JORNAL DO MUNICÍPIO - ABRIL 2014

978 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
978
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
421
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

JORNAL DO MUNICÍPIO - ABRIL 2014

  1. 1. ANO XI - ABRIL 2014 Diretor Responsável: Jornalista EDISON TORRES JORNAL DO MUNICÍPIO MARICÁ www.obarao.blogspot.com jornal.domunicipio@yahoo.com.br MOVIMENTO“SIMÉPOSSÍVEL”TEMGRANDEREPERCUSSÃOEMMARICÁ O movimento lançado através de nosso jornal pelo advogado Julio Carolino mostrando que o município, hoje com mais de 80 mil eleitores, tem condições de eleger seus próprios representantes para aAssembleia Legislativa. Basta que não pulverize os votos elegendo candidatos que chegam aqui com promessas e mentiras. Página 4 A NOITE DA FALSA APOTEOSEAs cinzas do carnaval trataram de apagar o que os marqueteiros de plantão chamaram de grande apoteose. O enredo com o Homem Bala na história de Maricá não pode ser levado a sério. Página 3 FALTANDO O BÁSICO, NINGUÉM QUER INVESTIR AQUI Márcia Braz em sua coluna na página 6, nos mostra uma realidade: ninguém quer investir aqui se não temos nada a oferecer. Falta saneamento básico, água, esgoto, merenda escolar, educação de qualidade, saúde e segurança pública. O prefeito Quaquá, viaja pelo mundo, foi agora à China, mas de prático não tem conseguido nada. Página 6 OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64 Assunto que ocupou grande espaço na mídia nacional, o Jornal do Município através de seu departamento de pesquisa, revela através de um trabalho do jornalista Eduardo Bueno, os detalhes que antecederam o golpe. Página 3 Prazo para alistamento eleitoral termina agora no dia 7 de Maio. Repórter ET A péssima repercussão da história de Maricá em desfile de Escolas de Samba. Repórter ET Posse de Pezão foi um festival de demagogia. Repórter ET Ponto de vista Maricá precisa de soluções. Página 7 PDT vai comemorar o bicentenário de Maricá. Página 8 Quaquá e seus seguidores na noite da falsa apoteose NOVOS ÔNIBUS PARA A POPULAÇÃO DE MARICÁ Viação Nossa Senhora do Amparo renova frota para melhor atender poulação de Maricá. Página 2
  2. 2. 2 - JORNAL DO MUNICÍPIO ABRIL 2014 Repórter ET Expediente: JORNAL DO MUNICÍPIO de Maricá Editora JC - Av. Rio Branco, 14 - 18º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ Diretor Executivo: Tiago Salles - Editor Responsável: Edison Torres, RP 385-DRT-PA Redação: jornalismopr@hotmail.com / jornal.domunicipio@yahoo.com.br Digitação: Pery Salgado e Stephanie Dalliany Programação Visual: PR PRODUÇÕES www.obarao.blogspot.com Representante:TRÁFEGO PUBLICIDADE Distribuição: Central de Jornalismo - Rua Barão de Inohan 233 - Centro - Maricá > Tel.: 2637-4170 Impressão: A TRIBUNA Fotos: Pery Salgado e Rosemery Oliveira Os artigos assinados e opiniões são de responsabilidade de seus autores 7 DE MAIO O prazo para o alistamento eleitoral e a troca de domicílio, termina no próximo dia 7 de Maio, data limite definida pelo TSE. Como o brasileiro deixa tudo para o último dia, é de se prevê filas intermináveis nos últimos dias de prazo. 6 POR MEIA DÚZIA Saí Cabral e entra Pezão. No governo também se troca o 6 pelo meia dúzia e Pezão vai ter o privilégio de governar pelos próximos nove meses e disputar em Outubro uma eleição que lhe possa garantir mais quatro anos no mandato. DEMAGOGIA A posse de Pezão no Palácio Guanabara no último dia 4, foi um verdadeiro festival de demagogia comandado pelo próprio. Tinha puxa saco para tudo quanto é lado, o que é uma característica de qualquer evento que envolva política. E Pezão é um grande demagogo. MOÇÃO DE APLAUSOS A Dra. Janete Valadão não aguentou a pressão e deixou a secretaria de saúde. Os nobres da Câmara (pelo menos isso) reconheceram o seu trabalho e aprovaram uma moção de aplausos contra apenas um voto exatamente do donatário da capitania da saúde, que a pressionou até deixar o cargo. O Conselho Municipal de Saúde, também reconhecendo a competência da ex-secretária. Votou uma moção de aplausos. AINDA O CARNAVAL Foi um tiro no pé de quem teve a ideia de contar a história de Maricá num desfile de escola de samba. Quem elaborou a sinopse e seu informante que deveria ou foi alguém da Secretária