O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A consulta em 7 passos trabalho de alunos

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Apresentacao tecnica 5_as
Apresentacao tecnica 5_as
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 17 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a A consulta em 7 passos trabalho de alunos (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

A consulta em 7 passos trabalho de alunos

  1. 1. A CONSULTA EM 7 PASSOSA CONSULTA EM 7 PASSOS
  2. 2. A Consulta em 7 passos CONSULTA = Atividade principal do médico da família. • É um processo com antecedentes, princípio, meio, fim e conseqüências;
  3. 3. Fases e passos da consulta • A consulta é composta por 3 fases e 7 passos; • FASE INICIAL = preparação e primeiros minutos com 2 passos. 1. Preparação: Revê a situação do médico, consultório e do próximo paciente; 2. Primeiros minutos: Acolhimento do paciente e detecção de indícios físicos e emocionais.
  4. 4. • FASE INTERMEDIÁRIA = Exploração, avaliação e plano. 3. Exploração: Recolhe, analiza e cotextualiza dados. 4. Avaliação: Interpreta, estabelece diagnósticos e prognósticos. 5. Plano: Planejamento de cuidados. Fases e passos da consulta
  5. 5. • FASE FINAL = Encerramento e reflexão final. 6. Encerramento: Revê os planos, verifica as dúvidas e despede-se do paciente. 7. Reflexão e notas finais: Reflexão crítica sobre o que passou. Fases e passos da consulta
  6. 6. Modelo clínico integrado • A consulta em 7 passos é um método clínico centrado na pessoa; • Centra-se na singularidade de cada indivíduo; • Facilita a compreensão do doente e direciona a consulta, fortalecendo a capacidade de discussão conjunta frente aos problemas; • Abordagem biomédica, psicossocial centrada na pessoa, atenta ao médico e relação médico-doente.
  7. 7. PASSO 1 – PREPARAÇÃO DA CONSULTA • “O começo é a parte mais importante de qualquer trabalho” Platão • Começar bem uma consulta significa prepará-la cuidadosamente. • Como eu, médico, estou? Forças e fraquezas... • Consultar o que há sobre o paciente • Avaliar as condições do ambiente
  8. 8. PASSO 2 – OS PRIMEIROS MINUTOS • Acolhimento, primeiro contato, cumprimento • É neste passo que começa a preparar-se um clima terapêutico e onde se clarificam e acordam os problemas a abordar na consulta. • Primeiras impressões são muito importantes. • A pergunta-chave deste passo é: Por que é que este doente veio consultar-me hoje?
  9. 9. • Os principais objetivos deste passo são: a)Abrir a consulta e o processo de comunicação; b)Captar eventuais indícios de algo latente; c)Preparar a criação de uma relação terapêutica; d)Esclarecer os motivos de consulta mais importante; e)Acordar os problemas a abordar na consulta – estabelecer a ordem de trabalhos da consulta, para que ambos saibam o que há para abordar, podendo verificar o que foi feito e o que falta fazer. PASSO 2 – OS PRIMEIROS MINUTOS
  10. 10. PASSO 3 - EXPLORAÇÃO • Neste passo procede-se à recolha, análise e contextualização de dados e de informações subjetiva e objetiva quer biomédica quer psicossociocultural, através da condução criteriosa da anamnese e da realização do exame objetivo. • Anamnese, exame objetivo e contextualização • Procurar apreender, sem modificar, a história do paciente
  11. 11. • Os principais objetivos deste passo são: a) Obter uma anamnese adequada tendo em conta os motivos, as expectativas e a agenda acordada para esta consulta; b) Realizar o exame objetivo adequado a caracterização dos problemas em estudo; c) Testar hipóteses; d) Complementar e contextualizar a informação colhidos pra, tendo em conta as dimensões biomédicas e psicossociocultural do paciente e dos problemas abordados; e) Integrar e resumir os dados e a informação recolhidos. PASSO 3 - EXPLORAÇÃO
  12. 12. PASSO 4 - AVALIAÇÃO 1) Racionalidade técnico-científica da abordagem médica. chegar ao diagnóstico 2) Discorrer sobre o diagnóstico feito, ou seja: Questionar Explicar Previsão/prognóstico Impacto da doença paciente
  13. 13. PASSO 5 – PLANO DE CUIDADOS • Formular propostas de tratamento; • Chegar a um acordo sobre o plano de tratamento; • Propor medidas de prevenção. • Comprometer o paciente: Participação do paciente Envolvimento do paciente Objetivos e metas do paciente Responsabilização do paciente Com o tratamento
  14. 14. PASSO 6 – ENCERRAMENTO DA CONSULTA • “Serve para verificar se tudo ocorreu como desejado e se é oportuno encerrar a consulta, se está tudo ok tanto para o medico como para o paciente”. • Neste momento, é importante perceber se o paciente obteve a resposta de suas dúvidas, se a orientação de conduta indicada pelo médico ficou bem entendida pelo seu paciente, independente do seu nível cultural. • Tentar enxergar nas entrelinhas da relação medico e paciente, a satisfação do seu paciente e suas expectativas. Precisamos ser persuasivos nesse momento e também cordiais ao percebermos que é o momento de encerrar formalmente a consulta.
  15. 15. PASSO 7 – REFLEXÃO E NOTAS FINAIS • Momento que o médico precisa estar sozinho. Hora de atender as suas necessidades formais para preenchimento dos registros no prontuário do paciente; • Também é hora do médico fazer uma auto avaliação da consulta. Checar a coerência entre a queixa do paciente, o comportamento e a conduta do médico frente a carência apresentada pelo paciente. • Limpeza mental, cognitiva e descontaminação emocional para a próxima consulta. Ter sempre presente que pode-se melhorar!
  16. 16. Considerações finais • A consulta em 7 passos é uma forma de aprender a conduzir bem uma consulta. Discutindo e treinando desde já, chega-se próximo do padrão " consulta ideal“; • Saber falar e saber ouvir é um grande desafio, muitas vezes maior do que chegar ao diagnostico clinico; • O bom senso leva a dar crédito as queixas do paciente sem minimizá-las, porem mantendo o foco sem grandes desvios para não faltar objetividade;
  17. 17. • O paciente na maioria das vezes vai consultar por alguma carência, e na maior parte das vezes é afetiva. A sua queixa clínica é a simbolização na prática de uma queixa psicossocial da sua própria angústia; • O paciente precisa ser olhado para se sentir confiante e acreditado; • E o médico por sua vez, precisa da valorização do paciente. Considerações finais

×