SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
61Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvbAula Nº 8 – Planejamento Agregado da ProduçãoObjetivos da aula: 
O objetivo dessa aula é apresentar um modelo para definirmos estratégias, com o fim de administrar a produção, balanceando a previsão de demanda com a capacidade produtiva da empresa e os recursos existentes para aumentar ou diminuir a produção, com os menores custos totais operacionais.. 
Planejamento agregado é uma ferramenta e um processo de balanceamento da produção com a demanda prevista (já estudada na 3ª aula), projetado para médios prazos, em geral 6 meses, 1 ou 2 anos. Algumas empresas que atuam em mercados relativamente estáveis aplicam esse método para períodos maiores e, ano a ano, fazem os ajustes necessários para corrigir eventuais acidentes de demanda. É um método utilizado por empresas que têm poucos produtos na sua linha de fabricação, ou que ainda produzam outros bens vendidos de forma casada com esses, que são os mais importantes. 
Iremos trabalhar ao longo de toda essa aula com os dados da empresa a seguir, que fabrica uma peça especial para um tipo de máquina. Ela possui 16 funcionários na produção e cada um produz 1.000 peças por mês ou 2.000 por bimestre. No nosso exemplo, vamos trabalhar com os bimestres do ano, para podermos nos concentrar no método e não trabalhar com tabelas longas com 12 meses. Depois de entendido o método, extrapolá- lo para 12 meses ao ano ficará simples. 
Usaremos, como ferramenta, a planilha eletrônica Excel e, ao longo do exercício, iremos supondo valores de custos para os recursos utilizados. 
Seja a previsão de vendas bimestrais para 2007 a da tabela a seguir:
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
62 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
Bimestre 
Jan Fev 
Mar Abr 
Mai Jun 
Jul Ago 
Set Out 
Nov Dez 
Total 
Previsão (pçs) 
24.000 
26.000 
30.000 
36.000 
42.000 
34.000 
192.000 
A produção de 192.000 peças ao ano resultaria em uma produção média bimestral de 32.000 peças. Graficamente, teríamos: 
No primeiro bimestre, produziríamos 32.000 peças e a demanda seria de 24.000, resultando em um estoque de 8.000 peças. No segundo bimestre, teríamos mais estoque se acumulando. Qual é a melhor forma de administrar essa situação? Produzir e estocar, ou produzir só a quantidade demandada, reduzindo o quadro de funcionários, fazendo horas extras nos períodos de maior demanda? Como devemos administrar essa situação? É o que veremos hoje. 
A empresa deverá contabilizar todos os seus custos, fixos e variáveis, e distribuí-los na produção. Para o nosso exemplo, vamos admitir que a empresa tenha os seguintes custos: 
Custo médio de contratação de 1 funcionário R$ 1.000,00. 
Custo médio de demissão de 1 funcionário R$ 3.000,00. 
Custo médio de estocagem R$ 1,00 por (peça x bimestre). 
Custo total médio de produção normal R$ 2,00 por peça. 
Custo total médio de produção na hora extra R$ 2,80 por peça. 
Como já vimos na 2ª aula, os custos fixos fazem com que o custo total
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
63 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
unitário varie conforme a quantidade produzida. A empresa deve ter, em seu histórico, o custo médio (que não é muito difícil de calcular) para poder utilizar esse método. 
Existem três estratégias principais de trabalhar essa situação e, depois, existem outras tantas que mesclam essas três estratégias iniciais. Vamos a elas. 
Primeira Estratégia: Manutenção da força de trabalho atual. Como no início do período (nos três primeiros bimestres) a produção é maior que a demanda, podemos produzir a mais e estocar para compensar o período no qual essa situação se inverter. Essa situação será representada na tabela a seguir. 
A montagem dessa planilha é feita da seguinte forma: 
1 Previsão de Demanda. Nesta linha, estão todas as previsões de demanda para 2007, a cada bimestre (JF = janeiro e fevereiro etc.). 
2 Estoque inicial. Quantidade de peças estocadas que inicia o período, que é o estoque final do período anterior. 
3 Quantidade inicial de funcionários. Como já explicado, funcionário produz 2.000 peças por bimestre. 
4 Contratações. Funcionários contratados para trabalhar no período (nesta primeira estratégia, não teremos funcionários contratados). 
5 Funcionários demitidos no período. (nesta primeira estratégia, não teremos funcionários demitidos). 
6 Quantidade total de funcionários. Funcionários que iniciaram trabalhando mais contratações e menos as demissões.
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
64 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
8 Produção regular. É o resultado do número de funcionários (linha 6) vezes 2.000 peças que cada um produziu por bimestre. 
9 Horas extras. Quantidade de peças a serem produzidas em horas extras (esta estratégia não prevê horas extras). 
10 Subcontratação. Contratações de terceiros, quando houver. 