de Cultura, pecaram ao não traduzir para o enredo e consequentemente para a letra do samba a verdadeira história de nosso município que começou politicamente em 1814 com o decreto de emancipação político- administrativa. Dessa data para cá inúmeras figuras escreveram seus nomes em nossa história e nem foram citadas como teriam que ser. Como dissemos em nossa edição anterior, Maysa foi apenas uma veranista e Charles Darwin apenas por aqui, passou rapidamente realizando estudos de nossa flora. A prefeitura jogou fora R$ 4.500.000,00, dinheiro esse que poderia ser muito bem empregado em nossa combalida saúde e na precária educação municipal. E o Brasil e o mundo não ficaram conhecendo Maricá, tampouco a nossa santa padroeira, Nossa Senhora do Amparo, cujo nome foi omitido na letra do samba. De resto, a infeliz ideia de colocar em nossa história, um homem bala. NOME CERTOS Se a Câmara de Maricá aumentar de onze para dezenove cadeiras, dos oito que entrarão, três são certos: Luciano Rangel Junior, Alberto da Maricaense e Ciro Fontoura. NÃO ASSOCIADAS As empresas comerciais que estão se estabelecendo em Maricá, não são associadas da Associação Comercial daqui, sob a alegação de que já são no Rio. Ora, Rio é Rio, e Maricá é Maricá. Já que elas estão em nossa cidade, tem por obrigação participar da entidade. Acho que falta alguém para brigar. SAÚDE DE MARICÁ ESTÁ NA UTI Com essa manchete, o Jornal Extra, edição do dia 24 de Abril no seu caderno “Mais São Gonçalo”, publicou uma matéria denunciando que cinco postos de saúde foram financiados pelo governo Federal para Maricá. O anúncio foi feito em 2012, mas até o momento nenhum deles foi entregue. Além do Saco das Flores, Mumbuca, Flamengo, Inoã e Cordeirinho deveriam ter ganho unidades de saúde novas. O pacote de obras orçado pela própria prefeitura gira em torno de R$ 2 milhões de reais com recurso do PAC 2, que ainda prevê a reforma e a ampliação de outras três unidades. Apesar da promessa de que estes postos estarão prontos em Julho, o que existe hoje são apenas terrenos que estão servindo de postos para os animais. JORNAL DO MUNICÍPIO A verdade sempre! SÓ INELEGÍVEL? O prefeito Quaquá está proibido de se eleger a qualquer cargo eletivo por oito anos e ainda foi multado em R$ 25 mil, por abuso de poder econômico e político. Esta foi uma decisão do Tribunal Regional Eleitoral, que veio confirmar uma outra decisão da juíza da nossa comarca, quando em 2012, antes das eleições municipais, aplicou a mesma pena ao prefeito. E perguntar não ofende: “por que ele não foi cassado?” O que adianta ficar inelegível no futuro e permanecer no cargo no presente? De qualquer maneira, Quaquá só poderá pensar em se eleger a qualquer cargo nas eleições de 2022. LÁ VEM ELE Começa o ano eleitoral e um certo deputado estadual coloca a imagem de Nossa Senhora Aparecida debaixo do braço e sai pelo interior do Estado explorando a religiosidade do povo, em troca de votos que lhe garantam mais quatro anos de mandato. Em busca de seu quarto ou quinto mandato ele usa do mesmo artifício engando as pessoas que tem aquela santa como protetora. Como esse repórter não é de guardar segredo, trata-se do deputado Pedro Augusto que tem no microfone da Rádio Tupi onde é um de seus comunicadores, sua grande arma de explorador. No legislativo estadual ele é nulo e até hoje praticamente não apresentou nada em benefício do eleitor enganado. MAISDOZEÔNIBUSRODOVIÁRIOSPARAMARICÁ Continuando o programa de renovação e ampliação de sua frota, sempre no intuito de atender melhor os passageiros das linhas de Maricá, São Gonçalo e Niterói, além das linhas para o Rio de Janeiro, a Viação Nossa Senhora do Amparo recebeu mais 12 novos ônibus da Marcopolo do tipo AUDACE, rodoviário, com capacidade para 51 passageiros. Eles já estão circulando nas linhas de Niterói e Rio de Janeiro, ligando o centro de Maricá, Itaipuaçu e Ponta Negra. Eles vieram substituir alguns ônibus no programa de renovação da frota. è bom lembrar que a Viação Nossa enhora do Amparo tem hoje o menor tempo de vida de circulação dos ônibus de todas as empresas do estado do Rio, com média de apenas 3,5 anos, quando a grande maioria das empresas, circulam com veículos entre 7 e 10 anos de vida.
