SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 77
Anatomia e Fisiologia
AULA 8
Prof. Carlos Priante
Órgãos e SistemasÓrgãos e Sistemas
ÓRGÃOS: São agrupamentos de tecidos
• Por quê a pele não é um tecido e sim um órgão?
•Estômago = possui tecido epitelial+ tecido muscular +
tecido conjuntivo + tecido nervoso
Outro Exemplo:
•DermeDerme (tecido conjuntivo)e epidermeepiderme (tecido epitelial)
•.....esses órgãos, em conjunto, também realizam funções
específicas no nosso corpo
• Um órgão não funciona isoladamente dos outros: ele
necessita de outras estruturas e órgãos do corpo para realizar
seu trabalho.....
•Um conjunto de órgãos que desempenham função
semelhante é denominado SISTEMA
Principais sistemas
e seus
Principais órgãos envolvidos
 Sistema Digestivo: realiza as funções relacionadas
com a digestão dos alimentos e a absorção de
nutrientes. Órgãos: boca, faringe, esôfago, fígado,
estômago, intestino e pâncreas.
 Por meio da mastigação, os dentes reduzem os
alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à
saliva, o que irá facilitar a futura ação das enzimas.
 A língua movimenta o bolo alimentar empurrando-o
em direção a faringe e esôfago, para que seja
engolido. Na superfície da língua existem dezenas de
papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os
quatro sabores primários: doce, azedo, salgado e
amargo.
 A presença de alimento na boca, como sua visão e
cheiro, estimula as glândulas salivares a secretar
saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina,
além de sais e outras substâncias.
 A amilase salivar digere o amido e outros
polissacarídeos (como o glicogênio), reduzindo-os em
moléculas de maltose (dissacarídeo). O sais, na saliva,
neutralizam substâncias ácidas e mantêm, na boca, um
pH levemente ácido (6, 7)
 No estômago, o alimento é misturado com a secreção
estomacal, o suco gástrico (solução rica em ácido
clorídrico e em enzimas (pepsina e renina) formando o
quimo.
 A pepsina decompõe as proteínas em peptídeos
pequenos. A renina, produzida em grande quantidade
no estômago de recém-nascidos, separa o leite em
frações líquidas e sólidas.
 O intestino delgado é dividido em três regiões:
duodeno, jejuno e íleo. A digestão do quimo ocorre
predominantemente no duodeno e nas primeiras
porções do jejuno.
 No duodeno atua também o suco pancreático,
produzido pelo pâncreas, que contêm diversas
enzimas digestivas. Outra secreção que atua no
duodeno é a bile, produzida no fígado, que apesar de
não conter enzimas, tem a importante função, entre
outras, de transformar gorduras em gotículas
microscópicas.
 O álcool etílico, alguns sais e a água, podem ser
absorvidos diretamente no estômago. A maioria dos
nutrientes são absorvidos pela mucosa do intestino
delgado, de onde passa para a corrente sanguínea.
 Os restos de uma refeição levam cerca de nove horas
para chegar ao intestino grosso, onde permanece por
três dias aproximadamente. Durante este período,
parte da água e sais é absorvida.
 O reto, parte final do intestino grosso, fica geralmente
vazio, enchendo-se de fezes pouco antes da defecação.
A distensão provocada pela presença de fezes estimula
terminações nervosas do reto, permitindo a expulsão
de fezes, processo denominado defecação.
 Sistema Respiratório: realiza as trocas gasosas,
captando gás oxigênio que será utilizados pelas células e
eliminando o gás carbônico. Órgãos: nariz, cavidade
nasal dividida em duas fossas nasais, faringe, laringe,
traquéia, brônquios e pulmões com bronquíolos e
alvéolos.
 Nos alvéolos pulmonares, o oxigênio (O2) passa
para o sangue (glóbulos vermelhos), enquanto o gás
carbônico (CO2) o abandona.
 Narinas: São os dois orifícios no nariz, é por lá que o
ar entra. Os pelos no nariz são o primeiro filtro. Eles
vão reter as sujeiras maiores como outros pelos, locos
de poeira, etc.
 Cavidade nasal: fica logo depois das narinas. Lá está o
segundo filtro: um muco que vai reter as sujeiras.
Também ocorrem na cavidade nasal, outros dois
processos: o umedecimento e o aquecimento
(vasos sanguíneos) do ar que entra para facilitar a
troca gasosa
 Faringe: A faringe é um local comum para o sistema
digestório e respiratório, ou seja, é um local por onde
passa o ar e o alimento.
 Laringe: o alimento não entra no pulmão por conta da
laringe e de sua “tampa” chamada epiglote. É na laringe
que também se encontram as cordas vocais,
responsáveis pelos sons.
 Traqueia: A traqueia é um tubo que liga a laringe aos
brônquios, não se fecha graças à anéis de cartilagem em
forma de C. Estão presentes na traqueia os cílios e um
muco. Possíveis sujeiras grudam nesse muco e são
levadas pelos cílios para a laringe onde são engolidos
(passam para o esôfago).
 Brônquios: Já bem perto do pulmão, a traquéia se
divide e se transforma em brônquios. Os brônquios
têm a mesma função da traquéia: cílios, muco, anéis.
Eles dividem o ar entre os dois pulmões.
 Bronquíolos: Como o nome diz, são pequenos
brônquios, eles também possuem cílios, muco e anéis.
Sua função é levar o ar até os alvéolos.
 A hematose é a troca de gases entre os alvéolos e o
sangue e ocorre nos alvéolos que são circundados por
vasos sanguíneos (capilares), nelas há os
macrófagos células que formam o terceiro filtro e
fagocitam partículas.
 Expansão da caixa torácica: músculos (diafragma)
 Sistema Esquelético: Sustentar o corpo e proteger os
órgãos internos. Atua também na movimentação do
corpo e na proteção da medula óssea. É formado pelos
ossos, pelas cartilagens e pelas articulações.
Função do esqueleto
 sustentação corporal,
 Reservas de sais minerais, principalmente de cálcio e
fósforo, quando o nível de cálcio diminui no sangue,
sais de cálcio são mobilizados dos ossos para suprir a
deficiência.
 Medula amarela (ou tutano), essa medula é constituída
principalmente por células adiposas, que acumulam
gorduras como material de reserva.
 Ossos (como o crânio, coluna, bacia, esterno, costelas
e as cabeças dos ossos do braço e coxa), há um tecido
macio, a medula óssea vermelha, onde são
produzidas as células do sangue: hemácias, leucócitos e
plaquetas.
 Cabeça: O crânio é uma estrutura óssea que protege o
cérebro. Formado por 22 ossos separados,
 Tronco: Formado pela coluna vertebral, pelas costelas e
pelo osso esterno.
 Coluna Vertebral: Ou espinha dorsal, é constituída
por 33 ossos (as vértebras). A sobreposição dos orifícios
presentes nas vértebras forma um tubo interno ao longo
da coluna vertebral, onde se localiza a medula nervosa.
 Costela e Osso Esterno: A costela e o osso esterno
protegem o coração, os pulmões e os principais vasos
sanguíneos.
 Unem-se dorsalmente à coluna vertebral e ventralmente
ao esterno (12 pares) Os dois últimos pares de costelas
não se ligam ao esterno (as costelas flutuantes).
• Sistema Muscular: Atuar na execução de movimentos,
manutenção da postura e produção de energia térmica.
