Festival 2015 - Negócios de Impacto

1.319 visualizações

Publicada em

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Festival 2015 - Negócios de Impacto

  1. 1. NEGÓCIOS DE IMPACTO l Célia Cruz
  2. 2. AGENDA • Contexto da Base da Pirâmide; • O desafio da Inovação social e seu financiamento; • Diversidade de Negócios de Impacto • Potencial de Oferta de Capital: – Números do Investimento de Impacto: Mundo e Brasil; • Aprendizados e Desafios do Ecossistema: Mundo e Brasil.
  3. 3. CONTEXTO: CLASSE C,D e E 47,5 % das moradias no Brasil não têm condições adequadas O Brasil tem hoje a maior fatia da América Latina de população de baixa renda - 128milhões de pessoas. A pirâmide da classificação econômica brasileira mudou. Testemunhamos o aumento de 62% da classe C (família com renda mensal per capita de R$ 320,01 a R$ 1.120, Serasa), e a redução de 49% das classes DE no período de 2005 a 2010. Somente 54% dos jovens concluem o ensino médio no prazo esperado O SUS é a única forma de acesso à saúde para 67% da população 47% do PIB66% da população Fonte: Financial Diaries (Plano CDE CGAP) e IBGE (PNAD, 2011) 67% não possuem conta bancária
  4. 4. A PIRÂMIDE SOCIAL DO BRASIL 2012
  5. 5. CONTEXTO • Os recursos tradicionais –governamental, doações de organismos internacionais, investimento social privado e filantropia – têm sido insuficientes para suprir as demandas dos setores social e ambiental; • Na última década, as doações de organizações internacionais reduziram (R$ 500 milhões) e estão focada em poucas organizações de educação, saúde e assistência social que participam da execução de políticas públicas. • Apesar do leve crescimento, segundo último censo do Gife, seus associados investiram cerca de R$ 2,3 bilhões por ano (2012) • 1/2 vem de 3 fundações. Destas, poucas fundações tem fundos patrimoniais • Segundo o BISC, o recurso investido pelas empresas e fundacoes está crescendo. A agenda da sustentabilidade mobilizou recursos e suporte de OSC para uma agenda corporativa • A legislação no Brasil estimula a doação de indivíduos e empresas para projetos incentivados. Ambos utilizam um parcela mínima do recurso incentivado.
  6. 6. • Houve um aumento das transferências voluntárias do governo federal a entidades sem fins lucrativos de 2002 a 2010, mas sem acompanhar o crescimento do volume total do orçamento federal. • Em 1999 as transferências foram de R$ 2,2 bilhões, enquanto em 2010 chegaram a R$ 4,1 bilhões. No entanto, as transferências estaduais e municipais às entidades cresceram mais do que as federais (IPEA, 2011), o que pode ter implicações para o perfil das organizações apoiadas (maior apoio a entidades de assistência em detrimento das de defesa de direitos). Ademais, as entidades de educação, saúde e assistência são aquelas privilegiadas do ponto de vista da tributação no Brasil (Eduardo Pannunzio, FGV).
