15 passos de_implantacao

813 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
813
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

15 passos de_implantacao

  1. 1. IMPLANTANDO UMA GESTÃO EMPRESARIAL MODERNA Eng. Willy C. Branco Romano Engenheiro civil
  2. 2. “ As empresas precisam ter o lucro como objetivo, do contrário, elas morrem. Mas, se uma empresa é orientada apenas para o lucro, também morrerá, porque não terá mais nenhum motivo para existir”. “ Anita Roddick”
  3. 3. “ Antes de buscar A Vitória , aprenda como evitar A Derrota .” Willy C. Branco
  4. 4. 1. DESDENHAR O CÁLCULO DA FORÇA INIMIGA (CONSTRUIR SEM VISÃO DE MERCADO) 2. AUSÊNCIA DE AUTORIDADE (PESSOAS SEM LIDERANÇA COMANDANDO A EMPRESA E AS OBRAS) 3. TREINAMENTO INEFICAZ (FALTA DE ORIENTAÇÃO E INFORMAÇÃO) 4. CÓLERA INJUSTIFICÁVEL (RECLAMAÇÕES E PUNIÇÕES INJUSTAS) 5. DESRESPEITO À DISCIPLINA (FALTA DE COMPROMETIMENTO COM A EMPRESA) 6. INCAPACIDADE DE UTILIZAÇÃO DOS HOMENS ESCOLHIDOS (ERRO AO SE DELEGAR AS FUNÇÕES) Para se atrair a derrota, há seis condições básicas: FONTE: SUN TZU LIVRO: A ARTE DA GERRA
  5. 5. 1. SE AS TROPAS FOGEM AFLITAS, SÃO INSUBORDINADAS, CAEM NA DESORDEM OU DEBANDAM, HOUVE FALHA DO GENERAL. ESTES DESASTRES NÃO PODEM SER ATRIBUÍDOS A CAUSAS NATURAIS. (SE AS COISAS DÃO ERRADAS, NÃO DIGA QUE OBRA É ASSIM MESMO) 2. O EXÉRCITO É INSUBORDINADO QUANDO AS TROPAS SÃO FORTES E OS OFICIAIS FRACOS. (A DISCIPLINA DOS COMANDADOS DEPENDE DA AUTORIDADE DO COMANDANTE) Não culpe a tropa se você é um general fraco. FONTE: SUN TZU LIVRO: A ARTE DA GERRA
  6. 6. FONTE: MICHAEL PORTER LIVRO: ESTRATÉGICA COMPETITIVA PODER DE BARGANHA DOS FORNECEDORES RIVALIDADE ENTRE OS CONCORRENTES AMEAÇA DE PRODUTOS SUBSTITUTOS AMEAÇA DE ENTRADA DE NOVOS COMPETIDORES PODER DE BARGANHA DOS CLIENTES As Cinco Forças Competitivas
  7. 7. FONTE: MICHAEL PORTER LIVRO: ESTRATÉGICA COMPETITIVA As Cinco Forças Competitivas “ As cinco forças competitivas – entrada, ameaça de substituição, poder de negociação dos compradores, poder de negociação dos fornecedores e rivalidade entre os atuais concorrentes – refletem o fato de que a concorrência em uma industria não está limitada aos participantes estabelecidos.”
