SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Complexidade da Farmacoterapia
Profa. Ana Carolina Melchiors
O que é complexidade?
• 1. Que abrange ou encerra muitos elementos ou
  partes. 2. Observável sob vários pontos de vista. 3.
  Diz-se de um conjunto, de um todo cujos elementos
  são combinados de maneira a oferecer certa
  dificuldade para a análise; complicado.
Complexidade da Farmacoterapia



                        Dificuldade de
                           definição

     ??
Complexidade da Farmacoterapia

         “a complexidade do regime consiste de múltiplas
           características do regime prescrito incluindo, mas
           não limitando, o número de diferentes medicações
           no regime, o número de doses por dia, o número de
           unidades de dosagem por dose, o numero total de
           unidades por dia e restrições de comida por dose.”



Stone VE, Hogan JW, Schuman P, Rompalo AM, Howard AA, Korkontzelou C, et al. Antiretroviral Regimen Complexity, Self-Reported Adherence, and HIV
Patients' Understanding of Their Regimens: Survey of Women in the HER Study. J Acquir Immune Defic Syndr 2001; 28(2):124-131.
Complexidade da Farmacoterapia

           Número de                                     Número de
          medicamentos                                  doses por dia




                                  Informações
                                   adicionais




Um conceito teórico independente de fatores clínicos, farmacológicos e demográficos
Adesão X Complexidade
• Complexidade pode auxiliar na predição da adesão

• Complexidade é um dos principais obstáculos para a
  adesão ao tratamento
  ▫ Principalmente o número de medicamentos prescritos
Complexidade da Farmacoterapia


  Por que ocorre o aumento no uso de
           medicamentos???
Complexidade da Farmacoterapia
• Os pontos críticos da complexidade dependem do
  tipo de enfermidade ou do grupo especial que está
  se acompanhando:

  ▫ Ex.
     Idosos – 12 ou mais doses por dia de medicamentos
     HIV – Restrição de alimento por dose
Complexidade da Farmacoterapia
• Dificuldade em se medir a complexidade pela falta
  de uniformidade na sua definição

  ▫ Conseqüência alguns aspectos são ignorados como por
    ex.:
     Instruções especiais associadas a dose
     Ações requeridas de gerenciamento para administrar o
      comprimido
Complexidade da Farmacoterapia
     • Principais conseqüências de terapias complexas:

         ▫ Baixa adesão ao tratamento
         ▫ Interações medicamentosas
         ▫ Reações adversas


         “O que aparenta relativamente simples para uma pessoa
                     pode ser complexa para outra”

Johnson M, Griffiths R, Piper M, Langdon R. Risk Factors for an Untoward Medication Event Among Elders in Community-Based
Nursing Caseloads in Australia. Public Health Nursing 2005; 22(1):36-44.
Complexidade da Farmacoterapia
     • Doses diárias X adesão
          ▫ Revisão sistemática (1986-2000):




Claxton AJ, Cramer J, Pierce C. A Systematic Review of the Associations Between Dose Regimens and Medication Compliance.
Clinical Therapeutics 2001; 23(8):1296-1310
Complexidade da Farmacoterapia
• Doses diárias X adesão

  ▫ New england journal (2005)
     Regime de uma dose, uma vez ao dia é o que melhor
      ajuda a maximizar a adesão ao tratamento,
      principalmente quando combinado com visitas
      freqüentes de reforço ao profissional de saúde



   Osterberg L, Blaschke T. Adherence to medication. N Engl J Med 2005;353(5):487-497.
Instrumentos para medir a
complexidade
• Medication Complexity Index (MCI)
  ▫ Kelley (1998)
      Não validado
      Resultado de um estudo com o MCI
          ▫ Johnson (2005):

Nesse estudo verificou-se características fortemente relacionadas com a
   complexidade da farmacoterapia sendo elas:
1) tomar 5 ou mais medicações regularmente
2) tomar 12 ou mais doses por dia
3) ter medicamento prescrito por mais de um médico
4) Adesão ao tratamento (correlação negativa)
Instrumentos para medir a
   complexidade
    • Medication Regimen Complexity Index (MRCI)
       ▫ George (2004)
          Validado e traduzido para o português (Índice da
           Complexidade da Farmacoterapia)
                            3 seções A, B e C

informações sobre formas de dosagens


                     informações de freqüências de doses


                                                       informações adicionais
Instrumentos para medir a complexidade
    • Epilepsy Medication and Treatment Complexity
      Index (EMTCI)
       ▫ Dilorio (2003)
           Modificado pelas ações necessárias para alguns
            medicamentos para epilepsia

