SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Galeria
16a
daBienaldoLivrodoRiodeJaneiroéabertaquinta-feiranoRiocentro
Completando30anos,oeventohomenageiaaAlemanhaeesperareceber600milpessoas.Atéodia
8desetembro,aBienalterá29autoresestrangeiros,entreelesomoçambicanoMiaCouto(Prêmio
Camões),eoamericanoNicholasSparks,autordebest-sellerscomoDiáriodeumaPaixão
CARLOTACAFIERO
DAREDAÇÃO
Uma história para ser lida
duas vezes. Assim é o romance
policial Se Arrependimento
Matasse. “A primeira leitura é
pelo suspense, o crime; a se-
gunda, para perceber as dicas,
entender e compreender o que
motivou o crime e as atitudes
cometidas pelos personagens
duranteahistória”,dizosantis-
ta Alma Cervantes, de 19 anos,
que estreia na literatura com o
título publicado pelo selo No-
vosTalentosdaLiteraturaBra-
sileira,daeditoraNovoSéculo.
Admiradordarainhadocri-
me, a escritora britânica Aga-
tha Christie, e do roteirista e
ilustradorjaponêsdevisualno-
vels – jogos para game focados
no enredo – Ryukishi 07, e fã
declarado da língua portugue-
sa, o jovem autor demonstra
fôlegoparaaescrita,pois,além
de estrear com uma ficção de
quase250páginas,jásededica
a um novo romance de misté-
rio com toques de terror, e a
umasériedecontospoliciais.
Se Arrependimento Matasse
trazosubtítuloDeveriaserum
Encontro Agradável..., dando
o tom da história que se segue:
após anos sem contato, três
jovens amigos – uma garota e
dois rapazes na faixa dos 20 e
poucos anos – se reencontram
parapassaralguns diasem um
hotel retirado da cidade – e de
propriedade dos pais de um
deles. Mas, na primeira noite
nohotel, a reunião se transfor-
ma em pesadelo quando o cor-
po do cozinheiro é encontrado
degolado. Na impossibilidade
de deixarem o local devido a
uma tempestade, hóspedes e
funcionários passam a ser sus-
peitos e são obrigados a convi-
verporlongashoras.
Com foco voltado às ques-
tões que movem a trama –
quemmatouocozinheiroepor
quê? –, o autor não se preocu-
paemlocalizargeograficamen-
tenemtemporalmenteahistó-
ria, que poderia ocorrer em
qualquer cidade, país ou ano
depois da invenção do carro e
antesdadocelular(motivope-
lo qual nenhuma das vítimas
consegue contato com alguém
de fora do hotel após os fios
telefônicosseremcortados).
“Euqueriaumambienteiso-
lado a contatos de fora, e den-
treosquepensei,acheiqueum
hotel seria o melhor para o
desenvolvimento da história”,
explicaoautor.
Cervantes nunca tinha pen-
sado em se tornar escritor, mas
percebeu ter um interesse mais
profundo pela língua portugue-
sa enquanto fazia traduções de
legenda para desenhos. “Come-
ceipordiversãoecompletamen-
te descompromissado. Pensei
em escreveruma história quan-
dodessevontade,mastomeigos-
tocomotempoedecidiqueque-
rialevarasério”,diz.
ESCRITOÀMÃO
Para ele, o atrativo do gênero
policial são o jogo intelectual e
a lógica que envolve a trama.
“Ainda assim, tentei criar uma
história que pode agradar não
só aos amantes deste gênero,
mas a todos que gostam de
uma história bem construída”,
explica Cervantes, para quem
os maiores desafios da escrita
foram não cometer erros de
lógica,mantendotudocoeren-
te e plausível, e apresentar as
dicas de maneira sutil. “Mas,
claro, escrever envolve inúme-
ras questões de escrita e lógica
que não são bem conhecidas
atévocêcomeçaraescrever”.
Para auxiliá-lo nessa primei-
ra empreitada literária, o autor
contoucomaajuda“moral”dos
pais – “eles me apoiaram e me
deram liberdade para realizar
esse trabalho” – e com as dicas
deumamigo,queacompanhou
a criação da história, fazendo
comentários. “Sobre revisão,
aforaarevisãodaeditora,fuieu
quem fez. Como sempre estu-
dei bastante português e ainda
ofaço,souexigentecomigomes-
mo, apesar de ser difícil não
deixarpassarerros”.
Mesmo sendo novato na lite-
ratura, Cervantes já desenvol-
veu um método bem particular
deescrita:criaduranteamadru-
gada, escrevendo tudo à mão, e
só depois de finalizada a histó-
ria é que a digita no computa-
dor – momento este em que se
dedicaaoscortesnecessários.
“Nocomeço, oritmoera len-
to, pois escrevia de vez em