  7. 7. BISC GIFE • 224 empresas • 30 fundações empresariais • 1 instituto independente • 1 federação de empresas do setor de indústrias (ano base 2012) • 13 empresas • 58 fundações empresariais • 29 fundações e associações familiares, independentes e comunitárias (ano base 2011) Amostra BISC Amostra GIFE 11,8% CAGR (08- 12) 3,6% CAGR (08- 12) Detalhamento das amostras CONTEXTO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS: Empresas e Fundações
  8. 8. Análise dos recursos incentivados por Pessoa Jurídica 2013 Arrecadação PJ R$ em milhões Total arrecadado IRPJ / CSLL 197.165 Estimativa lucro real (68%) 134.072 Potencial (9%) 12.066 Valores doados por meio de recursos incentivados Fundos da Criança e do Adolescente 206 Fundos do Idoso 21 Incentivo ao Desporto 184 Programa Nacional de Apoio à Cultura 1.102 Pronas/PCD 9 Pronon 13 Total 1.537 Doação efetiva em relação ao potencial (%) 12,7% Pesquisa em construção da Força Tarefa de Finanças Sociais, realizada pela Deloitte CONTEXTO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS: Empresas – doação com recursos incentivados
  9. 9. 109 139 166 93 129 27,5% 19,4% -44,0% 38,7% 2009 2010 2011 2012 2013 Valores destinados a entidades civis sem fins lucrativos (Em milhões R$) Valores destinados a OSCIPs % Crescimento Empresas Estima-se que 69% das empresas (PJ) realizam algum tipo de ação social. Esse investimento abrange desde ajuda a pessoas em região em volta da empresa, como também benefícios não obrigatórios para funcionários, como cestas básicas e outros. A arrecadação por meio de recursos incentivados vem crescendo nos últimos anos e tem um enorme potencial para ser explorada. Pesquisa em construção da Força Tarefa de Finanças Sociais, realizada pela Deloitte CONTEXTO DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS: Empresas – Recursos incentivados para OSCs
  10. 10. DOADORES INDIVIDUAIS 11 23% do brasileiros* fizeram uma doação em dinheiro no último mês 34 milhões de pessoas | 8º País no ranking 14% dos brasileiros* ajudaram um estranho no último mês 19 milhões de pessoas | 5º País no ranking 45% dos brasileiros* dedicam-se a voluntariado no último mês 63 milhões de pessoas | 9º País no ranking Principais números do Brasil Rendimento Mensal por Salário Mínimo (SM)** % doador Doação anual (em milhões) Doação média por faixa de rendimento Acima de 5 SM 14,9% R$ 992 R$ 63,45 1 a 5 SM 12,4% R$ 2.488 R$ 31,43 1/2 a 1 SM 8,1% R$ 1.569 R$ 17,13 1/4 a ½ SM 4,9% R$ 178 R$ 9,40 Abaixo de 1/4 3,8% R$ 8 R$ 2,10 R$ 5,2 bilhões Recurso anual destinados a doação pelos brasileiros **Salário mínimo 2010: R$ 510,00 (2) Estudo Childfund Brasil e Rgarber Indivíduos de alta renda no Brasil Classe Quantidade de indivíduos Patrimônio Bilionários 3 (Patrimônio igual ou superior a US$ 1 bilhão) 61 US$ 182 bilhões UHNWI4 (Patrimônio superior a US$ 30 milhões) 4.122 US$ 865 bilhões Classe “A” 5 (Renda familiar acima de RS 11.037) 8.200.000 N/D No Brasil, em média, bilionários, doam pouco mais de US$ 100 milhões longo de suas vidas. Valor equivalente a 3% do seu patrimônio líquido. No mundo, 35% dos bilionários do mundo têm as suas próprias fundações privadas. 2011
  11. 11. DOADORES INDIVIDUAIS Recursos Incentivados 12 O montante doado por contribuintes, pessoas físicas, quase dobrou em 4 anos. Espera-se que em 2013, tenham sido doados quase R$ 108 milhões, por meio dos recursos incentivados 15,5% a.a. (10) Receita Federal (11) Receita Federal “Grandes números DIRPF 2013 - ano-calendário 2012” Potencial de captação através de recursos incentivados R$ 5,7 bilhões Total arrecadado R$ 107 milhões * Estimado – CAGR (09 – 12)
  12. 12. CONTEXTO DO FINANCIAMENTO É preciso criar condições para atrair mais capital privado para investir na solução de problemas sociais. Mecanismos financeiros, novos e existentes, e organizações de impacto social contribuem para a alocação deste capital para diferentes áreas que geram impacto social. Fonte: Força Tarefa Brasileira de Finanças Sociais “Ao mesmo tempo em que não há capital suficiente nas fundações e nos cofres do governo para resolver os problemas atuais, há capital privado suficiente no mundo. Só que este está sendo usado nos investimentos privados tradicionais.” JUDITH RODIN Presidente da Rockefeller Foundation | maio 2010
  13. 13. CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES Organizações sem fins lucrativos dependem de três principais fontes de receita: financiamento do governo, filantropia, e geração de receita. Dessas, apenas a geração de receita oferece alguma expectativa de crescimento a longo-prazo. E esta depende da nossa condução e liderança. Muito antes dos negócios sociais e negócios de impacto, OSC já tinham projetos de geração de receita, mas estes geravam apenas de 5-25% do orcamento. Os NS e NI nascem com um modelo de negócios que busca gerar lucro e até distribuir dividendos.
