SlideShare uma empresa Scribd logo

aids

doenças aids e vírus hiv

1 de 27
Baixar para ler offline
AULA 13: SIDA
Instituto Paulo Freire- CENTEC
Curso técnico de enfermagem
Profª Mestranda Camila Amato Montalbano
Programa de Pós- graduação Stricto sensu em Doenças
Infecciosas e parasitárias- UFMS
HISTÓRICO
 Observada primeira vez em 1981, nos Estados Unidos
 Casos iniciais: usuários de drogas injetáveis ​​e homens
homossexuais que estavam com a imunidade comprometida
sem motivo aparente
 Eles apresentavam pneumonia pelo fungo Pneumocystis
carinii (PCP) ou um câncer de pele raro chamado sarcoma de
Kaposii
 Notificação: Centro de Controle e Prevenção de Doenças
(CDC)
 Foi denominada na época "a doença dos 4 H's", afetava
HISTÓRICO
 "GRID", de gay-related immune deficiency
 Finalmente AIDS, acquired immunodeficiency
syndrome
 Em português: síndrome da imunodeficiência
adquirida, SIDA),
 1983: Robert Gallo isolou o vírus HTLV-III de
pacientes com SIDA
 1983: Montagnier isolou o vírus LAV
 1986: Descobriu-se que estes dois vírus eram o
mesmo e foi renomeado para HIV
HIPÓTESE DA ORIGEM
 HIV-1 e HIV-2 : origem primatas no centro-
oeste africano
 Transferidos para seres humanos no início do
século XX.
 Humanos que participavam de atividades com
animais selvagens, caça, venda) de animais
silvestres
 SIV: vírus que infecta fortemente macacos e
fracamente humanos
 SIV pode ter evoluído e transformado em HIV.
HIPÓTESE DA ORIGEM
 séc. XX, África: promiscuidade sexual, disseminação
da prostituição e alta frequência de casos
de doenças genitais (como a sífilis) nas cidades
coloniais nascentes.
 1928, Congo: 45% das mulheres no Congo eram
prostitutas e 15% de todos os moradores da mesma
cidade tinham sífilis.
 Outra hipótese: práticas médicas inseguras na África
após a Segunda Guerra Mundial, como a reutilização
de seringas não esterilizadas
 Estados Unidos :1969.
 1978: prevalência de 5% de HIV-1 entre
homossexuais masculinos residentes de Nova
Iorque e São Francisco
O VÍRUS
 Retrovírus
 Infecta células T
CD4+, macrófagos e células
dendríticas, ou seja células
apresentadoras de antígenos
 Gênero Lentivirus,
família Retroviridae
 Dois tipos de HIV : HIV-1 e HIV-
2.
 O HIV-1 é o primeiro
descoberto e mais virulento,
infeccioso e é a causa da maior
parte das infecções de HIV no
mundo.
 O HIV-2 é menos infeccioso,
capacidade de transmissão
fraca.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

HIV/AIDS
HIV/AIDSHIV/AIDS
HIV/AIDS
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Herpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hivHerpes vírus e vírus hiv
Herpes vírus e vírus hiv
 
SIDA
SIDASIDA
SIDA
 
HIV / AIDS
HIV / AIDSHIV / AIDS
HIV / AIDS
 
Aids[1]
Aids[1]Aids[1]
Aids[1]
 
Sida 6ano
Sida 6anoSida 6ano
Sida 6ano
 
HIV
HIVHIV
HIV
 
Aids.2
Aids.2Aids.2
Aids.2
 
HIV
HIVHIV
HIV
 
A sida
A sidaA sida
A sida
 
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
Síndrome da imunodeficiência adquirida (aids)
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
4 hiv sida
 
A sida
A sidaA sida
A sida
 
Hiv trabalho prof paulo
Hiv trabalho  prof pauloHiv trabalho  prof paulo
Hiv trabalho prof paulo
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Aula aids 2005 ok
Aula   aids 2005 okAula   aids 2005 ok
Aula aids 2005 ok
 