11 Total. É a quantidade total de peças produzidas na produção regular somadas com produção nas horas extras e com as peças produzidas pela eventual sub contratação. 
12 Produção – Previsão de demanda. Quantidade de peças produzidas menos a previsão de demanda no período (bimestre). 
13 Estoque final. Quantidade de peças estocadas no bimestre mais estoque anterior. 
Para esta estratégia, ajustamos a previsão de demanda anual, 192.000 peças, e dividimos em 6 períodos iguais de 32.000 peças cada. 
Dessa forma, não são necessárias horas extras, nem demissões, nem contratações. O inconveniente dessa estratégia é o custo do estoque, que calculamos da seguinte forma: 
Total de peças estocadas (8.000 + 14.000 + 16.000 + 12.000 + 2.000) = 52.000. Custo de estocagem por bimestre = 1,00 R$ por peça. 
Custo de estocagem = R$ 52.000,00. 
Essa estratégia impõe um custo de estocagem, além dos custos de produção de R$ 52.000,00. 
Segunda estratégia: Contratar e demitir sempre que necessário. Essa estratégia pressupõe que a produção seja diretamente proporcional à quantidade de funcionários. Numericamente, ela é importante de ser conhecida, pois, em períodos de recessão, em parte ela poderá ser adotada. Empresas que desativam linhas de produção ou encerram atividades em uma unidade podem utilizar essa estratégia para avaliar seus custos.
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
65 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
Essa estratégia não prevê estoques e o número de funcionários é ajustado, período a período, de forma a se produzir, exatamente, a quantidade da demanda prevista. 
Fazendo esses ajustes em todos os bimestres, teríamos um total de 9 contratações e 8 demissões, cujos custos seriam. 
Demissões R$ 3.000,00 x 8 = R$ 24.000,00 
Contratações R$ 1.000,00 x 9 = R$ 9.000,00 
Custo total da estratégia R$ 33.000,00 
Terceira estratégia: Estratégia de Nivelamento por horas extras. Essa estratégia propõe a manutenção da força de trabalho, produzindo o necessário para atender a demanda prevista e, quando a produção regular não atender a demanda, produzir com horas extras. Vamos à tabela.
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
66 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
Nesta situação, não temos estoques, nem demissões, nem contratações. Teriam que ser produzidas em horas extras um total de 16.000 peças. 
O custo total a ser acrescentado aos custos normais de produção é o 
Custo total da estratégia: 16.000 x (2,80 – 2,00) = R$ 12.800,00. 
Numericamente, a melhor das três estratégias é a terceira. Entretanto, nossa hipótese não prevê um número limite de horas extras por período e por funcionário, legislado conforme a categoria sindical. 
Outra observação importante a ser considerada é a questão financeira. Não foi considerado o custo de capital dos desembolsos antecipados que poderiam ser postergados. Uma análise mais detalhada deverá considerar o valor presente de todos os desembolsos antecipados. 
A idéia de zerar os estoques também deveria ser melhor analisada. Um estoque de segurança para cobrir eventuais aumentos de demanda ou imprevistos na produção é sempre oportuno. 
ATIVIDADE PROPOSTA 
Com base na empresa utilizada nos exemplos, monte a estratégia de trabalho, considerando as seguintes alterações: converta os bimestres em meses, dividindo as previsões de demanda bimestrais por dois: 
·Monte a planilha em meses; 
·Você terá sempre 14 funcionários produzindo cada um 1.000 peças 
por mês; 
·Estoque final, em todos os meses, mínimo de 2.000 peças. 
·Não deixe ociosidade. Os 14 funcionários deverão produzir o que 
conseguirem no mês. 
·Caso falte produção, o que certamente irá acontecer, estude duas 
alternativas: 
I.Contrate funcionários. 
II.Contrate horas extras.
Administração da Produção 
Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 
67 Faculdade On-Line UVB 
Anotações do Aluno 
uvb 
Qual é o custo acima dos custos normais de produção para essas estratégias (I e II)? 
RESPOSTAS 
I.(Contratação de 7 funcionários, custo de R$ 7.000,00 e estoque final de 10.000 peças). 
II.(Contratação de 26.000 horas extras, custo de R$ 20.800,00 e estoque final de 2.000 peças). Síntese 
Vimos, hoje, como administrar a produção para ajustar a capacidade de produção à previsão de demanda do mercado. Estudamos como variar produção, horas extras e número de funcionários, de forma a balancear a produção a fim de atingir os resultados desejados pela empresa. 
Na próxima aula, começaremos a ver o que é Planejamento e Controle da Produção. 
Até lá. Referências 
GAITHER, N.; FRAZIER, G. Administração da Produção e Operações. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 2001. 
MOREIRA, D. A. Introdução à Administração da Produção e Operações. São Paulo: Pioneira, 1998. (Aula de hoje - ver 215 a 237). 
RITZMAN, L. P. ; Krajewski, L. J. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Pearson, 2004. 
SLACK N. et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in timetrainertek
 
