SlideShare uma empresa Scribd logo

Evolução biológica resumos 1

evolução biológica resumos

1 de 6
Baixar para ler offline
EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
O primeiro ancestral comum a todas as formas de vida na Terra seria: unicelular, procarionte,
anaeróbio, heterotrófico e encontrar-se-ia no meio aquático.
As células procarióticas são estruturalmente simples, mas possuem uma grande diversidade
metabólica. Os dados fornecidos pelos fósseise a simplicidade estrutural e funcional destas
células constituem os dois principais argumentos que sustentam a hipótese dos seres
procariontes terem estado na origem da biodiversidade da Terra. As células eucarióticas
apresentam uma constituição bem mais complexa e surgiram milhões de anos após as
anteriores.
Caraterísticas Procarióticas Eucarióticas
Tamanho 5 micrómetros em média 40 micrómetros de diâmetro
Parede celular Rígida
Rígida (nas plantas, alguns
protistas e maioria dos
fungos)
Material genético
Sem invólucro nuclear. O
DNA encontra-se dispersono
citoplasma,naformade uma
simples molécula circular
não associada a proteínas.
Contido no núcleo. Várias
moléculas de DNA
associadas a proteínas
Organelos
Não possui organelos.
Ribossomas de dimensões
inferiores aos eucariontes
Diversos organelos
Fotossíntese Os pigmentos localizam-se
nas membranas celulares
Apresentam cloroplastos.
Há várias hipóteses para explicar a origem dos eucariontes. Das hipóteses autogenética e
endossimbiótica e uma terceira posição que procura conciliar os pontos fortes das duas
hipóteses.
Modelo autogenético - admite que a célula eucariótica terá surgido a partir de organismos
procariontes por invaginações sucessivas de zonas da membrana plasmática, seguidas de
especialização. Hipótese pouco apoiada, não esclarecendo a causa dos fenómenos que
descreve.
Endossimbiose –admite que acélulaeucarióticateriaresultadodaincorporaçãode organismos
procarióticos por parte de outros seres procariontes primitivos, ou seja, a associação entre
organismosdiferentesemqueumdele(endossimbionte)vivenointeriordooutro,beneficiando
ambos da associação.
A partirde estudosefetuadoscomomicroscópioeletrónicofoipossível maistarde fundamentar
esta teoria:
Uma célula procariótica grande terá capturado outras células procarióticas (células-
hóspedes) que permaneceramnointeriordacélulahospedeira, resistindo à digestão;
As células hospedeiras e capturadas estabelecem relações de simbiose;
A cooperação foi tão íntima e eficaz entre os diferenteselementosque se tornaram
dependentesunsdosoutrose passarama constituirorganismosestáveis e singulares;
As células hóspedes constituem assim alguns organelos da célula eucariótica. (os
cloroplastosoriginaram-se apartirdacaptura de cianobactérias,umavezque possuem
pigmentos fotossintéticos e as mitocôndrias terão resultado da incorporação de
bactérias com eficiente capacidade respiratória);
O flagelo e os cílios poderão também ter surgido de seres procariontes alongados que
se terão fixado na membrana de uma célula hospedeira, favorecendo a procura de
alimento;
Os primeiros seres eucariontes seriam, como os procariontes, unicelulares. A hipótese
endossimbiótica é atualmente muito aceite pois:
Mitocôndrias e cloroplastos assemelham-se a bactérias, quer na forma, quer no
tamanho, quer na composição membranar;
Cloroplastos e mitocôndrias tem o seu próprio genoma e produzem as suas próprias
membranasinternas.Dividem-se independentemente dacélulae contêmmoléculasde
DNA circulares tal como as dos procariontes atuais;
Os ribossomas dos cloroplastos e mitocôndrias são muito mais semelhantes em
tamanho e em características bioquímicas aos dos procariontes do que aos dos
eucariontes;
É possível encontrar, ainda hoje, associações simbióticas entre bactérias e alguns
eucariontes;
A endossimbiose apresenta pontos fracos (levando a ceticismo na comunidade científica)
nomeadamente não explicar a origem do núcleo da célula eucariótica. Por esta razão, alguns
investigadores admitem que o núcleo de células eucarióticas poderia ter surgido por
invaginações da membrana plasmática que envolveram o DNA, conciliando assim os dois
modelos principais. Certas proteínas das mitocôndrias e dos cloroplastos estão codificadas no
núcleo, o que aumenta a dependência mútua.
Origem da multicelularidade
Quando o planeta era povoado por uma biomassa imensa de seres unicelulares, tornaram-se
frequentesoseventosde predaçãoonde osorganismoscommaior tamanhoestavamemclara
vantagem. Os organismos não podem, no entanto, aumentar indefinidamente de tamanho.
Quandouma célulaaumentade tamanho,verifica-se que arazão entre a superfície e o volume
diminui – o volume aumenta a um ritmo maior do que a área de superfície (membrana
plasmática).Assim,cadaunidade de área da membranaplasmáticatemde realizartrocas com
o exterior para um volume muito maior de citoplasma. Quando há um aumento de volume,
aumentatambémo metabolismo,masacélulanão pode contar com um aumentoequivalente
na eficáciadas trocas com o meioexterno,poisquantomaior for a célulamenoré a superfície
da membrana por unidade de volume de citoplasma capaz de realizar as trocas com o meio