  3. 3. ABRIL 2014 JORNAL DO MUNICÍPIO ----- 3 REPORTAGEM As cinzas do carnaval trataram de apagar o que os marqueteiros de plantão chamaram de grande apoteose. A audiência de quase duzentos países é uma grossa mentira, como é mentira, também que esse desfile tenha sido um momento único na história de Maricá. Que dirão nossos grandes benfeitores lá dos túmulos onde descansam para a vida eterna humilhados por essa infeliz decisão de se comemorar os duzentos anos de emancipação político administrativa, num desfile de escola de samba. Essa mesma escola de samba que o prefeito tratou de expulsar do carnaval maricaense. Agora mesmo está sendo veiculado na internet um vídeo preparado por alguma agência de publicidade contratada pelo prefeito, mostrando uma Maricá que não é verdadeira,. Para o internauta desavisado, trata-se de um paraíso, quando não é. Para nós, trata-se de mais uma estupenda mentira que infelizmente assola o nosso município desde Janeiro de 2009. Embora firmemente estabelecidos no poder, os militares não estavam unidos. Em fins de Abril de 64, ao visitar Porto Alegre – de onde Goulart e Brizola haviam partido para o exílio no Uruguai, Castelo Branco estava dividido entre a “linha dura”, cujo porta-voz naquele instante era o General Costa e Silva e o “grupo da soborne”, vindo da Escola Superior de Guerra do qual fazia parte o General Orlando Geisel. O AI – 2 e a posse de Costa e Silva dali a três anos, revelariam para que lado Castelo se inclinara. OS CONSPIRADORES O jornalista Eduardo Bueno cita, também em seu livro quem foram os conspiradores – civis e militares que derrubaram João Goulart. Do lado dos civis foram Magalhães Pinto, governador de Minas Gerais, Carlos Lacerda, governador do Rio de Janeiro, Ademar de Barros, governador de São Paulo e Ildo Meneghetti do Rio Grande do Sul. Do lado dos militares, tramaram a queda de Jango os três ministros militares: General Odilio Denys, da guerra, Brigadeiro G. Moss da aeronáutica e Almirante Silvio Heck, da marinha. Eles foram contrários ao retorno de Goulart ao Brasil. Quando o arranjo parlamentista permitiu não só a volta, mas a posse de Jango que estava na China, teve início a trama para derrubá-lo. Na verdade, a arqueologia do golpe de 64 remete o movimento que encurralara Vargas em 1954 – e acabaria sendo abortado por seu dramático suicídio. A NOITE DA NOITE DA NOITE DA NOITE DA NOITE DA FA FA FA FA FALSAALSAALSAALSAALSA APOAPOAPOAPOAPOTEOSETEOSETEOSETEOSETEOSE Em matéria de marketing político, ninguém ganha do PT. É impressionante como os integrantes desse partido conseguem com facilidade transformar uma mentira em verdade. Aqui em Maricá o partido sempre viveu de promessas e mentiras, até que em 2008 conseguiu tomar o poder e nesses seis anos não tem feito outra coisa, senão mentir para o povo. Tivemos num episódio mais recente a tão falada (por eles) comemorações do bicentenário do município num desfile de escola de samba. A Grande Rio, embolsou os R$ 4,5 milhões, e apresentou o enredo de maneira inversa. Ao invés de centralizar o tema em torno de Maricá, o fez com o nome da cantora Maysa que foi a grande homenageada da noite. Os adeptos daquela escola reverenciaram a cantora deixando em segundo plano Maricá. OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64OS 50 ANOS DO GOLPE DE 64 O movimento político-militar deflagrado em 31 de Março de 1964 foi, na verdade, um golpe de estado. Mas não apenas um golpe militar. A sociedade civil e o Congresso tiveram participação decisiva nele. (Eduardo Bueno) O Jornal do Município pesquisa a história e lembra nesta edição como se deram os fatos que provocaram o golpe, no livro do jornalista Eduardo Bueno: Era um golpe há muito premeditado. Os tambores da conspiração já haviam rufado em 1954. O tiro que rebentou o coração de Vargas os abafou, diz Bueno. Os rumores da intriga voltaram a ecoar em 1955 e 1961. Mas só uma década após o suicídio do homem que vislumbrava o populismo como o caminho para a reforma social no Brasil é que seus inimigos conseguiram tomar o poder, derrubando João Goulart e Leonel Brizola – herdeiros à esquerda de Vargas. O motivo “oficial” para o desfecho do golpe de 1964 foi o “espectro do comunismo”. Nas forças armadas, esse era um sentimento genuíno. Mas não foi apenas ele – alimentado pelos delírios estatizantes do governo Goulart que moveu golpistas militares e civis, o que se travou no Brasil, da posse (Setembro de 61) à queda (em Abril de 64) de Jango, foi o choque entre duas visões conflitantes da política e, especialmente, da economia. Em vez das “reformas de base” propostas por Goulart, o binômio “segurança e desenvolvimento” sugerido pelos técnicos da Escola Superior de Guerra. Em vez da “República Sindicalista”, a concentração de renda, o arrocho salarial e o alinhamento subserviente ao grande capital internacional. No confronto entre dois modelos desenvolvimentistas distritos, venceu a “modernização conservadora” proposta pela Escola Superior de Guerra com o apoio dos Estados Unidos. FECHAMENTO POLÍTICO Para concretizá-la salienta Bueno – foi preciso romper o jogo democrático e promover o fechamento político – e assim fez. Chamado de “revolução” durante anos - e festejado como tal nos quartéis, até 1997 – o movimento político militar deflagrado em 31 de Março de 1964 foi, Castelo Branco, o primeiro presidente da ditadura CREDIBILIDADE NÃO SE FAZ DA NOITE PARAO DIA, SECONQUISTA AOLONGODOSANOS. JORNAL DO MUNICÍPIO 10 ANOS na verdade, um golpe de Estado. Mas não apenas um golpe militar: a sociedade civil e o Congresso tiveram participação decisiva nele. A conspiração de 1964, que contou com apoio financeiro, logístico e militar dos Estados Unidos, nasceu como um movimento político-militar, cujo objetivo inicial (supostamente único) era derrubar o governo Goulart, e, no âmbito interno do Exército, restabelecer a hierarquia “vertical”, abalada pelo provocativo apoio que o presidente dava à luta emancipatória dos marinheiros e sargentos que queriam obter o direito de candidatar-se a cargos públicos. Em tese, a constituição, as eleições e a “normalidade democrática” seriam preservadas. Militarmente, o movimento de Março de 64 foi – como já o fora a própria proclamação da República – pouco mais do que um desfile de tropas rebeldes, que partiram de Minas até o Rio, sendo saudadas pelas classes média e alta. No dia 27 de Outubro de 1965, porém, o primeiro General Presidente Humberto Castelo Branco, coordenador da ação militar que depôs Jango – baixou o ato institucional (AI2) suspendendo a constituição e mergulhando o país numa genuína ditadura militar. Dois dias antes, os principais golpistas civis, os governadores Carlos Lacerda, do Rio e Magalhães Pinto – de Minas Gerais, tinham rompido com Castelo. O regime de exceção perduraria por vinte anos, e somente dali a vinte e um em civil voltaria à presidência.