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Gunnebo Brasil
 
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/A
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/AGestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/A
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/ANicolas Alexsander
 
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdf
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdfAula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdf
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdfDenis Lima
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturinginstitutocarvalho
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoquesdouglas
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Geovana Pires Lima
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoCharles Rebouças
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade ProdutivaWilian Gatti Jr
 
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da QualidadeIndicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da QualidadeIdeia Consultoria
 

Mais procurados (20)

Aula just in time
Aula just in timeAula just in time
Aula just in time
 
Almoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagemAlmoxarifado e armazenagem
Almoxarifado e armazenagem
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
 
Workshop TPM
Workshop TPMWorkshop TPM
Workshop TPM
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/A
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/AGestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/A
Gestão de Materiais - Estudo de Caso Natura S/A
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdf
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdfAula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdf
Aula 5 - U2S2 - Análise da necessidade de capacidade instalada.pdf
 
Kaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturingKaizen kanban-lean manufacturing
Kaizen kanban-lean manufacturing
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
09 aula armazenagem iii
09 aula armazenagem iii09 aula armazenagem iii
09 aula armazenagem iii
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Ergonomia Aplicada a Armazenagem
Ergonomia Aplicada a ArmazenagemErgonomia Aplicada a Armazenagem
Ergonomia Aplicada a Armazenagem
 
PCP
PCPPCP
PCP
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
 
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da QualidadeIndicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
Indicadores de Desempenho - Ferramenta da Qualidade
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 

Destaque

Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoMoises Ribeiro
 
Exercício resolvido planejamento agregado apostila
Exercício resolvido   planejamento agregado apostilaExercício resolvido   planejamento agregado apostila
Exercício resolvido planejamento agregado apostilaMoises Ribeiro
 
Aula 03 planejamento agregado programação
Aula 03 planejamento agregado programaçãoAula 03 planejamento agregado programação
Aula 03 planejamento agregado programaçãopriscilacutrim
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)Caio Roberto de Souza Filho
 

Destaque (6)

Planejamento agregado
Planejamento agregadoPlanejamento agregado
Planejamento agregado
 
Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregado
 
Aula plano de produção
Aula   plano de produçãoAula   plano de produção
Aula plano de produção
 