Semelhante a aids

seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfTiagoSantos74563
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 
Doenças
DoençasDoenças
Doençaseld09
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasCIVEC
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsDenise Selegato
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosasunesp
 
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDALesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDAFlávia Salame
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialguestfced19
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPJean Santos
 
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptxMANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptxAdilelsonJnior
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasAdriana Mércia
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novobhbiohorrores
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...ClaudiaPereiraBrito
 

Semelhante a aids (20)

seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdfseminariohivslides-161017165137 (1).pdf
seminariohivslides-161017165137 (1).pdf
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais HumanasDoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
DoençAs Infecto Contagiosas Terminais Humanas
 
Sida Parte 1
Sida Parte 1Sida Parte 1
Sida Parte 1
 
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aidsStrongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
Strongyloides stercoralis hyperinfection in a patient with aids
 
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]Virologia Clínica Parte 3  Viroses Humanas [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 3 Viroses Humanas [Profa.Zilka]
 
Virologia
VirologiaVirologia
Virologia
 
Doenlas Infecciosas
Doenlas InfecciosasDoenlas Infecciosas
Doenlas Infecciosas
 
viroses
virosesviroses
viroses
 
Vírus 7º ano ab
Vírus 7º ano abVírus 7º ano ab
Vírus 7º ano ab
 
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDALesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
Lesão Cavitária Pulmonar em paciente SIDA
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 
Doenças infeciosas
Doenças infeciosas Doenças infeciosas
Doenças infeciosas
 
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENPVirologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
Virologia geral - Prof Jean Santos - Odontologia UENP
 
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptxMANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novoDoencas emergentes e reemergentes 2008-novo
Doencas emergentes e reemergentes 2008-novo
 
Texto de imuno iii
Texto de imuno iiiTexto de imuno iii
Texto de imuno iii
 
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
Apresentação tratamento para Hemophilus influenzae tem como medicamento de ...
 

Último

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfGuia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfElySouza16
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfnilsonmarques9
 
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...DL assessoria 27
 
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudeAumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudesteauroradourados
 
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...PrimeAssessoriaAcadm3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...PrimeAssessoriaAcadm3
 

Último (7)

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdfGuia para tratamento de Hemodiálises.pdf
Guia para tratamento de Hemodiálises.pdf
 
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdfFARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
FARMACOLOGIA DA DOR E INFLAMAÇÃO PT1.pdf
 
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
ATIVIDADE 1 - PED - FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS E ANTROPOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO - 5...
 
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saudeAumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
Aumento da dengue no Brasil, casos de dengue saude
 
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
Com base no estudo de caso, faça uma Análise SWOT do novo empreendimento de A...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 