É formado pelos músculos esqueléticos.
 Sistema Nervoso: Produção e transmissão de
informações pelo corpo por meio da emissão de
impulsos nervosos. Órgãos: encéfalo, medula espinhal e
nervos.
 O nosso sistema nervoso é dividido em sistema
nervoso central, (constituído pelo encéfalo e pela
medula espinhal)e pelo sistema nervoso periférico
(nervos cranianos e raquidianos) (voluntario- musculo
esquelético- e autônomo).
 O encéfalo é formado pelo cérebro, cerebelo, bulbo,
elementos importantes na constituição nervosa do
nosso organismo.
 O sistema nervoso central comanda várias funções em
nosso corpo, sendo primordial para o seu bom
funcionamento.
 O cérebro é responsável pela percepção dos diferentes
estímulos externos através dos sentidos.
 O cerebelo é responsável pelo equilíbrio. E o bulbo
tem uma região denominada nó vital que responde
pelos movimentos respiratórios, os batimentos
cardíacos, o sistema digestório e o sistema excretor.
Sistema nervoso autônomo
 Este sistema independe de nossa vontade. Este é
subdividido em sistema nervoso simpático e sistema
nervoso parassimpático.
 O simpático é responsável por ficarmos em estado de
alerta diante do perigo (estímulo à secreção de
adrenalina e noradrenalina, a aceleração do coração, o
relaxamento da bexiga urinária, a estimulação e a
liberação de glicose pelo fígado, a inibição do estômago,
do pâncreas e da salivação, o relaxamento dos
brônquios e a dilatação das pupilas.
 Passada a situação de tensão, o organismo precisa
voltar ao normal e aí se inicia o trabalho do sistema
nervoso parassimpático,
 que desacelera as batidas do coração para este voltar
ao seu ritmo normal.
 Ele também estimula a vesícula biliar, o pâncreas, a
salivação, faz se contraírem os brônquios e as pupilas.
 Por quê? Como se liberou glicose no organismo
anteriormente, o pâncreas tem a função de produzir
insulina a fim de controlar o excesso de açúcar.
SinapsesSinapses
 É o impulso é transmitido de uma célula a outra.
 A sinapse é uma região de contato muito próximo
entre a extremidade do axônio de um neurônio e a
superfície de outras células. Estas células podem ser
tanto outros neurônios como células sensoriais,
musculares ou glandulares.
 Sistema Sensorial: As terminações sensitivas do
sistema nervoso periférico são encontradas nos órgãos
dos sentidos: pele, ouvido, olhos, língua e fossas nasais.
 Esses órgãos têm a capacidade de transformar os
diversos estímulos do ambiente em impulsos nervosos.
Estes são transmitidos ao sistema nervoso central, de
onde partem as “ordens” que determinam as diferentes
reações do nosso organismo.
 Quimiorreceptores- Detectam substâncias químicas.
Exemplo: na língua e no nariz, responsáveis pelos
sentidos do paladar e olfato;
 Termorreceptores - Capta estímulos de natureza
térmica, distribuídos por toda pele e mais concentrado
em regiões da face, pés e das mãos;
 Mecanorreceptores - Capta estímulos mecânicos.
Nos ouvidos, por exemplo, capazes de captar ondas
sonoras, e como órgãos de equilíbrio;
 Fotorreceptores - Capta estímulos luminosos, como
nos olhos.
Drogas e SNCDrogas e SNC
 Drogas que atuam diretamente sobre o Sistema
Nervoso Central (SNC) são chamadas de psicotrópicas.
 As drogas psicotrópicas podem ser classificadas em três
grupos:
- drogas depressoras,
- estimulantes e
- perturbadoras ou alucinógenas.
• Agem nas Sinapses
• Sistema Cardiovascular: transportar nutrientes e gás
oxigênio para todos os tecidos do corpo humano, por meio
do sangue. Além disso ele é responsável pelo transporte
de resíduos das células para o sistema responsável por sua
eliminação. Compõem esse sistema o coração, o sangue e
os vasos sanguíneos.
 O sistema circulatório é percorrido pelo sangue através das
artérias, dos capilares e das veias. Este trajeto começa e
termina no coração.
 O aparelho circulatório é formado por um sistema fechado
de vasos sanguíneos.
 O coração é formado por quatro cavidades; as aurículas
direita e esquerda e os ventrículos direito e esquerdo.
 O lado direito do coração bombeia sangue carente de
oxigênio, procedente dos tecidos, para os pulmões, onde
este é oxigenado.
 O lado esquerdo do coração recebe o sangue oxigenado dos
pulmões, impulsionando-os, através das artérias, para todos
os tecidos do organismo.
 O sangue procedente de todo o organismo chega à
aurícula direita através de duas veias principais; a veia
cava superior e a veia cava inferior.
 Quando a aurícula direita se contrai, impulsiona o
sangue através de um orifício até o ventrículo direito.
 A contração deste ventrículo conduz o sangue para os
pulmões, onde é oxigenado.
 Depois, ele regressa ao coração na aurícula esquerda.
 Quando esta cavidade se contrai, o sangue passa para o
ventrículo esquerdo e dali, para a aorta, graças à
contração ventricular.
 Sistema Urinário: filtrar o sangue, eliminar resíduos,
atuar na regulação da pressão das artérias e na
manutenção do equilíbrio do volume do sangue. Órgãos:
rins, ureteres, bexiga e uretra.
 Dois rins, com aparência de feijões. Eles vão filtrar o
sangue e produzir a urina, um composto rico em ácido
úrico e uréia, além de outras substâncias diluídas em
água, é claro.
 Essas substâncias vão sair do rim e chegar à bexiga,
através dos ureteres (um pra cada rim). A bexiga é um
local de armazenamento, porque a produção de urina é
constante.
 Da bexiga, sai um canal (tanto no homem quanto na
mulher) que leva a urina pra fora do corpo. É a uretra.
 O sangue entra nos rins pela artéria renal e sai pela
veia renal.
 O rim é composto por uma camada mais externa, o
chamado córtex renal e uma mais interna, a medula
renal.
 A filtragem acontece no córtex, ou melhor, na unidade
funcional do rim, que está presente no córtex e que se
chama néfron. Cada rim possui mais de 1milhão de
néfrons!
• Sistema Endócrino: Regulação de atividades corporais,
por meio da liberação de certas substâncias que
controlam e regulam outros órgãos e tecidos. É composto
por glândulas.
 O sistema endócrino é formado pelo conjunto de
glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela
secreção de substância denominadas hormônios.
 Cada hormônio atua apenas sobre alguns tipos de
células, denominadas células-alvo.
 As células alvo de determinado hormônio possuem, na
membrana ou no citoplasma, proteínas denominadas
receptores hormonais, capazes de se combinar
especificamente com as moléculas do hormônio.
 Hipotálamo: Se localiza na base do encéfalo, sob uma
região encefálica denominada tálamo.
 A função endócrina do hipotálamo está a cargo das
células neurossecretoras, que são neurônios
especializados na produção e na liberação de
hormônios.
 Hipófise (ou glândula Pituitária): A hipófise é
dividida em três partes, denominadas lobos anterior,
posterior e intermédio, esse último pouco desenvolvido
no homem. O lobo anterior (maior) é designado
adenohipóise e o lobo posterior, neuro-hipóise.
