SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO
Inserção de Portugal em
diferentes espaços
 Já durante as primeiras décadas
do século XX, fruto de um regime
ditatorial e da manutenção das
colonias, Portugal acabou por se
isolar no contexto internacional.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 Ao longo dos seus oito séculos de história, Portugal tem-se
confrontado com a necessidade de adotar estratégias de
desenvolvimento que passam:
• pelo intensificar das relações com as terras situadas para além
do oceano e/ou com os países do interior do continente.
 Numa primeira fase, com os
Descobrimentos, a colonização e a
emigração, a opção foi
essencialmente oceânica e
expansionista.
 Nos últimos anos, consequência do 25 de Abril de 1974, da
descolonização e principalmente da adesão à então Comunidade
Económica Europeia (CEE):
• Portugal redescobriu a sua vocação continental e passou a
privilegiar o espaço geográfico europeu em detrimento de
qualquer outro.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Fig.SeloimpressoemPortugal
comabandeiradaEFTA
Inserção de Portugal em diferentes espaços
PORTUGAL NO ESPAÇO EUROPEU
 1959: entrada do
país na EFTA.
(European Free Trade
Association)
Após a II Guerra Mundial:
• período de quebra do
isolamento politico e económico;
• Portugal passa a integrar
diferentes organismos e instituições
internacionais;
 1986: adesão do
nosso país à CEE.
Em Maio de 1992, a CEE e a EFTA, ao abrigo
dos acordos então assinados passaram a
designar esta área por Espaço Económico
Europeu (EEE).
O Acordo de Schengen é uma convenção
entre países europeus sobre uma política
de abertura das fronteiras e livre
circulação de pessoas entre os países
signatários.
Um total de 30 países, incluindo todos os
integrantes da União Europeia (exceto
Irlanda e Reino Unido) e três países que
não são membros da UE (Islândia, Noruega
e Suíça), assinaram o acordo de Schengen.
Liechenstein, Bulgária, Roménia e Chipre
estão em fase de implementação do
acordo.
A área criada em decorrência do acordo é
conhecida como espaço Schengen e não
deve ser confundida com a União
Europeia. Tratam-se de dois acordos
diferentes, embora ambos envolvendo
países da Europa.
Fig. CEE (em 1957)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Comunidade Económica Europeia (CEE)
• início a 25 de março de
1957, com a assinatura do
Tratado de Roma.
• Países fundadores das 2
Comunidades: Franca, Bélgica,
Holanda, Luxemburgo, Republica
Federal Alemã e Itália.
• Objetivo: formação de um mercado
comum em que os homens, as
mercadorias e os capitais circulassem
livremente.
Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) com a assinatura
do Tratado de Paris, dia 18 de abril de 1951
1951
• Adesão do Reino Unido, da
Dinamarca e da Irlanda.
Fig. CEE (em 1973)
 1986: adesão de
Portugal e Espanha.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 1973: primeiro
alargamento da CEE.
 1981: adesão da
Grécia
• consagrou-se oficialmente o
nome de “União Europeia
(UE)” (substituiu o de
“Comunidade Europeia”).
Fig. Selo dedicado ao 1.º aniversário
da queda do Muro de Berlim.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 Com a queda do muro de
Berlim e a reunificação da
Alemanha, a ex-RDA passou a
ser parte integrante desta
comunidade.
Tratado de Maastricht
• entrou em vigor a 1 de
novembro de 1993;
• poder eleger e ser eleito nas
eleições municipais e europeias
no Estado-membro de residência.
Fig. Um dos objetivos
da UE é a livre
circulação de bens,
serviços, pessoas e
capitais.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 O Tratado de Maastricht:
• instituiu a cidadania
europeia;
• permitiu aos cidadãos de
todos os Estados-membros
uma maior liberdade…
• para circular, viver, trabalhar
ou estudar em qualquer um
dos países-membros;
Com o Tratado de Maastricht
definiram-se também as fases da
introdução da moeda única europeia:
Inserção de Portugal em diferentes espaços
• símbolo mais visível da
cidadania europeia.
EURO
• fator de aglutinação e de identidade
comum aos diversos povos europeus;
em particular aos da
Zona Euro
 1995: Europa dos Quinze.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
• Entrada na UE de dez novos
Estados-membros: Republica
Checa, Estónia, Chipre, Letónia,
Lituânia, Hungria, Malta, Polónia,
Eslovénia e Eslováquia.
• Áustria, a Suécia e a Finlândia
passaram a integrar a UE.
 2004: Europa dos Vinte e Cinco.
 Em 2007 aderiram a Bulgária e a Roménia, dando origem à Europa
dos Vinte e Sete.
 Em julho de 2013, a Croácia aderiu, formando a Europa dos Vinte e
Oito.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
A União Europeia:
Objetivos da sua fundação
Os objetivos da formação da União Europeia passam por:
Criação de um espaço de liberdade, de segurança e de justiça,
sem fronteiras internas, onde haja livre circulação de pessoas,
capitais, bens e serviços.
Criação do mercado único em que a concorrência é livre.
Promoção do desenvolvimento sustentável, ao nível do
emprego, progresso social, e proteção e melhoria do ambiente.
Promoção do progresso científico e técnico.
A União Europeia:
Objetivos da sua fundação
Os objetivos da formação da União Europeia passam por:
Salvaguarda e desenvolvimento do património cultural.
Promoção da diversidade cultural e linguística.
Promoção da coesão económica, social e territorial e a
solidariedade entre estados-membros.
Combate contra a exclusão social e as discriminações, a
promoção da justiça e da proteção sociais, a igualdade entre
homens e mulheres, a solidariedade entre gerações e a
