Informativo - Julho - Capebe - 29.07.15

678 visualizações

Publicada em

O Informativo Capebe de Julho chega com um caderno especial com as principais informações da Jornada do Desenvolvimento Capebe, assim como uma cobertura completa da 1ª edição do Encontro de Cooperados.

Além de muitas informações em benefício do amigo cooperado. Acompanhe!

SOU CAPEBE COM ORGULHO!

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Informativo - Julho - Capebe - 29.07.15

  1. 1. l | l llllllltfllllb 1111312101* A r Í x 011110711;, ÍIÊIJINÍIÊQJIÍÂLJJ Í MalaüirehPostal I21l mMG Eiiltítlf* rw A _Ílí 131115 E1155¡ 11 t' -Ilrí / x2 J, A í” F 1 Í 7 I 1 O ~ 1 1 1 r hr' I _¡_r _L_'_ )_'Ê_ V E , ›' “meu n¡ , A m' vw Vhrlñt_ _ p! t' K1_ ã Ã IVO PNJFIJÉJJÊJÊÀ* ÉJJÍÍJJIJÍJC* ! JE ÍIÍJUFJEÍJÀJÊJÍJ? ? EVE ÇÍJTÍJÀW ÁJHCJNJJAJIIATÊ» 25'? ÉÍQNJtÉlUJÊ/ ÍFIÍÍT» _t_ 'TÍUÊÍÀJJ ÉVULJJLÍÀVÃJ ¡J! CZÁJFJÉÊJÉ UE 21100 ! NE ÍJÉJJÉ fjrllium : fla üufrst tmoortsluiau: oouaruotaurao ? turmas 113% m5à5Úê'P'3'-491'57'«'“9”'1¡›"J gugu. ; , mm quminngr people a: !Marrone ! ul-ill 16; ijgutueaiuúorro : nunk »numa mania: arame*
  2. 2. EDITORIAL PALAVRA DA DIRETORIA Amigo cooperado, nesta edição mais do que especial do nosso Informativo Capebe você irá encontrar os fatos que movimentaram a cooperativa nos últimos dois meses. Foram eventos de sucesso. que aproximaram e engrandeceram a união dos cooperados e suas familias como a própria Festa da Família, que reuniu membros das sete unidades da Cooperativa; a primeira edição do Encontro de Cooperados que promoveu e reafirmou as atividades entre a Capebe e seus cooperados, sendo um sucesso participação e fidelidade em nossas filiais; o Sorteio MSD, a SIPAT- Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho - que é essencial para garantire ratificar o trabalho da cooperativa também em prol do bem estar profissional de seus colaboradores. E ainda temos também na parte técnica temos uma matéria agroclimática produzida pelo Somar- empresa que trabalha com meteorologia -trazendo para você importantes informações sobre o clima. Além do conteúdo completo da nossa "Jornada do Desenvolvimento", dicas sobre soja, prevenção de furtos e muito mais. Como otema do Encontro de Cooperadosjá diz: Semear o amanhã ea nossa missão. #Soucapebecomürgulho Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 EÍEIIFIEJIIEEIFFÉEÂ Eírlrmálirurilu. !1i|11I111i~1ir: LEII[ uma 1111215111111 IIIàüuFI/ llálelllak 41113131121rutatunlkraimitm ütiirtkimnlihllrieíülllálz- ! E1010 . lnaãntunrovürnnan . hñirnihlüikfI/ Ildhi , tulinul-'IarrmnnButano «Ilñllnlkifluiitü-*IIIVB-i ! Iru11:11turu¡tallhvrmnnllgilunrailo hLfuIlaiíuiiullinlliihi 1111101011111 Fla-ellailllfuf 11:1 IIVIIH 11110111 tnLf-. uit-. uliltvr-. nnnllnei mulamllirailuullnm 11.1.1110: 'krvcn-. L-«iturfnilnrila 41111114111* . t-Lsallltaurnttnilitgrnm kann¡Iruluuratraiturintaei 11111131110 , mürniluiitlllhi [Iommi-a , Ihulluhlgñlv hit-arm 151 caiam-atribui 5011111151111511121 rita ? [1111 ; agr-naum E1110 A11 ÊHIIBIFNÍÊL, lT-'1-'1., .1=11i1111511001150011 Stream-uniram «bit» 51-05111111» k1.1t:1:1.1u1.11111.; 'a›; . : tratando-mu rgnfzenurmelh 'llnatilrl 1711111011111 541121111 : inr-. ftomititmigrairmounin tino IÍIHIFLÉLIIITH n11 lI| gF, ¡Itr111111111o1=L§-.11› «IIJIIFIIHÉI llaqgltirbiâvdl ttciglirzr-. iFllliuiik-Irrr» ullzclziurirliun, ilailtlñr» btnrnqprateritnnrn , Illlltúllrráki ÍIITIL* ? Ittllllttullibitlli ilmlzlitlüñítrlu Iluñíltunlllrllmlútn 1151151111141.: [1L1E:1:1.1u1.1l[ 541151111 'iugnrt-: ülnpzroonnnmmiaeux-uinniir 'nau 1:11 11 ! nlillllezlanlglhrr-. e
  3. 3. CULTO RA_ OA SOJA COMPROMISSO: ISSO É SER CAPEBE Agrônomo Capebe dá importantes dicas para combater pragas A soja [Glycine max [L] Merrill] e' uma das mais importantes culturas na economia mundial. Seus grãos são muito utilizados pela agroindústria [na produção de oleo vegetal e rações animaisi. indústria química e de alimentos. A soja apresenta como centro de origem e domesticação o nordeste da Ásia. No Brasil, o primeiro relato sobre o surgimento da soja através de seu cultivo e' de 1882, no estado da Bahia. Em seguida, foi levada por imigrantes japoneses para São Paulo, e somente, em 1914, a soja foi introduzida no estado do Rio Grande do Sul, sendo este por fim, o lugar onde as variedades trazidas dos Estados Unidos, melhor se adaptaram às condições edafoclimáticas, principalmente em relação ao fotoperíodo. A implantação de programas de melhoramento de soja no Brasil possibilitou o avanço da cultura para as regiões de baixas latitudes, através do desenvolvimento de cultivares mais adaptados por meio da incorporação de genes que atrasam o florescimento mesmo em condições de fotoperíodo indutor, conferindo a caracteristica de período juvenil longo. 0 trabalho desses programas de melhoramento nesses últimos anos vem desenvolvendo novos cultivares com alta estabilidade e adaptabilidade, os quais apresentam caracteres agronômicos desejáveis e alta produtividade de grãos para as regiões produtoras no territorio brasileiro. A cultura da soja tem sido atacada por várias pragas, as quais podem ocorrer durante todo o seu ciclo. 0 controle das principais pragas da soja deve ser feito com base nos princípios do "Manejo Integrado de Pragas - MIP", os quais consistem de tomadas de decisões de controle com base no nivel de ataque, no número e tamanho dos insetos pragas e no estádio de desenvolvi- mento da soja. 0 complexo de percevejosfitófagos e as lagartas desfolhadoras [a lagarta da soja IAnticarsia gemmatalis] e as lagartas falsa-medideira, principalmente a Pseudoplusia includens] são as principais pragas da cultura soja no Brasil. 0s percevejos por se "aumentaram" dos grãos, afetam seriamente o seu rendi- mento e a sua qualidade. Ao provocarem a murcha e má formação dos grãos e vagens, a planta de soja não amadurece normalmente, permanecendo verde na epoca da colheita. Hoje contamos com a biotecnologia INTACTA na soja, que combina três soluções em um único produto: resultados de produtvidades superiores, tolerância ao herbicida glifosato, controle contra as prircipais lagartas que atacam a cultura da soja: lagarta da soja, lagarta falsa medideira, broca das axilas, também conhecida como broca dos ponteiros e lagarta das maçãs, e supressãoàs lagartasdotipo elasmo e do gênero Helicoveraa. 