SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Princípios de Biotecnologia
Carlos Robério Maia
Thiago Felipe Sena
 O termo papel é dado a uma folha formada, seca e
acabada, de uma suspensão de fibras vegetais,
 as quais são desintegradas, refinadas e depuradas e
tiveram ou não a adição de outros ingredientes,
 O princípio da fabricação do papel é a tendência
das fibras celulósicas se unirem e assim
permanecerem após secas.
No processo industrial de fabricação do papel, a
matéria-prima mais utilizada é a madeira,
As árvores mais comumente escolhidas para a
retirada da madeira são o eucalipto (Eucalyptus sp.)
e o pinheiro (Pinus sp.)
O eucalipto possui fibras mais curtas e o papel
produzido com sua madeira é menos resistente,
A madeira do pinheiro, por apresentar fibras mais
longas, produz um papel com maior resistência
comparativa.
Em países de clima frio, os pinheiros são, em geral, a principal opção
de matéria-prima das indústrias de papel.
A maioria das empresas de produção de papel e celulose possuem
suas próprias reservas florestais,
 Nos processos industriais que envolvem a
madeira, usualmente, são gerados resíduos
com alto percentual de matéria orgânica.
 Resíduo das indústrias de base florestal, as
sobras que ocorrem no processamento
mecânico, físico ou químico, e que não são
incorporadas ao produto final.
 No caso da celulose, a casca, a lama de cal, o
lodo biológico, o resíduo celulósico e a cinza de
caldeira resultante da queima de biomassa, são
genericamente classificados como resíduos.
Aproximadamente 48 t
de resíduos para cada 100
t de celulose produzida.
PROBLEMAS DE ORDEM AMBIENTAL
A opção por aterro sanitário
para disposição final destes
resíduos é inviável, em
função dos altos custos para
implantação e manutenção,
Entretanto, junto com a matéria
orgânica, os resíduos apresentam
constituintes minerais que são
prejudiciais ao solo, tanto pela sua
característica química, como pela
quantidade adicionada.
O resíduo celulósico tem altos teores
de matéria orgânica total e
compostável, altos teores de resíduo
mineral, nitrogênio total, cálcio e
relação C/N de 25/1.
Benefícios da técnica
A correção desses solos é necessária para melhorar a fertilidade e
o nível de matéria orgânica, aumentar a disponibilidade de
nutrientes minerais e a capacidade de retenção de água e de
cátions no solo.
A utilização de resíduos é uma opção
para a correção da acidez e da
fertilidade do solo, tendo efeito direto
nas propriedades físicas, químicas e
biológicas e, conseqüentemente, no
aumento da produtividade florestal.
Fonte: Status Report Biorefinery (2007)
Biorrefinarias de Lignocelulósicos: fracionamento de
biomassas lignocelulósicas (celulose, hemiceluloses e
ligninas);
38%-50%
Celulose
25%-30%
Lignina 23%-32%
Hemicelulose
Principais componentes da madeira
Dela busca-se extrair o etanol
celulósico e outros produtos com uma
gama enorme de aplicabilidade,
especialmente na indústria de compósitos.
Pode ser útil a produções de relevante valor
agregado, a exemplo de hidrogéis
para a indústria farmacêutica, bioplásticos,
resinas furânicas e reagentes químicos
verdes, entre outros.
Biorrefinagem: É o processamento da
biomassa em uma gama de produtos
comerciais e energia, de maneira
sustentável .
Biorrefinaria: É uma unidade industrial
que integra equipamentos e processos
de conversão de biomassa, para produzir
combustíveis, energia, materiais e
produtos químicos .
Fonte: IIASA (1998) e UN. EIA (2002)
Histórico do Uso da Biomassa na Geração de Energia
FUTURO DA BIOENERGIA NO BRASIL - GASEIFICAÇÃO
OBRIGADO!
“O desafio que permanece envolve a necessidade urgente de uma política
publica nacional em energias renováveis visando o reaproveitamento de
todos os tipos de resíduos de biomassa’’.
 http://www.scipione.com.br/educa/galeria/14_ppl/index.htm
 http://www.celuloseonline.com.br/pagina/pagina.asp?iditem=226
 Celulose e papel – Tecnologia de fabricação da pasta celulósica –
volume I – IPT – 1988.
 D.ALMEIDA, M.L.O. Celulose e papel. Tecnologia de fabricação da
pasta celulósica,2ºed, v.1, 1988.
 DANILAS, R.M. Branqueamento de pastas celulósidas. In:
.ALMEIDA, M.L.O. Papel e celulose I: tecnologia de fabricação de
pastas celulósicas. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas
do Estado de São Paulo, p.169-312, 1988.
 FERRAZ, A. Aplicações da biotecnologia na produção de papel e
celulose. In: BORZANI, W., ALMEIDA, U., AQUARONE, E. (eds).
Processos Enzimáticos e Fermentativos. São Paulo: Edgard
Blücher, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...Tiago Maboni Derlan
 
