Você teria coragem de tirar uma vida dentro de você?
O que é?DEFINIÇÃO: O aborto é a morte de uma criança no ventre de sua mãeproduzida durante qualquer momento da etapa que v...
Na História  Na Grécia antiga o aborto era permitido esocialmente aceite, assim como o infanticídio.Já na Roma antiga o ab...
Motivos que levam ao abortoOs principais motivos que levam à prática doaborto por parte de tantas mulheres em todo omundo ...
Gravidez fruto da violação Quando a gravidez provém de uma violação, asmulheres pretende abortar, uma vez que o filhofoi f...
Má reação da família Muitas vezes quando a gravidez se dá emadolescentes solteiras a família temtendência para não aceitar...
Risco de vida  A quando de uma gravidez de risco emque um ou ambos (mãe e filho) corremrisco de vida, a mãe pode tomar a d...
Doenças Transmissíveis   Quando uma grávida está infectada comdoenças sem cura e o filho corre o risco deser também infect...
Incapacidade EconômicaMuitos dos abortos são realizados pelo fato deas mães não terem capacidades financeiraspara sustenta...
Malformações Quando se dão problemas na gravidez e ofeto tem malformações, as mães, paraevitarem problemas futuros, decide...
Gráfico de gravidez na adolescência
1 - Por Envenenamento Salino                                         Extrai-se o líquido amniótico                        ...
2 – Por Sucção           Insere-se no útero um tubo oco         que tem uma ponta afiada. Uma         forte sucção (28 vez...
3 – Por Dilatação e Curetagem                   Neste método é utilizado uma                 cureta ou faca proveniente de...
4 - Por "D & X" às 32o       semanas                 Este é o método mais espantoso de            todos, também é conhecid...
5 – Por operação cesariana                      Este método é                exatamente igual a                uma        ...
6 – Mediante Prostaglandinas                  Esta droga provoca um parto                  prematuro durante qualquer     ...
7 – Pílula RU-486          Trata-se de uma pílula abortiva          empregada        conjuntamente          com uma prosta...
Consequências do Aborto  Consequências físicas            Consequências Psicológicas          Esterilidade                ...
  Mas o que diz a lei actual? Segundo a Lei n.º6/84, que se encontra em vigor desde 11 de Maiode 1984, a interrupção volun...
Aborto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aborto

5.526 visualizações

Publicada em

Um trabalho quase completo sobre um tema polêmico que é o aborto.

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
181
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aborto

