SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Atividade piscatória
OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE:
USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES.
A atividade piscatória
Fig. Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa
 A Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa é uma das
maiores da Europa e do mundo, com cerca de 1 600 000 km².
 Apesar da sua dimensão, a atividade piscatória do nosso país
representa apenas 0,3% do PIB e 0,6% do emprego direto.
A atividade piscatória
Fig. Pesca localFig. Pesca de arrastoFig. Pesca do largo
 Considerando as áreas onde é
praticada, a classificação das
embarcações utilizadas e as técnicas
de captura, podem distinguir-se três
tipos de pesca:
•a pesca local – realizada perto da
costa;
• a pesca costeira, efetuada
habitualmente entre as 9 e as 12
milhas marítimas;
• a pesca longínqua ou do largo –
praticada nas principais áreas de
pesca mundiais.
A atividade piscatória
NAFO NEAFC
As principais áreas de pesca:
 A Zona Económica Exclusiva portuguesa apresenta um volume
reduzido de pescado, devido à estreita plataforma continental.
Como tal, Portugal tem a necessidade de desenvolver a sua atividade
piscatória em águas internacionais, das quais se destacam:
• a zona NAFO (Organização das
Pescarias do Noroeste Atlântico);
• a zona NEAFC (Comissão de
Pescarias do Atlântico Nordeste).
A atividade piscatória
Fig. Zona NAFO.
A atividade piscatória
Fig. Zona NEAFC.
A atividade piscatória
 A frota pesqueira portuguesa é pequena, mal equipada e com
fraca produtividade.
A frota de pesca:
Fonte:INE,EstatísticasdaPesca(2012)
Fig. Número de embarcações por classe de arqueação bruta (2011).
 Nos últimos anos tem-se registado uma diminuição do pescado
desembarcado, do número de embarcações e da correspondente
tAB das quotas de pesca fixadas pela UE, além de uma
incapacidade de renovação da frota.
A atividade piscatória
 A quantidade de pescado capturado em Portugal tem vindo a
diminuir desde da nossa adesão à União Europeia, devido,
essencialmente:
- à redução do número de embarcações e da correspondente tAB;
- à redução das quotas de pesca fixadas pela UE;
- à diminuição dos stocks existentes.
A produção de pescado:
Fig. Capturas nominais de pescado fresco ou refrigerado em portos nacionais
(1992-2011)
A atividade piscatória
 No total das espécies capturadas, mais de 80% são em águas
nacionais e a sardinha assume a maior quota-parte.
As espécies capturadas:
Fig. Principais espécies capturadas (2011)
A atividade piscatória
 Portugal é o maior consumidor de peixe per capita (61,6 kg), da
Europa e o 11º em termos de produção de pescado, o que leva a
que o nosso país seja deficitário em produtos da pesca, ou seja
importa quase o dobro do que aquilo que exporta.
O comércio internacional de produtos da pesca:
Fig. Comércio internacional de produtos de pesca ou relacionados com a
esta atividade (2009-2011)
A atividade piscatória
 Nas últimas décadas a população
ativa no setor das pescas tem vindo a
diminuir progressivamente, sendo que
a maior parte tem nível baixo de
qualificação e idade relativamente
avançada.
A mão de obra:
Fig. Número de pescadores em Portugal (1992-2011)
A atividade piscatória
 Os principais portos de
desembarque são aqueles que
concentram infraestruturas que :
•permitem efetuar cargas e
descargas de forma rápida e em
condições de higiene para fazer a
conservação do pescado;
•melhor promovem as atividades
comerciais destinadas ao
escoamento do pescado.
As infraestruturas portuárias:
Fonte:DOCAPESCA,PortoseLotas,
S.A.
Fig. Lota de Matosinhos
A atividade piscatória
Principais portos de pesca portugueses:
 Dos principais portos
destacam-se:
• Matosinhos/ Póvoa de
Varzim;
• Aveiro/ Figueira da Foz;
• Peniche/ Nazaré;
• Sesimbra/ Sines;
• Olhão/ Portimão;
• Açores.
Fig. Principais portos de pesca portugueses
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoIdalina Leite
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoOxana Marian
 
Pesca em portugal
Pesca em portugalPesca em portugal
Pesca em portugalNezinha123
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasAnabelafernandes
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoralTiago Lobao
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Ilda Bicacro
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoIdalina Leite
 
Tipos de pesca
Tipos de pescaTipos de pesca
Tipos de pescaoscardcr
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoDavide Ferreira
 
Geografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresGeografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresOleksandr Kovalchuk
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoRita Pontes
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosIlda Bicacro
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícolaMaria Adelaide
 

Mais procurados (20)

Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Pesca em portugal
Pesca em portugalPesca em portugal
Pesca em portugal
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºano
 
Tipos de pesca
Tipos de pescaTipos de pesca
Tipos de pesca
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Geografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos AçoresGeografia- Região Agrária dos Açores
Geografia- Região Agrária dos Açores
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 

Semelhante a A Atividade Piscatória

Recursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - PescaRecursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - Pescavando
 
Recursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - PescaRecursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - Pescavando
 
A actividade piscatória em portugal
A actividade piscatória em portugalA actividade piscatória em portugal
A actividade piscatória em portugalAlexandra Neto
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasAndre Alves
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsIga Almeida
 
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 Tipos de pesca e aquicultura.ppt Tipos de pesca e aquicultura.ppt
Tipos de pesca e aquicultura.pptticia_23
 
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo Bandrola
 
Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Biblioteia
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Idalina Leite
 
Setor primário em portugal
Setor primário em portugalSetor primário em portugal
Setor primário em portugalDiaana Rocha
 
E book chef fish-deco
E book chef fish-decoE book chef fish-deco
E book chef fish-decoDECOJovem
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correçãoCliaLouro2
 