quando.Comotempo,passeia
escrever todos os dias. Sou a
pessoa mais lenta que conheço
para escrever e, além disso,
nãoconsigofazê-lodiretamen-
te no computador, então faço
tudo primeiro no papel. Ao
menos tenho a vantagem de,
nessapassagem,alterar,corri-
gireadaptar.Eproduzoprati-
camenteduranteanoite,prin-
cipalmentedemadrugada”.
Será que ele já se considera
um escritor? “Claro, se não
for escritor, não sei o que sou.
Pretendoseguircomacarrei-
ra, embora sei que seja difí-
cil”,conclui.
A reação da maioria das pessoas
ao ver aquilo seria desviar o
olhar em aversão à cena.
Havia uma pessoa ali deitada:
era Victor, o cozinheiro.
Estava no chão, coberto de
sangue. Em seu pescoço, um
enorme corte de impiedosa
profundidade, claramente a
fonte da deslumbrante tinta que
pintara a imensidão branca da
cozinha com tão intenso
vermelho. Suas roupas, pouco
desarrumadas, porém intactas.
Finalmente, a seu lado
descansava o pincel metálico
utilizado na obra: uma simples
faca de cozinha idêntica às
utilizadas no hotel.
Ficaram sem palavras diante de
tal fatalidade e a reação de cada
um foi imediata. Alice desviou o
olhar instantaneamente e
permaneceu assim por algum
tempo; Rebeca tampou sua boca
com as mãos e seus olhos
encheram-se de lágrimas; Alex
olhava diretamente a cena,
expressando compaixão e raiva
por tal coisa ter acontecido ao
cozinheiro.
EXTRAÍDODOLIVROSEARREPENDIMENTO
MATASSE,DEALMACERVANTES
AhistóriadosRamonesemnovaedição
galeria@atribuna.com.br
Trecho
FOTOSREPRODUÇÃO
Apesar das dificuldades, Alma decidiu que vai se dedicar à literatura
HERBERTPASSOS/DIVULGAÇÃO
Biografia da banda é relançada
em edição atualizada, trazendo
novas entrevistas e adendos
Escritorsantistaestreia
comromancepolicial
Alma Cervantes tem 19 anos e já começa com obra no estilo de Agatha Christie
DAREDAÇÃO
Hey Ho Let’s Go outra vez! A
Madras Editora acaba de reco-
locar a história dos Ramones
de novo na prateleira das livra-
rias. Isso mesmo, uma das
obras mais pedidas pelos leito-
res, Hey Ho Let’s Go – A Histó-
ria dos Ramones (R$ 54, 90),
do jornalista britânico Everett
True, está sendo relançada em
edição atualizada, que termina
comamortedoterceiroRamo-
ne: o guitarrista Johnny, em
2004 – depois do carismático
vocalista Joey, em 2001, e do
genial (e paranoico) baixista
DeeDee,em2002.
Em 480 generosas páginas,
divididas em 36 capítulos e
mais três apêndices, além de
várias fotografias e trechos de
entrevistas dos artistas, roa-
dies e fãs, a biografia da banda
surgida no Queens, em Nova
Iorque, em 1974, e precursora
do punk rock, se mistura à
trajetória do próprio autor em
relação à música e à descober-
tadosRamones.
“Chelmsford, 1976. Surru-
piei o primeiro álbum dos Ra-
mones do esconderijo do meu
irmãoeestououvindonaradio-
la da família. A sonoridade é
estranha, parece a de uma ser-
ra elétrica ligada no máximo.
Minha mãe entra na sala e
profere a sentença imortal:
Masissoé música?’.Se émúsi-
ca? Não só é música como é
mais: é um vazio sonoro que
possibilita ao ouvinte
preenchê-lo do jeito que qui-
ser, por mais bizarro que seja.
Essa é a generosidade dos Ra-
mones. E eu entendi na hora
que qualquer um que é capaz
de criar tamanho desencontro
entre gerações só pode ser
bom,decenteecorreto”,escre-
veTruenaintroduçãodolivro.
Mesmo com tantas biogra-
fias sobre a banda – algumas
escritasporintegrantesdaban-
da– Hey HoLet’s Go temcomo
diferenciala análisedatrajetó-
ria musical da banda (em seus
altosebaixos)feitanãosomen-
te pelo autor, mas de produto-
res,críticosmusicaisedos pró-
priosRamones,alémdashistó-
riasdebastidor.
EverettTrueatuoucomoedi-
tor-assistente das revistas Me-
lody Maker e Vox. No início
dos anos 80, formou um grupo
vocal new wave simplesmente
paracantarmúsicasdosRamo-
nes no palco. Atualmente, ele
vive em Brighton, Inglaterra,
onde edita a revista de música
Plan B. Seu álbum favorito dos
Ramones é It’s Alive, gravado
ao vivo no Rainbow Theatre,
emLondres,em1977.
Terça-feira 27
D-1agosto de2013 www.atribuna.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoma.no.el.ne.ves
 
