O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA

15.835 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

HISTÓRIA DA ARTE: CRISTÃ PRIMITIVA E ARTE BIZANTINA

  1. 1. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA e BIZANTINA
  2. 2. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA  Quando o cristianismo é perseguido no Império Romano, os cristãos se refugiam nas catacumbas(túmulos subterrâneos) para a realização de seus cultos.Servindo a fé, Criam uma arte própria,feita sobretudo, de símbolos.
  3. 3. Catacumbas cristãs, Roma A arquitetura paleocristã foi simples e caracterizada pela simbologia das passagens da Bíblia. Destacamos numa primeira fase catacumbas e cemitérios subterrâneos em Roma para celebração de cultos cristãos. Ainda hoje podemos visitar as catacumbas de Santa Domitila e Santa Priscila. Com a legalização do Cristianismo, surgem as basílicas, edificações enormes com 3 naves e um portão principal na fachada, destinadas ao comércio e assuntos judiciais. Com o fim da perseguição aos cristãos, os romanos cederam algumas basílicas para os cultos cristãos. As basílicas cristãs foram revestidas com mosaicos contando passagens do Antigo e Novo Testamento. Os mausoléus e sarcófagos, utilizados pelos mais ricos, também receberam esse mesmo material.
  4. 4. A pintura paleo-cristã é bastante escassa e totalmente simbólica. Restaram alguns afrescos, encontrados nos muros das catacumbas; seus temas eram sempre baseados no Cristianismo, podiam representar orações, figuras humanas e de animais, símbolos cristãos e passagens dos Evangelhos e cenas típicas da vida religiosa da época.
  5. 5. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Cristo e os apóstolos. Catacumba de Santa Domitilla. O Orante. Catacumba de Priscila.
  6. 6. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA NERO: proíbe o cristianismo e por sua vez, persegue os cristãos, que manifestavam a sua fé em locais mais afastados. CATACUMBAS: galerias subterrâneas, onde eram enterrados os mortos e onde os cristãos puderam manifestar a sua fé, desenhando símbolos referentes a vida de Cristo. Catacumbas de São Calisto.
  7. 7. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A cruz - símbolo do sacrifício de Cristo; • A palma - símbolo do martírio; Inicialmente as pinturas representavam os símbolos cristãos
  8. 8. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A âncora - símbolo da salvação; • O peixe - símbolo preferido dos cristãos, pois as letras da palavra peixe em grego (ichtys) coincidem com a letra inicial de cada uma das palvras da expressão “Iesous Christos, Theou Yios, Soter”, que significa: “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador”.O Peixe. Catacumba de São Calisto.
  9. 9. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Mais tarde, as pinturas evoluíram e passaram a representar cenas do antigo e novo testamento. O Bom Pastor. Catacumba de Santa Priscila.
  10. 10. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • Em 313, Constantino permite o Cristianismo. • Em 391, Teodósio o oficializa, tornando-o a religião oficial do Império.
  11. 11. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Toda Arte Cristã Primitiva, primeiramente tosca e simples nas catacumbas e depois mais rica e amadurecida, prenuncia as mudanças que marcarão uma nova época na história da humanidade.
  12. 12. ARTE BIZANTINA TEODÓSIO DIVIDE O IMPÉRIO ROMANO Império Romano do Ocidente Império Romano do Oriente Capital: Roma Capital: Constantinopla
  13. 13. ARTE BIZANTINA Roma: sofreu várias invasões bárbaras, em 476 os invasores tomaram o poder (queda do império Romano) finalizando a Antigüidade iniciando a Idade Média. Constantinopla: localizada em Bizâncio, antiga colônia grega sofreu influências da arte desse povo, assim como, da arte oriental. Bizantino é uma derivação de Bizâncio.
  14. 14. ARTE BIZANTINA  A Arte Bizantina possuía um caráter majestoso que exprimia poder e riqueza  Tinha o objetivo de expressar a autoridade absoluta do Imperador, considerado sagrado, representante de Deus, com poderes temporais e espirituais.