Semelhante a A Atividade Piscatória (20)

Recursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - PescaRecursos maritimos - Pesca
Recursos maritimos - Pesca
 
pesca.ppt
pesca.pptpesca.ppt
pesca.ppt
 
Recursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - PescaRecursos Marítimos - Pesca
Recursos Marítimos - Pesca
 
A actividade piscatória em portugal
A actividade piscatória em portugalA actividade piscatória em portugal
A actividade piscatória em portugal
 
Recursos Marinhos
Recursos MarinhosRecursos Marinhos
Recursos Marinhos
 
A Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades EconómicasA Pesca! Atividades Económicas
A Pesca! Atividades Económicas
 
A valorização do mar português
A valorização do mar portuguêsA valorização do mar português
A valorização do mar português
 
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 Tipos de pesca e aquicultura.ppt Tipos de pesca e aquicultura.ppt
Tipos de pesca e aquicultura.ppt
 
Postais Máximos do Algarve (Concelho de Olhão)
Postais Máximos do Algarve (Concelho de Olhão)Postais Máximos do Algarve (Concelho de Olhão)
Postais Máximos do Algarve (Concelho de Olhão)
 
Trabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo BTrabalho de Geografia - grupo B
Trabalho de Geografia - grupo B
 
Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3
 
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
Recursos naturais 2 (Sebenta de Geografia A).
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Economia do Mar
Economia do MarEconomia do Mar
Economia do Mar
 
Setor primário em portugal
Setor primário em portugalSetor primário em portugal
Setor primário em portugal
 
Conguefu
ConguefuConguefu
Conguefu
 
E book chef fish-deco
E book chef fish-decoE book chef fish-deco
E book chef fish-deco
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção
 
Pesca
Pesca Pesca
Pesca
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

A Atividade Piscatória

  • 1. Atividade piscatória OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES.
  • 2. A atividade piscatória Fig. Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa  A Zona Económica Exclusiva (ZEE) portuguesa é uma das maiores da Europa e do mundo, com cerca de 1 600 000 km².  Apesar da sua dimensão, a atividade piscatória do nosso país representa apenas 0,3% do PIB e 0,6% do emprego direto.
  • 3. A atividade piscatória Fig. Pesca localFig. Pesca de arrastoFig. Pesca do largo  Considerando as áreas onde é praticada, a classificação das embarcações utilizadas e as técnicas de captura, podem distinguir-se três tipos de pesca: •a pesca local – realizada perto da costa; • a pesca costeira, efetuada habitualmente entre as 9 e as 12 milhas marítimas; • a pesca longínqua ou do largo – praticada nas principais áreas de pesca mundiais.
  • 4. A atividade piscatória NAFO NEAFC As principais áreas de pesca:  A Zona Económica Exclusiva portuguesa apresenta um volume reduzido de pescado, devido à estreita plataforma continental. Como tal, Portugal tem a necessidade de desenvolver a sua atividade piscatória em águas internacionais, das quais se destacam: • a zona NAFO (Organização das Pescarias do Noroeste Atlântico); • a zona NEAFC (Comissão de Pescarias do Atlântico Nordeste).
  • 7. A atividade piscatória  A frota pesqueira portuguesa é pequena, mal equipada e com fraca produtividade. A frota de pesca: Fonte:INE,EstatísticasdaPesca(2012) Fig. Número de embarcações por classe de arqueação bruta (2011).  Nos últimos anos tem-se registado uma diminuição do pescado desembarcado, do número de embarcações e da correspondente tAB das quotas de pesca fixadas pela UE, além de uma incapacidade de renovação da frota.
  • 8. A atividade piscatória  A quantidade de pescado capturado em Portugal tem vindo a diminuir desde da nossa adesão à União Europeia, devido, essencialmente: - à redução do número de embarcações e da correspondente tAB; - à redução das quotas de pesca fixadas pela UE; - à diminuição dos stocks existentes. A produção de pescado: Fig. Capturas nominais de pescado fresco ou refrigerado em portos nacionais (1992-2011)
  • 9. A atividade piscatória  No total das espécies capturadas, mais de 80% são em águas nacionais e a sardinha assume a maior quota-parte. As espécies capturadas: Fig. Principais espécies capturadas (2011)
  • 10. A atividade piscatória  Portugal é o maior consumidor de peixe per capita (61,6 kg), da Europa e o 11º em termos de produção de pescado, o que leva a que o nosso país seja deficitário em produtos da pesca, ou seja importa quase o dobro do que aquilo que exporta. O comércio internacional de produtos da pesca: Fig. Comércio internacional de produtos de pesca ou relacionados com a esta atividade (2009-2011)
  • 11. A atividade piscatória  Nas últimas décadas a população ativa no setor das pescas tem vindo a diminuir progressivamente, sendo que a maior parte tem nível baixo de qualificação e idade relativamente avançada. A mão de obra: Fig. Número de pescadores em Portugal (1992-2011)
  • 12. A atividade piscatória  Os principais portos de desembarque são aqueles que concentram infraestruturas que : •permitem efetuar cargas e descargas de forma rápida e em condições de higiene para fazer a conservação do pescado; •melhor promovem as atividades comerciais destinadas ao escoamento do pescado. As infraestruturas portuárias: Fonte:DOCAPESCA,PortoseLotas, S.A. Fig. Lota de Matosinhos
  • 13. A atividade piscatória Principais portos de pesca portugueses:  Dos principais portos destacam-se: • Matosinhos/ Póvoa de Varzim; • Aveiro/ Figueira da Foz; • Peniche/ Nazaré; • Sesimbra/ Sines; • Olhão/ Portimão; • Açores. Fig. Principais portos de pesca portugueses