                            4 seções A, B, C e D

informações sobre formas de dosagens

         informações de freqüências de doses

                                       Instruções especiais

                                                              Ações de administração
Instrumentos para medir a complexidade
• Medication Regimen Complexity Scale (MRCS)
  ▫ Tucker (2002)
      4 afirmações pontuadas numa escala Likert de 5 pontos
       -1 (strongly agree) a 5 (strongly disagree)
      Dificuldades quanto a administração dos medicamentos

item 1 = “The size of some of my pills makes them hard to swallow”;
item 2 = “Because some of my pills are hard to swallow, I don’t like taking
   them”;
item 3 = “I don’t like taking some of my pills or medicines because they taste
   bad”;
item 4 = “I don’t like taking some of my pills or medicines because they
   make me feel sick.”
Instrumento para redução da
complexidade
   Horas Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo
   6 am
   8 am
   10 am
   12 am
   2 pm
   4 pm
   6 pm
   8 pm
   10 pm
   12 pm
   2 am
Melchiors AC, Correr CJ, Fernández-Llimos F. Translation and validation into Portuguese language of the medication
regimen complexity index. Arquivos brasileiros de cardiologia. 2007/11/10 ed. 2007 Oct;89(4):210–8.
ICFT - Seção A
                    Formas de dosagem                         peso
                 Cápsulas/comprimidos                          1
                 Gargarejos/colutórios                         2
       ORAL      Gomas/pastilhas                               2
                 Líquidos                                      2
                 Pós/Grânulos                                  2
                 Spray/comprimidos sublinguais                 2
                 Cremes/Géis/Pomadas                           2
                 Emplastros                                    3
       TOPICO    Tinturas/Soluções de uso tópico               2
                 Pastas                                        3
                 Adesivos transdérmicos/Patches                2
                 Spray de uso tópico                           1
                 Gotas/cremes/pomadas para o ouvido            3
                 Colírios/gotas para os olhos                  3
      OUVIDO,    Géis/pomadas para os olhos                    3
      OLHOS E    Gotas/cremes/pomadas nasais                   3
       NARIZ     Spray nasal                                   2
                 Accuhalers (pó seco para inalação/            3
                 diskus)
                 Aerolizers (cápsulas para inalação)           3
      INALAÇÃO   Inaladores de dose medida (bombinha)          4
                 Nebulizador (ar comprimido/ultra-sônico)      5
                 Oxigênio/concentrador                         3
                 Turbuhalers (pó seco para inalação)           3
                 Outros inaladores de pó-seco                  3
                 Fluido para diálise                           5
                 Enemas                                        2
                 Injeções: -Pré-caregadas                      3
      OUTROS              - Ampolas/frascos-ampolas            4
                 Supositórios/ óvulos vaginais                 3
                 Analgesia Controlada pelo Paciente            2
                 Supositório                                   2
                 Cremes vaginais                               2
                                              Total seção A
ICFT – Seção B




                                                                Total X Peso
                                                         Peso
                                                 Total
                 Freqüência
                  de dose      Medicações


                   1 x dia                                1
                 1 x dia S/N                             0,5
                   2 x dia                                2
                 2 x dia S/N                              1
                   3 x dia                                3
                 3 x dia S/N                             1,5
                   4 x dia                                4
                 4 x dia S/N                              2
                   12/12h                                2,5
                   12/12 h
                                                         1,5
                     S/N
                     8/8h                                 3,5
                  8/8h S/N                                 2
                     6/6h                                 4,5
                  6/6h S/N                                2,5
                     4/4h                                 6,5
                  4/4 h S/N                               3,5
                     2/2h                                12,5
                  2/2h S/N                                6,5
                     S/N                                  0,5
                     Dias
                 alternados
                                                          2
                  ou menor
                 freqüência
                  Oxigênio
                                                          1
                     S/N
                  Oxigênio
                                                          2
                   <15hrs
                  Oxigênio
                                                          3
                   >15hrs
                                            Total seção B
ICFT – Seção C




                                                                         medicações
                                                                          Peso x
                                                                  Peso
                                                          Total