proteção dos direitos das crianças.
Fig. Selo comemorativo
do aniversário de
nascimento de Pedro
Álvares Cabral
Inserção de Portugal em diferentes espaços
PORTUGAL NO ESPAÇO MUNDIAL
• As relações de Portugal com o exterior estendem-se às
mais variadas regiões do globo.
• Portugal soube sempre compatibilizar a sua condição
de país europeu com a sua grande vocação marítima.
 Não faria qualquer sentido pensar em Portugal no presente contexto
mundial sem considerarmos:
• os portugueses que vivem e trabalham nos mais variados pontos do
globo e que constituem comunidades com uma diversidade e uma
riqueza indispensáveis ao nosso futuro coletivo e à afirmação da
nossa cultura.
Fig. Emigrantes portugueses
por país de destino (2009)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Estas comunidades representam:
• uma importante forma de
divulgação da cultura nacional,
funcionando como embaixadores da
língua e forma de viver portuguesas;
• uma fonte de receitas fundamental,
através das remessas enviadas e que
resultam como uma ajuda à nossa
débil situação económica.
Fig. Exposição "Joana Vasconcelos"
no Palácio Nacional da Ajuda
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Fonte:dgARTES.
• alguns dos destinos habituais deixaram de ser atrativos, enquanto
outros países começaram a oferecer melhores perspetivas de
desenvolvimento.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 Nos últimos anos, a estrutura da
emigração portuguesa sofreu
grandes alterações…
 fruto da crise
internacional.
• A dispersão dos portugueses, embora estruturalmente diferente,
vai continuar a ser uma das principais características da demografia
nacional.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Comunidade dos países de
língua portuguesa (CPLP)
• espaço lusófono onde
mais de 220 milhões de
pessoas falam a língua
portuguesa;
• objetivos fundamentais:
cooperação económica, social,
cultural, jurídica e técnico-
científica e a difusão da língua
portuguesa.
• data de fundação: 17 de julho
de 1996, criada pelos atuais
membros, com exceção de Timor-
Leste que se uniu em 2002, após
a sua independência.
Fig. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
• grande objetivo: assegurar a
manutenção da paz no Mundo,
procurando resolver pacificamente os
conflitos internacionais, através do
diálogo entre as partes envolvidas.
Fig. António Guterres:
Alto-Comissário da ONU
para os Refugiados
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Organização das Nações
Unidas (ONU)
• fundada a 24 de outubro de
1945, nos EUA;
• dela fazem parte 193 países;
• Portugal aderiu em 1955.
• tem procurado incentivar o
desenvolvimento da agricultura e da
indústria (sobretudo nos países mais
pobres);
• tem apoiado e encaminhado muitos
milhões de refugiados;
• tem contribuído para a redução do
analfabetismo, das doenças e da fome
(sobretudo nos PED);
• tem ajudado muitos daqueles que
são vítimas de catástrofes naturais ou
de conflitos armados.
Fig. Campo de Refugiados - Haiti
Fig. Soldados da ONU a prestar auxílio em
Sarajevo, Bósnia
Inserção de Portugal em diferentes espaços
 A ONU tem um papel extremamente
importante nos domínios económico,
social, cultural e humanitário.
Após o fim da II Guerra Mundial
(1945), vários países da Europa
Ocidental, sentiram-se ameaçados
principalmente pela União Soviética, e
decidiram criar uma aliança militar que
garantisse a sua segurança.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Organização do Tratado do
Atlântico Norte (NATO/OTAN)
Aliança militar que surgiu a
4 de abril de 1949.
NATO desempenha um importante papel
na resolução de crises e/ou conflitos
potenciais que possam ameaçar a
estabilidade da Europa.
Exerce uma grande influência nas decisões políticas europeias,
estabelecendo importantes acordos estratégicos para a manutenção da
paz mundial.
Fig. Países da NATO (2012)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
A OCDE constituiu-se em
dezembro de 1960 e sucedeu à
Organização Europeia de
Cooperação Económica (OECE).
A OECE teve origem em 1948, liderada
por Robert Marjolin da França, para
ajudar a gerir o Plano Marshall para a
reconstrução da Europa após a
Segunda Guerra Mundial.
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Organização para a
Cooperação e o
Desenvolvimento Económico
(OCDE)
• conta com 34 países-membros
(2012), entre os quais Portugal.
• tem por missão: reforçar a
economia dos países-membros,
melhorar a sua eficácia,
promover a economia de
mercado, desenvolver um
sistema de trocas livres e
contribuir para o
desenvolvimento e
industrialização dos países.
Fig. Países-membros da OCDE (2012)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
Organização Mundial
do Comércio (OMC)
Inserção de Portugal em diferentes espaços
• constituída em 1995;
• sucede ao Acordo Geral sobre
Tarifas e Comércio (GATT) –
1947.
• inclui atualmente 159 países
(março de 2013).Objetivo: supervisionar um grande
número de acordos sobre as “regras do
comércio” entre os Estados-membros.
Fig. Países-membros e observadores
da OMC (março de 2013)
Centro William Rappard, sede da OMC em Genebra,
Suíça.
 No âmbito de algumas destas organizações, Portugal tem vindo a
participar ativamente no reforço dos mecanismos de legalidade
internacional, tendo-se empenhado em missões de grande relevância.
• É, por exemplo, o caso dos Balcãs, para a manutenção da paz, ou
em Timor, para a construção de um Estado independente.
Fig. Soldado em missão de paz – Timor Leste
Inserção de Portugal em diferentes espaços
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaAna Delgado
 