aids

  • 1. AULA 13: SIDA Instituto Paulo Freire- CENTEC Curso técnico de enfermagem Profª Mestranda Camila Amato Montalbano Programa de Pós- graduação Stricto sensu em Doenças Infecciosas e parasitárias- UFMS
  • 2. HISTÓRICO  Observada primeira vez em 1981, nos Estados Unidos  Casos iniciais: usuários de drogas injetáveis ​​e homens homossexuais que estavam com a imunidade comprometida sem motivo aparente  Eles apresentavam pneumonia pelo fungo Pneumocystis carinii (PCP) ou um câncer de pele raro chamado sarcoma de Kaposii  Notificação: Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC)  Foi denominada na época "a doença dos 4 H's", afetava
  • 3. HISTÓRICO  "GRID", de gay-related immune deficiency  Finalmente AIDS, acquired immunodeficiency syndrome  Em português: síndrome da imunodeficiência adquirida, SIDA),  1983: Robert Gallo isolou o vírus HTLV-III de pacientes com SIDA  1983: Montagnier isolou o vírus LAV  1986: Descobriu-se que estes dois vírus eram o mesmo e foi renomeado para HIV
  • 4. HIPÓTESE DA ORIGEM  HIV-1 e HIV-2 : origem primatas no centro- oeste africano  Transferidos para seres humanos no início do século XX.  Humanos que participavam de atividades com animais selvagens, caça, venda) de animais silvestres  SIV: vírus que infecta fortemente macacos e fracamente humanos  SIV pode ter evoluído e transformado em HIV.
  • 5. HIPÓTESE DA ORIGEM  séc. XX, África: promiscuidade sexual, disseminação da prostituição e alta frequência de casos de doenças genitais (como a sífilis) nas cidades coloniais nascentes.  1928, Congo: 45% das mulheres no Congo eram prostitutas e 15% de todos os moradores da mesma cidade tinham sífilis.  Outra hipótese: práticas médicas inseguras na África após a Segunda Guerra Mundial, como a reutilização de seringas não esterilizadas  Estados Unidos :1969.  1978: prevalência de 5% de HIV-1 entre homossexuais masculinos residentes de Nova Iorque e São Francisco
  • 6. O VÍRUS  Retrovírus  Infecta células T CD4+, macrófagos e células dendríticas, ou seja células apresentadoras de antígenos  Gênero Lentivirus, família Retroviridae  Dois tipos de HIV : HIV-1 e HIV- 2.  O HIV-1 é o primeiro descoberto e mais virulento, infeccioso e é a causa da maior parte das infecções de HIV no mundo.  O HIV-2 é menos infeccioso, capacidade de transmissão fraca.
  • 7. Entrada na célula- alvo Genoma do RNA viral é convertido em DNA por trans critase reversa codificada. O DNA viral resultante vai para núcleo da célulaO DNA viral é integrado ao DNA celular Uma vez integrado, o vírus pode tornar-se latente A célula não é reconhecida como infectada pelo sistema imune Replicaçã o e lise celular
  • 8. FISIOPATOLOGIA  Vírus entra no organismo  Início: período de rápida replicação viral  Leva alta viremia  Diminuição acentuada de células T CD4+ circulantes.  Células T CD8+: matam células infectadas com HIV  Células B: Produção de anticorpos (extracelular)
  • 9. FISIOPATOLOGIA  Progressão mais lenta da doença e a um prognóstico melhor  HIV causa a AIDS ao esgotar as células T CD4+.  Sem LTCD4+, o organismo não consegue combater infecções ou matar células cancerígenas.  Fase aguda: lise induzida pelo HIV , LTCD8+ e apoptose  Fase crônica, as consequências da ativação imunitária generalizada juntamente com a perda gradual da capacidade do sistema imunológico de gerar novas células T parecem representar o lento declínio do número de células T CD4+.
  • 10. FISIOPATOLOGIA  Células T CD4+ expressam a proteína CCR5: HIV utiliza como um co- receptor para ter acesso às células  Diminuição do volume de células T CD4+ na mucosa intestinal (fase aguda) preferencialmente por ter mais ccr5  Replicação do HIV provoca um estado de ativação imunológica generalizada persistindo durante toda a fase crônica.
