CASE          Uma Conspiração baseada na valorização de pessoas                                           Todas as empresa...
do Action Learning. E é com tudo isso que Cláudio conseguiu apoio irrestrito da Caliper paraproduzir os efeitos desejados ...
Divididos em grupos, os diretores e facilitadores atuaram em cinco focos específicos:    1.   Articulação escola-família  ...
Ações como esta, durante todo o ano em que durou a fase inicial deste projeto geroubenefícios magníficos ao saber, discipl...
como montar cada projeto,            pois   estão   disponíveis    gratuitamente    no   site:www.conspiracaomineira.com.b...
com a continuação da metodologia Action Learning e o auxílio da Caliper que, agora, focaráespecificamente a parte estratég...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Case Conspiração Mineira - Action Learning

786 visualizações

Publicada em

O Action Learning é uma metodologia utilizada para a aprendizagem e a ação contínua num único processo, com a união de várias ferramentas de desenvolvimento.
O objetivo deste projeto, desde o início, era melhorar a qualidade do ensino nas escolas públicas de algumas das regiões mais carentes de Minas Gerais através do aprimoramento das lideranças representadas pelos diretores destas escolas, ambas situadas ao redor do futuro Centro Administrativo do Estado de Minas Gerais e outras regiões carentes.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
786
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Case Conspiração Mineira - Action Learning

  1. 1. CASE Uma Conspiração baseada na valorização de pessoas Todas as empresas enfrentam, a todo momento, questões de sobrevivência no mercado como: a busca pelo lucro diante de um panorama competitivo, a responsabilidade social junto a comunidade onde estão inseridas e o conhecimento de todas as práticas e processos de uma organização sustentável. Dentro deste cenário, a Caliper busca auxiliar as empresas no entendimento do potencial de seus colaboradores e a como colocá-lo em prática, afim de que todos os desafios enfrentados diariamente pelas empresas sejam superados.Por tudo isso, apenas uma ligação telefônica bastou para que a Caliper comprasse a idéia deum trabalho social voluntário que durou um ano, junto a escolas públicas de Minas Gerais e,assim, se engajasse tão profundamente num projeto extremamente benéfico para o ensinobrasileiro, o qual se denominou “Conspiração Mineira pela Educação”.O objetivo deste projeto, desde o início, era melhorar a qualidade do ensino nas escolaspúblicas de algumas das regiões mais carentes de Minas Gerais através do aprimoramento daslideranças representadas pelos diretores destas escolas, ambas situadas ao redor do futuroCentro Administrativo do Estado de Minas Gerais e outras regiões carentes. Ao todo são 69escolas estaduais e municipais situadas em Belo Horizonte, Santa Luzia, Sabará, Vespasiano eRibeirão das Neves, representando 65.000 alunos. O Centro Administrativo, núcleo destasunidades, será construído em Belo Horizonte até dezembro de 2009. Projetado pelo arquitetoOscar Niemeyer, o local reunirá todas as secretarias de Estado e seus órgãos vinculados. Sualocalização será o vetor norte de Belo Horizonte, escolhido pelo desafio de sua realidadediária: escolas que atendem alunos de camadas mais pobres e com poucos recursos, numaárea que apresenta violência e baixos índices de aprendizagem. O olhar do Governo pairasobre a região, que foi a escolhida pela Conspiração Mineira, favorecendo assim, o auxílio eapoio governamental.A idéia inicial da Conspiração era fazer com que um bom trabalho de desenvolvimento doslíderes (diretores) das escolas envolvidas, essencialmente, refletisse em sua qualidade deensino e impactasse, direta e positivamente, seus alunos, melhorando os índices dedesempenho rastreados pelos governos federal e estadual. E, foi pensando em atingir esteobjetivo que Cláudio Moura Castro, conceituado articulista da Revista Veja e peça-chave desteprojeto como um de seus idealizadores, conheceu uma metodologia de