O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Casa da Rocha  Boletim da  ParceriaMétodo de alfabetização do IBRAEMA                                                     ...
Página 2Saiba um pouco mais Frank Laubach, criador dométodo de alfabetização que utilizamos“O analfabeto não deixa de     ...
Página 3                                                                      Boletim da ParceriaConheça melhor uma de nos...
Organização                                            A associação CASA DA ROCHA, que foi recém-criada                   ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Boletim 4 projeto alfabetizar

175 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Boletim 4 projeto alfabetizar

  1. 1. Casa da Rocha Boletim da ParceriaMétodo de alfabetização do IBRAEMA Boletimé um sucesso no projeto de educação informativo nº 4 Recife, 09/11/2011integral de mulheres ex-moradoras derua Vidas, com aconselha- Motivos de mento, uma oração de oração clamor a Deus quando  Por todas as alu- nos pedem, ouvir seus nas, para que per- sonhos é algo gratifican- severem até o término do projeto; te. Agradeço a Deus pela oportunidade de viver  Pelas facilitadoras momentos como estes.” e apoios, para que Testemunhou Delza Ri- o Senhor aumente Turma aprova uso do Painel do IBRAEMA a cada dia seu beiro, que dá suporte à amor por aquelas facilitadora Fernanda vidas;Após três meses do No inicio imaginei que Fonseca nas aulas aosinício do projeto de alfa- seria muito difícil. Par- sábados.  Pelas ações parabetização e oportunida- timos do zero, mas geração de oportu- Para o IBRAEMA, Institu- nidade solidária;des solidárias para ge- hoje, passados esses to Brasileiro de Educaçãoração de renda de mu- três meses e vendo  Por todos os nos- e Meio Ambiente, com sos parceiros fi-lheres ex-moradoras de nossas amadas alu- base no trabalho de nanceiros.rua, já podemos perce- nas lendo, escreven- Frank Laubach, o pontober as primeiras mudan- do, ainda que com de partida para alfabeti-ças. “A cada aula pode- dificuldade mas avan- zação de adultos são asmos ver o crescimento çando, é incrível, não suas experiências, e adas nossas alunas, sen- tem preço que pague Como ajudar seleção de palavras-timos o esforço em ca- a emoção de viver chave que fazem parte  Com suas orações;da traço, em cada nú- isso. Poder também do seu cotidiano, combi-  Com doações men-mero escrito, em cada ajudá-las em outros nadas com imagens que sais no valor de R$palavra formada e lida. seguimentos de suas tornarão o seu entendi- 50,00 para paga- mento mais fácil, através mento dos custos da associação entre o fixos do projeto (aluguel da sala, desconhecido (palavras) luz, água, lanches, e o conhecido (imagens). entre outros). Cada palavra chave em- presta uma de suas sila-  Como voluntários. bas para a construção de novas palavras, permitin- Mais informações: do que o aluno possa ler Denise Lima no primeiro dia de aula. 81 9174-8843 É fantástico! A facilitadora Fernanda Fonseca e as deniselima04@ alunas fazendo os exercícios hotmail.com
  2. 2. Página 2Saiba um pouco mais Frank Laubach, criador dométodo de alfabetização que utilizamos“O analfabeto não deixa de comunidade que não possu-ser uma pessoa instruída ía nenhum alfabeto em seupelo fato de não saber ler e dialeto. Na comunidade, ha-escrever. Ele é uma pessoa via mais de 15 mil habitan-isolada do conhecimento tes, mas apenas os sacerdo-formal. Promover a alfabeti- tes sabiam ler, porém emzação é mudar a consciência árabe.desta pessoa, reintegrando-aao meio em que vive e colo- Laubach criou um método as-cando-a no mesmo plano de sociando palavras conhecidasconhecimento de direitoshumanos fundamentais”. à sua forma escrita e, durante 15 anos, aplicou e aperfeiçoouEsse é o pensamento de sua metodologia, desenvolven-Frank Charles Laubach, psi- do o método em 17 dialetoscólogo e sociólogo nascido filipinos e alfabetizando maisem 1884, na cidade de Ben- de 60% da população. O fatoton, Pensilvânia, Estados Frank Laubach tornou-o mundialmente conhe-Unidos. Começou a elaborar cido e já foi traduzido parasua proposta em 1915 nas mais de 200 idiomas.Filipinas para atender a uma “Promover a alfabetização é mudar a consciência desta pessoa, reintegrando-a ao meio em que vive e colocando-a no mesmo plano de conhecimento de direitos humanos fundamentais”. Frank LaubachIBRAEMA capacita novos facilitadores Aconteceu no último dia 05/11 mente na proposta do IBRAE- mais um treinamento do IBRA- MA, que