externo.
Há duasformaspossíveisde umorganismomaiordoque ummilímetrosobreviver:pode reduzir
o seumetabolismo–diminuiasnecessidadesde trocascomomeioexterno–e pode apresentar
multicelularidade.
Os seres eucariontes unicelulares constituempor vezes, agregados. Quando estasassociações
de eucariontesunicelularesdizemrespeitoaseresdamesmaespécieque estabelecemrelações
estruturais entre si designam-se por agregados coloniais ou colónias.
Volvox é um género de algas que forma colónias. Apesar de ser constituída por várias células
estruturalmente interdependentes pois estão ligadas entre si, sob o ponto de vista funcional
não ocorreu diferenciação, já que as células são todas semelhantes com exceção das células
reprodutoras.A importânciade Volvox é devidoa se admitirque a multicelularidade possater
surgidona Terra por evoluçãode serescoloniaisdotipo considerado.Assim, osserescoloniais
podem ter estado na origem de algas verdes pluricelulares, algumas das quais terão evoluído
mais tarde para plantas. As algas verdes possuem pigmentos fotossintéticos e substâncias de
reserva(amido) e paredescelularesmuitosemelhantesàsdas plantas,o que é um argumento
favorável a esta hipótese. É, pois, provável que em algumas colónias, determinadas células se
tenham especializado no desempenho de funções especificas. A colónia começou então a
comportar-se como um individuo, surgindo a multicelularidade.
A multicelularidade ocorre apenas em seres eucariontes. Carateriza-se por uma associação de
célulasemque há interdependência estrutural e funcionalentre elas.A suaexistênciapermitiu
a ocorrência de mecanismos de regulação que conduziram à diferenciação celular, dando um
grande impulso na evolução dos seres vivos.
A grande diversidade de formas e de funcionalidades possibilitou a adaptação a
diferentes ambientes;
Foi possível asobrevivênciade seresde maioresdimensõessemcomprometerastrocas
com o meio externo, uma vez que surgiram células ou órgãos especializados na
realização dessas trocas;
Aumento da eficácia na utilização de energia;
Maior independência em relação ao meio externo pois os vários sistemas de órgãos
passaram a contribuir para a manutenção do meio interno em condições favoráveis à
vida;
Evolucionismo e fixismo
Durante séculos admitiu-se que as espécies surgiram tal como hoje as conhecemos e se
mantiveram imutáveis ao longo do tempo. Esta visão das espécies, conhecida por fixismo,
prevaleceu e ainda prevalece apoiada por princípiosreligiosos.Esta associação leva ao fixismo
ser muitas vezes confundidocom o criacionismo. Na verdade, uma visão estática das espécies
nãoimplicanecessariamenteque se admitaque elastenhamsurgido de umatoúnicode criação
divina,domesmomodoque umavisãoevolucionista nãopressupõe anegaçãodaexistênciade
uma entidade superior que esteja presente nas leis da natureza.
Apesar da força das ideias fixistas, no século XIX vai transitar-se, num ambiente de grande
controvérsia, para uma visão evolucionista – admite-se que as espécies se alteram de uma
forma lenta e progressiva ao longo do tempo, originando outras espécies.Um dos contributos
mais importantes para esta visão veio da Geologia pois os geólogos estabeleceram uma idade
paraa Terramuitosuperioràadmitidanaépocae poroutroladocomeçaramadescreverformas
fósseis muito diferentes das espécies atuais devido ao estudo dos fósseis.
Lamarckismo
A primeirateoriaexplicativafundamentadaacercadosmecanismosdaevolução dosseresvivos
foi apresentadanoséculoXIXporLamarck. Este não sódefendeuasideiasevolucionistascomo
apresentou uma explicação coerente acerca da origem das espécies.
Os seres vivos apresentam modificaçõesque dependem do ambiente em que esses seres se
desenvolvem. O ambiente condiciona a evolução, levando ao aparecimento de caraterísticas
que permite aos indivíduos adaptarem-se às condições em que vivem. A adaptação, segundo
Lamarck representa a faculdade que os seres vivos possuiriam de desenvolver características
estruturais ou funcionais que lhes permitissem sobreviver e reproduzir-se em determinado
ambiente. Este conceito é explicado pela:
Lei do uso e do desuso – a necessidade de um órgão em determinado ambiente cria
esse órgão e a função modifica-o,ou seja, a função faz o órgão. Se um órgão é muito
utilizado,desenvolve-se,tornando-se maisforteoude maiortamanhoe pleocontrário,
se não se usa, degenera e atrofia.
O lamarckismo possui ainda outro princípio fundamental:
Lei da herança dos carateres adquiridos – as modificações que se produzem nos
indivíduos ao longo da sua vida, como consequência do uso ou do desuso dos órgãos,
são hereditárias, originando mudanças morfológicas no conjunto da população.
De acordo com esta lei, os organismos, pela necessidade de se adaptarem ao ambiente,
adquirem modificações durante sua vida que passam aos descendentes. A adaptação é
progressivae umorganismopode desenvolverqualqueradaptação,desde que sejanecessária.
Este modelofoi muitocontestado porqueforneceumaexplicaçãosobre aevoluçãoquetemum
carater animista– existe umaintençãoe finalidade naevolução,de tal formaque asalterações
