SlideShare uma empresa Scribd logo
FUNÇÕES
INORGÂNICAS
REAÇÕES QUÍMICAS
CÁLCULOS QUÍMICOS
ESTEQUIOMETRIA
PROF. CARLOS PRIANTE
AULA 6
Energia = Luminosa ou química
Matéria = Orgânica ou Inorgânica
EXISTEM 4 PRINCIPAIS FUNÇÕES
INORGÂNICAS:
Ácidos
BasesSais
Óxidos
ÁCIDOS
 É toda substância que quando dissolvida em água
forma o cátion H+.
• Têm sabor azedo
•Alguns possuem alto poder corrosivo (clorídrico, sulfúrico, etc)
•Reagem com metais.
•Conduzem corrente elétrica quando em solução aquosa
 Em agua produz íons:
 HCl H+ + Cl- Monoácidos
 H2SO4 2H+ + SO4 Diácidos
 HClO
 H3PO4
 Quanto mais H libera e mais facil, mais forte é. (Hidrácitos)
 Subtrai a quantidade de O pela H (OXIÁCIDOS) Escala 2,3...1...0
IONIZAÇÃO
H2O
H2O 2-
H2O
H2O
NOMENCLATURA:
•Para ácidos não oxigenados (HIDRÁCIDOS), usamos a terminação IDRICO.
•Exemplo:
     • HCl – ácido clorídrico      • H2S – ácido sulfídrico     • H2Se –ácido selenídrico
•Para ácidos oxigenados (OXIÁCIDOS), se o elemento possuir somente uma
valência,usamos a terminação ICO.
•Exemplo:
H2CO3 – ácido carbônico H3BO3 – ácido bórico
Se o elemento tiver 2 valências, para a maior usamos ICO e para a menor OSO.
•Exemplos:
H2SO3 – ácido sulfuroso H2SO4 – ácido sulfúrico
HNO2 – ácido nitroso HNO3 – ácido nítrico
BASES
 São substâncias que, quando adicionadas à água, produzem o
ânion OH (hidróxidos).⁻
 As bases são formadas com a união da hidroxila com um metal
(cátion)
 Possuem alto poder corrosivo (soda cáustica NaOH)
 Tem sabor adstringente
 Possuem alta condutividade elétrica
 As bases diminuem a acidez das soluções
 Forte: com metal 1ª e 2ª, Fraca: todas as outras e com Mg e Be
 Se o elemento possuir somente uma valência (NOX
fixo), usamos a expressão “hidróxido de” seguida do nome do
elemento. Exemplo:
NaOH – hidróxido de sódio Ca(OH)2 – hidróxido de cálcio
Monobase Dibase
 Se o elemento possuir duas valências (NOX variavel), usamos
a expressão “hidróxido de” seguida do nome do elemento e os
sufixos OSO e ICO, ou então a valência em números romanos.
Exemplo:
Fe(OH)2 – hidróxido ferroso ou hidróxido de ferro II
Fe(OH)3 – hidróxido férrico ou hidróxido de ferro III
NOMENCLATURA:
O PH DE UMA SOLUÇÃO
pH significa potencial hidrogeniônico, que é definido
dentro de uma escala de 0 a 14.
pH<7 Solução ácida
pH=7 Solução neutra
pH>7 Solução básica
SAIS
 Os sais são compostos iônicos que possuem pelo menos
um cátion diferente de H+ e um ânion diferente de OH-
 De maneira geral este cátion é um metal e o ânion um não-
metal.
 Possuem sabor salgado,
 Possuem ação bactericida,
 Possuem alta condutividade elétrica
 Ocorre quando um ácido reage com uma base
produzindo um SAL e agua
 HCl + NaOH NaCl + H2O
 H2SO4 + Ca(OH)
REAÇÃO DE
NEUTRALIZAÇÃO
BINÁRIO
TERNÁRIO
NOMENCLATURA:
 Os sais sem oxigênio mudam a terminação IDRICO para a terminação
ETO. Exemplo:
CaS – sulfeto de cálcio, vem do ácido sulfídrico
RbF – fluoreto de rubídio, vem do ácido fluorídrico
 Os sais oxigenados de menor valência mudam a terminação OSO para
ITO. Exemplo:
Na2SO3 – sulfito de sódio, vem do ácido sulfuroso (Na2=H2 ----- H2SO3)
LiNO2 – nitrito de lítio, vem do ácido nitroso Li1=H1-----------HNO2)
 Os sais oxigenados de maior valência mudam a terminação ICO para
ATO. Exemplo:
Na2SO4 – sulfato de sódio, vem do ácido sulfúrico
NaClO3 – clorato de sódio, vem do ácido clórico.
mosquITO teimOSO, te mATO te pICO,
te mETO no vIDRICO
ÓXIDOS
 São compostos binários, ou seja, formados por dois
elementos químicos, sendo um deles o oxigênio e o outro
qualquer outro elemento químico (exceto o flúor).
 Como o O pode se ligar a qualquer elemento, as
características desta função irá variar de acordo com o
elemento a qual ele se ligar.
 Os Óxidos são inodoros e insípidos
 São, em geral, tóxicos (poluentes)
 Alguns óxidos reagem com água, produzindo ácidos ou
bases.
 OXIDOS BASICOS (Se reagir com agua forma base)
O +METAL (nox menor ou = 3)
Na2O + H2O = 2NaOH
CaO + H2O =
FeO + H2O =
 OXIDOS ÁCIDOS (Se reagir com agua forma acido)
O + AMETAL (nox maior ou =4)
SO3 + H2O =H2SO4
CO2 + H2O =
N2O5 + H2O =
 Se o elemento possuir somente uma valência, usamos a
expressão “óxido de” seguida do nome do elemento.
BaO – óxido de bário K2O – óxido de potássio
 Se o elemento possuir duas valências, usamos a
expressão “óxido de” seguida do nome do elemento e os
sufixos OSO e ICO, ou então a valência em números
romanos.
 Cu2O – óxido cuproso ou óxido de cobre I
 CuO – óxido cúprico ou óxido de cobre II
 NiO – óxido niqueloso ou óxido de níquel II
 Ni2O3 – óxido niquélico ou óxido de níquel III
NOMENCLATURA:
HCl
HF
H2SO4  NaOHMg(OH)2 
Hidróxido de Cálcio
NH4OH 
NaCl
Cloreto de potássio
Na2CO3
Al2(SO4)3
 CO
CaO
Pb3O4
Ácido Clorídrico Óxido de cálcio
KCl
Hidróxido de Magnésio Ácido sulfúrico Hidróxido de Sódio
Ca(OH)2 
Carbonato de Sódio Óxido de chumbo
Cloreto de sódio Hidróxido de amônio Monóxido de Carbono
Ácido fluorídrico Sulfato de alumínio
REAÇÕES QUÍMICASREAÇÕES QUÍMICAS
 As substancias que participam de uma reação
química deixam de existir e dão origem a uma
nova substancia.
 Há o rompimento das ligações entre os átomos
destas substâncias, eles se rearranjam e há a
formação de novas ligações químicas.
 Através do estudo destas reações pode-se criar
novas substancias, como os plásticos.
É UM PROCESSO PELO QUAL CERTAS
SUBSTÂNCIAS SÃO TRANSFORMADAS EM
OUTRAS, EM CONSEQUÊNCIA DE
REARRANJO DE SEUS ÁTOMOS.
EVIDÊNCIAS DE REAÇÕES
QUÍMICAS
 mudança de cor;
 liberação de gases (efervescência);
 formação de um sólido (precipitado);
 aparecimento de uma chama ou luminosidade.
 Ao misturar um ácido e uma base se inicia uma
reação química que irá produzir um sal e água.
 Podemos dizer que:
Uma molécula de ácido sulfúrico reage com duas
moléculas de hidróxido de potássio resultando em
uma molécula de sulfato de potássio e duas moléculas
de água.
 Isto não é muito prático e pessoas de outras nações
terão dificuldade de entender.
 Assim, as reações químicas são descritas
graficamente em Equações, uma linguagem
internacional.
 Assim está mais fácil, prático, rápido e qualquer
um com conhecimento poderá interpretar a
reação:
ácido sulfúrico
hidróxido de potássio
sulfato de potássio
água
EQUAÇÃO QUÍMICA:
 É a representação de uma reação química,
indicando os reagentes e seus produtos.
 Na equação química temos:
 Coeficientes: (os números que vem antes nas
fórmulas) indicam a proporção entre reagentes e
produtos;
 Índices (os números que vem depois nos símbolos
dos elementos): indicam o número de átomos
presentes nas substâncias.
REAGENTE PRODUTO
COEFICIENTE ÍNDICE
EQUAÇÃO NÃO-BALANCEADA:
 O número de átomos do produto é diferente do
número de átomos dos reagentes.
H2 + O2 → H2O
EQUAÇÃO BALANCEADA:
 Quando o número de átomos do produto é igual ao
número de átomos dos reagentes.
2H2 + O2 → 2H2O
MÉTODO DAS TENTATIVAS:
 Para fazer o acerto dos coeficientes utiliza-se o método das
tentativas: deve-se contar o número de átomos dos
reagentes e dos produtos e equaliza-los.
 Nesta ordem:
1º) Metais
2º) Não-Metais
3º) Oxigênio
4º) Hidrogênio
 Dica: Iniciar o balanceamento com os elementos que
aparecem uma só vez em ambos os membros; selecionar o
elemento de maior índice e utilizar esses índices como
coeficientes no membro oposto;
Na2CO3 + HCl → NaCl + H2O + CO2
NH4Cl + Ba(OH)2 →BaCl2 + NH3 + H2O
1Na2CO3 + 2HCl → 2NaCl + 1H2O + 1CO2
2NH4Cl +1Ba(OH)2 →1BaCl2 + 2NH3 + 2H2O
MODOS DE REAÇÕES
QUANTO AO ENVOLVIMENTO DE CALOR:
 Endotérmica: ocorre com absorção de calor.
Ex.: CaCO3 + calor → CaO + CO2.
H2O(s) + calor → H2O(l)
 Exotérmica: ocorre com liberação de calor.
Ex.: 2 H2 + O2 → 2 H2O + calor
C + O2 → CO2 + calor
(Carbonato de cálcio) (óxido de cálcio)
QUANTO À VELOCIDADE
 A velocidade de uma reação química depende de
vários fatores: 
 superfície de contato entre os reagentes,
 temperatura,
 concentração dos reagentes e
 presença do catalisador.
 Rápidas:
Ex.: C2H6O + 3 O2 → 2 CO2 + 3 H2O
 Lentas:
Ex.: 4 Fe + 3 O2 → 2 Fe2O3
TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS
OXIRREDUÇÃO
 Reação onde há perda e ganho de elétrons.
 Haverá uma variação do NOX.
 O mesmo número de elétrons reagindo deve ser produzido.
 Oxidou- aquele que perdeu elétrons- aumento o NOX
 Reduziu- aquele que ganhou elétrons- diminuiu o NOX
 Agente Oxidante- quem sofreu redução
 Agente Redutor- quem sofreu oxidação
 BALANCEAMENTO:
1- Ache o NOX de cada elemento
2- Ache aquele elemento que variou o NOX
3- Monte uma tabela com aqueles que oxidaram e
reduziram e tenham as maiores atomicidades
4- Verifique quantos elétrons foram doados e
recebidos
5- coloque o número de elétrons encontrado como
coeficiente do que tenha maior atomicidade que
variou
6- Balanceie o resto por tentativas
Ex. Balanceie a equação:
P + HNO3 + H2O  H3PO4 + NO
NOX= 0 +1+5-2 +1 -2 +1+5-2 +2-2
P= oxidou (0-5= Δ=5) N=reduziu (5-2= Δ=3)
Δo=5x1=5 (multiplico pela maior atomicidade encontrada)
Δr= 3x1=3 (multiplico pela maior atomicidade encontrada)
P Δ=5 –perdeu 5 elétrons X N Δ=3- ganhou 3 elétrons
3= coeficiente de P (com maior atomicidade)
5= coeficiente de N (com maior atomicidade)
3P + 5HNO3 + H2O  H3PO4 + NO
3P + 5HNO3 + 2H2O  3H3PO4 + 5NO
 Ex. Identifique a reação de oxirredução
I- 2HCl + 2HNO3  2NO2 + Cl2 + 2H2O
II- HCl + NaOH  NaCl+ H2O
III- Zn + 2MnO2  ZnO+ Mn2O3
Qual é o agente oxidante?
I- HNO3 Cl oxidou N reduziu
III- MnO2 Zn oxidou Mn reduziu
Tarefa:
K2Cr2O7 + HCl  KCl + CrCl2 + Cl + H2O
NaBr + MnO2 + H2SO4  MnSO4 + Br2 + H2O + NaHSO4
SÍNTESE (OU ADIÇÃO):
 Reação em que duas ou mais substâncias
(simples ou compostas) originam uma única
substância composta.
Ex.: 2 CO + O2 → 2 CO2
2 H2 + O2 → 2 H2O
2 C + 3 H2 + ½ O2  C2H6O
ANÁLISE (OU DECOMPOSIÇÃO):
 Reação em que uma única substância composta
se desdobra em outras substâncias (simples ou
compostas).
Ex.: 2 HCl → H2 + Cl2 (pirólise)
2H2O2 → 2 H2 + O2 (fotólise)
2 H2O → 2 H2 + O2 (eletrólise)
DESLOCAMENTO (OU
SUBSTITUIÇÃO):
 Reação em que uma substância simples reage
com uma composta produzindo uma composta e
outra simples.
Ex.: Cl2 + 2 NaI → 2 NaCl + I2
Fe + CuSO4 → FeSO4 + Cu
 