trabalha também “Temos como EMA para capacitação de faci- questões de cidadania e opor- litadores para alfabetização de tunidades para geração de objetivo não é jovens e adultos (EJA), do qual renda.”, comentou Denise Li- apenas ensinar participaram Denise Lima, Le- ma, que coordena o projeto. vina Andrade e Ana Maria. nossas alunas a Para saber mais sobre o “Nosso intuito é apoiamos ain- ler e a escrever, IBRAEMA, acesse da mais o trabalho das atuais facilitadoras, dando todo o su- www.ibraema.org.br. mas ajudá-las porte necessário para que o num processo projeto seja um sucesso em de todas as etapas. Temos como objetivo não é apenas ensinar conscientização nossas alunas a ler e escrever, de seu papel na mas ajudá-las num processo de conscientização de seu pa- sociedade.” pel na sociedade e de como Denise Lima podem ser agentes de trans- formação de suas vidas. Logo, nossa visão se encaixa total- Denise, Levina e Ana com seus manuais do Facilitador
  3. 3. Página 3 Boletim da ParceriaConheça melhor uma de nossas alunasEsta é Ana Lúcia, tem 33 anos negócio em frente à vila,e mora na vila São Francisco, onde ela vende água, refri-no Cordeiro, com dois de seus gerantes e lanches. Comofilhos, Wellington de 10 anos e não sabe ler nem escrever,Sidney, 11. Ana também é Ana tem certa dificuldademãe de Jéssica, mas a menina em gerenciar seu negócio.foi entregue à adoção, pois na Porém, com as aulas deépoca Ana não tinha condi- alfabetização e de oportuni-ções de cuidar da menina. dades solidárias, acredita-Ana é uma pessoa bem humo- mos que Ana mudará estarada, apesar das dificuldades história e se tornará umaque já passou enquanto viveu empreendedora de sucesso!nas ruas. É uma mãe amorosa “Eu não sabia de nada ee que cuida bem de seus dois hoje já estou conhecendo A aluna e empreendedorafilhos sempre tentando dar o algumas letras e, pra mim Ana Lúciamelhor para eles, dentro das está sendo muito importantesuas possibilidades. Nossa para eu deixar de ser depen-aluna sempre teve uma visão dente dos outros.” Relatouempreendedora: já produziu nossa dedicada aluna.bijuterias para vender em ca- Continuem investindo nasa, bordou almofadas e atual- vida de Ana. Ela agradece Nosso agradecimentomente montou um pequeno com este sorriso!  À arquiteta Kelly Medeiros, que fez o projeto dePrestando contas reforma da sala. Nossa pretensão é a criação de sala para atendimentoNeste mês de outubro, arrecadamos R$ 1.478,48 para o proje- psicológico e pastoral, bemto! Obrigada a cada um de vocês que contribuiu. Graças a suaajuda, estamos reduzindo o valor que foi retirado do caixa do como uma copa. KellyAMMAR e da CASA DA ROCHA, para adiantamento de três também projetou uma áreameses de aluguel e reforma da sala. Nossa expectativa é pa- para inclusão digital.garmos todo o empréstimo até o próximo mês. Contamos com Estejam orando por nossosvocês para continuarmos a investir em vidas! projetos de ampliação.  Ao discipulado de Cau e Carioca, que nos ajudaram com a compra de um bebedouro.  A todos os nossos contribuintes mensais, nosso muito obrigado! Coisa mais bem aventurada é dar, do que receber. Atos 20-35b
  4. 4. Organização A associação CASA DA ROCHA, que foi recém-criada com o objetivo de atuar na área de assistência social visando o resgate da cidadania das pessoas em situa- ção de rua e vulnerabilidade social, com base em prin- cípios cristãos, já possui CNPJ! Mais uma vez, somos gratos a Deus por mais esta vitória.Ministério AMMARIgreja Episcopal Carismática A CASA surgiu para complementar as ações do minis-www.ministerioammar.com.br tério AMMAR, que continua funcionando como depar- tamento de ação social da Igreja Episcopal Carismáti- ca, Catedral da Trindade.Casa da RochaEndereço: Rua Dr. João Lacerda, O projeto de alfabetização e de oportunidades solidá-número 230 A, Cordeiro, Recife—PE rias para geração de renda de mulheres ex-moradoras de rua é a primeira parceria entre a CASA e o AMMAR. O público alvo do projeto são as mulheres da comunidade na qual o AMMAR já atua e maioria dos Evangelho e voluntários do projeto também faz parte do ministério AMMAR. A CASA está responsável pela captação de justiça social recursos, administração da sala e coordenação do projeto. “Educação é o exercício da liberdade”. Paulo Freire As alunas Cremilda e Carmem, fazendo suas atividades no livro do aluno “A vivência do aluno adulto é o ponto de partida para o processo de alfabetização.” Frank Laubach Marinalva, Kátia e Ana: concentração.

×