                                                                           N° de
         Instruções adicionais         Medicações

     Partir ou triturar o comprimido                              1
     Dissolver o comprimido/pó                                    1
     Múltiplas unidades ao mesmo
     tempo (ex.: 2 comprimidos, 2                                 1
     jatos)
     Dose variável (ex.: 1-2
                                                                  1
     cápsulas, 2-3 jatos)
     Tomar/usar em horário
     específico (ex.: manhã, noite,                               1
     8 AM)
     Relação com alimento (ex.:
     com alimento, antes das
                                                                  1
     refeições, depois das
     refeições)
     Tomar com liquido específico                                 1
     Tomar/usar conforme
                                                                  2
     indicado
     Reduzir ou aumentar a dose
                                                                  2
     progressivamente
     Doses alternadas (ex.: 1
     manhã e 2 noite, 1/2 em dias                                 2
     alternados)
                                                    Total seção C

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaFarmacêutico Digital
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra CrfMarcelo Polacow Bisson
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaCassyano Correr
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaPatrícia Lopes
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosCassyano Correr
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesadrianomedico
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Cassyano Correr
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentosClaudio Luis Venturini
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisacarolinylimadocarmo
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagemivanaferraz
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Farmacêutico Digital
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Cassyano Correr
 

Mais procurados (20)

Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
Tipos de receituarios
Tipos de receituariosTipos de receituarios
Tipos de receituarios
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
 
Cuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetesCuidados farmacêuticos no diabetes
Cuidados farmacêuticos no diabetes
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Assistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisaAssistencia farmaceutica e a anvisa
Assistencia farmaceutica e a anvisa
 
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia -   Leis & DrogariasAtendente de Farmácia -   Leis & Drogarias
Atendente de Farmácia - Leis & Drogarias
 
Auditoria em Enfermagem
Auditoria em EnfermagemAuditoria em Enfermagem
Auditoria em Enfermagem
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
 
Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344Atendente de Farmácia - portaria 344
Atendente de Farmácia - portaria 344
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
Efeitos da atenção farmacêutica em pacientes com diabetes tipo 2 em farmácia ...
 

Destaque

Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoCassyano Correr
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaanafreato
 
1 introducao ao estudo da fisiopatologia
1 introducao ao estudo da fisiopatologia1 introducao ao estudo da fisiopatologia
1 introducao ao estudo da fisiopatologiaMarcio Loss
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Cassyano Correr
 
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejoAtenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejoTatiana Pereira
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015angelitamelo
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasCassyano Correr
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemCassyano Correr
 
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...Flávia Lemes
 
Economia e gestão farmacêutica
Economia e gestão farmacêuticaEconomia e gestão farmacêutica
Economia e gestão farmacêuticaNayane Marinho
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeCassyano Correr
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalMarcelo Polacow Bisson
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCassyano Correr
 
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalangelitamelo
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusCassyano Correr
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Cassyano Correr
 
04 técnica histopatológica ii
04 técnica histopatológica ii04 técnica histopatológica ii
04 técnica histopatológica iiAna Camila
 

Destaque (20)

Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
1 introducao ao estudo da fisiopatologia
1 introducao ao estudo da fisiopatologia1 introducao ao estudo da fisiopatologia
1 introducao ao estudo da fisiopatologia
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejoAtenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
Atenção farmacêutica para pacientes diabéticos no varejo
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
 
Farmacoterapia
FarmacoterapiaFarmacoterapia
Farmacoterapia
 
Pirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de AprendizagemPirâmide de Aprendizagem
Pirâmide de Aprendizagem
 
Farmacologia e definicões
Farmacologia e definicõesFarmacologia e definicões
Farmacologia e definicões
 
Asma Brônquica
Asma BrônquicaAsma Brônquica
Asma Brônquica
 
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
 
Economia e gestão farmacêutica
Economia e gestão farmacêuticaEconomia e gestão farmacêutica
Economia e gestão farmacêutica
 
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à SaúdeGestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
Gestão Clínica de Medicamentos na Atenção Primária à Saúde
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
 
Condições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colíriosCondições oftálmicas e colírios
Condições oftálmicas e colírios
 
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_finalNoções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
Noções de semiologia e cuidado farmacêutico crfmg 2015_final
 
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
Atuação clínica do farmacêutico - Congresso Riopharma 2015
 