surgem como resultado de as espécies procuraremo “melhor.” Por outro lado, a herança dos
carateres adquiridos não se verifica experimentalmente – nos organismos com reprodução
sexuada apenas as alterações do DNA transportadas nos gâmetas são transmitidas aos
descendentes.
Darwinismo
Numaviagemno Beagle,Darwinvai recolherumaboa parte dos dadosque mais tarde usouna
fundamentação da sua teoria. Este foi influenciado por muitos dados e acontecimentos:
Dados da geologia- princípios estabelecidos por Charles Lyell influenciaram Darwin:
As leis naturais são constantes no espaço e no tempo;
Deve explicar-se o passado a partir dos dados do presente;
Na longa história da Terra ocorreram mudanças geológicas lentas e graduais;
Na sua viagem, é provável que tenha admitido que, se a Terra tem milhões de anos e está em
mudanças constantese graduais,entao de um modosemelhante,avida sobre a Terra poderia
ter seguido o mesmo percurso, isto é, teria experimentado ao longos dos anos mudanças
continuas e graduais, inicialmente impercetíveis, mas que com o tempo acabariam por ter
significado.
Dados da Biogeografia– a grande diversidadedosseresvivose oaspetoexóticoque,porvezes,
assumem algumas espécies, bem como a constatação de que a fauna e a flora diferem de
continente para continente e das montanhas para os desertos, constituem elementos
revelantes na formulação da teoria de Darwin.
É de destacar, na sua viagem,as ilhasGalápagosonde estudounomeadamente astartarugas e
as aves tentilhões e as diferenças de características encontradas dentro da própria espécie.
Depoisde analisarosdadosque retirou, concluiuque asilhasforamprovavelmente povoadasa
partir do continente americano e as características particulares de cada ilha condicionaram a
evolução de cada espécie, daí a sua diferenciação.
Seleção artificial, seleção natural e variabilidade
Seleçãoartificial - aorealizaracriaçãode animaisé possível distinguirpequenasdistinçõesentre
exemplares da mesma espécie. Se um tratador quiser replicar uma destas, pode realizar um
cruzamento entre indivíduos com estas características e ao fim de alguns cruzamentos pode
obterindivíduoscomadeterminadacaraterística. Destemodo,aofimde algumasgerações,são
substancialmente diferentes dos seus ancestrais selvagens.
Seleção natural – se se pode obter tanta diversidade por seleção artificial «, de um modo
semelhante o mesmo pode ocorrer na Natureza. Uma seleção consumada pelos fatores
ambientais – seleção natural. Este é o conceito que verdadeiramente caracteriza a teoria de
evolução de Darwin.
A teoria de Darwin, que gerou na época grande controvérsia, pode sistematizar-se em alguns
pontos fundamentais:
Os seres vivos, mesmo os da mesma espécie, apresentam variações entre si;
Em cada geração, uma boa parte dos indivíduos é naturalmente eliminada, porque se
estabelece entre eles uma “luta pela sobrevivência” devido à competição pelo
alimento, abrigo, …
Sobrevivem os indivíduos que estiverem mais bem adaptados, os que possuem as
características que lhesconferemqualquervantagememrelaçãoaosrestantes,que ao
longo do tempo serão eliminados progressivamente. Existe, pois uma seleção natural,
processo que ocorre na Natureza e pleo qual só os indivíduos mais bem dotados
relativamente a determinadas condições do ambiente sobrevivem - “sobrevivência do
mais apto”.
Os indivíduos mais bem adaptadosvivem durante mais tempo e reproduzem-se mais,
transmitindo as suas características à descendência, enquanto os menos adaptados
deixam menos descendência – reprodução diferencial.
A acumulação das pequenas variações determina,a longo prazo, a transformação e o
aparecimento de novas espécies.
Pode então considera-se que o tempo e a reprodução diferencial das formas favorecidas em
relação às menos aptas produzem mudanças nas espécies existentes, conduzindo à formação
de novas espécies.
Confronto entre lamarckismo e darwinismo
Tendo o lamarckismo os princípios fundamentais da lei do uso e desuso e a herança dos
carateres adquiridos, a morfologia atual di pescoço das girafas poderia se explicar:
A girafa, alimentando-se dos rebentos mais baixos, tentaria chegar aos mais altos
quandoessesse escassassem.Cria-se assimanecessidade de aumentarotamanho do
pescoço.O esticar permanente fazaumentaro seutamanho. Em cada gerção poderão
ter surgido indivíduosque tinham o pescoço mais longoe que foram transmitindo aos
seusdescendentesessascaraterísticas,chegandoàformaatual.Estaé uma respostado
ser vivo à ação do meio.
No darwinismo, o princípio de seleção natural permite explicar a morfologia do pescoço:
Independentemente do meio, existem nas populações de girafas variações naturais e
hereditárias.Assim,teriahavidovariaçõeshereditáriasnotamanhodo pescoço.Como
num ambiente em que escasseia o alimento, as girafas cujo pescoço era maior tinham
acesso mais fácil ao alimento, estariam mais bem adaptadas – sobreviviam melhor e
reproduziam-se mais. Deste modo, aumentaria o seu número na população
relativamente aonumerode girafas com o pescoçocurto. A seleçãonatural favoreceu
as girafas com essa determinada caraterística.
Anúncio