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionaisAi Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais11CPTS
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)Pedro Tomé
 
A constituição do território nacional
A constituição do território nacional A constituição do território nacional
A constituição do território nacional domplex123
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentosPocarolas
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaGabriel Cristiano
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portuguesesceliaricardo234
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquistaCarina Vale
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualIdalina Leite
 

Mais procurados (20)

Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionaisAi Modulo 4 O papel das organizações internacionais
Ai Modulo 4 O papel das organizações internacionais
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)
Globalização - O papel das organizações internacionais (FMI, OMC e BM)
 
A constituição do território nacional
A constituição do território nacional A constituição do território nacional
A constituição do território nacional
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Símbolos da União Europeia
Símbolos da União EuropeiaSímbolos da União Europeia
Símbolos da União Europeia
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
 
Invasões Francesas
Invasões FrancesasInvasões Francesas
Invasões Francesas
 
Construção europeia
Construção europeiaConstrução europeia
Construção europeia
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
Os Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos PortuguesesOs Descobrimentos Portugueses
Os Descobrimentos Portugueses
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Area de integração
Area de integraçãoArea de integração
Area de integração
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 

Semelhante a A Inserção de Portugal nos Diferentes Espaços

Construção Europeia - Joana e rosa
Construção Europeia - Joana e rosa Construção Europeia - Joana e rosa
Construção Europeia - Joana e rosa Turismo Esdas
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMprofrodrigoribeiro
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974racatta
 
Power point a união europeia passo a passo
Power point a  união europeia passo a passoPower point a  união europeia passo a passo
Power point a união europeia passo a passogeostuart7
 
Trabalho direito europeu
Trabalho direito europeuTrabalho direito europeu
Trabalho direito europeuVITOR RUSSO
 
A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx Teresa Maia
 
Resumos_10ano (3).pdf
Resumos_10ano (3).pdfResumos_10ano (3).pdf
Resumos_10ano (3).pdfAida Cunha
 
Resumos_10ano (2).pdf
Resumos_10ano (2).pdfResumos_10ano (2).pdf
Resumos_10ano (2).pdfAida Cunha
 
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial   Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial PIBID HISTÓRIA
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosIlda Bicacro
 
