C$r psicrometria2012(5 a)blogar

626 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

C$r psicrometria2012(5 a)blogar

  1. 1. caetanomaria2000@yahoo.com.br939127030
  2. 2. Climatização e RefrigeraçãoPARTE IIAULA 2118-06-2013 2CAP V- . Termodinâmica do ARHÚMIDO
  3. 3. 18-06-2013 3Processos Termodinâmicos doAR HÚMIDOII-I. PsicrometriaResolução de exercícios
  4. 4. 18-06-2013 4II-I. Psicrometria•Utilizar diagramas psicrométricos•Calcular os processos do ar húmido•Interpretar processos do ar condicionado
  5. 5. Processos do Ar HÚMIDO18-06-2013 5II-I. PsicrometriaAquecimento SensívelArrefecimento SensívelArrefecimento e HumidificaçãoArrefecimento e DesumidificaçãoMistura Adiabática de Dois Fluxos de Ar Húmido
  6. 6. Aquecimento e Arrefecimento SensívelII-I. PsicrometriaA energia transferida vem dada por:12 hhqs
  7. 7. 018-06-2013 7II-I. Psicrometria12,12, ttwcttcq vparps)()(2222211111rtcwtchrtcwtchpvpapvpa
  8. 8. II-I. PsicrometriaBaterias deAquecimento eArrefecimentoEsquema de bateria deaquecimento nainstalação
  9. 9. Arrefecimento e humidificação2121ttttSaturaçãodeEficiência18-06-2013 9II-I. Psicrometria
  10. 10. Saturação Adiabática:rwttcrwttchh apap 202,101,21Premissas: - a mistura é um gás perfeito;- processo adiabático, dQ = 0 e não há trabalho útil, dW = 0;- a entalpia da água adicionada é muito pequena, então, h1 = h2;- o calor sensível do vapor é desprezável frente ao calor latente.Assim, se h1 = h2:18-06-2013 10II-I. Psicrometria
  11. 11. Saturação Adiabática:Temperatura de SATURAÇÂO ADIABÁTICAÉ a temperatura que toma a massa de água em contacto com o fluxo de arpara atingir a sua Saturação de forma adiabatica18-06-2013 11II-I. Psicrometriapvpa cwcwwrttt11212*
  12. 12. Arrefecimento e Desumidificação12II-I. Psicrometria
  13. 13. 18-06-2013 13Arrefecimento e DesumidificaçãoII-I. Psicrometria
  14. 14. Serpentina dearrefecimentoII-I. PsicrometriaEsquema ?
  15. 15. Fator de desvio (“by-pass” coefficient):Arrefecimento e Desumidificação :ddarbarttttmmFBP12,II-I. Psicrometria
  16. 16. Factor de Calor Sensível - FCS18-06-2013 16II-I. PsicrometriaLsQQQFCS s
  17. 17. (24,0ºC;50%)Factor de Calor Sensível - FCS18-06-2013 17II-I. Psicrometria
  18. 18. Mistura Adiabática de Duas Correntes de Ar Húmido:II-I. Psicrometria
  19. 19. Caixa demisturaII-I. PsicrometriaEsquema a de caixa demistura18-06-2013 19
  20. 20. Mistura Adiabática de Duas Correntes de Ar Húmido:II-I. Psicrometria
  21. 21. Mistura Adiabática de Duas Correntes de Ar Húmido:32,1,22,11, hmmhmhm arararar32,1,22,11, wmmwmwm ararararMassavapor:Energia:Massa ar : 3,2,1, ararar mmm II-I. Psicrometria
  22. 22. Mistura Adiabática de Duas Correntesde Ar Húmido:Podem ser deduzidos:18-06-2013 22II-I. Psicrometria
  23. 23. 18-06-2013 23II-I. Psicrometria
  24. 24. Instalação de ar condicionadoAr de InsuflaçãoAr de ExtracçãoAr de RecirculaçãoAr Novo – Ar exteriorAr Tratado18-06-2013 24II-I. Psicrometria
  25. 25. UTA18-06-2013 25II-I. Psicrometria
  26. 26. Unidade de tratamento de ar - UTA18-06-2013 26II-I. Psicrometria
  27. 27. 18-06-2013 27II-I. PsicrometriaArrefecimento e desumidificação
  28. 28. 18-06-2013 28II-I. PsicrometriaArrefecimento e desumidificação
  29. 29. Factor de Calor Sensível Local - FCSLCom as condições do localobtém-se as características do arusando o FCSL.18-06-2013 29II-I. PsicrometriaFCSL
  30. 30. Factor de Calor Sensível Total - FCSTCom as condições do ar à entrada doaparelho, obtém-seas características do arusando o FCST.18-06-2013 30II-I. Psicrometria
  31. 31. Factor de Calor Sensível Efectivo - FCSE00,51Toap18-06-2013 31II-I. Psicrometria
  32. 32. A energia aportada por cada um dos fluxos de ar pode sercalculada partindo das seguintes relações do balançoenergético:Ar insufladoAr requerido no recintoAr exteriorAr novoAr de retornoAr recirculaçãoAr tratado18-06-2013 32