  4. 4. 4 - JORNAL DO MUNICÍPIO ABRIL 2014 Julio Carolino, advogado, delegado da OAB/Maricá/ RJ, membro do diretório estadual e municipal do PDT, atuando na política maricaense há mais de uma década, hoje encabeça um movimento político, com grande aceitação no meio, sendo este movimento inclusive multipartidário, pois inclui além do PDT outras legendas. O movimento denominado “SIM, É POSSÍVEL”, tem como objetivo principal mostrar ao eleitor maricaense que SIM, É POSSÍVEL, eleger um ou mais deputados estaduais do município, desde que não haja pulverização dos votos. Revista Encontro – O SENHOR VEM ENCABEÇANDO UM MOVIMENTO POLÍTICO NA CIDADE? Julio Carolino – Sim, junto com alguns companheiros decidimos mostrar para o eleitor a grande força e peso eleitoral que tem nosso município, hoje já passamos de oitenta mil eleitores, número de eleitor expressivo, com poder de eleger deputados estaduais. Revista Encontro – O QUE LEVOU O GRUPO QUE O SENHOR SE REFERE A CHEGAR A ESSA CONCLUSÃO? Julio Carolino – Hoje não temos um representante na Alerj, o nosso município vizinho que é Saquarema, tem a metade do nosso eleitorado e a vários mandatos possui um deputado estadual, na eleição passada quase oitocentos candidatos a deputado estadual tiveram votos em Maricá, ou seja, houve uma pulverização muito grande dos votos, e nosso município ficou sem representante junto à Alerj. Revista Encontro – O SENHOR ACHA QUE OS PROBLEMAS VIVIDOS EM MARICÁ É POR FALTA DE UM DEPUTADO ESTADUAL? Julio Carolino – Grande parte sim, sem um deputado estadual que more na cidade, que vive os problemas locais, quebra o elo com o governo estadual, não há duvidas que o governador vai dar prioridade àqueles municípios que possuem um representante, reivindicando para sua cidade, a maior prova disso, como já dito, temos o dobro do eleitorado de Saquarema, e a Faetec passou direto. Revista Encontro – ALÉM DA FAETEC, MARICÁ NOS ÚLTIMOS ANOS PERDEU OUTRAS OPORTUNIDADES? Julio Carolino – Perdeu, e continua perdendo, não canso de dizer que Inoã já teve uma agência bancária, o antigo Bamerindus, onde hoje é o caixa eletrônico do Bradesco, possuía uma agência, esta agência fechou, a população aumentou, e nunca mais os moradores daquele distrito, hoje com porte de quase uma outra cidade, foi servido por um agência bancária. O que sevê, são três agências bancárias do mesmo Banco no Centro da cidade, tumultuando e tornando o Centro, ainda mais caótico. MOVIMENTO“SIMÉPOSSÍVELTEMGRANDEREPERCUSSÃOEMMARICÁ O movimento político “Sim é possível” criado pelo advogado Julio Carolino e lançado na mídia através de nosso jornal, teve grande repercussão no meio da comunidade maricaense. Tanto é que a Revista Encontros da jornalista Bete Santos, pautou em sua edição de Março passado, uma entrevista com aquele advogado dada a importância que o assunto requer e que o Jornal do Município publica na íntegra, inclusive com um box mostrando a trajetória política do presidente do Diretório Municipal do PDT, Carolino Gomes dos Santos. presidente municipal do meu partido, o médico Dr. Carolino. Revista Encontro – QUAL A MENSAGEM QUE O SENHOR, COMO LÍDER DO MOVIMENTO “SIM, É POSSÍVEL” GOSTARIA DE DEIXAR AO NOSSO LEITOR. Julio Carolino – Primeiro, falar em política no Brasil, está se tornando até difícil, depois de tantas desilusões, movimentos populares nas ruas como jamais vistos, quero dizer ao povo maricaense que sim, tudo na vida é possível, e a política felizmente ou infelizmente interfere todo instante no nosso dia a dia. Nestas eleições temos que ser um pouco barristas e votarmos em candidatos a deputados estaduais do nosso município, podemos até, mais a frente também ter candidaturas viáveis a deputados federais, porém este caminho deve ser seguido degrau a degrau, grandes erros que houve em nosso município, é como o dito popular “passam o carro na frente dos bois”, com isso conclamo o povo maricaense a somar forças votando em um candidato a deputado estadual de nossa cidade, dentre os candidatos de Maricá, o eleitor escolher o mais competente. Julio Carolino e o prefeito e São João do Meriti - Sandro Matos Revista Encontro – O SENHOR DESTACARIA OUTRA IMPORTÂNCIA DE UM DEPUTADO ESTADUAL DO NOSSO MUNICÍPIO? Julio Carolino – Dois acontecimentos recentes em nosso município são inaceitáveis, um foi o fechamento do Juizado Especial de Inoã, e outra o fechamento da Agência da Secretária Estadual de Fazenda, este ultimo fechamento colocou Maricá ainda mais dependente de Niterói, como advogado hoje para calcular impostos estaduais, os