Projeto Aplicativo 2010 05 21

6.946 visualizações

Publicada em

Apresentação de Projeto Aplicativo para implantação de metodologia de apuração e comparação de custos de cirurgias.

Publicada em: Saúde e medicina, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.946
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Mostrar apenas parte desta tabela
  • Inserir agradecimentos – pessoas e instituições Repetir título, nome dos alunos e pessoas agradecidas
  • Projeto Aplicativo 2010 05 21

    1. 1. PROPOSTA DE APURAÇÃO DE CUSTOS E ANÁLISE COMPARATIVA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE CIRURGIAS REALIZADAS NO CENTRO CIRÚRGICO DO HOSPITAL BRASÍLIA: UMA METODOLOGIA COMPARATIVA DO CUSTO-PADRÃO E AS RECEITAS PREVISTAS
    2. 4. Resumo Executivo
    3. 5. Resumo Executivo La Forgia (2009,p. 57)
    4. 6. Resumo Executivo
    5. 7. Resumo Executivo
    6. 8. Objetivos
    7. 9. Justificativa La Forgia (2009)
    8. 10. Justificativa
    9. 11. <ul><ul><li>Bases conceituais analisadas </li></ul></ul>
    10. 12. <ul><ul><li>Bases conceituais analisadas </li></ul></ul>“ Três grupos disputam o poder nos hospitais: os médicos, os administradores e a direção superior” (Gonçalves,1983)
    11. 13. <ul><ul><li>Benchmarking </li></ul></ul>
    12. 14. <ul><ul><li>Bases conceituais aplicadas </li></ul></ul>
    13. 15. <ul><ul><li>Modelo conceitual definido </li></ul></ul>
    14. 16. <ul><ul><li>Modelo conceitual definido </li></ul></ul>Figura 3, p 45 Figura 5, p 46
    15. 17. <ul><ul><li>Modelo conceitual definido </li></ul></ul>Figura 6, p 47 Figura 7, p 47 <ul><li>Amostra integral </li></ul><ul><li>Amostra s/ os outliers </li></ul>
    16. 18. <ul><ul><li>Modelo da empresa analisado </li></ul></ul>Tabela 31, p 74
    17. 19. <ul><ul><li>Definição do preço de venda </li></ul></ul>Tabela 11, p 52 Valor de US Qtd. de Ocorrências R$ 0,600 1.496 R$ 0,410 1.180 R$ 0,630 933 R$ 0,330 524 R$ 0,410 496 R$ 0,460 450 R$ 0,500 426 R$ 0,440 409 R$ 0,460 180 R$ 0,410 153 R$ 0,463 153 R$ 0,450 139 R$ 0,410 135 R$ 0,450 132 R$ 0,650 108 R$ 0,410 107 R$ 0,463 102 Outros valores 3.387 Total 10.510
    18. 20. <ul><ul><li>Custos da estrutura </li></ul></ul>Tabela 14, p 58 Figura 11, p 59
    19. 21. <ul><ul><li>Custos da mão-de-obra </li></ul></ul>Tabela 17, p 62 Dados Horas de trabalho Dias de trabalho Horas / dia Horas trabalho/mês 220 hs (com RSR) Por hora Base hs dias hs hs Salário mês hora Circulante 44 6 7,33 220 R$ 944,15 R$ 4,29 Técnico da SRPA 44 6 7,33 220 R$ 944,15 R$ 4,29 Instrumentador 44 6 7,33 220 R$ 944,15 R$ 4,29 Enfermeiro 44 6 7,33 220 R$ 2.469,74 R$ 11,23 Auxiliar de Operações 1 44 6 7,33 220 R$ 512,23 R$ 2,33 Assistente Administrativo 44 6 7,33 220 R$ 944,15 R$ 4,29 Assistente Financeiro 44 6 7,33 220 R$ 1.142,80 R$ 5,19 Supervisão de Enfermagem 44 6 7,33 220 R$ 4.258,83 R$ 19,36 Supervisor Médico 44 6 7,33 220 R$ 5.911,84 R$ 26,87 Técnico de Radiologia 24 6 4 120 R$ 1.428,00 R$ 11,90
    20. 22. <ul><ul><li>Custos da mão-de-obra </li></ul></ul>Tabela 16, p 60 Qtd. Cargo Função Sala Cirúrgica NEURO (h) SRPA NEURO (h) Sala Cirúrgica URO (h) SRPA URO (h) 1 Assistente Administrativo Secretária do CC 0,33 0,00 0,33 0,00 1 Assistente Financeiro Cotação de OPME 0,33 0,00 0,33 0,00 1 Auxiliar de Operações 1 Higiene e Limpeza 1,00 0,25 1,00 0,25 1 Enfermeiro Enfermeiro Assistente 1,50 0,50 0,50 0,50 1 Enfermeiro Supervisor Supervisão de Enf. do CC 0,11 0,11 0,11 0,11 1 Médico Supervisor Supervisor Médico do CC 0,11 0,11 0,11 0,11 1 Técnico de Enfermagem Circulante de Sala 3,50 0,00 1,50 0,00 1 Técnico de Enfermagem Circulante da SRPA 0,00 1,00 0,00 0,25 1 Técnico de Enfermagem Instrumentador 3,50 0,00 1,50 0,00 1 Técnico de Radiologia Operador da Escopia 3,50 0,00 1,00 0,00 Total 10 13,89 1,97 6,39 1,22
    21. 23. <ul><ul><li>Custos da mão-de-obra </li></ul></ul>Tabela 19, p 63
    22. 24. <ul><ul><li>Custos com materiais </li></ul></ul>Tabela 23, p 65 Tabela 24, p 65
    23. 25. <ul><ul><li>Outros custos </li></ul></ul>Tabela 25, p 66 Tabela 26, p 66
    24. 26. <ul><ul><li>Alocação dos custos </li></ul></ul>Tabela 27, p 68
    25. 27. <ul><ul><li>Análise de receitas x custos </li></ul></ul><ul><ul><li>(visão contábil x gerencial) (exceto mat/med) </li></ul></ul>Tabela 29, p 71
    26. 28. <ul><ul><li>Análise de receitas x custos </li></ul></ul><ul><ul><li>(visão contábil x gerencial) (exceto mat/med) </li></ul></ul>Tabela 30, p 71