Power point espaço europeu
Power point espaço europeuPower point espaço europeu
Power point espaço europeumariasilva3851
 
União europeia unida na diversidade versão projectável
União europeia unida na diversidade versão projectávelUnião europeia unida na diversidade versão projectável
União europeia unida na diversidade versão projectávelElsa Condeço
 
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)Sailon Bispo Nascimento
 

Semelhante a A Inserção de Portugal nos Diferentes Espaços (20)

Construção Europeia - Joana e rosa
Construção Europeia - Joana e rosa Construção Europeia - Joana e rosa
Construção Europeia - Joana e rosa
 
Privest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EMPrivest - Europa III - 3º Ano EM
Privest - Europa III - 3º Ano EM
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974
 
Globalização econômica
Globalização  econômicaGlobalização  econômica
Globalização econômica
 
Ue
UeUe
Ue
 
Power point a união europeia passo a passo
Power point a  união europeia passo a passoPower point a  união europeia passo a passo
Power point a união europeia passo a passo
 
Trabalho direito europeu
Trabalho direito europeuTrabalho direito europeu
Trabalho direito europeu
 
A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx
 
Resumos 10ano
Resumos 10anoResumos 10ano
Resumos 10ano
 
Resumos_10ano (3).pdf
Resumos_10ano (3).pdfResumos_10ano (3).pdf
Resumos_10ano (3).pdf
 
Resumos_10ano (2).pdf
Resumos_10ano (2).pdfResumos_10ano (2).pdf
Resumos_10ano (2).pdf
 
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial   Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial
Texto Introdutório - Crise do Sistema Colonial
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
 
Power point espaço europeu
Power point espaço europeuPower point espaço europeu
Power point espaço europeu
 
Power point espaço europeu
Power point espaço europeuPower point espaço europeu
Power point espaço europeu
 
União europeia unida na diversidade versão projectável
União europeia unida na diversidade versão projectávelUnião europeia unida na diversidade versão projectável
União europeia unida na diversidade versão projectável
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)
A Europa Conteporânea (2° cap., 9° ano A)
 
Uniao europeia
Uniao europeiaUniao europeia
Uniao europeia
 
Permanenciadefocosdetensao (1)
Permanenciadefocosdetensao (1)Permanenciadefocosdetensao (1)
Permanenciadefocosdetensao (1)
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 

Último

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 

Último (20)

