A Trajetória do Ensino e da Pesquisa em Contabilidade no Brasil

550 visualizações

Publicada em

A Trajetória do Ensino e da Pesquisa em Contabilidade no Brasil
Palestrante: Ernani Ott

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
550
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
128
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Trajetória do Ensino e da Pesquisa em Contabilidade no Brasil

  1. 1. A TRAJETÓRIA DDOO EENNSSIINNOO EE DDAA PPEESSQQUUIISSAA EEMM CCOONNTTAABBIILLIIDDAADDEE NNNNOOOO BBBBRRRRAAAASSSSIIIILLLL Prof. Ernani Ott ernani@unisinos.br
  2. 2. Marcos RReeffeerreenncciiaaiiss ddoo EENNSSIINNOO CCOONNTTÁÁBBIILL 1809 – Criação da Aula de Comércio (criação oficial do ensino contábil) 1902 – 1ª. Escola especializada no Ensino de Contabilidade – Escola Prática de Comércio (Álvares Penteado, SP)
  3. 3. CCIIÊÊNNCCIIAASS CCOONNTTÁÁBBEEIISS 1945 – Criação do Curso 1992 – Resolução 3/92 do CFE ((GGrraadduuaaççããoo) Conhecimentos de formação geral e humanística Conhecimentos de formação profissional Conhecimentos/atividades de formação complementar
  4. 4. CCIIÊÊNNCCIIAASS CCOONNTTÁÁBBEEIISS 2004 – Diretrizes Curriculares CCoonntteeúúddooss ddee FFoorrmmaaççããoo BBáássiiccaa,, Profissional e Teórico-Prática Desenvolver Competências e Habilidades
  5. 5. MATRÍCULAS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Ano Número 11997766 116666 1986 194 1996 384 2002 641 2014 +/- 1.400
  6. 6. MATRÍCULAS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS
  7. 7. Mercado de Trabalho do Contador
  8. 8. Valorização PPrrooffiissssiioonnaall Cultura Tecnológica CCuullttuurraa TTééccnniiccaa ee CCiieennttííffiiccaa Cultura Geral Comportamento Ético
  9. 9. Corpo Docente Doutores 6% MMeessttrreess 4400%% Especialistas 50% Graduados 4% * Inclui formados em outras áreas
  10. 10. PÓS-GRADUAÇÃO Década 1930/1940 - Primeiros passos (modelo europeu: Direito e Filosofia) Década 1950 - Primeiros convênios Brasil-EUA, intercâmbio de alunos, professores e pesquisadores
  11. 11. 1951 Criada a COORDENAÇÃO NACIONAL DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES) Assegurar a existência de pessoal especializado em quantidade e qualidade suficientes para atender as necessidades dos empreendimentos públicos e privados que visam ao desenvolvimento do país.
  12. 12. LEI 5540/68 (LDB) Institucionalização da Pós-Graduação Stricto Sensu Formar professores para o ensino superior Preparar pessoal de alta qualificação para empresas públicas e privadas Estimular estudos e pesquisas científicas por meio da formação de pesquisadores
  13. 13. Avaliação da CAPES - Quesitos Proposta do Programa CCoorrppoo DDoocceennttee Corpo Discente, Teses e Dissertações Produção Intelectual Inserção Social
  14. 14. ESTRUTURA DO MESTRADO/DOUTORADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO LINHAS DE PESQUISA PROJETOS DE PESQUISA ORIENTAÇÕES (Dissertações/Teses) PRODUÇÃO CIENTÍFICA
  15. 15. MESTRADOS 1970 a 2000 – 5 Cursos 2001 aa 22000055 –– 55 CCuurrssooss 2006 a 2014 – 12 Cursos 3.200 Formados (2013) 6 PPG Nota 3 e 11PPG Nota 4