  14. 14. RETORNO Social (OSCs) Financeiro (Comercial) Empresa Tradicional OU Organização da Sociedade Civil - OSC (doações) Fundações Fundos Patrimoniais Pessoas Físicas Governo Organismos de Fomento Fundos Venture Capital Pessoas Jurídicas TRADICIONAL ALOCAÇÃO DE CAPITAL
  15. 15. 17 Fonte:timdraimin,thepotentialofsocialfinance
  16. 16. Impacto Social e Performance Financeira Fundações Fundos Patrimoniais Pessoas Físicas Governo Organismos de Fomento Fundos Venture Capital Pessoas Jurídicas Organiza ção da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental (inclusivo, social, etc) que distribui parte dos dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribui t todos os dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos COMO MOVER ALOCAÇÃO DE CAPITAL PARA IMPACTO SOCIAL OSC com Negócio Social Cooperativas
  17. 17. OFERTA DE CAPITAL Governo Organismos nacionais de fomento Organismos Multilaterais de Crédito Pessoas Jurídica Instituições de finanças comunitárias Fundações e associações Pessoa Física MECANISMOS (modalidades e fluxos de capital) Filantropia Empréstimos Comercialização de bens e serviços Investimento com objetivo de retorno financeiro / impacto social (impact Investing) Mobile giving Crowdfunding Empréstimos e Fundos Sociais Fundos Patrimoniais Contrato de Performance (Social Impact Bonds) Microcrédito Sem fins de lucro Com fins de lucro INTERMEDIÁRIOS Serviços financeiros Serviços de apoio e infraestrutura Produção/disseminação conteúdo Avaliação, capacitação e certificação DEMANDA DE CAPITAL Alocam recursos por meio de... Que são executados por... Conectam, facilitam, certificam... Conectam, facilitam, certificam... ECOSSISTEMA DE FINANÇAS SOCIAIS E NEGÓCIOS DE IMPACTO Org. da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental que distribui parte dos dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribuir todos os dividendos
  18. 18. Negócios de Impacto são empreendimentos que têm a missão explícita de gerar impacto socioambiental ao mesmo tempo em que geram resultado financeiro positivo de forma sustentável (*) Missão social e ambiental Impacto social e ambiental monitorado Lógica Econômica Governança efetiva Compromissos dos Negócios de Impacto Fonte: Carta de Princípios para Negócios de Impacto no Brasil; Grupo de Trabalho da Força Tarefa de Finanças Sociais no Brasil Fonte: Grupo de Trabalho da Força Tarefa de Finanças Sociais no Brasil NOSSO ENTENDIMENTO DO CONCEITO
  19. 19. Org. da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental que distribui parte dos dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribuir todos os dividendos Organizações e Negócios de impacto ORGANIZAÇÕES E NEGÓCIOS DE IMPACTO
  20. 20. 22 PROJETOS DE GERAÇÃO DE RENDA
  21. 21. 23 Objetivos: • Produção de cestarias baniwa de aruã; • Processo de produção e comercialização sustentável e a auto-gerida; • Incorporando aspectos sócio-ambientais de sustentabilidade; • A divulgação da Arte Baniwa; • Gerar renda e melhorar as condições de vida das comunidades; • A inovação e o impacto social em todas as etapas de produção. PLANO DE NEGÓCIO ISA – OIBI CESTARIA BANIWA DE ARUMÃ
  22. 22. 24 PLANO DE NEGÓCIO ISA – OIBI ARTE BANIWA DE ARUMÃ
  23. 23. 25 • Econômicos – Renda – Economia Regional • Culturais/Sociais – Resgate/valorização da tradição cultural – Identidade cultural e auto-estima – Organização social • Ambientais – Sustentabilidade das espécies vegetais usadas IMPACTOS
  24. 24. 26 BANCO PALMAS - FORTALEZA • 1980 – As famílias começaram a se organizar
  25. 25. 27 • Janeiro de 1998 – Inauguração do PALMA$ • O Banco Popular do Conjunto Palmeira • Com apenas 2.000 reais JOÃO JOAQUIM DE MELO NETO BANCO PALMAS - FORTALEZA