Exercício resolvido planejamento agregado apostila
Exercício resolvido   planejamento agregado apostilaExercício resolvido   planejamento agregado apostila
Exercício resolvido planejamento agregado apostila
 
Aula 03 planejamento agregado programação
Aula 03 planejamento agregado programaçãoAula 03 planejamento agregado programação
Aula 03 planejamento agregado programação
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
 

Mais de Caio Roberto de Souza Filho

Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e DesempregoAula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e DesempregoCaio Roberto de Souza Filho
 
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas Logísticos
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas LogísticosAula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas Logísticos
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas LogísticosCaio Roberto de Souza Filho
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)Caio Roberto de Souza Filho
 

Mais de Caio Roberto de Souza Filho (17)

Aula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas EconômicosAula 7 - Problemas Econômicos
Aula 7 - Problemas Econômicos
 
Aula 6 - Conceitos Econômicos
Aula 6 - Conceitos EconômicosAula 6 - Conceitos Econômicos
Aula 6 - Conceitos Econômicos
 
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e DesempregoAula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
Aula 5 - Sistema Financeiro , Inflação e Desemprego
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas Logísticos
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas LogísticosAula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas Logísticos
Aula 1 - Gerenciamento e Economia de Sistemas Logísticos
 
Planejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidadePlanejamento e controle da capacidade
Planejamento e controle da capacidade
 
Gerência de Projetos
Gerência de ProjetosGerência de Projetos
Gerência de Projetos
 
Aula sobre mrp
Aula sobre mrpAula sobre mrp
Aula sobre mrp
 
1 slides - conceitos logísticos
1   slides - conceitos logísticos1   slides - conceitos logísticos
1 slides - conceitos logísticos
 
2 slides - planejamento de recursos
2   slides - planejamento de recursos2   slides - planejamento de recursos
2 slides - planejamento de recursos
 
2 slides - gestão de estoques
2   slides - gestão de estoques2   slides - gestão de estoques
2 slides - gestão de estoques
 
1 slides - planejamento agregado
1   slides - planejamento agregado1   slides - planejamento agregado
1 slides - planejamento agregado
 
3 slides - gut
3   slides - gut3   slides - gut
3 slides - gut
 
2 slides - brainstorming
2   slides - brainstorming2   slides - brainstorming
2 slides - brainstorming
 
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Aula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - FluxogramaAula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - Fluxograma
 
Aula Qualidade - Gráfico de Pareto
Aula Qualidade - Gráfico de ParetoAula Qualidade - Gráfico de Pareto
Aula Qualidade - Gráfico de Pareto
 

Último

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxMarceloMonteiro213738
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