Hormônios produzidos no lobo anterior da hipófise
 Samatotropina (GH) - Hormônio do crescimento.
 Hormônio tireotróico (TSH) - Estimula a glândula
tireóide.
 Hormônio adrenocorticotróico (ACTH) - Age sobre o
córtex das glândulas supra-renais.
 Hormônio folículo-estimulante (FSH) - Age sobre a
maturação dos folículos ovarianos e dos espermatozóides.
 Hormônio luteinizante (LH) - Estimulante das células
intersticiais do ovário e do testículo (Células de Leydig-
testosterona); provoca a ovulação e formação do corpo
amarelo (estrógenos e progesterona).
 Hormônio lactogênico (LTH) ou prolactina - Interfere no
desenvolvimento das mamas, na mulher e na produção de
leite.
Hormônios produzidos pelo lobo posterior da
hipófise
 Oxitocina: Age particularmente na musculatura lisa da
parede do útero, facilitando, assim, a expulsão do feto e
da placenta.
 Hormônio antidiurético (ADH) ou vasopressina:
um mecanismo importante para a regulação do
equilíbrio hídrico do organismo.
 Tireóide: Situada na porção anterior do pescoço, a
tireóide consta dos lobos direito. Seus hormônios-
tiroxina e triiodotironina - requerem iodo para sua
elaboração.
 Paratireóides: Constituídas geralmente por quatro
massas celulares. Localizam-se junto à tireóide. Seu
hormônio - o paratormônio - é necessário para o
metabolismo do cálcio.
 Hormônios produzidos pelas Ilhotas de
Langerhans (no Pâncreas): Insulina Facilita a
penetração da glicose, presente no sangue circulante,
Glucagon (glucagônio) desdobramento do glicogênio
em glicose e pela elevação de taxa desse açúcar no
sangue circulante
 Supra-Renais ou Adrenais: Em cada glândula supra-
renal há duas partes distintas; o córtex e a medula. Os
vários hormônios produzidos pelo córtex - as
Corticosteronas - controlam o metabolismo do sódio e
do potássio
A medula produz adrenalina (epinefrina) e
noradrenalina (norepinefrina). Esses hormônios são
importantes na ativação dos mecanismos de defesa do
organismo diante de condições de emergência, tais
como emoções fortes, “stress”, choque entre outros;
preparam o organismo para a fuga ou luta.
 Sistema Reprodutor: Atuar na reprodução e na
produção de hormônios sexuais. Apresenta constituição
diferente no homem e na mulher. No homem, os
principais órgãos: testículos, próstata, uretra e pênis. Na
mulher: ovário, vagina e vulva.
 Sistema Linfático: Drenar os fluidos que estão em
excesso entre as células, transportar vitaminas, gorduras
e proteínas provenientes da digestão para o sangue.
Compõem esse sistema os vasos linfáticos, o tecido
linfático e o baço.
 O excesso de fluido intersticial precisa retornar ao
sangue, mas cerca de 10% não retorna diretamente ao
sangue, sendo coletados pelo sistema vascular
linfático
 Capilares linfáticos se juntam em vasos que
desembocam em veias próximas ao coração.
 No trajeto destes vasos há os linfonodos que são como
filtros da linfa.
 A composição da linfa varia de acordo com sua origem.
Na linfa do fígado há proteínas, a absorção de
nutrientes no intestino leva gorduras à linfa.
Sistema de Defesa
Mecanismo inespecífico: não distinguem um agente
infeccioso de outro. Há 2 linhas de defesa:
1- pele e mucosas onde há secreções contendo enzimas
como a lisozina e interferons (respiratória, digestora e
urogenital).
2- substâncias químicas e células que matam o agente
(seja virus, bacteria, fundo ou protista), são os fagócitos
(neutrófilos e macrófagos)
Dor
Rubor
Calor
Tumor(edema)
Processo InflamatórioProcesso Inflamatório
Mecanismos específicos: é a terceira linha de defesa, as
respostas não são mais indiscriminadas. Participam os
órgãos linfonoides (timo, baço, tonsilas e linfonodos),
os linfócitos e plasmócitos.
 O sistema imune reconhece determinado elemento
estranho (antígeno) e produz uma proteína
(anticorpo) específica para este antígeno.
Resposta imune:
Imunidade humoral:
Anticorpos (imunoglobulinas) no sangue e na linfa.
macrófagos linfócitos T (T4) linfócitos B plasmócitos
estimula
Produção de
interleucinas e
interferon
formação
anticorpos
produção
linfócitos B de memória anticorpos
linfócitos B
Medula óssea vermelha- Baço e linfonodos
Imunidade celular:
. Destruição de células com vírus ou tumorais.
. Linfócitos T (T8).
. Linfócitos citotóxicos – natural killer.
macrófagos linfócitos T (auxiliar) linfócitos T (específico)
Destruição das células.
estimula formação
linfócitos T
citotóxicos ativos
linfócitos T de memória
linfócitos T
Medula óssea vermelha- Maturação Timo- Org linfáticos e linfonodos
Destruição das células
(Perforinas)
Exposição
Macrófago
Célula apresentadora do antígeno (estimula)
Linfócito T
estimulaestimula
Linfócito T
citotóxico
Linfócito B
Plamócito
produz
anticorpos
Linfócito B
de memória
Linfócito T
de memória
Linfócito T
citotóxico ativo
Defesa contra patógenos extracelulares
pela ação direta dos anticorpos ou pela facilidade
a fagocitose
Defesa contra patógenos
intracelulares e células cancerosas
Esposição
estimula
(Imunidade celular)(Imunidade humoral)
transforma-se em
transforma-se em transforma-se em
Tipos de imunização:
Ativa: Duradoura e lenta.
. Produção de anticorpos – células de memória.
. Natural: doença.
. Artificial: vacina – antígenos atenuados.
Passiva: Rápida e passageira.
. Inoculação dos anticorpos prontos.
. Natural: pela placenta e amamentação.
. Artificial: soro – anticorpos.
Vacina:
. Jenner (1798) observou que havia 2 tipos de varíola:
- varíola bovina: tipo brando (poucas pústulas).
- varíola humana: tipo maligno (muitas pústulas).
material de pústulas de material de pústulas de
vaca com varíola bovina pessoas com varíola
malígna
Pessoas
Não adquiriram a varíola maligna
injetou injetou
Vacinação (vaccinia = de vaca)
Soro antielapídico – coral verdadeira.
Soro anticrotálico - cascavel.
Soro antibotrópico – jararaca.
Soro antilaquésico – surucucu.
Desordens do sistema imune:
1. Doenças auto-imunes: sistema imune atacando o
próprio corpo.
. Lúpus eritematoso: contra componentes das
próprias células, especialmente o ácido nucléico
eliminado no processo natural de reposição das
células da pele e de outros tecidos.
. Artrite reumática: Leva à inflamação das articulações e
destruição das cartilagens e dos ossos dos locais
afetados.
2. Alergias:
. Hipersensibilidade a certos antígenos (alergênicos) do meio
ambiente.
. Ex.: pólen, poeira, esporos de fungos, substâncias químicas
de certos alimentos, medicamentos, dentre outros.
IgE (imunoglobulinas E) + antígeno (pólen) adesão à membrana
plasmática
do MASTÓCITO
espirros,
coriza , liberação de
histamina
contração da musculatura lisa
(dificuldades respiratórias),
vermelhidão,
coceira dilatação dos vasos sanguíneos
alterando sua permeabilidade
Agora sim:Agora sim:
FIM !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Anatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia HumanaAnatomia e Fisiologia Humana
Anatomia e Fisiologia Humana
 
Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.Sistema Esquelético.
Sistema Esquelético.
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Sistema Esqueletico
Sistema EsqueleticoSistema Esqueletico
Sistema Esqueletico
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
1ª sistema muscular
1ª sistema muscular1ª sistema muscular
1ª sistema muscular
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Anatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema EsqueléticoAnatomia - Sistema Esquelético
Anatomia - Sistema Esquelético
 
Osteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humanaOsteologia humana - anatomia humana
Osteologia humana - anatomia humana
 
Anatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humanaAnatomia e fisiologia humana
Anatomia e fisiologia humana
 
Pele e anexos
Pele e anexosPele e anexos
Pele e anexos
 
Anatomia e fisiologia
Anatomia e  fisiologiaAnatomia e  fisiologia
Anatomia e fisiologia
 
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do EsqueletoSistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
Sistema esqueletico - Divisao do Esqueleto
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
 
Aula1 anatomia (2)
Aula1 anatomia (2)Aula1 anatomia (2)
Aula1 anatomia (2)
 
Músculos
MúsculosMúsculos
Músculos
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
 

Destaque

Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIALeonardo Delgado
 
Aula de Autorelaxamento
Aula de AutorelaxamentoAula de Autorelaxamento
Aula de AutorelaxamentoRodrigo Bastos
 
Introdução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmáciaIntrodução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmáciaKarla Toledo
 
4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomiaSaulo Costa
 
Anatomia Se4 P20091
Anatomia Se4 P20091Anatomia Se4 P20091
Anatomia Se4 P20091malusoares
 
Anatomia - Introdução
Anatomia - IntroduçãoAnatomia - Introdução
Anatomia - IntroduçãoPedro Miguel
 
Anatomia do Sistema Urinário
Anatomia do Sistema Urinário Anatomia do Sistema Urinário
Anatomia do Sistema Urinário Egberto Neto
 
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia microbiologia e parasitologia e…
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia  microbiologia e parasitologia e…Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia  microbiologia e parasitologia e…
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia microbiologia e parasitologia e…Cristiano Santos
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Jéssica Da Silva
 
Anatomia humana pronatec 01
Anatomia humana pronatec 01Anatomia humana pronatec 01
Anatomia humana pronatec 01Claudio Poeta
 
Tecido muscular - Super Super Med
Tecido muscular - Super Super MedTecido muscular - Super Super Med
Tecido muscular - Super Super Medemanuel
 
Apostila generalidades de Anatomia
Apostila generalidades de AnatomiaApostila generalidades de Anatomia
Apostila generalidades de AnatomiaDan Moreyra
 
Trabalho estudo meio monica
Trabalho estudo meio monicaTrabalho estudo meio monica
Trabalho estudo meio monicaebgandra
 

Destaque (20)

Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Aula de Autorelaxamento
Aula de AutorelaxamentoAula de Autorelaxamento
Aula de Autorelaxamento
 
Introdução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmáciaIntrodução anatomia farmácia
Introdução anatomia farmácia
 
4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia
 
Anatomia Se4 P20091
Anatomia Se4 P20091Anatomia Se4 P20091
Anatomia Se4 P20091
 
Anatomia - Introdução
Anatomia - IntroduçãoAnatomia - Introdução
Anatomia - Introdução
 
Anatomia do Sistema Urinário
Anatomia do Sistema Urinário Anatomia do Sistema Urinário
Anatomia do Sistema Urinário
 
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia microbiologia e parasitologia e…
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia  microbiologia e parasitologia e…Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia  microbiologia e parasitologia e…
Profae apostila 1 ( anatomia e fisiologia microbiologia e parasitologia e…
 
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
Trabalho de Produção Animal - Anatomia e Fisiologia da Glândula Mamária dos B...
 