DUPLA TROCA:
 Reação em que duas substâncias compostas
produzem duas novas substâncias compostas.
Ex.: HCl + NaOH → NaCl + H2O
NaCl + AgNO3 → AgCl + NaNO3
COMBUSTÃO:
 É a reação em que substâncias (combustíveis) e o
oxigênio reagem liberando luz, calor e outras
substâncias.
Ex.: C2H6O + 3O2 → 2CO2 + 3 H2O (completa)
C2H6O + 2O2 → 2CO + 3 H2O (incompleta)
CÁLCULOS QUÍMICOS
 Unidade de Massa atômica: Tem como símbolo u e é
definida como sendo igual a 1/12 da massa de um átomo
isótopo Carbono 12.
Ex. A massa do Flúor é 19, isso significa que seus átomos
tem massa que é 19 vezes maior que 1/12 do 12C.
Na- massa=23. Massa 23 vezes maior que 12C
 Massa Atômica: a massa de um átomo expressa com uma
unidade, u, diferente do número de massa.
Ex. 27
13Al
Numero de massa= 27
Massa atômica= 26,981538 u
 Massa atômica de um elemento: é a massa
média de todos os seus isótopos existentes de
acordo com suas proporções encontradas na
natureza. Expressa pela unidade u.
Ex. 10
B (19,9%) e 11
B (80,1%)= 200 +880= 10,8
100
 Massa Molecular: é a massa de uma molécula
de determinada substância, expressa em unidade
u.
Ex. H2O = 2H (1u cada) + 1O(16u)= 18u
- NH3 =
- SO2 =
 Constante de Avogadro: definida como é usada para
converter u (micro) em g (macro)
6,02x1023
u =1mol
1u.m.a= 1,66x10-24
g
 Mol: é a unidade SI para a grandeza “quantidade de
matéria”.
- Indica a quantidade de átomos, 1 mol de H= 6,02x1023
u
-Indica massa em g. 1mol de H2O = 18u = 18g
- Indica o volume ocupado por um gás nas CNTP (condições
normais de temperatura e pressão). Para gases que estão
nestas condições, o valor de um mol é 22,4L (litros).
CNTP: 
T=0°C = 273K
P = 1atm = 760mmHg
Ex. 2 mol de CO2 ocupa que volume nas CNTP? 2 x
22,4L = 44,8L
 Para gases que não estão nestas condições, utiliza-
se a fórmula do Gás Ideal ou Equação de
Clapeyron:
P.V = n.R.T
 Onde:
P = pressão do gás (atm)
V = volume do gás (L)
n = número de mols do gás (mol)
R = constante de Clapeyron = 0,082atm.L/mol.K
T = temperatura do gás (K)
 Número de mols (n): indica a relação entre a
massa da substancia e seu mol (massa molecular)
n=
m
mol (MM)
 Exemplo:
 Quantas gramas existem em 2 mol de CO2?
                            