  8. 8. PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA FONTE: WINSLOW TAYLOR
  9. 9. FONTE: WINSLOW TAYLOR COMENTÁRIO:WILLY C. BRANCO <ul><li>NÃO EXISTIA INTERAÇÃO ENTRE OS DEPARTAMENTOS DA EMPRESA </li></ul><ul><li>(OS OPERÁRIOS DEVEM TER LIVRE ACESSO A SALA DE ENGENHARIA, POLÍTICA DAS PORTAS ABERTAS) </li></ul><ul><li>OS GERENTES PARECIAM IGNORAR QUE A EXCELÊNCIA NO DESEMPENHO SIGNIFICARIA RECOMPENSAS TANTO PARA ELES PRÓPRIOS QUANTO PARA A MÃO-DE-OBRA. </li></ul><ul><li>(OS ADMINISTRADORES NÃO ENTENDEM QUE UMA ALTA PRODUÇÃO É VANTAGEM PARA TODOS “GANHA X GANHA”) </li></ul><ul><li>HAVIA CONFLITO ENTRE CAPATAZES E OPERÁRIOS A RESPEITO DA QUANTIDADE DA PRODUÇÃO. </li></ul><ul><li>(POUCAS CONSTRUTORAS TEM CONHECIMENTO DOS SEUS ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE) </li></ul><ul><li>A ADMINISTRAÇÃO NÃO TINHA NOÇÃO CLARA DA DIVISÃO DE SUAS RESPONSABILIDADES COM O TRABALHADOR. </li></ul><ul><li>(A ADMINISTRAÇÃO DA OBRA DEVE GERAR CONDIÇÕES PARA A AUTO-REALIZAÇÃO DOS OPERÁRIOS) </li></ul>Principais Problemas nas Operações Fabris Listados Por Taylor:
  10. 10. <ul><li>NÃO HAVIA INCENTIVO PARA MELHORAR O DESEMPENHO DO TRABALHADOR. </li></ul><ul><li>(POR FALTA DE CONHECIMENTO DOS ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE, MUITOS ACORDOS FEITOS ENTRE GERENTES DE OBRA E OPERÁRIOS NÃO SÃO CUMPRIDOS) </li></ul><ul><li>MUITOS TRABALHADORES NÃO CUMPRIAM SUAS RESPONSABILIDADES. </li></ul><ul><li>(A FALTA DE COMPROMETIMENTO DOS OPERÁRIOS É CULPA DA ADMINISTRAÇÃO QUE NÃO GEROU UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO OU NÃO SOUBE SELECIONAR OS OPERÁRIOS) </li></ul><ul><li>AS DECISÕES DOS ADMINISTRADORES ERAM SUBJETIVAS, BASEADAS NA INTUIÇÃO E NO PALPITE. </li></ul><ul><li>(ATÉ HOJE NO BRASIL SÓ QUEM GANHOU DINHEIRO COM FEELING FOI O MORIS ALBERT) </li></ul>FONTE: WINSLOW TAYLOR COMENTÁRIO:WILLY C. BRANCO Principais Problemas nas Operações Fabris Listados Por Taylor:
  11. 11. <ul><li>A CONSTRUÇÃO É UMA INDÚSTRIA DE CARÁTER NÔMADE, COM PRODUTOS ÚNICOS E NÃO SERIADOS. A PRODUÇÃO É CENTRALIZADA (OPERÁRIOS MÓVEIS EM TORNO DE UM PRODUTO FIXO), AO INVÉS DA PRODUÇÃO EM CADEIA (PRODUTOS PASSANDO POR OPERÁRIOS FIXOS), COMO EM OUTRAS INDÚSTRIAS; </li></ul><ul><li>É UMA INDÚSTRIA MUITO TRADICIONAL, COM GRANDE INÉRCIA ÀS ALTERAÇÕES; </li></ul><ul><li>UTILIZA MÃO-DE-OBRA INTENSIVA E POUCO QUALIFICADA, TENDO O EMPREGO DESSAS PESSOAS CARÁTER EVENTUAL E SUAS POSSIBILIDADES DE PROMOÇÃO SÃO ESCASSAS, O QUE GERA BAIXA MOTIVAÇÃO; </li></ul><ul><li>A CONSTRUÇÃO, DE MANEIRA GERAL, REALIZA SEU TRABALHO A CÉU ABERTO; </li></ul>Características da construção civil: FONTE: MESSEGUER
  12. 12. <ul><li>O PRODUTO É ÚNICO, OU QUASE ÚNICO, NA VIDA DO CLIENTE FINAL; </li></ul><ul><li>SÃO EMPREGADAS ESPECIFICAÇÕES COMPLEXAS E MUITAS VEZES CONFUSAS; </li></ul><ul><li>AS RESPONSABILIDADES SÃO DISPERSAS E POUCO DEFINIDAS DENTRO DA EMPRESA; </li></ul><ul><li>O GRAU DE PRECISÃO COM QUE SE TRABALHA NA CONSTRUÇÃO É, EM GERAL, MENORDO QUE EM OUTRAS INDÚSTRIAS, COMO, POR EXEMPLO, PARÂMETROS RELATIVOS A ORÇAMENTO, PRAZO E CONFORMIDADE. </li></ul>Características da construção civil: FONTE: MESSEGUER
  13. 13. 1. COMO OS CLIENTES NOS VÊEM? (PERSPECTIVA DO CLIENTE) 2. EM QUE DEVEMOS SER EXCELENTES? (PERSPECTIVA INTERNA) 3. SEREMOS CAPAZES DE CONTINUAR MELHORANDO? (PERSPECTIVA DE INOVAÇÃO E APRENDIZADO) 4. COMO PARECEMOS PARA OS ACIONISTAS? (PERSPECTIVA FINANCEIRA) FONTE: KAPLAN E NORTON LIVRO: KAPLAN E NORTON NA PRÁTICA Os Gerentes Devem Visualizar o Desempenho da Empresa sob Quatro Perspectivas
  14. 14. COMO ALCANÇAR O LUCRO NA CONSTRUÇÃO CIVIL?