0 sucesso na expansão da leguminosa no territorio brasileiro ocorreu também pelo desenvolvimento de variedades resistentes a algumas doenças que afetam a cultura. Há cerca de 40 doenças que afetar1 a cultura, da mais diversificada etiologia. A Mancha olho-de-rã surgiu em 1980 e foi a primeira doença a causar perdas severas na soja. Nos anos 90, o Cancro-da-haste, Nematóide do Cisto da Soja e o Oídio, provocaram percas significativas na produção. Na safra 2000/01, foi relatado pela primeira vez a ocorrência de Ferrugem Asiática da Soja em lavouras comerciais de soja. Na safra 2002/03, a doença espalhou-se em praticamente todas as regiões produtoras, representando uma ameaça para a cultura em função dos prejuizos causados [perdas de ate' 70% na produtividade] e do aumento de custo de produção para seu controle. Em Minas Gerais, segundo a Conab, a área plantada na última safra foi de 1,3 milhões de hectares, com uma produtividade média de 2658 Kg/ há e uma produção total de 3,5 milhões toneladas. No sul de Minas a expectativa é que na próxima safra a área plantada seja maior, pelo custo de implantação mais baixo da cultura, a segurança na venda do produto final, poisa soja pode ser comercializada através da venda no mercado futuro, e uma tolerância maior da soja ao clima adverso quando comparado a planta de milho. Marcos Paulo Damasceno Carvalho CREA MG-137.149 D Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 , 3
  4. 4. INVESTIR: ISSO É SER CAPEBE 571W" 2015 "Na rua, no trabalho e no lar, segurança em primeiro lugar. " Aconteceu na sede da Capebe em Boa Esperança, do dia 01 ao dia 05 de junho, a vigésima Sipat -Semana Interna de Prevenção de Acidentes- que visa a saúde profissional etambém pessoal de todos os colaboradores. Foram ministradas 4 palestras: Dia 01/06: "SEGURANÇA - SINTRACOOP", com o representante do SINTRACOOP/ MG. lThulYl/ liü* "WIIIILEIDIHIEIIIE I VIII/ AI' 111111 11 , rnllm-rir-. Irlta-. âl. 11111111 811111211111111 31111111121 "ânimo-rita Vltatranrniflariiál Dia 03/06: "PRIMEIROS SOCORROS E DST's, com a palestrante Dr. Pollyani. Uhull/ IOM "OLHOS": CZICIRTIIZZLEI: 11111101511: IIII ARI" 111111111111111» 11:. tuna: ri: :: me 151011111 11111111111 : uarru-. imrrrr-. innnere 'lII11lIIi-1111111 aniianrnrtv 1111111111: 11111 , rariilúprnrll-. n. Dia 05/06: "SEGURANÇA DO TRABALHO - CAUSAS E EFEITOS", com o palestrante SESMT da Capebe. Durante toda a semana, contamos com a participação de 280 colaborado- res, um verdadeiro sucesso. 0 evento foi promovido pelo Departamento de Segurança, CIPA, setor de Recursos Humanos, em parceria com a Diretoria da Capebe e também o Sintracoop. EM PA1F1CEF1iACO81 A 116270 "1111111 l Í Itiúitl Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 1 . , f! , xxsrpno , l _ , Q “nnnunu / 1 '. - ; s ' SEGURARC ' Aeon' 1 , v -1 SAÚDE 1111111111111., E ÉíOFlTIE/ ÀDA, E1:1i11í1 coo0Er1110 o Na sexta-feira, 22.05.2015, aconteceu na Loja de Insumos da Sede em Boa Esperança, o sorteio de uma camionete Montana concedida pela empresa MSD Saúde Animal. "Oueria agradecer a todos da Capebe e destacar que a MSD se orgulha muito em presentear um produtor com este automóvel. Ano que vem estaremos aqui novamente, e pretendemos substituir o prêmio por um trator! ". destacou ofornecedor da marca, Sr. Serafim. Desde de novembro de 2014, o consumidor que adquirisse algum produto desta marca, preenchia cupons que eram depositados em uma urna até a data do sorteio. O ganhador é da cidade de Ilicinea, e logo mais postaremos a entrega do automovelao seu mais novo dono!
  5. 5. INFORMAÇÃO: ISSO É SER CAPEBE FiíitlOitliíitlú Ei. lllNO POTEitlClA, .l. iZA_ STAZOitlzíti. iiÍltiÍE u llÃtSt PRlÍXlitlzítíÉí“ ÉÉ*Elti! t.ilÁ, ;r Problema à vista para lavouras de grãos nos Estados Unidos e algodão no Brasil As águas superficiais da região equatorial do Oceano Pacifico continuam bastante aquecidas em toda a sua extensão. desse modo, é fato que o clima está sendo influenciado pelo fenômeno climático El Niño. Uma das caracteristi- cas desse fenômeno é potencializara sazonalidade das estações climáticas, ou seja. nos próximos meses as chuvas ficarão mais concentradas sobre a região Sul do Brasil, onde os volumes acumulados deverão superara media climatolo- gica. Esse excesso de dias chuvosos em todo o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e na região sul do Mato Grosso do Sul poderá afetar o desenvolvimento das culturas de inverno, como trigo, além de afetar a realização dos trabalhos de colheita. Chuva Prevista [mm]: O7-20i5 se O Sul do Brasil Será . . bem mais chuvoso nesse inverno [muito semelhante ao ocorrido em 2014], todo o Centro-Norte do Pais será de tempo bem mais seco. o que é normal para essa época do ano. Isso permitirá que a colheita do milho, do algodão, cafe' e da cana de açúcar possa transcorrer sem maiores transtornos. O problema para essas regiões será na segunda metade do inverno, mais precisamente em agosto e inicio de setembro, pois poderão vir a ocorrer chuvas mais regulares durante esse período, atrapalhando a colheita do algodão e ate' mesmo ocasionando perdas pontuais na qualidade das fibras. Para o cafe' e cana de açúcar as perdas também serão pontuais, devido às chuvas que estão sendo previstas para o final dejulho e primeira quinzena de agosto. n Mapa de previsão de chuvas totais para o Brasil para o mês dejulho/ lb. Só que esse aquecimento das águas do Pacifico irá perder forças durante a segunda metade do inverno, e isso irá provocar um novo período de estiagem em todo o Sudeste, Centro-oeste e no MAPITOBA durante a segunda quinzena de setembro e ao longo do mês de outubro. Podendo ocasionar atrasos no plantio da safra de verão. Nos Estados Unidos, o El Niño manterá todo verão com chuvas acima da média e' isso poderá inviabilizar a finalização do plantio da soja e ocasionar reduções nos potenciais produtivos das lavouras de soja e também de milho, já que os vários dias consecutivos de chuvas irão reduzir as taxas de radiação solar e de luminosidade. Porém, as perdas não serão tão grandes quando em ZOi 2. Além disso, devido a esse aquecimento mais intenso das águas do Pacifico, o final do verão e inicio do outono nos Estados Unidos poderá ser ainda mais chuvoso, atrapalhando o pleno andamento da colheita da soja e do milho. Além das chuvas, o aquecimento acima da média das águas do Oceano Atlântico na altura dos Estados Unidos permitirá que durante o verão norte- americano haja uma maior probabilidade para furacões. Oue poderão atingir não sõ os Estados Unidos mais também o México e os demais paises da América Central. ' 17%: Mapa de previsão de chuvas totais para os Estados Unidos para o trimestre julho/ agosto/ setembro de 20i5 Marco Antônio dos Santos - Meteorologista da Somar E SOMENTE ATRAVÉS ot NOSSA UttIÃO OUE SURGEM os GRANDES nesuunoos. r-m . zí--w- «na x l¡ a y 'à . .Jc rx : a Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264