desenvolvimentoprofissional chamada Action Learning, soube de seu status de melhor prática a ser aplicada nodesenvolvimento de lideranças dentro de empresas e chegou até a Caliper por esta ter setornado referência em programas de desenvolvimento utilizando o Action Learning. A própriarevista Chief Executive Magazine, através de pesquisa, já destacou que as empresasconsideradas referências no desenvolvimento de líderes utilizam esta metodologia em suasatividades. Exemplos são: Johnson & Johnson, General Eletric e Procter & Gamble (clientesmundiais da Caliper), pontuadas pela revista como as três principais empresas que se utilizam
  2. 2. do Action Learning. E é com tudo isso que Cláudio conseguiu apoio irrestrito da Caliper paraproduzir os efeitos desejados ao ensino das escolas mineiras, dentro da Conspiração Mineira.A idéia surgiu quando Evando Neiva, Presidente da Fundação Pitágoras e Coordenador daConspiração, foi chamado a liderar duas diretorias de educação em Belo Horizonte: uma ligadaà Fundamig – Federação Mineira de Fundações e outra à Associação Comercial. Ele teve a idéiade unir as duas forças – uma aliança intersetorial – em prol de um único objetivo que éaumentar o nível de aprendizagem e desempenho dos alunos das escolas citadas, e assim,criou a Conspiração Mineira. A idéia inicial era fazer um projeto-piloto, e assim foi feito: desetembro de 2007 a setembro de 2008. O governo do estado de Minas Gerais também esteveenvolvido através da Secretaria de Estado da Educação, Secretaria de Ciência e Tecnologia,Ministério Público e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME) e, assim,se predispôs a ajudar as escolas envolvidas, instituições situadas na periferia e área rural, eque enfrentam desafios bastante conhecidos no Brasil como: falta de infra-estrutura, violência,pobreza e preconceito.Contando, ainda, com o apoio da Fundamig e Associações de Direito Privado e da Amcham –Câmara Americana do Comércio de Minas Gerais, a idéia do projeto, não se apresenta comouma ação de assistencialismo, mas sim de melhoria efetiva da qualidade de ensino nestasescolas. E o mais instigante é que com a aplicação da metodologia Action Learning, que buscatrabalhar conceitos e comportamentos dentro de situações reais (ver quadro - O que é ActionLearning), foi possível aproveitar o momento que estas escolas vivenciavam para realizar oprojeto e, ao mesmo tempo, capacitar seus diretores. Com isso, ao invés de simplesmentepassar pelos acontecimentos dentro da escola, os diretores puderam atingir algo maior e querealmente faz a diferença: aprender com as experiências.QUADRO - O que é Action LearningO Action Learning é uma metodologia utilizada para a aprendizagem e a ação contínua num únicoprocesso, com a união de várias ferramentas de desenvolvimento. Para desenvolver estametodologia, define-se um projeto a ser trabalhado, geralmente representado por um problemareal, complexo e extraído de qualquer parte da organização, e fora do dia-a-dia dos participantes.A solução do problema inclui sua efetiva implantação na empresa, que deve mensurar umresultado palpável, definir uma data-limite e restringir todo o investimento feito para alcançarsua solução.Para a aplicação do Action Learning, foi criado o Fórum de Diretores, para o qual foramrealizados 15 encontros durante todo o projeto-piloto – dirigido pelo Prof. Evando Neiva e porGeorge Andrew Brough (Diretor de Desenvolvimento Organizacional da Caliper) e apoiado poruma equipe de facilitadores formada por profissionais da Secretaria de Educação do Estado deMinas Gerais, Secretarias Municipais de Educação, funcionários da Fundação Pitágoras ePolícia Militar, contando ainda com parcerias firmadas com as Fundações ACMinas, GuimarãesRosa e Logosófica, AMAE - Associação Mineira de Administração Escolar, CDL - Câmara deDirigentes Lojistas de Belo Horizonte, e empresas como: Logo Comunicação Integrada,Sest/Senat – Serra Verde, Faculdade Kennedy, Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras, CentroUniversitário Newton Paiva e Leonardo Mariano Design.