 por Regra de Três:
ESTEQUIOMETRIA
 Os cálculos estequiométricos que envolvem uma
reação química consiste em encontrar as
quantidades de certas substâncias a partir de
dados de outras substâncias que participam da
mesma reação química. 
 Estes cálculos são feitos através de proporções.
 Deve-se levar em conta os coeficientes, que agora
serão chamados de coeficientes estequiométricos.
PASSO-À-PASSO
 1. fazer o balanceamento da equação química
(acertar os coeficientes estequiométricos);
 2. fazer contagem de mol de cada substância;
 3. relacionar as grandezas;
 4. calcular com regra de três (proporção).
 Ex. 1) 108g de metal alumínio reagem com o
ácido sulfúrico, produzindo o sal e hidrogênio,
segundo a reação abaixo:
 Determine:
a) o balanceamento da equação:
 2 mol de Al reage com 3 mol de H2SO4
produzindo 1 mol de Al2(SO4)3 e 3 mol de H2
 b) a massa do ácido sulfúrico necessária para
reagir com 108g de alumínio:
CÁLCULO DE PUREZA
 O cálculo de pureza é feito para determinar a
quantidade de impurezas que existem nas
substâncias. 
 Ex Uma amostra de calcita, contendo 80% de
carbonato de cálcio, sofre decomposição quando
submetida a aquecimento, de acordo com a
reação:
 Qual massa de óxido de cálcio obtida a partir da
queima de 800g de calcita?
Para o restante do cálculo, utiliza-
se somente o valor de CaCO3
puro, ou seja, 640g.
CÁLCULO DE RENDIMENTO
 Em um reação química a quantidade de produto
pode ser inferior ao valor esperado. Neste caso, o
rendimento não foi total. 
 O cálculo de rendimento de uma reação química é
feito a partir da quantidade obtida de produto e a
quantidade teórica (que deveria ser obtida).
 Quando não houver referência ao rendimento de
reação envolvida, supõe-se que ele tenha sido de
100%.
 Ex. Num processo de obtenção de ferro a partir
do minério hematita (Fe2O3), considere a
equação química não-balanceada:
Utilizando–se 480g do minério e admitindo-se um
rendimento de 80% na reação, a quantidade de
ferro produzida será de:
Equação Balanceada: 
Dados:  1Fe2O3 = 480g                                               
2Fe = x (m) com 80% de rendimento
MM Fe2O3 = 160g/mol
m Fe = 56g/mol
R= massa obtida
massa esperada
REAGENTE LIMITANTE E EM
EXCESSO
 Para garantir que a reação ocorra e para ocorrer mais
rápido, é adicionado, geralmente, um excesso de
reagente.
 Apenas um dos reagentes estará em excesso. O outro
reagente será o limitante.
 Estes cálculos podem ser identificados quando o
problema apresenta dois valores de reagentes.
 Depois de descobrir o reagente limitante e em excesso,
utiliza-se apenas o limitante como base para os
cálculos estequiométricos. 
 Ex. 1) Zinco e enxofre reagem para formar sulfeto
de zinco de acordo com a seguinte reação:
 Reagiu 30g de zinco e 36g de enxofre. Qual é o
regente em excesso?
Balancear a reação química: 
Dados:
Zn = 30g
S = 36g
 Transformar a massa em gramas para mol:
 Pela proporção da reação 1mol de Zn reage com 1mol de S.
Então 0,46mol de Zn reage com quantos mols de S?
 S está em excesso e, portanto o Zn é o regente limitante.
 2) Quantos gramas de ZnS será formado a partir
dos dados da equação acima?
 Para resolver esta pergunta, utiliza-se somente o
valor do reagente limitante.
LEIS DAS REAÇÕES
QUÍMICAS
LEI DA CONSERVAÇÃO DAS MASSAS
 Proposta por Lavoisier afirma que “numa reação
química, em sistema fechado, a soma das massas
dos reagentes é igual à soma das massas dos
produtos”.
 Ou seja, nada se perde, nada se cria, tudo se
transforma.
2 H2 + O2 → 2 H2O
4 u 32 u 36 u
LEI DAS PROPORÇÕES DEFINIDAS
 Proposta por Proust:
“Quando duas ou mais substancias se combinam
para formar um composto, elas devem guardar
entre si proporções certas e definidas”.
 Os reagentes se combinam na proporção de suas
massas
2 H2 + O2 → 2 H2O
2u 16 u 18 u
4u 32 u 36 u
MASSA ATÔMICA
MASSA MOLECULAR
x2
etc
1/12 da massa de C
2 H2 + O2 → 2 H2O
2u 16 u 18 u
(MDC)
2 H2 + O2 → 2 H2O
1u 8 u
FÓRMULA MÍNIMA E FÓRMULA
MOLECULAR
 Ex. A composição centesimal de determinado
composto é dada por: 40,00% de C, 6,67% de H e
53,33% de O.
 Considerando uma massa de 100 g de amostra do
composto temos: 40 g de C, 6,67 g de H e 53,33 g de O.
 Passar esses valores para a quantidade de matéria
(mol). C: 40/12 = 3,33. H: 6,67/1 = 6,67. O: 53,33/16 =
3,33
 Dividir todos os valores pelo menor deles: C: 3,33/3,33
= 1. H: 6,67/3,33 = 2. O: 3,33/3,33 = 1
C1H2O1 ou CH2O.
FÓRMULA MOLECULAR A PARTIR
DA FÓRMULA MÍNIMA
 Ex. Fórmula mínima (CH2O)n
 n= massa molecular
massa da fórmula mínima
MM= 180g/mol
n= 180/30= 6
(CH2O)6 = C6H12O6
 Ex. MM= 90g/mol
 (CH2O)n
 Encontre a fórmula molecular
FÓRMULA PERCENTUAL OU
CENTESIMAL
 Indica a massa de cada elemento químico que
existe em 100 partes de massa (100 g, 100 kg) da
substância.
 Ou use a regra de três
 Ex. Determine a fórmula percentual de um sal
inorgânico, sendo que a análise de sua amostra
indicou que em 50 g dessa substância existem 20
g de cálcio, 6 g de carbono e 24 g de oxigênio.
cálcio = 20 g . 100% = 40 %
          50 g
carbono = 6  g . 100% = 12 %
              50 g
oxigênio = 24  g . 100% = 48 %
              50 g
fórmula centesimal:Ca40%C12%O48%
 Ex. Qual a fórmula centesimal de Fe2O3
 Fe2= 112g O3= 48g MM= 160g/mol
 160 – 100%
 112 – Fe
 Fe= 70% logo
 O= 30%
FIIIIIMMMMM !!!FIIIIIMMMMM !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
Nai Mariano
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
daiaprof
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
loirissimavivi
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
Joanna de Paoli
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
Thiago
 