  33. 33. Caudal de ar• AR DE INSUFLAÇÃO; remoção da cargatérmica do local de forma a controlar ascondições interiores• AR NOVO; exigência de ventilação• AR RECIRCULADO; recuperação de energia• AR TRATADO; condicionar ao local• AR DE EXTRACÇÃO; necessidade de limpeza18-06-2013 33II-I. Psicrometria
  34. 34. Caudal de Ar• Carga Total• Qt = V1,18 (hM – hsa)• Qst = V0,29 (tM – tsa)• Qlt = V0,71(wM – wsa)• Carga Local (condições efectivas)• Qtefl = V1,18(1-FBP)(hlocal – hoap)• Qstl= V0,29 (tlocal – t oap)• Qltl = V0,71 (wlocal – woap)• Caudal do ar de retorno = CAUDAL INSUFL – CAUDALNOVO• Caudal de ar desviado da bateria = ar insuflado - artratado18-06-2013 34
  35. 35. 1 2’2’’42q sensívelq latenteCasa demáquinasRETORNOINSUFLAMENTOAREXTERNO18-06-2013 35II-I. Psicrometria- Casos Praticos
  36. 36. 18-06-2013 36II-I. Psicrometria- Casos PráticosProblemaNº9Para ar húmido com a 25⁰C, grau higrométrico de 85% a pressão de 1,025bardetermine;a)-pressão de vapor de saturação h)-volume especificob)-ponto de orvalho i)-humidade absolutac)-grau de saturação j)-densidade do ard)-humidade absoluta de saturação k)-temperatura húmidae)-temperatura de saturação adiabatica l)-entalpia do ar humidof)-entalpia do ar seco m)-entalpia do vapor
  37. 37. 18-06-2013 37II-I. Psicrometria- Casos PráticosProblemaNº1616-Num processo termodinâmico é arrefecido ar de 30⁰C DB e 50% HR a 14⁰CDB. Encontre:a)Calor sensível removido no processob)Calor latente removido no processoc)Calor total removido durante o processod)Quantidade de água removida.
  38. 38. 18-06-2013 38II-I. Psicrometria- Casos PráticosProblemaNº2828-Deseja-se introduzir ar no interior de uma sala a uma temperatura de bulboseco de 25⁰C e 50% de HR.O ar é tomado do exterior a uma temperatura de bulbo seco de -2ºC e 10% deHR,a) Represente o(s) processos na carta psicrometricacalcule:a) a quantidade de calor no temporizadorb) a entalpia do ar a entrada e saída do temporizador.(supondo 10⁰C a saída).c) a quantidade de água no humidificador e a quantidade de calor ai trocado.d) a quantidade de calor permutado no reaquecedor.
  39. 39. 18-06-2013 39II-I. Psicrometria- Casos PráticosProblemaNº3434-Grandes armazéns de venda ao público tem as seguintes condições:Exterior: 35DB, 24WBInterior: 24DB, 50%HRCSL,50000 Kcal/h ; CLL, 12500 Kcal/hAr fresco 3400 m3 /h.Determinar:a)carga devido ao ar exteriorb)balanço térmico totalc)FCSEd)ADPe)volume de ar tratadof)condições do ar a saída e entrada do aparelho.
  40. 40. 18-06-2013 40Determinar:a)carga devido ao ar exteriorb)balanço térmico totalc)FCSE (ok)d)ADPe)volume de ar tratadof)condições do ar a saída e entrada do aparelho.
  41. 41. • Dada a instalação a seguir, sabe-se que um fluxo de massa de ar externo (1)=0,7kg/s é misturado com outro fluxo de ar de retorno =4,5kg/s. As condições doar externo (E) ou ponto 1 são: TBS=32 C e humidade relativa ( )=60%. Já o ar deretorno (2) apresenta as seguintes condições (iguais ao ar de exaustão, 2”):TBS=25 C e =50%. Sabendo ainda que a carga térmica sensível ambiente =12kW ea carga térmica latente =2kW.Calcule ;-temperatura do ar deinsuflamento;-a capacidade daserpentina dearrefecimento edesumidificação;-a quantidade de águaretirada pela serpentinaAMBIENTECLIMATIZADORETORNOSERPENTINADERESFRIAMENTO EDESUMIDIFICAÇÃO VENTILADORAREXTERNOEXAUSTÃOCARGATÉRMICAMISTURA 4322’‘12’18-06-2013 41II-I. Psicrometria
  42. 42. AMBIENTECLIMATIZADORETORNO SERPENTINADERESFRIAMENTO EDESUMIDIFICAÇÃO VENTILADORAREXTERNOEXAUSTÃOCARGATÉRMICAMISTURA 4322’‘12’exemplo18-06-2013 42II-I. Psicrometria
  43. 43. 18-06-2013 43
  44. 44. Determinar:a) Temperatura equivalente desuperfície (ADP).b) Factor de By-Passc) Capacidade Frigorífica Total da bateriade friod) Capacidade Frigorífica Sensível dabateriae)Factor térmico da evolução na bateriaf) Capacidade Desumidificadora dabateria18-06-2013 44
  45. 45. 18-06-2013 45III-I. Sistemas de Ar Condicionado

×