Planejamento agregado

  • 1. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 61Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvbAula Nº 8 – Planejamento Agregado da ProduçãoObjetivos da aula: O objetivo dessa aula é apresentar um modelo para definirmos estratégias, com o fim de administrar a produção, balanceando a previsão de demanda com a capacidade produtiva da empresa e os recursos existentes para aumentar ou diminuir a produção, com os menores custos totais operacionais.. Planejamento agregado é uma ferramenta e um processo de balanceamento da produção com a demanda prevista (já estudada na 3ª aula), projetado para médios prazos, em geral 6 meses, 1 ou 2 anos. Algumas empresas que atuam em mercados relativamente estáveis aplicam esse método para períodos maiores e, ano a ano, fazem os ajustes necessários para corrigir eventuais acidentes de demanda. É um método utilizado por empresas que têm poucos produtos na sua linha de fabricação, ou que ainda produzam outros bens vendidos de forma casada com esses, que são os mais importantes. Iremos trabalhar ao longo de toda essa aula com os dados da empresa a seguir, que fabrica uma peça especial para um tipo de máquina. Ela possui 16 funcionários na produção e cada um produz 1.000 peças por mês ou 2.000 por bimestre. No nosso exemplo, vamos trabalhar com os bimestres do ano, para podermos nos concentrar no método e não trabalhar com tabelas longas com 12 meses. Depois de entendido o método, extrapolá- lo para 12 meses ao ano ficará simples. Usaremos, como ferramenta, a planilha eletrônica Excel e, ao longo do exercício, iremos supondo valores de custos para os recursos utilizados. Seja a previsão de vendas bimestrais para 2007 a da tabela a seguir:
  • 2. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 62 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb Bimestre Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total Previsão (pçs) 24.000 26.000 30.000 36.000 42.000 34.000 192.000 A produção de 192.000 peças ao ano resultaria em uma produção média bimestral de 32.000 peças. Graficamente, teríamos: No primeiro bimestre, produziríamos 32.000 peças e a demanda seria de 24.000, resultando em um estoque de 8.000 peças. No segundo bimestre, teríamos mais estoque se acumulando. Qual é a melhor forma de administrar essa situação? Produzir e estocar, ou produzir só a quantidade demandada, reduzindo o quadro de funcionários, fazendo horas extras nos períodos de maior demanda? Como devemos administrar essa situação? É o que veremos hoje. A empresa deverá contabilizar todos os seus custos, fixos e variáveis, e distribuí-los na produção. Para o nosso exemplo, vamos admitir que a empresa tenha os seguintes custos: Custo médio de contratação de 1 funcionário R$ 1.000,00. Custo médio de demissão de 1 funcionário R$ 3.000,00. Custo médio de estocagem R$ 1,00 por (peça x bimestre). Custo total médio de produção normal R$ 2,00 por peça. Custo total médio de produção na hora extra R$ 2,80 por peça. Como já vimos na 2ª aula, os custos fixos fazem com que o custo total
  • 3. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 63 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb unitário varie conforme a quantidade produzida. A empresa deve ter, em seu histórico, o custo médio (que não é muito difícil de calcular) para poder utilizar esse método. Existem três estratégias principais de trabalhar essa situação e, depois, existem outras tantas que mesclam essas três estratégias iniciais. Vamos a elas. Primeira Estratégia: Manutenção da força de trabalho atual. Como no início do período (nos três primeiros bimestres) a produção é maior que a demanda, podemos produzir a mais e estocar para compensar o período no qual essa situação se inverter. Essa situação será representada na tabela a seguir. A montagem dessa planilha é feita da seguinte forma: 1 Previsão de Demanda. Nesta linha, estão todas as previsões de demanda para 2007, a cada bimestre (JF = janeiro e fevereiro etc.). 2 Estoque inicial. Quantidade de peças estocadas que inicia o período, que é o estoque final do período anterior. 3 Quantidade inicial de funcionários. Como já explicado, funcionário produz 2.000 peças por bimestre. 4 Contratações. Funcionários contratados para trabalhar no período (nesta primeira estratégia, não teremos funcionários contratados). 5 Funcionários demitidos no período. (nesta primeira estratégia, não teremos funcionários demitidos). 6 Quantidade total de funcionários. Funcionários que iniciaram trabalhando mais contratações e menos as demissões.