04 técnica histopatológica ii
04 técnica histopatológica ii04 técnica histopatológica ii
04 técnica histopatológica ii
 

Semelhante a Complexidade da Farmacoterapia

Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadofarmaefarma
 
abordagem tabagismo.ppt
abordagem tabagismo.pptabordagem tabagismo.ppt
abordagem tabagismo.pptSilviaMello18
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010Sandra Brassica
 
Farmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxFarmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxmauromaumau
 
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUSOncoguia
 
Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo  Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo Dr. Walter Cury
 
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdf
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdfadministraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdf
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdfPinheiroNeto2
 
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose apresentação para a reuniã...
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose   apresentação para a reuniã...1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose   apresentação para a reuniã...
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose apresentação para a reuniã...medcamila
 
Poster Congresso OF 2015
Poster Congresso OF 2015Poster Congresso OF 2015
Poster Congresso OF 2015Regina Dias
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosFrancisco José
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaSimone Marchesini
 
Minha defesa de dissertação 2004
Minha defesa de dissertação 2004Minha defesa de dissertação 2004
Minha defesa de dissertação 2004Adriana Quevedo
 
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )   2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf ) Marcelo Gomes
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?eduardo guagliardi
 

Semelhante a Complexidade da Farmacoterapia (20)

Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueadoRevisão e gestão da medicação oficina para franqueado
Revisão e gestão da medicação oficina para franqueado
 
abordagem tabagismo.ppt
abordagem tabagismo.pptabordagem tabagismo.ppt
abordagem tabagismo.ppt
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010Farmacoterapia pediátrica - 2010
Farmacoterapia pediátrica - 2010
 
vias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.pptvias de adm aula 3.ppt
vias de adm aula 3.ppt
 
Farmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxFarmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptx
 
Eixo_2.5E_Tabagismo.pdf
Eixo_2.5E_Tabagismo.pdfEixo_2.5E_Tabagismo.pdf
Eixo_2.5E_Tabagismo.pdf
 
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS  Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
Consultas Públicas - Tratamento da Dor no SUS
 
Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo  Tratamento do Tabagismo
Tratamento do Tabagismo
 
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdf
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdfadministraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdf
administraodemedicamentosjoscarlosblog-110727202331-phpapp02.pdf
 
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose apresentação para a reuniã...
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose   apresentação para a reuniã...1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose   apresentação para a reuniã...
1339785741 mudanças no tratamento da tuberculose apresentação para a reuniã...
 
Poster Congresso OF 2015
Poster Congresso OF 2015Poster Congresso OF 2015
Poster Congresso OF 2015
 
Farmacologia geral
Farmacologia geralFarmacologia geral
Farmacologia geral
 
Uso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentosUso racional de medicamentos
Uso racional de medicamentos
 
Anestesia sedacao
Anestesia   sedacaoAnestesia   sedacao
Anestesia sedacao
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
Minha defesa de dissertação 2004
Minha defesa de dissertação 2004Minha defesa de dissertação 2004
Minha defesa de dissertação 2004
 
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )   2  introdução a farmacologia aplicada  ( pdf )
2 introdução a farmacologia aplicada ( pdf )
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivos Transtornos depressivos
Transtornos depressivos
 

Mais de Cassyano Correr

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoCassyano Correr
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucessoCassyano Correr
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Cassyano Correr
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosCassyano Correr
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialCassyano Correr
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCassyano Correr
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabioseCassyano Correr
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Cassyano Correr
 
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012Cassyano Correr
 

Mais de Cassyano Correr (13)

Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e FunçãoServiços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
Serviços Clínicos Farmacêuticos - Estrutura e Função
 
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
10 Passos para a criação de um serviço farmacêutico de sucesso
 
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
Assistência Farmacêutica Avançada - Road Show Brasília - Nov2017
 
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços FarmacêuticosLivro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
Livro - Farmácia Clínica e Serviços Farmacêuticos
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
 
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiosePicadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
Picadas e mordidas de artrópodes, pediculose e escabiose
 
QSSF-Brasil
QSSF-BrasilQSSF-Brasil
QSSF-Brasil
 
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitáriaAvaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
Avaliação da pressão arterial na farmácia comunitária
 
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitáriaAvaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
Avaliação da glicemia capilar na farmácia comunitária
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
 