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimorafabebum
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médioEwerton Gindri
 
Situação de aprendizagem texto pausa moacyr scliar jaquelina marcelino
Situação de aprendizagem  texto pausa  moacyr scliar  jaquelina marcelinoSituação de aprendizagem  texto pausa  moacyr scliar  jaquelina marcelino
Situação de aprendizagem texto pausa moacyr scliar jaquelina marcelinoJosé Arimatéia da Silva
 
02 texto narrativo i
02   texto narrativo i02   texto narrativo i
02 texto narrativo imarcelocaxias
 
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"Raquel Alves
 
Lispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceiraLispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceiraJuliane Cristine
 
Clarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - CrônicasClarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - CrônicasGQ Shows e Eventos
 
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanhoMonteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanhoTânia Sampaio
 
Carlos r zafon a sombra do vento
Carlos r zafon   a sombra do ventoCarlos r zafon   a sombra do vento
Carlos r zafon a sombra do ventoAriovaldo Cunha
 
Biobibliography portugese (1)
Biobibliography portugese (1)Biobibliography portugese (1)
Biobibliography portugese (1)emefreny
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninhafatimavy
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorJomari
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iRaquel Alves
 

Mais procurados (20)

Aracy
AracyAracy
Aracy
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
 
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
 
Situação de aprendizagem texto pausa moacyr scliar jaquelina marcelino
Situação de aprendizagem  texto pausa  moacyr scliar  jaquelina marcelinoSituação de aprendizagem  texto pausa  moacyr scliar  jaquelina marcelino
Situação de aprendizagem texto pausa moacyr scliar jaquelina marcelino
 
02 texto narrativo i
02   texto narrativo i02   texto narrativo i
02 texto narrativo i
 
Pausa - Moacyr Scliar
Pausa  - Moacyr ScliarPausa  - Moacyr Scliar
Pausa - Moacyr Scliar
 
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
Entrevista: Descobrindo os segredos do livro "As mulheres de Poe"
 
Exame final
Exame finalExame final
Exame final
 
Exposição: Dia Mundial do Teatro
Exposição: Dia Mundial do TeatroExposição: Dia Mundial do Teatro
Exposição: Dia Mundial do Teatro
 
Lispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceiraLispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceira
 
Clarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - CrônicasClarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - Crônicas
 
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanhoMonteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
Monteiro lobato -_A_chave_do_tamanho
 
Carlos r zafon a sombra do vento
Carlos r zafon   a sombra do ventoCarlos r zafon   a sombra do vento
Carlos r zafon a sombra do vento
 
Biobibliography portugese (1)
Biobibliography portugese (1)Biobibliography portugese (1)
Biobibliography portugese (1)
 