  1. 1. Você teria coragem de tirar uma vida dentro de você?
  2. 2. O que é?DEFINIÇÃO: O aborto é a morte de uma criança no ventre de sua mãeproduzida durante qualquer momento da etapa que vai desde afecundação (união do óvulo com o espermatozoide) até o momentoprévio ao nascimento.Fala-se de aborto espontâneo quando a morte é produto de algumaanomalia ou disfunção não prevista nem desejada pela mãe; e deaborto provocado (que é o que costuma ser entendido quando se falasimplesmente de aborto) quando a morte do bebê é procurada dequalquer maneira: doméstica, química ou cirúrgica.Os defensores do aborto procuraram encobrir sua natureza criminalmediante a terminologia confusa ou evasiva, ocultando o assassinatocom jargão "interrupção voluntária da gravidez" ou sob conceitos como"direito de decidir" ou "direito à saúde reprodutiva". Nenhum destesartifícios da linguagem, entretanto, podem ocultar o fato de que o abortoé um infanticídio.O aborto (do latim ab-ortus, privação do nascimento) é a interrupção dagravidez, que pode ocorrer de forma espontânea ou de formavoluntária, através de intervenção médica ou provocada pela própriagestante.
  3. 3. Na História Na Grécia antiga o aborto era permitido esocialmente aceite, assim como o infanticídio.Já na Roma antiga o aborto era punido compena de morte. O aborto provocadoocasionava, geralmente, a morte da mãe. Após a humanização do Direito, por influênciado Cristianismo, o aborto passou a serconsiderado um crime.A União Soviética, em 1920, foi o primeiro paísa legalizar o aborto voluntário. Na décadaseguinte, esta tendência liberal estendeu-se avários países escandinavos e posteriormenteao Japão, à China e à Europa Ocidental.
  4. 4. Motivos que levam ao abortoOs principais motivos que levam à prática doaborto por parte de tantas mulheres em todo omundo são diversos. O gráfico seguinte pretendeilustrar essas razões:
  5. 5. Gravidez fruto da violação Quando a gravidez provém de uma violação, asmulheres pretende abortar, uma vez que o filhofoi fruto de um ato cruel e totalmente sem amor.Tal como o bebê foi gerado sem amor também oseu desenvolvimento o poderá ser. Quando amãe olhar para o filho vê-lo-á como o fruto deuma violação e não de um ato de amor, o quepoderá despertar o rancor que sente e, poderámaltratar o filho como forma de vingança peloque o violador lhe fez. Este constitui um dosprincipais argumentos dos movimentos pró-aborto.
  6. 6. Má reação da família Muitas vezes quando a gravidez se dá emadolescentes solteiras a família temtendência para não aceitar a criança e,muitas vezes, a própria mãe.Quando issoacontece, o medo que a grávida sente pelareação dos familiares (principalmentepelos pais, quando se tratam degravidezes na adolescência) ou até deamigos e esta não tem coragem para lhesrevelar a sua situação, pois corre o riscode sofrer repressões por parte da família e,por isso, decide abortar.
  7. 7. Risco de vida A quando de uma gravidez de risco emque um ou ambos (mãe e filho) corremrisco de vida, a mãe pode tomar a decisãode abortar, pois é preferível a ver o filhomorrer à nascença ou a não poderacompanhar o seu crescimento. Quandoisso acontece as mães não pensam napossibilidade de ambos sobreviverem, oque pode acontecer, e depois ficam deconsciência pesada para o resto da vidapois não se conformam com a ideia de queo filho poderia ter sobrevivido.
  8. 8. Doenças Transmissíveis Quando uma grávida está infectada comdoenças sem cura e o filho corre o risco deser também infectado, a mãe pode tomar adecisão de realizar um aborto para que ofilho não tenha de viver com o peso que amãe lhe legou, pois este não tem culpanenhuma.
  9. 9. Incapacidade EconômicaMuitos dos abortos são realizados pelo fato deas mães não terem capacidades financeiraspara sustentar o filho.Muitas gravidezes queacabam em aborto ocorrem em meios comdificuldades econômicas e com falta deinformação.Devido a essas dificuldades osindivíduos não tomam medidas protecionistasdurante as relações sexuais e,consequentemente, as mulheres engravidam,sentindo dificuldades e não tendocapacidades para sustentar o filho, que correo risco de morrer por falta de condições.
  10. 10. Malformações Quando se dão problemas na gravidez e ofeto tem malformações, as mães, paraevitarem problemas futuros, decidemabortar: quando um bebê tem umamalformação terá, consequentemente,problemas no seu desenvolvimento eformação e necessitará de cuidadosespeciais que não poderão serprovidenciados pela mãe. As mãesdecidem, então, abortar, para que os seusfilhos não tenham uma vida limitada devidoàs suas imperfeições.
  11. 11. Gráfico de gravidez na adolescência
  12. 12. 1 - Por Envenenamento Salino Extrai-se o líquido amniótico dentro da bolsa que protege o bebê. Introduz-se uma longa agulha através do abdômen da mãe, até a bolsa amniótica e injeta-se em seu lugar uma solução salina concentrada. O bebê ingere esta solução que lhe causará a morte em 12 horas por envenenamento, desidratação, hemorragia do cérebro e de outros órgãos. Esta solução salina produz queimaduras graves na pela do bebê. Algumas horas mais tarde, a mãe começa "o parto" e da a luz a um bebê morto ou moribundo,Aborto por envenenamento salino. muitas vezes em movimento. 19 semanas. Este método é utilizado depois da 16o semana de gestação.
