Sismografo o que é

254 visualizações

Publicada em

Nesta apresentação descreve-se o que é um sismógrafo, como é constituído a e alguns tipos de sensores que podem fazer parte de um sismógrafo

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
107
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sismografo o que é

  1. 1. Sismógrafo – o que é
  2. 2. O que é • O sismógrafo é um aparelho que deteta as vibrações do solo, sejam as geradas pelas ondas sísmicas, obras, explosões, etc. • Consiste num sensor e num sistema de registo que permite efetuar a memorização das medidas e a sua apresentação gráfica. • A apresentação pode ser em papel ou, como é mais comum hoje em dia, em computador.
  3. 3. História O primeiro sismógrafo conhecido foi inventado na China por Zhang Heng em 132. Este aparelho consistia em oito esferas de bronze, cada uma sustentada pela boca estátuas de dragões. Quando ocorria um tremor de terra, por menor que fosse, a boca do dragão abria e a bola caía na boca aberta de um dos oito sapos de metal que se encontravam em baixo. O aparelho permitia determinar, desse modo, a direção de propagação do sismo.
  4. 4. Constituição • A geração do sismograma pode ser feita de forma analógica ou digital. • A forma analógica era mais utilizada antigamente, e consistia de uma caneta ou outro objeto ligado a uma massa, marcando o movimento em um rolo de papel. • A forma digital é a mais utilizada atualmente e baseia-se na voltagem gerada pelo sensor do sismógrafo, que se altera com o movimento da massa, sendo processada por computador e gerando o gráfico respetivo.
  5. 5. Sensores de sismógrafos modernos •Velocidade •Aceleração –Piezoelétricos –Force Balance –MEMS
  6. 6. Transdutor de velocidade Os sensores de Velocidade de vibração são constituídos por uma bobine e um íman. O íman está seguro à carcaça do transdutor por uma mola para permitir o seu movimento. A tensão gerada na bobine é proporcional à velocidade relativa entre o íman e a bobine.
  7. 7. Acelerómetros piezoelétricos Os acelerómetros mais comuns são do tipo piezoelétrico. Neles a carga elétrica gerada é proporcional à aceleração a que estão sujeitos.
  8. 8. Acelerómetro Force Balance (FBA) Este sensor utiliza um transdutor de deslocamento, que é um condensador de placas paralelas fixas com uma placa móvel entre elas. Esta placa desloca-se com a massa, e para posições fora do equilíbrio o transdutor gera uma corrente através do enrolamento através de uma resistência num ciclo de realimentação negativa de modo que a polaridade da corrente gere uma força que seja igual e oposta à inércia da massa, tentando impedir o movimento relativo da massa. Esta corrente é linearmente proporcional a aceleração do solo, por isso a aceleração do solo é então medida pela voltagem na resistência.
  9. 9. Acelerómetros MEMS Os acelerómetros MEMS possuem o mesmo principio básico dos acelerómetros piezoelétricos, ou seja, são basicamente um sistema massa, mola e amortecedor, mas obviamente numa escala muito reduzida.
  10. 10. Caracterização de um sismógrafo Gama de frequência - Intervalo de frequências que pode ser medido pelo sensor. Por exemplo de 1 Hz a 1000 Hz. Sensibilidade - É a expressão do menor sinal que pode ser medido pelo instrumento, sendo atualmente limitada pelo ruído gerado pelas partes eletrônicas do sensor e do registador. Gama dinâmica - Gama dinâmica é a proporção entre o maior e o menor sinal que um sensor pode medir, e é dada decibéis (dB). Linearidade e gama de medida - Idealmente deseja-se um sensor que a saída em volts se comporte linearmente relativamente à vibração que está a medir. A gama linear do sensor é a gama de medida do sismógrafo. Ganho e saída - O ganho é dado em V/ms-1 para sensores de velocidade e em V/g para acelerômetros, sendo quanto maior melhor, porem é atualmente facilmente compensado pela amplificação do registador.
  11. 11. A Norma Portuguesa NP 2074 Para a avaliação do impacto de vibrações impulsivas em estruturas existe uma Norma Portuguesa, a NP 2074 Avaliação da influência de vibrações impulsivas em estruturas, podendo-se ver na fotografia um medidor de vibrações ligado a um acelerómetro triaxial que pode servir para esta aplicação, funcionando como um sismografo. A dBwave vende, aluga e presta serviços de avaliação de vibrações em estruturas com sismógrafos.
  12. 12. Se quiser ler um artigo sobre este tema clique aqui
  13. 13. www.dbwave.pt

×