Trabalho Sobre Biomassa Power Point
Trabalho Sobre Biomassa Power PointTrabalho Sobre Biomassa Power Point
Trabalho Sobre Biomassa Power Pointcavaco_and_telmao
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisUERGS
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeiraJoão Jesus
 
Energia biomassa
Energia biomassaEnergia biomassa
Energia biomassaLucas Rocha
 
Bioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosBioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosThiago Santos
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Mari Rodrigues
 
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.pptAULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.pptotacio candido
 
Apresentação plastico
Apresentação plasticoApresentação plastico
Apresentação plasticoarceariane87
 

Mais procurados (20)

Produção de cerâmica
Produção de cerâmicaProdução de cerâmica
Produção de cerâmica
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
 
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...
Estudo das Operações Unitárias Na Fabricação de Tintas, Vernizes, Pigmentos e...
 
Fabricadepapel
FabricadepapelFabricadepapel
Fabricadepapel
 
Aula 5 reciclagem
Aula 5  reciclagemAula 5  reciclagem
Aula 5 reciclagem
 
Trabalho Sobre Biomassa Power Point
Trabalho Sobre Biomassa Power PointTrabalho Sobre Biomassa Power Point
Trabalho Sobre Biomassa Power Point
 
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriaisImpacto ambiental dos resíduos agroindustriais
Impacto ambiental dos resíduos agroindustriais
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
 
Biopolímeros
BiopolímerosBiopolímeros
Biopolímeros
 
Energia biomassa
Energia biomassaEnergia biomassa
Energia biomassa
 
Bioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimerosBioplásticos e biopolimeros
Bioplásticos e biopolimeros
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
Aula 8 incineração
Aula 8 incineraçãoAula 8 incineração
Aula 8 incineração
 
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.pptAULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.ppt
AULA_01_TECNOLOGIA CLORO-ÁLCALIS.ppt
 
Apresentação plastico
Apresentação plasticoApresentação plastico
Apresentação plastico
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 

Destaque

Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercutKarina Miranda
 
Mestrado em celulose e papel
Mestrado em celulose e papelMestrado em celulose e papel
Mestrado em celulose e papelFrancisco Bertini
 
Os tipos de papel
Os tipos de papelOs tipos de papel
Os tipos de papelRenato Melo
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasCharlles Moreira
 
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicação
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicaçãoSustentabilidade na produção e o papel da comunicação
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicaçãoMarcelo Pereira de Carvalho
 
Pedro henrique e felipe
Pedro henrique e felipePedro henrique e felipe
Pedro henrique e felipeNute JPA
 
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01   sistemas de composição e processos de impressãoAula 01   sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressãoElizeu Nascimento Silva
 
Aula 04 formatos e características do papel
Aula 04   formatos e características do papelAula 04   formatos e características do papel
Aula 04 formatos e características do papelElizeu Nascimento Silva
 

Destaque (20)

Análise Industrial: Papel e Celulose
Análise Industrial: Papel e CeluloseAnálise Industrial: Papel e Celulose
Análise Industrial: Papel e Celulose
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
 
Mestrado em celulose e papel
Mestrado em celulose e papelMestrado em celulose e papel
Mestrado em celulose e papel
 
Celulose
CeluloseCelulose
Celulose
 
Apresentação Papel
Apresentação PapelApresentação Papel
Apresentação Papel
 
História do papel
História do papelHistória do papel
História do papel
 
Os tipos de papel
Os tipos de papelOs tipos de papel
Os tipos de papel
 
Impactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequênciasImpactos ambientais causas e consequências
Impactos ambientais causas e consequências
 
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicação
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicaçãoSustentabilidade na produção e o papel da comunicação
Sustentabilidade na produção e o papel da comunicação
 
Papermaking pt
Papermaking ptPapermaking pt
Papermaking pt
 
Pedro henrique e felipe
Pedro henrique e felipePedro henrique e felipe
Pedro henrique e felipe
 
O papel
O papelO papel
O papel
 
A indústria t.p.c
A indústria t.p.cA indústria t.p.c
A indústria t.p.c
 
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01   sistemas de composição e processos de impressãoAula 01   sistemas de composição e processos de impressão
Aula 01 sistemas de composição e processos de impressão
 
Aula 04 formatos e características do papel
Aula 04   formatos e características do papelAula 04   formatos e características do papel
Aula 04 formatos e características do papel
 
Historia do papel
Historia do papelHistoria do papel
Historia do papel
 
Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01Introdução à Engenharia de Produção - 01
Introdução à Engenharia de Produção - 01
 