  26. 26. 28 2012 - + 70 municipios + necessidade de mais Institutos Palmas Parceria com bancos comerciais para executar suas politicas de microcréditos JOÃO JOAQUIM DE MELO NETO BANCO PALMAS - FORTALEZA
  27. 27. Org. da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental que distribui parte dos dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribuir todos os dividendos Organizações e Negócios de impacto ORGANIZAÇÕES E NEGÓCIOS DE IMPACTO
  28. 28. @mfukayama CEO, CDI Ventures CDI LAN
  29. 29. 17 anos 12 países 717 comunidades Transforma vidas através da tecnologia Transforma vidas através da tecnologia 1,5 milhão de pessoas impactas
  30. 30. Lan Houses 74% classe DE 72% salário mínimo 54% comunidades rurais 2 mil salas cinema 10% na Grande SP Quem faz a inclusão digital? 80 mil centros 35% do acesso 20 milhões de pessoas
  31. 31. Jun ‘09 CDI Lan é lançado com 5 Workshops e código de conduta Mar ‘10 SEBRAE-CDI lançam Rede de Apoio a LHs Abr ‘10 Rede Social para LHs é lançada Maio’10 Social Game para transformar LHs em PAS Jul’10 CDI Lan inicia pilotos em EDU e inclusão FIN Jan ’11 CDI Lan S/A é lançado e acelerado por Vox Capital Abr ‘11 CDI Lan CorBan com BB é lançado Jun’11 Microsoft e CDI lançam oferta inédita de licenciamento Dez’11 CDI Lan e Plano CDE anuniam pesquisa com usuários Out ‘11 Projeto Coletivo chega às lan houses CDI Lan CDI Lan e EPSON anunciam centros de impressão Jun’12 6.500Lan Houses afiliadas Geração de renda Capacitação Empoderamento CDI LAN Visão: Transformar lan houses em centros de serviços nas comunidades
  32. 32. ORGANIZAÇÃO SEM FINS DE LUCRO: Embrace - Incubadora para bebês prematuros www.youtube.com/watch?v=IwidCkCmWg4 Vídeo de 2010 – parar no 4:44
  33. 33. ORGANIZAÇÃO SEM FINS DE LUCRO: Rede Asta Vídeo de 2010 – parar no 4:44 Fundada em 2003, a REDE ASTA é um negócio social que tem como missão transformar o consumo em uma ferramenta de inclusão social e econômica. 1. Promovendo a inclusão da MULHER no setor produtivo; 2. Transforma os grupos produtivos comunitários em NEGÓCIOS sustentáveis; 3. Cria PONTES CRIATIVAS entre os produtos e o mercado; 4. Promove a justa e direta distribuição de riquezas; 5. Mobiliza a sociedade do consumo. Através do acesso a mercados, conhecimentos e criação de redes, esses grupos são fortalecidos e a venda de seus produtos viabilizada.
  34. 34. A História por trás dos produtos Rede Asta
  35. 35. Grupos produtivos  45 grupos produtivos;  700 artesãos;  Renda gira em torno de R$50 a R$500/mês;  54% nunca teve acesso a crédito.  54% criaram o grupo para complementar a renda; 41% como alternativa ao desemprego; 29% buscaram integração social-educacional-cultural;  4% são cooperativas formalizadas; 2% são micro- empresas; 9% são associações formalizadas; 30% células de geração de renda; 53% grupos informais;  99% afirmam ter dificuldade de comercializar seus produtos. A História por trás dos produtos Rede Asta
  36. 36. Org. da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental que distribui parte dos dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribuir todos os dividendos Organizações e Negócios de impacto ORGANIZAÇÕES E NEGÓCIOS DE IMPACTO
  37. 37. Distribui lucro1. incluir pessoas de baixa renda ou de populações marginalizadas na cadeia produtiva - como sócios, fornecedores, distribuidores, empregados, etc. 2. oferecer produtos e serviços que melhoram a qualidade de vida das pessoas mais pobres: necessidades básicas ,como habitação, alimentação, saúde, água potável, saneamento, energia. oportunidades de melhoria de sua situação socioeconômica - telefones celulares, computadores, serviços financeiros, 3. oferecer produtos e serviços que contribuem indiretamente para o aumento de renda de pessoas mais pobres, porque melhoram sua produtividade– acesso a crédito produtivo, venda de tecnologias e equipamentos de baixo custo, etc. NAIGEBORIN, Vivianne - Introdução ao Universo dos Negócios SociaisAdaptado de: TIM DRAIMIN, THE POTENTIAL OF SOCIAL FINANCE 1970s INOVAÇÃO DISRUPTIVA CRIA CICLOS DE MUDANÇAS Micro-finança e Negócios Sociais NEGÓCIOS SOCIAIS PARA YUNUS  REINVESTE 100% DO LUCRO NO PP NEGÓCIO