  6. 6. INFORMAÇÃO: ISSO E SER ÇAPEBE IIíz-'íIclItrríIçÃ-. Ú EV E FtItflEllG/ ÍtÇÃcO Eitf CÁ E GAE Saiba quais os principais cuidados com seu animal de estimação s¡ ç 711 j! ! Í . W 4 i ; EIN 'fp < N53? . v”, / ~. M . bl Ao nascer, os filhotes contam totalmente com os anticorpos fornecidos pelo leite da mãe para protegê-los contra microrganismos nocivos. Com o passar do tempo, essa proteção começa a desaparecer e os filhotes ficam vulneráveisa doenças infecciosas e a vacinação ajuda a evita-las. Ao servacinado, o filhote recebe uma pequena dose de virus ou bactérias para estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos contra esses agentes. Tais agentes virais ou bacterianos geralmente estão mortos ou inativados e, por essa razão, são incapazes de provocar doença. Você pode notar que o filhote parece um pouco "amuado" ou "apático" nas primeiras 24 horas após a aplicação da vacina. Isso acontece porque o sistema imunológico do animal está trabalhando para reagir à vacinação em si. Tente não se preocupar, mantendo-o em repouso, e entre em contato com seu veterinário em busca de orientação caso você ache que seu filhote não voltou ao normal após 24 horas. A vacinação ajuda não somente a manter seu filhote saudável, mas também a evitar a disseminação de doenças, beneficiandoa população de cães domésticos como um todo. Desde que a vacinação de cães domesticos foi introduzida pela primeira vez, ela tem ajudado a diminuir drasticamente a incidência dessas doenças. Contudo, o número de cães não vacinados na população indica que alguns casos ainda poderão ser observados hoje em dia; portanto, a vacinação de seu filhote ainda é uma etapa importante. Todos nós desejamos fazero melhor para nossos animais de estimação e, nesse sentido, a vacinação representa uma das medidas preventivas mais importantes que podemos tomar em favor deles. Recomendamos que você fale com seu veterinário em busca de mais informações sobre os programas de vacinação de seu cão. PROTOCOLO VACINAL Vacinação dos cães Os cães devem servacinados logo após o desmame, com 45 dias de vida. A vacinação dos cães protege contra diversas doenças: Cinomose, Parvovirose, Coronavirose, Adenovirose, Hepatite, Parainfluenza, Leptospirose e Raiva. Primeira dose: 45 dias de vida; Segunda dose: 75 dias de vida; Terceira dose: 105 dias de vida: Raiva: 135 dias de vida. ATENÇÃO! !! Enquanto o filhote não tiver com todas as vacinas em dia, ele não deve sair na rua, e deve se tomar cuidado para que ele não tenha contato com outros animais. Vacinação dos gatos Os gatos devem ser vacinados logo após o desmame, com 45 dias de vida. A vacinação dos gatos protege contra diversas doenças: Rinotraqueíte, Calicivirose, Clamidiose, Panleucopenia Felina e Raiva. Primeira dose: 45 dias de vida; Segunda dose: 75 dias de vida; Terceira dose: 105 dias de vida: Raiva: 135 dias de vida. Após o termino desse esquema, o reforço deve ser anual! ATENÇÃO! !! A dica também vale para filhotes de gatos: enquanto o filhote não tiver com todas as vacinas em dia, ele não deve sair na rua, e deve tomar o cuidado para que ele não tenha contato com outros animais. Vermifugação para cães e gatos. Cães e/ ou Gatos filhotes: 13 dose com 15 dias de vida, com reforço após 15 dias. Após este esquema, a vermifugação e mensal, até o sexto mês de vida. Em animais adultos, a vermifugação deve ocorrer de 4 em 4 meses. Cadelas e/ ou Gatas prenhes: deve se administrar uma dose do vermifugo antes da cobertura, e outra dose 1D dias antes do parto. Posteriormente devem ser tratadas com os filhotes, na 23 semana pós-parto. Repetições devem acontecer a cada 4 meses por toda vida. OBS: Durante a formação do feto até os 45 dias, não deve administrar vermifugo para a cadela e/ ou gata. pois pode atrapalhar na formação do feto. Adriele Miranda Moreira CRMV- MG 12345
  7. 7. COMPROMISSO: ISSO E SER CAPEBE a 'V1 FT' »H j 'rena islot/ Ipen: : _ a E , NO REDAço EsEu ? tg ~ cOíiíiPzf-xisll-: EIRO * i É IAI ADORAR! a ^ , / i r x A. ›.ra¡. ›eç~ ~ : A IT *r -r "if-v 0514351* 9'14" uma I Ia Ia : I . I ! .I. 1'- › 'fujxc-Ir* I'L 4 rf* É 1'! , Q A? I<r T r, j j i rj¡ j. ;z saraiva an» I. !:It›! tr. -,l». .. nr* ri < A q; A j- J* 3o| u|pm QI- lnaflo l-rI-_lllalll-l ; ÍHÍOÍF . r 'r -- r" t. ,« - «_ _ j j j j jjd Ullolyi_ III-firma JI-JpI-lnaruaolnru «r gr 'I "j na"" E" @Em IIIJ ! IJ jJIJcq- _, - Atendimento veterinário / - Completa linha de produtos ¡- / O emedicações "pet" pf_ / p¡ ~ p . Brinquedos K/ j/ x Ja( _ r. n¡ - Utensilios i 'Li ' Gubseimas Av EsMERALDA 555A - Produtos de saúde e beleza . ID. ALVORÁDA - BOA ESPERAMÇA/ MG Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264