A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 

A Inserção de Portugal nos Diferentes Espaços

  • 1. A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 2.  Já durante as primeiras décadas do século XX, fruto de um regime ditatorial e da manutenção das colonias, Portugal acabou por se isolar no contexto internacional. Inserção de Portugal em diferentes espaços  Ao longo dos seus oito séculos de história, Portugal tem-se confrontado com a necessidade de adotar estratégias de desenvolvimento que passam: • pelo intensificar das relações com as terras situadas para além do oceano e/ou com os países do interior do continente.  Numa primeira fase, com os Descobrimentos, a colonização e a emigração, a opção foi essencialmente oceânica e expansionista.
  • 3.  Nos últimos anos, consequência do 25 de Abril de 1974, da descolonização e principalmente da adesão à então Comunidade Económica Europeia (CEE): • Portugal redescobriu a sua vocação continental e passou a privilegiar o espaço geográfico europeu em detrimento de qualquer outro. Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 4. Fig.SeloimpressoemPortugal comabandeiradaEFTA Inserção de Portugal em diferentes espaços PORTUGAL NO ESPAÇO EUROPEU  1959: entrada do país na EFTA. (European Free Trade Association) Após a II Guerra Mundial: • período de quebra do isolamento politico e económico; • Portugal passa a integrar diferentes organismos e instituições internacionais;  1986: adesão do nosso país à CEE. Em Maio de 1992, a CEE e a EFTA, ao abrigo dos acordos então assinados passaram a designar esta área por Espaço Económico Europeu (EEE).
  • 5. O Acordo de Schengen é uma convenção entre países europeus sobre uma política de abertura das fronteiras e livre circulação de pessoas entre os países signatários. Um total de 30 países, incluindo todos os integrantes da União Europeia (exceto Irlanda e Reino Unido) e três países que não são membros da UE (Islândia, Noruega e Suíça), assinaram o acordo de Schengen. Liechenstein, Bulgária, Roménia e Chipre estão em fase de implementação do acordo. A área criada em decorrência do acordo é conhecida como espaço Schengen e não deve ser confundida com a União Europeia. Tratam-se de dois acordos diferentes, embora ambos envolvendo países da Europa.
  • 6. Fig. CEE (em 1957) Inserção de Portugal em diferentes espaços Comunidade Económica Europeia (CEE) • início a 25 de março de 1957, com a assinatura do Tratado de Roma. • Países fundadores das 2 Comunidades: Franca, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Republica Federal Alemã e Itália. • Objetivo: formação de um mercado comum em que os homens, as mercadorias e os capitais circulassem livremente. Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) com a assinatura do Tratado de Paris, dia 18 de abril de 1951 1951
  • 7. • Adesão do Reino Unido, da Dinamarca e da Irlanda. Fig. CEE (em 1973)  1986: adesão de Portugal e Espanha. Inserção de Portugal em diferentes espaços  1973: primeiro alargamento da CEE.  1981: adesão da Grécia
  • 8. • consagrou-se oficialmente o nome de “União Europeia (UE)” (substituiu o de “Comunidade Europeia”). Fig. Selo dedicado ao 1.º aniversário da queda do Muro de Berlim. Inserção de Portugal em diferentes espaços  Com a queda do muro de Berlim e a reunificação da Alemanha, a ex-RDA passou a ser parte integrante desta comunidade. Tratado de Maastricht • entrou em vigor a 1 de novembro de 1993;
  • 9. • poder eleger e ser eleito nas eleições municipais e europeias no Estado-membro de residência. Fig. Um dos objetivos da UE é a livre circulação de bens, serviços, pessoas e capitais. Inserção de Portugal em diferentes espaços  O Tratado de Maastricht: • instituiu a cidadania europeia; • permitiu aos cidadãos de todos os Estados-membros uma maior liberdade… • para circular, viver, trabalhar ou estudar em qualquer um dos países-membros;
  • 10. Com o Tratado de Maastricht definiram-se também as fases da introdução da moeda única europeia: Inserção de Portugal em diferentes espaços • símbolo mais visível da cidadania europeia. EURO • fator de aglutinação e de identidade comum aos diversos povos europeus; em particular aos da Zona Euro
  • 11.  1995: Europa dos Quinze. Inserção de Portugal em diferentes espaços • Entrada na UE de dez novos Estados-membros: Republica Checa, Estónia, Chipre, Letónia, Lituânia, Hungria, Malta, Polónia, Eslovénia e Eslováquia. • Áustria, a Suécia e a Finlândia passaram a integrar a UE.  2004: Europa dos Vinte e Cinco.
  • 12.  Em 2007 aderiram a Bulgária e a Roménia, dando origem à Europa dos Vinte e Sete.  Em julho de 2013, a Croácia aderiu, formando a Europa dos Vinte e Oito. Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 13. A União Europeia: Objetivos da sua fundação Os objetivos da formação da União Europeia passam por: Criação de um espaço de liberdade, de segurança e de justiça, sem fronteiras internas, onde haja livre circulação de pessoas, capitais, bens e serviços. Criação do mercado único em que a concorrência é livre. Promoção do desenvolvimento sustentável, ao nível do emprego, progresso social, e proteção e melhoria do ambiente. Promoção do progresso científico e técnico.
  • 14. A União Europeia: Objetivos da sua fundação Os objetivos da formação da União Europeia passam por: Salvaguarda e desenvolvimento do património cultural. Promoção da diversidade cultural e linguística. Promoção da coesão económica, social e territorial e a solidariedade entre estados-membros. Combate contra a exclusão social e as discriminações, a promoção da justiça e da proteção sociais, a igualdade entre homens e mulheres, a solidariedade entre gerações e a proteção dos direitos das crianças.