  3. 3. Divididos em grupos, os diretores e facilitadores atuaram em cinco focos específicos: 1. Articulação escola-família 2. Motivação dos alunos 3. Motivação dos professores 4. Ambiente saudável para a aprendizagem 5. Elevação dos índices de aprendizagemEstes tópicos foram escolhidos pelos próprios diretores por representarem os problemas maisurgentes e importantes em suas escolas, o que possibilitou na ampliação docomprometimento para buscar resolvê-los.Entre as várias técnicas oferecidas pelo Action Learning para atingir os objetivos propostosuma das utilizadas foi, por exemplo, a melhoria na comunicação promovida pelos diretores,para a qual aprenderam a fazer perguntas que orientam na resolução de problemas. Nestaatividade que envolve perguntas, promove-se o surgimento de insights na busca de soluçõespara as questões. A experiência de cada membro do grupo é dividida entre todos, gerando aaprendizagem do grupo e de cada organização (no caso, escola). Os benefícios desta ação sãomuitos, entre eles, o autoconhecimento (identificação das habilidades e qualidades que cadadiretor de escola tem), fazendo com que a liderança seja mais eficaz no dia-a-dia, ao obter ahabilidade de refletir sobre comportamentos, suas consequências e escolher as ações maiseficazes no futuro.Benefícios promovidos pelo Action Learning: • Resolução de um problema real de maneira rápida e eficaz com benefícios concretos para a organização • A aprendizagem acontece por meio da experiência e é compartilhada por todos os níveis da organização • Os profissionais ‘aprendem a aprender’ • Desenrolar do entrosamento da equipe • Obtenção de autoconhecimento e auto-segurança devido aos novos insights e feedbacks • Habilidade de fazer as melhores e mais efetivas perguntas • Aperfeiçoamento da comunicação e do trabalho em equipeResultados obtidos com o Action Learning: • Aprendizagem individual para um pensamento crítico e inovador enquanto o profissional trabalha em um importante problema organizacional • Os envolvidos são capazes de transferir a aprendizagem para outras aplicações e responsabilidade diárias • Aumento das habilidades de autoconhecimento, empatia, gerenciamento das relações, gerenciamento das emoções e autocontrole • A equipe de trabalho: divide o compromisso com as metas; obtêm habilidade para trabalhar em grupo e desenvolver estratégias; adquire coragem para fazer perguntas difíceis; adquire vontade para ajudar os outros, acreditar e confiar • Desenvolvimento Organizacional: desenvolvimento da cultura da aprendizagem; novas habilidades e competências; integração do Action Learning, investigação e reflexão por toda a organização
  4. 4. Ações como esta, durante todo o ano em que durou a fase inicial deste projeto geroubenefícios magníficos ao saber, disciplina e empenho dos alunos das escolas participantes.Apesar de muitas vezes serem marginalizados dentro da sociedade, eles demonstraram, naprática, valor e desempenho além do esperado, com a implantação de planos escolaresatravés dos diretores que a cada encontro do Fórum de Diretores, absorvia mais e maiscompreensão e autoconhecimento. E estes benefícios foram utilizados através de atitudesresponsáveis e comportamentos produtivos no impacto aos alunos de todas as escolasparticipantes.Números que contarão históriaOs resultados do trabalho realizado durante um ano pela Conspiração Mineira pela Educaçãojá estão rendendo benefícios concretos nas escolas participantes que, com certeza, serãorefletidos nos resultados dos indicadores Proalfa e Proeb, a partir de 2009.QUADRO - Proalfa e ProebO Proalfa é o Programa de Avaliação da Alfabetização, criado para monitorar a qualidade daalfabetização das crianças na escola que, em Minas Gerais, desde 2004, tem o EnsinoFundamental com nove anos de duração. E o aumento deste tempo na escola prevê, justamente,maior poder de alfabetização. O Proeb, por sua vez, significa: Programa de Avaliação de EducaçãoBásica, também criado para monitorar a qualidade de ensino da Rede Pública.Por fim, o Ideb é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica que se configura por um sóindicador composto de dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação:fluxo escolar e médias de desempenho nas avaliações. O indicador é calculado a partir dos dadossobre aprovação escolar – obtidos no Censo Escolar – e médias de desempenho nas avaliaçõesdo Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, o Saeb - Sistema de Avaliaçãoda Educação Básica (para as unidades da federação e para o país) e a Prova Brasil (para osmunicípios).Os resultados do Proalfa e Proeb em 2009 serão os reais indicadores de retorno da primeirafase do projeto. Os facilitadores da Conspiração Mineira estão, agora, trabalhando para apoiaras escolas participantes a implantar seus projetos e monitorar os melhoramentos de acordocom os índices Proalfa e Proeb. Cada escola possui metas para o próximo ano e o objetivo detodo o projeto, com o passador anos, é fazer com que estas instituições cheguem ao mesmonível de desempenho de educação de países de primeiro mundo. Porém, segundo o Prof.Evando, este é um trabalho de longo prazo, somente possível através de uma rede decolaboração e conhecimento compartilhado.Assim, uma vez completado os pilotos de cada projeto idealizado pelo Fórum de Diretores, asescolas participantes podem ser multiplicadoras de todas as ações praticadas. É possível,também, que qualquer escola, em qualquer lugar, tenha acesso a todas as informações sobre