Anatomia humana pronatec 01
Anatomia humana pronatec 01Anatomia humana pronatec 01
Anatomia humana pronatec 01
 
Sistema Tegumentar - HPV
Sistema Tegumentar - HPVSistema Tegumentar - HPV
Sistema Tegumentar - HPV
 
Glandula mamaria
Glandula mamariaGlandula mamaria
Glandula mamaria
 
Ps fratura db
Ps fratura dbPs fratura db
Ps fratura db
 
Tecido muscular - Super Super Med
Tecido muscular - Super Super MedTecido muscular - Super Super Med
Tecido muscular - Super Super Med
 
Apostila generalidades de Anatomia
Apostila generalidades de AnatomiaApostila generalidades de Anatomia
Apostila generalidades de Anatomia
 
1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular
 
Trabalho estudo meio monica
Trabalho estudo meio monicaTrabalho estudo meio monica
Trabalho estudo meio monica
 
Sistema Tegumentar
Sistema TegumentarSistema Tegumentar
Sistema Tegumentar
 

Semelhante a Fisiologia e Anatomia Básica

Semelhante a Fisiologia e Anatomia Básica (20)

Anatomia básica
Anatomia básicaAnatomia básica
Anatomia básica
 
O sistem as q vao cair na prova.
O sistem as q vao cair na prova.O sistem as q vao cair na prova.
O sistem as q vao cair na prova.
 
Anatomia fisiologia humana
Anatomia fisiologia humanaAnatomia fisiologia humana
Anatomia fisiologia humana
 
414747629 atendente-de-farmacia-drogaria-e-consultorio-medico
414747629 atendente-de-farmacia-drogaria-e-consultorio-medico414747629 atendente-de-farmacia-drogaria-e-consultorio-medico
414747629 atendente-de-farmacia-drogaria-e-consultorio-medico
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Relatório2013 estagio
Relatório2013 estagioRelatório2013 estagio
Relatório2013 estagio
 
Anatomia e fisiologia - apostila
Anatomia e fisiologia - apostilaAnatomia e fisiologia - apostila
Anatomia e fisiologia - apostila
 
Corpo Humano
Corpo  HumanoCorpo  Humano
Corpo Humano
 
Corpo Humano
Corpo HumanoCorpo Humano
Corpo Humano
 
Corpo Humano
Corpo HumanoCorpo Humano
Corpo Humano
 
Corpo Humano
Corpo HumanoCorpo Humano
Corpo Humano
 
Corpo Humano - vários sistemas
Corpo Humano - vários sistemasCorpo Humano - vários sistemas
Corpo Humano - vários sistemas
 
Corpo humano
Corpo humano Corpo humano
Corpo humano
 
Anatomia humana
Anatomia humanaAnatomia humana
Anatomia humana
 
1191456499 vamos descobrir_o
1191456499 vamos descobrir_o1191456499 vamos descobrir_o
1191456499 vamos descobrir_o
 
Resumo de ciências
Resumo de ciênciasResumo de ciências
Resumo de ciências
 
Resumo De CiêNcias
Resumo De CiêNciasResumo De CiêNcias
Resumo De CiêNcias
 
Resumao anatomia
Resumao anatomiaResumao anatomia
Resumao anatomia
 
Aula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humanoAula 1 O corpo humano
Aula 1 O corpo humano
 
Resumos dos sistemas do copo com Pngs para imprimir.pdf
Resumos dos sistemas do copo com Pngs para imprimir.pdfResumos dos sistemas do copo com Pngs para imprimir.pdf
Resumos dos sistemas do copo com Pngs para imprimir.pdf
 

Mais de Carlos Priante

Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoCarlos Priante
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoCarlos Priante
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de AstronomiaCarlos Priante
 
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosLista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosCarlos Priante
 
Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Carlos Priante
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Carlos Priante
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Carlos Priante
 
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Carlos Priante
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoCarlos Priante
 
Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Carlos Priante
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesCarlos Priante
 
Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Carlos Priante
 
Isomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaIsomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaCarlos Priante
 
Mapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasMapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasCarlos Priante
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Carlos Priante
 
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosLista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosCarlos Priante
 

Mais de Carlos Priante (20)

Botânica- resumo
Botânica- resumoBotânica- resumo
Botânica- resumo
 
Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumo
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumo
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
 
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosLista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
 
Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
 
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservação
 
Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 
Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria
 
Isomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaIsomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química Orgânica
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Mapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasMapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de Ciências
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosLista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
 

Último

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 

Último (20)

Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 

Fisiologia e Anatomia Básica

  • 1. Anatomia e Fisiologia AULA 8 Prof. Carlos Priante
  • 3.
  • 4.
  • 5. ÓRGÃOS: São agrupamentos de tecidos • Por quê a pele não é um tecido e sim um órgão? •Estômago = possui tecido epitelial+ tecido muscular + tecido conjuntivo + tecido nervoso Outro Exemplo: •DermeDerme (tecido conjuntivo)e epidermeepiderme (tecido epitelial)
  • 6. •.....esses órgãos, em conjunto, também realizam funções específicas no nosso corpo • Um órgão não funciona isoladamente dos outros: ele necessita de outras estruturas e órgãos do corpo para realizar seu trabalho..... •Um conjunto de órgãos que desempenham função semelhante é denominado SISTEMA
  • 8.  Sistema Digestivo: realiza as funções relacionadas com a digestão dos alimentos e a absorção de nutrientes. Órgãos: boca, faringe, esôfago, fígado, estômago, intestino e pâncreas.
  • 9.  Por meio da mastigação, os dentes reduzem os alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à saliva, o que irá facilitar a futura ação das enzimas.  A língua movimenta o bolo alimentar empurrando-o em direção a faringe e esôfago, para que seja engolido. Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários: doce, azedo, salgado e amargo.  A presença de alimento na boca, como sua visão e cheiro, estimula as glândulas salivares a secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias.
  • 10.  A amilase salivar digere o amido e outros polissacarídeos (como o glicogênio), reduzindo-os em moléculas de maltose (dissacarídeo). O sais, na saliva, neutralizam substâncias ácidas e mantêm, na boca, um pH levemente ácido (6, 7)  No estômago, o alimento é misturado com a secreção estomacal, o suco gástrico (solução rica em ácido clorídrico e em enzimas (pepsina e renina) formando o quimo.  A pepsina decompõe as proteínas em peptídeos pequenos. A renina, produzida em grande quantidade no estômago de recém-nascidos, separa o leite em frações líquidas e sólidas.
  • 11.  O intestino delgado é dividido em três regiões: duodeno, jejuno e íleo. A digestão do quimo ocorre predominantemente no duodeno e nas primeiras porções do jejuno.  No duodeno atua também o suco pancreático, produzido pelo pâncreas, que contêm diversas enzimas digestivas. Outra secreção que atua no duodeno é a bile, produzida no fígado, que apesar de não conter enzimas, tem a importante função, entre outras, de transformar gorduras em gotículas microscópicas.  O álcool etílico, alguns sais e a água, podem ser absorvidos diretamente no estômago. A maioria dos nutrientes são absorvidos pela mucosa do intestino delgado, de onde passa para a corrente sanguínea.
  • 12.  Os restos de uma refeição levam cerca de nove horas para chegar ao intestino grosso, onde permanece por três dias aproximadamente. Durante este período, parte da água e sais é absorvida.  O reto, parte final do intestino grosso, fica geralmente vazio, enchendo-se de fezes pouco antes da defecação. A distensão provocada pela presença de fezes estimula terminações nervosas do reto, permitindo a expulsão de fezes, processo denominado defecação.
  • 13.
  • 14.
  • 15.  Sistema Respiratório: realiza as trocas gasosas, captando gás oxigênio que será utilizados pelas células e eliminando o gás carbônico. Órgãos: nariz, cavidade nasal dividida em duas fossas nasais, faringe, laringe, traquéia, brônquios e pulmões com bronquíolos e alvéolos.
  • 16.  Nos alvéolos pulmonares, o oxigênio (O2) passa para o sangue (glóbulos vermelhos), enquanto o gás carbônico (CO2) o abandona.  Narinas: São os dois orifícios no nariz, é por lá que o ar entra. Os pelos no nariz são o primeiro filtro. Eles vão reter as sujeiras maiores como outros pelos, locos de poeira, etc.  Cavidade nasal: fica logo depois das narinas. Lá está o segundo filtro: um muco que vai reter as sujeiras. Também ocorrem na cavidade nasal, outros dois processos: o umedecimento e o aquecimento (vasos sanguíneos) do ar que entra para facilitar a troca gasosa
  • 17.  Faringe: A faringe é um local comum para o sistema digestório e respiratório, ou seja, é um local por onde passa o ar e o alimento.  Laringe: o alimento não entra no pulmão por conta da laringe e de sua “tampa” chamada epiglote. É na laringe que também se encontram as cordas vocais, responsáveis pelos sons.  Traqueia: A traqueia é um tubo que liga a laringe aos brônquios, não se fecha graças à anéis de cartilagem em forma de C. Estão presentes na traqueia os cílios e um muco. Possíveis sujeiras grudam nesse muco e são levadas pelos cílios para a laringe onde são engolidos (passam para o esôfago).
  • 18.  Brônquios: Já bem perto do pulmão, a traquéia se divide e se transforma em brônquios. Os brônquios têm a mesma função da traquéia: cílios, muco, anéis. Eles dividem o ar entre os dois pulmões.  Bronquíolos: Como o nome diz, são pequenos brônquios, eles também possuem cílios, muco e anéis. Sua função é levar o ar até os alvéolos.  A hematose é a troca de gases entre os alvéolos e o sangue e ocorre nos alvéolos que são circundados por vasos sanguíneos (capilares), nelas há os macrófagos células que formam o terceiro filtro e fagocitam partículas.  Expansão da caixa torácica: músculos (diafragma)
  • 19.
  • 20.  Sistema Esquelético: Sustentar o corpo e proteger os órgãos internos. Atua também na movimentação do corpo e na proteção da medula óssea. É formado pelos ossos, pelas cartilagens e pelas articulações.
  • 21. Função do esqueleto  sustentação corporal,  Reservas de sais minerais, principalmente de cálcio e fósforo, quando o nível de cálcio diminui no sangue, sais de cálcio são mobilizados dos ossos para suprir a deficiência.  Medula amarela (ou tutano), essa medula é constituída principalmente por células adiposas, que acumulam gorduras como material de reserva.  Ossos (como o crânio, coluna, bacia, esterno, costelas e as cabeças dos ossos do braço e coxa), há um tecido macio, a medula óssea vermelha, onde são produzidas as células do sangue: hemácias, leucócitos e plaquetas.
  • 22.  Cabeça: O crânio é uma estrutura óssea que protege o cérebro. Formado por 22 ossos separados,  Tronco: Formado pela coluna vertebral, pelas costelas e pelo osso esterno.  Coluna Vertebral: Ou espinha dorsal, é constituída por 33 ossos (as vértebras). A sobreposição dos orifícios presentes nas vértebras forma um tubo interno ao longo da coluna vertebral, onde se localiza a medula nervosa.  Costela e Osso Esterno: A costela e o osso esterno protegem o coração, os pulmões e os principais vasos sanguíneos.  Unem-se dorsalmente à coluna vertebral e ventralmente ao esterno (12 pares) Os dois últimos pares de costelas não se ligam ao esterno (as costelas flutuantes).
  • 23.
  • 24. • Sistema Muscular: Atuar na execução de movimentos, manutenção da postura e produção de energia térmica. É formado pelos músculos esqueléticos.