  8. 8. COMPROMISSO: ISSO E SER CAPEBE it! ? FtEIl DA. A. EAZEF; Dbi/ Â. HO Ri' t EM AE EI! UM M ETRO OJJAD FtADO * Veja quais alimentos você pode cultivar e suas - categorias: *Sim (, x Plantas pequenas: rabanete, cenoura, espinafre, beterraba, _ alface e salsa ' «q _ 'lhmtniugininur-. Lm IHÇIIIÍÍII_ timnrnlfh. ir-. iíhjlatw. ;mutantes Plantas verticias: tomate, pepino, ervilha e feijão. Na construção de estrutura podem ser usados tubos de ferro ou de PVC utilizados em alambrados ou também e' possivel adaptar e reutilizar outro material, como pedaços de madeira. As plantas maiores ficam nas fileiras de trás e as menores na frente, para que todas recebem a luz do sol. As plantas verticais, como os tomates, devem ser penduradas na estrutura. Amarre-as bem para que suportem o peso e o vento. A rotação de cultivos é automática. Por exemplo, um cultivo que leva mais tempo, como o do tomate, pode ser plantado entre os outros cultivos de colheita rápida e que seriam colhidos antes que a planta precise de mais espaço. Muitas pessoas que têm pouco espaço em casa acham que não é possível cultivar seus proprios alimentos. Mas, paisagistas ensinam que mesmo em pequenos ambientes é possivelfazer hortas. O CicloVivo separou o sistema do Serpar [Serviço de Parques de Lima, no Peru] que ensina a cultivar uma horta quase completa ocupando apenas um metro quadrado. Ideal para pequenos espaços, esta horta é cada vez mais popular entre os jardineiros urbanos. A horta e suficiente para o abastecimento diário de legumes de uma pessoa por mes. Por ocupar um pequeno especo, a horta permite que o cultivador alcance toda a área para plantar, regare colher, sem que precise de muito esforço. Além disso, é possiveltrabalhar na horta ao nivel da cintura, o que facilita o cultivo de deficientes fisicos. Este sistema de cultivo é dividido entre quadrados e retângulos menores. Cada espaço tem um legume ou erva diferente. E se alguém duvidar, temos como comprovar a façanha: CllFtlOãÍlDitDE EN CRIST/ Ítlãi Na fazenda Boa Vista dos socios Mauro Gambogi Reis e Antônio Gualberto Rosa [cooperados Capebe 3617 e 7161] da cidade de Cristais, um fato peculiar tem chamado a atenção: o tamanho exagerado das verduras e vegetais como alface, couve e brócolis. Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264
  9. 9. DICAS DE SEGURANÇA: ISSO E SER CAPEBE DICÁEÉ” DE PREVEIxlÇÃFJ CúixlTRltr. EURT IVA Zíllxlít EtURAi. Algumas medidas simples podem fazer toda a diferença para que sua propriedade não seja roubada r T rir . -7 I r . o Z' T ? y 5_ - 'Í'- -"' 1 ; E f_ . Í “--? . 'n s . g _Í ía' *q* . O melhor remédio contra roubos e furtos continua sendo a prevenção. Então separamos para você, amigo cooperado, algumas dicas que por mais simples que pareçam. podem fazer toda a diferença no seu dia a dia no campo. Veja só: › Oriente seus funcionários para não fornecerem informações para estranhos; › Evite armas curtas na fazenda [revolver, pistola, etcl; › Nunca deixar a fazenda abandonada [sem caseiroI: › Não comente sobre grandes vendas com ninguém [por exemplo: gado ou lavoural; › Evite colocar na estrada principal o nome do proprietário na placa de acesso para a fazenda; › Construa a sede da fazenda longe da estrada lrodovial: › Tenha animais como cachorro, ganso, galinha d'angola e etc, no terreiro da sede; › Esteja sempre em contato com vizinhos de confiança; › Instale alarme com chave de emergência da fazenda; › Faça seguro residencial contra furto; › Em caso de assalto não reaja e, se possível, procurar observar a fisionomia dos bandidos para facilitar um posterior reconhecimento; › Evite carregar dinheiro para o pagamento de funcionários na fazenda; › Mantenha escondido um celular na fazenda, para emergências; › Tenha controle constante sobre o patrimônio da fazenda, fazendo conferência diária de todos os itens; › Denuncie imediatamenteà PM os casos de furto e roubo: › Manter-se informado sobre evolução criminosa na região; › Ao adquirirveiculos, procure aqueles menos cobiçados pelos bandidos; › Utilize as garagens fechadas, evitando a exposição do veículo a curiosos: › Faça seguro de seus veículos e máquinas agrícolas; › Instale mecanismos de segurança nos veículos e máquinas agrícolas; › Procure estar sempre em contato com os policiais militares de atuação mais proxima da sua fazenda: › Evite se deslocar com os veículos e máquinas agrícolas a noite, nas estradas vicinais; › Informe a Policia Militar da sua localidade, os dados de seus veículos e máquinas agrícolas; › Mantenha guardadas, em galpões fechados, as maquinas e equipamentos agrícolas; › Se comunique com a Policia Militar sempre que se deparar com pessoas estranhas ocupando veículos e maquinas agrícolas dos proprietários rurais que você conhece: › Evite socorrer estranhos que estão sinalizando defeito em seu veiculo na estrada. › Se perceber que esta sendo seguido por outro veículo, aja com naturalidade. pare na fazenda mais próxima em busca de socorro e avisea Policia Militar; › Evite rotina de horários, itinerários, etc: › Caso seja vitima de um acidente de trânsito que lhe pareça proposital, não pare para constatar danos; › Mantenha seus veículos sempre em boas condições, evitando paradas nas estradas por defeito mecânico: › Mantenha em seu carro algumas particularidades que possam identificá-lo rapidamente caso seja levado por bandidos; › Não ande com documentos originais do seu veículo, utiliza sempre copias autenticadas pela repartição de trânsito; › Instale sistema de rastreamento por satélite em seu veículo e máquinas agrícolas; íéiljjjíi Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 . v 9
  10. 10. COMPROMISSO: ISSO E SER CAPEBE CAEEEtE RECERE TÍlSTITÃT. DA EMP R : ETA GREER ! ADD I' : '_ -_ x 37_ 1/7 , -_ , N-. jl” 3 , - : c t: _ ri. : ~ _JãQJRV . *ql ~ . . ~ r . _, _v 4.4_ j M» 7 I. -3 E_ tir” g3¡ r 'r g5_ ; j j” ' : *lxil* t: É' . ARIE I I (.57 ' f' I ' Í g Irã ' I E¡ ; II 1°; UE/ “II E j Nr - ” b» Õã] Em 24/O6/2015. em parceria com a Cooperativa dos Produtores de Café Especial - COSTAS 5588, a CAPEBE recebeu a visita de colaboradores da empresa internacional Keurig Green Mountain. Como forma de valorização ao trabalho realizado nos Estados Unidos, a empresa desenvolve um projeto onde seus colaboradores viajam ate' o país de origem do café vendido por eles a fim de conheceremtodoo processo de produção dogrão. Agrõnomos e colaboradores da Capebe acompanharam os visitantes que estavam animados, curiosos e demonstraram enorme interesse durante toda a visita. Luciana Swenson - AFH Marketing e Sales Support. nos contou um pouco mais sobre a empresa e seu projeto: Conte-nos um pouco mais sobre a Keurig: Em 1981, Robert Stiller, o fundador da empresa Green Mountain Coffee Roasters, enquanto viajava de férias em um resort de esqui em Waitsfield, Vermontn tomou uma xícara de café tão bom que decidiu comprar a empresa. Na epoca, a