  5. 5. como montar cada projeto, pois estão disponíveis gratuitamente no site:www.conspiracaomineira.com.br.RecompensaCom todo o trabalho realizado pela Caliper durante este primeiro ano da Conspiração Mineirapela Educação, muitos resultados positivos puderam ser constatados nas escolas envolvidas.Porém, o Diretor de Desenvolvimento Organizacional da Caliper, George Brough, afirma que osfacilitadores como ele passaram por este período, também, como alunos e não apenas comoprofissionais que tinham algo a ensinar.“Este foi um dos mais gratificantes projetos de minha vida profissional. E por várias razões”,afirma George que enumera os motivos de sua satisfação: “1º) Por saber que impactoudiretamente e de forma positiva a vida de 65.000 alunos. Vi o crescimento contínuo dosdiretores durante as ações. 2º) Por junto a esse grupo de pessoas, menosprezado pelojulgamento de que não tinham motivação e competência, ajudá-los a mostrar que isto não éverdade, criando oportunidades para mostrarem a competência e a motivação que têm e,assim, melhorar a qualidade de ensino em suas escolas, sem grandes projetos. 3º) Porque aCaliper pôde mostrar que essa metodologia (Action Learning) funciona tão bem numa pequenaescola (instituição pública) quanto nos mais altos níveis das maiores empresas do mundo ondeé aplicado. E a resposta para isto é simples: estamos lidando com qualidades e habilidadeshumanas e não nos restringindo à empresas e grandes executivos.”Para o Prof. Evando Neiva, o trabalho instituído pela Caliper foi: “Simplesmente notável. Nãosei se teríamos chegado ao nível que alcançamos, sem o auxílio da metodologia de trabalhoapresentada por George”. Segundo ele foi possível tornar os diretores de escola envolvidosmuito mais motivados e produtivos, pois aprenderam a ser pró-ativos desde o início, com oestímulo de seu poder de ação e independência para implementar as melhorias nas escolas.Evando se sente muito gratificado com o projeto. “Percebi que o que fizemos tem um raio dealcance a milhares de pessoas. Visualizo esta ação como uma contribuição ao país”, finalizou.Segundo Cláudio Moura Castro, a Caliper, assim como outras empresas que auxiliam dentroprojeto, surgiu como uma ótima oportunidade para a Conspiração Mineira. Ele conheceu aempresa depois de uma pesquisa feita para saber que organizações atuam com ActionLearning no Brasil.Quanto ao contexto do trabalho realizado, Cláudio classifica de forma bastante positiva, porémainda dentro de uma avaliação não-oficial, como será mais tarde através dos indicadores. Econta: “No início [do Action Learning com os diretores] deu um vazio, um susto, até que aspessoas sentiram que o projeto era delas, e deveria ser pensado e colocado em prática porelas, senão não teria projeto”. O que Cláudio espera, agora, é um aprofundamento maior notrabalho proposto, esperando que as pessoas envolvidas se dediquem mais a produzir osresultados que se busca.Próximos passosO ano de 2008 marcou a primeira fase da Conspiração Mineira pela Educação. Foi finalizadocom sucesso o projeto- piloto, e por isso, está sendo estruturada a segunda fase, que contará
  6. 6. com a continuação da metodologia Action Learning e o auxílio da Caliper que, agora, focaráespecificamente a parte estratégica e a capacitação dos facilitadores para divulgá-la, comobjetivo de promover bons resultados também para outros segmentos públicos e empresas.De acordo com o Prof. Evando, há duas frentes de trabalho para a próxima fase da ConspiraçãoMineira: uma delas revela a continuação com o desenvolvimento do projeto e a monitoraçãodos resultados nas escolas participantes desde 2007; e uma segunda frente é a implementaçãodas ações, agora, na região mais carente de Minas Gerais que se localiza no norte do estado,extrapolando os limites de Belo Horizonte. As escolas deste local se enquadram como 50ª doestado em desempenho educacional. Segundo ele, as cidades nas quais se pretende focar otrabalho são bastante pobres e apresentam um desenvolvimento limitado. Em contrapartida,o ambiente onde se inserem apresenta-se mais tranqüilo, com baixo índice de violência, o quepode se mostrar como condição favorável de atuação. “Agora nosso trabalho evoluirá demaneira muito efetiva, pois já aprendemos lições para a próxima fase”, acrescenta Neiva.Finalmente, é possível dizer que a Caliper, agora, possui capacidade e, inclusive, disposiçãopara fazer o mesmo que fez dentro da Conspiração Mineira pela Educação em outros setoresda Educação no país, e talvez, numa missão mais desafiadora, na área da Saúde Pública, quecertamente ganharia muito em qualidade e resultado. Isto mostra, inclusive, que o mesmodesenvolvimento humano praticado dentro de empresas também é possível, válido e valiosodentro de instituições públicas, precisando apenas serem implementados para gerarem, naprática, os saldos esperados.

×