A moreninha
A moreninhaA moreninha
A moreninha
 
Pausa
PausaPausa
Pausa
 
Nana, mamãe Pedro Bandeira
Nana, mamãe Pedro BandeiraNana, mamãe Pedro Bandeira
Nana, mamãe Pedro Bandeira
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
 

Destaque

COMOhacer un plan de negocios básico
COMOhacer un plan de negocios básicoCOMOhacer un plan de negocios básico
COMOhacer un plan de negocios básico943620609
 
Desire wars
Desire warsDesire wars
Desire warsTom Long
 
Proposal writing and computers conference
Proposal writing and computers conferenceProposal writing and computers conference
Proposal writing and computers conferenceAndrew H. Yim
 
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infancia
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infanciaGuia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infancia
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infanciaCamila Giraldo
 
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using Brightspace
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using BrightspaceNo Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using Brightspace
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using BrightspaceD2L Barry
 

Destaque (10)

COMOhacer un plan de negocios básico
COMOhacer un plan de negocios básicoCOMOhacer un plan de negocios básico
COMOhacer un plan de negocios básico
 
Tarea seminario 4
Tarea seminario 4Tarea seminario 4
Tarea seminario 4
 
I am poem
I am poemI am poem
I am poem
 
Desire wars
Desire warsDesire wars
Desire wars
 
Поради батькам підлітків
Поради батькам підлітківПоради батькам підлітків
Поради батькам підлітків
 
trabajoAdviento
trabajoAdvientotrabajoAdviento
trabajoAdviento
 
Editalqualificacaoago2014
Editalqualificacaoago2014Editalqualificacaoago2014
Editalqualificacaoago2014
 
Proposal writing and computers conference
Proposal writing and computers conferenceProposal writing and computers conference
Proposal writing and computers conference
 
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infancia
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infanciaGuia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infancia
Guia para la implementacion del proyecto pedagogico en la primera infancia
 
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using Brightspace
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using BrightspaceNo Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using Brightspace
No Muss! No Fuss! How to Become a Quality Matters Star Using Brightspace
 

Semelhante a A tribuna alma

CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...Cláudia Heloísa
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na TavernaKauan_ts
 
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinho
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinhoMachado assis e_shakespeare_ou_bentinho
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinhoTatiane Bovolato
 
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonso
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonsoResumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonso
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonsoDiógenes de Oliveira
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) Andriane Cursino
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - praticaaulasdejornalismo
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldoGladis Maia
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assisJonatas Carlos
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126luisprista
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Cursojasonrplima
 
Livro estranha bahia_apresentação
Livro estranha bahia_apresentaçãoLivro estranha bahia_apresentação
Livro estranha bahia_apresentaçãoRicardo Santos
 

Semelhante a A tribuna alma (20)

CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
 
Cronicas futuro
Cronicas futuroCronicas futuro
Cronicas futuro
 
Noite na Taverna
Noite na TavernaNoite na Taverna
Noite na Taverna
 
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinho
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinhoMachado assis e_shakespeare_ou_bentinho
Machado assis e_shakespeare_ou_bentinho
 
Feliz ano novo
Feliz ano novoFeliz ano novo
Feliz ano novo
 
O Realismo Machadiano.ppt
O Realismo Machadiano.pptO Realismo Machadiano.ppt
O Realismo Machadiano.ppt
 
Agualusa 2
Agualusa 2Agualusa 2
Agualusa 2
 
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonso
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonsoResumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonso
Resumo de O carteiro e o poeta - Orientação prof. DiAfonso
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - pratica
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
 
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e CursoTrabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
Trabalho AV1 - Livro Parte I 3º ano - Gênesis Colégio e Curso
 
Cortazar
CortazarCortazar
Cortazar
 
Livro estranha bahia_apresentação
Livro estranha bahia_apresentaçãoLivro estranha bahia_apresentação
Livro estranha bahia_apresentação
 
Famosos do século XX
Famosos do século XXFamosos do século XX
Famosos do século XX
 
Cal,+José..
Cal,+José..Cal,+José..
Cal,+José..
 