  15. 15. Boa idéia Alta produtividade Lucro Baixo desperdício FONTE: WILLY C. BRANCO Princípio do Empreendimento Lucrativo
  16. 16. “ A Verdadeira Melhoria na Eficiência Surge Quando Produzimos Zero Desperdício e Levamos a Porcentagem de Trabalho para 100% .“ FONTE: TAIICHI OHNO O Papel Do Engenheiro Na Construção Civil: CAPACIDADE ATUAL = TRABALHO + DESPERDÍCIO ALTA PRODUTIVIDADE BAIXO DESPERDÍCIO
  17. 17. Conscientização Treinamento Baixo desperdício Equipamentos Princípio do Mínimo Desperdício FONTE: WILLY C. BRANCO
  18. 18. “ Um dos princípios básicos da psicologia é o de que a vida daquele que a tudo deseja controlar, com toda certeza acabará por sair de controle. Se o controle se tornar um dos mais importantes instrumentos de uma empresa, a criatividade e a fantasia serão reprimidas, a vontade e a alegria de trabalhar se acabarão e mais cedo ou mais tarde a empresa estará em uma situação desfavorável.” FONTE: ANSELM GRÜN Conscientização
  19. 19. Reuniões onde Todos Tem o Direito de Falar Conscientização
  20. 20. Leitura de Livros Treinamento
  21. 21. Porta Pallets e Escantilhões Equipamentos
  22. 22. Rádios e Gabaritos Para Argamassa Equipamentos
  23. 23. Autonomação Motivação Alta produtividade Informação Princípio da Máxima Produtividade FONTE: WILLY C. BRANCO
  24. 24. <ul><li>Fornecer ás máquinas e aos operadores a habilidade de detectar quando uma condição anormal ocorreu e interromper imediatamente o trabalho. </li></ul>Autonomação (Jidoka) FONTE: TAIICHI OHNO
  25. 25. <ul><li>&quot;A autonomação nas obras da construção civil depende da transferência das responsabilidades para os subordinados, criando assim maior entendimento do processo como um todo e diminuindo o número de intermediários no fluxo de valor.&quot; </li></ul><ul><li>Willy C. Branco </li></ul>Autonomação
  26. 26. ANDON Autonomação
  27. 27. <ul><li>&quot;Um indivíduo sem informações não pode assumir responsabilidades; um indivíduo que recebeu informações não pode deixar de assumir responsabilidades.&quot; </li></ul>FONTE: JAN CARLZON LIVRO: A HORA DA VERDADE Informação
  28. 28. AUTO-REALIZAÇÃO FISIOLÓGICA SEGURANÇA SOCIAL ESTIMA Hierarquia das Necessidades de Maslow Motivação
  29. 29. Princípio da Boa Idéia Percepção Visão Boa idéia Inovação 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA) FONTE: WILLY C. BRANCO
  30. 30. Ter uma boa idéia (definir a visão de valor do cliente) 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA) FONTE: WILLY C. BRANCO
  31. 31. O que é valor para o cliente? 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA) FONTE: WILLY C. BRANCO
  32. 32. O ponto de partida é definir o que é Valor . Diferente do que muitos pensam, não é a empresa e sim o cliente que define o que é valor. FONTE: WOMACK E JONES LIVRO: MENTALIDADE ENXUTA 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA)
  33. 33. A inovação de valor ocorre apenas quando as empresas alinham inovação com utilidade, com preço e com ganhos de custo. FONTE: CHAN KIM, RENÉE MAUBORGNE LIVRO: A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA)