Recomendados

Ppt 20 Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 20    Unicelularidade E MulticelularidadePpt 20    Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 20 Unicelularidade E MulticelularidadeNuno Correia
 
Bg 21 evolução biológica (unicelularide e multicelularidade)
Bg 21   evolução biológica (unicelularide e multicelularidade)Bg 21   evolução biológica (unicelularide e multicelularidade)
Bg 21 evolução biológica (unicelularide e multicelularidade)Nuno Correia
 
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivosHugo Martins
 
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoResumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º Ano
Resumos Biologia e Geologia (Biologia) 10º AnoVitor Perfeito
 
10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidademargaridabt
 
Unicelularidade multicelularidade
Unicelularidade multicelularidadeUnicelularidade multicelularidade
Unicelularidade multicelularidade1Anadinisne
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidadeNuno Correia
 
Tema 0 biologia pdf
Tema 0   biologia pdfTema 0   biologia pdf
Tema 0 biologia pdfSilvia Couto
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosferaHugo Martins
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matériaHugo Martins
 
10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidademargaridabt
 
resumo global de biologia 10º ano
resumo global de biologia 10º anoresumo global de biologia 10º ano
resumo global de biologia 10º anoRita Pereira
 
Teoria da Endossimbiose Sequencial.
Teoria da Endossimbiose Sequencial.Teoria da Endossimbiose Sequencial.
Teoria da Endossimbiose Sequencial.Leize Oliveira
 
Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasAna Castro
 
Biologia 11 (origem e evolução colónias)
Biologia 11 (origem e evolução   colónias)Biologia 11 (origem e evolução   colónias)
Biologia 11 (origem e evolução colónias)Nuno Correia
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosAna Castro
 
Diversidade na biosfera
Diversidade na biosferaDiversidade na biosfera
Diversidade na biosferaIsabel Lopes
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCésar Milani
 
Ppt 19 Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 19   Unicelularidade E MulticelularidadePpt 19   Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 19 Unicelularidade E MulticelularidadeNuno Correia
 
Pp unicel e multicelularidade
Pp unicel e multicelularidadePp unicel e multicelularidade
Pp unicel e multicelularidadeRita Paupério
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celularprofatatiana
 
B1 diversidade na biosfera
B1   diversidade na biosferaB1   diversidade na biosfera
B1 diversidade na biosferaNuno Correia
 
Os níveis de organização nos pluricelulares
Os níveis de organização nos pluricelularesOs níveis de organização nos pluricelulares
Os níveis de organização nos pluricelularesGabriel Salles
 
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose SequencialOficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose SequencialGracieli Henicka
 
Bg 20 evolução biológica (endossimbiose)
Bg 20   evolução biológica (endossimbiose)Bg 20   evolução biológica (endossimbiose)
Bg 20 evolução biológica (endossimbiose)Nuno Correia
 

Mais procurados (20)

Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
 
Tema 0 biologia pdf
Tema 0   biologia pdfTema 0   biologia pdf
Tema 0 biologia pdf
 
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera(4) biologia e geologia   10º ano - diversidade na biosfera
(4) biologia e geologia 10º ano - diversidade na biosfera
 
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria(5) biologia e geologia   10º ano - obtenção de matéria
(5) biologia e geologia 10º ano - obtenção de matéria
 
10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidade
 
resumo global de biologia 10º ano
resumo global de biologia 10º anoresumo global de biologia 10º ano
resumo global de biologia 10º ano
 
Teoria da Endossimbiose Sequencial.
Teoria da Endossimbiose Sequencial.Teoria da Endossimbiose Sequencial.
Teoria da Endossimbiose Sequencial.
 
Módulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das célulasMódulo A5 - Evolução das células
Módulo A5 - Evolução das células
 
Biologia 11 (origem e evolução colónias)
Biologia 11 (origem e evolução   colónias)Biologia 11 (origem e evolução   colónias)
Biologia 11 (origem e evolução colónias)
 
Ecossistemas e reinos
Ecossistemas e reinosEcossistemas e reinos
Ecossistemas e reinos
 
Diversidade na biosfera
Diversidade na biosferaDiversidade na biosfera
Diversidade na biosfera
 
Caracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivosCaracteristicas gerais dos seres vivos
Caracteristicas gerais dos seres vivos
 
Ppt 19 Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 19   Unicelularidade E MulticelularidadePpt 19   Unicelularidade E Multicelularidade
Ppt 19 Unicelularidade E Multicelularidade
 
Pp unicel e multicelularidade
Pp unicel e multicelularidadePp unicel e multicelularidade
Pp unicel e multicelularidade
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
B1 diversidade na biosfera
B1   diversidade na biosferaB1   diversidade na biosfera
B1 diversidade na biosfera
 
Citoplasma aulas 27 e 28
Citoplasma   aulas 27 e 28Citoplasma   aulas 27 e 28
Citoplasma aulas 27 e 28
 
Os níveis de organização nos pluricelulares
Os níveis de organização nos pluricelularesOs níveis de organização nos pluricelulares
Os níveis de organização nos pluricelulares
 
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose SequencialOficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
Oficinas sobre Teoria da Complexidade e Teoria da Endossimbiose Sequencial
 
Bg 20 evolução biológica (endossimbiose)
Bg 20   evolução biológica (endossimbiose)Bg 20   evolução biológica (endossimbiose)
Bg 20 evolução biológica (endossimbiose)
 

Semelhante a Evolução biológica resumos 1

(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivosHugo Martins
 
Unicelularidade e multicelularidade
Unicelularidade e multicelularidadeUnicelularidade e multicelularidade
Unicelularidade e multicelularidadeAna Dias
 
10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidademargaridabt
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Albertsemanuel
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosFatima Comiotto
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosFatima Comiotto
 
EvoluçãO BiolóGica
EvoluçãO BiolóGicaEvoluçãO BiolóGica
EvoluçãO BiolóGicaanabernardes
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteAndrea Barreto
 
Teoria da complexidade reorganizado
Teoria da complexidade reorganizadoTeoria da complexidade reorganizado
Teoria da complexidade reorganizadoLeize Oliveira
 
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3   das células aos reinos de seres vivosCapítulo 3   das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivosDaniel de Oliveira
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-stique
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celularPelo Siro
 
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02Minelvina Pessoa
 

Semelhante a Evolução biológica resumos 1 (20)

(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
(4) evolução biológica e sistemas dos seres vivos
 
Unicelularidade e multicelularidade
Unicelularidade e multicelularidadeUnicelularidade e multicelularidade
Unicelularidade e multicelularidade
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
10 unicelularidade e multicelularidade
10  unicelularidade e multicelularidade10  unicelularidade e multicelularidade
10 unicelularidade e multicelularidade
 
Introdução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - AlbertsIntrodução a citologia - Alberts
Introdução a citologia - Alberts
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
EvoluçãO BiolóGica
EvoluçãO BiolóGicaEvoluçãO BiolóGica
EvoluçãO BiolóGica
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Plano de aula semanal 2 nadja
Plano de aula semanal 2 nadjaPlano de aula semanal 2 nadja
Plano de aula semanal 2 nadja
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula Eucarionte
 
Teoria da complexidade reorganizado
Teoria da complexidade reorganizadoTeoria da complexidade reorganizado
Teoria da complexidade reorganizado
 
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3   das células aos reinos de seres vivosCapítulo 3   das células aos reinos de seres vivos
Capítulo 3 das células aos reinos de seres vivos
 
Classificação dos seres vovos
Classificação dos seres vovosClassificação dos seres vovos
Classificação dos seres vovos
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
Terra no Espaco
Terra no EspacoTerra no Espaco
Terra no Espaco
 
Teoria celular-
Teoria celular-Teoria celular-
Teoria celular-
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02
Biologia11 unicelularidadeemulticelularidade-111118051311-phpapp02
 

Último

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfkeiciany
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 9º ANO.pdf
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 