processos têm que serem remetidos à Niterói, e com isso aumentando muito a demora na solução das causas. Revista Encontro – QUAL É A CHANCE DO “SIM É POSSÍVEL” TORNAR POSSÍVEL? Julio Carolino – A chance é muito grande, tem o apoio de vários companheiros compromissados com nosso município, desprendido de interesses próprios, vários presidentes de partidos que se propõem a abrir mão de apoiar candidatos de suas legendas visando o bem do nosso município, este movimento também é apoiado por duas das maiores lideranças jovens do nosso estado o prefeito de São João de Meriti Sandro Matos e o deputado federal Marcelo Matos, não poderia também deixar aqui de mencionar o maior incentivador do movimento o
  5. 5. ABRIL 2014 JORNAL DO MUNICÍPIO ----- 5 O médico Carolino que após casar com uma maricaense, voltou a cidade de seus familiares, lá foi prefeito, após sua aposentadoria como médico daquele estado, voltou para Maricá, foi eleito presidente da Associação Médica, onde fortaleceu muito essa instituição, inclusive criando um programa de assistência à saúde, programa este com milhares de associados, este programa possibilitou além de outras coisas, inclusive a compra da sede daquela instituição. Em 2003, convidado pelo empresário Luiz Henrique Pontin, pelo saudoso ex-prefeito Odenir Costa, e por Leonel de Moura Brizola, o médico Carolino se filiou ao PDT inicialmente para participar politicamente do município, essa participação acabou sendo ainda maior do que inicialmente o médico imaginava, pois terminou sendo candidato pela legenda obtendo uma votação expressiva com mais de sete mil votos. Esta votação colocou o médico Carolino como uma nova liderança local, e no pleito seguinte Carolino novamente disputou a prefeitura, ficando em segundo lugar na disputa, obtendo mais de quatorze mil votos, a participação política de Carolino, só vem aumentando no decorrer dos anos. Na liderança do partido de Brizola, há mais de dez anos, iniciou sua trajetória política na legenda no ano de lançamento desta revista, Carolino não cansa de dizer que tem orgulho que sua trajetória no PDT, iniciou junto com a trajetória da Revista Encontro, ele e toda sua família rende suas homenagens a editora chefe Elisabeth Santos, por serem testemunhas da garra e da coragem que esta jornalista teve para conseguir vencer as dificuldades e manter este padrão que possui este meio de comunicação. ATRAJETÓRIAPOLÍTICADODR.CAROLINONOPDTDEMARICÁ Dr. Carolino sempre contou com o apoio do presidente do PDT RJ, Carlos Lupi Carolino, Márcia Braz, Marcelo, Julio e Sandro Matos JORNAL DO MUNICÍPIO A verdade sempre! Acompanhe também as notícias em tempo real acessando o BARÃO ON LINE www.obarao.blogspot.com
  6. 6. 6 - JORNAL DO MUNICÍPIO ABRIL 2014 Dra. Márcia Braz CARTASQUAQUÁFAZACIDADEDAS MARAVILHAS MAS NÃO FAZ O BÁSICO Está bem, o Menino pobre da Mumbuca, afirmou e afirma que está trazendo investimentos para a Cidade de Maricá, já percorreu quase o Mundo inteiro e agora foi a China! Parece que ele não quer só despoluir o Rio Mumbuca para tomar banho e pescar, ele quer mais muito mais. Trará o grande progresso a Maricá, só existe um pequeno problema nesse desejo enorme do menino que sonhava em crescer e virar prefeito de Maricá para transformar a vida do povo pobre e ser aceito pela “Sociedade Maricaense” que teimava em não deixá- lo brilhar, inclusive ele enterrou simbolicamente um ex-prefeito. Mas e o básico, menino pobre que virou prefeito da Cidade de Maricá? É, o básico, o básico de uma Cidade dessas tipo Megalópole, Cidades como essas na qual o prefeito “sonha” em transformar a ex pacata Maricá. Mas essas Cidades também precisam do básico, precisam de água, esgoto, saneamento básico, merenda escolar, educação de qualidade, saúde e segurança pública (serviços básicos). Falando em Segurança Pública, vamos falar do absurdo da falta do básico na segurança pública de Maricá,. Vocês sabiam que a Polícia Militar, que cuida da Segurança de nossa Cidade e o Corpo de Bombeiros, precisam sair com suas viaturas para outros municípios para abastecer? Aí vocês se perguntam, porque isso? Respondo: O Prefeito de Maricá com essas “desavenças” com o Governo do Estado não faz convênio para fornecer combustível para essas corporações que cuidam do básico em nosso Município. É, caro leitor, as viaturas da PM deixam de cuidar da Cidade de Maricá para se deslocarem ao Município de Niterói para abastecer. E o Corpo de Bombeiros? O corpo de Bombeiros precisa ir ao município de Itaboraí abastecer. Aí novamente vocês se perguntam