Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?

2.477 visualizações

Publicada em

Conferência na 3a. Jornadas Atlânticas de Cuidados Farmacêuticos

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.477
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?

  1. 1. TIPOS DE SERVIÇOS FARMACÊUTICOS CLÍNICOS O QUE DIZEM AS REVISÕES SISTEMÁTICAS? Cassyano J Correr, MSc, PhD Departamento de Farmácia Universidade Federal do Paraná, BrasilCorrer CJ, Rotta I, Salgado TM, Fernandez-Llimos F. Acta Farmacêutica Portuguesa 2012.
  2. 2. Questões1. Quantos serviços farmacêuticos clínicos diferentes existem?2. Quais já foram testados?3. Que serviços produzem os melhores resultados, de acordo com a evidência científica? 2
  3. 3. Níveis deevidênciaO Desenho doestudo determinasua relevância paraa prática clínica 3
  4. 4. Uma revisão das revisões• Busca no Pubmed– 2000 a 2010• Revisões sistemáticas • Impacto da realização de serviços farmacêuticos • Sobre indicadores da qualidade do processo de uso de medicamentos ou • Resultados em saúde (outcomes) 4
  5. 5. Registros obtidos na busca por revisões sistemáticas no Pubmed (n = 343) Registros excluídos (n =228) Artigos na íntegra avaliados para elegibilidade Artigos na íntegra excluídos, (n = 115) com razões (n = 69) Idioma (n=2) Critérios PRISMA (n=26) RS desatualizadas (n=7) Artigos incluídos Revisão não sistemática (n=16) (n = 46) RS que não incluem ECR ou farmacêuticos (n=17) RS publicada em 2011 (n=1) Estudos incluídosmanualmente (n=3) Revisões sistemáticas incluídas (n = 49) 5
  6. 6. Resultados• Revisões • Publicados sistemáticas • Ensaios entre: Clínicos Aleatorizados 6
  7. 7. Temas das Revisões1. Cuidados primários a idosos 7. Adesão ao tratamento em idosos e usuários contínuos2. DM, HAS, ICC, dislipidemia 8. Doentes hospitalizados ou lares de longa permanência3. Tabagismo 9. HIV/SIDA4. Saúde mental 10. Transferência entre níveis5. Polifarmácia e qualidade da assistenciais prescrição em idosos 11. Terapia anticoagulante6. Farmacoterapia pediátrica 7
  8. 8. Serviços Farmacêuticos Clínicos 1 3Aconselhamento Adesão ao ao doente tratamento 6 8 Reconciliação Prescrição terapêutica independente 8
  9. 9. Serviços ClínicosAconselhamento ao doente 9
  10. 10. Serviços Clínicos Programas de rastreio 10
  11. 11. Serviços Clínicos Adesão ao tratamento 11
  12. 12. Serviços Clínicos Revisão da farmacoterapia 12
  13. 13. Serviços ClínicosAcompanhamentoda farmacoterapia 13
  14. 14. Serviços Clínicos Reconciliação terapêutica 14
  15. 15. Serviços Clínicos Informação e suporte à equipe 15
  16. 16. Serviços Clínicos Prescrição independente 16
  17. 17. Discussão• As 8 categorias não são excludentes• Muitos serviços são personalizados à necessidade• Pode ser mais útil descrever as atividades clínicas do que dar um “nome” ao serviço clínico 17
  18. 18. Desenho do Serviço 1.CONTATO COM O PACIENTE contato direto ou por meios remotos2.MOMENTO 3.LOCAL 4.POPULAÇÃO Quando? Onde? Para quem? 18
  19. 19. Desenho do Serviço 5. INFORMAÇÕES CLÍNICASQue informações? De onde são obtidas?6. O QUE 7. COMOAVALIA? AVALIA? 19
  20. 20. Desenho do Serviço 8. AUTONOMIAExames, exame clínico e modificações no tratamento 10. 9. COMUNICAÇÃO DOCUMENTAÇÃO A quem e como E RECURSOS AUXILIARES 12. 13. OUTRAS AÇÕES 11. EDUCAÇÃO ACOMPANHAMENT O Rastreio, protocolos, Conteúdos visitas educacionais Há? Como é feito? 20
  21. 21. Considerações Finais• Novos serviços = Evolução da prática• Serviços tradicionais que funcionam não devem ser abandonados• Novos serviços devem mostrar benefício antes de serem adotados. 21
  22. 22. Obrigado!cassyano@ufpr.br 22

×