Evolução biológica resumos 1

  • 1. EVOLUÇÃO BIOLÓGICA O primeiro ancestral comum a todas as formas de vida na Terra seria: unicelular, procarionte, anaeróbio, heterotrófico e encontrar-se-ia no meio aquático. As células procarióticas são estruturalmente simples, mas possuem uma grande diversidade metabólica. Os dados fornecidos pelos fósseise a simplicidade estrutural e funcional destas células constituem os dois principais argumentos que sustentam a hipótese dos seres procariontes terem estado na origem da biodiversidade da Terra. As células eucarióticas apresentam uma constituição bem mais complexa e surgiram milhões de anos após as anteriores. Caraterísticas Procarióticas Eucarióticas Tamanho 5 micrómetros em média 40 micrómetros de diâmetro Parede celular Rígida Rígida (nas plantas, alguns protistas e maioria dos fungos) Material genético Sem invólucro nuclear. O DNA encontra-se dispersono citoplasma,naformade uma simples molécula circular não associada a proteínas. Contido no núcleo. Várias moléculas de DNA associadas a proteínas Organelos Não possui organelos. Ribossomas de dimensões inferiores aos eucariontes Diversos organelos Fotossíntese Os pigmentos localizam-se nas membranas celulares Apresentam cloroplastos. Há várias hipóteses para explicar a origem dos eucariontes. Das hipóteses autogenética e endossimbiótica e uma terceira posição que procura conciliar os pontos fortes das duas hipóteses. Modelo autogenético - admite que a célula eucariótica terá surgido a partir de organismos procariontes por invaginações sucessivas de zonas da membrana plasmática, seguidas de especialização. Hipótese pouco apoiada, não esclarecendo a causa dos fenómenos que descreve. Endossimbiose –admite que acélulaeucarióticateriaresultadodaincorporaçãode organismos procarióticos por parte de outros seres procariontes primitivos, ou seja, a associação entre organismosdiferentesemqueumdele(endossimbionte)vivenointeriordooutro,beneficiando ambos da associação. A partirde estudosefetuadoscomomicroscópioeletrónicofoipossível maistarde fundamentar esta teoria: Uma célula procariótica grande terá capturado outras células procarióticas (células- hóspedes) que permaneceramnointeriordacélulahospedeira, resistindo à digestão; As células hospedeiras e capturadas estabelecem relações de simbiose; A cooperação foi tão íntima e eficaz entre os diferenteselementosque se tornaram dependentesunsdosoutrose passarama constituirorganismosestáveis e singulares;
  • 2. As células hóspedes constituem assim alguns organelos da célula eucariótica. (os cloroplastosoriginaram-se apartirdacaptura de cianobactérias,umavezque possuem pigmentos fotossintéticos e as mitocôndrias terão resultado da incorporação de bactérias com eficiente capacidade respiratória); O flagelo e os cílios poderão também ter surgido de seres procariontes alongados que se terão fixado na membrana de uma célula hospedeira, favorecendo a procura de alimento; Os primeiros seres eucariontes seriam, como os procariontes, unicelulares. A hipótese endossimbiótica é atualmente muito aceite pois: Mitocôndrias e cloroplastos assemelham-se a bactérias, quer na forma, quer no tamanho, quer na composição membranar; Cloroplastos e mitocôndrias tem o seu próprio genoma e produzem as suas próprias membranasinternas.Dividem-se independentemente dacélulae contêmmoléculasde DNA circulares tal como as dos procariontes atuais; Os ribossomas dos cloroplastos e mitocôndrias são muito mais semelhantes em tamanho e em características bioquímicas aos dos procariontes do que aos dos eucariontes; É possível encontrar, ainda hoje, associações simbióticas entre bactérias e alguns eucariontes; A endossimbiose apresenta pontos fracos (levando a ceticismo na comunidade científica) nomeadamente não explicar a origem do núcleo da célula eucariótica. Por esta razão, alguns investigadores admitem que o núcleo de células eucarióticas poderia ter surgido por invaginações da membrana plasmática que envolveram o DNA, conciliando assim os dois modelos principais. Certas proteínas das mitocôndrias e dos cloroplastos estão codificadas no núcleo, o que aumenta a dependência mútua. Origem da multicelularidade Quando o planeta era povoado por uma biomassa imensa de seres unicelulares, tornaram-se frequentesoseventosde predaçãoonde osorganismoscommaior tamanhoestavamemclara vantagem. Os organismos não podem, no entanto, aumentar indefinidamente de tamanho. Quandouma célulaaumentade tamanho,verifica-se que arazão entre a superfície e o volume diminui – o volume aumenta a um ritmo maior do que a área de superfície (membrana plasmática).Assim,cadaunidade de área da membranaplasmáticatemde realizartrocas com o exterior para um volume muito maior de citoplasma. Quando há um aumento de volume, aumentatambémo metabolismo,masacélulanão pode contar com um aumentoequivalente na eficáciadas trocas com o meioexterno,poisquantomaior for a célulamenoré a superfície da membrana por unidade de volume de citoplasma capaz de realizar as trocas com o meio externo. Há duasformaspossíveisde umorganismomaiordoque ummilímetrosobreviver:pode reduzir o seumetabolismo–diminuiasnecessidadesde trocascomomeioexterno–e pode apresentar multicelularidade. Os seres eucariontes unicelulares constituempor vezes, agregados. Quando estasassociações de eucariontesunicelularesdizemrespeitoaseresdamesmaespécieque estabelecemrelações estruturais entre si designam-se por agregados coloniais ou colónias.