O papel
O papel O papel
O papel
 
Aula 02 impressão de dados variáveis
Aula 02   impressão de dados variáveisAula 02   impressão de dados variáveis
Aula 02 impressão de dados variáveis
 
Papel
PapelPapel
Papel
 

Semelhante a Princípios da biotecnologia na produção de papel

RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEMTecnomil
 
Reciclagem e coleta seletiva
Reciclagem e coleta seletiva Reciclagem e coleta seletiva
Reciclagem e coleta seletiva Nelsinho30
 
Jornal de maio
Jornal de maioJornal de maio
Jornal de maioBOLETIM
 
Edição+es..
Edição+es..Edição+es..
Edição+es..BOLETIM
 
Energia RenováVel
Energia RenováVelEnergia RenováVel
Energia RenováVelGuihl
 
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de coco
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de cocoFormas de aproveitamento de resíduos da produção de coco
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de cocoMarylza
 
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefícios
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefíciosArtigo - O processo de produção de biogás e os seus benefícios
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefíciosPretextus
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptCarolineTeodoro4
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteWallace Bertoldi
 
Tratamento de efluentes papel e celulose
Tratamento de efluentes papel e celuloseTratamento de efluentes papel e celulose
Tratamento de efluentes papel e celuloseLuiz Carlos
 
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriais
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriaisApresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriais
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriaisrafaelbucco
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeeercavalcanti
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeeercavalcanti
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagemceliamagalhaes
 
CARTILHA BAMBU A PIQUE - português (1).pdf
CARTILHA BAMBU A PIQUE  - português (1).pdfCARTILHA BAMBU A PIQUE  - português (1).pdf
CARTILHA BAMBU A PIQUE - português (1).pdfstudiobambuzini
 
Coletanea habitare volume_4_parte_07
Coletanea habitare volume_4_parte_07Coletanea habitare volume_4_parte_07
Coletanea habitare volume_4_parte_07Ely Barros
 

Semelhante a Princípios da biotecnologia na produção de papel (20)

RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Reciclagem e coleta seletiva
Reciclagem e coleta seletiva Reciclagem e coleta seletiva
Reciclagem e coleta seletiva
 
Jornal de maio
Jornal de maioJornal de maio
Jornal de maio
 
Edição+es..
Edição+es..Edição+es..
Edição+es..
 
70 304-1-pb
70 304-1-pb70 304-1-pb
70 304-1-pb
 
Energia RenováVel
Energia RenováVelEnergia RenováVel
Energia RenováVel
 
V19n2a09
V19n2a09V19n2a09
V19n2a09
 
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de coco
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de cocoFormas de aproveitamento de resíduos da produção de coco
Formas de aproveitamento de resíduos da produção de coco
 
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefícios
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefíciosArtigo - O processo de produção de biogás e os seus benefícios
Artigo - O processo de produção de biogás e os seus benefícios
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Tratamento de efluentes papel e celulose
Tratamento de efluentes papel e celuloseTratamento de efluentes papel e celulose
Tratamento de efluentes papel e celulose
 
Adubação orgânica
Adubação orgânicaAdubação orgânica
Adubação orgânica
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriais
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriaisApresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriais
Apresentação Biomater Results ON Day sobre ecomateriais
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Reciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidadeReciclagem e sua sustentabilidade
Reciclagem e sua sustentabilidade
 
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a ReciclagemTrabalho de Grupo sobre a Reciclagem
Trabalho de Grupo sobre a Reciclagem
 
CARTILHA BAMBU A PIQUE - português (1).pdf
CARTILHA BAMBU A PIQUE  - português (1).pdfCARTILHA BAMBU A PIQUE  - português (1).pdf
CARTILHA BAMBU A PIQUE - português (1).pdf
 
Coletanea habitare volume_4_parte_07
Coletanea habitare volume_4_parte_07Coletanea habitare volume_4_parte_07
Coletanea habitare volume_4_parte_07
 

Mais de Carlos Robério Maia Bandeira (13)

Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções deProteção de máquinas e equipamentos e noções de
Proteção de máquinas e equipamentos e noções de
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
 
Algodão
AlgodãoAlgodão
Algodão
 
Carta da terra
Carta da terraCarta da terra
Carta da terra
 
Associação de pais e mestres apm.2
Associação de pais e mestres   apm.2Associação de pais e mestres   apm.2
Associação de pais e mestres apm.2
 
Pronto
ProntoPronto
Pronto
 
Análise swot
Análise swotAnálise swot
Análise swot
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Pegada Hidrica
Pegada HidricaPegada Hidrica
Pegada Hidrica
 
Remuneração
RemuneraçãoRemuneração
Remuneração
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Suco de laranja
Suco de laranja Suco de laranja
Suco de laranja
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 