Mais procurados (20)

Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Equilíbrio iônico
Equilíbrio iônicoEquilíbrio iônico
Equilíbrio iônico
 
Aula Digital de Química - Óxidos
Aula Digital de Química - ÓxidosAula Digital de Química - Óxidos
Aula Digital de Química - Óxidos
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e Solubilidade
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Reações inorgânicas
Reações inorgânicas Reações inorgânicas
Reações inorgânicas
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
 
Pilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímicaPilhas - eletroquímica
Pilhas - eletroquímica
 
Plano de aula_química
Plano de aula_químicaPlano de aula_química
Plano de aula_química
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Equilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o anoEquilibrio Químico 3o ano
Equilibrio Químico 3o ano
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Reações químicas ppt
Reações químicas pptReações químicas ppt
Reações químicas ppt
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS Nomenclatura dos COMPOSTOS  ORGÂNICOS
Nomenclatura dos COMPOSTOS ORGÂNICOS
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 

Destaque

Funções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
Funções Inorgânicas - Prof. Fernando AbreuFunções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
Funções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp0104 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
ferfla10
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
Rafael Nishikawa
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
Fagner Aquino
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica
Alex Junior
 
Slide 1 cálculos químicos
Slide 1   cálculos químicosSlide 1   cálculos químicos
Slide 1 cálculos químicos
samuelr81
 
Sandrogreco Aula 9 Quim. Org. AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
Sandrogreco Aula 9   Quim. Org.   AdiçãO NucleofíLica Em Compostos CarboniladosSandrogreco Aula 9   Quim. Org.   AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
Sandrogreco Aula 9 Quim. Org. AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
Profª Cristiana Passinato
 

Destaque (20)

Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
 
Reação química
Reação químicaReação química
Reação química
 
Funções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
Funções Inorgânicas - Prof. Fernando AbreuFunções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
Funções Inorgânicas - Prof. Fernando Abreu
 
Termoquímica - Regência na UNIGRANRIO
Termoquímica - Regência na UNIGRANRIOTermoquímica - Regência na UNIGRANRIO
Termoquímica - Regência na UNIGRANRIO
 
Funções inorgânicas (acidos bases)
Funções inorgânicas (acidos  bases)Funções inorgânicas (acidos  bases)
Funções inorgânicas (acidos bases)
 
Funções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 snoFunções inorgânicas 9 sno
Funções inorgânicas 9 sno
 
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp0104 estequiometria-100801162153-phpapp01
04 estequiometria-100801162153-phpapp01
 
Cálculos químicos: proporções
Cálculos químicos: proporçõesCálculos químicos: proporções
Cálculos químicos: proporções
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
QUÍMICA - FUNÇÕES INORGÂNICAS.
 