  • 4. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 64 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb 8 Produção regular. É o resultado do número de funcionários (linha 6) vezes 2.000 peças que cada um produziu por bimestre. 9 Horas extras. Quantidade de peças a serem produzidas em horas extras (esta estratégia não prevê horas extras). 10 Subcontratação. Contratações de terceiros, quando houver. 11 Total. É a quantidade total de peças produzidas na produção regular somadas com produção nas horas extras e com as peças produzidas pela eventual sub contratação. 12 Produção – Previsão de demanda. Quantidade de peças produzidas menos a previsão de demanda no período (bimestre). 13 Estoque final. Quantidade de peças estocadas no bimestre mais estoque anterior. Para esta estratégia, ajustamos a previsão de demanda anual, 192.000 peças, e dividimos em 6 períodos iguais de 32.000 peças cada. Dessa forma, não são necessárias horas extras, nem demissões, nem contratações. O inconveniente dessa estratégia é o custo do estoque, que calculamos da seguinte forma: Total de peças estocadas (8.000 + 14.000 + 16.000 + 12.000 + 2.000) = 52.000. Custo de estocagem por bimestre = 1,00 R$ por peça. Custo de estocagem = R$ 52.000,00. Essa estratégia impõe um custo de estocagem, além dos custos de produção de R$ 52.000,00. Segunda estratégia: Contratar e demitir sempre que necessário. Essa estratégia pressupõe que a produção seja diretamente proporcional à quantidade de funcionários. Numericamente, ela é importante de ser conhecida, pois, em períodos de recessão, em parte ela poderá ser adotada. Empresas que desativam linhas de produção ou encerram atividades em uma unidade podem utilizar essa estratégia para avaliar seus custos.
  • 5. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 65 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb Essa estratégia não prevê estoques e o número de funcionários é ajustado, período a período, de forma a se produzir, exatamente, a quantidade da demanda prevista. Fazendo esses ajustes em todos os bimestres, teríamos um total de 9 contratações e 8 demissões, cujos custos seriam. Demissões R$ 3.000,00 x 8 = R$ 24.000,00 Contratações R$ 1.000,00 x 9 = R$ 9.000,00 Custo total da estratégia R$ 33.000,00 Terceira estratégia: Estratégia de Nivelamento por horas extras. Essa estratégia propõe a manutenção da força de trabalho, produzindo o necessário para atender a demanda prevista e, quando a produção regular não atender a demanda, produzir com horas extras. Vamos à tabela.
  • 6. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 66 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb Nesta situação, não temos estoques, nem demissões, nem contratações. Teriam que ser produzidas em horas extras um total de 16.000 peças. O custo total a ser acrescentado aos custos normais de produção é o Custo total da estratégia: 16.000 x (2,80 – 2,00) = R$ 12.800,00. Numericamente, a melhor das três estratégias é a terceira. Entretanto, nossa hipótese não prevê um número limite de horas extras por período e por funcionário, legislado conforme a categoria sindical. Outra observação importante a ser considerada é a questão financeira. Não foi considerado o custo de capital dos desembolsos antecipados que poderiam ser postergados. Uma análise mais detalhada deverá considerar o valor presente de todos os desembolsos antecipados. A idéia de zerar os estoques também deveria ser melhor analisada. Um estoque de segurança para cobrir eventuais aumentos de demanda ou imprevistos na produção é sempre oportuno. ATIVIDADE PROPOSTA Com base na empresa utilizada nos exemplos, monte a estratégia de trabalho, considerando as seguintes alterações: converta os bimestres em meses, dividindo as previsões de demanda bimestrais por dois: ·Monte a planilha em meses; ·Você terá sempre 14 funcionários produzindo cada um 1.000 peças por mês; ·Estoque final, em todos os meses, mínimo de 2.000 peças. ·Não deixe ociosidade. Os 14 funcionários deverão produzir o que conseguirem no mês. ·Caso falte produção, o que certamente irá acontecer, estude duas alternativas: I.Contrate funcionários. II.Contrate horas extras.
  • 7. Administração da Produção Aula 08 -Planejamento Agregado da Produção 67 Faculdade On-Line UVB Anotações do Aluno uvb Qual é o custo acima dos custos normais de produção para essas estratégias (I e II)? RESPOSTAS I.(Contratação de 7 funcionários, custo de R$ 7.000,00 e estoque final de 10.000 peças). II.(Contratação de 26.000 horas extras, custo de R$ 20.800,00 e estoque final de 2.000 peças). Síntese Vimos, hoje, como administrar a produção para ajustar a capacidade de produção à previsão de demanda do mercado. Estudamos como variar produção, horas extras e número de funcionários, de forma a balancear a produção a fim de atingir os resultados desejados pela empresa. Na próxima aula, começaremos a ver o que é Planejamento e Controle da Produção. Até lá. Referências GAITHER, N.; FRAZIER, G. Administração da Produção e Operações. 8. ed. São Paulo: Pioneira, 2001. MOREIRA, D. A. Introdução à Administração da Produção e Operações. São Paulo: Pioneira, 1998. (Aula de hoje - ver 215 a 237). RITZMAN, L. P. ; Krajewski, L. J. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Pearson, 2004. SLACK N. et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1997.