  • 25.  Sistema Nervoso: Produção e transmissão de informações pelo corpo por meio da emissão de impulsos nervosos. Órgãos: encéfalo, medula espinhal e nervos.
  • 26.  O nosso sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central, (constituído pelo encéfalo e pela medula espinhal)e pelo sistema nervoso periférico (nervos cranianos e raquidianos) (voluntario- musculo esquelético- e autônomo).  O encéfalo é formado pelo cérebro, cerebelo, bulbo, elementos importantes na constituição nervosa do nosso organismo.  O sistema nervoso central comanda várias funções em nosso corpo, sendo primordial para o seu bom funcionamento.  O cérebro é responsável pela percepção dos diferentes estímulos externos através dos sentidos.
  • 27.  O cerebelo é responsável pelo equilíbrio. E o bulbo tem uma região denominada nó vital que responde pelos movimentos respiratórios, os batimentos cardíacos, o sistema digestório e o sistema excretor.
  • 28. Sistema nervoso autônomo  Este sistema independe de nossa vontade. Este é subdividido em sistema nervoso simpático e sistema nervoso parassimpático.  O simpático é responsável por ficarmos em estado de alerta diante do perigo (estímulo à secreção de adrenalina e noradrenalina, a aceleração do coração, o relaxamento da bexiga urinária, a estimulação e a liberação de glicose pelo fígado, a inibição do estômago, do pâncreas e da salivação, o relaxamento dos brônquios e a dilatação das pupilas.
  • 29.  Passada a situação de tensão, o organismo precisa voltar ao normal e aí se inicia o trabalho do sistema nervoso parassimpático,  que desacelera as batidas do coração para este voltar ao seu ritmo normal.  Ele também estimula a vesícula biliar, o pâncreas, a salivação, faz se contraírem os brônquios e as pupilas.  Por quê? Como se liberou glicose no organismo anteriormente, o pâncreas tem a função de produzir insulina a fim de controlar o excesso de açúcar.
  • 30. SinapsesSinapses  É o impulso é transmitido de uma célula a outra.  A sinapse é uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células. Estas células podem ser tanto outros neurônios como células sensoriais, musculares ou glandulares.
  • 31.  Sistema Sensorial: As terminações sensitivas do sistema nervoso periférico são encontradas nos órgãos dos sentidos: pele, ouvido, olhos, língua e fossas nasais.  Esses órgãos têm a capacidade de transformar os diversos estímulos do ambiente em impulsos nervosos. Estes são transmitidos ao sistema nervoso central, de onde partem as “ordens” que determinam as diferentes reações do nosso organismo.
  • 32.  Quimiorreceptores- Detectam substâncias químicas. Exemplo: na língua e no nariz, responsáveis pelos sentidos do paladar e olfato;  Termorreceptores - Capta estímulos de natureza térmica, distribuídos por toda pele e mais concentrado em regiões da face, pés e das mãos;  Mecanorreceptores - Capta estímulos mecânicos. Nos ouvidos, por exemplo, capazes de captar ondas sonoras, e como órgãos de equilíbrio;  Fotorreceptores - Capta estímulos luminosos, como nos olhos.
  • 33.
  • 34. Drogas e SNCDrogas e SNC  Drogas que atuam diretamente sobre o Sistema Nervoso Central (SNC) são chamadas de psicotrópicas.  As drogas psicotrópicas podem ser classificadas em três grupos: - drogas depressoras, - estimulantes e - perturbadoras ou alucinógenas. • Agem nas Sinapses
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. • Sistema Cardiovascular: transportar nutrientes e gás oxigênio para todos os tecidos do corpo humano, por meio do sangue. Além disso ele é responsável pelo transporte de resíduos das células para o sistema responsável por sua eliminação. Compõem esse sistema o coração, o sangue e os vasos sanguíneos.
  • 41.  O sistema circulatório é percorrido pelo sangue através das artérias, dos capilares e das veias. Este trajeto começa e termina no coração.  O aparelho circulatório é formado por um sistema fechado de vasos sanguíneos.  O coração é formado por quatro cavidades; as aurículas direita e esquerda e os ventrículos direito e esquerdo.  O lado direito do coração bombeia sangue carente de oxigênio, procedente dos tecidos, para os pulmões, onde este é oxigenado.  O lado esquerdo do coração recebe o sangue oxigenado dos pulmões, impulsionando-os, através das artérias, para todos os tecidos do organismo.
  • 42.  O sangue procedente de todo o organismo chega à aurícula direita através de duas veias principais; a veia cava superior e a veia cava inferior.  Quando a aurícula direita se contrai, impulsiona o sangue através de um orifício até o ventrículo direito.  A contração deste ventrículo conduz o sangue para os pulmões, onde é oxigenado.  Depois, ele regressa ao coração na aurícula esquerda.  Quando esta cavidade se contrai, o sangue passa para o ventrículo esquerdo e dali, para a aorta, graças à contração ventricular.
  • 43.
  • 44.  Sistema Urinário: filtrar o sangue, eliminar resíduos, atuar na regulação da pressão das artérias e na manutenção do equilíbrio do volume do sangue. Órgãos: rins, ureteres, bexiga e uretra.
  • 45.  Dois rins, com aparência de feijões. Eles vão filtrar o sangue e produzir a urina, um composto rico em ácido úrico e uréia, além de outras substâncias diluídas em água, é claro.  Essas substâncias vão sair do rim e chegar à bexiga, através dos ureteres (um pra cada rim). A bexiga é um local de armazenamento, porque a produção de urina é constante.  Da bexiga, sai um canal (tanto no homem quanto na mulher) que leva a urina pra fora do corpo. É a uretra.  O sangue entra nos rins pela artéria renal e sai pela veia renal.
  • 46.  O rim é composto por uma camada mais externa, o chamado córtex renal e uma mais interna, a medula renal.  A filtragem acontece no córtex, ou melhor, na unidade funcional do rim, que está presente no córtex e que se chama néfron. Cada rim possui mais de 1milhão de néfrons!
  • 47. • Sistema Endócrino: Regulação de atividades corporais, por meio da liberação de certas substâncias que controlam e regulam outros órgãos e tecidos. É composto por glândulas.
  • 48.  O sistema endócrino é formado pelo conjunto de glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela secreção de substância denominadas hormônios.  Cada hormônio atua apenas sobre alguns tipos de células, denominadas células-alvo.  As células alvo de determinado hormônio possuem, na membrana ou no citoplasma, proteínas denominadas receptores hormonais, capazes de se combinar especificamente com as moléculas do hormônio.
  • 49.  Hipotálamo: Se localiza na base do encéfalo, sob uma região encefálica denominada tálamo.  A função endócrina do hipotálamo está a cargo das células neurossecretoras, que são neurônios especializados na produção e na liberação de hormônios.  Hipófise (ou glândula Pituitária): A hipófise é dividida em três partes, denominadas lobos anterior, posterior e intermédio, esse último pouco desenvolvido no homem. O lobo anterior (maior) é designado adenohipóise e o lobo posterior, neuro-hipóise.