NOMENCLATURA DAS FUNÇÕES INORGANICAS
NOMENCLATURA DAS FUNÇÕES INORGANICASNOMENCLATURA DAS FUNÇÕES INORGANICAS
NOMENCLATURA DAS FUNÇÕES INORGANICAS
 
Química Inorgânica
Química Inorgânica Química Inorgânica
Química Inorgânica
 
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30   tipos de reações - 1º anoAulas 29 e 30   tipos de reações - 1º ano
Aulas 29 e 30 tipos de reações - 1º ano
 
Reacoes quimicas e estequiometria
Reacoes quimicas e estequiometriaReacoes quimicas e estequiometria
Reacoes quimicas e estequiometria
 
Slide 1 cálculos químicos
Slide 1   cálculos químicosSlide 1   cálculos químicos
Slide 1 cálculos químicos
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão  www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química -  Balanceamento Por Oxirreducão
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Química - Balanceamento Por Oxirreducão
 
Sais
SaisSais
Sais
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)www.AulasParticularesApoio.Com - Química -  Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
www.AulasParticularesApoio.Com - Química - Cálculo Estequiométrico (Parte 1)
 
Sandrogreco Aula 9 Quim. Org. AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
Sandrogreco Aula 9   Quim. Org.   AdiçãO NucleofíLica Em Compostos CarboniladosSandrogreco Aula 9   Quim. Org.   AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
Sandrogreco Aula 9 Quim. Org. AdiçãO NucleofíLica Em Compostos Carbonilados
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 

Semelhante a Funções Inorgânicas e Reações Químicas

Apresentação funções inorgânicas
Apresentação funções inorgânicasApresentação funções inorgânicas
Apresentação funções inorgânicas
RenanKiev
 
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .pptAula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
ssuser46216d
 
Funções inorgânicas bases
Funções inorgânicas   basesFunções inorgânicas   bases
Funções inorgânicas bases
Rafael Nishikawa
 
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
CarolAlencar11
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
estead2011
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
estead2011
 
24 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-824 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-8
Edlas Junior
 

Semelhante a Funções Inorgânicas e Reações Químicas (20)

Propriedade química e reações químicas
Propriedade química e reações químicasPropriedade química e reações químicas
Propriedade química e reações químicas
 
Messages
MessagesMessages
Messages
 
Apresentação funções inorgânicas
Apresentação funções inorgânicasApresentação funções inorgânicas
Apresentação funções inorgânicas
 
Apresentação Funções Inorgânicas
Apresentação Funções InorgânicasApresentação Funções Inorgânicas
Apresentação Funções Inorgânicas
 
1- aula 1 - funções inorgânicas compl.pptx
1- aula 1 - funções inorgânicas compl.pptx1- aula 1 - funções inorgânicas compl.pptx
1- aula 1 - funções inorgânicas compl.pptx
 
TRABALHO DE QUÍMICA.pdf
TRABALHO DE QUÍMICA.pdfTRABALHO DE QUÍMICA.pdf
TRABALHO DE QUÍMICA.pdf
 
Oxidos
OxidosOxidos
Oxidos
 
Funcoes inorganicas completo
Funcoes inorganicas completoFuncoes inorganicas completo
Funcoes inorganicas completo
 
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .pptAula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
Aula sobre Funções Inorgânicas - química .ppt
 
www.CentroApoio.com - Química - Funções Inorgânicas
www.CentroApoio.com - Química - Funções Inorgânicaswww.CentroApoio.com - Química - Funções Inorgânicas
www.CentroApoio.com - Química - Funções Inorgânicas
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
Funções inorgânicas bases
Funções inorgânicas   basesFunções inorgânicas   bases
Funções inorgânicas bases
 
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
Descrição dos tipos de funções químicas, suas propriedades e seus efeitos quí...
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
 
Funcoes inorganicas
Funcoes inorganicasFuncoes inorganicas
Funcoes inorganicas
 
Funções Inorganicas[1] (1)
Funções Inorganicas[1] (1)Funções Inorganicas[1] (1)
Funções Inorganicas[1] (1)
 
24 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-824 xidos-2-1216605956716891-8
24 xidos-2-1216605956716891-8
 
Sal e oxidos
Sal e oxidosSal e oxidos
Sal e oxidos
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
 
Aula 10 _reações quimicas
Aula 10 _reações quimicasAula 10 _reações quimicas
Aula 10 _reações quimicas
 

Mais de Carlos Priante

Mais de Carlos Priante (20)

Botânica- resumo
Botânica- resumoBotânica- resumo
Botânica- resumo
 
Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumo
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumo
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
 
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosLista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
 
Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
 
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservação
 
Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 
Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria
 
Isomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaIsomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química Orgânica
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Mapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasMapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de Ciências
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosLista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