  • 3. Volvox é um género de algas que forma colónias. Apesar de ser constituída por várias células estruturalmente interdependentes pois estão ligadas entre si, sob o ponto de vista funcional não ocorreu diferenciação, já que as células são todas semelhantes com exceção das células reprodutoras.A importânciade Volvox é devidoa se admitirque a multicelularidade possater surgidona Terra por evoluçãode serescoloniaisdotipo considerado.Assim, osserescoloniais podem ter estado na origem de algas verdes pluricelulares, algumas das quais terão evoluído mais tarde para plantas. As algas verdes possuem pigmentos fotossintéticos e substâncias de reserva(amido) e paredescelularesmuitosemelhantesàsdas plantas,o que é um argumento favorável a esta hipótese. É, pois, provável que em algumas colónias, determinadas células se tenham especializado no desempenho de funções especificas. A colónia começou então a comportar-se como um individuo, surgindo a multicelularidade. A multicelularidade ocorre apenas em seres eucariontes. Carateriza-se por uma associação de célulasemque há interdependência estrutural e funcionalentre elas.A suaexistênciapermitiu a ocorrência de mecanismos de regulação que conduziram à diferenciação celular, dando um grande impulso na evolução dos seres vivos. A grande diversidade de formas e de funcionalidades possibilitou a adaptação a diferentes ambientes; Foi possível asobrevivênciade seresde maioresdimensõessemcomprometerastrocas com o meio externo, uma vez que surgiram células ou órgãos especializados na realização dessas trocas; Aumento da eficácia na utilização de energia; Maior independência em relação ao meio externo pois os vários sistemas de órgãos passaram a contribuir para a manutenção do meio interno em condições favoráveis à vida; Evolucionismo e fixismo Durante séculos admitiu-se que as espécies surgiram tal como hoje as conhecemos e se mantiveram imutáveis ao longo do tempo. Esta visão das espécies, conhecida por fixismo, prevaleceu e ainda prevalece apoiada por princípiosreligiosos.Esta associação leva ao fixismo ser muitas vezes confundidocom o criacionismo. Na verdade, uma visão estática das espécies nãoimplicanecessariamenteque se admitaque elastenhamsurgido de umatoúnicode criação divina,domesmomodoque umavisãoevolucionista nãopressupõe anegaçãodaexistênciade uma entidade superior que esteja presente nas leis da natureza. Apesar da força das ideias fixistas, no século XIX vai transitar-se, num ambiente de grande controvérsia, para uma visão evolucionista – admite-se que as espécies se alteram de uma forma lenta e progressiva ao longo do tempo, originando outras espécies.Um dos contributos mais importantes para esta visão veio da Geologia pois os geólogos estabeleceram uma idade paraa Terramuitosuperioràadmitidanaépocae poroutroladocomeçaramadescreverformas fósseis muito diferentes das espécies atuais devido ao estudo dos fósseis. Lamarckismo A primeirateoriaexplicativafundamentadaacercadosmecanismosdaevolução dosseresvivos foi apresentadanoséculoXIXporLamarck. Este não sódefendeuasideiasevolucionistascomo apresentou uma explicação coerente acerca da origem das espécies.
  • 4. Os seres vivos apresentam modificaçõesque dependem do ambiente em que esses seres se desenvolvem. O ambiente condiciona a evolução, levando ao aparecimento de caraterísticas que permite aos indivíduos adaptarem-se às condições em que vivem. A adaptação, segundo Lamarck representa a faculdade que os seres vivos possuiriam de desenvolver características estruturais ou funcionais que lhes permitissem sobreviver e reproduzir-se em determinado ambiente. Este conceito é explicado pela: Lei do uso e do desuso – a necessidade de um órgão em determinado ambiente cria esse órgão e a função modifica-o,ou seja, a função faz o órgão. Se um órgão é muito utilizado,desenvolve-se,tornando-se maisforteoude maiortamanhoe pleocontrário, se não se usa, degenera e atrofia. O lamarckismo possui ainda outro princípio fundamental: Lei da herança dos carateres adquiridos – as modificações que se produzem nos indivíduos ao longo da sua vida, como consequência do uso ou do desuso dos órgãos, são hereditárias, originando mudanças morfológicas no conjunto da população. De acordo com esta lei, os organismos, pela necessidade de se adaptarem ao ambiente, adquirem modificações durante sua vida que passam aos descendentes. A adaptação é progressivae umorganismopode desenvolverqualqueradaptação,desde que sejanecessária. Este modelofoi muitocontestado porqueforneceumaexplicaçãosobre aevoluçãoquetemum carater animista– existe umaintençãoe finalidade naevolução,de tal formaque asalterações surgem como resultado de as