    27. 29. <ul><ul><li>Análise da fatura padrão </li></ul></ul>Tabela 33, p 77 Figura 12, p 78
    28. 30. <ul><ul><li>Análise da fatura padrão </li></ul></ul>Tabela 34, p 78 Figura 13, p 79
    29. 31. <ul><ul><li>Resultado da análise das faturas </li></ul></ul>
    30. 32. <ul><ul><li>Lacunas observadas </li></ul></ul>
    31. 33. <ul><ul><li>Proposições </li></ul></ul>
    32. 34. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Comportamento heterogêneo dos profissionais de faturamento Proposta de Ação Criar roteiro para faturamento e análise de contas médicas Riscos Limitar a visão crítica individual dos analistas de contas Estratégia de mitigação de riscos Manter a autonomia do profissional, permitindo que esse extrapole o roteiro quando justificado Atividades Elaborar manual de procedimentos de faturamento para faturistas e analistas de contas médicas Alvos Falha zero na cobrança dos itens Responsável Jaciara e Valdair Onde Contra-auditoria e Faturamento Benefícios Uniformidade nos procedimentos de cobranças; aumento do valor faturado Como Através de uma cobrança mais correta
    33. 35. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Ausência de cobrança de determinados itens da conta hospitalar Proposta de Ação Inibir falhas de anotações e cobrança do consumo de insumos hospitalares durante a prestação de serviços Riscos Burocratizar e tornar inflexíveis as atividades envolvidas nos processos de faturamento, anotação e cobranças Estratégia de mitigação de riscos Automatizar a inclusão de itens de cobrança por meio de informatização, permitindo a alteração desses pelos faturistas sob justificativa Atividades Criar check list dos principais itens de cobrança para cada cirurgia seguindo o modelo cirúrgico padrão; Adaptar o WPD, com um mecanismo de poka-yoke, que possibilite o confronto do check list à fatura; Treinar as equipes de enfermagem quanto à necessidade de anotações corretas em prontuário Alvos Falha zero na cobrança dos itens Responsável Valdair Onde Faturamento Benefícios Garantir o faturamento correto Como Estudar o histórico das faturas dos serviços, para a criação de modelos-padrão e do check list, com posterior integração desses ao sistema WPD; elaborar programa de treinamento da equipe de enfermagem
    34. 36. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Diferença de comportamento dos auditores de convênios quanto ao uso da Tabela SIMPRO na cobrança materiais Proposta de Ação Elaborar Lista Referencial do Hospital Brasília com os itens realmente utilizados e incluir nos contratos Riscos Perder a flexibilidade de cobrança dos itens da conta, restringindo-se aos de menor valor ou impossibilitando a inclusão de novos itens Estratégia de mitigação de riscos Reavaliação constante da lista para renegociação Atividades Criar lista com todos os materiais existentes no Hospital com suas respectivas marcas e especificações Alvos Aumentar lucro na utilização de materiais Responsável Douglas Onde Compras Benefícios Garantir uma remuneração com melhor margem pelos itens-marcas utilizados Como Identificar os materiais disponíveis no Hospital e correlacioná-los com os valores de melhor margem, listados na tabela SIMPRO, e que sejam aceitos pelos convênios
    35. 37. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Falta de informação de custos por procedimentos que permitam avaliar a margem das cirurgias Proposta de Ação Aplicar o método de custo-padrão a outros procedimentos Riscos Inadequação do método proposto a determinados procedimentos em função da heterogeneidade Estratégia de mitigação de riscos Utilizar o método de custo-padrão apenas como um referencial nas atividades gerenciais Atividades Criar ferramenta informatizada que permita a emissão de relatórios de comparação entre os custos e as receitas previstas por procedimentos Alvos Conhecer a margem de contribuição dos procedimentos para gerenciamento estratégico da capacidade produtiva Responsável Marcos José Onde Controladoria de Custo Benefícios Gerenciar os procedimentos que, na média, geram prejuízos ou menor margem Como Replicar o modelo de custeio proposto em nosso estudo,com as melhorias sugeridas