  38. 38. • Gestão de Negócios Imobiliários • Gestão de Ativos • Gestão e Relacionamento com inquilinos • Serviços de Suporte • Resolução de Disputa e Treinamento Voluntário • Todo o lucro é doado para ATIRA WOMEN’S RESOURCE SOCIETY “para fundar a transição para uma nova casa, assim como serviços de suporte para mulheres e crianças que estão se recuperando dos efeitos do abuso e violência domésticos.” conteúdo cortesia da atira, canada ATIRA: Gestão progressiva de propriedade
  39. 39. Juros é trocado pelo atingimento de metas de Impacto Social Bemtevi – Investimento Social Negócio Social que investe em Negócios Sociais, retornando aos Investidores muito mais que dinheiro e acreditando que todas as sementes sÃo boas e merecem a oportunidade de se desenvolverem. Investidores Negócios Sociais Impacto Social Conselho de Administração Rede de ConexõesComitê de Avaliação
  40. 40. Captação • Investimentos em NS • Seed Money Governança • Conselho e Comitê • Auditoria Externa • Suporte Jurídico • Regimento Interno • Estatutos • Metas contratadas no momento da aprovação dos investimentos Parceiros Bemtevi – Investimento Social EQUIPE BEMTEVI ESTÁGIO ATUAL
  41. 41. Sociedade do Sol Aquecedor Solar de Baixo Custo (ASBC) “A trajetória de uma Tecnologia Social rumo ao Negócio Social e Sustentável” 1ª Fase – OSC – Organização da Sociedade Civil - Criação do conceito de Aquecedor Solar Popular de Baixo Custo. - Desenvolvimento Tecnológico com abordagem Ambiental e Social - Reconhecimento da Fundação Banco do Brasil e certificação do ASBC como Tecnologia Social - Desenvolvimento de Parcerias com Fornecedores 2ª Fase – Negócio Social – Ganhando Escala - Capacitação de equipe e Desenvolvimento de Modelo de Negócio - Redesenho organizacional subdividindo-se entre Associação Sociedade do Sol e Negócio Social “ASBC Indústria” - Viabilidade de processo de inovação industrial da tecnologia social e sustentável com alto impacto.
  42. 42. Vivenda 2014 100 reformas 2015-2016 1.000 reformas consolidação do modelo > 2017 1.000.000 reformas replicação do modelo “O Ciclo de modelagem, aplicação, aprendizado, redefinição e consolidação” 1ª Fase – 100 reformas - Estruturação e Teste do Modelo - Identificação de variáveis relevantes / críticas 2ª Fase – 1000 reformas - Revisão do Modelo a partir do aprendizado - Consolidação de tecnologia e métodos construtivos - Parcerias Estratégicas de fornecimento - Parcerias Complementares de ação Famílias de baixa renda Solução de alto impacto social Reformas habitacionais de baixa complexidade Visa Melhorar a saúde e qualidade de vida
  43. 43. Org. da Sociedade Civil (OSC) sem geração de receita OSC com geração de receita Cooperativas Negócio com missão socio ambiental que distribui parte dos dividendos Empresas puramente comerciais OSC com Negócio Social Negócio Social ou Inclusivo que não distribui dividendos Negócio com missão socio ambiental que pode distribuir todos os dividendos Organizações e Negócios de impacto ORGANIZAÇÕES E NEGÓCIOS DE IMPACTO
  44. 44. Distribui lucro adaptado de: tim draimin, the potential of social finance INOVAÇÃO DISRUPTIVA CRIA CICLOS DE MUDANÇAS Micro-finança e Negócios Sociais 200819981970s Reinveste lucro Distribui lucro