Funções Inorgânicas e Reações Químicas

  • 2. Energia = Luminosa ou química Matéria = Orgânica ou Inorgânica
  • 3. EXISTEM 4 PRINCIPAIS FUNÇÕES INORGÂNICAS: Ácidos BasesSais Óxidos
  • 4. ÁCIDOS  É toda substância que quando dissolvida em água forma o cátion H+. • Têm sabor azedo •Alguns possuem alto poder corrosivo (clorídrico, sulfúrico, etc) •Reagem com metais. •Conduzem corrente elétrica quando em solução aquosa
  • 5.  Em agua produz íons:  HCl H+ + Cl- Monoácidos  H2SO4 2H+ + SO4 Diácidos  HClO  H3PO4  Quanto mais H libera e mais facil, mais forte é. (Hidrácitos)  Subtrai a quantidade de O pela H (OXIÁCIDOS) Escala 2,3...1...0 IONIZAÇÃO H2O H2O 2- H2O H2O
  • 6. NOMENCLATURA: •Para ácidos não oxigenados (HIDRÁCIDOS), usamos a terminação IDRICO. •Exemplo:      • HCl – ácido clorídrico      • H2S – ácido sulfídrico     • H2Se –ácido selenídrico •Para ácidos oxigenados (OXIÁCIDOS), se o elemento possuir somente uma valência,usamos a terminação ICO. •Exemplo: H2CO3 – ácido carbônico H3BO3 – ácido bórico Se o elemento tiver 2 valências, para a maior usamos ICO e para a menor OSO. •Exemplos: H2SO3 – ácido sulfuroso H2SO4 – ácido sulfúrico HNO2 – ácido nitroso HNO3 – ácido nítrico
  • 7.
  • 8. BASES  São substâncias que, quando adicionadas à água, produzem o ânion OH (hidróxidos).⁻  As bases são formadas com a união da hidroxila com um metal (cátion)  Possuem alto poder corrosivo (soda cáustica NaOH)  Tem sabor adstringente  Possuem alta condutividade elétrica  As bases diminuem a acidez das soluções  Forte: com metal 1ª e 2ª, Fraca: todas as outras e com Mg e Be
  • 9.  Se o elemento possuir somente uma valência (NOX fixo), usamos a expressão “hidróxido de” seguida do nome do elemento. Exemplo: NaOH – hidróxido de sódio Ca(OH)2 – hidróxido de cálcio Monobase Dibase  Se o elemento possuir duas valências (NOX variavel), usamos a expressão “hidróxido de” seguida do nome do elemento e os sufixos OSO e ICO, ou então a valência em números romanos. Exemplo: Fe(OH)2 – hidróxido ferroso ou hidróxido de ferro II Fe(OH)3 – hidróxido férrico ou hidróxido de ferro III NOMENCLATURA:
  • 10.
  • 11. O PH DE UMA SOLUÇÃO pH significa potencial hidrogeniônico, que é definido dentro de uma escala de 0 a 14. pH<7 Solução ácida pH=7 Solução neutra pH>7 Solução básica
  • 12.
  • 13. SAIS  Os sais são compostos iônicos que possuem pelo menos um cátion diferente de H+ e um ânion diferente de OH-  De maneira geral este cátion é um metal e o ânion um não- metal.  Possuem sabor salgado,  Possuem ação bactericida,  Possuem alta condutividade elétrica
  • 14.  Ocorre quando um ácido reage com uma base produzindo um SAL e agua  HCl + NaOH NaCl + H2O  H2SO4 + Ca(OH) REAÇÃO DE NEUTRALIZAÇÃO BINÁRIO TERNÁRIO
  • 15. NOMENCLATURA:  Os sais sem oxigênio mudam a terminação IDRICO para a terminação ETO. Exemplo: CaS – sulfeto de cálcio, vem do ácido sulfídrico RbF – fluoreto de rubídio, vem do ácido fluorídrico  Os sais oxigenados de menor valência mudam a terminação OSO para ITO. Exemplo: Na2SO3 – sulfito de sódio, vem do ácido sulfuroso (Na2=H2 ----- H2SO3) LiNO2 – nitrito de lítio, vem do ácido nitroso Li1=H1-----------HNO2)  Os sais oxigenados de maior valência mudam a terminação ICO para ATO. Exemplo: Na2SO4 – sulfato de sódio, vem do ácido sulfúrico NaClO3 – clorato de sódio, vem do ácido clórico.
  • 16. mosquITO teimOSO, te mATO te pICO, te mETO no vIDRICO
  • 17. ÓXIDOS  São compostos binários, ou seja, formados por dois elementos químicos, sendo um deles o oxigênio e o outro qualquer outro elemento químico (exceto o flúor).  Como o O pode se ligar a qualquer elemento, as características desta função irá variar de acordo com o elemento a qual ele se ligar.  Os Óxidos são inodoros e insípidos  São, em geral, tóxicos (poluentes)  Alguns óxidos reagem com água, produzindo ácidos ou bases.
  • 18.  OXIDOS BASICOS (Se reagir com agua forma base) O +METAL (nox menor ou = 3) Na2O + H2O = 2NaOH CaO + H2O = FeO + H2O =  OXIDOS ÁCIDOS (Se reagir com agua forma acido) O + AMETAL (nox maior ou =4) SO3 + H2O =H2SO4 CO2 + H2O = N2O5 + H2O =
  • 19.  Se o elemento possuir somente uma valência, usamos a expressão “óxido de” seguida do nome do elemento. BaO – óxido de bário K2O – óxido de potássio  Se o elemento possuir duas valências, usamos a expressão “óxido de” seguida do nome do elemento e os sufixos OSO e ICO, ou então a valência em números romanos.  Cu2O – óxido cuproso ou óxido de cobre I  CuO – óxido cúprico ou óxido de cobre II  NiO – óxido niqueloso ou óxido de níquel II  Ni2O3 – óxido niquélico ou óxido de níquel III NOMENCLATURA:
  • 20.
  • 21. HCl HF H2SO4  NaOHMg(OH)2  Hidróxido de Cálcio NH4OH  NaCl Cloreto de potássio Na2CO3 Al2(SO4)3  CO CaO Pb3O4 Ácido Clorídrico Óxido de cálcio KCl Hidróxido de Magnésio Ácido sulfúrico Hidróxido de Sódio Ca(OH)2  Carbonato de Sódio Óxido de chumbo Cloreto de sódio Hidróxido de amônio Monóxido de Carbono Ácido fluorídrico Sulfato de alumínio
  • 23.  As substancias que participam de uma reação química deixam de existir e dão origem a uma nova substancia.  Há o rompimento das ligações entre os átomos destas substâncias, eles se rearranjam e há a formação de novas ligações químicas.  Através do estudo destas reações pode-se criar novas substancias, como os plásticos. É UM PROCESSO PELO QUAL CERTAS SUBSTÂNCIAS SÃO TRANSFORMADAS EM OUTRAS, EM CONSEQUÊNCIA DE REARRANJO DE SEUS ÁTOMOS.
  • 24. EVIDÊNCIAS DE REAÇÕES QUÍMICAS  mudança de cor;  liberação de gases (efervescência);  formação de um sólido (precipitado);  aparecimento de uma chama ou luminosidade.
  • 25.
  • 26.  Ao misturar um ácido e uma base se inicia uma reação química que irá produzir um sal e água.  Podemos dizer que: Uma molécula de ácido sulfúrico reage com duas moléculas de hidróxido de potássio resultando em uma molécula de sulfato de potássio e duas moléculas de água.  Isto não é muito prático e pessoas de outras nações terão dificuldade de entender.  Assim, as reações químicas são descritas graficamente em Equações, uma linguagem internacional.