    36. 38. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Apuração de custos parciais, restritos ao CC, no método proposto Proposta de Ação Ampliar a análise de custos, envolvendo outros setores produtivos e setores de apoio (ex.: custo de estocagem, custos administrativos etc.) Riscos Tornar o processo de apuração de custos mais complexo e custoso que os resultados obtidos com as informações geradas Estratégia de mitigação de riscos Iniciar a apuração de custos globais pelos 2 procedimentos selecionados, afim de avaliar, previamente, a viabilidade Atividades Apurar os custos, em todos os setores do hospital, para as cirurgias de Ureterolitotripsia e Artrodese de Coluna Alvos Obter os custos totais (diretos e indiretos) dos procedimentos Responsável Marcos José Onde Controladoria de Custo Benefícios Identificar a margem de contribuição final dos procedimentos para melhor qualificação das tomadas de decisões Como Implantação da apuração de custos, por centros de custo, como realizado para o CC, em nosso estudo
    37. 39. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Variabilidade da quantidade e especificação de mat/med utilizados pelos cirurgiões em procedimentos idênticos Proposta de Ação Reduzir a variabilidade dos itens (mat/med) utilizados em cirurgias idênticas Riscos Afastar médicos cirurgiões que não concordem com a política adotada e desestimular práticas inovadoras Estratégia de mitigação de riscos Conscientizar os cirurgiões da necessidade de racionalização no uso dos materiais e premiá-los pela adesão à proposta Atividades Elaborar kits cirúrgicos de materiais e medicamentos utilizados em cada procedimento, com a participação dos médicos cirurgiões; Criar critérios de premiação aos médicos aderentes Alvos Homogeneizar o consumo de mat/med em procedimentos iguais Responsável Marcus Paulo Onde Centro Cirúrgico Benefícios Melhorar o controle de gastos por procedimentos e facilitar a apuração final de custos Como Buscar a participação dos principais médicos parceiros para implantação das atividades
    38. 40. Sugestão de Plano de Ação GAP's identificados Os sistemas de TI não geram informações estratégicas sobre custos, apesar do grande volume de dados que congregam Proposta de Ação Otimizar os sistemas para que gerem informações mais qualificadas quanto à tomada de decisão Riscos Obter uma solução cujo custo de implantação e manutenção superem as vantagens proporcionadas Estratégia de mitigação de riscos Levantamento prévio do custo de criação desse sistema e implantação gradual do projeto Atividades Buscar benchmarking indireto com empresas de software de gestão de custos para avaliar as melhores práticas já utilizadas; Levantamento dos requisitos para a apuração integrada de custos; Elaboração do projeto, do orçamento e do cronograma de implantação Alvos Integração dos dados e das informações sobre custos Responsável   Onde   Benefícios Agilidade e confiabilidade na obtenção de informações de custo Como Iniciar estudo para identificação das unidades de custos que compõem os diferentes procedimentos realizados; Definir os critérios de alocação de custos aos diversos centros de custos
    39. 41. <ul><li>Livros </li></ul><ul><ul><li>ABBAS, K. Gestão de custos em organizações hospitalares. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001. </li></ul></ul><ul><ul><li>GARRISON, R. H.; .NOREEN, E. W. Contabilidade gerencial. 9.ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros Técnicos e Científicos Editora , 2001. </li></ul></ul><ul><ul><li>LA FORGIA, G. M. Desempenho Hospitalar no Brasil: em busca da excelência. São Paulo: Singular, 2009. </li></ul></ul><ul><ul><li>LAURIA, L. C., Gestão Estratégica de Custos. In ROSSETTI, J. P. et al. Finanças Corporativas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. </li></ul></ul><ul><ul><li>MATOS, A. J. Gestão de custos hospitalares . São Paulo: STS Publicações e Serviços Ltda, 2002. </li></ul></ul><ul><li>Internet </li></ul><ul><ul><li>Resolução – RDC nº 50. Brasília, 2002. Disponível em: HTTP://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2002/50_02rdc.pdf. Acesso em: 11 abr.2010 </li></ul></ul><ul><ul><li>RESOLUÇÃO CFC nº 750/93 – Princípios Fundamentais de Contabilidade. Brasília, 1993. Disponível em: HTTP://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/res750.htm. Acesso em: 12 abr.2010 </li></ul></ul>Principais Fontes de Consulta
    40. 42. Agradecimentos
    41. 43. PROPOSTA DE APURAÇÃO DE CUSTOS E ANÁLISE COMPARATIVA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE CIRURGIAS REALIZADAS NO CENTRO CIRÚRGICO DO HOSPITAL BRASÍLIA: UMA METODOLOGIA COMPARATIVA DO CUSTO-PADRÃO E AS RECEITAS PREVISTAS Grupo 1

    ×