  • 15. Fig. Selo comemorativo do aniversário de nascimento de Pedro Álvares Cabral Inserção de Portugal em diferentes espaços PORTUGAL NO ESPAÇO MUNDIAL • As relações de Portugal com o exterior estendem-se às mais variadas regiões do globo. • Portugal soube sempre compatibilizar a sua condição de país europeu com a sua grande vocação marítima.
  • 16.  Não faria qualquer sentido pensar em Portugal no presente contexto mundial sem considerarmos: • os portugueses que vivem e trabalham nos mais variados pontos do globo e que constituem comunidades com uma diversidade e uma riqueza indispensáveis ao nosso futuro coletivo e à afirmação da nossa cultura. Fig. Emigrantes portugueses por país de destino (2009) Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 17. Estas comunidades representam: • uma importante forma de divulgação da cultura nacional, funcionando como embaixadores da língua e forma de viver portuguesas; • uma fonte de receitas fundamental, através das remessas enviadas e que resultam como uma ajuda à nossa débil situação económica. Fig. Exposição "Joana Vasconcelos" no Palácio Nacional da Ajuda Inserção de Portugal em diferentes espaços Fonte:dgARTES.
  • 18. • alguns dos destinos habituais deixaram de ser atrativos, enquanto outros países começaram a oferecer melhores perspetivas de desenvolvimento. Inserção de Portugal em diferentes espaços  Nos últimos anos, a estrutura da emigração portuguesa sofreu grandes alterações…  fruto da crise internacional. • A dispersão dos portugueses, embora estruturalmente diferente, vai continuar a ser uma das principais características da demografia nacional.
  • 19. Inserção de Portugal em diferentes espaços Comunidade dos países de língua portuguesa (CPLP) • espaço lusófono onde mais de 220 milhões de pessoas falam a língua portuguesa; • objetivos fundamentais: cooperação económica, social, cultural, jurídica e técnico- científica e a difusão da língua portuguesa. • data de fundação: 17 de julho de 1996, criada pelos atuais membros, com exceção de Timor- Leste que se uniu em 2002, após a sua independência.
  • 20. Fig. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 21. • grande objetivo: assegurar a manutenção da paz no Mundo, procurando resolver pacificamente os conflitos internacionais, através do diálogo entre as partes envolvidas. Fig. António Guterres: Alto-Comissário da ONU para os Refugiados Inserção de Portugal em diferentes espaços Organização das Nações Unidas (ONU) • fundada a 24 de outubro de 1945, nos EUA; • dela fazem parte 193 países; • Portugal aderiu em 1955.
  • 22. • tem procurado incentivar o desenvolvimento da agricultura e da indústria (sobretudo nos países mais pobres); • tem apoiado e encaminhado muitos milhões de refugiados; • tem contribuído para a redução do analfabetismo, das doenças e da fome (sobretudo nos PED); • tem ajudado muitos daqueles que são vítimas de catástrofes naturais ou de conflitos armados. Fig. Campo de Refugiados - Haiti Fig. Soldados da ONU a prestar auxílio em Sarajevo, Bósnia Inserção de Portugal em diferentes espaços  A ONU tem um papel extremamente importante nos domínios económico, social, cultural e humanitário.
  • 23. Após o fim da II Guerra Mundial (1945), vários países da Europa Ocidental, sentiram-se ameaçados principalmente pela União Soviética, e decidiram criar uma aliança militar que garantisse a sua segurança. Inserção de Portugal em diferentes espaços Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO/OTAN) Aliança militar que surgiu a 4 de abril de 1949. NATO desempenha um importante papel na resolução de crises e/ou conflitos potenciais que possam ameaçar a estabilidade da Europa. Exerce uma grande influência nas decisões políticas europeias, estabelecendo importantes acordos estratégicos para a manutenção da paz mundial.
  • 24. Fig. Países da NATO (2012) Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 25. A OCDE constituiu-se em dezembro de 1960 e sucedeu à Organização Europeia de Cooperação Económica (OECE). A OECE teve origem em 1948, liderada por Robert Marjolin da França, para ajudar a gerir o Plano Marshall para a reconstrução da Europa após a Segunda Guerra Mundial. Inserção de Portugal em diferentes espaços Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE) • conta com 34 países-membros (2012), entre os quais Portugal. • tem por missão: reforçar a economia dos países-membros, melhorar a sua eficácia, promover a economia de mercado, desenvolver um sistema de trocas livres e contribuir para o desenvolvimento e industrialização dos países.
  • 26. Fig. Países-membros da OCDE (2012) Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 27. Organização Mundial do Comércio (OMC) Inserção de Portugal em diferentes espaços • constituída em 1995; • sucede ao Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) – 1947. • inclui atualmente 159 países (março de 2013).Objetivo: supervisionar um grande número de acordos sobre as “regras do comércio” entre os Estados-membros. Fig. Países-membros e observadores da OMC (março de 2013)
  • 28. Centro William Rappard, sede da OMC em Genebra, Suíça.
  • 29.  No âmbito de algumas destas organizações, Portugal tem vindo a participar ativamente no reforço dos mecanismos de legalidade internacional, tendo-se empenhado em missões de grande relevância. • É, por exemplo, o caso dos Balcãs, para a manutenção da paz, ou em Timor, para a construção de um Estado independente. Fig. Soldado em missão de paz – Timor Leste Inserção de Portugal em diferentes espaços
  • 30. FIM