espécies procuraremo “melhor.” Por outro lado, a herança dos carateres adquiridos não se verifica experimentalmente – nos organismos com reprodução sexuada apenas as alterações do DNA transportadas nos gâmetas são transmitidas aos descendentes. Darwinismo Numaviagemno Beagle,Darwinvai recolherumaboa parte dos dadosque mais tarde usouna fundamentação da sua teoria. Este foi influenciado por muitos dados e acontecimentos: Dados da geologia- princípios estabelecidos por Charles Lyell influenciaram Darwin: As leis naturais são constantes no espaço e no tempo; Deve explicar-se o passado a partir dos dados do presente; Na longa história da Terra ocorreram mudanças geológicas lentas e graduais; Na sua viagem, é provável que tenha admitido que, se a Terra tem milhões de anos e está em mudanças constantese graduais,entao de um modosemelhante,avida sobre a Terra poderia ter seguido o mesmo percurso, isto é, teria experimentado ao longos dos anos mudanças continuas e graduais, inicialmente impercetíveis, mas que com o tempo acabariam por ter significado. Dados da Biogeografia– a grande diversidadedosseresvivose oaspetoexóticoque,porvezes, assumem algumas espécies, bem como a constatação de que a fauna e a flora diferem de continente para continente e das montanhas para os desertos, constituem elementos revelantes na formulação da teoria de Darwin. É de destacar, na sua viagem,as ilhasGalápagosonde estudounomeadamente astartarugas e as aves tentilhões e as diferenças de características encontradas dentro da própria espécie.
  • 5. Depoisde analisarosdadosque retirou, concluiuque asilhasforamprovavelmente povoadasa partir do continente americano e as características particulares de cada ilha condicionaram a evolução de cada espécie, daí a sua diferenciação. Seleção artificial, seleção natural e variabilidade Seleçãoartificial - aorealizaracriaçãode animaisé possível distinguirpequenasdistinçõesentre exemplares da mesma espécie. Se um tratador quiser replicar uma destas, pode realizar um cruzamento entre indivíduos com estas características e ao fim de alguns cruzamentos pode obterindivíduoscomadeterminadacaraterística. Destemodo,aofimde algumasgerações,são substancialmente diferentes dos seus ancestrais selvagens. Seleção natural – se se pode obter tanta diversidade por seleção artificial «, de um modo semelhante o mesmo pode ocorrer na Natureza. Uma seleção consumada pelos fatores ambientais – seleção natural. Este é o conceito que verdadeiramente caracteriza a teoria de evolução de Darwin. A teoria de Darwin, que gerou na época grande controvérsia, pode sistematizar-se em alguns pontos fundamentais: Os seres vivos, mesmo os da mesma espécie, apresentam variações entre si; Em cada geração, uma boa parte dos indivíduos é naturalmente eliminada, porque se estabelece entre eles uma “luta pela sobrevivência” devido à competição pelo alimento, abrigo, … Sobrevivem os indivíduos que estiverem mais bem adaptados, os que possuem as características que lhesconferemqualquervantagememrelaçãoaosrestantes,que ao longo do tempo serão eliminados progressivamente. Existe, pois uma seleção natural, processo que ocorre na Natureza e pleo qual só os indivíduos mais bem dotados relativamente a determinadas condições do ambiente sobrevivem - “sobrevivência do mais apto”. Os indivíduos mais bem adaptadosvivem durante mais tempo e reproduzem-se mais, transmitindo as suas características à descendência, enquanto os menos adaptados deixam menos descendência – reprodução diferencial. A acumulação das pequenas variações determina,a longo prazo, a transformação e o aparecimento de novas espécies. Pode então considera-se que o tempo e a reprodução diferencial das formas favorecidas em relação às menos aptas produzem mudanças nas espécies existentes, conduzindo à formação de novas espécies. Confronto entre lamarckismo e darwinismo Tendo o lamarckismo os princípios fundamentais da lei do uso e desuso e a herança dos carateres adquiridos, a morfologia atual di pescoço das girafas poderia se explicar: A girafa, alimentando-se dos rebentos mais baixos, tentaria chegar aos mais altos quandoessesse escassassem.Cria-se assimanecessidade de aumentarotamanho do pescoço.O esticar permanente fazaumentaro seutamanho. Em cada gerção poderão ter surgido indivíduosque tinham o pescoço mais longoe que foram transmitindo aos seusdescendentesessascaraterísticas,chegandoàformaatual.Estaé uma respostado ser vivo à ação do meio.
  • 6. No darwinismo, o princípio de seleção natural permite explicar a morfologia do pescoço: Independentemente do meio, existem nas populações de girafas variações naturais e hereditárias.Assim,teriahavidovariaçõeshereditáriasnotamanhodo pescoço.Como num ambiente em que escasseia o alimento, as girafas cujo pescoço era maior tinham acesso mais fácil ao alimento, estariam mais bem adaptadas – sobreviviam melhor e reproduziam-se mais. Deste modo, aumentaria o seu número na população relativamente aonumerode girafas com o pescoçocurto. A seleçãonatural favoreceu as girafas com essa determinada caraterística.