  • 27.  Assim está mais fácil, prático, rápido e qualquer um com conhecimento poderá interpretar a reação: ácido sulfúrico hidróxido de potássio sulfato de potássio água
  • 28. EQUAÇÃO QUÍMICA:  É a representação de uma reação química, indicando os reagentes e seus produtos.  Na equação química temos:  Coeficientes: (os números que vem antes nas fórmulas) indicam a proporção entre reagentes e produtos;  Índices (os números que vem depois nos símbolos dos elementos): indicam o número de átomos presentes nas substâncias.
  • 30. EQUAÇÃO NÃO-BALANCEADA:  O número de átomos do produto é diferente do número de átomos dos reagentes. H2 + O2 → H2O EQUAÇÃO BALANCEADA:  Quando o número de átomos do produto é igual ao número de átomos dos reagentes. 2H2 + O2 → 2H2O
  • 31. MÉTODO DAS TENTATIVAS:  Para fazer o acerto dos coeficientes utiliza-se o método das tentativas: deve-se contar o número de átomos dos reagentes e dos produtos e equaliza-los.  Nesta ordem: 1º) Metais 2º) Não-Metais 3º) Oxigênio 4º) Hidrogênio  Dica: Iniciar o balanceamento com os elementos que aparecem uma só vez em ambos os membros; selecionar o elemento de maior índice e utilizar esses índices como coeficientes no membro oposto;
  • 32. Na2CO3 + HCl → NaCl + H2O + CO2 NH4Cl + Ba(OH)2 →BaCl2 + NH3 + H2O 1Na2CO3 + 2HCl → 2NaCl + 1H2O + 1CO2 2NH4Cl +1Ba(OH)2 →1BaCl2 + 2NH3 + 2H2O
  • 33. MODOS DE REAÇÕES QUANTO AO ENVOLVIMENTO DE CALOR:  Endotérmica: ocorre com absorção de calor. Ex.: CaCO3 + calor → CaO + CO2. H2O(s) + calor → H2O(l)  Exotérmica: ocorre com liberação de calor. Ex.: 2 H2 + O2 → 2 H2O + calor C + O2 → CO2 + calor (Carbonato de cálcio) (óxido de cálcio)
  • 34. QUANTO À VELOCIDADE  A velocidade de uma reação química depende de vários fatores:   superfície de contato entre os reagentes,  temperatura,  concentração dos reagentes e  presença do catalisador.  Rápidas: Ex.: C2H6O + 3 O2 → 2 CO2 + 3 H2O  Lentas: Ex.: 4 Fe + 3 O2 → 2 Fe2O3
  • 35. TIPOS DE REAÇÕES QUÍMICAS OXIRREDUÇÃO  Reação onde há perda e ganho de elétrons.  Haverá uma variação do NOX.  O mesmo número de elétrons reagindo deve ser produzido.  Oxidou- aquele que perdeu elétrons- aumento o NOX  Reduziu- aquele que ganhou elétrons- diminuiu o NOX  Agente Oxidante- quem sofreu redução  Agente Redutor- quem sofreu oxidação
  • 36.  BALANCEAMENTO: 1- Ache o NOX de cada elemento 2- Ache aquele elemento que variou o NOX 3- Monte uma tabela com aqueles que oxidaram e reduziram e tenham as maiores atomicidades 4- Verifique quantos elétrons foram doados e recebidos 5- coloque o número de elétrons encontrado como coeficiente do que tenha maior atomicidade que variou 6- Balanceie o resto por tentativas
  • 37. Ex. Balanceie a equação: P + HNO3 + H2O  H3PO4 + NO NOX= 0 +1+5-2 +1 -2 +1+5-2 +2-2 P= oxidou (0-5= Δ=5) N=reduziu (5-2= Δ=3) Δo=5x1=5 (multiplico pela maior atomicidade encontrada) Δr= 3x1=3 (multiplico pela maior atomicidade encontrada) P Δ=5 –perdeu 5 elétrons X N Δ=3- ganhou 3 elétrons 3= coeficiente de P (com maior atomicidade) 5= coeficiente de N (com maior atomicidade) 3P + 5HNO3 + H2O  H3PO4 + NO 3P + 5HNO3 + 2H2O  3H3PO4 + 5NO
  • 38.  Ex. Identifique a reação de oxirredução I- 2HCl + 2HNO3  2NO2 + Cl2 + 2H2O II- HCl + NaOH  NaCl+ H2O III- Zn + 2MnO2  ZnO+ Mn2O3 Qual é o agente oxidante? I- HNO3 Cl oxidou N reduziu III- MnO2 Zn oxidou Mn reduziu Tarefa: K2Cr2O7 + HCl  KCl + CrCl2 + Cl + H2O NaBr + MnO2 + H2SO4  MnSO4 + Br2 + H2O + NaHSO4
  • 39. SÍNTESE (OU ADIÇÃO):  Reação em que duas ou mais substâncias (simples ou compostas) originam uma única substância composta. Ex.: 2 CO + O2 → 2 CO2 2 H2 + O2 → 2 H2O 2 C + 3 H2 + ½ O2  C2H6O
  • 40. ANÁLISE (OU DECOMPOSIÇÃO):  Reação em que uma única substância composta se desdobra em outras substâncias (simples ou compostas). Ex.: 2 HCl → H2 + Cl2 (pirólise) 2H2O2 → 2 H2 + O2 (fotólise) 2 H2O → 2 H2 + O2 (eletrólise)
  • 41. DESLOCAMENTO (OU SUBSTITUIÇÃO):  Reação em que uma substância simples reage com uma composta produzindo uma composta e outra simples. Ex.: Cl2 + 2 NaI → 2 NaCl + I2 Fe + CuSO4 → FeSO4 + Cu  
  • 42. DUPLA TROCA:  Reação em que duas substâncias compostas produzem duas novas substâncias compostas. Ex.: HCl + NaOH → NaCl + H2O NaCl + AgNO3 → AgCl + NaNO3
  • 43. COMBUSTÃO:  É a reação em que substâncias (combustíveis) e o oxigênio reagem liberando luz, calor e outras substâncias. Ex.: C2H6O + 3O2 → 2CO2 + 3 H2O (completa) C2H6O + 2O2 → 2CO + 3 H2O (incompleta)
  • 44. CÁLCULOS QUÍMICOS  Unidade de Massa atômica: Tem como símbolo u e é definida como sendo igual a 1/12 da massa de um átomo isótopo Carbono 12. Ex. A massa do Flúor é 19, isso significa que seus átomos tem massa que é 19 vezes maior que 1/12 do 12C. Na- massa=23. Massa 23 vezes maior que 12C  Massa Atômica: a massa de um átomo expressa com uma unidade, u, diferente do número de massa. Ex. 27 13Al Numero de massa= 27 Massa atômica= 26,981538 u
  • 45.  Massa atômica de um elemento: é a massa média de todos os seus isótopos existentes de acordo com suas proporções encontradas na natureza. Expressa pela unidade u. Ex. 10 B (19,9%) e 11 B (80,1%)= 200 +880= 10,8 100  Massa Molecular: é a massa de uma molécula de determinada substância, expressa em unidade u. Ex. H2O = 2H (1u cada) + 1O(16u)= 18u - NH3 = - SO2 =
  • 46.  Constante de Avogadro: definida como é usada para converter u (micro) em g (macro) 6,02x1023 u =1mol 1u.m.a= 1,66x10-24 g  Mol: é a unidade SI para a grandeza “quantidade de matéria”. - Indica a quantidade de átomos, 1 mol de H= 6,02x1023 u -Indica massa em g. 1mol de H2O = 18u = 18g - Indica o volume ocupado por um gás nas CNTP (condições normais de temperatura e pressão). Para gases que estão nestas condições, o valor de um mol é 22,4L (litros). CNTP:  T=0°C = 273K P = 1atm = 760mmHg