mas se houver um roubo, um acidente, etc, como essas viaturas vão nos atender se estão fora do município abastecendo o tanque de combustível? Respondo novamente: Vamos contar com a ajuda de Deus que é o Grande Governante deste Mundo para que as coisas só aconteçam quando as viaturas de ambas as corporações estejam abastecidas e paradinhas aqui no Município de Maricá, prontas e abastecidas para nos servir. Mas pasmem, ao lado do edifício do corpo de bombeiros de Maricá existem bombas de combustível da prefeitura que poderiam abastecer tanto os carros da PM como dos Bombeiros e por que não o fazem? A resposta é simples, não há convênio entre a prefeitura de Maricá e o Governo do Estado para isso. Mas é claro que no mundo das Maravilhas tudo pode acontecer, mas os serviços essenciais não. No Município das Maravilhas rumo aos investimentos, onde o prefeito sempre com mania de grandeza, percorre Mundo a fora para divulgar a Cidade das Maravilhas, que não possui os serviços básicos funcionando como deveria, mas que deve receber investimentos da China. É claro que tudo isso ficou menor porque as “Mumbucas” estão resolvendo tudo, ou quase tudo, porque já estamos sem recursos para manter a tal maravilha da moeda mumbuca que se transformou no cartão mumbuca. Hoje já existe a falta de abastecimento do cartão mumbuca como vinha acontecendo com a falta de abastecimento dos cartões universitários para os estudantes se deslocarem para outros municípios. Mas a pergunta que não quer calar é: Como podemos sonhar com o progresso de uma Maricá Maravilhosa, de grandes empreendimentos e investimentos que virão do mundo todo se não conseguimos manter o básico? Isso mesmo, o básico. Aliás basta verificarmos todos os dias o jornal diário da Cidade e on line para constatarmos que, contrariando a “mancha criminal” da PM, Maricá está contabilizando furtos, roubos e mortes mais do que deveria ou mais do que gostaríamos de ver e que não estão entrando para as estatísticas da Polícia porque não são realizados todos os Registros de Ocorrências. Assim, com o progresso de Quaquá lá se foi a tranquilidade da “pequena” Cidade de Maricá com Belezas naturais e seu povo pacífico e seguro. Pois estamos na era da globalização da Megalópole Maricá inventada pelo revolucionário Washington Quaquá que sonha alto mas não realiza de forma satisfatória o básico de uma Cidade sangrando pelo abandono real, constatado no hospital, nas repartições públicas e nos serviços públicos essenciais. HISTÓRIA DE MARICÁ A história de Maricá não foi contada no carnaval. Seus principais nomes ficaram de fora e só a falecida cantora Maysa, apareceu. Uma vergonha. Pedro Paulo HISTÓRIA DE MARICÁ II Imbecíl o carnavalesco da Grande Rio, que conseguiu infiltrar um homem bala em nossa história, que é muito bonita e nõ foi contada. Antonio Braga HISTÓRIA DE MARICÁ III Os principais mitos de nossa história não mereciam serem esquecidos. Se é que o objetivo era contar a nossa história. Como disse esse jornal, Maysa não teve participação nenhuma em nossa história, muito menos o naturalista Charles Darwin que apenas passou por aqui e nada mais. Joaquim Arruda SUCURSAL DO INFERNO Gostei do artigo assinado por Gilberto Barbosa, quando diz que o Brasil é a sucursal do inferno. Em letras ele pintou o nosso retrato. Adolfo Luís EMANCIPAÇÃO Sugiro ao articulista Rodovaldo Coutinho, desistir de bater nesse tema que é a emancipação dos municípios. José Carvalho EMANCIPAÇÃO II Os políticos desse país não são sérios, meu caro Rodovaldo Coutinho. Por isso o projeto da emancipação, dorme nas gavetas do Congresso. Antonio Arruda QUAQUÁ PRESIDENTE Li o artigo da Dra. Márcia e gostei. Será que Quaquá quer ser mesmo o presidente da República. Pelo menos do PT do Rio, ele já é. Osmar Dias ENFOQENFOQENFOQENFOQENFOQUES -UES -UES -UES -UES - VVVVVANDANDANDANDANDA RA RA RA RA RUBIOUBIOUBIOUBIOUBIO Aniversariantes do mês Dr. Carolino Gomes dos Santos – 05 de Abril Stéphanie Dalliany Gomes – 04 de Maio Claúdio R. Bragança (falecida) 05 de Maio Matheus A. Rubio – 16 de Maio Michaela Casanova – 29 de Maio Comentário Político Gostaria de saber porque os sinais de trânsito de Maricá vermelharam... Pensei e sou sabedora que é branco padrão. E a tal moeda mumbuca, soube que é jogada política. Um passarinho me contou que Chiquinho é candidato a prefeito em 2016. Será? As alianças políticas foram feitas e deu Pezão. Pezão é um político simples, mais um grande político. Nesta gestão falta o tanto que pregamos, educação e saúde. Cadê os profissionais da saúde?