  45. 45. 47 http://www.maisorganicos.com.br/ SEMENTES DA PAZ (projeto acelerado pela Artemisia)
  46. 46. 48 http://www.geekie.com.br/institutional/produtos GEEKIE (projeto acelerado pela Artemisia)
  47. 47. CAPITAL PARA FINANCIAMENTO DOS NEGÓCIOS SOCIAIS 49 INVESTIDORES FINANCEIRO PRIMEIRO: Priorizam o retorno financeiro com um impacto social mínimo INVESTIDORES IMPACTO PRIMEIRO: Priorizam o impacto socioambiental com um retorno financeiro mínimo Filantropia Investimento que busca maximizar lucros Alto Nenhum FocoRetornoFinanceiro Foco no Impacto Socioambiental Piso zero Financeiro PisozerodeImpacto Negócios “Yin-Yang” Fonte: “Investing for Social and Environmental Returns” by the Monitor Institute Alto
  48. 48. Dicionário / Glossário para mensurar impacto
  49. 49. Plataforma para comparação dos negócios
  50. 50. Assessoria Jurídica •2 milhões de lares estão em situação fundiária irregular •Em 2000, a população urbana passou para 138 milhões. Reforma Educação e Competências Saúde •Financiamento e modelo de reforma de casas de baixa renda •Evasão escolar •Estagnação no desempenho das escolas •Consulta médica com preço elevado •Demora no Atendimento DESAFIO IMPACTO E PERFORMANCE • Consultas feitas dentro da tablea SUS pagas pelo governo ou indivíduos • 100,000+ pessoas beneficiadas • Mais de 2,4 milhões de alunos impactados (90% de escolas públicas) • 11 secretarias estaduais aderiram ao Geekie Games • Certificação do INEP/MEC • Melhoria de qualidade de vida comun. baixa renda • 1000 casas (até 2016) • Literatura para microcrédito para reforma •Número de contratos negociados ACELERADORA INVESTIDOR • Artemisia • Artemisia • Inspirare, Gera Venture Capital • Ashoka • Praga/MOV GeekieVivenda CIESTerra Nova SEGMENTO DE ATUAÇÃO • Instituto Azzi MODELO •For Profit•For Profit •Non Profit•For Profit •Baixo acesso a crédito por parte de população vulnerável •Renda dos habitantes é gasta fora da comunidade • Microcrédito em condições adequadas e “territorialização” de recursos usando moeda alternativa Banco Palmas • Ashoka • SITAWI •Non Profit Renda • Ashoka • SITAWI
  51. 51. Existe capital para financiar estes novos modelos de negócios? Investidores estão preocupados com impacto social?
  52. 52. O tamanho dos fundos de Investimento de Impacto no Brasil 124investidores gerenciam = US$ 46 bi 70% do $ em países emergentes (2014) 146 investidores gerenciam = US$ 60 bi Atores Investidores globais Bancos de Desenvolvimento (42%) Gestores de Fundos (34%) Fundações (9%) Bancos (8%) Outros (4%) Fundos de Pensão (3%) Family Offices (1%) 22 Atores Olhando para Investimento de Impacto no Brasil (1/2 internacional) Fonte: Relatório Ande/LGT, 2014 8 de 9 investidores gerenciam R$ 400 milhões Os investidores internacionais gerenciam US$ 2bi (não se sabe quanto para o Brasil) 68 negócios sociais receberam investimento Fonte: Pesquisa JPMorgan e GIIN (maio 2014) Mundo Brasil
  53. 53. OfertadeCapitalIntermdiários Demanda deCapital Negócios Sociais com distribuição de dividendos Negócios Sociais sem distribuição de dividendos/OSCs Fundos de Investimento de impacto Instituições Financeiras Empresas Org Multilaterais Finanças sociais sem fim de lucro WT T Individuos/ Family Funds/Fundações/Institut os Redes e Associações Institutos e Fundações Fundações Internacionais Academia Aceleradoras e Incubadoras Outros atores, consultores Entidad esGov Entidades Governamentais AlgunsAtoresdoEcossistema
  54. 54. A pergunta que fica: Estamos fazendo impacto?
  55. 55. Um novo formato de Empresa: as Empresa B “As melhores para o mundo”
  56. 56. celia@ice.org.br Rua Padre Manuel de Chaves, 78– Jardim Europa 01448-050 São Paulo – SP Tel: 55 11 3708 0491 www.ice.org.br

×