  34. 34. <ul><li>&quot;A percepção de valor do mercado está de acordo com os benefícios de ter o produto&quot;. </li></ul><ul><li>&quot;Um produto que resolve os problemas dos clientes potenciais traz benefícios; quanto mais numerosos e maiores forem os problemas resolvidos, maiores serão os benefícios“. </li></ul>FONTE : ELIYAHU GOLDRATT LIVRO : NÃO É SORTE 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA)
  35. 35. &quot;A empresa toma medidas que aumentam suficientemente a percepção de valor que o mercado tem sobre seus produtos&quot;. &quot;A percepção de valor que o mercado tem sobre os produtos da empresa é maior que a percepção que ele tem sobre os produtos dos concorrentes&quot;. &quot;A percepção de valor que o mercado tem sobre os produtos da empresa é maior que os preços atuais&quot;. &quot;A empresa aumenta sua fatia de mercado&quot;. &quot;O mercado não está em conflito com os preços praticados pela empresa&quot;. &quot;A empresa pode praticar preços maiores que os concorrentes&quot;. LUCRO FONTE: ELIYAHU GOLDRATT 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA)
  36. 36. <ul><li>NÃO ESQUEÇA: </li></ul><ul><li>“ O preço é o julgamento de valor de qualquer produto ou serviço.” </li></ul>FONTE : LEONARDO VILS 1º PASSO: (TER UMA BOA IDÉIA)
  37. 37. <ul><li>FOCO NAS TAREFAS </li></ul><ul><li>FOCO NAS PESSOAS </li></ul>OS OUTROS 14 PASSOS DIVIDEM-SE EM: FONTE: WILLY C. BRANCO
  38. 38. 40% NAS TAREFAS 10% NAS PESSOAS 50% CEGUEIRA COMO É O FOCO DA COSTRUÇÃO CIVIL: FONTE: WILLY C. BRANCO
  39. 39. 25% NAS TAREFAS 75% NAS PESSOAS COMO DEVERIA SER O FOCO DA CONSTRUÇÃO CIVIL: FONTE: WILLY C. BRANCO
  40. 40. <ul><li>2º PASSO – ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS </li></ul><ul><li>3º PASSO – CONHECENDO OS ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE DO MERCADO (PESQUISA EXTERNA) </li></ul><ul><li>4º PASSO – CONHECENDO OS SEUS ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE (PESQUISA INTERNA) </li></ul><ul><li>5º PASSO – MONTANDO AS CÉLULAS DE PRODUÇÃO </li></ul><ul><li>6º PASSO – MONTANDO A LINHA DE BALANÇO </li></ul><ul><li>7º PASSO – REMUNERANDO A MÃO DE OBRA </li></ul>FOCO NAS TAREFAS FONTE: WILLY C. BRANCO
  41. 41. <ul><li>8º PASSO – AVALIAR AS PESSOAS </li></ul><ul><li>9º PASSO – SELECIONAR AS PESSOAS </li></ul><ul><li>10º PASSO – DEFINIR AS EQUIPES </li></ul><ul><li>11º PASSO – EQUIPAR AS EQUIPES </li></ul><ul><li>12º PASSO – INFORMAR AS EQUIPES </li></ul><ul><li>13º PASSO – TREINAR AS EQUIPES </li></ul><ul><li>14º PASSO – GARANTIR A QUALIDADE </li></ul><ul><li>15º PASSO – CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO </li></ul>FOCO NAS PESSOAS FONTE: WILLY C. BRANCO
  42. 42. Definindo o Layout Do Canteiro 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  43. 43. Definindo o Layout Do Canteiro 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  44. 44. IMPLANTANDO O 5S 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  45. 45. IMPLANTANDO O 5S 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  46. 46. IMPLANTANDO O 5S 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  47. 47. IMPLANTANDO O 5S 2º PASSO: (ORGANIZANDO O CANTEIRO DE OBRAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  48. 48. 3º PASSO: (CONHECENDO OS ÍNDICES DO MERCADO) FONTE: WILLY C. BRANCO