Os problemas dos MIPs
Os problemas dos MIPsOs problemas dos MIPs
Os problemas dos MIPs
 
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
Lisboa Simposio Luso-Brasileiro - out 2012
 

Complexidade da Farmacoterapia

  • 1. Complexidade da Farmacoterapia Profa. Ana Carolina Melchiors
  • 2. O que é complexidade? • 1. Que abrange ou encerra muitos elementos ou partes. 2. Observável sob vários pontos de vista. 3. Diz-se de um conjunto, de um todo cujos elementos são combinados de maneira a oferecer certa dificuldade para a análise; complicado.
  • 3. Complexidade da Farmacoterapia Dificuldade de definição ??
  • 4. Complexidade da Farmacoterapia “a complexidade do regime consiste de múltiplas características do regime prescrito incluindo, mas não limitando, o número de diferentes medicações no regime, o número de doses por dia, o número de unidades de dosagem por dose, o numero total de unidades por dia e restrições de comida por dose.” Stone VE, Hogan JW, Schuman P, Rompalo AM, Howard AA, Korkontzelou C, et al. Antiretroviral Regimen Complexity, Self-Reported Adherence, and HIV Patients' Understanding of Their Regimens: Survey of Women in the HER Study. J Acquir Immune Defic Syndr 2001; 28(2):124-131.
  • 5. Complexidade da Farmacoterapia Número de Número de medicamentos doses por dia Informações adicionais Um conceito teórico independente de fatores clínicos, farmacológicos e demográficos
  • 6. Adesão X Complexidade • Complexidade pode auxiliar na predição da adesão • Complexidade é um dos principais obstáculos para a adesão ao tratamento ▫ Principalmente o número de medicamentos prescritos
  • 7. Complexidade da Farmacoterapia Por que ocorre o aumento no uso de medicamentos???
  • 8. Complexidade da Farmacoterapia • Os pontos críticos da complexidade dependem do tipo de enfermidade ou do grupo especial que está se acompanhando: ▫ Ex.  Idosos – 12 ou mais doses por dia de medicamentos  HIV – Restrição de alimento por dose
  • 9. Complexidade da Farmacoterapia • Dificuldade em se medir a complexidade pela falta de uniformidade na sua definição ▫ Conseqüência alguns aspectos são ignorados como por ex.:  Instruções especiais associadas a dose  Ações requeridas de gerenciamento para administrar o comprimido
  • 10. Complexidade da Farmacoterapia • Principais conseqüências de terapias complexas: ▫ Baixa adesão ao tratamento ▫ Interações medicamentosas ▫ Reações adversas “O que aparenta relativamente simples para uma pessoa pode ser complexa para outra” Johnson M, Griffiths R, Piper M, Langdon R. Risk Factors for an Untoward Medication Event Among Elders in Community-Based Nursing Caseloads in Australia. Public Health Nursing 2005; 22(1):36-44.
  • 11. Complexidade da Farmacoterapia • Doses diárias X adesão ▫ Revisão sistemática (1986-2000): Claxton AJ, Cramer J, Pierce C. A Systematic Review of the Associations Between Dose Regimens and Medication Compliance. Clinical Therapeutics 2001; 23(8):1296-1310
  • 12. Complexidade da Farmacoterapia • Doses diárias X adesão ▫ New england journal (2005)  Regime de uma dose, uma vez ao dia é o que melhor ajuda a maximizar a adesão ao tratamento, principalmente quando combinado com visitas freqüentes de reforço ao profissional de saúde Osterberg L, Blaschke T. Adherence to medication. N Engl J Med 2005;353(5):487-497.
  • 13. Instrumentos para medir a complexidade • Medication Complexity Index (MCI) ▫ Kelley (1998)  Não validado  Resultado de um estudo com o MCI ▫ Johnson (2005): Nesse estudo verificou-se características fortemente relacionadas com a complexidade da farmacoterapia sendo elas: 1) tomar 5 ou mais medicações regularmente 2) tomar 12 ou mais doses por dia 3) ter medicamento prescrito por mais de um médico 4) Adesão ao tratamento (correlação negativa)