  16. 16. Doutorados 1978 USP 2007 UnB 2008 FURB 2009 FUCAPE 2013 USP-RP 2013 UFPR 2013 UNISINOS 2014 UFRJ 2014 UFSC
  17. 17. Mestrados e Doutorados Região Sul 5 Mestrados 4 Doutorados Região Sudeste 12 Mestrados 4 Doutorados
  18. 18. Mestrados e Doutorados Distrito Federal 1 Mestrado 1 Doutorado (UFPB e UFRN) Região Nordeste 4 Mestrados
  19. 19. Doutorado em Contabilidade BBRRAASSIILL ((22001144)) 9 Universidades 276 Doutores Formados EESSTTAADDOOSS UUNNIIDDOOSS (2005) 92 Universidades 6.430 Doutores Formados Murcia, Borba, Ramos (2006); Hasselback (2005)
  20. 20. Importância do Doutorado Criação de Novos Mestrados/Doutorados Projetos MINTER / DINTER (amplia capacidade de formação de mestres/doutores e produção cciieennttííffiiccaa)) Doutorado “Sanduíche” (Universidade estrangeira) Maturidade científica (Maior qualificação da pesquisa) Eleva a Qualificação Profissional
  21. 21. Retorno da Educação no Mercado de Trabalho – Mestres/Doutores Profissional Posição no Ranking Salário Médio/Mes MMeeddiicciinnaa 11 88..996666,,0077 Administração 2 8.012,10 Direito 3 7.540,79 Ciências 4 7.085,24 Contábeis Engenharia 5 6.938,39
  22. 22. Pesquisa Graduação (iniciação científica) Mestrados e Doutorados Grupos (Redes) de Pesquisa Discussão em Eventos Científicos da área Disseminação em Dissertações, Teses, Periódicos e Livros
  23. 23. EVENTOS CIENTÍFICOS
  24. 24. Áreas de Atuação dos Pesquisadores Contabilidade para Usuários Externos Contabilidade Gerencial/CCoonnttrroollaaddoorriiaa Contabilidade Socioambiental Mercado Financeiro e de Capitais Ensino e Pesquisa em Contabilidade
  25. 25. PERIÓDICOS CIENTÍFICOS (A2)
  26. 26. PERIÓDICOS CIENTÍFICOS (B1)
  27. 27. PERIÓDICOS CIENTÍFICOS (B2)
  28. 28. PERIÓDICOS CIENTÍFICOS (B3)
  29. 29. ANPCONT Criada em: 30/01/2006 Objetivo: atuar na área de educação, congregando e representando as instituições brasileiras que mantêm cursos ddee mmeessttrraaddoo ee doutorado em Ciências Contábeis 1º Congresso Anual: 2007 Área da CAPES: Administração, Ciências Contábeis e Turismo
  30. 30. Missão Promover e fomentar o desenvolvimento ddooss pprrooggrraammaass ddee Pós-Graduação stricto sensu em Ciências Contábeis que operam no Brasil.
  31. 31. Visão Ser percebida pela comunidade acadêmica nacional e internacional como aaggeennttee iinndduuttoorr ddaa transformação da qualidade na educação e na pesquisa contábil no Brasil.
  32. 32. Objetivos Buscar a independência da área de Contabilidade Promover a internacionalização dos programas de mestrado ee//oouu ddoouuttoorraaddoo associados Reduzir a assimetria entre os programas Promover a integração com a graduação de ciências contábeis e outras áreas afins
  33. 33. RECADO FINAL..... ESTUDAR NÃO EEESSSTTTUUUDDDAAARRR NNNÃÃÃOOO ÉÉÉÉ TTTTUUUUDDDDOOOO NNNNAAAA VVVVIIIIDDDDAAAA,,,, MMMMAAAASSSS ÉÉÉÉ PPPPRRRREEEECCCCIIIISSSSOOOO EEEESSSSTTTTUUUUDDDDAAAARRRR SSSSEEEEMMMMPPPPRRRREEEE!!!!!!!!!!!!!!!!
  34. 34. MMMMMMMMUUUUUUUUIIIIIIIITTTTTTTTOOOOOOOO OOOOOOOOBBBBBBBBRRRRRRRRIIIIIIIIGGGGGGGGAAAAAAAADDDDDDDDOOOOOOOO TTTTcccchhhhêêêê!!!!!!!!!!!! eeeerrrrnnnnaaaannnniiii@@@@uuuunnnniiiissssiiiinnnnoooossss....bbbbrrrr

×