Após o desenvolvimento do método de
fracionamento do P-inorgânico do solo por
Chang & Jackson (1975) muitos estudos tem
si...
O comportamento de extratores ante as formas
inorgânicas de P no solo foi sumariado, de
maneira didática, testando diferen...
Essas fontes, em diferentes doses foram
aplicadas a lanço e incorporados no solo, em
condições de campo e analisados sete ...
O extrator Mehlich-1 foi sensível às alterações das
três formas de P-inorgânicos proporcionado pelas três
fontes e analisa...
O caráter menos ácido do Bray-1 e, de modo
particular, a ausência do sulfato como ânion de troca
mais efetiva com o fosfat...
O fósforo no solo   carlos eduardo
O fósforo no solo   carlos eduardo
O fósforo no solo   carlos eduardo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O fósforo no solo carlos eduardo

424 visualizações

Publicada em

Um trabalho realizado para mostrar tipos de fórmulas inorgânicas do Fósforo (P) que são absorvidos pelas plantas e conhecer alguns tipos de extratores para a aplicação em solos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O fósforo no solo carlos eduardo

  1. 1. Após o desenvolvimento do método de fracionamento do P-inorgânico do solo por Chang & Jackson (1975) muitos estudos tem sido realizados para determinar qual a forma inorgânica de P preferencialmente absorvida pelas plantas, qual a relação entre o “Pdisponível”, por diferentes extratores , e as diferentes formas de P, ou mesmo efeito do grau de intemperismo sobre a presença das diferentes formas de P.
  2. 2. O comportamento de extratores ante as formas inorgânicas de P no solo foi sumariado, de maneira didática, testando diferentes fontes de P: superfosfato triplo, fosfatos de Patos e de Araxá, e o de termofosfato de Yoorin.
  3. 3. Essas fontes, em diferentes doses foram aplicadas a lanço e incorporados no solo, em condições de campo e analisados sete meses após a aplicação. O superfosfato triplo causou aumentos significativos, de 48,7%, no P-Al, de 37%, no P-Fe, e de 14.3%, no P-Ca. Os fosfato de Araxá e de Patos causou aumentos significativos apenas no P-Ca e o termofosfato Yoorin apenas no P-Fe.
  4. 4. O extrator Mehlich-1 foi sensível às alterações das três formas de P-inorgânicos proporcionado pelas três fontes e analisadas em conjunto, mostrando-se, todavia, mais sensível às variações do P-Ca proveniente dos fosfatos naturais e, ainda, não são solubilizados nas condições do solo. Comportamento semelhante foi observado para Bray2, a presença de NH4F faz com que ele seja mais sensível às variações de P-Al que o Mehlich-1. O F em meio ácido apresenta significativo efeito complexante sobre o Al, liberando P.
  5. 5. O caráter menos ácido do Bray-1 e, de modo particular, a ausência do sulfato como ânion de troca mais efetiva com o fosfato, comparativamente ao cloreto, em relação ao Mehlich-1, faz com que a indesejável extração preferencial de P-Ca não ocorra com esse extrator. Pela constituição básica do Olsen, P-Al e P-Fe deveram ser suas fontes preferências de extração. Seu caráter básico não permite a solubilização do P-Ca, o que é uma de suas características positivas, em relação ao Mehlich-1 e Bray-2.

×