Alterações cadavéricas- Patologia Geral

1.178 visualizações

Publicada em

Alterações cadavéricas em Medicina Veterinária

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alterações cadavéricas- Patologia Geral

  1. 1. Alterações cadavéricas Geórgia Modé Magalhães Mestre em Patologia Animal
  2. 2. Alterações pós mortem  Degradação dos tecidos pela ação de enzimas lisossomais proteolíticas das células  AUTÓLISE!!! É a autodigestão ou dissolução de tecidos causada por enzimas que estão presentes, ou são liberadas, no citoplasma celular após a morte da mesma. Esta ocorre devido a anoxia total e difusa.  Ocorre logo após a morte do animal  desidratação
  3. 3. Diversas influências  Presença de bactérias  Temperatura  Tempo de morte (Presença de larvas de moscas, 10 a 24 hrs após a ovipostura)  Causa da morte  Local de morte
  4. 4. Algor Mortis  (frio da morte) - é o resfriamento gradual do cadáver em decorrência da parada das funções vitais (termorregulação), da cessação do metabolismo e perda progressiva das fontes energéticas (fonte de calor corpóreo) e da evaporação atuando nas superfícies corporais (dissipação)  Diminui 1 grau por hora
  5. 5. LIVOR MORTIS  (lividez cadavérica, hipostase cadavérica ou manchas cadavéricas) - A presença de manchas cadavéricas ocorre em consequência da hipostase, na qual ocorre uma sedimentação do sangue e dos líquidos tissulares nos locais mais inclinados do corpo, no início estas manchas podem se desfazerem mediante a presão digital.
  6. 6. COÁGULOS CADAVÉRICOS  a) cruóricos  b) lardáceo  c) mistos
  7. 7. Rigor Mortis  (rigidez cadavérica) é a condição em que os músculos mostram-se duros e contraídos, não sendo possível a movimentação passiva das articulações. Se apresenta 6 a 12 horas depois da morte.  Quanto maior o teor de glicogênio mais tempo levará para a rigidez se instalar
  8. 8.  CRONOLOGIA DOS PROCESSOS POS-MORTEM  ----------------------------------------------------------------  TEMPO APROXIMADO ALTERAÇÕES CADAVÉRICAS  PÓS-MORTEM  ----------------------------------------------------------------  1 HORA desidratação, alterações oculares (olhos abertos) e hipostase  -----------------------------------------------------------------  2 A 4 HORAS rigidez dos masseteres  diminuição da temperatura retal  -----------------------------------------------------------------  4 A 10 HORAS livor mortis (manchas)  rigidez cadavérica  ----------------------------------------------------------------  12 A 15 HORAS desaparecimento da rigidez  -----------------------------------------------------------------  24 A 48 HORAS opacidade das córneas  putrefação cadavérica  presença de larvas de moscas  -----------------------------------------------------------------  2 A VÁRIOS ANOS fase liquefativa  -----------------------------------------------------------------  2 A 5 ANOS fase de esquelitização  ----------------------------------------------------------------  MAIS DE 5 ANOS desaparecimento da medula óssea, cartilagem e ligamentos.
  9. 9. Gastrointestinal e hepático  Distensão gasosa  Despregamento de mucosa  Embebição biliar  Fígado com consistência mais amolecida  Presença de gás no fígado  Relaxamento dos esfincters
  10. 10. Pâncreas  Um dos primeiros a autolisar  Mais avermelhado Rins  Avermelhado  Enegrecido (pseudomelanose)  Perda da demarcação córtex medula  gases
  11. 11. Baço e linfonodos  Avermelhado e amolecidos Pulmão  Avermelhado  Enegrecido  Amolecido  Gás
  12. 12. Coração  Amolecido e avermelhado Cérebro  Vacuolizações  Amolecimento e liquefação

×