  15. 15. ARTE BIZANTINA CONVENÇÕES Lei da Frontalidade: a postura rígida das figuras levava ao observador respeito e veneração pelo personagem retratado.
  16. 16. ARTE BIZANTINA CONVESÕES Troca dos elementos caracterizadores dos personagens.
  17. 17. ARTE BIZANTINA Pessoas Sagradas, retratadas como Oficiais e Imperadores. Ou a retratação inversa.
  18. 18. ARTE BIZANTINA  O Bizantino destaca-se pela perfeição. Isto pode ser percebido na arquitetura, através da Igreja de Santa Sofia, que contém uma cúpula sobre uma planta quadrada, composta por arcos, absides e colunas com capitéis coríntios.
  19. 19. ARTE BIZANTINA E a igreja de São Vital em Ravena, que possui planta octogonal.
  20. 20. ARTE BIZANTINA MOSAICOS Composição plástica, feita sobre uma superfície de gesso ou argamassa, onde eram colocados lado a lado, pequenos pedaços de pedras coloridas ou preciosas.
  21. 21. ARTE BIZANTINA MOSAICOS  Descrição da técnica: o desenho era feito e mais tarde recebia pedras coloridas, que por sua vez eram fixadas com uma solução de cal, areia e óleo.
  22. 22. ARTE BIZANTINA Revestiam uma superfície de metal, ou madeira, com uma camada dourada. Pintavam com dois tipos de pigmentos: Têmpera e Encáustica. Depois de concluída; a pintura era raspada com um objeto de metal, que deixava à mostra algumas partes do fundo dourado, com o objetivo de dar movimento e volume às imagens. ICONES (IMAGENS) De inspiração oriental, representavam figuras sagradas e passagens bíblicas.
  23. 23. ARTE BIZANTINA  TÊMPERA: pigmentos em pó, misturados a uma goma orgânica, geralmente a gema de ovo, para facilitar a fixação das cores à superfície dos objetos pintados, possui uma aparência brilhante e luminosa.  ENCÁUSTICA: pigmentos em pó, diluídos em cera derretida e aquecida na hora da pintura. Possuía aspecto semifosco.
  24. 24. IMAGENS
  25. 25. A Virgem e o Menino entre São Teodoro e São Jorge
  26. 26. Catacumba de Comodilla
  27. 27. Catacumba de São Marcellino e Peter
  28. 28. A Virgem com o filho e um Profeta, pintada na Catacumba de Santa Priscila, Roma
  29. 29. O Bom Pastor, centro do Teto do “Velatio” Cubículo – Catacumba de Priscila
  30. 30. Catacumba de Priscila
  31. 31. Catacumba da Via Latina
  32. 32. Catacumba de Via Latina
  33. 33. Catacumba da Via Latina
  34. 34. Catacumba de Domitilla – O banquete da Anunciação
  35. 35. Catacumba de São Marcellino e Peter
  36. 36. Detalhe
  37. 37. Jonas indo para o mar – catacumba de São Marcellino
  38. 38. Símbolos: o peixe e o pão
  39. 39. Símbolos - Âncora
  40. 40. Símbolos – Alfa e omega
  41. 41. Símbolos - Fênix
  42. 42. Mausoléu de Gala Plácida
  43. 43. Interior do Mausoléu de Gala Plácida
  44. 44. Teto de Gala Plácida
  45. 45. Catacumba de Via Latina
  46. 46. Santa Maria A Maior – reconstruída - Espanha
  47. 47. Mosaicos – Santa Maria A Maior
  48. 48. Mosaicos – Santa Maria A Maior
  49. 49. Santa Constanza
  50. 50. Santa Constanza
  51. 51. Detalhe de Santa Constan
  52. 52. Detalhe de Santa Constanza
  53. 53. Igreja de São Lourenço de Milão
  54. 54. Interior
  55. 55. Santa Agnes
  56. 56. Interior Santa Agnes
  57. 57. Santa Pudenziana
  58. 58. Catacumba de Santa Pudenziana
  59. 59. St Setefano Rotondo
  60. 60. Interior de St Setefano Rotondo
  61. 61. Interior de St Setefano Rotondo
  62. 62. Mausoléu de Teodoric - Ravenna
  63. 63. A escultura se destaca mais por seu significado e simbolismo do que pelas formas e é encontrada nos sarcófagos. Baixos relevos de pouca qualidade transmitem a espiritualidade. Suas figuras dão ênfase às cabeças, que seriam para eles o centro da espiritualidade. Existem poucas estátuas e quase sempre representavam o Bom Pastor. As decorações dos sarcófagos compreendiam cenas em seqüência, personagens entre colunas e um medalhão central.
  64. 64. Relevos
  65. 65. Relevos de um Sarcófago – Cenas do Antigo e Novo Testamento

×