Green Mountain era uma pequena cafeteria de cafés especiais. No final de 1990, Green Mountain começou a investir pesadamente na companhia Keurig, e em 2006 Green Mountain completou a compra da fabricante máquinas de café em cápsulas. Graças à sua facilidade de uso e compatibilidade com uma ampla seleção de cafés da Green Mountain Coffee, cápsulas [chamadas K-Cups] rapidamente explodiram em popularidade. Hoje a Green Mountain Coffee, chamada Keurig Green Mountain Inc. ,é líder na indústria de cafés especiais, e práticas empresariais socialmente responsáveis. Apoiamos comunidades locais e globais, investindo em café sustentavelmente cultivado, e nos envolvemos ativamente em uma variedade de projetos sociais e ambientais. Hoje somos uma organização global em expansão, com instalações em toda a América do Norte [Califórnia, Georgia, Massachusetts, Tennessee, Vermont, Virgínia, Washington e Canada] e também escritórios na China e na Suíca. JIJ/ r* Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 lrlrlít_iltl Oual o objetivo da Keurig Green Mountain ao trazer seus funcionários para o Brasil? A equipe visitante totalizava quantas pessoas? A nossa empresa vem patrocinando viagens a países produtores de café desde o início de 1998. Ao longo dos anos, os funcionários que participaram destas viagens relataram com admiração e inspiração como aprenderam a valorizar o nosso produto, ao conhecerem os produtores e todo o processo do café, e aprenderam a importância do trabalho desde o início da cadeia de fornecimento. Neste ano, levamos 14 funcionários ao Brasil e além de Boa Esperança visitamos também Carmo de Minas, Varginha, Alfenas e Poços de Caldas. Algum procedimento realizado no Brasil, desde a plantação até a venda do café, chamou atenção do grupo? O grupo visitou a propriedade do Sr. Marcio Luiz Cabral da Comunidade da Cava [Cooperativa dos Produtores de Café Especial- COSTAS 5588], e ficaram impressionados com o trabalho que leva para colher o café: cerca de 2 horas para as 14 pessoas do grupo colherem o que provavelmente 2 trabalhadores experientes colheriam em 3D minutos. Depoimentos de visitantes da Keurig sobre a visita na Capebe: Al Bergeron, Gerente de materiais e planejamento da unidade de Windsor, Virginia: "Viagem de uma vida! De abrir os meus olhos e de humildade. Fiz muitos amigos novos na empresa e desenvolvi uma valorização profunda pelo processo desde o pé de cafe' ate a xícara. " Caitlin Leonard, Gerente de Marketing da unidade de Waterbury, Vermont: "Foi uma experiência incrível do início ao fim. Aprendi a associar o processo [bem meticuloso] de cultivo, processamento e exportação de café com rostos de verdade e mãos que trabalham duro. A viagem foi a combinação perfeita de educação, curso intensivo de humildade, diversão e ensinamento devida que eu gostaria de poder empacotar e mostrar a todos meus amigos e familiares. Eu nunca me esquecerei! Obrigada pela oportunidade! "
  11. 11. Eiiitítlirrrttr _na ! Í!! !li'EÊ_it_A! l!lÊ] "Zi : :unpr-. ir-. ritrar : dourar cninlçpnrriilirir* eziprariãgrrcftae; ;filiar : :IlIlIl. I.llt: I_iÍIÍI_lIH _no riijnor tístrto, _im uultflilur @lo cirakicílfriiailtnr, ” Gt-. Rtüicr (Iajgialbia Encontrar IIIIÊTIJ. , ; raiar , oroziinnor czmiitait, lima Eiricslniiinr : :ta íímipiarirtok; :terem dia lllltãr lallllliêitr : mt tltlllâiltle; ;por Iílalprlraiitalnr mr tania ar ; arrendar ator : our sustentar ; r rpraranr : :mlilmiar : r ara itararanmrtviat_ Altímr dia ara! ! Ilttlh: uma : iammr Il: : nutrir nr tZllllplHÍilÍIll_ a tia : rapto : :enfiar Via1/ Italia; ;ruim '^lr'f*, ..í” ! Tilt E] _ l l j r i p_ i
  12. 12. ¡C-. ZCÍZÇÍÍJ ESTE Li_ ã'rnnw-r-"s npnrngmnp php-rar: InI_ Euuubnaiisú I: l. Clau¡ Llumuõ in Lol_ J URltM-LUA_ DO DES? :AWG LV l ! VENTO No primeiro Encontro de Cooperados 2015 foram abordadas as conquistas e toda a evolução da Capebe de 2008 até hoje POR OUE A CAPEBE EXISTE? Por um único motivo: você cooperado. O homem do campo, trabalhador que se une com outros trabalhadores, pode conquistar muitas coisas, pode construir muitas coisas e a prova disso é essa união, aqui e hoje. O cooperativismo é um trabalho que exige humildade; saber respeitar o trabalho do outro. NOSSA JORNADA Agora, amigo cooperado vamos ilustrar para você várias conquistas que só foram possíveis graças ao nosso trabalho conjunto. Respire fundo, pois não poderíamos deixar nada defora, já que de 2008 até hoje, foram vários triunfos: › Evolução na forma de administrar › Investimentos em pesquisa agronõmica capaz de multiplicar a produção do Cooperado. › Comercialização de uma média anual de 700.000 sacas. › Reestruturação da Classificação do Café › Informatização e Rastreabilidade dos Sistemas e Lotes de Café Recebidos Ampliação dos Armazens de Cafe › Máquina Seletora de Grãos ~ Ampliação de Balão de Liga › Máquinas de Limpar Café › Vendas de toneladas de Adubo [Zmiltoneladas em 2008, 15milem 2015] › Contratos de empréstimos para o associado, na colheita do café. › Corpotécnico altamente qualificado. 55OO visitastécnicas a campo/ ano. › Em media 500milsacas de milhoao ano. Ampliação eAutomação da Fábrica de Rações CAPEBE › Convênios com: UniCesumar, ieducare e Unis › Maior número de cooperados ativos: em 2008: 2.626 / 201 5: 4.303 › Faturamento comparativo: em 2008 R$ 190.000,00/2014 R$ 407.000,00 › Investimento na estrutura detodas asfiliais. -Ampliação de vazão do Posto Shell. Condições de compra de implementos e insumos com custo abaixo do mercado. › Compra de caminhões através do crédito de ICMS. O Início do Legado Informativo Capehe -Julho 2015 - Edição 264 Desafios e conquistas: uma jornada › Geradores de energia. › Aumento do quadro de colaboradores em prol do cooperado. › Reestruturação da Boutique e Loja de Insumos. › Renovação de Frotas de Veículos e Caminhões da Capebe. › Investimentos em TI, com mudanças no Sistema Interno. › Inauguração da loja EMPORIO CAPEBE, no centro de Boa Esperança. › Realização de mais de 12.000 análises de solo e 3.5OO análises foliares ao ano no laboratório Capebe. Implantação da Unidade de Armazenagem e Comercialização de Soja - a partir da Safra Atual. SUA COOPERATIVA NÃO PARA DE CRESCER! Não restam dúvidas: a gestão