  49. 49. 4º PASSO: (CONHECENDO OS SEUS ÍNDICES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  50. 50. 5º PASSO: (MONTANDO AS CÉLULAS DE PRODUÇÃO) FONTE: WILLY C. BRANCO
  51. 51. “ Sem fazer planos, mergulharemos no precipício. Enfrentaremos os perigos e entrando em lugares perigosos, viveremos a calamidade de sermos pegos ou inundados.” 6º PASSO: (MONTANDO A LINHA DE BALANÇO) FONTE: SUN TZU LIVRO: A ARTE DA GUERRA
  52. 52. 6º PASSO: (MONTANDO A LINHA DE BALANÇO) FONTE: WILLY C. BRANCO
  53. 53. 6º PASSO: (MONTANDO A LINHA DE BALANÇO) FONTE: WILLY C. BRANCO
  54. 54. Kanban de Medição Enxuta 7º PASSO: (REMUNERANDO A MÃO DE OBRA) FONTE: WILLY C. BRANCO
  55. 55. “ Nessa construtora sei quanto vou ganhar no fim do mês, com isso sei o que posso gastar. Vocês aqui me dão segurança, acordo pensando em produzir. Hoje eu sou feliz.” FONTE: PEDREIRO E “CANTOR” ZÉ RODRIGUES 7º PASSO: (REMUNERANDO A MÃO DE OBRA)
  56. 56. Pergunta 1: QUAL A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE PESSOAS? 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS)
  57. 57. Pergunta 2: O QUE PODEMOS APRENDER SOBRE A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE PESSOAS OBSERVANDO AS GALINHAS? 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS)
  58. 58. Em 1935 W. F. Dove estudou um grupo de galinhas, e constatou que algumas galinhas do grupo eram superiores as outras. As galinhas superiores de Dove eram superiores em tudo. Ou seja, elas tinham o melhor em tudo; eram superiores na hierarquia de dominação; eram maiores, mais fortes, mais saudáveis, escolhiam os melhores alimentos etc. FONTE: MASLOW NO GERENCIAMENTO 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS)
  59. 59. Mas o ponto mais importante é que quando Dove analisou sua dieta alimentar, na situação de self-service, essa dieta era, do ponto de vista humano, melhor do que a das galinhas consideradas inferiores. Dove então passou a alimentar as galinhas inferiores com a mesma dieta das galinhas superiores. 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS) FONTE: MASLOW NO GERENCIAMENTO
  60. 60. Pergunta 3: O QUE ACONTECEU? 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS)
  61. 61. Resposta: O resultado foi que as galinhas inferiores melhoraram, ficaram maiores, mais dominantes, mais saudáveis, etc., Mas nunca alcançaram o mesmo grau de superioridade das galinhas superiores. Ou seja, alcançaram cerca de 50%. Elas ganharam peso e ficaram mais fortes, mas nunca tão fortes quanto as galinhas que eram superiores por sua constituição natural e hereditária. 8º E 9º PASSOS (AVALIAR E SELECIONAR PESSOAS) FONTE: MASLOW NO GERENCIAMENTO
  62. 62. “ Nós devemos entender que todo funcionário contribui para o sucesso da empresa; por este motivo devemos evitar que alguém tenha de executar um trabalho que não seja condizente com a sua capacidade ou que o impeça de contribuir para o sucesso da empresa... O trabalho deve enriquecer a todos os funcionários e ser divertido para todos.” FONTE : ANSELM GRÜN 8º PASSO: (AVALIAR AS PESSOAS)
  63. 63. 8º PASSO: (AVALIAR AS PESSOAS) FONTE: WILLY C. BRANCO
  64. 64. “ Não se pode encarregar pessoas de algo que não sabem fazer. O correto é selecioná-las e dar-lhes responsabilidades, conforme suas aptidões.” 9º PASSO: (SELECIONAR AS PESSOAS) FONTE: SUN TZU LIVRO: A ARTE DA GERRA
