Fernando Savater • Editora: Dom Quixote • Ano de Edição: Janeiro de 1991 • Ano de Publicação: [s.d.] • Local de Publicação: [s.l.]
  • 3. Sobre o Autor: • Fernando Savater nasceu em San Sebastián em 1947. Catedrático de Ética na Universidade Complutense de Madrid, é autor de uma vasta obra que inclui ensaios, narrativas e teatro. Entre outros galardões, recebeu o Prémio Francisco Cerecedo da Associação de Jornalistas Europeus e o Prémio Sakharov dos Direitos Humanos. Fernando Savater é um dos pensadores mais destacados de Espanha e tem vindo a ganhar grande popularidade no mundo inteiro.
  • 4. Resumo em Geral do Livro: • Ética para um Jovem explica numa linguagem clara, profunda e ao mesmo tempo divertida, o que é a Ética e a forma como a podemos aplicar na nossa vida para tentarmos viver da melhor maneira possível connosco e com os outros. • Este livro faz qualquer leitor refletir sobre a liberdade de escolha, a responsabilidade, o valor da amizade, o amor, o respeito, a posse e o poder. Segundo o autor é um livro indispensável tanto para jovens como para pais e professores. Fernando Savater escreveu-o para o seu filho de 15 anos, como forma de lhe explicar o que é a ética e a moral e qual a sua importância na sociedade e nas relações humanas.
  • 5. Resumo de dois capítulos do livro:
  • 6. Capitulo 2 – Ordens, Costumes e Caprichos • Neste capitulo depois de muitos exemplos o autor dá-nos a definição de motivo. Para ele, motivo é a razão que se tem para fazer alguma coisa, o que nos leva a fazer algo e, por isso, a explicação mais lógica para que o fizemos (o ato). Explica-nos a diferença entre três tipos de motivos: as ordens, os costumes e os caprichos. • Ordens são o que somos levados a fazer . • Costumes são repetições de atos que fazemos quase sem pensar, são hábitos, coisas que fazemos repetidamente e não nos questionamos sobre elas. Quando acordamos não nos questionamos por que nos vestimos de certa maneira ou porque não fazemos a cama de manha, são hábitos, costumes, repetições de atos.
  • 7. Continuação: Chegando agora ao último dos três motivos que neste livro são abordados, os caprichos. • Estes são vindos do nosso interior, ou seja, somos nos que escolhemos os nossos caprichos, ninguém manda nos nossos caprichos, são espontâneos, e só dependem de nós. Não nos ordenam a ter determinado capricho. • Fomos obrigados a fazer tal coisa Ordem • É hábito fazer tal coisa Costume • Deu-nos a vontade de fazer tal coisa Capricho
  • 8. Capitulo 4 – Tem uma vida boa • Chegamos neste capítulo ao dilema do “Faz o que quiseres”. Esta é uma ordem para fazermos o que quisermos ou para fazermos o que não quisermos que é realmente o que queremos? As ordens, na maioria dos casos, tiram-nos a liberdade, mas como no caso anterior, só cumprimos a ordem se não a cumprirmos, isto ao princípio é um pouco estranho. É como “ bebe o café que quiseres”, isto pode ser considerado uma ordem porque nos mandam escolher, ou seja para fazermos mesmo o que queremos teremos de beber o café que não quisermos, porque nesse caso estamos mesmo a fazer o que queremos que é o que nos mandaram fazer. • Em resumo, este é um tema deveras complicado, já que mesmo quando contrariamos a ordem estamos a cumpri-la.
  • 9. Continuação: • Neste capitulo o autor diz-nos para pensar no que fazemos e ter uma boa vida. • Para não nos deixarmos levar por simples caprichos e ser conscientes das consequências que podem ter. As vezes podemos querer coisas que entram em conflito com outras nossas ideias. • Ou seja temos de impor ordens de prioridades em relação a ideias para termos uma boa vida. • Mas uma boa vida humana, ou seja , uma vida onde socializemos com outros seres humanos. Se formos muitos ricos mas não tivermos amigos de nada nos vale a riqueza, não temos uma boa vida. • Por outro lado, pode-se ser muito pobre mas tendo companhia para superar a pobreza e tendo pessoas amigas que nos ajudem torna a nossa vida muito mais boa do que qualquer ricaço sem amigos.
  • 10. Frases Marcantes: • “Podemos viver de muitas maneiras mas há maneiras que não deixam viver.” • “O único ponto sobre o qual á primeira vista, estamos todos de acordo é que nem todos estamos de acordo.” • “Qual é a recompensa mais alta que podemos obter de um esforço, uma carícia, uma palavra, uma música, um conhecimento, uma máquina, ou de montanhas de dinheiro, do prestígio, da glória, do poder, do amor, da ética ou do que bem mais quiseres? Previno-te de que a resposta é tão simples que se arrisca a decepcionar-te: o máximo que podemos obter seja do que for é a alegria. (...) O que é alegria? Um sim espontâneo à vida que nos jorra por dentro, um sim ao que somos, ou, melhor, ao que sentimos ser.”
  • 11. Continuação: • "E sabes porque é que não é simples dizer quando é que um ser humano é "bom" e quando é que não é? Porque não sabemos para que servem os seres humanos.“ • "... um reflexo do problema essencial da própria liberdade: a saber, que não somos livres de não ser livres, que não temos outro remédio senão sê-lo.“ • "Quando se trata uma pessoa como se fosse idiota é muito provável que, se ela não o for já, depressa acabe por sê-lo..." • “Ninguém chega a se tornar humano se está sozinho. Nós nos fazemos humanos uns aos outros.” • “Adeus, leitor amigo; tenta não gastares a tua vida a odiar e a ter medo.”