Capebe implementou o maior volume de investimentos da história da Cooperativa! Ao longo da última década a Capebe se transformou em uma NOVA COOPERATIVA. Inúmeros foram os investimentos em estrutura, equipamentos, capacita- ções e treinamentos, assim como incentivos e facilitações financeiras aos cooperados. Porém nenhum crescimento é mais importante e significativo quanto a relação Cooperado x Cooperativa. Essa é a aliança do sucesso e do futuro. os PRÓXIMOS 1o ANOS Você já parou para pensar no TAMANHO da sua cooperativa? Pois é, estamos aqui para vermos juntos o quanto a Capebe se desenvolveu nos últimos anos graças a sua confiança no trabalho de uma diretoria que se esforça evence todos os desafios. E olha que não são poucos. A SUA Capebe não para de crescer, mas o trabalho continua. O futuro de uma década vitoriosa e próspera está em nossas mãos, está em suas mãos cooperadoVocêédono do seufuturovocêédonodacooperativa. Não desperdice a chance de valorizar ainda mais todo o seu esforço. Vamos juntos com a benção de Deus, continuar a trilhar os belos caminhos da Capeberumoaofuturo. Oque você gostaria que a CAPEBE realizasse por você em 201 6? Pode ter certeza, que trabalhandojuntos, iremos superartodas as expectativas. Semear o amanhã e' a nossa missão. Sou Capebe com ORGULHO! Futuro: o trabalho continua
  13. 13. 1° EIlCOIrlTFtO DE CODE ERAIJOLÉ? Evento aconteceu em todas as filiais da Capebe O Encontro de Cooperados Capebe e' um evento quefoi criado com o intuito de evidenciar o fato de que a cooperativa éfeita por pessoas de bem, quetem a terra como seu sustento e nela depositam a certeza de um amanhã ainda melhor. Com isso a Capebe visa trabalhar ainda mais ao lado de seus cooperados, almejando o futuro e caminhando em busca do desenvolvimento. Os encontros acontecem de modo que a cada semana uma das setes cidades receba o evento. Coqueiral- 22.05.15 Na noite da sexta-feira vinte e dois de maio, aconteceu na filial de Coqueiral o primeiro Encontro de Cooperados Capebe. De início, a gerente da filial, Jéssica de Fátima Ferreira, agradeceu a presença de todos os cooperados etambém dadiretoria. Com a palavra concedida ao Gerente Ramon Chagas, os presentes puderam assistir a vídeos institucionais e apresentação que explicava o intuito e proposta do Encontro de Cooperados. Brevemente, os diretores José Ângelo, Sebastião da Costa Reis [Tião do Abílio]. e o presidente interino, Flavio Spineli deram suas palavras de agradeci- mentos aos produtores. Em seguida, foram sorteados 9 brindes: 3 celulares e 6 botinas. Dois produtores homenagearam a Capebe com uma bela composição musical interpretada por mesmos. Durante todo o evento os cooperados puderam contarcom serviço de buffet completo. -. _. ~.. ¡__ . . r j E _J r g j . l "j ' ¡ ¡Il ¡ . - “ r _J lg r v "Gostei muito do Encontro de Cooperados. Tive a oportunidade de conhecer membros da diretoria que não conheci antes e o impacto do trabalho da Capebe para nós no campo é muito positivo, pois e' a nossa sobrevivência. Aqui em Coqueiral sou sempre muito bem atendido pela Jéssica. A cooperativa valoriza a vida do homem do campo. " José Alves Teixeira [Zé Zico] - Cooperado n° 1506 _71 / I / L › . e 5x4! e &n; ¡'[ . .JV e¡ A "A": uví' : / j ' Á pifç/ "O Encontro aqui em Coqueiral foi excelente. Muitas dúvidas foram esclarecidas e muitas vantagens foram oferecidas para nós, cooperados. É muito bom ver como a cooperativa conseguiu reunir tantas pessoas e como a nova diretoria está empenhada. Estou torcendo muito pelo Flávio, Presidente interino. " Luiz Antonio Andrade Miranda - Cooperado n° 32OO Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 j '
  14. 14. Campo do Meio - 29.05.15 No dia vinte e nove de maio, foi a vez de Campo do Meio receber o Encontro de Cooperados Capebe. Segundo o Gerente da Loja, Arnaldo Elise¡ "O Encontro conseguiu reunir 90 cooperados e o resultado superou todas as nossas expectativas, mostrando para os produtores que ainda não são cooperadosa razão porque deveriam sere deixando os atuais muito satisfeitos' "O Encontro foi um evento de grande importância para nos cooperados, porque torna a Capebe mais conhecida e aproxima os cooperados dos diretores. " Hamilton Rocha - Cooperado n° 6089 "Foi tudo muito produtivo, já que cooperativa significa encontros, diálogos. É muito importante que haja essa interação onde os cooperados ouvem etambém compartilham suas opiniões. Se comunicando com os cooperados, a cooperativa sabe que caminho seguir; é o que a Capebe tem feito e por isso está tão bem. " José Marcio Rocha - Cooperado n° 3167 ENCONTRO DE COOPERADOS 2015 @mãe j 11. j Informativo Capebe-Julho 2015-Edição 2a.
  15. 15. Jññwn”, r PMW. ¡.F¡, L Egxnpaamma : :r . ^“tnmwi*'saahnh surjam-armas I J. Ql Itauna t. LUWI imxrzcsruà mniàuyuems” . aubaulni «afal Lumi-w O Encontro de Cooperados, que aconteceu na cidade de Nepomuceno, reuniu cerca de 600 pessoas, um público recorde em relação aos outros dois que haviam acontecido até então. A gerente da filial, Mariana Moreira, iniciou a noite destacando o quanto era gratificante receber a todos os presentes e que o maior objetivo da cooperativa é este, o de estar unido e próximo ao cooperado. A diretoria também ressaltou a importância da participação e agradeceu os cooperados. Logo, a apresentação continuou de forma clara, objetiva, atraindo a atenção de todos os presentes. Mais de 25 brindes foram sorteados e os nepomu- cenenses puderam aproveitar o evento, que contou com buffet e showao vivo. " j V _ ' g . sasnnzrvúr' f1*§, - . W 16;, a_ _n_ I/ :pao f! "O Encontro de Cooperados Capebe nos proporcionou clareza : sobre os resultados alcançados, que foram muito bons. Mostrou também, vários benefícios que eu, como cooperada, _ Í E j í _ . . particularmente não tinha conhecimento, como por exemplo o j É] . ~.¡j¡›_r_. _.. »mt A _ , - desconto em faculdade, o que é muito interessante e útil. Também j j, A j " i "j ' 9 9 com o evento, tivemos a oportunidade de interagir com vários * Ztgrr. s.ura. «m ' * V C* 'v' outros membros da cooperativa. " - 3203:. Flávia Araújo Martins - Cooperada n° 27713 'Íimiñnr r' . d. = __' - . j j “ à** ' A 3?¡ . f O "O Encontro de Cooperados é uma forma de mostrar para : - ““ ' nós cooperados o crescimento e desenvolvimento dentro da _ _ cooperativa, sempre com honestidade para o produtor. Ficando assim mais fácil sabermos como vai a nossa Capebe. " João de Oliveira - Cooperado n° 25659 O í r jjjriljçjjír Informativo Capehe -Julho 2015 - Edição 264 j ' 'i