  7. 7. ABRIL 2014 JORNAL DO MUNICÍPIO - 7- 7- 7- 7- 7 Comandante Nardim Riquezas do Brasil NIÓBIO Na mitologia grega vamos encontrar referências a Niobe – Filha de Tântaro, que serviu como motivação a Charles Hatchettpara atribuir ao mineral Nióbio por ele descoberto, encontrado no mineral Columbita, em 1801. O Nióbio é um metal duro e resistente ao calor, usado em algumas ligas de aço inoxidável e metais não ferroso que toma uma coloração cinza brilhante e se transforma em uma coloração azulada, começando a oxidar-se somente à temperatura de 200ºC. É usado na indústria nuclear, em soldas elétricas e principalmente nos programas aero espacial, devido sua leveza e resistência às mais diversas formas de impacto e combustão. Suportaàs duras pressões atmosféricas e é aplicado principalmente em ligas de aço para a fabricação de tubos supercondutores de fluidos. O Brasil é detentor de 98% das reservas mundiais o que tem despertado à cobiça dos países industrializados, principalmente os que investem emprogramas espaciais. As maiores reservam de Nióbioestão localizadas no estado brasileiro de Roraima, o que tem suscitado grandes disputas pelo domínio da região. Atentemos para o que aconteceu recentemente com a demarcação contínua das terras indígenas,na Raposa Serra do Sol, que motivou a expulsão dos produtores de arroz da região. As alegações forammuitas para que isso acontecesse, mas todas elas demonstrando nítido interesse pelas reservas de Nióbio da região, se não, vejamos: Alegaram que as terras pertenciam a grupos indígenas que antes eram apenas conhecidos como povos indígenas, depois como nações indígenas. Ora, não se concebe uma nação dentro de outra nação, isso nos induz a pensar que no futuro transformarão as nações indígenas em um estado independente, desvinculado do Brasil e com capacidade de negociar os recursos da região diretamente com os índios brasileiros. Se isso acontecer o Brasil não só perderá grandes áreas do estado de Roraima como também outras áreas nas circunvizinhanças das “Nações Indígenas” espalhadas pelo Brasil. Resultado?... O Brasil deixará de ser um país de dimensões continentais para ser um país retalhado pelas ditas nações indígenas. Pelo mapa acima podemos ver a localização da Raposa serra do Sol, justo na fronteira com a Guiana Inglesa. Acreditamos que é aí que mora o perigo. O Brasil já perdeu treze mil quilômetros quadrados de área fronteiriça com a Guiana pelo simples fatos dos índios da região terem recebidos missionários que induziram os índios a falarem inglês e assimilarem os costumes da Guiana Inglesa. Não acreditamos que essa simples denúncia vá mudar o quadro atual, mas, se não denunciarmos ficaremos mais distantes do problema, facilitando a ação dos vendilhões do nosso país. “Que Deus tenha piedade de nós”! MARICÁPRECISADESOLUÇÕES No final da década de 80, Maricá tinha apenas 46 mil habitantes. A maioria nativa. E todo mundo era feliz e não sabia. Hoje, estamos praticamente com 150 mil habitantes o que reflete que muita gente optou por vir residir aqui, ocasionando, com isso, um crescimento demográfico considerável. Esperava-se, assim, um crescimento econômico o que não aconteceu até agora por extrema incompetência de nossas autoridades municipais. Todo mundo sabe que Maricá possui um grande potencial turístico que nunca foi explorado ignorando-se o fato de se o nosso município privilegiado pela natureza cercado pelo mar, pela montanha e por um sistema lagunar. Além disso, precisamos ter pressa para que aqui se estabeleça um polo industrial que gere empregos, uma cidade universitária para que os jovens não precisem se ausentar daqui para estudar. Precisamos do básico para nos tornarmos autossuficientes e é por isso que uma estrutura econômica (não existe) deveria ser acelerada atraindo para cá investidores que se sintam seguros em investir e se estabelecerem aqui. Chegamos a uma conclusão de que precisamos, isto sim, de um administrador competente com visão do futuro (o que ainda não aconteceu) que traga investimentos com a construção de uma rede hoteleira (há anos os Lions tentam realizar aqui o seu congresso internacional, mas transferiram para Niterói. Porque Maricá não tinha hotéis para abrigar 800 pessoas) e a instalação de indústrias não poluentes para gerar empregos. Uilton Viana em seu governo tentou, mas o nosso município era carente de uma infraestrutura que permanece até hoje. Concluindo, afirmamos que até agora ninguém foi capaz de enfrentar o problema e trazer soluções. 