Mais de Carlota Cafiero

Por trás das obras clássicas
Por trás das obras clássicasPor trás das obras clássicas
Por trás das obras clássicasCarlota Cafiero
 
Vinícius, o eterno poetinha
Vinícius, o eterno poetinhaVinícius, o eterno poetinha
Vinícius, o eterno poetinhaCarlota Cafiero
 
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultos
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultosHip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultos
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultosCarlota Cafiero
 
Entrevista com o cantor Criolo
Entrevista com o cantor Criolo Entrevista com o cantor Criolo
Entrevista com o cantor Criolo Carlota Cafiero
 
Bailarinos de São Vicente
Bailarinos de São VicenteBailarinos de São Vicente
Bailarinos de São VicenteCarlota Cafiero
 
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafo
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafoEntrevista com Araquém Alcântara, fotógrafo
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafoCarlota Cafiero
 
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designer
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designerEntrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designer
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designerCarlota Cafiero
 

Mais de Carlota Cafiero (20)

Lanterna Mágica
Lanterna MágicaLanterna Mágica
Lanterna Mágica
 
Poesia Portuguesa em HQ
Poesia Portuguesa em HQPoesia Portuguesa em HQ
Poesia Portuguesa em HQ
 
Sinfônica da Basileia
Sinfônica da BasileiaSinfônica da Basileia
Sinfônica da Basileia
 
O poeta Barney Days
O poeta Barney DaysO poeta Barney Days
O poeta Barney Days
 
Petra Costa em Santos
Petra Costa em SantosPetra Costa em Santos
Petra Costa em Santos
 
Por trás das obras clássicas
Por trás das obras clássicasPor trás das obras clássicas
Por trás das obras clássicas
 
Vinícius, o eterno poetinha
Vinícius, o eterno poetinhaVinícius, o eterno poetinha
Vinícius, o eterno poetinha
 
Eddie Vedder no Brasil
Eddie Vedder no BrasilEddie Vedder no Brasil
Eddie Vedder no Brasil
 
Rebelde movido a poesia
Rebelde movido a poesiaRebelde movido a poesia
Rebelde movido a poesia
 
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultos
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultosHip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultos
Hip Hop, um movimento que arrebata jovens e adultos
 
A tribuna emicida22
A tribuna emicida22A tribuna emicida22
A tribuna emicida22
 
Cesar Camargo Mariano
Cesar Camargo MarianoCesar Camargo Mariano
Cesar Camargo Mariano
 
CJ Ramone em Santos
CJ Ramone em SantosCJ Ramone em Santos
CJ Ramone em Santos
 
Entrevista com o cantor Criolo
Entrevista com o cantor Criolo Entrevista com o cantor Criolo
Entrevista com o cantor Criolo
 
A tribuna conexao
A tribuna conexaoA tribuna conexao
A tribuna conexao
 
Arnaldo Antunes
Arnaldo AntunesArnaldo Antunes
Arnaldo Antunes
 
Adriana Calcanhotto
Adriana CalcanhottoAdriana Calcanhotto
Adriana Calcanhotto
 
Bailarinos de São Vicente
Bailarinos de São VicenteBailarinos de São Vicente
Bailarinos de São Vicente
 
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafo
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafoEntrevista com Araquém Alcântara, fotógrafo
Entrevista com Araquém Alcântara, fotógrafo
 
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designer
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designerEntrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designer
Entrevista com Guto Lacaz, arquiteto e designer
 