  16. 16. A : nr-Her ~ r». A - ~ . no-r--s 'a 'r , n n p y rá rm. . a nn ir_ m* rnam . O LÍiugasexj Itu¡ Ltd¡ XI. Luxukcnxirs LL EDUÍ Ltuâuüa Ilicinea - 19.06.15 Na sexta-feira,19 de junho, foi a vez de Ilicinea receber o Encontro de Cooperados Capebe. O evento foi realizado na quadra da Creche São Vicente de Paulo e teve início às 19h00, contando com a presença de 750 cooperados. Entre suas as atrações, o Encontro contou com uma palestra sobre "Previsões Climáticas", ministrada por Marco Antônio dos Santos. meteorologista da Somar- reconhecida empresa brasileira que atua no ramo meteorológico; além das palavras da gerente da filial, Jussilene Rosa da Silva, que agradeceu a presença do grande público e apresentou membros da Diretoria Executiva presentes no evento. Em seguida foi apresentado o conteúdo principal do evento, que mostrou a importância da parceria entre cooperativa e cooperados. A edição do Encontro de Cooperados em Ilicinea contou ainda com buffet, sorteiodeinúmeros brindeseshowaovivo comaduplaAndréeSilvinho. ' ir Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 ! “'Í""“'Í ia¡ Lol_ "Ouem coopera com a Capebe cresce! O Encontro de cooperados foi ótimo pra nos trazer transparência. " Edinei Henrique de São José - 22156 "Nós como cooperados estamos muito felizes em saber que a nossa Capebe vai muito bem. Ficamos sabendo no Encontro sobre várias melhorias principalmente no Derpatamento de Venda de café, onde eu fui um dos cooperados que sempre solicitaram melhorias. " Antônio Ávila Moreira - 3311
  17. 17. ,«. ,.h, -,. ..: j r pnrr-g-qgl Éçrrp, ... ra, ,j [r nnpai-Faptjfáp . .Mu-np LJÍMJLUM¡ . ur Learn . abbuovnt L Amar Luuaad LAN¡ Lar. Cristais:26.06.'i5 › 'Í No dia 26/06 aconteceu na cidade de Cristais, mais uma edição do Encontro de Cooperados Capebe. Os cooperados que em número satisfatório compareceram, assitiram a uma apresentação com conteúdo da "Jornada do Desenvolvimento Capebe", mostrando o quanto a cooperativa evoluiu nos últimos 7 anos e que os planos para o futuro bem como ações para que tudo aconteça estão a pleno vapor. Os membros da diretoria presentes, bem como o Presidente interino Flávio Spineli, ressaltaram a importância da união provocada pelo Encontro de Cooperados: "Esse evento mostrou tanto para nós da diretoria quanto para os cooperados, o quanto a cooperativa está forte e mais unida do que nunca. Para nos, é uma honra poder contar com a confiança e colaboração de todos. " "Achei que tudo no Encontro de Cooperados foi muito bem explicado. Vi como a cooperativa cresceu e como essa diretoria tem compromisso. Foi tudo muito bom. " Rodolfo Luiz Pinheiro - Cooperado n° 2151 "Gostei muito do Encontro porque serviu para aproximara diretoria e os cooperados. 0 Encontro de Cooperados da Capebe tem que acontecer todo ano. " Jozane Fernandes - Cooperado n° 6361 Informativo Capehe -Julho 2015 - Edição 264 j 'Ií/ j
  18. 18. Guapé - 02.07.15 _ Dia 2 de Julho aconteceu na cidade de Guapé a 13 Edição do Encontro de _ _ Cooperados Capebe. Participaram do evento cerca de 600 cooperados. Os . j s _ J _ n. .saw 6"] presentes contaram com serviço de buffet e também sorteio de vários prêmios. ã Dentre os membros da Diretoria da Capebe estiverem presentes os senhores: Jose Ângelo Machado - Diretor Financeiro, Ramon chagas - Gerente Geral eo Presidente interino Flavio José de Souza Spineli que destacou: " O Encontro de Cooperados, além de aproximar e divulgar o trabalho da cooperativa, esclarece sobre otrabalho que foi e é realizado pela cooperativa, além de mostrar que a l . .. . _ mesma se encontra forte e atuante no mercado. Com isso, os cooperados __ = ¡ r -_ _ - sentem orgulho de pertecerà família Capebe e reiteram seu compromisso de i fidelidade. " , r O Encontro de Cooperados contou com 6 eventos [em todas as filiais da › Cooperativa] e as próximas edições devem acontecer em 201 6. DO? ” 1" I x= n* 'r 's j' r 4 "O Encontro de Cooperados nos ajuda a perceber que a Capebe é a cooperativa mais séria e que se fortalece a t** cada dia mais, estando em situação privilegiada. A " cooperativa nos traz segurança e graças a Deus está bem no mercado, ajudando e bem servindo seus cooperados. " José Dalton Barbosa - Cooperado n° 2543 "O Encontro de Cooperados foi uma confraternização muito bonita. Para mim, o mais importante foram os esclarecimentos que o Diretor fez sobre a situação da cooperativa, que mostrou como está tudo correndo bem e tirou nossas dúvidas. A cada dia a Capebe agrada mais seus cooperados. " Antônio Enio de Faria - Cooperado n° 5005 'lli Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264
  19. 19. Ir r _ , l , ~ irr- [rrrijii . rérçrarrrrarr . :r IEECII a] clj i LCI Ii ici 7'? INA. 1¡ . r 7 ' 7. E l. 6 . .. I r f E r l' Ê. ' Í AN* _J r c ' , ' r I__¡, r É z ' , /ILNÂO _' r I A '_ . J . ..a . j. s_ Ir' r! lrtiiilirrr r r ii" ur'. l li Êlli ll
  20. 20. COMPROMISSO: ISSO E SER CAPEBE r w, ›-» , ›; r x. ./*, x _(~-_j'«; .! ! j~(j'-<_, .w, s. ; r >›-_ r l ou _k _. P' v r. ›IÍI"'F! "_ÍJ&. “ , o r , t b-: >Í~ii; §;¡7 1?# 4Í$jçrã r ao: a tro, : ; :&g: r: a s «t» «r 7g, ôgrtjjfâr' AZ; cugiretrrjo J a j_ i SÉ/ J? 53 'JJIAXLC 531W a» ( 'T T or* , V _ j N# rj . J j/ n R y x j). w J&= ÍL. -J. mau-greater. ; neo; anuladas-t ; temer a: *ÊjAAt-ckjik. V , t. ) VJ j, _F j_ @Píer-Jau : rEJí-aLr-Jilairorh : .“*E. |°OT. F5,ÇÍÍ-F-“J! IÍÉEJI| Q_¡Í §JU1!_ÍI5LÍ¡J~ÍR¡* 7d '~ rx, › -ç b¡ siuvrnríhrâta 'THREE ? dream uêtggnrfàtgjj' j . c , I / ~:_. _ ' j, I. "j: .r; L-r; ;J&; a:JJniirs›. le : no Palwusjan. K. f». rw. “v ' ' ' ' EX , q- '_ 5.x w ›. ,.J _Á . A L Í J. ^ * " TENAZ CAFÉ DO BRAS L , -- , j! f¡ TV' l NOTA SEM VALOR MONETÁRIO ”1": T/_'T 'j' É i , ' k (J Ç: l N' f E ' "O . _ . ja . .Tmrj 7 ff. ¡ L. I r- E? _ x lv : r s_ __ _' ! HE-i l '_ a E '4~ 'r ' ~ 4 ~' Í 'Cj-r' ' ' 'i--i-: r L 'Fim l L1 Grow a better tomorrow. Informativo Capebe -Julho 2or5 - Edição za.