  • 11. TRANSMISSÃO  Contato sexual  Exposição a fluidos ou tecidos corporais infectados  Mãe para filho durante gravidez, parto ou amamentação  Não há nenhum risco: exposição a fezes, secreções nasais, saliva, escarro, suor, lágrimas, urina ou vômito de pessoas infectadas, a menos que estes estejam contaminados com sangue  Superinfecção por HIV: mais de uma cepa
  • 12. AS TRÊS FASES DE INFECÇÃO DO VÍRUS HIV: FASE AGUDA, LATÊNCIA E AIDS
  • 13. INFECÇÃO AGUDA  Período inicial (duas e quatro semanas após a exposição ao vírus )  Semelhante à gripe ou à mononucleose  Febre, inchaço dos gânglios linfáticos, inflamação de garganta ,erupção cutânea (tronco- maculopapular), dor de cabeça e/ou feridas na boca e genitais.  Infecções oportunistas
  • 14.  Náuseas, vômitos ou diarreia e síndrome de Guillain-Barré podem ocorrer  A maioria das vezes identificados como doenças infecciosas comuns.  recomenda-se que o HIV : febre sem explicação aparente e fatores de risco para a contaminação.
  • 16. LATÊNCIA CLÍNICA  HIV assintomático ou crônico.  Pode durar de três a mais de 20 anos  Perto do final desta fase muitas pessoas sofrem com febre, perda de peso, linfadenopatia, problemas gastrointestinais e dores musculares.  Maioria sem tratamento desenvolve a AIDS  Cerca de 5%) mantêm níveis elevados de células T CD4+ sem terapia antirretroviral por mais de 5 anos. "pacientes assintomáticos de longo prazo".  Um a cada 300 pessoas infectadas: mantêm uma carga viral baixa ou indetectável sem tratamento antirretroviral, "controladores de elite"
  • 17. AIDS  Contagem de células T CD4+ está abaixo de 200 células por μL de sangue  50% do infectados, sem tratamento específico, desenvolvem AIDS cerca de dez anos após a contaminação.  Pneumocistose (40%) e Candidíase esofágica.  Infecções oportunistas por bactérias, vírus, fungos e parasitas  Maior chance câncer, como sarcoma de Kaposi, linfoma de Burkitt, linfoma do sistema nervoso central primário e câncer cervical.  Linfoma matam 16% dos aidéticos  Febre prolongada, sudorese noturna, inchaço dos gânglios linfáticos, calafrios, fraqueza, diarréia e perda de peso
  • 19. DIAGNÓSTICO CLÍNICO  Estágio I: infecção pelo HIV é assintomática e não classificada como AIDS;  Estágio II: inclui pequenas manifestações mucocutâneas e recorrentes infecções do trato respiratório superior;  Estágio III: inclui diarreia crônica inesplicada por mais de um mês, as infecções bacterianas e a tuberculose pulmonar;  Estágio IV: inclui a toxoplasmose cerebral, candidíase do esôfago, traqueia, brônquios e pulmões e o sarcoma de Kaposi; essas doenças são indicadores da AIDS. OMS, 1990
  • 20. DIAGNÓSTICO CDC PARA AIDS  HIV positivas  Contagens de células T CD4 + abaixo de 200 por microlitros de sangue ou 14% do total de linfócitos
  • 21. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL  Teste rápido IgG/ IgM  ELISA  RT- PCR  Os anticorpos levam pelo de 3 a 6 meses para aparecer
  • 22. PREVENÇÃO  Preservativo masculino e feminino (reduz chances de contrair 40%)  Gel vaginal contendo tenofovir (um inibidor da transcritase reversa (reduz chances de contrair 40%)  Espermicida (aumentam chances!)  Circuncisão: reduz transmissão de mulheres para homens
  • 23. PREVENÇÃO  Troca de agulhas para dependentes químicos  Educação sexual  PPE (Profilaxia pós- exposição): zidovudina, tenofovir, emtricitabina e raltegravir  Mãe-filho: medicamentos e mamadeiras
  • 24. VACINA E CURA  Vacina RV 144 em testes  Hipótese: Transplante de medula como cura para SIDA e Leucemia
  • 25. PREVENÇÃO DE INFECÇÕES OPORTUNISTAS  Tratamento com antirretrovirais reduz o risco de desenvolver infecções oportunistas .  Vacinação contra hepatite A e B  Trimetoprim/sulfametoxazol em bebês entre quatro e seis semanas de idade e a interrupção da amamentação  Terapia profilática para toxoplasmose e meningite cryptococcus
  • 26. TRATAMENTO  Terapia antiretroviral (coquetel)  Combinação de no mínimotrês medicamentos (um inibidor da transcriptase reversa não-nucleósido e dois inibidores da transcriptase reversa análogos de nucleósidos  zidovudina (AZT) ou tenofovir (TDF) e lamivudina