Princípios da biotecnologia na produção de papel

  • 1. Princípios de Biotecnologia Carlos Robério Maia Thiago Felipe Sena
  • 2.  O termo papel é dado a uma folha formada, seca e acabada, de uma suspensão de fibras vegetais,  as quais são desintegradas, refinadas e depuradas e tiveram ou não a adição de outros ingredientes,  O princípio da fabricação do papel é a tendência das fibras celulósicas se unirem e assim permanecerem após secas.
  • 3. No processo industrial de fabricação do papel, a matéria-prima mais utilizada é a madeira, As árvores mais comumente escolhidas para a retirada da madeira são o eucalipto (Eucalyptus sp.) e o pinheiro (Pinus sp.) O eucalipto possui fibras mais curtas e o papel produzido com sua madeira é menos resistente, A madeira do pinheiro, por apresentar fibras mais longas, produz um papel com maior resistência comparativa.
  • 4.
  • 5. Em países de clima frio, os pinheiros são, em geral, a principal opção de matéria-prima das indústrias de papel. A maioria das empresas de produção de papel e celulose possuem suas próprias reservas florestais,
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.  Nos processos industriais que envolvem a madeira, usualmente, são gerados resíduos com alto percentual de matéria orgânica.  Resíduo das indústrias de base florestal, as sobras que ocorrem no processamento mecânico, físico ou químico, e que não são incorporadas ao produto final.  No caso da celulose, a casca, a lama de cal, o lodo biológico, o resíduo celulósico e a cinza de caldeira resultante da queima de biomassa, são genericamente classificados como resíduos.
  • 14. Aproximadamente 48 t de resíduos para cada 100 t de celulose produzida. PROBLEMAS DE ORDEM AMBIENTAL A opção por aterro sanitário para disposição final destes resíduos é inviável, em função dos altos custos para implantação e manutenção, Entretanto, junto com a matéria orgânica, os resíduos apresentam constituintes minerais que são prejudiciais ao solo, tanto pela sua característica química, como pela quantidade adicionada.
  • 15. O resíduo celulósico tem altos teores de matéria orgânica total e compostável, altos teores de resíduo mineral, nitrogênio total, cálcio e relação C/N de 25/1. Benefícios da técnica A correção desses solos é necessária para melhorar a fertilidade e o nível de matéria orgânica, aumentar a disponibilidade de nutrientes minerais e a capacidade de retenção de água e de cátions no solo. A utilização de resíduos é uma opção para a correção da acidez e da fertilidade do solo, tendo efeito direto nas propriedades físicas, químicas e biológicas e, conseqüentemente, no aumento da produtividade florestal.
  • 16. Fonte: Status Report Biorefinery (2007)
  • 17. Biorrefinarias de Lignocelulósicos: fracionamento de biomassas lignocelulósicas (celulose, hemiceluloses e ligninas); 38%-50% Celulose 25%-30% Lignina 23%-32% Hemicelulose Principais componentes da madeira Dela busca-se extrair o etanol celulósico e outros produtos com uma gama enorme de aplicabilidade, especialmente na indústria de compósitos. Pode ser útil a produções de relevante valor agregado, a exemplo de hidrogéis para a indústria farmacêutica, bioplásticos, resinas furânicas e reagentes químicos verdes, entre outros.
  • 18. Biorrefinagem: É o processamento da biomassa em uma gama de produtos comerciais e energia, de maneira sustentável . Biorrefinaria: É uma unidade industrial que integra equipamentos e processos de conversão de biomassa, para produzir combustíveis, energia, materiais e produtos químicos .
  • 19.
  • 20. Fonte: IIASA (1998) e UN. EIA (2002) Histórico do Uso da Biomassa na Geração de Energia
  • 21. FUTURO DA BIOENERGIA NO BRASIL - GASEIFICAÇÃO
  • 22. OBRIGADO! “O desafio que permanece envolve a necessidade urgente de uma política publica nacional em energias renováveis visando o reaproveitamento de todos os tipos de resíduos de biomassa’’.
  • 23.  http://www.scipione.com.br/educa/galeria/14_ppl/index.htm  http://www.celuloseonline.com.br/pagina/pagina.asp?iditem=226  Celulose e papel – Tecnologia de fabricação da pasta celulósica – volume I – IPT – 1988.  D.ALMEIDA, M.L.O. Celulose e papel. Tecnologia de fabricação da pasta celulósica,2ºed, v.1, 1988.  DANILAS, R.M. Branqueamento de pastas celulósidas. In: .ALMEIDA, M.L.O. Papel e celulose I: tecnologia de fabricação de pastas celulósicas. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, p.169-312, 1988.  FERRAZ, A. Aplicações da biotecnologia na produção de papel e celulose. In: BORZANI, W., ALMEIDA, U., AQUARONE, E. (eds). Processos Enzimáticos e Fermentativos. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.