  • 50.
  • 51. Hormônios produzidos no lobo anterior da hipófise  Samatotropina (GH) - Hormônio do crescimento.  Hormônio tireotróico (TSH) - Estimula a glândula tireóide.  Hormônio adrenocorticotróico (ACTH) - Age sobre o córtex das glândulas supra-renais.  Hormônio folículo-estimulante (FSH) - Age sobre a maturação dos folículos ovarianos e dos espermatozóides.  Hormônio luteinizante (LH) - Estimulante das células intersticiais do ovário e do testículo (Células de Leydig- testosterona); provoca a ovulação e formação do corpo amarelo (estrógenos e progesterona).  Hormônio lactogênico (LTH) ou prolactina - Interfere no desenvolvimento das mamas, na mulher e na produção de leite.
  • 52. Hormônios produzidos pelo lobo posterior da hipófise  Oxitocina: Age particularmente na musculatura lisa da parede do útero, facilitando, assim, a expulsão do feto e da placenta.  Hormônio antidiurético (ADH) ou vasopressina: um mecanismo importante para a regulação do equilíbrio hídrico do organismo.
  • 53.  Tireóide: Situada na porção anterior do pescoço, a tireóide consta dos lobos direito. Seus hormônios- tiroxina e triiodotironina - requerem iodo para sua elaboração.  Paratireóides: Constituídas geralmente por quatro massas celulares. Localizam-se junto à tireóide. Seu hormônio - o paratormônio - é necessário para o metabolismo do cálcio.  Hormônios produzidos pelas Ilhotas de Langerhans (no Pâncreas): Insulina Facilita a penetração da glicose, presente no sangue circulante, Glucagon (glucagônio) desdobramento do glicogênio em glicose e pela elevação de taxa desse açúcar no sangue circulante
  • 54.  Supra-Renais ou Adrenais: Em cada glândula supra- renal há duas partes distintas; o córtex e a medula. Os vários hormônios produzidos pelo córtex - as Corticosteronas - controlam o metabolismo do sódio e do potássio A medula produz adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina). Esses hormônios são importantes na ativação dos mecanismos de defesa do organismo diante de condições de emergência, tais como emoções fortes, “stress”, choque entre outros; preparam o organismo para a fuga ou luta.
  • 55.
  • 56.  Sistema Reprodutor: Atuar na reprodução e na produção de hormônios sexuais. Apresenta constituição diferente no homem e na mulher. No homem, os principais órgãos: testículos, próstata, uretra e pênis. Na mulher: ovário, vagina e vulva.
  • 57.
  • 58.
  • 59.  Sistema Linfático: Drenar os fluidos que estão em excesso entre as células, transportar vitaminas, gorduras e proteínas provenientes da digestão para o sangue. Compõem esse sistema os vasos linfáticos, o tecido linfático e o baço.
  • 60.  O excesso de fluido intersticial precisa retornar ao sangue, mas cerca de 10% não retorna diretamente ao sangue, sendo coletados pelo sistema vascular linfático  Capilares linfáticos se juntam em vasos que desembocam em veias próximas ao coração.  No trajeto destes vasos há os linfonodos que são como filtros da linfa.  A composição da linfa varia de acordo com sua origem. Na linfa do fígado há proteínas, a absorção de nutrientes no intestino leva gorduras à linfa.
  • 61.
  • 62. Sistema de Defesa Mecanismo inespecífico: não distinguem um agente infeccioso de outro. Há 2 linhas de defesa: 1- pele e mucosas onde há secreções contendo enzimas como a lisozina e interferons (respiratória, digestora e urogenital). 2- substâncias químicas e células que matam o agente (seja virus, bacteria, fundo ou protista), são os fagócitos (neutrófilos e macrófagos)
  • 64. Mecanismos específicos: é a terceira linha de defesa, as respostas não são mais indiscriminadas. Participam os órgãos linfonoides (timo, baço, tonsilas e linfonodos), os linfócitos e plasmócitos.  O sistema imune reconhece determinado elemento estranho (antígeno) e produz uma proteína (anticorpo) específica para este antígeno.
  • 65.
  • 66. Resposta imune: Imunidade humoral: Anticorpos (imunoglobulinas) no sangue e na linfa. macrófagos linfócitos T (T4) linfócitos B plasmócitos estimula Produção de interleucinas e interferon formação anticorpos produção linfócitos B de memória anticorpos linfócitos B Medula óssea vermelha- Baço e linfonodos
  • 67. Imunidade celular: . Destruição de células com vírus ou tumorais. . Linfócitos T (T8). . Linfócitos citotóxicos – natural killer. macrófagos linfócitos T (auxiliar) linfócitos T (específico) Destruição das células. estimula formação linfócitos T citotóxicos ativos linfócitos T de memória linfócitos T Medula óssea vermelha- Maturação Timo- Org linfáticos e linfonodos Destruição das células (Perforinas)
  • 68.
  • 69. Exposição Macrófago Célula apresentadora do antígeno (estimula) Linfócito T estimulaestimula Linfócito T citotóxico Linfócito B Plamócito produz anticorpos Linfócito B de memória Linfócito T de memória Linfócito T citotóxico ativo Defesa contra patógenos extracelulares pela ação direta dos anticorpos ou pela facilidade a fagocitose Defesa contra patógenos intracelulares e células cancerosas Esposição estimula (Imunidade celular)(Imunidade humoral) transforma-se em transforma-se em transforma-se em
  • 70. Tipos de imunização: Ativa: Duradoura e lenta. . Produção de anticorpos – células de memória. . Natural: doença. . Artificial: vacina – antígenos atenuados. Passiva: Rápida e passageira. . Inoculação dos anticorpos prontos. . Natural: pela placenta e amamentação. . Artificial: soro – anticorpos.
  • 71. Vacina: . Jenner (1798) observou que havia 2 tipos de varíola: - varíola bovina: tipo brando (poucas pústulas). - varíola humana: tipo maligno (muitas pústulas). material de pústulas de material de pústulas de vaca com varíola bovina pessoas com varíola malígna Pessoas Não adquiriram a varíola maligna injetou injetou Vacinação (vaccinia = de vaca)
  • 72.
  • 73. Soro antielapídico – coral verdadeira. Soro anticrotálico - cascavel. Soro antibotrópico – jararaca. Soro antilaquésico – surucucu.
  • 74. Desordens do sistema imune: 1. Doenças auto-imunes: sistema imune atacando o próprio corpo. . Lúpus eritematoso: contra componentes das próprias células, especialmente o ácido nucléico eliminado no processo natural de reposição das células da pele e de outros tecidos.
  • 75. . Artrite reumática: Leva à inflamação das articulações e destruição das cartilagens e dos ossos dos locais afetados.
  • 76. 2. Alergias: . Hipersensibilidade a certos antígenos (alergênicos) do meio ambiente. . Ex.: pólen, poeira, esporos de fungos, substâncias químicas de certos alimentos, medicamentos, dentre outros. IgE (imunoglobulinas E) + antígeno (pólen) adesão à membrana plasmática do MASTÓCITO espirros, coriza , liberação de histamina contração da musculatura lisa (dificuldades respiratórias), vermelhidão, coceira dilatação dos vasos sanguíneos alterando sua permeabilidade