A tribuna alma

  • 1. Galeria 16a daBienaldoLivrodoRiodeJaneiroéabertaquinta-feiranoRiocentro Completando30anos,oeventohomenageiaaAlemanhaeesperareceber600milpessoas.Atéodia 8desetembro,aBienalterá29autoresestrangeiros,entreelesomoçambicanoMiaCouto(Prêmio Camões),eoamericanoNicholasSparks,autordebest-sellerscomoDiáriodeumaPaixão CARLOTACAFIERO DAREDAÇÃO Uma história para ser lida duas vezes. Assim é o romance policial Se Arrependimento Matasse. “A primeira leitura é pelo suspense, o crime; a se- gunda, para perceber as dicas, entender e compreender o que motivou o crime e as atitudes cometidas pelos personagens duranteahistória”,dizosantis- ta Alma Cervantes, de 19 anos, que estreia na literatura com o título publicado pelo selo No- vosTalentosdaLiteraturaBra- sileira,daeditoraNovoSéculo. Admiradordarainhadocri- me, a escritora britânica Aga- tha Christie, e do roteirista e ilustradorjaponêsdevisualno- vels – jogos para game focados no enredo – Ryukishi 07, e fã declarado da língua portugue- sa, o jovem autor demonstra fôlegoparaaescrita,pois,além de estrear com uma ficção de quase250páginas,jásededica a um novo romance de misté- rio com toques de terror, e a umasériedecontospoliciais. Se Arrependimento Matasse trazosubtítuloDeveriaserum Encontro Agradável..., dando o tom da história que se segue: após anos sem contato, três jovens amigos – uma garota e dois rapazes na faixa dos 20 e poucos anos – se reencontram parapassaralguns diasem um hotel retirado da cidade – e de propriedade dos pais de um deles. Mas, na primeira noite nohotel, a reunião se transfor- ma em pesadelo quando o cor- po do cozinheiro é encontrado degolado. Na impossibilidade de deixarem o local devido a uma tempestade, hóspedes e funcionários passam a ser sus- peitos e são obrigados a convi- verporlongashoras. Com foco voltado às ques- tões que movem a trama – quemmatouocozinheiroepor quê? –, o autor não se preocu- paemlocalizargeograficamen- tenemtemporalmenteahistó- ria, que poderia ocorrer em qualquer cidade, país ou ano depois da invenção do carro e antesdadocelular(motivope- lo qual nenhuma das vítimas consegue contato com alguém de fora do hotel após os fios telefônicosseremcortados). “Euqueriaumambienteiso- lado a contatos de fora, e den- treosquepensei,acheiqueum hotel seria o melhor para o desenvolvimento da história”, explicaoautor. Cervantes nunca tinha pen- sado em se tornar escritor, mas percebeu ter um interesse mais profundo pela língua portugue- sa enquanto fazia traduções de legenda para desenhos. “Come- ceipordiversãoecompletamen- te descompromissado. Pensei em escreveruma história quan- dodessevontade,mastomeigos- tocomotempoedecidiqueque- rialevarasério”,diz. ESCRITOÀMÃO Para ele, o atrativo do gênero policial são o jogo intelectual e a lógica que envolve a trama. “Ainda assim, tentei criar uma história que pode agradar não só aos amantes deste gênero, mas a todos que gostam de uma história bem construída”, explica Cervantes, para quem os maiores desafios da escrita foram não cometer erros de lógica,mantendotudocoeren- te e plausível, e apresentar as dicas de maneira sutil. “Mas, claro, escrever envolve inúme- ras questões de escrita e lógica que não são bem conhecidas atévocêcomeçaraescrever”. Para auxiliá-lo nessa primei- ra empreitada literária, o autor contoucomaajuda“moral”dos pais – “eles me apoiaram e me deram liberdade para realizar esse trabalho” – e com as dicas deumamigo,queacompanhou a criação da história, fazendo comentários. “Sobre revisão, aforaarevisãodaeditora,fuieu quem fez. Como sempre estu- dei bastante português e ainda ofaço,souexigentecomigomes- mo, apesar de ser difícil não deixarpassarerros”. Mesmo sendo novato na lite- ratura, Cervantes já desenvol- veu um método bem particular deescrita:criaduranteamadru- gada, escrevendo tudo à mão, e só depois de finalizada a histó- ria é que a digita no computa- dor – momento este em que se dedicaaoscortesnecessários. “Nocomeço, oritmoera len- to, pois escrevia