  • 14. Instrumentos para medir a complexidade • Medication Regimen Complexity Index (MRCI) ▫ George (2004)  Validado e traduzido para o português (Índice da Complexidade da Farmacoterapia) 3 seções A, B e C informações sobre formas de dosagens informações de freqüências de doses informações adicionais
  • 15. Instrumentos para medir a complexidade • Epilepsy Medication and Treatment Complexity Index (EMTCI) ▫ Dilorio (2003)  Modificado pelas ações necessárias para alguns medicamentos para epilepsia 4 seções A, B, C e D informações sobre formas de dosagens informações de freqüências de doses Instruções especiais Ações de administração
  • 16. Instrumentos para medir a complexidade • Medication Regimen Complexity Scale (MRCS) ▫ Tucker (2002)  4 afirmações pontuadas numa escala Likert de 5 pontos -1 (strongly agree) a 5 (strongly disagree)  Dificuldades quanto a administração dos medicamentos item 1 = “The size of some of my pills makes them hard to swallow”; item 2 = “Because some of my pills are hard to swallow, I don’t like taking them”; item 3 = “I don’t like taking some of my pills or medicines because they taste bad”; item 4 = “I don’t like taking some of my pills or medicines because they make me feel sick.”
  • 17. Instrumento para redução da complexidade Horas Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 6 am 8 am 10 am 12 am 2 pm 4 pm 6 pm 8 pm 10 pm 12 pm 2 am
  • 18. Melchiors AC, Correr CJ, Fernández-Llimos F. Translation and validation into Portuguese language of the medication regimen complexity index. Arquivos brasileiros de cardiologia. 2007/11/10 ed. 2007 Oct;89(4):210–8.
  • 19. ICFT - Seção A Formas de dosagem peso Cápsulas/comprimidos 1 Gargarejos/colutórios 2 ORAL Gomas/pastilhas 2 Líquidos 2 Pós/Grânulos 2 Spray/comprimidos sublinguais 2 Cremes/Géis/Pomadas 2 Emplastros 3 TOPICO Tinturas/Soluções de uso tópico 2 Pastas 3 Adesivos transdérmicos/Patches 2 Spray de uso tópico 1 Gotas/cremes/pomadas para o ouvido 3 Colírios/gotas para os olhos 3 OUVIDO, Géis/pomadas para os olhos 3 OLHOS E Gotas/cremes/pomadas nasais 3 NARIZ Spray nasal 2 Accuhalers (pó seco para inalação/ 3 diskus) Aerolizers (cápsulas para inalação) 3 INALAÇÃO Inaladores de dose medida (bombinha) 4 Nebulizador (ar comprimido/ultra-sônico) 5 Oxigênio/concentrador 3 Turbuhalers (pó seco para inalação) 3 Outros inaladores de pó-seco 3 Fluido para diálise 5 Enemas 2 Injeções: -Pré-caregadas 3 OUTROS - Ampolas/frascos-ampolas 4 Supositórios/ óvulos vaginais 3 Analgesia Controlada pelo Paciente 2 Supositório 2 Cremes vaginais 2 Total seção A
  • 20. ICFT – Seção B Total X Peso Peso Total Freqüência de dose Medicações 1 x dia 1 1 x dia S/N 0,5 2 x dia 2 2 x dia S/N 1 3 x dia 3 3 x dia S/N 1,5 4 x dia 4 4 x dia S/N 2 12/12h 2,5 12/12 h 1,5 S/N 8/8h 3,5 8/8h S/N 2 6/6h 4,5 6/6h S/N 2,5 4/4h 6,5 4/4 h S/N 3,5 2/2h 12,5 2/2h S/N 6,5 S/N 0,5 Dias alternados 2 ou menor freqüência Oxigênio 1 S/N Oxigênio 2 <15hrs Oxigênio 3 >15hrs Total seção B
  • 21. ICFT – Seção C medicações Peso x Peso Total N° de Instruções adicionais Medicações Partir ou triturar o comprimido 1 Dissolver o comprimido/pó 1 Múltiplas unidades ao mesmo tempo (ex.: 2 comprimidos, 2 1 jatos) Dose variável (ex.: 1-2 1 cápsulas, 2-3 jatos) Tomar/usar em horário específico (ex.: manhã, noite, 1 8 AM) Relação com alimento (ex.: com alimento, antes das 1 refeições, depois das refeições) Tomar com liquido específico 1 Tomar/usar conforme 2 indicado Reduzir ou aumentar a dose 2 progressivamente Doses alternadas (ex.: 1 manhã e 2 noite, 1/2 em dias 2 alternados) Total seção C