  65. 65. 10 m²/dia=desperdício Pode esperar, você vai quebrar 20 m²/dia=média do mercado Com boas idéias , você sobrevive 30 m²/dia=bom índice Você terá bons lucros 40 m²/dia=$$$$ Com boas idéias, você fica rico Contrata o pedreiro Acerta o preço (pelo mercado) Motiva, informa e protege a produção Avaliação, seleção e treinamento Escada da Produtividade (Alvenaria) FONTE: WILLY C. BRANCO
  66. 66. “ Será vitorioso aquele que tem as tropas unidas por um propósito, quando a tropa consegue manter-se unida: o bravo não poderá avançar sozinho, nem o covarde poderá desistir. Esta é a arte de comandar um exército.” 10º PASSO: (DEFINIR AS EQUIPES) FONTE: SUN TZU LIVRO: A ARTE DA GERRA
  67. 67. EQUIPE RECORDISTA DA AVENARIA: 35,00M²/DIA HOMEM 10º PASSO: (DEFINIR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  68. 68. ANDAIMES METÁLICOS E ESCANTILHÕES 11º PASSO: (EQUIPAR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  69. 69. RÁDIOS E NÍVEL LAIZER 11º PASSO: (EQUIPAR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  70. 70. 12º PASSO: (INFORMAR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  71. 71. 12º PASSO: (INFORMAR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  72. 72. LINHA DE BALANÇO FORA DA SALA DE ENGENHARIA 12º PASSO: (INFORMAR AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  73. 73. PALESTRAS E CURSOS 13º PASSO: (TREINANDO AS EQUIPES) FONTE: WILLY C. BRANCO
  74. 74. ACOMPANHAMENTO DAS TAREFAS DURANTE E APÓS A EXECUÇÃO 14º PASSO: (GARANTIR E CHECAR A QUALIDADE) FONTE: WILLY C. BRANCO
  75. 75. AUTO-REALIZAÇÃO FISIOLÓGICA SEGURANÇA SOCIAL ESTIMA HIERARQUIA DAS NECESSIDADES DE MASLOW 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  76. 76. FISIOLÓGICA: COMIDA DE QUALIDADE 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  77. 77. FISIOLÓGICA: LOCAL PARA REPOUSO 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  78. 78. SEGURANÇA: DISPONIBILIDADE DE EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  79. 79. SEGURANÇA: REMUNERAÇÃO BEM DEFINIDA 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  80. 80. SOCIAL: TORNEIO INTERNO DE FUTEBOL 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  81. 81. SOCIAL: ANIVERSARIANTE DO MÊS 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  82. 82. ESTIMA: FUNCIONÁRIO DO MÊS 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  83. 83. ESTIMA: CERTIFICADO LEAN 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  84. 84. AUTO-REALIZAÇÃO: EQUIPE RECORDISTA 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  85. 85. AUTO-REALIZAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NAS DECISÕES 15º PASSO: (CRIAR UM AMBIENTE DE AUTO-REALIZAÇÃO)
  86. 86. “ MUDAR É ESTAR EM DESEQUILÍBRIO MOMENTANEAMENTE. É SAIR DO QUE É POSSÍVEL E PROCURAR O TERRENO DO QUE É O MELHOR.” FONTE: MÁRIO CORTELLA
  87. 87. (leans) Ronaldo Pena: (91) 88141569 (91) 40081500 (pallets e giricas) Baiano: (91) 91671930 (andon) Adão: (85) 88261858 [email_address] (placas) Sidney: (91) 96275268 (tijolos) Barbosa: (91) 99817676 (91) 34461338 Contatos:
  88. 88. Obrigado. Contato: [email_address] (91)81567638

×