de vez em quando.Comotempo,passeia escrever todos os dias. Sou a pessoa mais lenta que conheço para escrever e, além disso, nãoconsigofazê-lodiretamen- te no computador, então faço tudo primeiro no papel. Ao menos tenho a vantagem de, nessapassagem,alterar,corri- gireadaptar.Eproduzoprati- camenteduranteanoite,prin- cipalmentedemadrugada”. Será que ele já se considera um escritor? “Claro, se não for escritor, não sei o que sou. Pretendoseguircomacarrei- ra, embora sei que seja difí- cil”,conclui. A reação da maioria das pessoas ao ver aquilo seria desviar o olhar em aversão à cena. Havia uma pessoa ali deitada: era Victor, o cozinheiro. Estava no chão, coberto de sangue. Em seu pescoço, um enorme corte de impiedosa profundidade, claramente a fonte da deslumbrante tinta que pintara a imensidão branca da cozinha com tão intenso vermelho. Suas roupas, pouco desarrumadas, porém intactas. Finalmente, a seu lado descansava o pincel metálico utilizado na obra: uma simples faca de cozinha idêntica às utilizadas no hotel. Ficaram sem palavras diante de tal fatalidade e a reação de cada um foi imediata. Alice desviou o olhar instantaneamente e permaneceu assim por algum tempo; Rebeca tampou sua boca com as mãos e seus olhos encheram-se de lágrimas; Alex olhava diretamente a cena, expressando compaixão e raiva por tal coisa ter acontecido ao cozinheiro. EXTRAÍDODOLIVROSEARREPENDIMENTO MATASSE,DEALMACERVANTES AhistóriadosRamonesemnovaedição galeria@atribuna.com.br Trecho FOTOSREPRODUÇÃO Apesar das dificuldades, Alma decidiu que vai se dedicar à literatura HERBERTPASSOS/DIVULGAÇÃO Biografia da banda é relançada em edição atualizada, trazendo novas entrevistas e adendos Escritorsantistaestreia comromancepolicial Alma Cervantes tem 19 anos e já começa com obra no estilo de Agatha Christie DAREDAÇÃO Hey Ho Let’s Go outra vez! A Madras Editora acaba de reco- locar a história dos Ramones de novo na prateleira das livra- rias. Isso mesmo, uma das obras mais pedidas pelos leito- res, Hey Ho Let’s Go – A Histó- ria dos Ramones (R$ 54, 90), do jornalista britânico Everett True, está sendo relançada em edição atualizada, que termina comamortedoterceiroRamo- ne: o guitarrista Johnny, em 2004 – depois do carismático vocalista Joey, em 2001, e do genial (e paranoico) baixista DeeDee,em2002. Em 480 generosas páginas, divididas em 36 capítulos e mais três apêndices, além de várias fotografias e trechos de entrevistas dos artistas, roa- dies e fãs, a biografia da banda surgida no Queens, em Nova Iorque, em 1974, e precursora do punk rock, se mistura à trajetória do próprio autor em relação à música e à descober- tadosRamones. “Chelmsford, 1976. Surru- piei o primeiro álbum dos Ra- mones do esconderijo do meu irmãoeestououvindonaradio- la da família. A sonoridade é estranha, parece a de uma ser- ra elétrica ligada no máximo. Minha mãe entra na sala e profere a sentença imortal: Masissoé música?’.Se émúsi- ca? Não só é música como é mais: é um vazio sonoro que possibilita ao ouvinte preenchê-lo do jeito que qui- ser, por mais bizarro que seja. Essa é a generosidade dos Ra- mones. E eu entendi na hora que qualquer um que é capaz de criar tamanho desencontro entre gerações só pode ser bom,decenteecorreto”,escre- veTruenaintroduçãodolivro. Mesmo com tantas biogra- fias sobre a banda – algumas escritasporintegrantesdaban- da– Hey HoLet’s Go temcomo diferenciala análisedatrajetó- ria musical da banda (em seus altosebaixos)feitanãosomen- te pelo autor, mas de produto- res,críticosmusicaisedos pró- priosRamones,alémdashistó- riasdebastidor. EverettTrueatuoucomoedi- tor-assistente das revistas Me- lody Maker e Vox. No início dos anos 80, formou um grupo vocal new wave simplesmente paracantarmúsicasdosRamo- nes no palco. Atualmente, ele vive em Brighton, Inglaterra, onde edita a revista de música Plan B. Seu álbum favorito dos Ramones é It’s Alive, gravado ao vivo no Rainbow Theatre, emLondres,em1977. Terça-feira 27 D-1agosto de2013 www.atribuna.com.br