  21. 21. COMPROMISSO: ISSO É SER CAPEBE GOVERilO ijtilÇzÍt ijtllO AGRÍCOLA! , [É reccuríruo zine/ zero No total, são R$ 187,7 bilhões para financiar a produção agropecuária, 20% a mais do que a safra passada Os recursosdisponibilizados ao crédito ruralpara as operações de custeio, investimento e comercialização da agricultura empresarial alcançam R$ 187,7 bilhões no ano safra 2015/2015 Ovalor consta do Plano Agrícola e Pecuário [PAP] anunciado pela presidenta Dilma Rousseff e pela ministra Kátia Abreu [Agricultura, Pecuária eAbastecimento]. nesta terça-feira [2], em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília. O plano baseia-se no apoio aos médios produtores, garantia de elevado padrão tecnológico, fortalecimento do setor de florestas plantadas, da pecuária leiteira e de corte, melhoria do seguro rural e sustentação de preços aos produtores por meio da Política de Garantia de Preços Mínimos. O volume de recursos destinados ao financiamento da agricultura teve alta de 20% em relação ao periodo anterior, que foi de R$ 156,1 bilhões. Para o financiamento de custeio ajuros controlados estão programados R$ 94,5 bilhões, 7,5% a mais em comparação com o período anterior [R$ 87,9 bilhões] e reflete o crescimento dos custos de produção. Já para investimentos, são R$ 33,3 bilhões. O agricultor poderá contartambém com maiorvolume de recursos a taxas de juros livres de mercado para a próxima safra. Na modalidade custeio houve um incremento de 130%, passando de R$ 23 bilhões para R$ 53 bilhões. Estes valores são provenientes da aplicação dos recursos da Letra de Crédito do Agronegócio [LCA] no financiamento da safra. O Pronamp [Programa de Apoio ao Médio Produtor] receberá atenção especial nesta safra e contará com R$ 18,9 bilhões, um incremento de 17% no volume de recursos. São R$ 13,6 bilhões para a modalidade de custeio e R$ 5,3 bilhões em investimento. Limites de financiamento O limite de financiamento de custeio, por produtor, foi ampliado de R$ i, i milhão para R$ 1,2 milhão, enquanto o destinado à comercialização passou de R$ 2,2 milhões para R$ 2,4 milhões. Em ambos os casos, o aumento foi de 8%. Foi mantido o limite de R$385 mil por produtor nos créditos de investi- mentos com recursos obrigatórios. No Pronamp, o limite de financiamento e' diferenciado, sendo de R$710 mil poragricultor na modalidade custeio. Taxa dejuros As taxas dejuros do Pronamp para os médios produtores foram estabele- cidas em 7,75% ao ano para custeio e 7,5% ao ano para investimento. Para os empréstimos de custeio da agricultura empresarial, a taxa é de 8,75% ao ano. Já para financiar os demais programas de investimentos, a taxa varia de 7% a 8,75% ao ano [faturamento até R$ 9]] milhões] Os programas de investimentos prioritários - médio produtor rural, aquisição de máquinas e equipamentos agrícolas, agricultura de baixa emissão de carbono [ABC] expansão da capacidade de armazenagem, irrigação e inovação tecnológica - seguem tendo tratamento diferenciado. Principaislinhas Ouanto aos incentivos à pecuária, o governo manteve os limites adicionais de financiamento de custeio e de investimento em estímulo aos processos de engorda em sistema de confinamento, com prazo de ó meses, e à aquisição de matrizes e reprodutores bovinos e bubalinos, com prazo de 5 anos, incluidos 2 de carência. O plano prevê também a manutenção da linha de retenção de matrizes para evitar seu descarte precoce, com prazo de financiamento de até 3 anos para pagamento. A fim de incentivar a inovação tecnológica no campo. o plano vai aperfeiçoar as condições de financiamento à avicultura, suinocultura, aos hortigranjeiros e à pecuária de leite por meio do Programa Inovagro. Para esta modalidade, foram programados R$ 1,4 bilhão em recursos. Entre as ações previstas para o setor de florestas plantadas, destacam-se o estímulo ao aumento da produtividade e da área plantada, a ampliação da participação de pequenos e medios empreendedores florestais e o aumento de limite de financiamen to para florestas plantadas no Programa Agricultura de Baixa Emissão de Carbono [ABC] Os limites de financiamento para investimento em plantios florestais foram redefinidos. Para o grande produtor [que possui mais de i5 módulos fiscais] será de R$ 5 milhões, e para o médio [até i5 módulos fiscais] permanece o limite de R$ 3 milhões. O produtorterá também a possibilidade de realizar financiamento de custeio para tratos culturais, desbastes e condução de florestas plantadas, por meio do Programa ABC. Apoio à comercialização Estão assegurados recursos de mais de R$ 5 bilhões para os produtos agrícolas que fazem parte da Politica de Garantia dos Preços Mínimos. Seguro rural Já esta aprovado o orçamento para este ano do Plano de Subvenção ao Prêmio do Seguro RurallPsRl. Entre as novas propostas apresentadas no PAP para o seguro rural, estão a criação do sistema integrado de informações do seguro rural [SIS-Rural] e a formação de grupos de produtores para negociação com as seguradoras. Além disso, o plano prevéa padronização das apólices de seguro agricola, medida que começou este ano, quando foi definido o nivel minimo de cobertura das apólices, em 60%. Lei Plurianualda ProduçãoAgrícola Brasileira [LPAB] O PAP prevê a criação do Grupo de Alto Nível da LPAB que visa a estabele- cer um planejamento estratégico agropecuário para o produtor brasileiro, dando previsibilidade ao mercado. Fonte: http: //www. agricultura. gov. br/ politica-agr¡cola/ noticias/ ZO]5/[16/ governo-lanca-plano-agricola-e-pecuario-Züi 52H16 Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264
  22. 22. Coãcníw Cegueira Êoim viela/ mm ode ! MU/ Lo e Inapizpzeririzç , 8 espigas de milho verde 300 ml de água para cozinhar o milho 2 colheres (sopa) de azeite cebola processada l colher (sopa) de alho desidratado i cubinho de caldo de carne colher (sobremesa) de amido de milho xícara (cha) de leite @al a gosto i pacote de croutons ou torradinhas MODO DE PPEPHPO Limpe o milho e corte-o rente ao sabugo. Coloque-o na panela de pressão com 25o ml de agua. Leve ao Fogo e deixe Ferver sob pressao por três minutos. retire do Fogo e bata bem no liquidificador. Peserve. Em uma panela aqueça o azeitegunte a cebola. o rx el: SÚilOIÚl NO ANO DE ZOOB OS COOPERADOS ATIVOS NA CAPEBE ERAM 2.626 E NESTE ANO DE 2015 SÃO DE 4.303. DESDE SUA FUNDAÇÃO, EM 1963, ESTA É A PRIMEIRA VEZ OUE A CAPEBE REALIZA O ENCONTRO DE COOPERADOS K2;- Informativo Capebe -Julho 2015 - Edição 264 alho e refogue até dourar, adicione xícara (cha) de água. o oaldo de carne e deixe ferver. acrescente a mistura do milho aos ingredientes da panela, junte o amido de milho dissolvido no leite. leve novamente ao Fogo e mexa até ferver por três minutos. Tempere com sal. Este prato é acompanhado de croutons ou torradinhas. A COMERCIALIZAÇÃO ANUAL DE CAFÉ DA COOPERATIVA É DE 700.000 SACAS. rooo ANO, sAo REALIZADAS 5.500 VISITAS TÉCNICAS A CAMPO.
  23. 23. COMPROMISSO: ISSO É SER CAPEBE u l A¡ ITI N IIII ii , I ' N, v i- l _I )IiI I I ! U ! U5 IiI I , i 4 r' 'lllllllllfllí llII' lJfÊ”ll'iIi' 'iTÊl ÍU'~' Ííl]›“›I'Iíli IUIFNIIIIÍ il' 77W' II? iiílill-'IIÍIÍ', lleiiiitiiw *tal 'i7li'- ir. Í; :iilaii› ltiiii (l| II'-'--'1'J. JI| lrtIll§: '- L zltiiltiiiiit. ?llítll ílílílfl_ il'. 'hi| iir1I_1i: FÍiiir| ll› 'Iirtí abit-ira _/ e' V , . Á . a, “Y ' x_ I l Í. ; ¡A! r / Í Í' ' à _VJ ) x ar' g' A / . ' V A'. . É' / u_ 211' 7 ' e z l ~ , ' «f x i I T1/ s . XII/ 4 I 'xx 4:- . für** L ~ i -' '_. . , c e. 1*] I 1 __ T l i I k 1 "aí LÊ¡ 1 x. Informativo Capebe -Julho ZD15 - Edição 264
  24. 24. FEIRA DE NEGOCIOS CAPEBE v _¡ L A, , guie- t; :à 4 ao; . .l Í Att? /4 r z - . "~ * ' ' f* »x = Q “í . Y , a f¡ x ›. A , f 3 “f, › z MAis INFORMAÇÕES El/ I: I i WWW. CAPEBE. COM. BR

×