  • 47. Ex. 2 mol de CO2 ocupa que volume nas CNTP? 2 x 22,4L = 44,8L  Para gases que não estão nestas condições, utiliza- se a fórmula do Gás Ideal ou Equação de Clapeyron: P.V = n.R.T  Onde: P = pressão do gás (atm) V = volume do gás (L) n = número de mols do gás (mol) R = constante de Clapeyron = 0,082atm.L/mol.K T = temperatura do gás (K)
  • 48.
  • 49.  Número de mols (n): indica a relação entre a massa da substancia e seu mol (massa molecular) n= m mol (MM)  Exemplo:  Quantas gramas existem em 2 mol de CO2?                               por Regra de Três:
  • 50.
  • 51.
  • 52. ESTEQUIOMETRIA  Os cálculos estequiométricos que envolvem uma reação química consiste em encontrar as quantidades de certas substâncias a partir de dados de outras substâncias que participam da mesma reação química.   Estes cálculos são feitos através de proporções.  Deve-se levar em conta os coeficientes, que agora serão chamados de coeficientes estequiométricos.
  • 53. PASSO-À-PASSO  1. fazer o balanceamento da equação química (acertar os coeficientes estequiométricos);  2. fazer contagem de mol de cada substância;  3. relacionar as grandezas;  4. calcular com regra de três (proporção).
  • 54.  Ex. 1) 108g de metal alumínio reagem com o ácido sulfúrico, produzindo o sal e hidrogênio, segundo a reação abaixo:  Determine: a) o balanceamento da equação:  2 mol de Al reage com 3 mol de H2SO4 produzindo 1 mol de Al2(SO4)3 e 3 mol de H2
  • 55.  b) a massa do ácido sulfúrico necessária para reagir com 108g de alumínio:
  • 56. CÁLCULO DE PUREZA  O cálculo de pureza é feito para determinar a quantidade de impurezas que existem nas substâncias.   Ex Uma amostra de calcita, contendo 80% de carbonato de cálcio, sofre decomposição quando submetida a aquecimento, de acordo com a reação:
  • 57.  Qual massa de óxido de cálcio obtida a partir da queima de 800g de calcita? Para o restante do cálculo, utiliza- se somente o valor de CaCO3 puro, ou seja, 640g.
  • 58. CÁLCULO DE RENDIMENTO  Em um reação química a quantidade de produto pode ser inferior ao valor esperado. Neste caso, o rendimento não foi total.   O cálculo de rendimento de uma reação química é feito a partir da quantidade obtida de produto e a quantidade teórica (que deveria ser obtida).  Quando não houver referência ao rendimento de reação envolvida, supõe-se que ele tenha sido de 100%.
  • 59.  Ex. Num processo de obtenção de ferro a partir do minério hematita (Fe2O3), considere a equação química não-balanceada: Utilizando–se 480g do minério e admitindo-se um rendimento de 80% na reação, a quantidade de ferro produzida será de:
  • 60. Equação Balanceada:  Dados:  1Fe2O3 = 480g                                                2Fe = x (m) com 80% de rendimento MM Fe2O3 = 160g/mol m Fe = 56g/mol R= massa obtida massa esperada
  • 61. REAGENTE LIMITANTE E EM EXCESSO  Para garantir que a reação ocorra e para ocorrer mais rápido, é adicionado, geralmente, um excesso de reagente.  Apenas um dos reagentes estará em excesso. O outro reagente será o limitante.  Estes cálculos podem ser identificados quando o problema apresenta dois valores de reagentes.  Depois de descobrir o reagente limitante e em excesso, utiliza-se apenas o limitante como base para os cálculos estequiométricos. 
  • 62.  Ex. 1) Zinco e enxofre reagem para formar sulfeto de zinco de acordo com a seguinte reação:  Reagiu 30g de zinco e 36g de enxofre. Qual é o regente em excesso? Balancear a reação química:  Dados: Zn = 30g S = 36g
  • 63.  Transformar a massa em gramas para mol:  Pela proporção da reação 1mol de Zn reage com 1mol de S. Então 0,46mol de Zn reage com quantos mols de S?  S está em excesso e, portanto o Zn é o regente limitante.
  • 64.  2) Quantos gramas de ZnS será formado a partir dos dados da equação acima?  Para resolver esta pergunta, utiliza-se somente o valor do reagente limitante.
  • 65. LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS LEI DA CONSERVAÇÃO DAS MASSAS  Proposta por Lavoisier afirma que “numa reação química, em sistema fechado, a soma das massas dos reagentes é igual à soma das massas dos produtos”.  Ou seja, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma. 2 H2 + O2 → 2 H2O 4 u 32 u 36 u
  • 66. LEI DAS PROPORÇÕES DEFINIDAS  Proposta por Proust: “Quando duas ou mais substancias se combinam para formar um composto, elas devem guardar entre si proporções certas e definidas”.  Os reagentes se combinam na proporção de suas massas 2 H2 + O2 → 2 H2O 2u 16 u 18 u 4u 32 u 36 u MASSA ATÔMICA MASSA MOLECULAR x2 etc 1/12 da massa de C
  • 67. 2 H2 + O2 → 2 H2O 2u 16 u 18 u (MDC) 2 H2 + O2 → 2 H2O 1u 8 u
  • 68. FÓRMULA MÍNIMA E FÓRMULA MOLECULAR
  • 69.
  • 70.  Ex. A composição centesimal de determinado composto é dada por: 40,00% de C, 6,67% de H e 53,33% de O.  Considerando uma massa de 100 g de amostra do composto temos: 40 g de C, 6,67 g de H e 53,33 g de O.  Passar esses valores para a quantidade de matéria (mol). C: 40/12 = 3,33. H: 6,67/1 = 6,67. O: 53,33/16 = 3,33  Dividir todos os valores pelo menor deles: C: 3,33/3,33 = 1. H: 6,67/3,33 = 2. O: 3,33/3,33 = 1 C1H2O1 ou CH2O.
  • 71. FÓRMULA MOLECULAR A PARTIR DA FÓRMULA MÍNIMA  Ex. Fórmula mínima (CH2O)n  n= massa molecular massa da fórmula mínima MM= 180g/mol n= 180/30= 6 (CH2O)6 = C6H12O6
  • 72.  Ex. MM= 90g/mol  (CH2O)n  Encontre a fórmula molecular
  • 73. FÓRMULA PERCENTUAL OU CENTESIMAL  Indica a massa de cada elemento químico que existe em 100 partes de massa (100 g, 100 kg) da substância.  Ou use a regra de três
  • 74.  Ex. Determine a fórmula percentual de um sal inorgânico, sendo que a análise de sua amostra indicou que em 50 g dessa substância existem 20 g de cálcio, 6 g de carbono e 24 g de oxigênio. cálcio = 20 g . 100% = 40 %           50 g carbono = 6  g . 100% = 12 %               50 g oxigênio = 24  g . 100% = 48 %               50 g fórmula centesimal:Ca40%C12%O48%
  • 75.  Ex. Qual a fórmula centesimal de Fe2O3  Fe2= 112g O3= 48g MM= 160g/mol  160 – 100%  112 – Fe  Fe= 70% logo  O= 30%