  13. 13. 2 – Por Sucção Insere-se no útero um tubo oco que tem uma ponta afiada. Uma forte sucção (28 vezes mais forte que a de um aspirador doméstico) despedaça o corpo do bebê que está se desenvolvendo, assim como a placenta e absorve "o produto da gravidez" (ou seja, o bebê), depositando-o depois em um balde. O abortista introduz logo uma pinça para extrair o crânio, que costuma não sair pelo tubo de sucção. Algumas vezes as partes mais pequenas do corpo do bebê podem ser identificadas. Quase 95% dos abortos nos países desenvolvidos são realizados desta forma.
  14. 14. 3 – Por Dilatação e Curetagem Neste método é utilizado uma cureta ou faca proveniente de uma colher afiada na ponta com a qual vai-se cortando o bebê em pedaços com o fim de facilitar sua extração pelo colo da matriz. Durante o segundo e terceiro trimestre da gestação o bebê é já grande demais para ser extraído por sucção; então utiliza-se o método chamado dilatação e curetagem. A cureta é empregada para desmembrar o bebê, tirando-se logo em pedaços com ajuda do fórceps. Este método está se tornando o mais usual.
  15. 15. 4 - Por "D & X" às 32o semanas Este é o método mais espantoso de todos, também é conhecido como nascimento parcial. Costuma ser feito quando o bebê se encontra já muito próximo de seu nascimento. Depois de ter dilatado o colo uterino durante três dias e guiando-se por ecografia, o abortista introduz algumas pinças e agarra com elas uma perninha, depois a outra, seguida do corpo, até chegar aos ombros e braços do bebê. Assim extrai-se parcialmente o corpo do bebê, como se este fosse nascer, salvo que deixa-se a cabeça dentro do útero. Como a cabeça é grande demais para ser extraída intacta; o abortista, enterra algumas tesouras na base do crânio do bebê que está vivo, e as abre para ampliar o orifício. Então insere um catéter e extrai o cérebro mediante sucção. Este procedimento faz com que o bebê morra e que sua cabeça se desabe. Em seguida extrai-se a criatura e lhe é cortada a placenta.
  16. 16. 5 – Por operação cesariana Este método é exatamente igual a uma operação cesárea até que se corte o cordão umbilical, salvo que em vez de cuidar da criança extraída, deixa-se que ela morra. A cesárea não tem o objetivo de salvar o bebê mas de matá-lo.
  17. 17. 6 – Mediante Prostaglandinas Esta droga provoca um parto prematuro durante qualquer etapa da gravidez. É usado para levar a cabo o aborto à metade da gravidez e nas últimas etapas deste. Sua principal "complicação" é que o bebê às vezes sai vivo. Também pode causar graves danos à mãe. Recentemente as prostaglandinas foram usadas com a RU- 486 para aumentar a "eficácia" destas.
  18. 18. 7 – Pílula RU-486 Trata-se de uma pílula abortiva empregada conjuntamente com uma prostaglandina, que é eficiente se for empregada entre a primeira e a terceira semana depois de faltar a primeira menstruação da mãe. Por este motivo é conhecida como a "pílula do dia seguinte". Age matando de fome o diminuto bebê, privando do de um elemento vital, o hormônio progesterona. O aborto é produzido depois de vários dias de dolorosas contrações.
  19. 19. Consequências do Aborto Consequências físicas Consequências Psicológicas Esterilidade Sentimento de culpa Abortos Espontâneos Impulsos suicidas Gravidez Ectópica Arrependimento e remorso Nado-mortos Baixa autoestima Hemorragias e infecções Raiva Coma Frustração do instinto maternal Perfuração do útero Perda de interesse sexual Insônia Pesadelos Dores intensas Tonturas Perda de apetite e de peso Sentimento de abandono Nervosismos Perda de confiança Distúrbios gastrointestinais DesesperoCapacidade intelectual diminuída Tanafobia (fobia a morte)
  20. 20.   Mas o que diz a lei actual? Segundo a Lei n.º6/84, que se encontra em vigor desde 11 de Maiode 1984, a interrupção voluntária da gravidez é permitida emdeterminadas circunstâncias (risco de vida, de saúde física oupsíquica da mulher; violação e malformação do feto). No entanto,fora destas circunstâncias, é estabelecida uma pena que pode ir atétrês anos de prisão para a mulher que abortar. 1996- o ministério ordena um inquérito para apurar a forma como alei está a ser cumprida. 1997- são alargados os prazos para a interrupção voluntária dagravidez em casos de malformação do feto. 1998- é aprovada a lei que permite a interrupção voluntária dagravidez, a pedido da mulher, até às dez semanas de gravidez.Nesse mesmo ano é realizado um referendo sobre a suadespenalização, porém, a abstenção impede que os resultadossejam conclusivos. 2002- o Parlamento aprova a realização de um estudo nacionalsobre a realidade do aborto (legal e clandestino), educação sexual eplaneamento familiar.

×