2014 é um ano eleitoral o que significa dizer que vamos ver os promesseiros de plantão, os forasteiros que virão até aqui em busca do voto prometendo até o céu para o eleitor desavisado que infelizmente é a maioria. Entrevistado num programa na Globonews, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, descartou a possibilidade de ser candidato nas eleições deste ano, falou sobre sua visão com relação à presença de um negro no Supremo e rejeitou a fama de bravo, embora tenha admitido que, por vezes, se arrepende de usar algumas “palavras mais duras”: “Sou um companheiro inseparável da verdade. Não suporto essa coisa de o sujeito ficar escolhendo palavrinhas para fazer algo inaceitável. E isso é da nossa cultura. Faz-se algo ilegal, mas com belas palavras, com gentilezas. Isso é responsável por boa parte das minhas irritações”. Ao ser perguntado se não era rude, em algumas ocasiões, Barbosa se justificou: “Tem que ser. O Brasil é o país dos conchavos, do tapinha nas costas, o país onde tudo se resolve na base da amizade. Eu não suporto nada disso”. A entrevista, de 48 minutos, também teve perguntas sobre questões raciais. Numa delas, o ministro – que afirmou que o racismo “você sente sempre, em criança e mesmo quando ministro do STF” - disse lamentar o fato de que “pouca gente olha o meu currículo, só vê a cor da pele”. Em outra, falou da expectativa que tem sobre a escolha de negros para o Supremo: “Espero que os presidentes saibam escolher bem pessoas para cá, que escolham um negro com naturalidade”. A especulação sobre uma pretensão a cargo político, ainda nas eleições de 2014, foi negada por Joaquim Barbosa, que deve ficar no STF até novembro. “Por enquanto, não. Recebo inúmeras manifestações de carinho, pedidos de cidadãos comuns para que me lance nessa briga, mas não me emocionei com essa idéia”, relatou Barbosa. JOAQUIM BARBOSA, PRESIDENTE DO STF: O BRASIL É O PAÍS DOS CONCHAVOS AGRANDEEXPECTATIVA A grande expectativa dos emancipacionistas brasileiros, e creiam, não são poucos, gira em torno do tempo em que o CONGRESSO NACIONAL vai levar para julgar o veto da Presidenta da República à lei que reativa os processos de emancipação de distritos para a criação de novos municípios. Uma coisa é certa, demore o tempo que demorar, mas a lei tem que ser criada, por ser uma ordenação da CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, que assim estabelece no § 4º de seu artigo 18 – (SIC) Art 18 § 4º – A criação a incorporação a fusão e o desmembramento de municípios far-se-ão por Lei Estadual dentro do período determinado por Lei Complementar Federal e dependerão de consulta prévia, mediante plebiscito, as populações dos municípios envolvidos, após divulgação dos estudos de viabilidade municipal apresentados e publicados na forma da lei. Face ao estabelecido na Constituição Federal e na Lei complementar que está sendo criada, cabe aos emancipacionistas arregaçarem as mangas e partir para o trabalho, ainda que, com isto estejam contrariando à alguns poucos, que ainda insistem em ser contrários. Rodovaldo Coutinho MISSMARICÁLATINA 2014/2015 Domingo, dia 18 de maio a partir das 19 horas no Espaço Cultural da Pousada Vovó Bellina em São José do Imbassaí (atrás do Supermercado SuperMix no km 22 da RJ 106). Realização PR Produções
  8. 8. 8 - JORNAL DO MUNICÍPIO ABRIL 2014 BICENTENÁRIO DE MARICÁ SERÁ COMEMORADO PELO PDT Estamos no ano do bicentenário de Maricá. Há 200 anos – 1814 – o nosso município conseguiria a sua emancipação político-administrativa começando aí, a sua caminhada em busca do desenvolvimento. Formava-se a Câmara dos Vereadores e iniciava-se a construção do prédio que hoje abriga a Casa de Cultura, mas que no inicio figurou como sede não só do legislativo, como também do Banco do Brasil, coletoria estadual e até de delegacia de polícia. Isso 27 anos depois, pois o prédio só seria concluído em 1841. Maricá é um celeiro de grandes vultos que escreveram seus nomes em sua história. Mas que foram esquecidos quando recentemente, a prefeitura decidiu mostrar para o mundo (e não mostrou) num desfile de carnaval. O diplomata Domicío da Gama, o professor Elisiário Matta, Ribeiro de Almeida, Abreu Rangel, Francisco Sabino da Costa, o almirante Macedo Soares, Jacinto Caetano, Barão de Inohan e muitos outros. A nativa Maricá se transformou. Para cá vieram morar pessoas oriundas de várias cidades do Estado ocasionando uma explosão demográfica. E Maricá não estava preparada para receber seus novos moradores. E por várias razões. Embora encravada entre o mar, a montanha e as lagoas, não conseguiu despertar a mente dos inúmeros governantes que passaram por aqui. Sempre viveu de pires na mão, dependendo da arrecadação do IPTU e outras taxas estaduais e federais. Embora essa arrecadação tenha aumentado consideravelmente com a chegada dos royalties do petróleo, Maricá ainda carece de uma administração competente. O 26 DE MAIO Aqui em Maricá, o PDT é o partido que sempre resgatou a sua história. E esse ano especialmente, ano do bicentenário, a direção do partido não vai deixar passar em branco a data de 26 de Maio. Sem comemoração oficial, o partido de Brizola vai comemorar o evento com um café da manhã em sua sede e uma grande concentração na Praça Orlando de Barros Pimentel, conforme revelou ao JM o presidente do Diretório Municipal, Carolino Santos. Completa 27 anos, no próximo dia 4 de Maio. A aniversariante faz parte da equipe desse jornal como digitadora. Natural de Barra do Garças – MT, Stéphanie está há quatorze anos em Maricá, e trabalha como secretária do escritório de advocacia do Dr. Julio Carolino. Stéphanie Dalliany

×